Vandalizar e destituir uma imagem de estátua | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
84710 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Relacionamentos amorosos com homens em cárcere é tema do espetáculo teatral ‘Cartas da Prisão’, monó
>>> Curso da Unil examina aspectos da produção editorial
>>> “MEU QUINTAL É MAIOR DO QUE O MUNDO - ON LINE” TERÁ TEMPORADA ONLINE DE 10 A 25 DE ABRIL
>>> Sesc 24 de Maio apresenta Música Fora da Curva: bate-papos sobre música experimental
>>> Música instrumental e natureza selvagem conectadas em single de estreia de Doug Felício
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
>>> Exposição curiosa aborda sobrevivência na Amazônia
>>> Coral de Piracicaba apresenta produção virtual
>>> Autocombustão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O grito eletrônico do Overmundo
>>> Picasso versus Duchamp e a crise da arte atual
>>> Usina
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Web 2.0 reloaded
>>> Lendas e mitos da internet no Brasil
>>> A loucura das causas
>>> Queen na pandemia
>>> Nerd oriented news
Mais Recentes
>>> O Retorno À Origem de Lex Hixon pela Cultrix (1997)
>>> Emma - Edição Bilíngue - Português/ Inglês de Jane Austen pela Landmark (2012)
>>> O Vento Da Mudança de Julie Soskin pela Pensamento (2000)
>>> A Nave de Noé de Trigueirinho pela Pensamento (1999)
>>> Karma E Maturidade Um Guia Diferente para a Jornada de Eileen Connolly pela Cultrix (1999)
>>> Diálogos de Roman Jakobson e krystyna Pomorska pela Cultrix (1985)
>>> Receita da felicidades de Ken Keyes Jr. E Penny Keyes pela Pensamento (1995)
>>> História Caderno de Competências Conecte de M. Esther Nejm et al pela Saraiva (2014)
>>> A Viagem de Uma Alma de Peter Richelieu pela Pensamento (2006)
>>> Entre o Agora e o Sempre de J. A. Redmerski pela Suma de Letras (2014)
>>> Respostas da Vida de Francisco Cândido Xavier (Espírito André Luiz) pela Instituto André Luiz (1975)
>>> Entre o Agora e o Nunca de J. A. Redmerski pela Suma de Letras (2013)
>>> O Guardião de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> Viagem Atraves Da Luz de Lorna Todd pela Pensamento (1995)
>>> Curso Básico de Mecânica dos Solos de Carlos de Sousa Pinto pela Oficina de Textos (2002)
>>> Anjo da Morte de Pedro Bandeira pela Moderna (2009)
>>> História Volume Único Conecte Lidi de Ronaldo Vainfas et al pela Saraiva
>>> Vidas que nos Completam de Américo Simões pela Barbara (2011)
>>> Uma O Tau. Um Sinal Espiritualidade de Mariano Bigi pela Vozes (2004)
>>> Diálogo Com A Cidade de Cardeal Dom Cláudio Hummes pela Paulus (2005)
>>> Patologia das Fundações de Jarbas Milititsky, Nilo Cesar Consoli, Fernando Schnaid pela Oficina de Textos (2005)
>>> Escrita chinesa de Viviane Alleton pela L&Pm (2010)
>>> Caderno de revisão Química Conecte de M. Esther Nejm et al pela Saraiva (2014)
>>> A Igreja. 51 Catequeses do Papa Sobre a Igreja de Felipe Aquino pela Cleofas (2004)
>>> O Sono dos Hibiscos de Lygia Barbiere Amaral pela Lachatre (2005)
COLUNAS

Quinta-feira, 1/10/2020
Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
Elisa Andrade Buzzo

+ de 2000 Acessos

Enquanto em São Francisco há uma curiosa sorte de peregrinação à estátua do mestre Yoda, em Lisboa houve, há poucos meses, mais uma pichação na estátua do padre Antônio Vieira em frente à igreja de São Roque. E ainda muitas outras estátuas ao redor do planeta foram vandalizadas ou mesmo retiradas, face aos protestos antirrascistas. Monumentos que se redesenham e redefinem continuamente, e por isso, e ainda por estarem em praça pública, sujeitos às movimentações manifestantes, às mudanças de mentalidade. Por isto mesmo, por serem vivos, e não mortos, enclausurados em museus como ausentes de mutação, enclausurados como objetos de valor e adoração, é que reside uma sorte de esperança no redimensionamento redentor que espero.

Em Brasília, desenhou-se algo volátil, um metal que ainda não existe forjado em definitivo, mas que perigosamente adquire formatos repugnantes – uma estátua equestre, perversa, demoníaca. Cada aparição do presidente, seus apoiadores e seus ministros, resulta em um desacato ao país, à democracia, quem dera não mais do que na forma de imagens chocantes. No entanto, tanto essas figuras sem movimento, como também atos pontuais, com um ar de “originalidade” e “sinceridade” geram consequências de catástrofe em nosso futuro de país. Mas essa escultura-ultraje ainda se move, e também pragueja, ofende, comete crimes – enquanto o país a assiste, paciente e omisso –; de forma que ainda é possível derretê-la.

Digo apenas em linhas gerais, como em um rascunho, como são, ou seriam, algumas dessas imagens, ou como quem as observa com o canto dos olhos; pois não posso olhá-las demais, já que sua observação atenta representa uma mordida na alma ou uma possibilidade de pesadelo. Imagens que tento não muito ver, para que elas não se alojem em meu cérebro como realidade, mas que precisam ser a realidade, para combatê-la, para denunciá-la em sua perversidade, severidade e mesmo ridicularidade. Para que um dia essas imagens sejam não menos do que uma memória coletiva cruel embora necessária, não mais do que uma foto no livro escolar do Brasil de um futuro mais justo, de política, ao menos, um pouco mais decente; aquele futuro que cada vez mais é empurrado para outra camada de futuro, desde Stefan Zweig.

Uma caricatura de cavaleiro, camiseta polo azul, oclinhos preso na gola. Desprezível dia para o cavalo castanho de crina raspada: “Estarei onde o povo estiver”, teria dito a figura imaginando-se uma espécie de miraculosa estátua movente. Há motivos para o desespero, mas é necessário encontrar um equilíbrio e uma calma. Precisamos estar muito sóbrios, muito presentes e muito atentos e críticos e meticulosos, para tudo isso acompanhar, mostrar, não aceitar. E, ainda, por outro lado, conseguir remover diariamente o grotesco, para que este não se incruste em nossa imagem pessoal de Brasil, nossa imagem boa, aconchegante, de nossa casa, de nossa cultura. Aquela imagem que tenho do meu melhor lugar; sim, o Brasil é o meu melhor lugar do mundo, e acompanhar o país e a sua imagem: sua bandeira, sua capital – vilipendiadas, é algo que será, em um presente combativo, e em um futuro esperançoso de mudanças rápidas, uma das maiores provas a que o país e seus habitantes será colocado.

E é mesmo chocante perceber que estão se tornando usuais, mesmo aceitáveis, as situações, em todos os níveis, aviltantes sofridas pelos brasileiros, quando o ápice, que é o presidente montado num pobre cavalo, fantasiado de salvador da pátria, para mim seria motivo para o seu impedimento (ou a renúncia, no caso de haver dignidade e vergonha). Uma estátua a ser vandalizada antes mesmo de ser erguida, e também destituída, pichada, mas lembrada, como o que não deve ser, como o que não é a democracia, como o que não é a defesa de direitos conquistados, como o que não é a defesa das minorias e a cultura da paz e da preservação do meio ambiente e da vida humana. Quebremo-la, atentemos ao seu pedestal que mais é um cadafalso, em que a vítima é o Brasil e todos nós, e o carrasco é o presidente, todos os seus aliados e aqueles que se aproveitam da situação calamitosa do país.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 1/10/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Information Society e o destino da mídia de Ram Rajagopal
02. Muito além do bang bang de Marcelo Miranda
03. As 8 mulheres de François Ozon de Clarissa Kuschnir


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2020
01. Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa - 20/8/2020
02. Alma indígena minha - 14/5/2020
03. Na translucidez à nossa frente - 10/12/2020
04. Vandalizar e destituir uma imagem de estátua - 1/10/2020
05. Alameda de água e lava - 29/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tempos de Traição - Possuídos por Ambição
Joao Manoel da Costa
Barauna
(2011)



Os Dois Corpos do Presidente e Outros Ensaios
Luiz Eduardo Soares
Iser; Relume Dumara
(1993)



Seu Futuro Segundo os Tarôs
Giovanni Sciuto
Nordica
(1992)



Tábuas de Logaritimos
Irmãos Maristas
Ftd
(1973)



The Life You Want - Get Motivated, Lose Weight, and Be Happy
Bob Greene e Ann Kearney Cooke
Simon & Schuster
(2010)



Tocaia Grande - a Face Obscura - Coleção Grandes Escritores Brasileiro
Jorge Amado
Folha de S. Paulo
(2008)



O Sonho - Nova Concepção
José Maria Arantes
Fgv
(1993)



Lusco Fusco Vida E Morte De Um Desconhecido
Pablo La Noche
Bertrand
(1974)



Dicionário Enciclopédico Ilustrado Veja Larousse Volume 9
Abril
Abril
(2006)



God Is Dead
Ron Currie Jr
Penguin Paperbacks
(2008)





busca | avançada
84710 visitas/dia
2,6 milhões/mês