Autobiografia teológica | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
34764 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Dragão7 realiza última edição do Circuito de Teatro em Português
>>> Teatro para bebês, A Florestinha da Pati, integra o Circuito de Teatro em Português
>>> Buscapé cria "Vila" para celebrar Black Friday
>>> Vila 567 promove Quintaneja para comemorar feriado prolongado
>>> Musical gratuito "Brincando com a Broadway" chega ao Teatro UMC
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> No tinir dos metais
>>> De(correntes)
>>> Prata matutina
>>> Brazil - An Existing Alien Country on Planet Earth
>>> Casa de couro IV
>>> 232 Celcius, ou Fahrenheit 451
>>> Mãe
>>> Auto contraste
>>> Os intelectuais e a gastronomia
>>> Cabeças Cortadas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Farewell, Pedrinho!
>>> Baratas
>>> Dar de comer ao ódio
>>> Suspeito que estejam sempre conspirando para me fazer feliz
>>> Escrever para não morrer
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> Eu também sou concretista
>>> Geraldo Vandré, 70 anos
>>> Apresentação
Mais Recentes
>>> Para-quedas & beijos de Erica jong pela Circulo do livro
>>> O desafio mundial de Jean-jacques servan-schreiber pela Nova fronteira
>>> A revoluçao dos covardes de David nasser pela Cruzeiro
>>> Do coração de um pastor de Kenneth w Hagin pela Graca editorial (2009)
>>> Oráculo da Grande Mãe - Acomp. 1 Livro e 60 cartas de Claudiney Prieto pela Alfabeto
>>> Tarô das Bruxas - Acompanha 78 cartas de Ellen Dugan pela Isis
>>> Mamãe e o Sentido da Vida de Irvin D. Yalom pela Agir (2010)
>>> Décima Profecia, A de James Redfield pela Fontanar (2009)
>>> Curso Completo de Tarô - Acomp. 1 livro e 78 cartas de Nei Naiff pela Alfabeto
>>> Árabe do Futuro, O de Riad Sattouf pela Intrínseca (2015)
>>> Schraiber - " O reino dos simples" de Vários autores pela Não definido
>>> Selecta homeopathica - Cura e recuperação de Vários autores pela Luz menescal (2002)
>>> Selecta homeopathica - Experimentação patogenética de Vários autores pela Luz menescal (2001)
>>> Cadernos de matéria médica - Vol. 10 Nº 1 de Vários autores pela American journal (2002)
>>> Peter Pan de James Barrie pela Ediouro (2004)
>>> Coors taste of the west de Vários autores pela Better Homes and Gardens (1981)
>>> Party book de Dorothy Marsh e Carol Brock pela Harper & Brothers (1958)
>>> The pocket book of home canning de Elizabeth Beveridge pela Pocket books (1943)
>>> Paisagens Humanas de Antonio Versiani pela Civilização brasileira (1960)
>>> Great Tales of the far west de Alex Austin pela Pyramid books (1956)
>>> The Movie Buff´s book de Ted Sennett pela A pyramid publication (1975)
>>> Hospital de Arthur Hailey pela Nova Fronteira (1959)
>>> Monsenhor Quixote de Graham Greene pela Record (1982)
>>> Salambô de Flaubert pela Max Limonad (1985)
>>> O vale do terror de Arthur Conan Doyle pela Ediouro
>>> A casa morta de Henry Bordeaux pela Figueirinhas (1929)
>>> Ih, esqueceram madame Freud... de Françoise Xenakis pela Rocco (1988)
>>> Platero e eu de Juan Ramón Jiménez pela Rio Gráfica (1987)
>>> The countess de Hans Habe pela A signet book (1964)
>>> Loves of the orient de Giovanni Camisso pela Belmont Book (1954)
>>> Skipping Christmas de John Grisham pela A dell book (2004)
>>> Terra Virgem El Erial de Constâncio C. Vigil pela Melhoramentos
>>> Woodstock - Tomo I de Walter Scott pela H. Garnier
>>> L´Homme qui assassina de Claude Farrère pela Ernest Flammarion
>>> Camille de Alexandre Dumas pela Bantam Books (1949)
>>> Lamentai os honestos de Ed Lacy pela Ibis (1968)
>>> Conspiração nas trevas de Hartley Howard pela Livros do Brasil (1966)
>>> Próxima Viagem - Nº 62, Ano 6 de Vários autores pela Peixes (2004)
>>> Próxima Viagem - Nº 4, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 3, Ano 1 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 6, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 7, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 10, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 12, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 37, Ano 3 de Vários autores pela Peixes (2002)
>>> Próxima Viagem - Nº 22, Ano 3 de Vários autores pela Peixes (2001)
>>> Próxima Viagem - Nº 1, Ano 1 de Vários autores pela Peixes (1999)
>>> Viaje mais por menos - Nº 12, Ano 1 de Vários autores pela Europa (2002)
>>> Viagem e turismo - Nº 4, Ano 4 de Vários autores pela Abril (1998)
>>> Viagem e turismo - Nº 2, Ano 2 de Vários autores pela Abril (1996)
COLUNAS >>> Especial Deus tem futuro?

Quarta-feira, 12/3/2008
Autobiografia teológica
Gian Danton

+ de 7100 Acessos
+ 10 Comentário(s)

Venho de uma família de católicos praticantes. Fui batizado, depois fiz primeira comunhão e crisma. Era uma obrigação. A primeira comunhão foi particularmente traumática. Tínhamos que participar de um coral. Sempre fui viciado em informação e acho insuportável a redundância (alguns chamariam isso de curiosidade patológica). Ficar ali repetindo sempre as mesmas músicas era uma tortura chinesa.

Na época da crisma, a professora era adepta da teologia da libertação. Era bem mais interessante que as preleções repetitivas e descontextualizadas que se ouvia na missa. A preocupação social também pareceu importante, uma quebra com uma igreja que historicamente sempre esteve ao lado das classes mais favorecidas, mas era pé no chão demais, não parecia religião. A teologia da libertação parece ter se preocupado muito com a terra e se esquecido do espiritual.

Em suma, nada disso me conquistou. Eu ia à igreja porque, se não fosse, não recebia a mesada (que era paga parcelada, semanalmente, justamente para me forçar a freqüentar a igreja). Logo descobri que bastava pegar o folheto, estudá-lo por alguns minutos e já saberia contar tudo sobre a missa. Quando comecei a ganhar dinheiro e conquistei uma mínima indepedência financeira, tornei-me ateu. Não um ateu praticante, mas um ateu curioso. Não acreditava, nem deixava de acreditar. Passei um bom tempo assim, num período de dúvida cartesiana, até porque, provavelmente, nunca tivera uma fé verdadeira.

Mas, como disse, era um curioso. Problemas pessoais me levaram a procurar outras explicações para as coisas. Comecei com o taoísmo, que se parecia mais com filosofia do que com as religiões que eu conhecia. Conheci o taoísmo por vias indiretas. Eu havia encontrado em um sebo um interessante volume sobre o I Ching. Embora o I Ching seja visto como um método de advinhação (dizem que a ministra Zélia Cardoso de Melo jogou o I Ching para saber quanto seria o limite de saque na época do plano Collor), meu interesse pelo volume era muito mais filosófico. Frases como: "Tudo segue fluindo, como esse rio, sem cessar, dia e noite" ou "A lei univesal que tudo rege é o constante mudar" ecoavam o pensamento do grego Heráclito. Há duas grandes correntes de pensamento na filosofia. Uma delas propõe que nada muda. Se parece mudar, é apenas na aparência, não na essência. Outra corrente, prega que a essência das coisas é justamente a mudança. Esse segundo ponto de vista sempre me impressionou mais, daí o interesse pelo livro sobre o I Ching. Na introdução havia uma pequena imagem do criador do taoísmo, com a legenda: "Retrato de Lao Tsé, filósofo chinês do século V a.C., autor do Tao Te Ching, livro no qual destaca os valores da liberdade, da solidão, do estado de quietude e da humildade".

Aquela pequena notinha me levou a pesquisar sobre o taoísmo e acabei me deparando com a versão traduzida por Humberto Rodhen, que na época poderia ser encontrada em qualquer banca de revista. Foi ali, naquele dia, folheando aquele livro sobre o I Ching, num sebo imundo e bagunçado de final de linha de ônibus, que comecei meu retorno em direção à fé, via filosofia. Todo bom leitor, depois de algum tempo, vai perdendo a paciência e se acomodando naqueles autores prediletos, mas quando se é jovem, lê-se tudo que lhe aparece diante dos olhos. Como estava nessa fase jovem quando li o Tao Te King, fui dele para o Bhagavad Gita, em uma edição da revista Planeta. Na época havia vários desses livros nas bancas, em encadernação em capa dura vermelha, todos com conteúdo místico e a preços módicos. Deles, só o Bhagavad Gita me interessou. O diálogo entre o príncipe Arjuna e Krishna tinha algo de épico, filosófico, religioso e poético que fazia dele uma ótima leitura. O Bhagavad me mostrou a importância do ritmo, da música, para a religião. Na época, cheguei a freqüentar uma fazenda Hare Krishna nos arredores de Belém. Fui ao local levado por uma amiga. Lá conhecemos um prabu (mestre) divertido que me remetia às ilustrações taoístas que eu vira em livros, com mestres brincalhões. Nem mesmo quando nos encontrou fazendo um lanche na cozinha, ele se aborreceu (entre os Hare Krishna, a comida é primeiro oferecida a Krishna, sendo a cozinha um lugar sagrado). A música também era encarada de maneira diferente daquelas enfadonhas repetições do coral da igreja católica. Era solta, fácil de cantar e tinha o objetivo de introduzir o iniciado numa espécie de transe místico. Era uma experiência interessante ― e era também, claramente, um tipo de religião.

Na época cheguei a produzir um trabalho na faculdade, analisando os Hare Krishna do ponto de vista antropológico e esse trabalho me deu tanto fama quanto inimigos. Nessa pequena monografia, eu analisava como a ritualização religiosa de todos os passos da vida de um Hare Krishna, como o ato de comer, tinha o objetivo de demarcar o distanciamento entre o ser humano e os animais. Inimigos porque a professora comentou em todas as turmas que um único aluno fora capaz de produzir um trabalho merecedor de nota máxima.

O passo seguinte na direção da reconciliação com a religião se deu também por acaso. Eu estava em um auditório em Belém, pronto para uma palestra sobre quadrinhos e resolvi assistir a palestra que a precedia. Era sobre um tema místico qualquer. No final, o palestrante convidou a platéia para conhecer a União do Vegetal (UDV). Hoje eu sei que isso foi uma irresponsabilidade. Para conhecer a UDV é necessário procurar um mestre, conversar com ele, explicar os motivos, receber orientações etc. No meu caso, não aconteceu nada disso. Terminando minha palestra, fomos em grupo e chegamos quando já estavam se iniciando os trabalhos.

A União do Vegetal é uma religião fruto do sincretismo religioso das tradições índias com as cristãs, da mesma forma que o Santo Daime. Mas, embora o Santo Daime seja mais próximo do catolicismo, a UDV parece mais relacionada ao espiritismo, em termos de crença e de rituais (ou falta deles). Nas sessões, bebe-se o chá, uma mistura do cipó mariri, com a folha chacrona, dois produtos típicos da Amazônia. Depois senta-se em cadeiras reclinadas e espera-se o efeito. Há toda uma nomeclatura relacionada a esses efeitos. O efeito físico é chamado de força e o espiritual de luz, as visões são as mirações. A fase inicial, de força, costuma ser incômoda, especialmente com vômitos. Dizem que é uma fase de purificação, e parece ser mesmo, pois logo em seguida a pessoa entra num estado de tranqüilidade. Comigo as duas situações eram bastante demarcadas: a fase inicial violenta e a fase seguinte com um estado de paz e concentração que podia durar horas. As mirações podiam ser lembranças de momentos esquecidos e, nesse sentindo, era uma verdadeira terapia, que ajudava a lidar com situações que, como dizia Jung, foram para o lado sombra. Havia quem lembrasse de vidas passadas ou até previsse o futuro (eu cheguei a presenciar um desses prenúncios do futuro e depois sua realização). Os integrantes da UDV passam o tempo todo sentados e só podem falar com autorização do mestre.

Normalmente não há preleções, embora os mestres possam responder a perguntas da platéia. A maioria do tempo é tomada por músicas gravadas (que iam de Luiz Gonzaga a Roberto Carlos, passando por Raul Seixas) e por canções, as "chamadas", entoadas pelo mestre ou por outra pessoa, que serviam para chamar entidades espirituais ou estados de espírito, como luz. Minha primeira visita à UDV se pareceu muito com aquilo que alguns estudiosos chamam de êxtase místico: uma percepção de união com a natureza, de extrema paz espiritual e capacidades intelectuais dilatadas. Huxley diria que as portas da percepção teriam sido abertas, embora relatos semelhantes sejam muito antigos, comuns entre santos católicos, por exemplo. Era minha primeira experiência espiritual genuína. Curiosamente, tenho conversado com muitas pessoas que se dizem religiosas e poucas dizem já ter experimentado esse estado de espírito. A maioria é religiosa por tradição familiar. Nunca consegui compreender isso. Descartes dizia que não devemos aceitar como verdadeira nenhuma coisa que não se conhecesse evidentemente como tal. Aliás, o próprio Descartes descreve sua experiência com palavras que se parecem muito com um êxtase, embora de natureza não religiosa: "Naquele ano, fui visitado por um sonho que veio de cima... ouvi o estrondo de um trovão... era o espírito da verdade, que descia para assenhorear-se de mim".

Uma série de fatores, entre eles minha mudança para Curitiba, e posteriormente para Macapá, fizeram com que eu me afastasse da UDV. Eu ainda continuava me considerando um taoísta, mas ansiava por alguma outra experiência, mais próxima. Antes de mais nada deveria ser uma religião que não se parecesse com uma torcida de futebol. Essa é uma característica que sempre me incomodou: a mania de achar que "a minha religião é melhor que a sua" da mesma forma que se diz "meu time é melhor que o seu", mesmo quando ele perde. Quem não é do meu time-religião, está condenado ao fogo do inferno. Conta-se que em alguns templos taoístas há altares nos quais há símbolos de diversas religiões, mostrando que, no final, todas têm o mesmo objetivo. Em suma, deveria ser uma religião que pregasse o respeito por outras crenças. Além disso, deveria ser uma religião que, aderindo a ela, eu não precisasse simplesmente esquecer todo o conhecimento adquirido pela filosofia e pela ciência (há religiões que, até hoje, acreditam que a Terra é o centro do universo). Deveria ser uma religião que não pregasse uma fé cega, mas uma fé raciocionada, que incentivasse o livre-pensar, e não a obediência cega a um líder. Também deveria ser uma religião que percebesse o caráter de símbolo dos rituais e não se apegasse a eles (segundo o taoísmo, enquanto nos apegamos aos rituais, o tempo está passando e mudando tudo à nossa volta).

A única religião na qual consegui encontrar essas características, em maior ou menor grau, foi o espiritismo. Alan Kardec, o codificador do espiritismo, era um homem de ciência, um educador. Daí a religião criada por ele ter um caráter tão pouco dogmático e com tanta abertura para a ciência e a filosofia. Ele se beneficiou das descobertas metodológicas da época, do método indutivo, para definir as verdades espirituais. Fosse hoje, ele provavelmente estaria ancorado no pensamento complexo e na teoria do caos. Além disso, a humildade tornou-se um princípio básico, que se reflete no respeito a todas as outras religiões e crenças (o que faz com que muitas pessoas freqüentem, por exemplo, a igreja católica e o centro espírita). O ritual foi reduzido a um mínimo necessário (a terapia do passe). E, apesar de ter sua origem na França, hoje o espiritismo é uma religião autenticamente nacional, até porque ecoa as crenças dos índios que moravam aqui muito antes de chegarem os europeus.


Gian Danton
Macapá, 12/3/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin de Jardel Dias Cavalcanti
02. Entrevista com a tradutora Denise Bottmann de Jardel Dias Cavalcanti
03. De Middangeard à Terra Média de Celso A. Uequed Pitol
04. Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
05. Amy Winehouse: uma pintura de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2008
01. Autobiografia teológica - 12/3/2008
02. Histórias de robôs - 3/3/2008
03. Em defesa dos roteiristas de quadrinhos - 7/4/2008
04. O nome da águia - 24/6/2008
05. Coisas Frágeis - 4/8/2008


Mais Especial Deus tem futuro?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/3/2008
11h35min
Que texto interessante, Gian! Me identifiquei muito com ele, muito mesmo. Eu também sou uma curiosa/exploradora dessas formas de reconexão (que é o que afinal o termo religião quer dizer, né?) com o "divino", com a natureza, com o místico, ou chame do que quiser rsrs... Já tive experiências incríveis no Daime (inclusive, a minha primeira vez no Daime foi semelhante à que vc descreveu como sua primeira experiência na UDV) e em um centro de "Umbanda Kardecista" em BH, cidade onde morava. Cá em Portugal, onde moro há 1 ano, fui uma vez a uma palestra espírita e a uma missa católica e percebi uma enorme diferença em relação às daí. Tanto numa quanto noutra. Tb acredito que essas "experiências misticas" possam ser conseguidas em qualquer religião, desde que haja interesse, escolha e consciência no lugar da tradição.
[Leia outros Comentários de Amana]
12/3/2008
20h27min
Muito boa conclusão. Na filosoia védica isto se chama Sidhanta. Sou vaisnava (Hare Krishna para os leigos) e conheci todos os caminhos por ti percorridos e compreendo-o perfeitamente. Passei os estágios da submissão ao pensar e hoje penso que sou livre para fazer qualquer escolha, porém no momento em que escolher perderei a liberdade, pois serei preso pelos preceitos de minha escolha. De qualquer forma, parabéns por sua conclusão.
[Leia outros Comentários de Germano Rivera]
18/3/2008
06h47min
Achei interessante seu texto pois poderia ser escrito por mim. Passei pelo mesmo caminho que voce narrou. Estou pensando que deve existir algum processo que explique essa passagem "religiosa" que chega a ser comum em nossa geração...
[Leia outros Comentários de Angelo]
18/3/2008
08h50min
Excelente texto Gian! É a descrição de um belo caminho - e para mim só existem caminhos, jamais portos de chegada... Você foi longe - pois aproximou-se com inteligência de nós, leitores...
[Leia outros Comentários de Maygon André Molinar]
18/3/2008
13h15min
Para todos há o tempo das indagações, diante do mistério que permeia a vida. "Quem sou, que faço aqui, de onde vim, quem é o responsável pela minha vida e pela que me rodeia, o que virá, após a morte do corpo", indagações ancestrais, quando somadas ao êxtase diante da natureza e do cosmos, geram questionamentos, em certas etapas de nossas vidas, e promovem a busca. É um processo que conduz ao espiritual... O reconhecimento de uma essência que ultrapasse o lado material motiva o ser humano ao estudo, quer seja da filosofia, quer seja das religiões... Nossa busca deve-se à sede de eternidade que é intrínseca ao ser humano... Encantou-me a busca do Gian Danton, colocando suas interrogações a motivarem estudos e pesquisas pessoais! Ele é uma pessoa sensível e especial! Sua redação encanta pela fluidez com que conduz suas idéias. Espero que suas conclusões o levem a se inteirar e a participar, ativamente, do processo da Vida Maior! Parabéns a ele! Está a caminho, como todos nós.
[Leia outros Comentários de Elizabeth]
18/3/2008
13h59min
Em Portugal há uma devoção denominada Nossa Senhora da Marofa. Na terra de Cabral, a relaçao da santinha é com um acidente geográfico, exatamente uma serra. Aqui no Brasil marofa quer dizer maconha... Por razões irracionais, daime, vegetal, ausca, chacrona, raiz de jurema, epadu, pode. Basta que se invente uma religião, tenha um maluco-beleza (mestre) para dar uma certa segurada no barato geral, e pronto. Já a marofa... O alcool tambem produz alucinações, visões, hepatite e cirrose, alem do velho delirium. É aceito. O cigarro só produz cancer e enfizema. É aceito. Imagine um preto velho sem um cachimbo ou um exú sem charuto? Iluminacões quimicas não passam de um embuste sem vergonha para liberar o bagulho infernal. Já está na hora de fundar uma seita à base da velha diamba! Afinal, Clinton, Suplicy, Gabeira, Satchmo e até o "ministro rastafari" tiveram e têm suas iluminações. E o povão? Será que é o cheiro? Que iluminação nada... é barato mesmo!
[Leia outros Comentários de R Almeida]
18/3/2008
16h28min
Gostaria, simplesmente, de colocar um questionamemto. Se esse Deus existe, tal como dizem seus fiéis, por que tantas crianças estão morrendo ao milhares em todo o mundo, com foco para o continente africano? Por que as guerras, as injustiças, tamanha violência. Não vejo motivo para crer em nada superior que fosse bom, ou então caberia questionar o conceito de bondade...
[Leia outros Comentários de Sylvia Koury]
18/3/2008
18h20min
Interessante esta busca pelo essencial. Também encontrei em Allan Kardec a resposta para muitas das minhas dúvidas. Um texto conciso, esclarecedor. Uma boa biografia.
[Leia outros Comentários de Maura Soares]
19/3/2008
10h26min
Gostei do texto. Principalmente por assumir uma postura religiosa, enquanto a maioria das pessoas que escrevem sobre "cultura" ficam na mesmice do "sou de classe média, amo minha liberdade, gosto de ciência e cultura, então, logicamente, não sou religiosa".
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
19/3/2008
22h17min
Ha muito tempo nao lia algo tão bom. Gostei da sua forma de se expressar. Tenho conhecido ateus que se reúnem, e formam grupos tais quais os grupos religiosos. Lá eles discutem a não existência de um ser superior, porém só em discutir eles estão criando algo que não acreditam que exista. Acho todas as religiões importantes e necessárias na educação de um povo mais civilizado. É até fácil decidir que não acreditamos em nada, e achar que se Deus existisse não deixaria morrermos de fome, porém o homem domina a Terra, e cria leis todos os dias para poder ter uma Terra onde todos tenham limites naquilo que podem fazer. Estamos num processo de adaptação da nossa existência, e precisamos aceitar todas as religiões. Um dia, tudo será unificado, mas ainda estamos longe deste dia. Cada um deve seguir sua própria religião.
[Leia outros Comentários de Milton Laene Araujo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FORMAS DE PRAZER
MARCELO PIZANI
RECORD
R$ 12,00



REBECCA
DAPHNE DU MAURIER
VICTOR CIVITA
(1981)
R$ 24,00



CENSURA NA LEI E NA MARRA
ELOÍSA ARAGÃO
HUMANITAS
(2013)
R$ 19,99



FUNDAMENTOS DA LOGOTERAPIA. NA CLÍNICA PSIQUIÁTRICA E PSICOTERAÊUTICA (VOL. I)
ROBERTO RODRIGUE
VOZES
(1991)
R$ 38,00



EM BUSCA DA VIDA APÓS A MORTE
LESLIE FLINT
TRÊS
(1971)
R$ 20,00



QUAL É O CORPO QUE DANÇA
MILLHER JUSSARA
SUMMUS
(2018)
R$ 35,00



ADORO MÚSICA, ADORO DANÇAR
MARY HIGGINS CLARK
CÍRCULO DO LIVRO
(1991)
R$ 4,00



E AGORA SÃO CINZAS
ARNALDO ANGELI FILHO
L&PM POCKET
(2007)
R$ 15,00



O CÓDIGO DA VINCI - EDIÇÃO ESPECIAL ILUSTRADA
DAN BROWN
SEXTANTE
(2005)
R$ 40,00



COMO SER UM PIRATA
CRESSIDA COWELL
INTRÍNSECA
(2010)
R$ 12,00





busca | avançada
34764 visitas/dia
922 mil/mês