A favor do jornalismo contra | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
69682 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
>>> Museu de Arte Sacra de São Paulo - Imagens de ROCA e de VESTIR
>>> Mostra de Teatro de Ipatinga comemora os 15 anos do Grupo 3 de Teatro com espetáculo online
>>> Live: Como a cultura nos livros didáticos influencia a formação da criança
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Passeata Contra o eBook
>>> Sendo Humano
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jazz caricato
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> Música instrumental brasileira
>>> If God is Brazilian
>>> Agradecimentos no Oscar
>>> Anúncios em revistas caindo
>>> Cicular
Mais Recentes
>>> Efésios N Testamento Coleção Lições De Vida de Max Lucado pela Mundo Cristão (2014)
>>> Os Condenados - Obras Completas 1 de Oswald de Andrade pela Civilização Brasileira (1970)
>>> Ponta de Lança - Obras Completas 5 de Oswald de Andrade pela Civilização Brasileira (1972)
>>> A Insustentável Leveza do Ser de Milan Kundera pela Nova Fronteira (1986)
>>> A Divina Comédia de Dante Alighieri pela Nova Cultural (2002)
>>> A Luz da Estrela Morta de Josué Montello pela Nova Fronteira (1981)
>>> Quem Foi? Albert Einstein de Jess Brallier pela Dcl (2009)
>>> As Impurezas do Branco de Carlos Drummond de Andrade pela José Olympio (1974)
>>> As Filhas de Rashi de Maggie Anton pela Rocco (2008)
>>> Drummond o Gauche no Tempo de Affonso Romano de Santanna pela Lia (1972)
>>> Traição Em Família de David Baldacci pela Arqueiro (2012)
>>> Bichos de Lá e de Cá de Lia Neiva pela Ediouro (1993)
>>> O Fogo de Katherine Neville pela Rocco (2011)
>>> Desvirando a Página - a Vida de Olavo Setubal de Ignácio de Loyola Brandão; Jorge J. Okubaro pela Global (2008)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Saraiva (2013)
>>> Dom Casmurro - Obras Completas de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> The Elegance of the Hedgehog de Muriel Barbery pela Penguin Usa (2008)
>>> O Direito à Privacidade na Internet de Sidney Guerra pela América Jurídica (2004)
>>> Em Busca de Cézanne de Peter Mayle pela Rocco (2000)
>>> Nono Descobre o Espelho de José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta pela Objetiva (2007)
>>> Nós, Mulheres - Edição Especial de Silvia Bruno Securato pela Oficina do Livro (2012)
>>> Autant En Emporte Le Vent - Tomes I et II de Margaret Mitchell pela Gallimard (1938)
>>> Memória de Minhas Putas Tristes de Gabriel Garcia Marquez pela Record (2005)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (2002)
>>> Um Dia "daqueles" - um Lição de Vida para Levantar o Seu Astral de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> Seis Suspeitos de Vikas Swarup pela Companhia das Letras (2009)
>>> Nós, Mulheres - Vol. 10 de Silvia Bruno Securato pela Oficina do Livro (2011)
>>> Minhas Rimas de Cordel de César Obeid pela Moderna (2005)
>>> Negociações Espetaculares de Harvard Business School pela Campus (2004)
>>> Em Nome de Anna de Rudi Fischer pela Primavera Editorial (2015)
>>> De Volta às Estrelas de Erich Von Däniken pela Melhoramentos (1970)
>>> Umbanda Espírita Cristã de Norevaldo C. M. Souza pela Ideia Jurídica (2014)
>>> Entre Árabes e Judeus - uma Reportagem de Vida de Helena Salem pela Brasiliense (1991)
>>> O Poder Psíquico das Pirâmides de Bill Schul e Ed Pettit pela Record (1976)
>>> Sade, Fourier e Loyola de Roland Barthes pela Brasiliense (1990)
>>> O que é Ceticismo de Plinio Smith pela Brasiliense LTDA (2021)
>>> A Odisséia dos Essênios de Hugh Schonfield pela Mercuryo (1991)
>>> Introdução à Psicologia Fenomenológica//Agressão no Homem e nos Animais de Ernest Keen e Roger N. Johnson pela Interamericana (1979)
>>> O que é Psicanálise de Fábio Hermann pela Abril (1983)
>>> Como Administrar Conflitos Profissionais de Peg Pickering pela Market Books (1999)
>>> A Aventura Prodigiosa do Nosso Corpo de Jean Pierre Gasc pela Universo da Ciência (1981)
>>> As Mulheres Francesas Não Engordam de Mireille Guiliano pela Campus (2005)
>>> Das CPI's de Hélio Apolinário Cardoso pela Bookseller (2002)
>>> A Mulher do Viajante no Tempo de Audrey Niffenegger pela Suma de Letras Brasil (2009)
>>> O estudante II: Mamãe querida de Adelaide Carraro pela Global (1988)
>>> O Lado Bom dos Seus Problemas EAN: 9788536416199 de Maurício Horta pela Abril (2013)
>>> Julie e Julia de Julie Powell pela Record (2009)
>>> Fogo e Gelo de Julie Garwood pela Landscape (2009)
>>> Confissões de Santo Agostinho pela Folha de S. Paulo (2010)
>>> O Livro das Princesas - Novos Contos de Fada Por de Meg Cabot; Paula Pimenta; Lauren Kate pela Record (2013)
COLUNAS >>> Especial Para onde vai o jornalismo?

Terça-feira, 7/8/2007
A favor do jornalismo contra
Diogo Salles

+ de 4600 Acessos
+ 6 Comentário(s)


"O verdadeiro jornalista se faz, justifica sua existência, mantendo uma distância cética do poder, criticando-o sempre que for necessário e nunca se deixando dominar por ideologias de grupos de elite".
Paulo Francis (Folha de S. Paulo, 1985)

Estendo este convite de Paulo Francis ao ceticismo para toda a sociedade. Como ele próprio definiu em outra oportunidade, "90% das notícias no mundo inteiro são press releases de poderosos e famosos". Hoje, talvez, já tenha atingido os 99%. Paulo Francis deve estar se revirando em seu túmulo. Quem sabe um dia os aparelhos que mantêm vivo o jornalismo vegetativo sejam enfim desligados. Só assim a crítica e a contestação podem sair do limbo e prosperar num país convulsionado como o Brasil.

Crítica e contestação, aliás, eram as especialidades de Paulo Francis e estão cada vez mais escassas nos dias de hoje. Se você se deparar com uma coisa ou com outra, não deixe passar. Leia, interprete, divulgue, crie debates. O Brasil está carente de neurônios e você pode gastar alguns dos seus nessa causa. Melhor isso do que continuar agonizando nesse jornalismo letárgico, que traz todo esse lodo pútrido de corrupção e canalhice em tom protocolar, como se estivesse dando a previsão do tempo ou a cotação da bolsa de valores. Seria bom ver o jornalismo paralítico levantar de sua cadeira de rodas.

Quando surge algum contestador, seu patrão rapidamente se põe a domá-lo. Se não tiver sucesso na empreitada, a saída é demiti-lo. Os interesses sempre falam mais alto. Críticas ao governo não são bem vindas, pois este pode injetar sua vultosa verba publicitária no concorrente. É melhor não incomodá-lo. E criticar qualquer governo não implica em momento algum que a oposição deva ser preservada. Muito pelo contrário. O PSDB está aí para provar. Mas quem se importa? Se as notícias mais aguardadas são as de celebridades e celebritites, as críticas aos poderosos sempre podem encolher um pouco mais. E viva o Big Brother!

É aí que os blogs encontraram seu grande pilar de sustentação. Na blogosfera não há interesses escusos, não há gordas verbas de publicidade em jogo, não há editores, chefes de redação ou patronos com o rabo (e o bolso) preso aos grotões. Assim renasceu das cinzas o jornalismo independente. Marginalizado, é verdade, mas renascido. Ainda vai levar algum tempo para que os blogs exerçam a mesma influência que os jornais exercem sobre a opinião pública, por isso a necessidade de haver uma colaboração entre as mídias e, principalmente, de separar o joio do trigo. Chego a ficar embasbacado quando alguém critica um jornalista que se coloca contra o establishment político. Nunca precisamos tanto dos blogs. É ali que o grito do leitor encontra eco.

Mas, nesses tempos petistas, o grande polemista do momento atende pelo nome de Diogo Mainardi. Desde que Lula subiu a rampa do Planalto, Mainardi vem achincalhando-o sistematicamente. E não é só o presidente que sofre em suas mãos. O "lulismo" e os "lulistas" também são alvos. Mainardi persegue até jornalistas, publicitários, empreiteiros, qualquer pessoa que mantenha relações mais próximas com o governo. Com isso, acumulou uma pilha de processos na justiça e ganhou uma quilométrica fila de inimigos (alguns mortais) que, não por acaso, o definem como uma caricatura de Paulo Francis.

Mas parece que os dias de glória de Diogo Mainardi ficaram no início do governo petista. A cada novo escândalo, ele destilava seu veneno e temperava suas colunas com fofocas políticas e ironias cáusticas. A acidez era tamanha que as palavras pareciam ter vindo de sua bile. Voz dissonante naqueles dias, quando todos se derretiam com Lula, ele reinou absoluto. Agora, que as denúncias agora parecem ter rareado (ou melhor acobertadas), suas críticas derrapam em achismos e obviedades. Parece procurar pêlo em ovo, alternando algumas comparações engraçadas com outras estapafúrdias, mas no geral se perdendo em elucubrações enviesadas.

Sua fixação por Lula parece até doentia, mas, ironicamente, foi com Lula no poder que Mainardi se tornou uma celebridade que desperta amores e ódios em iguais proporções. Será que ele vai algum dia agradecer o Lula por isso? Acho difícil, mas o que estou realmente interessado em saber é se ele manterá toda essa artilharia quando Lula deixar o poder. Espero que sim (mas tenho minhas dúvidas). Que sua perseguição implacável aos pilantras continue. Seu estilo bucaneiro e boquirroto, se não pode ser chamado de jornalismo, pelo menos, é divertido.

Diogo Mainardi é discutível? É. Principalmente quando resolve se aventurar em comentários infelizes contra nordestinos, ou quando diz que prefere pagar para não ter que ir a Cuiabá dar uma palestra. Não que ele não tenha o direito de criticar o Nordeste ou Cuiabá, mas é aí que ele se entrega em provocações vazias e gratuitas, buscando a ira dos ofendidos para satisfazer sua necessidade quase fisiológica de gerar controvérsias.

Seus detratores o acusam de praticar o "parajornalismo", uma forma pejorativa de definir autores que deturpam fatos para conseguir um impacto maior em seus textos. O termo foi introduzido pelo crítico americano Dwight Macdonald, já falecido, combatente ferrenho do gênero. Mesmo que o parajornalismo receba (merecidamente) todas as críticas do mundo, não consegue ser pior do que o jornalismo chapa-branca, símbolo máximo da subserviência aos poderosos.

O parajornalismo pelo menos nos dá munição para rechaçá-lo, contra-atacar com novas críticas e levantar novos debates. Ou ignorá-lo. Enfim, você pode escolher o que fazer com ele. Usá-lo ou jogá-lo fora? A escolha é sua. E ao parajornalista que não encontrar consistência em suas teses, o tempo se encarregará de expeli-lo. O conflito de idéias é e sempre será saudável numa democracia.

Já o jornalismo chapa-branca sugere o contrário. Sugere que fiquemos catatônicos na frente da TV, babando na gravata. A cada novo governo (seja ele de qual partido), lá estarão os chapas-brancas, sempre a postos para adulações. Que jornalismo é esse que não pode (ou não quer) questionar nada? Não existe nada mais nocivo para uma democracia do que o jornalista militante, que nada mais é do que um político infiltrado na imprensa a serviço de interesses partidários. Uma pessoa assim deveria escolher: é jornalista ou é militante? Não dá pra ser os dois.

Bem entendido. Como leitor, sou a favor do jornalismo contra. Como cartunista, sou contra o humor a favor. Não estou dizendo que sou contra um humor mais ameno em uma charge - faço muitas charges assim. Sou contra o humor eleitoreiro. Tampouco estou defendendo a barbárie jornalística, em que se critica tudo, não importa o que, mas defendo sim a "distância cética do poder", como sugeriu Paulo Francis. E quanto a Diogo Mainardi, discutível ou não, ele se consagrou como o Nelson Rubens do jornalismo político. Ele aumenta, mas não inventa.


Diogo Salles
São Paulo, 7/8/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Vamos pensar: duas coisas sobre home office de Fabio Gomes
02. Doida pra escrever de Ana Elisa Ribeiro
03. A difícil arte de saber mais um pouco de Ana Elisa Ribeiro
04. Memória externalizada de Wellington Machado
05. O elogio da narrativa de Luis Eduardo Matta


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2007
01. Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas - 20/9/2007
02. Coque, o violeiro de uma mão só - 13/6/2007
03. Ensino Inferior - 16/10/2007
04. A internet e a arte marginal - 19/7/2007
05. A favor do jornalismo contra - 7/8/2007


Mais Especial Para onde vai o jornalismo?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/8/2007
16h43min
Que texto maravilhoso! Sou jornalista e estou enojada com a atitude servil da mídia de modo geral. Aqueles que ousaram criticar esse governo são desqualificados imediatamente. Não sou leitora assídua de Mainardi, mas gosto de sua coragem. Aqui no Ceará os jornais são subservientes e poucos, raríssimos articulistas conduzem seus textos de modo distanciado, estimulando o leitor a olhar com senso crítico. Parabéns pelo texto.
[Leia outros Comentários de alzira aymoré]
13/8/2007
20h43min
É mais difícil ser contra, ainda mais numa sociedade que evita o conflito das discussões quando há discordância, por considerá-las apenas ataques e não possibilidade de ver além, de modificar o rumo de algo que pode não estar bom ou o melhor possível. Não nos falta mais liberdade, faltam ideais, leitura, reflexão, crítica, sem falar em seriedade, responsabilidade, porque passamos do estágio da proibição para o "tudo é permitido". Ninguém quer que voltem as proibições, ou um moralismo rígido, com valores intocáveis, mas será que faz sentido o vale-tudo? A situação política mostra que não. Existem coisas que precisam ser defendidas, preservadas e é preciso fazer pensar a respeito. O mundo talvez seja melhor se as pessoas tiverem não apenas liberdade, mas também autonomia; se não apenas absorverem informações, muitas vezes sendo manipuladas, mas também questionarem, contribuirem com as próprias percepções. Jornalistas têm a função de despertar, conscientizar, não apenas informar. Bom texto!
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
14/8/2007
08h09min
Não sei muito do "ser contra" ou "a favor", tenho lido muito sobre a finalidade do jornalismo de fundar algum sentido crítico na sociedade, sinceramente, não acredito. Não atribuo aos jornalistas a primazia de desenvolver nenhuma tese ou postura politica, que deva ser de desejo de cada individuo. O jornalismo que me atrai é o da diversidade, feito entre o trágico e o cômico e não uma leitura ordinária do cotidiano. Há também a referência econômica do veículo que não deve ser ignorada, então resta ao jornalista a coragem de sê-lo e a vocação para o nada. A isca da atenção é o escandalo e o extraordinário, e os jornais sabem disto e usam este conhecimento à exaustão. A sobrevivência de um veiculo de informação está no lastro de leitores regulares que ele consegue captar e tudo o que possa ser apresentado e oferecido a este público: notícia, entretenimento; formação política e cultural é só uma possibilidade cuja a responsabilidade é individual e está fundada no senso crítico, se há um...
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
15/8/2007
02h42min
Concordo plenamente que o pior jornalismo é o chapa-branca, que não contesta nada. Isso num país tão carente de debates como o Brasil; é desolador... O Mainardi foi um dos cases estudados no meu Trabalho de Conclusão de Curso - eu analisei o uso da ironia no jornalismo opinativo. Concordo que a postura "do contra" do colunista da Veja é fundamental, por mais que ele cometa equívocos, como fazer comentários preconceituosos contra o Nordeste e lançar provocações vazias apenas para polemizar. Também espero que o Mainardi siga com seu estilo combativo nos próximos governos, sejam eles do PT, do PSDB, ou do sei-lá-o-quê. Por fim, digo que não acho o Mainardi a "versão piorada do Paulo Francis", como muitos gostam de classificá-lo. Não há comparação: o Francis era muito mais sofisticado, culto e bem-humorado do que o Mainardi. Quase desisti de me formar em Jornalismo quando um dos meus professores-militantes comentou que, para ele, o Francis era apenas "um ideólogo da direita". Pfui...
[Leia outros Comentários de Lucas Colombo]
19/8/2007
17h04min
Caro Diogo, belo texto. Eu, particularmente, não gosto do Diogo Mainardi. Creio que o termo parajornalismo serve muito bem para ele. Uma coisa é fazer jornalismo investigativo (isso, sim, raro na atual imprensa). Outra é receber dossiê de alguém interessado e fazer denuncismo (isso, sim, prolifera!)...
[Leia outros Comentários de Luiz Augusto Lima]
12/4/2013
08h34min
Diogo, compactuo com suas ideias. Apoio o jornalismo crítico e apartidário.Chega de oligarquias midiáticas,recortes temáticos e matérias que pouco acrescentam a opinião pública. "Liberdade de imprensa", para quem e a que preço ?
[Leia outros Comentários de Alekssander Paris]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Beleza do Corpo - uma Apreciação do Cânticos a Partir do Corpo
Pe. José Wilson Correia da Silva
Paulinas
R$ 10,00



Perto de Casa
Peter Robinson
Record
(2006)
R$ 10,00



A Revolução dos Campeões
Roberto Shinyashiki
Gente
(2009)
R$ 10,00



A Obra em Negro (Literatura Francesa)
Marguerite Youcenar
RioGráfica
(1986)
R$ 10,00



Cálculo Matemática para Todos 42-hoje o Futuro
Vários Autores - Revista
Segmento
(2014)
R$ 10,00



A Loura de Olhos Negros - 6815
Benjamin Black
Rocco
(2014)
R$ 10,00



Grandes Conceitos em Pequenas Estórias
Flávio Serra
Consulex
(1993)
R$ 10,00



Querido John
Nicholas Sparks
Novo Conceito
(2010)
R$ 10,00



O Fascinante Império de Steve Jobs 5016
Michael Moritz
Universo dos Livros
(2010)
R$ 10,00



Legislação, Jurisprudência Indígenas
Fundação Nacional do Índio
Funai
(1983)
R$ 10,00





busca | avançada
69682 visitas/dia
2,4 milhões/mês