Simplesmente tive sorte | Daniel Bushatsky | Digestivo Cultural

busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Segunda-feira, 8/2/2010
Simplesmente tive sorte
Daniel Bushatsky
+ de 6000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Estou confuso! Não sei como começar esse artigo. Pensei em uma frase de efeito, de autoria de Janina Bauman, sobre ela ter escapado do Holocausto e Anne Frank, não: "Simplesmente tive sorte".

Outro começo atordoante também me ocorreu: 6 milhões de judeus morreram no Holocausto. Acho que deveria existir uma lei obrigando todos os artigos minimamente relacionados a Segunda Guerra Mundial a ter esse fato e esse número em nota de roda pé!

Porém, vou começar com a frase da homenageada do mês que passou, morta no último dia 11 de janeiro, com esplendidos 100 anos de idade, e que recebeu pouca atenção da mídia tradicional (1 página em Veja, por exemplo), mas que foi um exemplo de humildade e coragem: "Não sou uma heroína".

Humildade porque escreveu em seu livro de memórias que não é nenhuma heroína! E coragem porque, apesar de não ser nenhuma heroína, foi capaz de esconder 8 judeus em um anexo secreto durante 2 anos de ocupação nazista na Holanda, bem como guardar o famoso diário de Anne Frank durante a guerra, entregando-o a Otto Frank, pai de Anne, após o término do conflito.

Gostaria de saber quantos teriam essa coragem. Na certa, não muitos, até porque o anexo foi descoberto após a denúncia anônima de um "ser humano" a fim de receber uma recompensa financeira. Típico, não? Inclusive o dinheiro valer mais que a vida de alguém!

Essas reflexões que parecem tão fáceis de fazer e tão simples de seguir não são. Quanto tempo, caro leitor, você parou para pensar no incrivelmente grande número de 6 milhões de judeus mortos? E as razões disso? Há um povo pior do que o outro? Não, mas em vários países do mundo há uma tendência dos partidos de direita assumirem o poder. Sem comentar o massacre na década de 90 nos Balcãs, sob a idéia de pureza racial e limpeza étnica, e lembrando, também, os novos skinheads.

Mas será que ao ler os sofrimentos de Anne Frank não deveríamos sentir desprezo por qualquer tipo de discriminação e lutar contra ela?

Primo Levi fez importante declaração sobre o diário de Anne Frank: "Uma única Anne Frank comove-nos muito mais do que a quantidade infindável de todos aqueles que sofreram tanto quanto ela, mas cujas imagens permaneceram nas sombras. Talvez tenha que ser assim: se tivéssemos e pudéssemos experimentar o sofrimento de todos eles, seria impossível continuarmos a viver".

Só gostaria de saber se até agora alguém sabe quem é a homenageada do mês? Aposto que não. Temos a cultura de idolatrar somente quem faz o gol! Ninguém se importa se o goleiro defendeu um pênalti ou se o zagueiro tirou em cima da linha. O importante é ser um fenômeno!

Miep Gies estava certa de não ser uma heroína. Para isto teria que ter morrido por Anne Frank ou, talvez, matado 300 soldados inimigos, em uma encruzilhada, da mesma forma que o soldado alemão em Bastardos Inglórios, de Quentin Tarantino.

A história e a escola tradicional não reservam muito espaço para os pequenos heróis. Que pena! Há tanto para aprender com essas pessoas...

Não que não acredite na possibilidade de um garoto de Krypton, criado no interior dos EUA, tornar-se jornalista e depois salvar o mundo. Somente acho mais fácil cada um de nós ser um pouco Miep Gies. Não precisa colocar um desabrigado haitiano na sua casa, mas pequenos gestos seriam extremamente gratificantes e já dariam bastante resultado prático.

Não fazer piadas racistas. Dizer "com licença" para todos, não só para seus amigos e seu patrão. Não desmerecer ninguém pela roupa que está usando etc.

Essas poucas noções de cidadania deveriam estar disseminadas em todos os momentos. Temos uma falta de heróis, mas mais do que isto, temos uma falta de caráter.

A lição que Miep Gies nos dá é justamente que precisamos construir melhor a nossa personalidade. Opiniões diferentes, sim! Genocídio, jamais!

Vale um pequeno parêntese : no museu da Anne Frank (Anne Frank House) em Amsterdã há um jogo interativo, onde a plateia vota sobre assuntos polêmicos, como o uso de véu nas escolas francesas ou o casamento homossexual. A ONG que promove isto chama-se: Free2choose e é impressionante como as respostas que você acha que seriam óbvias, não são. Há também um retrospecto de todas as respostas e elas variam de público para público. O mais impressionante é que naquele auditório pode estar sentado, ao seu lado, alguém com uma opinião contrária à sua, mas nem por isso um quererá matar o outro.

Não sabia começar, mas sei terminar. Simplesmente tive sorte de ler o que Otto Frank escrevia quando lhe enviavam cartas questionando sobre como os horrores do Holocausto começaram e se disseminaram. Ele não só tentava responder da melhor forma possível, como sempre tentava terminar todas as suas cartas com uma frase. Vou terminar da mesma forma e acho que Miep Gies concordaria. Nela o conceito do pequeno herói está implícito e, assim, não vejo prejuízo em citar mais um pequeno herói, com caráter e personalidade: "Espero que o livro de Anne tenha uma influência permanente para o resto de sua vida, e que trabalhes dentro do possível e com o uso de suas capacidades, para a união e a paz".


Daniel Bushatsky
São Paulo, 8/2/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um safra de documentários de poesia e poetas de Elisa Andrade Buzzo
02. Nem cobra, nem aranha: peçonhenta é a burocracia de Adriana Baggio
03. A biblioteca pública mais violada do mundo de Ana Elisa Ribeiro


Mais Daniel Bushatsky
Mais Acessadas de Daniel Bushatsky em 2010
01. Agonia - 18/10/2010
02. Big Brother da Palmada - 9/8/2010
03. Simplicidade ou você quer dormir brigado? - 31/5/2010
04. A interpretação dos chatos - 1/3/2010
05. Dilma e o Big Mac - 1/11/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/2/2010
12h05min
Matérias assim deviam ser postadas todos os dias. O ser humano em si possui um péssimo defeito: fixar apenas os momentos impostos pela mídia, tornando-se a cada dia escravo do consumismo desenfreado. Os heróis da atualidade são aqueles que lideram o ibope e vencem os "reality shows" ganhando absurdos milhões que poderiam ser investidos em causas nobres. Parabéns pela matéria. Posso dizer que "simplesmente tive sorte" de encontrá-la e ler com o coração.
[Leia outros Comentários de J. Domingues]
17/2/2010
16h38min
Gostei muito, Daniel. Textos assim e as reflexões que eles nos proporcionam ajudam a construir um caráter. Parabéns.
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
21/4/2010
17h01min
Miep Gies não pode salvar a vida de Anne Frank, mas salvou aquilo que Anne mais queria naquele momento, "viver", mesmo que depois de sua morte: "O diário de Anne Frank". Ela não se considerava uma HEROÍNA... e com uma certa razão, pois heróis foram aqueles que ela ajudou até enquanto pôde... Miep Gies os denominou dessa forma também. Parabéns, Daniel, por nos fazer recordar isso tudo nesta tua matéria. Beijos.
[Leia outros Comentários de fernanda flores ]
25/5/2010
18h03min
O ser humano é muito estranho. Da bondade extrema à crueldade sem precedentes. Ainda tento viver minha vida sendo um pouco heroína do meu microcosmos. Não jogo papel no chão, por exemplo. Mas xingo no trânsito... Difícil ser humano!
[Leia outros Comentários de Hellen]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Geografia Econômica Do Petróleo
Peter R. Odell
Zahar
(1966)



Máscaras e Murais de Minha Terra
Manoelito de Ornellas
Globo
(1966)



Livro Sociologia Dicionário Crítico de Sociologia
R. Boudon / F. Bourricaud
Ática
(1993)



Terra de Santa Cruz
Adélia Prado
Guanabara
(1986)



Hitler's Spy Against Churchill
Jan-Willem van den Braak
Pen and Sword Military
(2022)



O Cristo de Deus
Manuel Quintão
Federação Espírita Brasileira
(1955)



Cidadania e Participação
José Álvaro Moisés
Marco Zero
(1990)



Charbonneau Ensaio e Retrato
Alberto Martins
Scipione
(1997)



A Pipa
Roger Mello
Global
(2017)



Pétalas de Sangue
Ana Luisa Tavares
Do Autor
(2015)





busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês