Fatal: o livro e o filme | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2008

Quinta-feira, 27/11/2008
Fatal: o livro e o filme
Marcelo Spalding
+ de 9000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Começam as listas e especiais de final de ano, e desde já digo que o filme Fatal precisa estar nessas listas. E pelo nada que entendo do Oscar, estará entre os indicados em 2009.

Fatal consegue ser um bom filme mesmo para quem leu O animal agonizante, antológica novela de Philip Roth em que foi baseado. Publicada em 2001, a obra conta a história de um professor universitário com mais de sessenta anos que costuma sair com suas alunas até apaixonar-se irremediavelmente por uma delas. E é a partir desse mote aparentemente banal que Roth constrói uma ficção de extrema qualidade técnica e densidade psicológica, nos levando a refletir não apenas sobre a idade, mas sobre morte e vida, e não apenas sobre o corpo, mas sobre amor e sexo. E sobre as relações entre corpo, sexo, vida e morte.

"Por mais que você saiba, por mais que você pense, por mais que você planeje, projete e conspire, você não é superior ao sexo. O sexo é um jogo muito arriscado. Um homem não teria dois terços dos problemas que tem se não se metesse em aventuras para conseguir foder. É o sexo que perturba nossas vidas naturalmente ordenadas."

Kepesh, o professor, é também o narrador da novela, e este dado é fundamental: primeiro porque permite que a novela seja repletas de idas e vindas no tempo, intrusões do narrador com definições sobre mulheres, sobre os EUA ou sobre sexo, imprecisões e exageros próprios da subjetividade. Depois porque este narrador em primeira pessoa nos faz lembrar que a história é uma versão do professor, é a sua história, e Consuela é a sua musa, e a beleza de Consuela é a que ele nos narra. Uma beleza, aliás, como das poucas que li:

"A tez é clara, a boca é curva, embora os lábios sejam cheios, e a testa é arredondada, uma testa polida, lisa, com uma elegância de Brancusi. (...) O cabelo é negro, bem negro, lustroso, um pouco grosso. E ela é grande. Um mulherão grande. A blusa de seda está desabotoada até o terceiro botão, de modo que dá para ver que ela tem seios poderosos, lindos. Imediatamente você vê a fenda entre eles. E você vê que ela sabe."

Mas a beleza não está apenas nas palavras de quem conta, pode estar também nos olhos de quem vê. E Isabel Coixet, a diretora do filme, conseguiu captar em suas lentes não apenas a beleza de Consuela e a angústia cínica, egoísta e apaixonada de Kepesh como também a complexidade das relações humanas, tão bem sintetizadas no livro.

Claro que o filme, para ser fiel à essência da novela, não é igual à novela. Primeiro, não pode ser narrado em primeira pessoa, embora com bastante freqüência o espectador ouça os pensamentos e veja em close a expressão do professor. Depois, Consuela não pode ser apenas uma imagem construída pelo leitor em sua imaginação, no filme seria preciso dar a ela olhos, voz, seios. E a escolha recaiu sobre a bela Penélope Cruz. Não tão bela como a Consuela que imaginei na leitura, diga-se de passagem. Nem tão bela nem tão cubana nem tão altiva. Mas Penélope, com uma atuação segura, convence no papel de musa e nas cenas finais mostra por que deixou de ser um rostinho bonito em Hollywood, sem perder a beleza e a graça do rosto e dos olhos.

A maior diferença entre o filme e o livro, porém, é o enfoque. Se perguntarem do que se trata o livro para alguém que o tenha lido recentemente, é possível que ele responda: sobre a libertinagem norte-americana e suas conseqüências, sobre a agonia do homem diante da sedução da mulher, sobre o egoísmo da sociedade contemporânea, sobre a importância de romper preconceitos e gozar cada momento da vida, sobre a nossa submissão ao sexo. E todas essas respostas serão pertinentes, mas irão variar muito de acordo com as preocupações e prioridades do leitor. Agora, se fizerem pergunta para alguém que tenha acabado de assistir ao filme, essa pessoa necessariamente dirá que a adaptação fala sobre a velhice. Poderá acrescentar à velhice outros temas, mas a questão da idade, da proximidade da morte é muito importante, tanto que o filme cria um final para o livro (ainda que a frase final da versão cinematográfica seja enigmática e suficientemente aberta para causar no espectador efeito semelhante àquele sentido pelo leitor).

Quase, quase contei o final do filme, mas não o fiz. Não o fiz porque o desfecho do filme, assim como do livro, é o que torna a história tão interessante, um final absolutamente verossímil, suficiente e necessário. Lembra um pouco, nesse sentido, As horas e Crash (dois oscarizados, aliás). E se não posso ir adiante no debate sobre o filme sob pena de revelar o final, volto ao título para encerrar estes comentários e não dizer que não fiz alguma crítica. Péssimo título, o da versão em português. Fatal poderia ser título de um filme de suspense, de um filme pornô, de um filme policial, não de um filme cujo livro se chama O animal agonizante. Se é para mudar o título do livro, que fosse um título melhor. Mas é claro que a culpa, aí, não é da diretora: em inglês o filme se chama Elegy. Elegia, dicionarizado pelo Michaelis como "poema pequeno, consagrado ao luto ou à tristeza".

O filme é, de fato, uma elegia. Assim como o livro. Assim como a vida.


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 27/11/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol
02. A aura da música de Luiz Rebinski Junior
03. Meu Marido, de Livia Garcia-Roza de Ricardo de Mattos
04. Só sei que nada sei de André Pires
05. O Leão e o Unicórnio de Guga Schultze


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2008
01. Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha - 6/3/2008
02. O melhor de Dalton Trevisan - 27/3/2008
03. Nossa classe média é culturalmente pobre - 21/8/2008
04. Cartas a um jovem escritor - 31/1/2008
05. Literatura é coisa para jovem? - 11/9/2008


Mais Especial Melhores de 2008
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/11/2008
19h35min
Ótima resenha, Marcelo. Não havia lido esse livro do Roth, e seu texto já fez aumentar minha lista de "pendências para comprar". Deveríamos ter um incentivo do governo para comprar livros :) Haja buraco no orçamento! O filme também já entrou na lista, só que dos DVDs (para quando sair). É que me recuso a assistir um filme antes de ler o livro. Acho que me rouba toda a emoção que as palavras transmitem. Não gosto de perder essa surpresa que só um bom livro traz. Aconteceu com "Reparação". Estou com o DVD (que ainda não assisti), mas antes me obriguei a ler o livro. E o texto é fantástico. Recomendo também aos seus leitores (o livro e o filme).
[Leia outros Comentários de Ana Cristina Melo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os livros da magia O Convite
Carla Jablonski
Conrad
(2004)



Coaching de Relacionamentos a Dois (lacrado)
Ritah Oliveira
Qualitymark
(2017)



O Oriente Médio
Isaac Akcelrud
Atual
(1984)



A Pedra da Luz
Christian Jacq
Bertrand Brasil
(2000)



Ciências e Cidadania 6º Ano
Maurício Jorge Bueno Faria
Escala Educacional
(2009)



Livro Literatura Estrangeira O Rei de Ferro Os Reis Malditos
Maurice Druon
Difel
(1989)



Great is Peace
Daniel Sperber, Zvi Narkiss, Shimshon Klaus
Anno Pacis
(1979)



Livro Economia Entenda Globalização Uma Fonte de Informações para os Negócios
Dirceu M Coutinho
Aduaneiras
(1998)



Livro Infanto Juvenis Histórias de Shakespeare Volume 1 Coleção Quero Ler
Charles e Mary Lamb
Ática
(2002)



Energia Solar - Uso Renovável na Indústria
Rafael Celuppi
Appris
(2017)





busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês