O nome da águia | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
82505 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Mentoria Artística Anti-análise com Pêdra Costa
>>> Dias 06,13, 20 e 27 de março terão apresentações circenses virtuais da Arca de Vandé
>>> Obra clássica sobre a economia política de Marx é lançada no Brasil
>>> Estreia de Pantanal A Boa Inocência de Nossas Origens
>>> Sesc 24 de Maio apresenta o quarto episódio do Desafinados Entrevista
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Carles Camps Mundó e a poética da desolação
>>> O fim dos livros físicos?
>>> Sigmund Freud, neuroses e ciúme em destaque
>>> Em Busca da Terra do Nunca... e Johnny Depp
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Tom Zé por Giron
>>> Solte o Timóteo
>>> As cores de Pamuk
>>> O que mata o prazer de ler?
>>> Ex-míope ou ficção científica?
Mais Recentes
>>> A Morte de Deus - Introdução à Teologia Radical de Thomas J. J. Altizer; William Hamilton pela Paz e Terra (1967)
>>> Notas Musicais Cariocas de João Baptista M. Vargens (org.) pela Vozes (1986)
>>> A voz da lua de Federico fellini pela L&Pm (1990)
>>> Buddhist Scriptures de Edward Conze (ed.) pela Penguin Books (1959)
>>> Recurso Especial e extraordinário de Samuel Monteiro pela Hemus (1992)
>>> Alice no país do espelho - Lewia Carroll de Lewia Carroll pela L&PM
>>> Uma Escola de Jornalismo para o Futuro de Eugênio Bucci (org) pela Espm (2015)
>>> O Alienista - Col. Literatura Brasileira Em Quadrinhos de Machado de Assis pela Escala (2011)
>>> A Eternidade de Israel de Benjamin Gross pela Maayanot (1994)
>>> Da Vinci e Maquiavel - um Sonho Renascentista de Roger Masters pela Zahar (1999)
>>> Comentários à consolidação das leis do trabalho de Valentin Carrion pela Saraiva (2004)
>>> Direito Civil - Teoria Geral das Obrigações e Contratos 9ª Ed. de Sílvio de Salvo Venosa pela Atlas (2009)
>>> Kuarahycora: o Circulo do Sol de Yara Miowa pela Elevação (1999)
>>> 16765494 de Sergio Luis Gadini pela Sergio Luis Gadini
>>> Um conto do destino -Morey Sttener de Mark Helprin pela Novo conceito
>>> Gramática da Língua Inglesa de Oswaldo Serpa pela Fae (1988)
>>> Almanaque Pinheironeto Nossas Sete Décadas de Mario Prata pela Andeato Comunicação (2012)
>>> A Fantástica Volta ao Mundo de Zeca Camargo pela Globo (2004)
>>> Jeanete Musatti de Vários Autores; Jeanete Musatti pela Dba (2009)
>>> A Paixão de Conhecer o Mundo de Madalena Freire pela Paz e Terra (2002)
>>> Para Gostar de Ler Vol. 17 Cenas Brasileiras de Rachel de Queiroz pela Atica (2003)
>>> Delegar Tarefas Com Segurança de Jonathan Coates pela Nobel (2000)
>>> Iniciação ao Direito do Trabalho de Amauri Mascaro Nascimento pela Ltr (2001)
>>> A Fantástica Volta ao Mundo de Zeca Camargo pela Globo (2004)
>>> Fidelizar o Cliente de Roland Bee pela Nobel (2000)
COLUNAS >>> Especial Machado de Assis

Terça-feira, 24/6/2008
O nome da águia
Gian Danton

+ de 5300 Acessos

Um dos males de Machado de Assis foi ter, com sua obra de incontestável qualidade, a idéia de que um romance só vale pela análise psicológica dos personagens, ou pela construção sociológica da história. A predominância de Machado em nossa literatura fez com que o modelo literário brasileiro passasse a ser uma marcha lenta constante, como diz Guga Schultze em seu texto no aqui no Digestivo. No Brasil, autores como Isaac Asimov, que sempre centraram suas obras na trama, seriam relegados pela crítica ao ostracismo. Claro que isso tem relação direta com diferença entre Brasil e EUA. A literatura norte-americana se formou em meio ao fenômeno da massificação e da industrialização. De repente, uma enorme massa de pessoas alfabetizadas e com dinheiro estava interessada em diversão e comprava tudo que saía, de jornais aos famosos pulp fiction, passado pelos gibis. Embora, evidentemente, houvesse autores que centrassem sua atenção mais na psicologia dos personagens, ou nas questões estilísticas, havia uma boa tradição de obras escritas com pé na trama. Uma tradição que vem de Edgar Allan Poe. No Brasil, o guia literário sempre foi Machado, um funcionário público que escrevia livros, com ritmo de uma vela que queima, para um público aristocrático.

O único gênero em que a ênfase sobre a história pareceu sobreviver foram os livros juvenis e infantis. Foram neles que surgiram grandes autores, tais como Monteiro Lobato e Marcos Rey, que deliciaram gerações de leitores. Lobato, aliás, costumava dizer que não fazia literatura, para diferenciar sua obra dos "acadêmicos".

Mas essas crianças e jovens, que moravam nos livros de Lobato ou de Marcos Rey, quando ficam adultos, ou se acostumam com a literatura brasileira em marcha lenta, ou buscam autores estrangeiros. São poucos os escritores que se dedicam a gêneros mais populares.

Essa longa introdução é, na verdade, para falar de O Nome da Águia (Novo Século, 2008, 320 págs.), de autoria de Alexandre Lobão. O livro não tem nada do que se tem visto como qualidade nos autores nacionais: não há longas análises de personagens, nem preocupações sociológicas. Também não há um estilo rebuscado. Há apenas uma história intrigante e bem amarrada, que poderia dar um bom seriado ou (melhor) uma história em quadrinhos.

Lobão, que é roteirista de cinema e quadrinhos, aposta todas as suas fichas na ação e no suspense causado pelos vários ganchos jogados ao longo da história. Além disso, o livro apresenta narrativas alternadas, um capítulo no presente e outro no passado, mostrando encarnações passadas dos personagens. Lembra os bons quadrinhos da década de 1980, período em que os artistas exploraram ao máximo as potencialidades narrativas da nona arte, em histórias pouco convencionais e não lineares.

A história de O Nome da Águia começa em 3497 antes de Cristo, numa pequena tribo de hebreus. Sete personagens recebem dons especiais. Entre eles, dois se destacam: Hebel encarna o amor de Yahweh; Qnah, a paixão.

A narrativa, em seguida, pula para o ano de 2012 depois de Cristo, quando um arqueólogo alemão descobre um documento em hebraico nos restos do bunker de Hitler e comunica a um amigo.

A partir daí, vamos acompanhando as descobertas dos dois cientistas e a perseguição sofrida por eles, alternadas com a narrativa das várias encarnações pelas quais vão passando Qnah e Hebel, que tomam rumos completamente diferentes. Enquanto Hebel difunde a palavra de Deus através de exemplos e da bondade, Qnah tenta fazê-lo através de impérios. Nesse sentido, a trama é um tanto óbvia. Torna-se evidente que Qnah irá encarnar reis, como Alexandre, O Grande e Alexandre Janeu, rei da Judéia ou mesmo Átila. Por outro lado, Hebel irá encarnar Buda e mesmo Jesus. O interessante aí é não só adivinhar que personagens eles personificarão, mas perceber como o autor irá explicar as inevitáveis incoerências, como o fato de Qnah encarnar Herodes, que manda matar o menino Jesus, e depois irá encarnar papas ferrenhos defensores do cristianismo. Ou como esse personagem, sendo originalmente hebreu, virá a ser Hitler, o maior perseguidor dos judeus.

Surpreendentemente, Lobão consegue atar os fios soltos da trama, explicando até mesmo as incoerências. Essas incoerências, aliás, acabam se tornando, na narrativa, uma forma de ironia.

Algo interessante em O Nome da Águia é o uso da reencarnação. Num país em que há uma parcela considerável da população que acredita no espiritismo, é surpreendente que outros escritores não usem esses preceitos em seus escritos. Na verdade, os livros que falam sobre o assunto são exclusivamente religiosos. Lobão percebeu a possibilidade narrativa que a reencarnação oferece, ao mostrar como a atuação dos personagens no presente está calcada em suas vidas passadas. E faz isso sem dogmatismo. Ele não quer converter o leitor, quer apenas usar um artifício narrativo pouco usual.

A edição da Novo Século contribui para o bom resultado da obra. Diagramação correta, papel de encorpado, capa com ilustrações em alto relevo. Só faltou uma maior preocupação com a revisão, especialmente com o tempo verbal, que oscila do passado para o presente, às vezes no mesmo parágrafo, como no trecho a seguir: "A multidão abriu espaço enquanto o grupo se encaminhava ao centro da aldeia. Lá chegando, Hebel e Qnah sobem em um pequeno palco no canto da área central". Não é o fim do mundo, mas essa ida e volta dos tempos verbais incomoda o leitor mais atento.

De resto, O Nome da Águia acaba sendo um bom thriller de ação num mercado que carece desse tipo de obra.

Para ir além






Gian Danton
Goiânia, 24/6/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Palácio dos sabores 5/5 de Elisa Andrade Buzzo
02. Flores Azuis, de Carola Saavedra de Mariana Mendes
03. Violões do Brasil de Rafael Fernandes
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas de Ana Elisa Ribeiro
05. Lá vamos nós outra vez... de Rafael Lima


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2008
01. Autobiografia teológica - 12/3/2008
02. Histórias de robôs - 3/3/2008
03. Em defesa dos roteiristas de quadrinhos - 7/4/2008
04. O nome da águia - 24/6/2008
05. Coisas Frágeis - 4/8/2008


Mais Especial Machado de Assis
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Dogmática Cristã: um Manual Sistemático dos Ensinos Bíblicos
John Theodore Mueller
Concórdia
(2004)
R$ 140,00



Que País é Este? e Outros Poemas - 10371
Affonso Romano de Santanna
Civilização Brasileira
(1980)
R$ 7,00



As Sandálias do Pescador 8624
Morris West
Civilização Brasileira
(1964)
R$ 11,00



Impacto Tributário do Novo Código Civil
Eduardo de Carvalho Borges
Quartier Latin
(2004)
R$ 12,00



O Individualismo Uma perspectiva antropológica da ideologia moderna
Louis Dumont
Rocco
(1985)
R$ 40,00



Shakespeare - Uma vida
Park Honan
Companhia das Letras
(2001)
R$ 48,00



Egiptomania - o Egito no Brasil
Margaret Bakos
Paris Editorial
(2004)
R$ 19,90



Pintar a Óleo, Colecção Habitat
John Raynes
Presença
(1995)
R$ 22,33



História Geral a Construção de um Mundo Globalizado
Joana Neves
Saraiva
(2002)
R$ 10,00



Proyecto Enlaces Libro Alumno Con Cd-a & Libro Digital -2
Jenny Valverde
Macmillan Education
(2010)
R$ 12,00





busca | avançada
82505 visitas/dia
2,1 milhões/mês