Alma indígena minha | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
60317 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Alfredenses são receptivos, afirma turista
>>> Por um trânsito mais humano, artistas pintam os muros de escolas públicas em Embu das Artes
>>> PAULUS Editora lança a obra clássica 'A Revolução dos Bichos', de George Orwell
>>> Tik lança EP autoral que transita entre rock, jazz e indie
>>> CASA MUSEU EVA KLABIN RELEMBRA A SEMANA DE ARTE MODERNA DE 1922 EM FESTIVAL NO MÊS DE MAIO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Poesia e papo furado
>>> Saints and Sinners
>>> Memorial de Berlim
>>> Caçar em campo alheio ou como escrever crônicas
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma relação orgânica com a rede
>>> BBB e Narciso
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Apesar de vocês
>>> Bloom sobre Shakespeare
Mais Recentes
>>> Moderna Plus Biologia 2 Parte I de Amabis Martho pela Moderna (2009)
>>> Bio - Volume único + Testes de Vestibulares e Enem de Sonia Lopes pela Saraiva (2013)
>>> A Conquista da Matemática - 7º Ano - Sebo Tradição de Giovanni; Giovanni Jr.; Castrucci pela Ftd (2012)
>>> Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei de Paulo Coelho pela Rocco (1994)
>>> Estratégia de Empresas de David Menezes Lobato pela Fgv (2009)
>>> Dead Lagoon de Michael Dibdin pela Faber and Faber (1994)
>>> Tristão e Isolda de Cecília Casas pela Ediouro (2003)
>>> Toda Sua de Sylvia Day pela Best Seller (2012)
>>> O Exame Final de Julio Cartázar pela Civilização Brasileira (1996)
>>> Suicídio Político / Eleanor & Abel / Vínculos de Sangue / Jornada... de Michael Palmer e Outros pela Readers Digest (2015)
>>> A Educação Física e Recreação para o Pré - Escolar de Nilce V Machado pela Do Autor (1985)
>>> Abz do Rock Brasileiro de Marcelo Dolabela pela Estrela do Sul (1987)
>>> Duzinha 3 Edição de Clotilde Chaparro Rocha pela Coleção Itiquira (2010)
>>> Às Portas da Noite de Dalva Agne Lynch pela Blocos (2003)
>>> Às Portas da Noite de Dalva Agne Lynch pela Blocos (2003)
>>> O Poder da Amizade de Tom Rath pela Sextante (2007)
>>> The Glam Decor de Formaplas pela Dnp (2010)
>>> Sentimeento do Mundo de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1996)
>>> Visão do Paraíso de Sergio Buarque de Holanda pela Publifolha
>>> The Razors Edge de W. Somerset Maugham pela Penguin Books (1963)
>>> O Corpo Tem Suas Razões de Thérèse Bertherat Carol Bernstein pela Martins Fontes (2001)
>>> O que é Racismo de Joel Rufino dos Santos pela Brasiliense (1980)
>>> Garotas da rua Beacon - Cidade Fantasma de Annie Bryant pela Fundamento (2011)
>>> World Class Combo Split 2A with CD-ROM de Nancy Douglas, James R. Morgan pela National Geographic (2012)
>>> Sol da Liberdade de íris Paula Rocha pela Boa Nova (2000)
COLUNAS

Quinta-feira, 14/5/2020
Alma indígena minha
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3000 Acessos

Caminhamos pelo chão que já foi o da noite anterior. Caminhamos, e ouvimos o ruído compassado de passos humanos, o frisson discreto de uma flor qualquer, o latejar longínquo de alguma máquina enclausurada. Pois assim somos: bichos atentos; e, por isso, gostamos tanto do silêncio e do escuro de floresta, de onde aprendemos a nos proteger e a acreditar.

Em um outro tempo, houvera chuvas fortes e demoradas; hoje, as ruas esvaziadas atestam a transição entre águas. Manchas acastanhoadas nas calçadas, como água em óleo preto, cujo diâmetro de limites imperfeitos desvanece. Há espelhos d’água tremulantes na passagem dos ventos trazendo mais nuvens, pequenas poças borbulhantes, nenúfares de folhas recortadas boiando nas lagoas artificiais.

Então cairá uma chuva sem peso nem ruído, apenas como uma bruma úmida na relva, nos animais e nas pedras. As coisas, incluso os desejos, atingirão o fundo da insignificância. Uma nova chuva aparecerá sem alarde, despregada do ar, já ciente de sua passagem, documentando as agonias, gotejando sua água delicada e vaporosa agora nas vidraças das moradias.

Mas olhemos bem, são setas finas. Acompanhemos esses traços em forma de flechas - são delgados, mas acutilados, direcionando-se com afinco a uma espécie de futuro de outras águas a serem vertidas no largo das memórias. A chuva são várias linhas retas que dançam e, em conjunto, apagam as exaltações e os barcos do mar. E pinta de branco-grafitado o encontro de terra e rios, resvalados, indecisos.

Como se ela sempre estivesse presente, mas apenas algumas vezes pudesse ser vista, como uma camada de transparência colada desde a fundação da Terra. É como se chovesse sem chover, como se estivesse numa pandemia sem ver os mortos. É como se se amasse sem se amar. Pior: é como se se amasse sem amor. Todos os homens são iguais perante a chuva.

Chuva em suspensão, que não molha, acalenta catástrofes, mantendo o mundo em um estado inconsciente de permanente alerta. Mas onde estão as chuvas fortes, onde estão as tempestades, onde estão os ventos, os raios e os trovões, as roupas e os cabelos encharcados, os cílios e os óculos molhados, a linha d’água subida a bordejar o limite do corpo? Por onde anda a terra da garoa?

Mais prudente entregar-se à segurança da monotonia, ao represamento das chuvas e dos sentimentos. E aquela tempestade, que se vê pela janela trovejando ou da qual se enfrenta os raios, de inundações, de cascatas saindo dos pneus dos carros estacionados nas ladeiras? Cortam-se os sentidos, os sonhadores são permanentemente dopados, do céu noturno recém-aberto não haverá estrelas. As placas das ruas gemem na formação dos redemoinhos. Receia, mas anseia uma chuva valente, alma indígena minha.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 14/5/2020


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2020
01. Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa - 20/8/2020
02. Alma indígena minha - 14/5/2020
03. Na translucidez à nossa frente - 10/12/2020
04. Vandalizar e destituir uma imagem de estátua - 1/10/2020
05. Alameda de água e lava - 29/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Coleção Os Pensadores: Piaget
Piaget
Abril Cultural
(1983)



A Laranja Mecânica
Anthony Burgess;nelson Dantas (trad)
Ediouro
(1994)



A Quinta Onda dos Serviços no Varejo
Marcos Gouvêa de Souza
Gs & Md
(2007)



O Capital Grandes Mestres do Pensamento Volume 6
Karl Marx
Formar
(1978)



Un Pequeño Inconveniente
Eugenia Flávian
Ática
(2006)



31 Loucuras para mulheres que querem assumir de vez sua loucura por Jesus
Paty Barreto
Do Autor
(2016)



Vicent Verdú El futbol mitos, ritos y simbolos
Vários Autores
El Libro de Bolsillo



Almanaque Disney Nº149
Walt Disney
Abril
(1983)



Amor de Primavera
Anna Summer
Nova Cultural
(2005)



Manual da Constituição de 1988
José Afonso da Silva
Malheiros
(2002)





busca | avançada
60317 visitas/dia
1,8 milhão/mês