Alameda de água e lava | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
54198 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Fui pra Cuba
>>> Sobre o preço dos livros 1/2
>>> No altar do vento
>>> Hamlet... e considerações sobre mercado editorial
>>> Novos Melhores Blogs
>>> The Romantic Poets, by Kevin Mundy
>>> Mais pressão na caldeira
>>> Manual para revisores novatos
>>> É suave a noite
Mais Recentes
>>> Os amores difíceis de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1992)
>>> Os amores difíceis de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1992)
>>> Os amores difíceis de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1992)
>>> Muito prazer fale português do Brasil de Glaucia Roberta Rocha Fernandes pela Disal (2021)
>>> O beijo e outras histórias de Antón Tchekhov pela Círculo do Livro
>>> Sob o Sol-Jaguar de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1995)
>>> O que Einstein disse a seu cozinheiro - vol. 2: Mais ciência na cozinha de Robert L. Wolke pela Zahar (2003)
>>> O que Einstein disse a seu cozinheiro - vol. 1: A ciência na cozinha de Robert L. Wolke pela Zahar (2003)
>>> O Poder do Silêncio de Eckhart Tolle pela Sextante (2016)
>>> O Poder do Agora de Eckhart Tolle pela Sextante (2002)
>>> O Toque de Midas de Colleen McCullough pela Bertrand Brasil (2007)
>>> O Comite da Morte de Noah Gordon pela Rocco (1996)
>>> La Bodega de Noah Gordon pela Rocco (2008)
>>> Xama a historia de um medico no seculo XIX de Noah Gordon pela Rocco (1993)
>>> O Rabino de Noah Gordon pela Rocco (1994)
>>> O Rabino de Noah Gordon pela Rp (2021)
>>> O Fisico - A epopeia de um medico medieval de Noah Gordon pela Rocco (1993)
>>> O Silencio dos Inocentes ( capa dura) de Thomas Harris pela Altaya Record (1989)
>>> Hannibal de Thomas Harris pela Record (1999)
>>> O Jardim de Ossos de Tess Gerritsen pela Record (2009)
>>> O Clube Mefisto de Tess Gerritsen pela Record (2016)
>>> Gestão Empresarial de Taylor aos Nossos Dias de Ademir Antonio Ferreira e Outros pela Pioneira (2000)
>>> O Dominador de Tess Gerritsen pela Record (2016)
>>> Pão Diário 15 de Vários Autores pela Rtm (2012)
>>> Cadernos da Pós-Graduação Cinema e Fotografia de Instituto de Artes Unicamp pela UniCamp (2006)
COLUNAS

Quinta-feira, 29/10/2020
Alameda de água e lava
Elisa Andrade Buzzo

+ de 2100 Acessos

Anuncia-se uma miragem no deserto da quarentena. Imergidos na bolha da claridade calamitosa, em que o branco incide e se rebate, andarilhos ao léu perseguem seus longínquos e desconhecidos objetivos, como se pela ação do caminhar mesmo sem rumo se houvesse afinal de se encontrar uma possibilidade de jardim caudaloso.

No amplo espectro, o branco cintila, permeado pelas poucas silhuetas negras, desorientadas, que iniciam uma organização trêmula em duas linhas retas e paralelas. Isso porque a roleta do movimento alucinado e incessante, afinal esmoreceu, enfim parou, sem novo impulso. Alguém fincou azinheiras e tílias nas pedras, de caules delicados e folhas claras espetadas, que surgem como uma introdução palpável desse débil e novo sonho.

Vegetação e corpos estreitam-se, como sombras que vão se juntando em um sentido único de uma nova configuração, esbatidos os impulsos, interrompidas as obrigações, alterados os projetos da arquitetura universal. O céu ainda rutila por sobre o arranjo geométrico, que busca a estrutura protetora de um dossel, um firmamento que suavize a ardência da praga.

Um rasgo na terra determina um traço de água raso, este, em um ínterim da secura, canal ladrilhado de faixas coloridas, que se interrompe de tempos em tempos, enquanto a fragilidade das tílias é alternada pela austeridade por carvalhos robustos. Em uma paleta gradativa do amarelo, do vermelho, passa-se pelo laranja, pelo roxo, pelo azul e pelo verde nas fontes, a água explode e escorre. É o mecanismo de riachuelo aliado a vulcões, o passadiço arborizado.

Que não haja engano, há uma tubulação para manter as máquinas respirando, bufando, por debaixo do gradeado, uma engenharia de água que também arde. Afinal, esse troço líquido é uma encenação. Espécies de árvores foram escolhidas, uma junção de elementos nunca antes pensada pela natureza foi alicerçada e plantada pelo homem, e assim a cenografia do caminho foi delimitada.

A alameda de água e lava é uma síntese de dois elementos que a ela correm paralelos: o traço de rio natural e o risco de cidade artifício. Em algumas centenas de metros, atravessam-se oceanos, distintas geografias em linha reta, na sensação de calmos navegantes, descobridores no alento de luz e sombra, enquanto algures a Terra fulgura e queima. Exploradores manhosos passeiam, tomam banho, descansam, varrem, podam as eritrinas.

O amarelo-alaranjado desse paraíso sintético vai deixando sua rigidez na suspensão de um jardim azul-esverdado, com palmeiras entornando o palpitar das fontes, abelhas planando em frêmito. A porção norte é mais luxuriante, mais arborizada e com mais camadas de arbustos acanteirados e palmeiras. Observa-se, ao longe: é este outro tipo de paraíso, artificioso, em que o reflexo das águas trêmulas dos canais rebate nos galhos dos pesados carvalhos?

Há sempre algo prestes a acontecer. Por isso, dá-se um último passo, e se está fora da exuberância de folhas e águas perfiladas. Os vulcões explodem assim que o local se esvazia, sendo registados apenas alguns gritos e vivas. As fontes-vulcão e o canal se afastam, adentrando na espessura da mata onírica.

A tarde é luzidia. Uma silhueta de homem atravessa transversalmente. A vida em potencial não pode se expor a nu diante dos olhos, ela acontece na sombra de uma flecha, nos respingos excedentes de água, na trajetória da queda de uma folha. A cidade desértica prevalece como um facho constante dependurado num corredor petrificado, pintada de ardor e calma desolação.

Sempre há algo prestes a acontecer, na forma de um pássaro morto, uma faísca de lembrança, uma criança em fato de banho nos canais.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 29/10/2020


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2020
01. Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa - 20/8/2020
02. Alma indígena minha - 14/5/2020
03. Na translucidez à nossa frente - 10/12/2020
04. Vandalizar e destituir uma imagem de estátua - 1/10/2020
05. Alameda de água e lava - 29/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Guia dos Mil Presentes
Betty Chateaubriand
Códex
(2003)



Vade Mecum Edição Especial 2014
Thomson Reuters/rt
Thomson Reuters/rt
(2014)



Elas Escrevem Contos, Crônicas e Poemas
Hanna Liis-baxter
Andross
(2010)



A Moreninha - Serie Bom Livro
Joaquim Manuel de Macedo
Atica
(1993)



É Dando Que Se Recebe
Carlos Eduardo Novaes
Ática
(1994)



Organizações de Aprendizagem Educação Continuada e a Empresa do Futur
Humberto Mariotti
Atlas
(1999)



Ser Protagonista Química 2ºano Ensino Medio
Julio Cesar Foschini Lisboa
Sm Didático
(2014)



Redimidos - da Miséria, da Enfermidade e da Morte
Kenneth E. Hagin
Graça Editorial
(2004)



El Acero En La Construccion
Jose Pinos Calvet
Reverte
(1969)



Grammar Practice 1 a Complete Grammar Workout For Teen Students
Herbert Puchta
Helbling
(2012)





busca | avançada
54198 visitas/dia
2,2 milhões/mês