Reinventando clássicos | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 14/5/2008
Reinventando clássicos
Luiz Rebinski Junior

+ de 2300 Acessos

Ao artista que se aventura no arenoso território das versões, há sempre duas opções: seguir a mesma fórmula da música original, com vocal e arranjos fidedignos, ou ousar, mudar o ritmo, acrescentar elementos sonoros inexistentes à matriz e buscar uma interpretação pessoal da canção. Com a primeira, bem mais segura, corre-se menos risco de cair no ridículo e entrar para a história como o intérprete que acabou com um clássico. Já a segunda opção, mais arriscada, requer do artista coragem, bom senso, muita personalidade e boa dose de talento. Dois ícones do underground americano, de gerações distintas, resolveram encarar o desafio de dar sobrevida a canções consagradas por grandes artistas. Cat Power, com seu recém-lançado Jukebox (2008), e a veterana Patti Smith, com Twelve (2007), retornaram à cena com trabalhos bastante parecidos.

Figura conhecida na cena independente americana, Cat Power, que também atende por Chan Marshall, seu nome verdadeiro, lançou um corajoso álbum de regravações, que mistura clássicos absolutos como "New York, New York" (Frank Sinatra), a canções menos conhecidas como "Ramblin' (Wo)man" (Hank Williams) e "Lost someone" (James Brown). Depois de um período sabático e de um bom álbum chamado Moon Pix (1998), Chan ressurgiu nos anos 2000 com You Are Free (2003), trabalho que destoava bastante do som introspectivo de seus álbuns anteriores. A partir daí, a artista deslanchou com The Greatest (2006), seu melhor trabalho autoral até agora. Com este Jukebox, Chan completa uma espécie de trilogia involuntária que a fez ressurgir do limbo e a trouxe novamente para os holofotes. Ainda que continue fiel às suas influências do começo de carreira (Dylan continua sendo a maior delas), é notório o amadurecimento da artista, que se reinventou ao partir para um som bem mais sofisticado e apurado, bem diferente das guitarras secas que costumavam dominar seus discos lançados nos anos 1990.

Jukebox representa o ápice desse processo de refinamento artístico que Chan vem sofrendo ao longo da última década. Esteada pela The Dirty Delta Blues, banda formada pelo guitarrista Judah Bauer (do Blues Explosion), pelo tecladista Gregg Foreman (do Delta 72), pelo baixista Erik Paparazzi (da Lizard Music) e pelo baterista Jim White (do Dirty Three), Chan concebeu um disco impecável, no qual ousa desconstruir músicas aparentemente intocáveis. É assim que a alegre "New York, New York" vira uma sóbria canção interpretada pausadamente e com muita tranqüilidade pela cantora. A pacata "Silver Stallion" é igualmente cantada de forma doce por Chan, que tem apenas um slide guitar como acompanhamento, o que dá à música uma aura country. O piano de bar e a guitarra contida dão ao disco um tom jazzístico, com uma pegada meio blues bastante interessante, sem o incremento de quase nenhum floreio.

O ídolo maior, Bob Dylan, é homenageado em duas faixas. Em "I believe in you", música de Slow Train Coming (1979), uma guitarra stoniana marca o ritmo, e em "Song to Bobby", Chan segue os passos de Dylan, quando em 1962, em seu disco de estréia, escreveu uma canção ao grande ídolo, Woody Guthrie. Em "Aretha, sing one for me", uma das mais belas canções do disco, Chan canta como uma verdadeira diva do blue-jazz, à altura da homenageada. A música é um belo exemplo de como Chan passou de uma indie triste a uma cantora de fôlego, capaz de interpretar grandes clássicos. O disco fecha com duas brilhantes interpretações para músicas de Janis Joplin ("Woman left lonely") e Joni Mitchell ("Blue").

Clássicos reinventados
Menos ousada que Chan Marshall na escolha do repertório, mas não menos competente em suas interpretações, a eterna punk nova-iorquina Patti Smith fez um disco repleto de clássicos do período de ouro do rock ― os anos 60 e 70. Experiente em recriar músicas de outros artistas, Patti se apropria de canções com tal naturalidade, que é difícil não acreditar que a música que canta não foi feita sob medida para ela. Foi assim em seu disco de estréia, Horses (1975), quando gravou "Gloria", do irlandês Van Morrison, e praticamente tomou para si a música, sendo ainda hoje um de seus hits obrigatórios em shows. "Because the night", seu maior sucesso radiofônico, foi igualmente surrupiada de Bruce Springsteen, que talvez pela impecável interpretação de Patti, nunca chegou a gravá-la.

E em Twelve Patti Smith mostra a mesma competência de outrora ao transformar trabalhos alheios em músicas assustadoramente pessoais. É assim com "Gimme Shelter", a música que marcou um dos momentos mais difíceis da carreira dos Rolling Stones, quando em 1969 um jovem negro foi assassinado em um show da banda pelos Hell's Angels. A canção já fazia parte do repertorio da cantora há alguns anos ― Patti a tocou em sua passagem pelo Brasil, no Tim Festival ―, antes mesmo da gravação de Twelve. E é realmente impressionante ver como a canção parece ter sido feita para Patti, ainda que a versão original dos Stones seja também muito boa. Os versos "guerra, crianças, está a um tiro de distância/ está a um tiro de distância", além de serem bastante propícios para nossa época, são cantados com muita propriedade pela mesma pessoa que há 30 anos acreditava que "as pessoas têm poder" ("People have the power"). O mesmo acontece com a pop "Everybody wants to rule the world", do Tears for Fears, docemente interpretada por Patti, que coloca sua história de militância a serviço dos inocentes versos "agir só pensando em si próprio / virar as costas para a natureza / todos querem comandar o mundo". Patti Smith ainda dá novas interpretações a clássicos absolutos da psicodelia sessentista, como "Are you experienced", do primeiro disco de Jimi Hendrix, e a viajandona "White Rabbit", do grupo de Grace Slick, o Jefferson Airplane.

Optando por instrumentos acústicos e semi-acústicos na maior parte do disco, Patti acerta na mosca ao escolher "Helpless", do quarteto Crosby, Stills, Nash, and Young. Acostumada a gritar palavras de ordem, aqui Patti se rende à doçura pedida pela balada originalmente gravada em Dejà Vu (1970). A figura imponente de Patti joga a favor. Sua voz indefectível, sua história como combatente política e poetisa do rock dão credibilidade às suas incursões aos versos alheios. É como se tomasse para si a autoria das músicas que canta, fazendo-o com plena autoridade e convicção. É com muita coragem que ela arrisca transformar a pesada e furiosa "Smells like teen spirit", música-símbolo de uma geração, em uma canção sóbria, esteada por um inesperado bandolim, que facilmente poderia estar em um dos bons álbuns do The Pogues. O álbum como um todo, com suas 12 canções, é prova de como Patti Smith continua sabendo criar um som verdadeiramente único, exatamente como há três décadas, quando combinou de forma edificante a gênese da poesia beat com o poderoso espírito punk.

Careqa espera por Tom Waits
Se interpretar canções alheias já é uma tarefa difícil e perigosa, a tradução de letras musicais é, com certeza, um trabalho ainda mais delicado. Há quem acredite que traduzir poesia é uma tarefa impossível, dada a dificuldade de se manter intactos o sentido e a forma dos versos originais. Em À espera de Tom, o cantor e compositor Carlos Careqa sai ileso da difícil tarefa de verter para o português os versos boêmios do cantor norte-americano Tom Waits, ainda que tenha arriscado modificar expressões e sentidos em algumas das letras do disco com o claro objetivo de aproximar o universo de Waits do público brasileiro.

Se Chan Marshall e Patti Smith tentaram transformar clássicos em música autoral, À espera de Tom tem claramente o objetivo de prestar tributo a Waits, sem tentar reinventar o som peculiar que garantiu ao norte-americano a aura cult que o acompanha desde os anos 70, seja na música, literatura ou cinema. E assim, mesmo com algumas alterações, como em "Jersy Girl", que virou "Garota de Guarulhos", e "Chocolate Jesus", alterada para "Guaraná Jesus" (uma homenagem ao refrigerante mais popular do Maranhão), Careqa acerta a mão ao não trair a atmosfera marginal das músicas de Waits, o que parece ser o mais importante aqui, muito mais do que seguir uma tradução literal dos versos do cantor. Ainda assim, em faixas como "Temptation" e "I don't wanna grow up" (uma das canções mais divertidas, e sérias, de Waits), Careqa prefere ser fiel à matriz. Mas é na manutenção da estética underground, que se baseia em histórias de vagabundos incorrigíveis, bêbados perturbados e marginais de coração dolorido, presente na música de Waits, que faz do disco de Careqa um interessante ponto de partida para quem não conhece Tom Waits a fundo, mas também para quem já é familiarizado com a peculiar sonoridade do norte-americano. Careqa foi fiel à orquestração habitual das músicas de Waits, com contrabaixo, piano, guitarra, acordeon e percussão pungente, o que deu ao álbum o clima de cabaré e clube noturno que povoa a discografia de Waits. A demência das letras, que abordam temas que vão da religião a dor de cotovelo, encontra eco na música que ora tende ao jazz, ora ao folk. Crédito para a banda, afinadíssima, que acompanha Careqa nesta empreitada. Em "Downtwon train" ("Num trem de metrô"), o solo de violão de aço de Mário Manga contrasta com o jeito canastrão, quase brega, que Careqa interpreta a letra sobre um loser que vaga pela noite. Já "Ruby's arms" ("Pro meu rubi"), gravada originalmente em Heartattack and Vine (1980), um dos mais potentes álbuns da primeira fase de Waits, é uma balada triste arrebatadora cantada com esmero por Careqa, que é acompanhado pelo piano de Gabriel Levy.

Ator, assim como o ídolo (Careqa atuou, entre outros, em Bicho de Sete Cabeças, de Lais Bodanzky), Carlos Careqa engrossa a voz, empunha o megafone e representa de forma convincente o papel de Waits durante as 14 canções do disco. Se traduzir é trair, como o próprio Careqa afirma no encarte do CD, em À espera de Tom o cantor o faz com estilo e elegância, exatamente como o personagem que Waits construiu e representa há várias décadas.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 14/5/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nos braços de Tião e de Helena de Renato Alessandro dos Santos
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait
03. Bates Motel, o fim do princípio de Luís Fernando Amâncio
04. A poesia afiada de Thais Guimarães de Jardel Dias Cavalcanti
05. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2008
01. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
02. Bukowski e as boas histórias - 15/10/2008
03. Despindo o Sargento Pimenta - 16/7/2008
04. O óbvio ululante da crônica esportiva - 27/8/2008
05. Dobradinha pernambucana - 23/1/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PROJETO RADIX - RAIZ DO CONHECIMENTO - ESPANHOL 8
FERNANDA E WILSON
SCIPIONE
(2013)
R$ 30,00



GO LIVE 5 EM PORTUGUÊS
WILLIAM PEREIRA ALVES
ÉRICA
(2001)
R$ 7,06



THE HOLY BIBLE - OLD AND NEW TESTAMENTS
NÃO MENCIONADO
LONDON BRITSH AND FOREIGN BIBL
R$ 60,00



SUA SAÚDE E O AMBIENTE QUE CONSTRUÍMOS - A SÍNDROME DO SAPO COZIDO
THOMAS SAUNDERS
CULTRIX
(2004)
R$ 12,00



EXIBICIONISMO
BRETT KAHR
RELUME DUMARÁ
(2005)
R$ 20,00
+ frete grátis



MOLDURAS DA FILOSOFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO
ABRAHÃO BENJAMIM
MARTINS
(1954)
R$ 17,91



MINHA RAZÃO DE VIVER - MEMÓRIAS DE UM REPORTER
SAMUEL WAINER
RECORD
(1987)
R$ 10,00



PEDAÇOS DO COTIDIANO
ZÍBIA GASPARETTO
ESPAÇO VIDA & CONSCIÊNCIA
R$ 10,00



MENINAS SUPER PODEROSAS: OS MONSTROS DE GIZ
E. S. MOONEY
NBL
(2002)
R$ 7,98



CONSTRUINDO POLÍTICA COM A JUVENTUDE (AUTOGRAFADO)
ANTONIA MÁRICA ARAÚJO GUERRA E OUTROS ORGS
PUC
(2011)
R$ 35,00





busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês