O nome da águia | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
53897 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto Nascentes Criativas promove ações culturais gratuitas no interior de Minas
>>> Pekka Pylkkänen (FIN) - Brazil Tour 2024
>>> Domingo, 19, 17h, tem 'Canta Teresa' - Roda Cultural com os rappers Ramonzin e Emitê OG
>>> HOJE E AMANHÃ - JÁ ESTAMOS BEM - IMPROVISO DE DANÇA ABORDA ADOECIMENTO HUMANO E PLANETÁRIO
>>> Selvageria synth pop no Pantera Clube
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Room Full of Mirrors no Royal Albert Hall (1969)
>>> Machado e a AR-15
>>> Religioso, mágico, sofisticado, profano
>>> O iPod por Da Vinci
>>> Gleiser, o cientista pop
>>> Faustão sobre protestos #full
>>> As sobras completas, poesias de Jovino Machado
>>> 7 que sigo
>>> Quem tem medo de Gerald Thomas? (Parte I)
>>> Os 33 mineiros e nossa visão limitada
Mais Recentes
>>> Alquimia - Introdução ao Simbolismo e à Psicologia de Marie-Louise Von Franz pela Cultrix (1993)
>>> Livro Infanto Juvenis 10 Anos Com Mafalda de Guino pela Guino (2010)
>>> Livro Literatura Estrangeira Terra dos Homens de Antoine de Saint-exupéry pela Nova Fronteira
>>> Livro Literatura Estrangeira As Brumas de Avalon A Senhora da Magia de Marion Zimmer Bradley pela Imago (1987)
>>> Livro Cerco De Jerico: O Caminho Da Vitória de Alberto Gambarini pela Ágape (2005)
>>> Livro Infanto Juvenis Projeto Desafio Os Três Porquinhos de Vários Autores pela Moderna (2013)
>>> Livro Infanto Juvenis Dicionário de Humor Infantil de Pedro Bloch pela Ediouro (1998)
>>> Livro Turismo Guia de Viagem Nova York de National Geographic pela Abril (2008)
>>> Livro de Bolso Literatura Estrangeira Mistérios Perdidos de Sir Arthur Conan Doyle pela Literatura Estrangeira (2020)
>>> Livro Infanto Juvenis Flauta Doce Método de Ensino para Crianças de Nereide Schilaro Santa Rosa pela Scipione (1999)
>>> Livro Story Of O de Pauline Réage pela Corgi
>>> Livro Literatura Brasileira Clarice e as Mulheres de Clarice Lispector e Outras pela Prefeitura de São Paulo (2020)
>>> Livro Literatura Estrangeira Meus Dias na Livraria de Morisaki Satoshi Yagisawa pela Bertrand Brasil (2023)
>>> Livro Literatura Estrangeira Às Cegas de Claudio Magris pela Companhia das Letras (2009)
>>> Livro Infanto Juvenis A Lua e a Princesa de Celi S Saito pela Brasil Seikyo (2007)
>>> Carreira Fiscal - Direito Administrativo - Vol.1 - Baseado Nos Editais Dos Concursos Para A Receita Federal Do Brasil de Jerson Carneiro Gonçalves Júnior pela Conceito (2010)
>>> Livro Literatura Estrangeira Médico Astronauta de Frank G. Slaughter pela Record (1970)
>>> Livro Literatura Estrangeira As Brumas de Avalon O Gamo Rei Livro 3 de Marion Zimmer Bradley pela Imago (2008)
>>> Livro de Bolso Religião O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2007)
>>> Livro Infanto Juvenis In My Pond de Sara Gillingham pela Concept (2009)
>>> Livro de Bolso Literatura Brasileira Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Best Bolso (2010)
>>> Livro Infanto Juvenis Os Árabes na Época de Seu Esplendor de Mokhtar Moktefi Véronique Ageorges pela Augustus (1997)
>>> Livro Gibis Kare Kano As Razões Dele, Os Motivos Dela Volume 12 de Masami Tsuda pela Panini Comics
>>> Livro Literatura Estrangeira Fique Onde Está e Então Corra de John Boyne pela Seguinte (2024)
>>> Livro Infanto Juvenis Chapeuzinho Amarelo de Ziraldo Chico Buarque pela Jose Olympio (1997)
COLUNAS >>> Especial Machado de Assis

Terça-feira, 24/6/2008
O nome da águia
Gian Danton
+ de 6300 Acessos

Um dos males de Machado de Assis foi ter, com sua obra de incontestável qualidade, a idéia de que um romance só vale pela análise psicológica dos personagens, ou pela construção sociológica da história. A predominância de Machado em nossa literatura fez com que o modelo literário brasileiro passasse a ser uma marcha lenta constante, como diz Guga Schultze em seu texto no aqui no Digestivo. No Brasil, autores como Isaac Asimov, que sempre centraram suas obras na trama, seriam relegados pela crítica ao ostracismo. Claro que isso tem relação direta com diferença entre Brasil e EUA. A literatura norte-americana se formou em meio ao fenômeno da massificação e da industrialização. De repente, uma enorme massa de pessoas alfabetizadas e com dinheiro estava interessada em diversão e comprava tudo que saía, de jornais aos famosos pulp fiction, passado pelos gibis. Embora, evidentemente, houvesse autores que centrassem sua atenção mais na psicologia dos personagens, ou nas questões estilísticas, havia uma boa tradição de obras escritas com pé na trama. Uma tradição que vem de Edgar Allan Poe. No Brasil, o guia literário sempre foi Machado, um funcionário público que escrevia livros, com ritmo de uma vela que queima, para um público aristocrático.

O único gênero em que a ênfase sobre a história pareceu sobreviver foram os livros juvenis e infantis. Foram neles que surgiram grandes autores, tais como Monteiro Lobato e Marcos Rey, que deliciaram gerações de leitores. Lobato, aliás, costumava dizer que não fazia literatura, para diferenciar sua obra dos "acadêmicos".

Mas essas crianças e jovens, que moravam nos livros de Lobato ou de Marcos Rey, quando ficam adultos, ou se acostumam com a literatura brasileira em marcha lenta, ou buscam autores estrangeiros. São poucos os escritores que se dedicam a gêneros mais populares.

Essa longa introdução é, na verdade, para falar de O Nome da Águia (Novo Século, 2008, 320 págs.), de autoria de Alexandre Lobão. O livro não tem nada do que se tem visto como qualidade nos autores nacionais: não há longas análises de personagens, nem preocupações sociológicas. Também não há um estilo rebuscado. Há apenas uma história intrigante e bem amarrada, que poderia dar um bom seriado ou (melhor) uma história em quadrinhos.

Lobão, que é roteirista de cinema e quadrinhos, aposta todas as suas fichas na ação e no suspense causado pelos vários ganchos jogados ao longo da história. Além disso, o livro apresenta narrativas alternadas, um capítulo no presente e outro no passado, mostrando encarnações passadas dos personagens. Lembra os bons quadrinhos da década de 1980, período em que os artistas exploraram ao máximo as potencialidades narrativas da nona arte, em histórias pouco convencionais e não lineares.

A história de O Nome da Águia começa em 3497 antes de Cristo, numa pequena tribo de hebreus. Sete personagens recebem dons especiais. Entre eles, dois se destacam: Hebel encarna o amor de Yahweh; Qnah, a paixão.

A narrativa, em seguida, pula para o ano de 2012 depois de Cristo, quando um arqueólogo alemão descobre um documento em hebraico nos restos do bunker de Hitler e comunica a um amigo.

A partir daí, vamos acompanhando as descobertas dos dois cientistas e a perseguição sofrida por eles, alternadas com a narrativa das várias encarnações pelas quais vão passando Qnah e Hebel, que tomam rumos completamente diferentes. Enquanto Hebel difunde a palavra de Deus através de exemplos e da bondade, Qnah tenta fazê-lo através de impérios. Nesse sentido, a trama é um tanto óbvia. Torna-se evidente que Qnah irá encarnar reis, como Alexandre, O Grande e Alexandre Janeu, rei da Judéia ou mesmo Átila. Por outro lado, Hebel irá encarnar Buda e mesmo Jesus. O interessante aí é não só adivinhar que personagens eles personificarão, mas perceber como o autor irá explicar as inevitáveis incoerências, como o fato de Qnah encarnar Herodes, que manda matar o menino Jesus, e depois irá encarnar papas ferrenhos defensores do cristianismo. Ou como esse personagem, sendo originalmente hebreu, virá a ser Hitler, o maior perseguidor dos judeus.

Surpreendentemente, Lobão consegue atar os fios soltos da trama, explicando até mesmo as incoerências. Essas incoerências, aliás, acabam se tornando, na narrativa, uma forma de ironia.

Algo interessante em O Nome da Águia é o uso da reencarnação. Num país em que há uma parcela considerável da população que acredita no espiritismo, é surpreendente que outros escritores não usem esses preceitos em seus escritos. Na verdade, os livros que falam sobre o assunto são exclusivamente religiosos. Lobão percebeu a possibilidade narrativa que a reencarnação oferece, ao mostrar como a atuação dos personagens no presente está calcada em suas vidas passadas. E faz isso sem dogmatismo. Ele não quer converter o leitor, quer apenas usar um artifício narrativo pouco usual.

A edição da Novo Século contribui para o bom resultado da obra. Diagramação correta, papel de encorpado, capa com ilustrações em alto relevo. Só faltou uma maior preocupação com a revisão, especialmente com o tempo verbal, que oscila do passado para o presente, às vezes no mesmo parágrafo, como no trecho a seguir: "A multidão abriu espaço enquanto o grupo se encaminhava ao centro da aldeia. Lá chegando, Hebel e Qnah sobem em um pequeno palco no canto da área central". Não é o fim do mundo, mas essa ida e volta dos tempos verbais incomoda o leitor mais atento.

De resto, O Nome da Águia acaba sendo um bom thriller de ação num mercado que carece desse tipo de obra.

Para ir além






Gian Danton
Macapá, 24/6/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A aproximação entre Grécia e Rússia de Celso A. Uequed Pitol
02. A verdade entre o professor e o rascunho de Vicente Escudero
03. Tropikaos de Guga Schultze


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2008
01. Autobiografia teológica - 12/3/2008
02. Histórias de robôs - 3/3/2008
03. Em defesa dos roteiristas de quadrinhos - 7/4/2008
04. O nome da águia - 24/6/2008
05. Coisas Frágeis - 4/8/2008


Mais Especial Machado de Assis
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A fórmula preferida do professor
Yoko Ogawa
Estação Liberdade
(2021)



Beleza Suburbana
Elika Takimoto
Autografia
(2017)



A Quinta Coluna
Ernest Hemingway
Civilização Brasileira
(1986)



Livro Infanto Juvenis O Gato de Botas
Magic
Ciranda Cultural
(2016)



área de Conhecimento Matemática
Magna Natália Marin Pires
Iesde
(2009)



Livro Literatura Estrangeira A Teoria de Tudo A Extraordinária História de Jane e Stephen Hawking
Jane Hawking
Unica
(2014)



Inspiração Japão
Vários Autores
Estação Liberdade / Larousse
(2015)



Um Rabisco de Deus - o Pênis, da Criação aos Dias de Hoje
Tom Hickman
Bussola
(2013)



Um novo animal na floresta
José Carlos Oliveira
Codecri
(1981)



Ever After High: Apple White Em Apuros - 4 Quebra-cabecas Para Voce Se Divertir
Vários Autores
Ciranda Cultural
(2015)





busca | avançada
53897 visitas/dia
2,4 milhões/mês