Ensino Inferior | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Marketing de cabras
>>> Simplesmente tive sorte
>>> Sete tecnologias que marcaram meu 2006
>>> Maria Helena
>>> Sombras
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Perfil (& Entrevista)
>>> Entrevista a Ademir Pascale
Mais Recentes
>>> Dylan Dog - Nova Série nº 4 de Recchioni. Stano e Bigliardo pela Júlio Schneider (2019)
>>> Televisão e Psicanálise de Muniz Sodré pela Ática (2003)
>>> Os Pilares da Terra de Ken Follett pela Rocco (2012)
>>> As Flores Falam de Val Armanelli pela Independente (2018)
>>> Las Mejores Intenciones de Ingmar Bergman pela Fabula Tusquets Editores (1992)
>>> The Best Intentions: a novel de Ingmar Bergman pela Arcade (1993)
>>> Tell Everyone de Rosana Solter pela Caramure (2022)
>>> Coleção Sobrenatural: Vampiros de Duda Falcão (org.) pela Avec (2015)
>>> Poemas humanos. España, aparta de mí este cáliz de César Vallejo pela Laia Literatura (1985)
>>> Sítios Arqueológicos Brasileiros de Cristiane de Andrade Buco pela Editora Brasileira (2014)
>>> Ven 1 - Libro de Ejercicios de F. Castro, F. Marin, R. Morales e S. Rosa pela Edelsa (1997)
>>> Paris s`affiche (bilíngue - inglês e francês) de Aurélie Druart pela Intemporel (2006)
>>> Mapping Arab Women`s Movements de Pernille Arenfeldt e Nawar Al-Hassan Golley pela Cairo Press (2012)
>>> As Parceiras de Lya Luft pela Siciliano (1990)
>>> Apontamentos de Viagem de J. A. Leite Moraes pela Companhia das Letras (1995)
>>> Em Busca do Tempo Perdido vol 5 de Marcel Proust pela Nova Fronteira (2014)
>>> A Saga da Liga da Justiça vol. 8 de Grant Morrison e Howard Porter pela Panini (2023)
>>> Batsquad nº 1 de Chuck Dixon. Rick Leonardi pela Abril (2002)
>>> Open Source de Alice Vieira pela Penalux (2018)
>>> Tutto Tex nº 339 (italiana) de C. Nizzi e A. Galleppini pela Sergio Bonelli Editore (2001)
>>> A Pata da Gazela de José de Alenca pela Edições de Ouro
>>> Métaphysique des Tubes de Amélie Nothomb pela Le Livre de Poche (1999)
>>> Dario Argento e seu mundo de horror de Maro Abbade (org.) pela Central das Artes (2011)
>>> Arte para Jovens - Ave Jorge de Antonio Maia e Ziraldo pela Berlendis & Vertecchia (1997)
>>> O Velho Mundo desce aos Infernos de Dolf Oehler pela Companhia das Letras (200)
COLUNAS >>> Especial Ensino superior

Terça-feira, 16/10/2007
Ensino Inferior
Diogo Salles
+ de 10300 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Enquanto a maioria das pessoas olha com saudosismo para os tempos de faculdade, de quando eram estagiários, das festas etc., eu não tenho saudade alguma desse tempo. Pelo contrário, foi um dos períodos mais confusos da minha vida. Quatro anos de estagnações e incertezas em uma modorrenta faculdade de publicidade que pouco me acrescentou. Eu não gostaria de voltar a viver isso de novo nem aqui nem na... faculdade. Portanto não serei pretensioso em entrar em discussões acadêmicas. Os colunistas do Digestivo podem dissecar esse tema muito melhor do que eu. Prefiro abordá-lo traçando um paralelo entre a limitação do ensino superior que tive com a minha própria limitação como aluno - que acreditava ser a faculdade a porta de entrada para o mercado de trabalho. Vamos lá.

Antes de ingressar na faculdade, a aptidão para o desenho era uma referência muito vaga para que eu pudesse escolher uma profissão, mas era a única referência que tinha. Assim, resolvi cursar publicidade, imaginando que fosse me tornar um grande diretor de arte de uma grande agência. Imaginava que desenharia grandes layouts, que criaria campanhas de sucesso etc. O talento para desenhar seria a minha ferramenta chave nesse ambicioso e sofisticado plano.

Ao final dos quatro anos de curso, não havia um único indício de que o tal plano tinha sequer saído do lugar. Meus caminhos já eram outros e o fim da faculdade foi um imenso alívio. De quem era a culpa? Dos professores? Do curso? Minha? O caminho mais fácil é sempre partir para a caça às bruxas, mas não vou cair nessa tentação tipicamente brasileira. Meu fracasso na vida universitária, na verdade, foi uma somatória de fatores. O ensino era fraco e não exigia grande esforço do aluno. Excetuando-se por algumas matérias como Cinema (que hoje ajuda muito no meu trabalho de quadrinhos), Produção Publicitária e Rádio e TV, tudo era muito vago e sem consistência. Os professores? Alguns bons, alguns nem tanto. Quanto aos alunos, nunca se preocuparam em demonstrar o mínimo interesse. Tudo bem que os professores (salvo raras exceções) não motivavam, mas isso não justifica tanto desinteresse. Tudo sempre caminhou no mais absoluto descaso de ambas as partes. Pudera. Às vezes eu me perguntava o que fazia lá, se eu nem gostava de publicidade. Provável que vários pensassem assim também. Não por acaso, vejo hoje a maioria dos meus colegas trabalhando em outras áreas. A conclusão a que se chega é que, na faculdade, o aluno pode optar por aprender. É como se o aprendizado fosse ponto facultativo. Eu optei por não aprender e, mesmo assim, passei em todos os semestres, ainda que mediocremente. Pode parecer uma heresia, mas sinto vergonha de ter passado.

Naquele longínquo final de século XX, as mensalidades custavam, em média, 1/4 do que custam hoje. Tudo bem, as universidades estão mais organizadas hoje, com suas catracas eletrônicas, sistemas informatizados e equipamentos de última geração. Tudo muito bonito. Mas será que o ensino melhorou? Será que investiram mais nos professores? Mesmo que isso tenha acontecido, é de se estranhar que hoje a mensalidade de um curso de publicidade custe de cinco a seis salários mínimos. Aqui entre nós, é essa "inflação" que cobre os altos investimentos em propagandas televisivas e na construção de novas lanchonetes, lojas, estacionamentos etc. O ensino - que já não era muito importante antes - hoje parece ser irrelevante. O que parece importar é se o aluno pode pagar a mensalidade, pra poder usufruir de todos os confortos e instalações da faculdade. Não por acaso, a sensação é de se tratar de um shopping center ou de um clube, e não de uma faculdade.

Tudo parece girar em torno do lucro nesse enorme mercadão de cursos que se enraizou. A profusão de novos cursos alimenta ainda mais a busca incessante pelas gordas mensalidades. Ao contrário dos cursos de medicina, engenharia, direito ou administração (o preferido dos indecisos), cursos como design gráfico, moda, ou mesmo publicidade são áreas que o profissional não depende necessariamente de uma formação acadêmica. Mas as mensalidades e a duração dos cursos garantem muitos lucros para as instituições. Daria muito bem para cumprir um curso de publicidade em dois anos, no máximo. Ok, o MEC exige o mínimo de quatro anos. Não é à toa que as instituições a enxertam matérias para completar a grade. A máxima que diz que "dois meses trabalhando na área (prática) valem mais que dois anos de faculdade (que é só teoria)" é surradíssima, mas ainda é verdadeira e sólida como uma rocha.

Os quatro anos em que estive na faculdade foram os mais longos da minha vida. A sensação era a de que eu estava ao volante de um carro quebrado no meio do deserto. Claro que não deveria ter sido assim, mas foi. Não aprendi nada de publicidade na faculdade, mas foi lá que tive minha lição de vida. Fez-me enxergar todas as nossas mazelas. Fez-me ver o quanto o Brasil é desajustado em todas as suas esferas.

Todos já passaram pela encruzilhada dos vestibulandos: "qual profissão escolher?" E todos optam pela área em que mostram maior aptidão, seguindo em frente. Procuram estágios e vão trilhando o seu caminho. Tudo parece simples e as oportunidades vão aparecendo. Por isso o começo pra quem quer ser cartunista é mais difícil do que o convencional. Eu também passei por essa encruzilhada e fiz minha escolha, obviamente equivocada. Não existe faculdade de Humor ou de Cartum. Nessa etapa da vida, eu ainda não sabia que a faculdade seria um estágio da vida. Eu nem mesmo tinha consciência de que deveria escolher um caminho para trilhar. O processo se alterou depois, quando minha vocação me "escolheu". Não tive como escapar. Foi uma descoberta bastante complexa. Só cheguei nela depois de muitos tombos.

Se você não tem nenhum artista entre seus familiares, será quase um martírio fazê-los entender. Ser cartunista é, antes de tudo, convencimento. "Como você vai ganhar dinheiro? Ficando em casa desenhando?" O que se pode dizer numa hora dessas? "Sim, eu trabalho em casa. Não, eu não tenho salário." Se nem eu mesmo conseguia me convencer de que esse era o caminho certo, como poderia convencer aos outros? Eu não tinha argumentos nem desenhos para confrontar ninguém. Era visto como mais um vagabundo, subproduto de uma geração alienada que cresceu sob os escombros da ditadura.

Antes de me tornar cartunista, eu já era uma caricatura de mim mesmo. E eu entendia o lado das pessoas que se mostravam preocupadas com a minha decisão. Era difícil para elas enxergarem um futuro pra mim naquela época. Mas eu, ao contrário, enxergava um horizonte de possibilidades. Durante a faculdade, lembro-me muito bem de como se deu esta decisão em minha vida. Alternando o marasmo das aulas com trabalhos temporários em eventos, usei as horas vagas para correr atrás desse sonho. Trancado no quarto, munido de um caderno e um lápis, comecei a rascunhar minhas primeiras charges e caricaturas. Depois de preencher todas as páginas do caderno, percebi que isso era a única coisa que eu podia fazer bem. Dali em diante, aquele seria o meu trabalho. Na faculdade, o que importava era apenas passar.

Sei que deve ser difícil aceitar que alguém fique em casa, de bermuda e chinelo o dia todo, mesmo que se trabalhe sem hora para terminar e que não se tenha o luxo de passar os finais de semana na praia. Sei também que isso está mudando, mas ainda tem muita gente que acha que "trabalho" requer roupa social, pasta 007 e um escritório. Não importa o que você faça lá. Na nossa sociedade, até cabide de emprego de repartição pública vira workaholic perto de artista. Injusto? Muito. Mas é um bom tema para um cartum, não acha?


Diogo Salles
São Paulo, 16/10/2007

Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2007
01. Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas - 20/9/2007
02. Coque, o violeiro de uma mão só - 13/6/2007
03. Ensino Inferior - 16/10/2007
04. A internet e a arte marginal - 19/7/2007
05. A favor do jornalismo contra - 7/8/2007


Mais Especial Ensino superior
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/10/2007
12h43min
Concordo com tudo o que você disse. E não é só no ensino superior o problema. Ouça a JP de manhã pra ver o caos no ensino fundamental. Além disso, conheço alguns donos de faculdades que estão demitindo professores-doutores. Motivo? São muito caros. As novas gerações estão cada vez mais condenadas a um ensino meia-boca - seja no ensino público ou privado. Não sei qual será o futuro desse país. A cada processo seletivo de estágio que faço aqui na agência (sim, como você também sou publicitário) eu me assusto. Arrogância, prepotência, descaso e péssima redação são as características mais marcantes dos entrevistados. Digo para você que vivi exatamente o mesmo que você durante meus anos de graduação, mas por não ter seu dom, trilhei o caminho mais óbvio (ou menos sangrento): processos seletivos para estágios e afins. Hoje sou dono do meu próprio nariz. Peno pra fechar as contas e conquistar clientes, como qualquer empreendedor honesto no Brasil. Tudo bem! 2008 tá aí e logo o carnaval...
[Leia outros Comentários de Cássio Britto]
25/10/2007
10h58min
Boa reflexão sobre a qualidade do ensino, os sentidos da preparação para o exercício profissional. As falhas são inúmeras e não ocorre nenhuma mudança para melhorar a situação educacional. Escolhas indevidas por parte dos alunos sempre existirão enquanto um risco do curso ou da atuação profissional não corresponderem aos anseios que a vida alimenta. Mas um bom ensino, com professores bem preparados e criativos, capazes de motivar o aluno, de estimular a sua curiosidade, incitar reflexões, pode minimizar os danos da dúvida, da indecisão na hora de escolher um caminho a seguir, ou de expectativas improváveis de se realizar, caso haja muita idealização do mundo profissional. No entanto, o que em geral ocorre é os estudandes se sentirem órfãos, à mercê da própria capacidade de aprendizado, das próprias buscas, e os professores acham que deve ser assim, a faculdade agora é só mais uma etapa, você deve continuar a formação, com pós, mestrado, etc. O ensino superior serve pra quê? É só rito?
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
1/11/2007
21h36min
Redondo, é isso mesmo. E não duvido que a situação seja a mesma em qualquer lugar do país. Se nem as necessidades básicas de ensino são cumpridas, é fácil de entender porque carecemos tanto de pesquisa - um dos papéis fundamentais da universidade. E só para somar: se a situação já é angustiante ao entrar num curso e cursá-lo, torna-se pior ainda quando o estudante, depois de formado, não encontra alento na área que escolheu e descobre que ganha três vezes mais só com a comissão de venda de carros... Assim como na universidade, onde a lógica do dinheiro é que manda, tem gente que não pensa duas vezes em migrar de ramo. É complicado mesmo. O que fica de bom são os contatos, a amizade e as lembranças. Profissionalmente, se tivesse usado aquela grana para investir num negócio próprio, talvez desse muito mais satisfação e retorno do que todas as frustrações em busca de encargos burocráticos, em empresas míopes, mal-estruturadas, que nivelam por baixo, sem contar o piso de peão... Abraço
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Hora Azul
Alonso Cueto
Objetiva
(2006)



Pequeno Livro da Alegria
Victor Mirshawka Junior
Dvs
(2013)



O Mal de Lázaro
Krishna Monteiro
Tordesilhas
(2018)



O Brasil Cruel e sem Maquiagem
Hélio Bicudo
Moderna
(2000)



O Discurso Oral Culto
Beth Brait / Dino Preti / e Outros
Humanitas / Usp
(1997)



Segredos da Cozinha 2
Silvia Bruno Securato/ Denise Ayres
Oficina do Livro
(2010)



Paradoxo global
John Naisbitt
Campus
(1991)



Alice no País dos Espelhos
Lewis Carroll
Martin Claret
(2009)



Para Viver Um Grande Amor: Crônicas E Poemas.
Vinicius De Moraes
Companhia Das Letras
(2007)



Wizard Brasil 35
Wizard
Panini Comics
(2006)





busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês