A internet e a arte marginal | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Renato Morcatti transita entre o público e o íntimo na nova exposição “Ilê da Mona”
>>> Site WebTV publica conto de Maurício Limeira
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sultão & Bonifácio, parte IV
>>> Em 2016, pare de dizer que você tem problemas
>>> O Direito mediocrizado
>>> Carma & darma
>>> Carlos H Lopes de chapéu novo
>>> Três paredes e meia
>>> All That Jazz
>>> A proposta libertária
>>> It’s only rock’n’roll but I like it
>>> Maurice
Mais Recentes
>>> O Exu do Fogo de Marcílio Borges pela Madras (2013)
>>> Panorama da Literatura de Flávio Aguiar pela Nova Cultural (1988)
>>> Drácula: O vampiro da noite de Bram Stoker pela Martin Claret (2008)
>>> Arquiteto a Máscara e a Face de Paulo Bicca pela Projeto (1984)
>>> Jonas Assombro de Carlos Nejar pela Novo Século (2008)
>>> A Construção da Cidade Brasileira de Manuel C. Teixeira (Coord.) pela Livros Horizonte (2004)
>>> Ayurveda: A Ciência da Longa Vida de Dr. Edson Antônio D'angelo & Janner Rangel Côrtes pela Madras (2015)
>>> Macunaíma (o heróis sem nenhur caráter) de Mário de Andrade pela Círculo do Livro
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (1993)
>>> Relações Sociais E Serviço Social No Brasil: Esboço de Uma Interpretação Histórico-metodológica - 41ª Edição (7ª Reimpressão) de Marilda Villela Iamamoto & Raul de Carvalho pela Cortez (2018)
>>> Lima Barreto: o rebelde imprescindível de Luiz Ricardo Leitão pela Expressão Popular (2006)
>>> A Batalha das Rainhas de Jean Plaidy pela Record (1978)
>>> Um Certo Capitão Rodrigo de Erico Verissimo pela Círculo do Livro
>>> O Livro de San Michele de Axel Munthe pela Círculo do Livro
>>> O Espião Que Morreu de Tédio de George Mikes pela Círculo do Livro
>>> O Santo Inquérito - Coleção Prestígio de Dias Gomes pela Ediouro (2004)
>>> Confissões Eróticas de Iris e Steven Finz pela Record (2001)
>>> Diários do Vampiro Vol 1 Origens Ddiários de Stepan de L. J. Smith - Kevin Williamson - Julie Plec pela Galera Record (2011)
>>> Peão da Rainha de Victor Canning pela Record (1969)
>>> Paris - uma Agenda de Bons Endereços de Elisabeth Vanzolini pela Ediouro (1998)
>>> Obras Incompletas - Coleção Os Pensadores - 2 Volumes de Friedrich Nietzsche pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaios Escolhidos - Coleção Os Pensadores de Bertrand Russell pela Nova Cultural (1992)
>>> Diálogos - Coleção Os Pensadores de Platão pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaio Acerca do Entendimento Humano de John Locke pela Nova Cultural (1991)
>>> Do Contrato Social e outros textos - Coleção Os Pensadores de Rousseau pela Nova Cultural (1991)
COLUNAS >>> Especial Publicar em papel ou não?

Quinta-feira, 19/7/2007
A internet e a arte marginal
Diogo Salles

+ de 8000 Acessos
+ 3 Comentário(s)


O Digestivo Cultural sempre foi uma grande arena para discussões relevantes, mas um tema se destacou pelo número de decibéis: "publicar em papel x publicar on-line" ou, se preferir, "mídia impressa x internet" se tornou a grande batalha entre os gladiadores da mídia. Ainda procurei tomar partido, mas, confesso, não consegui abraçar nenhuma causa. Nem mesmo a da internet, que é o meu berço. Como sou cartunista, fica difícil entender o porquê de todo esse ódio, mas fica fácil olhar tudo isso de fora e fazer uma análise mais independente. Por isso vou meter minha colher nessa sopa e oferecer novos ingredientes para o tema. Sou daqueles que ainda acreditam que esses dois mundos terão de aprender a conviver junto. Não que ache que jornalistas e blogueiros devam dar as mãos e sair pelas ruas cantando "We are the world", não. Mas que exista o mínimo de respeito ou, pelo menos, tolerância entre ambas as partes. Podem me chamar de sonhador, se quiserem, mas vou tentar convencê-los mesmo assim.

Os jornalistas de formação não se conformam em ter que dividir o espaço com os "interneteiros". Antigamente o jornalista trazia em seu texto uma aura imaculada, de verdade absoluta, que não permitia questionamentos ou indagações. Seu rosto e nome eram estampados no jornal e isso era o mais próximo que se chegava dele. Era uma estrela quase inatingível. Aí a internet e a blogosfera chegaram para destruir todo o glamour. Ninguém (ou quase ninguém) tinha diploma de jornalismo, os textos eram abertos a interpretações, sugestões e críticas. O leitor estava mesmo mudando. Além de participar, agora ele podia entrar em contato com o neojornalista quando quisesse, podendo mandar e-mails, perguntas, fotos, sugerir pautas. Não bastasse isso, o jornalista ainda tinha de se conformar que o jornal, depois de lido, invariavelmente era transformado em mictório de cachorro, enquanto que, na net, o texto permanecia publicado e, mesmo quem chegasse atrasado para a leitura, encontraria seu espaço reservado para comentários. Chega a ser irritante, não? Se eu fosse um jornalista-estrela, faria de tudo para transformar a internet no meu urinol pessoal.

No mundo dos dibujos, aconteceu essa mesma revolução com a popularização do Photoshop e outras ferramentas gráficas que possibilitaram aos artistas usarem tanto o pincel quanto a tablet. Entre ilustradores e cartunistas essas discussões existem, mas em menor escala. Em todos os encontros, salões de humor, workshops e afins o tema é levantado, mas nunca se chega a grandes conclusões. No caso dos salões, até passaram a aceitar trabalhos impressos por computador, mas os prêmios mais cobiçados continuam na mão dos que usam pincel e tinta. Ninguém dispensa um original, com aquela textura única. A arte "orgânica", por ser mais sofisticada, ainda é a mais valorizada. Mesmo assim, a internet popularizou bastante o trabalho de caricaturistas e chargistas, e, no fim, ela é sempre vista como uma boa (na verdade, a única) alternativa para quem está iniciando.

Foi o meu caso. Quando comecei profissionalmente, a internet apenas engatinhava no Brasil, e ainda levaria algum tempo até que ela se tornasse a minha ferramenta de trabalho. A carreira de um cartunista já começa em meio a controvérsias. Muitas pessoas tentam demovê-lo da idéia, dizendo que isso não dá dinheiro, que você não conseguirá, que você precisa entrar para o "mercado de trabalho". Enfim, o que esperam de você é que seja "normal", como todos os outros. Esperam que você se vista decentemente e vá todos os dias ao escritório garantir seu dinheiro e status. Sim, por um momento acreditei nisso e fui à luta. Depois de inúmeras tentativas infrutíferas, fiquei com a sensação de que arrumar emprego naquela época estava mais difícil do que acertar na loteria. Tive de me contentar com bicos em congressos de medicina, onde fiz até credenciamento, fui operador de slides e tradutor.

Resignado em minha mediocridade, tranquei-me no quarto, me enchi de brios e, ao invés de engolir sapos, passei a caricaturá-los. Mas havia a dificuldade que todo iniciante enfrenta: onde publicar? O traço é ruim, os desenhos parecem ter saído de uma aula de artes do primário... O que fazer? Após mais alguns empregos e experiências frustrantes, arrumei uma vaga para trabalhar como webdesigner em uma pequena agência multimídia. Ali eu descobri que a internet não servia apenas para mandar e-mails. Mesmo que eu tenha visto a bolha estourar bem na minha frente, aquela era uma linguagem nova e eu estava aprendendo a usá-la de diversas formas. Abriu-se o leque e as possibilidades de quem não tinha por onde começar. Conheci caminhos diferentes e, por um momento, o sonho de ganhar a vida como cartunista ficou adormecido. Comecei a achar que o desenho seria apenas uma ferramenta para o meu trabalho, sem perceber que o desenho era e sempre será o meu trabalho. A internet e a agência é que eram as minhas ferramentas. Nesses quatro anos em que trabalhei lá, o pessoal do "mercado de trabalho" me via como um deles. Mesmo que eu não usasse terno e gravata, eu ia todo o dia para o "escritório". Que legal! Finalmente eu era considerado um trabalhador! Aquela coisa de ganhar a vida "fazendo desenhinhos" só podia ser imaturidade mesmo. Eu era um "deles" agora. Estava me sentindo importante com isso. Não por muito tempo.

Depois de três anos na agência, o cartunista despertou novamente, e estava faminto, cheio de fúria, querendo vingança. Qual era, então, o primeiro passo? Lançar meu site pessoal, claro. Lá eu poderia finalmente publicar minhas charges e caricaturas, saciando, assim, aquele desejo antigo, ainda disfarçado de "hobby". Passei mais um ano conciliando o emprego com o sonho e finalmente em 2004 preparei o avião para o meu vôo solo, que passou por turbulências e quase caiu em 2005, mas que conseguiu levantar vôo em 2006. É aí que eu entro na questão "papel x internet". Aprecio os dois, mas, se a internet não tivesse existido, eu seria hoje mais um burocrata frustrado que trabalha em qualquer coisa apenas pelo dinheiro. Consegui algumas das minhas primeiras publicações aqui, no Digestivo. Para um pequeno mailing, comecei a enviar semanalmente as charges da hora e me tornei um "cartunista on-line", mas não podia ficar só nisso. Eu precisava me estabelecer na profissão.

Após o desastroso ano de 2005, desengavetei uma idéia que me espreitava há meses: lançar um livro. Calma, não era uma tentativa desesperada de ganhar uns trocados. Naqueles dias confusos, eu era pura contradição e, àquelas alturas, a única coisa na qual eu conseguia acreditar era nesse livro. Ironicamente, fiz pouquíssimas charges neste mesmo ano dos incontáveis escândalos no governo do PT. As eleições de 2006 prometiam ser uma batalha ética. Foi aí que tive a idéia de contar a história, de forma cronológica, do primeiro mandato do governo Lula com uma linguagem bastante ácida, em forma de quadrinhos e de charge política. Eu tinha coisas a dizer e os eleitores (e leitores) pareciam estar abertos ao debate. Eu tinha certeza que haveria pelo menos uma editora que se interessasse. Não houve. O tempo era curto. O livro tinha que sair antes das eleições e lancei-o de forma independente. Mas é bom que se diga: só o fiz porque eu acreditava ter um bom material nas mãos e por saber que tinham leitores me esperando. Foi uma situação única onde tudo se convergiu. Além disso, o timing era perfeito. Meu trabalho também já estava mais amadurecido com as publicações na web. Era hora de arriscar.

Jamais esperei ficar rico ou famoso com isso. O importante era "se pagar" e isso já consegui. Então pra quê sair em livro? Primeiro porque o formato de quadrinhos, para a internet, ainda não funciona. A resolução dos desenhos é limitada, a leitura (principalmente dos balões) é ruim, e, sim, a arte gráfica torna-se muito mais poderosa quando impressa. É muito diferente de lançar um romance, onde não há preocupações com escala de cores, resoluções ou diagramações mirabolantes. Além disso, eu acreditava cegamente que poderia quebrar essa barreira e provar pra mim mesmo que podia fazer tudo isso sozinho. Foi uma iniciativa ousada, onde eu queria conquistar algum prestígio, sim, mas, acima de tudo, buscava o respeito que nunca tive como profissional. Posso dizer que, nas páginas do livro, renasci como cartunista. Subi um degrau na profissão. Reconciliei-me com ela. Era uma etapa que precisava ser experimentada e sei que eu não teria conseguido isso se o livro tivesse saído em PDF ou copyleft.

Antes de o livro sair, me choviam propostas obscenas do tipo "faça charges de graça pra mim, que eu divulgo o seu nome". Depois do livro, essas "propostas" sumiram. Por que será? Não por coincidência, elas, agora, foram substituídas por perguntas "Quando sairá o próximo livro?" ou "Quando sairá o volume 2?". Bem, o "volume 2" eu não pretendo lançar, pois não quero repetir a mesma fórmula e passar a mesma mensagem. Quanto ao próximo livro, só o tempo vai dizer, mas uma coisa é certa: não vou repetir a experiência de lançar independente e não recomendo a ninguém fazê-lo.

Voltando ao epicentro do furacão, qual é, então, o problema da mídia impressa hoje? Sim, ela está em decadência. Não, ela não quer abaixar a guarda. Também não quer perder o glamour, nem quer dividir nada. Sua soberba e orgulho jamais permitiriam tal coisa. O mercado é fechado mesmo. Ninguém entra. Ninguém sai.

Já o buraco da internet é mais embaixo. A internet é tão democrática, mas tão democrática, que abriu espaço até para quem não o merecia. É nesse sarau de pseudoartistas larápios e torturadores do idioma que a mediocridade e a verborragia se propagam como um vírus letal. São essas pessoas que não deixam a tal "revolução" da internet acontecer, que nos nivelam por baixo e fazem com que sejamos vistos como marginais da mídia. Pra citar um exemplo da minha área, basta entrar em qualquer fórum relativo à caricatura no Orkut que você terá um retrato cruel dessa realidade. Lá existem "n" discussões (com direito a xingamentos, ameaças e palavrões a torto e a direito) dos que defendem um trabalho sério e profissional que deve ser devidamente cobrado, contra os artistas de galinheiro, que se dizem "românticos" e acham que não se deve cobrar nada pela "arte". O Orkut, aliás, foi uma ótima idéia que, infelizmente, acabou distorcida e virou o playground os psicopatas. E eles são muitos, acredite. Por que você acha que os comentários dos leitores aqui do Digestivo precisam ser moderados pelos editores?

Tanto na arte quanto na escrita, despontam a cada minuto novos candidatos a gênio, que também encontram aqui, na Web, o seu palco preferido. É essa gente amadora ― que se autoentitula "profissional" ― que a internet ainda não conseguiu filtrar. Isso sem falar nos spammers, que prestam o seu desserviço à WWW, tornando-a uma gororoba ainda mais difícil de deglutir. Aqui, gente séria e profissional é jogada no mesmo balaio dos wannabes, dos psychos e dos parasitas. Esse é o pecado da democracia on-line. A internet está ainda tão mal ajambrada que a imprensa escrita percebeu isso e se sentiu confortável em desqualificá-la, classificando-a como uma mídia de menor relevância.

Apesar dos pesares, a constatação que faço é que a imprensa escrita não é tão boa quanto se apregoa e nem a internet é tão ruim quanto se acredita. Existem bons e maus profissionais em ambos. Com o mínimo de bom senso, consegue-se facilmente separar o joio do trigo. O que está faltando é autocrítica. Já passou da hora, aliás. A internet e o papel devem conviver juntos, dialogar, cooperar entre si e não desconfiarem um do outro. Os leitores estão aí para serem conquistados, mas, ao invés disso, jornalistas e blogueiros preferem continuar com esse bombardeio esquizofrênico, de onde todos saem derrotados ― principalmente os leitores.

Nasci na internet, me reinventei no papel, que por sua vez me levou de volta, através do blog e estou aberto a qualquer mídia que se interessar pelo meu trabalho. Qual a vantagem, então, em ser extremista? Não podemos limitar nossas perspectivas em nome de uma ortodoxia sem sentido, seja ela pró-internet ou pró-papel.


Diogo Salles
São Paulo, 19/7/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Tons por detrás do rei de amarelo de Eugenia Zerbini
02. Sobre cafés e diversão 0800 de Ana Elisa Ribeiro
03. A Paixão de Cristo e Cidade de Deus de Marcos Procópio


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2007
01. Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas - 20/9/2007
02. Coque, o violeiro de uma mão só - 13/6/2007
03. Ensino Inferior - 16/10/2007
04. A internet e a arte marginal - 19/7/2007
05. A favor do jornalismo contra - 7/8/2007


Mais Especial Publicar em papel ou não?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/7/2007
12h52min
Diogo, gostei muito de ler sobre sua experiência pessoal na discussão desse assunto. É difícil ir atrás de um sonho que todos tentam demover. A fala generalizada de que a arte é gratuita me parece alienante, incoerente, como se uma boa criação não precisasse de dedicação, empenho, e o engraçado é que isso é até cobrado dos iniciantes: se prepare, se dedique, exercite. A arte não é gratuita, nem no sentido de ser desinteressada, sem intenção, nem no de ser algo que se faz sem esforço e por isso não precisa ser paga. Alguns acham que não deve haver investimento ou incentivo financeiro para ajudar iniciantes, porque arte é sonho, o governo não deve bancar o desejo de ninguém, mas todos querem ver boa arte, ouvir boa música, ler bons livros; se a pessoa não tem como sobreviver, de que modo vai poder se dedicar ao sonho? A produção de quem trabalha em outra área será bem menor do que se o seu trabalho fosse fazer arte, é óbvio. O investimento não deve ser indiscriminado, isso sim. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
19/7/2007
19h40min
Ótimo artigo, Diogo. Você sabe que eu compartilho da mesma opinião e me esforço o quanto posso para aliar os dois "mundos". Mas é uma tarefa difícil, que exige paciência e muita boa vontade. Fico feliz em vê-lo bem-sucedido, espalhando seu talento em várias mídias. Parabéns pelo discernimento e pela iniciativa.
[Leia outros Comentários de Kandy]
21/7/2007
12h09min
Diogo, acredito que o papel ainda vá continuar por algum tempo (senão as empresas de papel vão falir) mas a mídia impressa já morreu, só se recusa a ser enterrada. Basta ver o caso dessa semana, da queda do avião. A TV e a internet comandaram as notícias, mais uma vez. Eu acompanhei o caso, inclusive, assistindo TV via internet. A questão da interatividade na internet é velha, mas esse seu argumento sobre a "democracia on-line" me fez sorrir, parece até meu avô falando (e olha que ele faleceu há 20 anos) sobre os perigos da juventude transviada e as motocicletas. A internet está se desenvolvendo numa velocidade espantosa (só temos 12 anos de internet no Brasil e veja o que já temos) e, em espaço democrático e interativo, claro que os trolls se manifestam. Mas isso acontece nas redações de jornais também, só que era invisível, porque era através de cartas. ERA. Porque tudo está na internet. Acabou o papel.
[Leia outros Comentários de Daniela Castilho]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Responsabilidade Civil por Erro Médico
Fábio Motta da Cunha
Cbj
(2007)



Educação Linguistica Em Perspectivas e Horizontes
Khalil Salem
Fiuza
(2011)



Vencendo a Própria Crise
Carlos Wizard Martins
Record
(1993)



Filha da Magia
Justine Larbalestier
Galera



O Tempo Não Apagou
Don R. Christman
Casa
(1987)



A princesa que tudo sabia,,,,menos uma coisa
Rosane paplona, Nino B junior
Brinque-Book
(2001)



Tecnologia Em Gestão e Marketing para Pequenas e Médias Empresas Vol 2
Pedro Hiane e Outros
Uniderp
(2007)



Diga Não À Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes ...
Maria Conceição O. Costa (coord.)
Do Autor
(2012)



Para Sempre uma Aprendiz
Maria Glória Francener Deschamps
Gaia
(2004)



Moda & Sustentabilidade: Design para Mudança - 1ª Edição
Kate Fletcher & Lynda Grose
Senac Sp
(2012)





busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês