Ensino Inferior | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Terreiros Nômades leva arte, história e saberes das culturas africanas e originárias a escolas
>>> Luarada Brasileira lança primeiro EP com participação especial de Santanna, O Cantador
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ler muito e as posições do Kama Sutra
>>> Lockdown Sessions No. 3
>>> Mundo negro, branco na capa
>>> Puro Guapos no Tom Jazz
>>> Google Music Search
>>> Nostalgia do país inventado
>>> Manifesto Infeliz
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> A música que surge do nada
Mais Recentes
>>> Livro Literatura Estrangeira Seis Contos da era do Jazz de F. Scott Fitzgerald pela José Olympio (1995)
>>> Livro Psicologia Libertando o Coração Espiritualidade e Psicologia Junguiana Coleção Estudos de Psicologia Junguiana Por Analistas Juinguianos de Lawrence W. Jaffe pela Cultrix (1990)
>>> Livro Poesia Chão de Vento de Flora Figueiredo pela Geração (2011)
>>> História Universal dos Algarismos 2 Tomos de Georges Ifrah pela Nova Fronteira (1997)
>>> Educação Psicocinética de Bruno Edgar Ries; Jacintho P. Targa; Luiz Settineri pela Sulina (1979)
>>> Livro de Bolso Literatura Estrangeira Coleção Obra-Prima de Cada Autor 98 Macbeth de William Shakespeare pela Martin Claret (2002)
>>> Livro Literatura Estrangeira Contos Volume 1 de H. P. Lovecraft pela Martin Claret (2017)
>>> As Aventuras Dos Filhotes de Vários Autores pela Todolivro (2004)
>>> Maturação Psicomotoro no Primeiro Ano de Vida da Criança de Lydia F. Coriat pela Cortez & Moraes (1977)
>>> O Que Einstein Disse a Seu Cozinheiro de Robert L. Wolke pela Jorge Zahar (2003)
>>> Livro Pedagogia Sobre Educação (Diálogos) de Paulo Freire; Sérgio Guimarães pela Paz e Terra (1982)
>>> Livro Literatura Estrangeira O Hobbit de J. R. R. Tolkien pela Martins Fontes (1998)
>>> Livro Literatura Estrangeira Canibais e Missionários de Mary Mccarthy pela Nova Fronteira (1980)
>>> Livro Ensino de Idiomas The Canterville Ghost and Other Stories Level 4 de Oscar Wilde pela Pearson English Readers (2008)
>>> Anedotário Geral da Academia Brasileira de Josué Montello pela Francisco Alves (1980)
>>> Dudu E O Plástico-bolha de Stela Greco Loducca pela Companhia Das Letrinhas (2022)
>>> Livro Literatura Brasileira Perdas & Ganhos de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Livro de Bolso Literatura Estrangeira Possessing the Secret of Joy de Alice Walker pela Pocket Star Books (1992)
>>> Livro Literatura Brasileira Urupês Ml de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1997)
>>> Livro Mega Histórias 2 Em 1 Piratas E Dinossauros de Culturama pela Culturama (2016)
>>> Livro Culinária Alimentação Light de Ro Kupfer pela Ícone (1992)
>>> Grafite, Pichação & Cia de Célia Maria Antonacci Ramos pela Annablume (1994)
>>> Marquês de Sade - o Filósofo Libertino de Donald Thomas pela Civilizacao Brasileira (1992)
>>> Livro de Bolso Auto Ajuda Você é Insubstituível de Augusto Cury pela Sextante (2002)
>>> Comunicação Sem Complicação de Gustavo Gomes de Matos pela Campus
COLUNAS >>> Especial Ensino superior

Terça-feira, 16/10/2007
Ensino Inferior
Diogo Salles
+ de 10200 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Enquanto a maioria das pessoas olha com saudosismo para os tempos de faculdade, de quando eram estagiários, das festas etc., eu não tenho saudade alguma desse tempo. Pelo contrário, foi um dos períodos mais confusos da minha vida. Quatro anos de estagnações e incertezas em uma modorrenta faculdade de publicidade que pouco me acrescentou. Eu não gostaria de voltar a viver isso de novo nem aqui nem na... faculdade. Portanto não serei pretensioso em entrar em discussões acadêmicas. Os colunistas do Digestivo podem dissecar esse tema muito melhor do que eu. Prefiro abordá-lo traçando um paralelo entre a limitação do ensino superior que tive com a minha própria limitação como aluno - que acreditava ser a faculdade a porta de entrada para o mercado de trabalho. Vamos lá.

Antes de ingressar na faculdade, a aptidão para o desenho era uma referência muito vaga para que eu pudesse escolher uma profissão, mas era a única referência que tinha. Assim, resolvi cursar publicidade, imaginando que fosse me tornar um grande diretor de arte de uma grande agência. Imaginava que desenharia grandes layouts, que criaria campanhas de sucesso etc. O talento para desenhar seria a minha ferramenta chave nesse ambicioso e sofisticado plano.

Ao final dos quatro anos de curso, não havia um único indício de que o tal plano tinha sequer saído do lugar. Meus caminhos já eram outros e o fim da faculdade foi um imenso alívio. De quem era a culpa? Dos professores? Do curso? Minha? O caminho mais fácil é sempre partir para a caça às bruxas, mas não vou cair nessa tentação tipicamente brasileira. Meu fracasso na vida universitária, na verdade, foi uma somatória de fatores. O ensino era fraco e não exigia grande esforço do aluno. Excetuando-se por algumas matérias como Cinema (que hoje ajuda muito no meu trabalho de quadrinhos), Produção Publicitária e Rádio e TV, tudo era muito vago e sem consistência. Os professores? Alguns bons, alguns nem tanto. Quanto aos alunos, nunca se preocuparam em demonstrar o mínimo interesse. Tudo bem que os professores (salvo raras exceções) não motivavam, mas isso não justifica tanto desinteresse. Tudo sempre caminhou no mais absoluto descaso de ambas as partes. Pudera. Às vezes eu me perguntava o que fazia lá, se eu nem gostava de publicidade. Provável que vários pensassem assim também. Não por acaso, vejo hoje a maioria dos meus colegas trabalhando em outras áreas. A conclusão a que se chega é que, na faculdade, o aluno pode optar por aprender. É como se o aprendizado fosse ponto facultativo. Eu optei por não aprender e, mesmo assim, passei em todos os semestres, ainda que mediocremente. Pode parecer uma heresia, mas sinto vergonha de ter passado.

Naquele longínquo final de século XX, as mensalidades custavam, em média, 1/4 do que custam hoje. Tudo bem, as universidades estão mais organizadas hoje, com suas catracas eletrônicas, sistemas informatizados e equipamentos de última geração. Tudo muito bonito. Mas será que o ensino melhorou? Será que investiram mais nos professores? Mesmo que isso tenha acontecido, é de se estranhar que hoje a mensalidade de um curso de publicidade custe de cinco a seis salários mínimos. Aqui entre nós, é essa "inflação" que cobre os altos investimentos em propagandas televisivas e na construção de novas lanchonetes, lojas, estacionamentos etc. O ensino - que já não era muito importante antes - hoje parece ser irrelevante. O que parece importar é se o aluno pode pagar a mensalidade, pra poder usufruir de todos os confortos e instalações da faculdade. Não por acaso, a sensação é de se tratar de um shopping center ou de um clube, e não de uma faculdade.

Tudo parece girar em torno do lucro nesse enorme mercadão de cursos que se enraizou. A profusão de novos cursos alimenta ainda mais a busca incessante pelas gordas mensalidades. Ao contrário dos cursos de medicina, engenharia, direito ou administração (o preferido dos indecisos), cursos como design gráfico, moda, ou mesmo publicidade são áreas que o profissional não depende necessariamente de uma formação acadêmica. Mas as mensalidades e a duração dos cursos garantem muitos lucros para as instituições. Daria muito bem para cumprir um curso de publicidade em dois anos, no máximo. Ok, o MEC exige o mínimo de quatro anos. Não é à toa que as instituições a enxertam matérias para completar a grade. A máxima que diz que "dois meses trabalhando na área (prática) valem mais que dois anos de faculdade (que é só teoria)" é surradíssima, mas ainda é verdadeira e sólida como uma rocha.

Os quatro anos em que estive na faculdade foram os mais longos da minha vida. A sensação era a de que eu estava ao volante de um carro quebrado no meio do deserto. Claro que não deveria ter sido assim, mas foi. Não aprendi nada de publicidade na faculdade, mas foi lá que tive minha lição de vida. Fez-me enxergar todas as nossas mazelas. Fez-me ver o quanto o Brasil é desajustado em todas as suas esferas.

Todos já passaram pela encruzilhada dos vestibulandos: "qual profissão escolher?" E todos optam pela área em que mostram maior aptidão, seguindo em frente. Procuram estágios e vão trilhando o seu caminho. Tudo parece simples e as oportunidades vão aparecendo. Por isso o começo pra quem quer ser cartunista é mais difícil do que o convencional. Eu também passei por essa encruzilhada e fiz minha escolha, obviamente equivocada. Não existe faculdade de Humor ou de Cartum. Nessa etapa da vida, eu ainda não sabia que a faculdade seria um estágio da vida. Eu nem mesmo tinha consciência de que deveria escolher um caminho para trilhar. O processo se alterou depois, quando minha vocação me "escolheu". Não tive como escapar. Foi uma descoberta bastante complexa. Só cheguei nela depois de muitos tombos.

Se você não tem nenhum artista entre seus familiares, será quase um martírio fazê-los entender. Ser cartunista é, antes de tudo, convencimento. "Como você vai ganhar dinheiro? Ficando em casa desenhando?" O que se pode dizer numa hora dessas? "Sim, eu trabalho em casa. Não, eu não tenho salário." Se nem eu mesmo conseguia me convencer de que esse era o caminho certo, como poderia convencer aos outros? Eu não tinha argumentos nem desenhos para confrontar ninguém. Era visto como mais um vagabundo, subproduto de uma geração alienada que cresceu sob os escombros da ditadura.

Antes de me tornar cartunista, eu já era uma caricatura de mim mesmo. E eu entendia o lado das pessoas que se mostravam preocupadas com a minha decisão. Era difícil para elas enxergarem um futuro pra mim naquela época. Mas eu, ao contrário, enxergava um horizonte de possibilidades. Durante a faculdade, lembro-me muito bem de como se deu esta decisão em minha vida. Alternando o marasmo das aulas com trabalhos temporários em eventos, usei as horas vagas para correr atrás desse sonho. Trancado no quarto, munido de um caderno e um lápis, comecei a rascunhar minhas primeiras charges e caricaturas. Depois de preencher todas as páginas do caderno, percebi que isso era a única coisa que eu podia fazer bem. Dali em diante, aquele seria o meu trabalho. Na faculdade, o que importava era apenas passar.

Sei que deve ser difícil aceitar que alguém fique em casa, de bermuda e chinelo o dia todo, mesmo que se trabalhe sem hora para terminar e que não se tenha o luxo de passar os finais de semana na praia. Sei também que isso está mudando, mas ainda tem muita gente que acha que "trabalho" requer roupa social, pasta 007 e um escritório. Não importa o que você faça lá. Na nossa sociedade, até cabide de emprego de repartição pública vira workaholic perto de artista. Injusto? Muito. Mas é um bom tema para um cartum, não acha?


Diogo Salles
São Paulo, 16/10/2007

Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2007
01. Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas - 20/9/2007
02. Coque, o violeiro de uma mão só - 13/6/2007
03. Ensino Inferior - 16/10/2007
04. A internet e a arte marginal - 19/7/2007
05. A favor do jornalismo contra - 7/8/2007


Mais Especial Ensino superior
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/10/2007
12h43min
Concordo com tudo o que você disse. E não é só no ensino superior o problema. Ouça a JP de manhã pra ver o caos no ensino fundamental. Além disso, conheço alguns donos de faculdades que estão demitindo professores-doutores. Motivo? São muito caros. As novas gerações estão cada vez mais condenadas a um ensino meia-boca - seja no ensino público ou privado. Não sei qual será o futuro desse país. A cada processo seletivo de estágio que faço aqui na agência (sim, como você também sou publicitário) eu me assusto. Arrogância, prepotência, descaso e péssima redação são as características mais marcantes dos entrevistados. Digo para você que vivi exatamente o mesmo que você durante meus anos de graduação, mas por não ter seu dom, trilhei o caminho mais óbvio (ou menos sangrento): processos seletivos para estágios e afins. Hoje sou dono do meu próprio nariz. Peno pra fechar as contas e conquistar clientes, como qualquer empreendedor honesto no Brasil. Tudo bem! 2008 tá aí e logo o carnaval...
[Leia outros Comentários de Cássio Britto]
25/10/2007
10h58min
Boa reflexão sobre a qualidade do ensino, os sentidos da preparação para o exercício profissional. As falhas são inúmeras e não ocorre nenhuma mudança para melhorar a situação educacional. Escolhas indevidas por parte dos alunos sempre existirão enquanto um risco do curso ou da atuação profissional não corresponderem aos anseios que a vida alimenta. Mas um bom ensino, com professores bem preparados e criativos, capazes de motivar o aluno, de estimular a sua curiosidade, incitar reflexões, pode minimizar os danos da dúvida, da indecisão na hora de escolher um caminho a seguir, ou de expectativas improváveis de se realizar, caso haja muita idealização do mundo profissional. No entanto, o que em geral ocorre é os estudandes se sentirem órfãos, à mercê da própria capacidade de aprendizado, das próprias buscas, e os professores acham que deve ser assim, a faculdade agora é só mais uma etapa, você deve continuar a formação, com pós, mestrado, etc. O ensino superior serve pra quê? É só rito?
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
1/11/2007
21h36min
Redondo, é isso mesmo. E não duvido que a situação seja a mesma em qualquer lugar do país. Se nem as necessidades básicas de ensino são cumpridas, é fácil de entender porque carecemos tanto de pesquisa - um dos papéis fundamentais da universidade. E só para somar: se a situação já é angustiante ao entrar num curso e cursá-lo, torna-se pior ainda quando o estudante, depois de formado, não encontra alento na área que escolheu e descobre que ganha três vezes mais só com a comissão de venda de carros... Assim como na universidade, onde a lógica do dinheiro é que manda, tem gente que não pensa duas vezes em migrar de ramo. É complicado mesmo. O que fica de bom são os contatos, a amizade e as lembranças. Profissionalmente, se tivesse usado aquela grana para investir num negócio próprio, talvez desse muito mais satisfação e retorno do que todas as frustrações em busca de encargos burocráticos, em empresas míopes, mal-estruturadas, que nivelam por baixo, sem contar o piso de peão... Abraço
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Travessia 395
William P. Young
Arqueiro
(2012)



Livro Biografias Não Há Silêncio Que Não Termine Meus Anos de Cativeiro na Selva Colombiana
Ingrid Betancourt
Companhia das Letras
(2010)



Comer, Rezar, Amar
Elizabeth Gilbert
Objetiva
(2008)



A Tres a Gente Sempre Sabe da Verdade e Salve o Casamento
Vand Grand
Oriom
(2008)



Architecture in Detail Diseño de Espacios Comerciales
Architecture in Detail Diseño de Espacios Comerciales
IJb



Um Acordo de Cavalheiros
Lucy Vargas
Bertrand Brasil
(2017)



Imaginação Criadora
Roy Eugene Davis
Seicho no Ie
(1978)



Efeito Borboleta -um Simples Gesto, um Mundo de Diferença
Glenn Packiam
Garimpo
(2010)



As 5 Coisas Que Não Podemos Mudar
David Richo
Arx
(2006)



Um Sábado que Não Existiu
Renato Modernell
Mackenzie





busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês