Digestivo nº 289 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
62879 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Um Recital para Ariano - com Antônio Nóbrega
>>> Coletiva de Arte Naïf | Galeria Jacques Ardies
>>> Cia O Grito evoca os fantasmas do teatro em nova peça
>>> Meu Reino por um Cavalo faz temporada online a partir de 2 de dezembro
>>> Rosas Periféricas apresenta espetáculos sobre memórias e histórias do Parque São Rafael
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Minha história com Philip Roth
>>> O momento do cinema latino-americano
>>> Jovens blogueiros, envelheçam
>>> Escritor e Fisiculturista
>>> Aforismos com juízo
>>> Encontros (e desencontros) com Daniel Piza
>>> Quando uma moto se apaixona
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> A Serbian Film: Indefensável?
>>> Uma década no rastro de Paulo Francis
Mais Recentes
>>> Manual Prático de Preservação Fotográfica de João Sócrates de Oliveira pela Sicct (1980)
>>> Curso de Direito Falimentar e Recuperação de Empresas (lacrado) de Ecio Perin Junior pela Saraiva (2012)
>>> A Queda de Albert Camus pela Record (2006)
>>> Psicoterapia na Esquizofrenia de Sergio José Fernandes de Carvalho pela Faculdade de Medicina Sp (1981)
>>> De Vaqueiro a Desembargador de Emerson Santos Parente pela Renovar (1991)
>>> Dcgn - Invasão (lacrado) de Eaglemoss pela Melhoramentos (2020)
>>> Ciência e Fé de Galileu Galilei pela Nova Stela (1988)
>>> Um Planeta Em Seu Giro Veloz (lacrado) de Madeleine Lengle pela Rocco (2014)
>>> La Technique et La Science Comme Ideologie. de Jegen Habermas pela Denoel (1968)
>>> O Papel da Jurisprudência no Stj (lacrado) de Isabel Gallotti pela Revista dos Tribunais (2014)
>>> Os Libertinos de Sade de Clara Castro pela Iluminuras (2015)
>>> Métodos Em Farmacologia - Atualidades e Desafios (lacrado) de Alice Cristina Rodrigues, Paola Cristina Branco pela Payá (2019)
>>> Redes Sensuais (novo) de Leonardo Midas pela Geração Editorial (2013)
>>> Dialogo Sobre los Sistemas Maximos de Galileo Galilei pela Aguilar (1975)
>>> Kinship to Kingship: Gender Hierarchy and State Formation in the Tonga de Christine Ward Gailey pela University of Texas Press (1987)
>>> Coleção de Miniaturas Marvel - Jaqueta Amarela (lacrado) de Eaglemoss pela Eaglemoss (2016)
>>> Comunicação, Representação e Práticas Sociais de Miguel Pereira e Outros pela Ideias e Letras (2004)
>>> Novos Andarilhos do Bem: Caminhos do Acompanhamento Terapêutico de Luciana Chaui-berlinck pela Autentica (2012)
>>> Sennett & a Educação de Roberto Rafael Dias da Silva pela Autentica (2015)
>>> Contabilidade Gerencial e Societária - Origens e Desenvolvimento de Alvaro Ricardino pela Saraiva (2012)
>>> A Lenda do Guerreiro do Sol (lacrado) de Fabiano Franco pela Juruá (2014)
>>> A Inércia Polar de Paul Virilio pela Dom Quixote (1993)
>>> Garganta Vermelha de Jo Nesbo pela Record (2009)
>>> Livro de Sortes do Cupido Amoroso de Fábio Sombra pela Bertrand Brasil (2012)
>>> Arquivos Marvel - Máquina de Combate (lacrado) de Eaglemoss pela Eaglemoss (2017)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 28/7/2006
Digestivo nº 289
Julio Daio Borges

+ de 4900 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Internet >>> Empower your fans to speak up
Seth Godin é hoje, sem dúvida, um dos mentores intelectuais da internet. Pelo menos, em matéria de negócios. Além de, claro, grande marqueteiro (sempre no bom sentido). Godin não perde um segundo observando a Web e foi, em termos de marketing, um dos autores mais hábeis em registrar os movimentos da Grande Rede, nestes pouco mais de dez anos de internet comercial. Desde o permission marketing até o ideavirus, passando pela purple cow – é tudo coisa dele. Desde um white paper sobre marketing em blogs até o principal livro em questão de blogs corporativos, todo mundo cita ele. E acompanha, lógico, seu blog. É a referência. E aposto com você que não deve estar no mainstream todo dia... Apesar de estar na bíblia do marketing pós-WWW, a revista Fast Company. Com as mudanças instauradas pela Web 2.0, Seth Godin anda mais frenético do que nunca – publicando em intervalos de tempo cada vez menores, e em todos os formatos. O mercado editorial brasileiro, supreendentemente, está atento a ele e é possível encontrar o poderoso Todo o Marqueteiro é Mentiroso (pré-Duda Mendonça) e sua última coletânea, aqui pela Manole, A grande mudança (ou, em inglês, evocando a “vaca roxa”: The Big Moo). Nem deu tempo ainda, mas ele já desembarcou virtualmente com Flipping the Funnel (2006, em PDF), em que explica como transformar seus clientes (os seus, leitor) em divulgadores espontâneos, “viróticos”, boca a boca. Narra ainda sua aventura à frente da Squidoo (porque ele não é apenas um teórico – ou um bravateiro de imprensa –, é um empreendedor). Quem está muito preocupado com o novo presidente do Fed americano, deveria se preocupar mais com Seth Godin. O primeiro passa; o segundo, não. [Comente esta Nota]
>>> Flipping the Funnel - Seth Godin
 



Literatura >>> O professor de desejo
Philip Roth às vezes parece um artista correndo contra o tempo. Contra a morte. Existe algum mal nisso? Não, mas o pudor social em relação à velhice (a "terceira idade") e a incorreção política do humor negro impedem qualquer pessoa de proclamar esse fato. Roth, mais ou menos como Woody Allen, resolve soltar "alguma coisa" todo ano, para encerrar, junto com a vida, o possível estoque de obras-primas. Mas, raramente, alguém comete uma obra-prima na velhice. Ou comete? Roth já admitiu que não tem medo da morte, mas tem pavor de não conseguir escrever mais. Esses temas todos, do fim da vida, mais do fim da vida sexual, das emoções do amor etc., permeiam O animal agonizante, seu mais recente título lançado no Brasil. Conforme escrevemos aqui, não é uma obra "com projeto" — mas com alguma pressa de ser concluída. Pode não haver tempo... Será a última? Não será? Como saber? Enquanto isso, Philip Roth continua escrevendo — e nós, claro, lendo. Como escritores só são reconhecidos depois de mortos, ou à beira da morte, já estão falando que ele é um dos "maiores" (vivos). Ainda mais depois que morreu Saul Bellow. O animal agonizante, vale repetir, não é o melhor de Roth, mas continua indispensável. Até porque é um livro de cento e vinte e poucas páginas. Sem desculpa para não ler, portanto. Repete um pouco a fórmula do velho sedutor, professor, que abomina o casamento, louva a sua liberdade, mas que, mesmo se preservando da decadência a dois, encara a decadência física de frente — num episódio completamente inesperado. Fora isso, valem as meditações sobre os anos 60, a liberdade sexual e o feminismo — nunca contaminadas pelo blablablá sociológico, mas sob a ótica de quem viveu a época e, no fim da vida (sexual também), faz um balanço de prós e contras. Um balanço parcial, mas que vale a pena ler. Roth: enquanto você estiver aí, estamos aqui; depois, não sei. [Comente esta Nota]
>>> O animal agonizante - Philip Roth - Companhia das Letras - 128 págs.
 



Música >>> Rua dos varredores
Marcos Sacramento é um artista de palco. “Artista de palco” parece redundância, mas não é, não. Desde que inventaram a gravação, existem “artistas de estúdio” (e só de estúdio) – que fazem, também, uma apresentação ou outra, mas mais porque precisam do que por qualquer outra coisa (ainda mais agora, que a cópia não vende nada, mas a performance continua valendo para o público pagante). Assim, Fossa nova, o último disco de Marcos Sacramento, acompanhado do piano de Carlos Fuchs, não parece que chamou a atenção logo de início – em estúdio –, mas parece que precisou do empurrãozinho da estréia ao vivo, no Mistura Fina do Rio – no palco, portanto. Em seu primeiro disco – a estréia pela Biscoito Fino –, Sacramento já havia provado que era denso – mesmo cantando sambas. Era profundo, quero dizer, mesmo quando alegre; “pra cima”. Agora, imagine quando o tema é assumidamente “fossa” (mesmo que “nova”). Fossa nova, nesse aspecto, não é um disco fácil de atravessar – e talvez seja por isso a tal demora na sua aceitação. Marcos Sacramento possui aquilo que um músico de jazz apontou em Elis Regina (que considerava a maior cantora do século): seu canto carrega uma carga de dramaticidade que não deixa o ouvinte impune. Sabe-se que Elis, por exemplo, se debulhou em lágrimas quando registrou “Atrás da porta” – porque estava efetivamente vivendo aquilo e sofreu, de fato, quando cantou. Sacramento transmite a mesma sensação; e Fossa nova produz uma inquietação semelhante. É simbólico que o CD tenha saído pela Olho do Tempo, uma gravadora de músicos, para músicos, por músicos. Impossível arriscar um salto mortal no grande mercado do jeito que está. Ou, pelo contrário: somos mais verdadeiros quando nos aproximamos da dúvida; ou quando nem ligamos mais... Em resumo: se você se cansou da indústria, mas também dos “alternativos” – que não são alternativa a coisa nenhuma, pois querem todos ser mainstream –, seu intérprete é Marcos Sacramento. De novo: o maior do momento. [Comente esta Nota]
>>> Fossa nova - Carlos Fuchs e Marcos Sacramento - Olho do Tempo
 



Imprensa >>> A última fronteira
O business deveria interessar a todo mundo? Deveria, mas não interessa. Por quê? Porque o jornalismo de business nem sempre é interessante. (Assim como o jornalismo cultural nem sempre é interessante.) Em termos de jornais, o Valor Econômico conseguiu tornar mais interessante a coisa. E agora, em termos de revistas – fora a GV-executivo –, a ESPM parece estar fazendo um bom trabalho. O grande desafio dessas publicações ligadas a instituições de ensino é manter o rigor científico, mas comunicar-se com um público amplo, sem cair no ranço acadêmico. O que estão aprontando nossos cientistas? Todo mundo quer saber, mas a divulgação não é fácil, nem auto-suficiente. A revista da Fapesp, também nesse sentido, faz um bom trabalho. A ESPM, no último trimestre, levou o prêmio da Anatec (Associação Brasileira de Publicações) para revistas “customizadas” ou, como antes se dizia, “dirigidas”. Tem razão de ser: tirando o cuidado gráfico (da apresentação), que é impecável, a Revista da ESPM é inteligente na abordagem de temas e pode ser lida por qualquer pessoa (mesmo que não seja do “meio”, mesmo que não seja do business). A penúltima edição, por exemplo, traz uma longa e apropriada entrevista com o fundador do Habib’s, contando toda a história da bem-sucedida rede. O resto da edição procura esgotar o tema “varejo” (que a GV-executivo já abordou), mas nada parece tão interessante quanto o fast-food de comida árabe que explodiu, em todo Brasil, vendendo ainda pizza e doces portugueses. São histórias interessantes, não são? Cadê, nessa hora, nosso jornalismo de business? A ESPM está prestando atenção. [Comente esta Nota]
>>> Revista da ESPM
 



Além do Mais >>> Poco più animato
Não faz muito tempo: já havíamos visto Marie Luise Neunecker se apresentando no Brasil. Foi à frente da Bamberger Symphoniker, em plena Sala São Paulo, executando o Concerto nº 2 para trompa, de Strauss, pela Temporada 2003 do Mozarteum Brasileiro. Foi uma solista que entrou, fez rigorosamente sua participação e saiu. Não pudemos observá-la de perto, nem, muito menos, senti-la em seus movimentos e sua respiração. Felizmente ela voltou agora, pela Temporada 2006 dos Concertos BankBoston, e pudemos estudá-la mais detalhadamente. Marie Luise continua aquela concertista alemã rija, desta vez acompanhada pela igualmente firme pianista Silke Avenhaus e pela violinista Antje Weithaas. Com seu instrumento reluzente, executou o moderno Koechlin, aluno de Fauré, um ótimo Schumann e um, inesperadamente “jazzístico”, Ravel (com um movimento de “blues” no meio). Esteve impressionante, porém, depois do intervalo, executando o Lamento d’Orfeo para trompa e piano, de Kirchner. (Orfeu e Eurídice estão em alta, em 2006, nas salas de concertos: pelos Concertos BankBoston, Daniel Taylor abriu a série até relatando a história do mito; e, pelo Mozarteum, a ária da respectiva ópera de Glück mereceu apoio da Orquestra Filarmônica de Câmara de Freiburg.) E Marie Luise Neunecker fechou belamente com Brahms – que não foi exatamente um revolucionário em vida, mas que é um mestre das formas bem trabalhadas (que não hesitava em jogar fora o que estivesse aquém de seu conceito) – e que deixa, ao fim de um concerto, sempre uma boa impressão. Marie Luise, fora o fato de ser a precisão em pessoa, esteve mais solta em 2006. Que volte outras vezes, para soltar-se ainda mais. [Comente esta Nota]
>>> Concertos BankBoston
 
>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA



>>> Palestras
* Yoga Integrado - Márcia de Luca
(Seg., 31/07, 19h00, VL)
* Quer vender mais? - Eduardo Figueira
(Qui., 03/08, 19h00, VL)
* Liderança Corporativa - Heródoto Barbeiro
(Sáb., 05/08, 15h00, VL)

>>> Autógrafos
* Computabilidade
Richard L. Epstein e Walter Carnielli
(Qui., 03/08, 18h30, CN)

>>> Exposições
* Exposição de Maria Isabel Pagliuca Pinotti
De 01 a 20 de agosto de 2006
(Das 9 às 22 horas, CN)

>>> Shows
* Noite de blues - Traditional Jazz Band
(Sex., 04/08, 20h00, VL)
* Flashback unplugged - Cármina
(Qui., 03/08, 19h00, MP)
* Sete fontes - Eduardo Letti
(Dom., 06/08, 18h00, VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** Livraria Cultura Market Place Shopping Center (MP): Av. Chucri Zaidan, nº 902
**** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/7/2006
07h30min
Primeiramente parabéns a Julio Daio Borges, por manter essa percepção aguçada e estabelecer, entre ele e o leitor, um caminho da boa informação.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Acalanto
Sergito de Souza Cavalcanti
Itapuã
(2004)



Curso de Eletrotécnica 4 - Segundo Volume -
Chester L. Dawes
Globo
(1976)



Cura das Emoções Em Cristo
Pe. Alberto Luiz Gambarini
Loyola



Como Cultivar Orquídeas - Nº 10
Casa Dois
Casa Dois



Biologia Em Contexto - Vol. 2
José Mariano Amabis / Gilberto Rodrigues Martho
Moderna
(2015)



O Rio da consciência
Oliver Sacks
Companhia das Letras
(2017)



Vida na Floresta
Monica Jakievicius
Dcl
(2001)



Réquiem para Cézanne
Bertrand Puard
Bertrand Brasil
(2009)



Relações de Força - História, retórica, prova.
Carlo Ginzburg
Cia.das Letras
(2000)
+ frete grátis



A Reconquista da Terra: Estatuto da Terra Lutas no Campo
Carlos Minc
Zahar
(1986)





busca | avançada
62879 visitas/dia
1,9 milhão/mês