Em defesa dos roteiristas de quadrinhos | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Para ler o Pato Donald
>>> Prossiga
>>> Mozart 11 com Barenboim
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> O Passado, de Hector Babenco
>>> Curtas e Grossas
>>> Caneando o blog
>>> Arte é entropia
Mais Recentes
>>> Ensaio Geral - Poemas de Olavo Drummond pela Nova Fronteira (1984)
>>> Inveja e gratidão de Melanie Klein pela Imago (1974)
>>> O Estado e a Revolução de V. I. Lênin pela Expressão Popular (2010)
>>> Tendências Contemporâneas na Literatura de Otto Maria Carpeaux pela Ediouro
>>> Os Chakras e os Campos de Energia Humanos de M.D. Shafica Karagulla pela Pensamento (1991)
>>> As Águas Glaucas de Pedro Xisto pela Berlendis & Vertecchia (2006)
>>> Damas Turcas - Coleção Estante Policiais Paulistanos (Autografado - Como Novo) de Carlos Castelo pela Global (2012)
>>> Assassinato no avião da meia-noite salve-se quem puder de Gaby Water pela Scipione
>>> Mecânica - Física para 2 grau de Luiz Alberto Guimarães e Marcelo Fonte pela Harbra (1997)
>>> Milagres - Deus faz coisas extraordinárias na vida de quem tem fé de Estevam Hernandes pela Thomas Nelson Brasil (2013)
>>> Cristais de Carmen Cerqueira Cesar pela Massao Ohno (1988)
>>> Esperando por Doggo de Mark B. Mills pela Novo Conceito (2015)
>>> A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar de Esther Earl C3B3 2014 pela Intrínseca (2014)
>>> Historias escolhidas de Lygia Fagundes Telles pela Boa leitura (1961)
>>> Sandman: o livro dos sonhos - 2 volumes de Neil Gaiman e Ed Kramer pela Conard (2001)
>>> A família que se fala, a família que se sofre de J.a Gaiarsa pela Ágora (2005)
>>> L'existentialisme Est Un Humanisme - Sartre de Arnaud Tomes pela Ellipses (1999)
>>> Herculanum:(romance da época romana) de J. W. Rochester pela Conhecimento (2007)
>>> Para viver um grande amor de Vinícius De Moraes pela Publifolha (2008)
>>> A Coragem para Liderar - Trabalho Duro, Conversas Difíceis, Corações Plenos de Brené Brown pela BestSeller (2023)
>>> Hora do espanto o fantasma do porão de Edgar J Hyde pela Ciranda Cultural (2016)
>>> Pink Floyd A Biografia Ilustrada de Marie Clayton pela Lafonte (2014)
>>> O Estreito do Lobo de Olivier Truc pela Tordesilhas (2015)
>>> Discriminação e recismo de Rubens Miranda de Carvalho pela Espaço do autor (2004)
>>> Ética e sociabilidade de Manfredo Araújo de Oliveira pela Edições Loyola (2007)
COLUNAS

Segunda-feira, 7/4/2008
Em defesa dos roteiristas de quadrinhos
Gian Danton
+ de 6000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Na época do lançamento da graphic novel Mulher diaba no rastro de Lampião, um jornalista especializado da Folha de São Paulo entrevistou o desenhista Flávio Colin e perguntou se ele havia pesquisado literatura de cordel para escrever a história. O entrevistador ignorou completamente que a história havia sido escrita pelo roteirista Ataíde Brás, que pesquisou profundamente o cordel e fez nesse trabalho o que seria sua obra-prima.

O caso mostra bem a forma como os roteiristas têm sido vistos no Brasil por jornalistas, editores e fãs. Em Macapá existe um rapaz que dá aula de quadrinhos nas quais ensina que, para escrever uma HQ, não é necessário ter qualquer tipo de preparo intelectual... basta saber desenhar. Suas opiniões não são uma anomalia, mas, ao contrário, expressam uma opinião dominante.

Quando a Tiazinha começou a fazer sucesso e surgiu a proposta de fazer um programa de TV exclusivo para ela, alguém teve a idéia de colocar no programa elementos dos gibis. Para que isso acontecesse, chamaram para fazer o roteiro... um desenhista de quadrinhos. O resultado vergonhoso todos nós vimos: uma história sem pé nem cabeça que fez os fãs terem saudades da época em que a Tiazinha apenas desfilava com lingiere e depilava a perna de marmanjos.

A importância dos roteiristas, em outros países, é mais do que provada. Alguns roteiristas, como Goscinny, Stan Lee e Alan Moore tornaram-se estrelas, de modo que seus nomes na capa conseguem, por si só, garantir as vendas de uma revista. Neil Gaiman mostrou, em Sandman, que uma revista podia vender muito bem mesmo sem ter desenhistas talentosos. Os primeiros ilustradores de Sandman eram, no máximo, competentes, mas mesmo assim a revista chegou a vender tanto quanto a do Superman.

O lançamento de obras desses roteiristas costumam ser acompanhadas, no Brasil, de grande divulgação. É comum dar mais destaque ao roteirista que ao desenhista. Mas esses mesmos editores e jornalistas têm uma visão diferente quando se trata do roteirista nacional. Um editor me confidenciou, certa vez, que, se pudesse, publicaria apenas histórias sem texto, apenas com desenhos, pois o roteiro, para ele, era irrelevante.

Isso acaba se refletindo até mesmo nos créditos. Quando a graphic gótica A hora do crepúsculo foi lançada, o texto da capa dizia: Texto e desenhos de Bené Nascimento. No miolo, todas as histórias tinham roteiro meu. Quando a história "Siren" foi lançada na coletânea Brazilian Heavy Metal, os editores simplesmente esqueceram de me creditar como roteirista.

Recentemente foi lançado um álbum com histórias minhas. O material promocional citava apenas o nome do desenhista e nenhum dos jornalistas que resenhou a obra percebeu que várias das histórias publicadas não tinham sido escritas por ele.

À falta de reconhecimento alia-se os problemas com desenhistas. Todo roteirista tem uma quantidade enorme de roteiros escritos e nunca aproveitados porque os desenhistas simplesmente abandonaram o barco. A situação é pior quando os personagens foram criados pelo desenhista, o que torna impossível apresentá-los a outro artista. Tenho mais de mil páginas escritas e que nunca serão aproveitadas. O tempo gasto na produção desses roteiros dava para fazer uns três romances.

O sistema das editoras brasileiras, de aceitar apenas projetos prontos, privilegia os desenhistas-escritores e torna quase impossível para o roteirista apresentar projetos. Em países nos quais a editora compra o roteiro e contrata um desenhista para ilustrá-lo, isso permitiu o surgimento de ótimos roteiristas.

Em todos os países do mundo em que os quadrinhos apresentaram um grande desenvolvimento, há a figura central de roteiristas. Na Argentina, os quadrinhos se estruturaram a partir do roterista Héctor Germán Oesterheld, ganhando não só reconhecimento popular, como os aplausos da crítica. Na França, Goscinny (Asterix) e Charlier (Blueberry) elevaram os quadrinhos ao mesmo nível da literatura. Nos EUA, Stan Lee criou o fenômeno Marvel, com personagens como Homem-Aranha e X-Men, que hoje rendem fortunas para Hollywood. Lá, a reclamação é exatamente oposta: os desenhistas, como Jack Kirby e Steve Ditko, reclamam que seus nomes não tiveram tanto destaque quanto o de Stan Lee. Na Itália, os Bonelli (pai e filho, ambos ótimos roteiristas) transformaram o fumetti em um fenômeno cultural.

No Brasil, nenhum roteirista jamais se destacou. Seria por falta de qualidade? O escritor Júlio Emílio Braz, após deixar os quadrinhos, dedicou-se apenas à literatura juvenil, ganhou o prêmio Jabuti e hoje é um dos escritores de paradidáticos mais requisitados do país. Outros foram para a publicidade, para o jornalismo, e se destacaram nessas áreas.

Mais cedo ou mais tarde, os roteiristas vão abandonando o gênero e se dedicando a outras áreas. Eles o fazem após constatar uma verdade triste: fazer quadrinhos no Brasil é coisa de quem sabe desenhar. E só. Não há espaço para roteiristas.


Gian Danton
Macapá, 7/4/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A arte da ficção de David Lodge de Marcelo Spalding
02. No frigir dos ovos, todos estavam podres de Adriana Baggio


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2008
01. Autobiografia teológica - 12/3/2008
02. Histórias de robôs - 3/3/2008
03. Em defesa dos roteiristas de quadrinhos - 7/4/2008
04. O nome da águia - 24/6/2008
05. Coisas Frágeis - 4/8/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/4/2008
21h35min
Até que enfim uma pessoa que fez um texto sobre quadrinhos e citou os Bonelli. Sempre se fala apenas nas porcarias de gibis americanos: exagerados, com violência gratuita e nem um pouco inteligente. Sandman? Heavy Metal? Que tal: Dylan Dog, Nathan Never, Martyn Mystere, Dampyr... Gibis que infelizmente nunca conseguem pegar aqui no Brasil... Abaixo o livo americano!!!
[Leia outros Comentários de Fernando Harley]
3/4/2009
19h45min
Não estou certa, mas acredito que o pífio seriado da Tiazinha tenha sido roteirizado por, ninguém mais, ninguém menos, que Marcelo Rubens Paiva.
[Leia outros Comentários de Crix]
5/9/2013
12h21min
Me formei em jornalismo no ano passado e agora estou design gráfico. Porém, minhas noites em claro são investidas em algo que não pousa nem no primeiro nem no segundo. Passo minhas horas livres escrevendo roteiros de quadrinhos. Por mais que não tenha nada publicado e pouco tempo no "mercado" (já que o tal mercado ainda é uma incógnita pra mim), tive roteiros empacados por desenhistas que desistem. Até meu analista sugere: "desenhe!". Será que esse é o caminho? Escrever o roteiro é fantástico e muitas das histórias seriam perfeitas em HQ, mas o desenho não é meu dom. Terei eu que desafiar o criador e pedir um novo dom? Talvez trocar algum sub-utilizado por algum outro? Abraços, Danton, obrigado pelo ótimo texto que mostra a falta de respeito aos roteiristas. Ainda me espelho em Gaiman, e creio que uma nova era quadrinística chegará.
[Leia outros Comentários de Angelo Dias]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sociologia Hoje: Inclui Antropologia e Ciencia Politica
Igor Jose de Reno Machado, Celso Rocha de Bar
Atica
(2014)



O Repouso do Guerreiro
C. Rochefort
Abril Cultural
(1980)



Giselle: a Amante do Inquisidor
Mônica de Castro
Vida e Consciência
(2007)



Livro - Viagem ao Céu
Monteiro Lobato
Globo
(2007)



Contabilidade - Coleção Provas Comentadas da Fcc (2007)
Ricardo J. Ferreira
Ferreira
(2007)



Komm Bitte! 4 (por Favor Venha) (alemão)
Hermann Schuh
Max Hueber Verlag
(1976)



Livro de Histórias
Georgie Adams
Companhia das Letrinhas
(1996)



Ser Humano sem Fronteiras: a Formação de Líderes
Vários Autores
Ei
(2017)



Heidi
Dcl
Dcl
(1998)



A Lenda do Muri- Keko
Marcos Bagno
Sm
(2005)





busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês