Minha primeira vez - parte II | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
91200 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Newsletters Must be Simple
>>> 10º Búzios Jazz & Blues III
>>> Suplemento Literário de Minas
>>> Johnny Alf no Supertônica
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Das construções todas do sentir
>>> Vontade de fazer arte
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
>>> Aliás (Estadão) debate Cultura
Mais Recentes
>>> Ensaios sobre planificação econômica / Política econômica: princípios e planejamento de Lange / Tinbergen pela Nova cultural (1988)
>>> Analise Financeira De Balancos (Exercicios) de Dante C. Matarazzo pela Atlas (1994)
>>> Físico-química I: Termodinâmica Química e Equilíbrio Químico de Luiz Pilla pela Ufrgs (2013)
>>> Contabilidade Introdutória - Atualizada de Acordo Com as Leis Nº11,638/07 e Nº11941/09 de Equipe De Professores (Fea Usp) pela Atlas (2010)
>>> Pré-cálculo de Claus Ivo Doering Liana, Beatriz Costi Nacul e Luisa Rodrigues Doering pela Ufrgs (2012)
>>> Rainha da paz uma historia pedagógica avançada de Vários Autores pela Colégio rainha da paz (2000)
>>> Contributi per la conoscenza della spiritualistá di san leonardo murialdo vol 2 de Aldo Marengo pela Libreria Editrice Murialdo (1995)
>>> Presença espirita Nº114 de (Presença espirita) pela Presença espirita (1983)
>>> Raja Yoga - Coleção Yogi de Yogi Rmacharaka pela Pensamento (1962)
>>> Alegria: A força Maior de Clément Rosset pela Dumará (2000)
>>> Teoria King Kong de Virginia Despentes pela N-1 edições (2016)
>>> Anjos e preces 0004 - Especial os anjos e a felicidade de Vários Autores pela Escala (2007)
>>> Os signos e o amor - Sagitário de Raquel de Luccas pela Três (1987)
>>> Guattari- Confrontações de Kuniichi Uno, Laymert Garcia dos Santos pela N-1 Edições (2016)
>>> Novo testamento de Vários Autores pela Os gideões internacionais (1981)
>>> Novena de nossa senhora de Arquidiocese de São Paulo Região Episcopal Lapa pela Arquidiocese de São Paulo Região Episcopal Lapa (2000)
>>> 365 dias de gratidão: Mensagens inspiradoras para viver o agora de Academia pela Academia (2021)
>>> Novo testamento 1 - Os santos evangelhos e os actos dos apóstolos de Fr. Damião Klein O. F. M. pela Typ. S. Francisco (1929)
>>> 365 Peces de Koneman pela Koneman (2021)
>>> Bircát Hamazôn Sefaradi de Jessica e Zaki Kattan pela Jessica e Zaki Kattan (2014)
>>> 501 Desastres Mais Devastadores De Todos Os Tempos de La Fonte pela La Fonte (2021)
>>> 501 Eventos Que Merecem Ser Conhecidos de La Fonte pela La Fonte (2021)
>>> Symposium cuskelly: In memoriam Eugene James de Misioneros del Sagrado Corazón pela Actas (2002)
>>> Nietzsche e a Verdade de Roberto Machado pela Graal (1999)
>>> O Meu Caminho de Eni Devidé pela Instituto Phocus (2014)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2006

Sexta-feira, 5/1/2007
Minha primeira vez - parte II
Rafael Rodrigues

+ de 5600 Acessos

Agora, vamos aos livros.

(Mas antes, feliz ano novo, ein? Juízo, muito juízo a todos. E saúde, claro.)

O que mais me deixou indeciso na hora de selecionar os melhores livros que li durante o ano que passou foi o seguinte: alguns dos melhores livros publicados em 2006 eu ainda não li. E só os lerei neste ano de 2007.

A escolha de quais livros citar, no meio de todos os que li - e que nem foram tantos assim - não foi tão dolorosa. Li muitos livros bons em 2006, é verdade, mas alguns deles são fora de série. E são estes últimos que serão citados aqui.

Seguirei a ordem cronológica de leitura, que culmina na ordem mais ou menos cronológica de publicação. Alguns livros citados foram publicados no fim de 2005. A presença deles no texto se faz obrigatória pela qualidade das obras.

Ao contrário de algumas pessoas, penso que 2006 foi um ano muito bom para a Literatura. Muitos autores desconhecidos e bons (tanto nacionais quanto estrangeiros, novos ou não) sendo publicados, pequenas editoras fazendo bons trabalhos e sendo reconhecidas por isso, novos prêmios literários surgindo, enfim, creio que foi um ano positivo. Mas agora vamos mesmo aos livros, que é o que interessa.

Iniciei o ano muito bem, lendo Sonhos de Bunker Hill, de John Fante. O romance tem como protagonista Arturo Bandini, personagem principal de mais três livros do escritor americano. Último livro escrito por um Fante cego e com as duas pernas amputadas, em 1982, Sonhos de Bunker Hill foi ditado para sua esposa, e foi um dos livros que mais gostei de ler em 2006. O fim dele é memorável.

Um longo lamento, da escritora americana Amanda Stern, foi publicado pela Rocco dentro do selo Safra XXI, que se destina a lançar autores jovens e inéditos, nacionais ou estrangeiros. Também um romance, o livro conta a história de uma garota e de um rapaz chamado apenas de "o Alcoólico" que se conhecem na faculdade, começam a namorar e viajam pelos Estados Unidos rumo a Nova Iorque. A história de ambos é recheada de álcool e outras drogas mais. Um verdadeiro retrato de uma juventude sem rumo, perdida em ilusões e em vertigens provocadas por alucinógenos. Escapismos que não levam a lugar nenhum. Aliás, levam: a uma vida deprimente. De tanto que gostei do livro, entrei em contato com a autora. Trocamos alguns e-mails e ela me confessou que há muito de realidade em seu livro. Há muito dela ali, pois realmente se envolvera com um alcoólico e passou por algumas das situações narradas no livro. Uma frase dela, em um dos e-mails, me fez compreender o porquê de eu tanto ter gostado do romance. Apesar da relação turbulenta com o alcoólico e de tudo o que ela passou com ele, ela diz "And I did love him". Uma das mais belas histórias de amor que já li.

Alguns meses depois, li A coleira no pescoço, de contos, do escritor gaúcho Menalton Braff, que agora vive no interior de São Paulo. Detentor do prêmio Jabuti de Livro do Ano de 2000 com À sombra do cipreste, também de contos, Menalton Braff é um escritor que merece ser mais conhecido e mais lido. Reconhecido ele já é, pois outros grandes autores o admiram, como é o caso do contista e poeta Mayrant Gallo, um dos mestres do conto da atualidade - que também merece ser mais conhecido e mais lido -, que cita Menalton Braff como um dos cinco melhores contistas em atividade no Brasil. Eu nada mais tenho a fazer, a não ser concordar com o Mayrant.

Outro gaúcho veio logo em seguida. Foi Daniel Galera, com seu belo romance Mãos de cavalo. O livro foi elogiadíssimo tanto pela crítica quanto pelo público, gerando uma quase-unanimidade. Não me lembro de ter lido uma crítica desfavorável a Mãos de cavalo. Depois de ler o livro enviei um e-mail para o Daniel, dizendo que o romance me deixara com um nó na garganta. Quero muito relê-lo em breve. Talvez seja um exagero meu, mas Mãos de cavalo, para mim, é um marco na carreira de Daniel Galera. Não pelo fato de ele "deixar de ser um novo autor para se consolidar como escritor e blablablá" ou por ser seu primeiro livro publicado por uma grande editora, mas pelo fato de ser um livro de alta qualidade literária e de ser uma obra emocionante, no sentido mais puro da palavra. Não sei se vocês vão me entender. Melhor mesmo é ler o livro.

Eis um livro que namorei por muito tempo. Eu o vi no supermercado e gostei muito da capa. Depois, li críticas favoráveis a ele. Isso foi em 2005. Em 2006 soube que o livro dera origem (quase escrevo "havia dado", que pecado) a um filme. Assisti ao filme, gostei demais e, pouco depois, consegui o livro. Me refiro a Tudo se ilumina, do americano Jonathan Safran Foer. O romance consegue ser sensível e cruel ao mesmo tempo, ao relatar a viagem de um jovem americano à Ucrânia, em busca da desconhecida história do avô. Dessa viagem nasce uma grande amizade entre ele e seu guia no país desconhecido e devastado pelos nazistas. Ambos descobrem também o lado mais cruel da guerra e terminam por descobrirem também mais sobre si mesmos. É um livro sensacional, com muitos experimentalismos - mesmo que isso não seja nada original, pois quem mais inovou a estrutura do romance, foi John dos Passos, mais de meio século antes de Safran Foer - e com muito bom humor, também.

Depois de Tudo se ilumina li A história do amor, da senhora Safran Foer, Nicole Krauss. Escrevi uma resenha sobre o romance e o texto é a minha coluna mais acessada aqui no DC. Tenho certeza de que isso se dá pelo fato de muita gente buscar no Google a história do sentimento "amor". Espero que o acaso tenha levado algumas pessoas a ler a resenha inteira e a comprar o livro depois, que é muito bom. Eis um trecho do texto: "A história do amor é narrado por diferentes personagens que têm seus caminhos ligados, direta ou indiretamente, por um livro chamado justamente A história do amor". Apesar do número de narradores - são três - o romance não é complicado de ser lido. É um livro que recomendo a qualquer um. Só não empresto o meu a ninguém, só à minha bem-amada, que inclusive está com ele agora.

Alguns livros depois chega a vez de ler Pergunte ao pó, considerada como a obra-prima de John Fante, já citado algumas linhas acima. A vontade de ler o Dust - que foi como carinhosamente um amigo e eu apelidamos o romance que tem o título de Ask the dust, em inglês - era antiga. Mas põe antiga nisso. Desde 2003, se não me engano, que eu queria ler Pergunte ao pó. Mas ainda bem que só agora o consegui ler, pois tenho quase certeza de que o jovem que eu era - e continuo sendo, é bom que se diga - há três anos não entenderia o sentido real da obra. Ler Pergunte ao pó e não se emocionar é algo que não consideraria como normal. Ri e chorei com Bandini, comemorei como se fosse uma final de copa do mundo o fato de o romance dele ter sido publicado. Chorei também com o prefácio de Charles Bukowski, que acompanha as edições do livro posteriores a 1980. Pergunte ao pó é um livro incrível, mais um que devo reler em breve.

E então, Steinbeck. Conheci o autor de Ratos e homens ainda em 2002, quando li o citado romance. Um lindo livro. Mas mais bonito que ele só mesmo O inverno da nossa desesperança, publicado aqui no Brasil em 2006. O título já é muito bonito, o romance, então, é perturbador, de tão bom. Ele conta a história de Ethan Hawley, homem casado e pai de dois filhos, que vive na pequena e fictícia cidade de New Bayton. Ethan é balconista da mercearia que era do seu falecido pai. Foi obrigado a vender o negócio da família para pagar as dívidas que herdara e sustentar sua família. Ethan Hawley é um homem comum, como eu e você, que tem os conflitos existenciais que todos nós temos. E isso é o mais admirável em O inverno da nossa desesperança. O romance conta a história de um homem comum que tenta sobreviver em um país devastado pela crise econômica. No ano seguinte à publicação desse livro, John Steinbeck foi premiado com o Prêmio Nobel de Literatura. A comissão que o premiou declarou que Steinbeck havia "reconquistado sua posição como um arauto da verdade". E só há verdades em O inverno da nossa desesperança, uma obra-prima. Isso é indiscutível.

Parece que 2006 foi o ano das "descobertas", para mim, digamos assim. Depois de conhecer Menalton Braff, tive o prazer de pela primeira vez ler outros dois autores já consagrados: Flávio Moreira da Costa e Charles Kiefer. Do primeiro li Malvadeza Durão e outros contos, que é composto por três livros. Nas palavras do próprio autor: "Um livro inédito, A humanidade está em obras e dois 'novos', Malvadeza Durão e Os espectadores, que incluem meu segundo e primeiro livros de contos, respectivamente, dos quais aqui vai uma seleção e não o total das histórias ou narrativas. Por 'novos', portanto, cautelosamente colocado entre aspas, leiam-se esses dois últimos livros citados, renovados e reescritos. São novos velhos contos". A editora Agir tem reeditado alguns livros de Flávio Moreira da Costa, uma iniciativa louvável. Pois um dos mais requisitados antologistas brasileiros (talvez o mais requisitado) merece ser mais conhecido por sua admirável obra de ficção. De Charles Kiefer li Valsa para Bruno Stein, um livraço, que será devidamente resenhado aqui no Digestivo. E a editora Record está reeditando algumas obras de Kiefer, em outra iniciativa merecedora de elogios. Pouco conhecido no resto do Brasil, o escritor gaúcho é outro que merece maior reconhecimento.

Outra boa surpresa nacional foi Eu, Deus, de Sidney Garambone. Um romance despretensioso, divertido e perturbador, sério e esculachado - no bom sentido -, que faz o leitor refletir e rir. Mais um no grupo dos melhores livros que mais gostei de ler em 2006.

Mas bons mesmos são os livros que NÃO li em 2006, e que lerei em 2007. Vou citar só alguns títulos: Trópico de câncer (Henry Miller), Eremita em Paris (Italo Calvino), A biblioteca à noite (Alberto Manguel), Neve (Orhan Pamuk), Amor, pobreza e guerra (Christopher Hitchens), Extremamente alto & incrivelmente perto (Jonathan Safran Foer), Memória do fogo (Ronaldo Monte), Leda (Roberto Pompeu de Toledo), Ferdydurke (Witold Gombrowicz), Os desencantados (Budd Schulberg), O animal agonizante e Adeus, Columbus (Philip Roth), A solidão do diabo (Paulo Bentancur), Grandes símios (Will Self), Onde os velhos não têm vez (Cormac McCarthy) e dezenas de outros livros que, se eu fosse listar, só se escrevesse uma outra coluna. Todos os livros citados neste parágrafo foram folheados e tiveram algumas páginas lidas, senão eu não poderia dizer que são bons. É bem provável que todos eles sejam resenhados aqui durante este ano. Ao menos torço por isso.

Para ir além
"Minha primeira vez - parte I"


Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 5/1/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
02. Os novos filmes de Iñárritu de Guilherme Carvalhal
03. Questões de Honra de Guilherme Pontes Coelho


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2007
01. O óbvio ululante, de Nelson Rodrigues - 2/11/2007
02. O nome da morte - 16/2/2007
03. História dos Estados Unidos - 29/6/2007
04. Os dois lados da cerca - 7/12/2007
05. O homem que não gostava de beijos - 9/3/2007


Mais Especial Melhores de 2006
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Quadros de Pablo
Sylvie Girardet
Companhia das Letrinhas
(1996)



A Democracia na América. Sentimentos e Opiniões - Livro 2
Alexis de Tocqueville
Martins Fontes - Selo Martins
(2014)



Os Solteiros
Meredith Goldstein
Novo Conceito
(2014)



Uma Janela Em Copacabana - 1ª Edição
Luiz Alfredo Garcia-roza
Companhia das Letras
(2001)



O Elixir da Longa Vida
Irving Wallace
Círculo do Livro
(1979)



Teoria e Pesquisa em Sociologia
Donald Pierson
Melhoramentos
(1968)



A Alternativa do Diabo
Frederick Forsyth
Altaya
(1997)



Euzébia Zanza
Camila Fillinger / Suppa
Girafinha
(2006)



Gestão das emoções no ambiente corporativo
Silvia Queiroz
Literare Books International
(2020)



Cânticos à Mãe do Salvador
Walter Weiszflog
Melhoramentos
(2009)





busca | avançada
91200 visitas/dia
2,4 milhões/mês