A favor do jornalismo contra | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
Mais Recentes
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
>>> O Espião que saiu do Frio de John Le Carré pela Abril cultural (1980)
>>> A Primeira Reportagem de Sylvio Pereira pela Ática (1988)
>>> Distúrbios Psicossomáticos da Criança de Haim Grunspun pela Atheneu
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
>>> Rômulo e Júlia - Os Caras-Pintadas de Rogério Andrade Barbosa pela Ftd (1993)
>>> O Nariz do Vladimir de José Arrabal pela Ftd (1989)
>>> Perigosa e Fascinante de Merline Lovelace pela Nova Cultural (2002)
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Nova Cultural (2001)
>>> O Grande Conquistador de Rita Sofia Mohler pela Escala (1978)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança de John C. Maxwell pela Agir (2007)
>>> Dungeon master guide de Jonathan Tweet / Skip Williams pela Core Rulebook II (2000)
>>> Disfunção Cerebral Mínima de Antonio Branco Lefévre - Beatriz Helena Lefevre pela Sarvier (1983)
>>> Viagem Fantástica II - Rumo ao Cérebro de Isaac Asimov pela Best Seller (1987)
>>> Tpm Número 57 Maio 2009 de Caetano Veloso pela Trip (2009)
>>> Incorporações Imobiliárias de J. Nascimento Franco/ Nisske Gondo pela Revista dos Tribunais (1984)
>>> Cavalo-Marinho no Céu de Edmund Cooper pela Hemus
COLUNAS >>> Especial Para onde vai o jornalismo?

Terça-feira, 7/8/2007
A favor do jornalismo contra
Diogo Salles

+ de 4200 Acessos
+ 6 Comentário(s)


"O verdadeiro jornalista se faz, justifica sua existência, mantendo uma distância cética do poder, criticando-o sempre que for necessário e nunca se deixando dominar por ideologias de grupos de elite".
Paulo Francis (Folha de S. Paulo, 1985)

Estendo este convite de Paulo Francis ao ceticismo para toda a sociedade. Como ele próprio definiu em outra oportunidade, "90% das notícias no mundo inteiro são press releases de poderosos e famosos". Hoje, talvez, já tenha atingido os 99%. Paulo Francis deve estar se revirando em seu túmulo. Quem sabe um dia os aparelhos que mantêm vivo o jornalismo vegetativo sejam enfim desligados. Só assim a crítica e a contestação podem sair do limbo e prosperar num país convulsionado como o Brasil.

Crítica e contestação, aliás, eram as especialidades de Paulo Francis e estão cada vez mais escassas nos dias de hoje. Se você se deparar com uma coisa ou com outra, não deixe passar. Leia, interprete, divulgue, crie debates. O Brasil está carente de neurônios e você pode gastar alguns dos seus nessa causa. Melhor isso do que continuar agonizando nesse jornalismo letárgico, que traz todo esse lodo pútrido de corrupção e canalhice em tom protocolar, como se estivesse dando a previsão do tempo ou a cotação da bolsa de valores. Seria bom ver o jornalismo paralítico levantar de sua cadeira de rodas.

Quando surge algum contestador, seu patrão rapidamente se põe a domá-lo. Se não tiver sucesso na empreitada, a saída é demiti-lo. Os interesses sempre falam mais alto. Críticas ao governo não são bem vindas, pois este pode injetar sua vultosa verba publicitária no concorrente. É melhor não incomodá-lo. E criticar qualquer governo não implica em momento algum que a oposição deva ser preservada. Muito pelo contrário. O PSDB está aí para provar. Mas quem se importa? Se as notícias mais aguardadas são as de celebridades e celebritites, as críticas aos poderosos sempre podem encolher um pouco mais. E viva o Big Brother!

É aí que os blogs encontraram seu grande pilar de sustentação. Na blogosfera não há interesses escusos, não há gordas verbas de publicidade em jogo, não há editores, chefes de redação ou patronos com o rabo (e o bolso) preso aos grotões. Assim renasceu das cinzas o jornalismo independente. Marginalizado, é verdade, mas renascido. Ainda vai levar algum tempo para que os blogs exerçam a mesma influência que os jornais exercem sobre a opinião pública, por isso a necessidade de haver uma colaboração entre as mídias e, principalmente, de separar o joio do trigo. Chego a ficar embasbacado quando alguém critica um jornalista que se coloca contra o establishment político. Nunca precisamos tanto dos blogs. É ali que o grito do leitor encontra eco.

Mas, nesses tempos petistas, o grande polemista do momento atende pelo nome de Diogo Mainardi. Desde que Lula subiu a rampa do Planalto, Mainardi vem achincalhando-o sistematicamente. E não é só o presidente que sofre em suas mãos. O "lulismo" e os "lulistas" também são alvos. Mainardi persegue até jornalistas, publicitários, empreiteiros, qualquer pessoa que mantenha relações mais próximas com o governo. Com isso, acumulou uma pilha de processos na justiça e ganhou uma quilométrica fila de inimigos (alguns mortais) que, não por acaso, o definem como uma caricatura de Paulo Francis.

Mas parece que os dias de glória de Diogo Mainardi ficaram no início do governo petista. A cada novo escândalo, ele destilava seu veneno e temperava suas colunas com fofocas políticas e ironias cáusticas. A acidez era tamanha que as palavras pareciam ter vindo de sua bile. Voz dissonante naqueles dias, quando todos se derretiam com Lula, ele reinou absoluto. Agora, que as denúncias agora parecem ter rareado (ou melhor acobertadas), suas críticas derrapam em achismos e obviedades. Parece procurar pêlo em ovo, alternando algumas comparações engraçadas com outras estapafúrdias, mas no geral se perdendo em elucubrações enviesadas.

Sua fixação por Lula parece até doentia, mas, ironicamente, foi com Lula no poder que Mainardi se tornou uma celebridade que desperta amores e ódios em iguais proporções. Será que ele vai algum dia agradecer o Lula por isso? Acho difícil, mas o que estou realmente interessado em saber é se ele manterá toda essa artilharia quando Lula deixar o poder. Espero que sim (mas tenho minhas dúvidas). Que sua perseguição implacável aos pilantras continue. Seu estilo bucaneiro e boquirroto, se não pode ser chamado de jornalismo, pelo menos, é divertido.

Diogo Mainardi é discutível? É. Principalmente quando resolve se aventurar em comentários infelizes contra nordestinos, ou quando diz que prefere pagar para não ter que ir a Cuiabá dar uma palestra. Não que ele não tenha o direito de criticar o Nordeste ou Cuiabá, mas é aí que ele se entrega em provocações vazias e gratuitas, buscando a ira dos ofendidos para satisfazer sua necessidade quase fisiológica de gerar controvérsias.

Seus detratores o acusam de praticar o "parajornalismo", uma forma pejorativa de definir autores que deturpam fatos para conseguir um impacto maior em seus textos. O termo foi introduzido pelo crítico americano Dwight Macdonald, já falecido, combatente ferrenho do gênero. Mesmo que o parajornalismo receba (merecidamente) todas as críticas do mundo, não consegue ser pior do que o jornalismo chapa-branca, símbolo máximo da subserviência aos poderosos.

O parajornalismo pelo menos nos dá munição para rechaçá-lo, contra-atacar com novas críticas e levantar novos debates. Ou ignorá-lo. Enfim, você pode escolher o que fazer com ele. Usá-lo ou jogá-lo fora? A escolha é sua. E ao parajornalista que não encontrar consistência em suas teses, o tempo se encarregará de expeli-lo. O conflito de idéias é e sempre será saudável numa democracia.

Já o jornalismo chapa-branca sugere o contrário. Sugere que fiquemos catatônicos na frente da TV, babando na gravata. A cada novo governo (seja ele de qual partido), lá estarão os chapas-brancas, sempre a postos para adulações. Que jornalismo é esse que não pode (ou não quer) questionar nada? Não existe nada mais nocivo para uma democracia do que o jornalista militante, que nada mais é do que um político infiltrado na imprensa a serviço de interesses partidários. Uma pessoa assim deveria escolher: é jornalista ou é militante? Não dá pra ser os dois.

Bem entendido. Como leitor, sou a favor do jornalismo contra. Como cartunista, sou contra o humor a favor. Não estou dizendo que sou contra um humor mais ameno em uma charge - faço muitas charges assim. Sou contra o humor eleitoreiro. Tampouco estou defendendo a barbárie jornalística, em que se critica tudo, não importa o que, mas defendo sim a "distância cética do poder", como sugeriu Paulo Francis. E quanto a Diogo Mainardi, discutível ou não, ele se consagrou como o Nelson Rubens do jornalismo político. Ele aumenta, mas não inventa.


Diogo Salles
São Paulo, 7/8/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Manual para revisores novatos de Ana Elisa Ribeiro
02. Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição de Ana Elisa Ribeiro
03. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
04. Uma suposta I.C. de Elisa Andrade Buzzo
05. Claudio Willer e a poesia em transe de Renato Alessandro dos Santos


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2007
01. Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas - 20/9/2007
02. Coque, o violeiro de uma mão só - 13/6/2007
03. Ensino Inferior - 16/10/2007
04. A internet e a arte marginal - 19/7/2007
05. A favor do jornalismo contra - 7/8/2007


Mais Especial Para onde vai o jornalismo?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/8/2007
16h43min
Que texto maravilhoso! Sou jornalista e estou enojada com a atitude servil da mídia de modo geral. Aqueles que ousaram criticar esse governo são desqualificados imediatamente. Não sou leitora assídua de Mainardi, mas gosto de sua coragem. Aqui no Ceará os jornais são subservientes e poucos, raríssimos articulistas conduzem seus textos de modo distanciado, estimulando o leitor a olhar com senso crítico. Parabéns pelo texto.
[Leia outros Comentários de alzira aymoré]
13/8/2007
20h43min
É mais difícil ser contra, ainda mais numa sociedade que evita o conflito das discussões quando há discordância, por considerá-las apenas ataques e não possibilidade de ver além, de modificar o rumo de algo que pode não estar bom ou o melhor possível. Não nos falta mais liberdade, faltam ideais, leitura, reflexão, crítica, sem falar em seriedade, responsabilidade, porque passamos do estágio da proibição para o "tudo é permitido". Ninguém quer que voltem as proibições, ou um moralismo rígido, com valores intocáveis, mas será que faz sentido o vale-tudo? A situação política mostra que não. Existem coisas que precisam ser defendidas, preservadas e é preciso fazer pensar a respeito. O mundo talvez seja melhor se as pessoas tiverem não apenas liberdade, mas também autonomia; se não apenas absorverem informações, muitas vezes sendo manipuladas, mas também questionarem, contribuirem com as próprias percepções. Jornalistas têm a função de despertar, conscientizar, não apenas informar. Bom texto!
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
14/8/2007
08h09min
Não sei muito do "ser contra" ou "a favor", tenho lido muito sobre a finalidade do jornalismo de fundar algum sentido crítico na sociedade, sinceramente, não acredito. Não atribuo aos jornalistas a primazia de desenvolver nenhuma tese ou postura politica, que deva ser de desejo de cada individuo. O jornalismo que me atrai é o da diversidade, feito entre o trágico e o cômico e não uma leitura ordinária do cotidiano. Há também a referência econômica do veículo que não deve ser ignorada, então resta ao jornalista a coragem de sê-lo e a vocação para o nada. A isca da atenção é o escandalo e o extraordinário, e os jornais sabem disto e usam este conhecimento à exaustão. A sobrevivência de um veiculo de informação está no lastro de leitores regulares que ele consegue captar e tudo o que possa ser apresentado e oferecido a este público: notícia, entretenimento; formação política e cultural é só uma possibilidade cuja a responsabilidade é individual e está fundada no senso crítico, se há um...
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
15/8/2007
02h42min
Concordo plenamente que o pior jornalismo é o chapa-branca, que não contesta nada. Isso num país tão carente de debates como o Brasil; é desolador... O Mainardi foi um dos cases estudados no meu Trabalho de Conclusão de Curso - eu analisei o uso da ironia no jornalismo opinativo. Concordo que a postura "do contra" do colunista da Veja é fundamental, por mais que ele cometa equívocos, como fazer comentários preconceituosos contra o Nordeste e lançar provocações vazias apenas para polemizar. Também espero que o Mainardi siga com seu estilo combativo nos próximos governos, sejam eles do PT, do PSDB, ou do sei-lá-o-quê. Por fim, digo que não acho o Mainardi a "versão piorada do Paulo Francis", como muitos gostam de classificá-lo. Não há comparação: o Francis era muito mais sofisticado, culto e bem-humorado do que o Mainardi. Quase desisti de me formar em Jornalismo quando um dos meus professores-militantes comentou que, para ele, o Francis era apenas "um ideólogo da direita". Pfui...
[Leia outros Comentários de Lucas Colombo]
19/8/2007
17h04min
Caro Diogo, belo texto. Eu, particularmente, não gosto do Diogo Mainardi. Creio que o termo parajornalismo serve muito bem para ele. Uma coisa é fazer jornalismo investigativo (isso, sim, raro na atual imprensa). Outra é receber dossiê de alguém interessado e fazer denuncismo (isso, sim, prolifera!)...
[Leia outros Comentários de Luiz Augusto Lima]
12/4/2013
08h34min
Diogo, compactuo com suas ideias. Apoio o jornalismo crítico e apartidário.Chega de oligarquias midiáticas,recortes temáticos e matérias que pouco acrescentam a opinião pública. "Liberdade de imprensa", para quem e a que preço ?
[Leia outros Comentários de Alekssander Paris]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PROSPECÇÃO DE JAZIDAS LÍTICAS EM ARQUEOLOGIA: PROPOSTA METODOLÓGICA
ULISSES CYRINO PENHA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 321,00



ASSISTENTES VIRTUAIS INTELIGENTES E CHATBOTS
LEÔNCIO TEIXEIRA CRUZ, ANTONIO JUAREZ ALENCAR, EBER ASSIS SCHMITZ
BRASPORT
R$ 80,00



O EVANGELHO SEGUNDO O FILHO
NORMAN MAILER
RECORD
(1998)
R$ 13,39



ATUALIDADES VESTIBULAR GUIA DO ESTUDANTE
GUIA DO ESTUDANTE - VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2009)
R$ 5,00



A QUESTÃO AMBIENTAL E AS CIÊNCIAS SOCIAIS
IDÉIAS ANO 8 (2) DE 2001
UNICAMP (CAMPINAS SP)
(2001)
R$ 26,82



MÁRIO DE ANDRADE - LITERATURA COMENTADA
JOÃO LUIZ LAFETA
NOVA CULTURAL
(1990)
R$ 5,00



CADERNO DE APOIO ESTATÍSTICA APLICADA À GESTÃO
CRISTINA VILHENA DE MENDONÇA J. CALDEIRA
UNIVERSIDADE ABERTA
(1997)
R$ 73,64



GUIA COMPLETO DO FUNCION DE UMA EMPRESA : MICRO MÉDIA E GRANDE 7239
ROGR BARKI JOSY ALZOGARAY
VOZES
(1985)
R$ 11,00



SEM TEMPO PARA CHORAR
MARILUSA MOREIRA VASCONCELLOS
RADHU
R$ 28,00



RAIO X DO LIVRO ESPIRITA
EURÍPEDES KUHL
ALIANÇA
(2003)
R$ 5,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês