Fatal: o livro e o filme | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A internet e a arte marginal
>>> As redes sociais como filtros
>>> Aberta a temporada de caça
>>> As várias faces de Al Pacino
>>> Quando o autor é protagonista do próprio romance
>>> Minha finada TV analógica
>>> Ser intelectual dói
>>> Entrevista com Ron Bumblefoot Thal
>>> Francis e o jornalismo
>>> Um Daumier no MASP
Mais Recentes
>>> História da marinha de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> História do armamento de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> Classicos Inesqueciveis - O Rei Leão de Disney pela Pixel (2021)
>>> Las Aventuras de Tom Sawyer de Mark Twain pela Never Land (2016)
>>> O Gene Egoísta de Richard Dawkins pela Itatiaia (2001)
>>> Branca de neve e os setes anões de Disney pela Pixel (2021)
>>> Cuentos de Pio Baroja pela Alianza (1978)
>>> 3 Palavrinhas: Brincando, aprendendo e cantando de Pixel pela Pixel (2021)
>>> Uma aventura na era dos dinossauros de Picolé pela Picolé (2021)
>>> 100 Viagens Que Toda Mulher Precisa Fazer de Stephanie Elizondo Griest pela Novo Conceito (2011)
>>> Aqueles que me desejam a morte de Michael Koryta pela Trama (2021)
>>> A cor da pele de John Vercher pela Trama (2021)
>>> Tempo: o de dentro e o de fora de Luiz Arraes pela Cepe (2007)
>>> Contos africanos dos países de língua portuguesa de Vários autores pela Ática (2009)
>>> Into the Wild (Na Natureza Selvagem) de Jon Krakauer pela Anchor Books (1996)
>>> A Cidade do Sol de Khaled Hosseini pela Agir (2012)
>>> Contos Brasileiros I de Vários autores pela Ática (2008)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1997)
>>> Enciclopédie pratique du batiment et des travaux publics vol. 1, 2 e 3 de Vários Autores pela Quillet (1970)
>>> Dicionário Internacional de Biografias vol. 1, 2, 3 e 4 de George Thompson Antunes pela Nobel (1998)
>>> Nariz de Angelo Machado, Lor & Thalma pela Nova Fronteira (2021)
>>> Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa vol. 1, 2 e 3 de Caldas Aulete pela Delta (1964)
>>> Design para Crescer Aprenda Com a Coca-cola Sobre Escala e Agilidade de David Butler e Linda Tischler pela Campus (2015)
>>> Delito por Dançar o Chá-chá-chá de Guillermo Cabrera Infante pela Ediouro (1998)
>>> Histórias da Noite de Rafk Schami pela Novo Século (2013)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2008

Quinta-feira, 27/11/2008
Fatal: o livro e o filme
Marcelo Spalding

+ de 8000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Começam as listas e especiais de final de ano, e desde já digo que o filme Fatal precisa estar nessas listas. E pelo nada que entendo do Oscar, estará entre os indicados em 2009.

Fatal consegue ser um bom filme mesmo para quem leu O animal agonizante, antológica novela de Philip Roth em que foi baseado. Publicada em 2001, a obra conta a história de um professor universitário com mais de sessenta anos que costuma sair com suas alunas até apaixonar-se irremediavelmente por uma delas. E é a partir desse mote aparentemente banal que Roth constrói uma ficção de extrema qualidade técnica e densidade psicológica, nos levando a refletir não apenas sobre a idade, mas sobre morte e vida, e não apenas sobre o corpo, mas sobre amor e sexo. E sobre as relações entre corpo, sexo, vida e morte.

"Por mais que você saiba, por mais que você pense, por mais que você planeje, projete e conspire, você não é superior ao sexo. O sexo é um jogo muito arriscado. Um homem não teria dois terços dos problemas que tem se não se metesse em aventuras para conseguir foder. É o sexo que perturba nossas vidas naturalmente ordenadas."

Kepesh, o professor, é também o narrador da novela, e este dado é fundamental: primeiro porque permite que a novela seja repletas de idas e vindas no tempo, intrusões do narrador com definições sobre mulheres, sobre os EUA ou sobre sexo, imprecisões e exageros próprios da subjetividade. Depois porque este narrador em primeira pessoa nos faz lembrar que a história é uma versão do professor, é a sua história, e Consuela é a sua musa, e a beleza de Consuela é a que ele nos narra. Uma beleza, aliás, como das poucas que li:

"A tez é clara, a boca é curva, embora os lábios sejam cheios, e a testa é arredondada, uma testa polida, lisa, com uma elegância de Brancusi. (...) O cabelo é negro, bem negro, lustroso, um pouco grosso. E ela é grande. Um mulherão grande. A blusa de seda está desabotoada até o terceiro botão, de modo que dá para ver que ela tem seios poderosos, lindos. Imediatamente você vê a fenda entre eles. E você vê que ela sabe."

Mas a beleza não está apenas nas palavras de quem conta, pode estar também nos olhos de quem vê. E Isabel Coixet, a diretora do filme, conseguiu captar em suas lentes não apenas a beleza de Consuela e a angústia cínica, egoísta e apaixonada de Kepesh como também a complexidade das relações humanas, tão bem sintetizadas no livro.

Claro que o filme, para ser fiel à essência da novela, não é igual à novela. Primeiro, não pode ser narrado em primeira pessoa, embora com bastante freqüência o espectador ouça os pensamentos e veja em close a expressão do professor. Depois, Consuela não pode ser apenas uma imagem construída pelo leitor em sua imaginação, no filme seria preciso dar a ela olhos, voz, seios. E a escolha recaiu sobre a bela Penélope Cruz. Não tão bela como a Consuela que imaginei na leitura, diga-se de passagem. Nem tão bela nem tão cubana nem tão altiva. Mas Penélope, com uma atuação segura, convence no papel de musa e nas cenas finais mostra por que deixou de ser um rostinho bonito em Hollywood, sem perder a beleza e a graça do rosto e dos olhos.

A maior diferença entre o filme e o livro, porém, é o enfoque. Se perguntarem do que se trata o livro para alguém que o tenha lido recentemente, é possível que ele responda: sobre a libertinagem norte-americana e suas conseqüências, sobre a agonia do homem diante da sedução da mulher, sobre o egoísmo da sociedade contemporânea, sobre a importância de romper preconceitos e gozar cada momento da vida, sobre a nossa submissão ao sexo. E todas essas respostas serão pertinentes, mas irão variar muito de acordo com as preocupações e prioridades do leitor. Agora, se fizerem pergunta para alguém que tenha acabado de assistir ao filme, essa pessoa necessariamente dirá que a adaptação fala sobre a velhice. Poderá acrescentar à velhice outros temas, mas a questão da idade, da proximidade da morte é muito importante, tanto que o filme cria um final para o livro (ainda que a frase final da versão cinematográfica seja enigmática e suficientemente aberta para causar no espectador efeito semelhante àquele sentido pelo leitor).

Quase, quase contei o final do filme, mas não o fiz. Não o fiz porque o desfecho do filme, assim como do livro, é o que torna a história tão interessante, um final absolutamente verossímil, suficiente e necessário. Lembra um pouco, nesse sentido, As horas e Crash (dois oscarizados, aliás). E se não posso ir adiante no debate sobre o filme sob pena de revelar o final, volto ao título para encerrar estes comentários e não dizer que não fiz alguma crítica. Péssimo título, o da versão em português. Fatal poderia ser título de um filme de suspense, de um filme pornô, de um filme policial, não de um filme cujo livro se chama O animal agonizante. Se é para mudar o título do livro, que fosse um título melhor. Mas é claro que a culpa, aí, não é da diretora: em inglês o filme se chama Elegy. Elegia, dicionarizado pelo Michaelis como "poema pequeno, consagrado ao luto ou à tristeza".

O filme é, de fato, uma elegia. Assim como o livro. Assim como a vida.


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 27/11/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Mais espetáculo que arte de Guilherme Carvalhal
02. Sobre mais duas novelas de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
03. Lola de Elisa Andrade Buzzo
04. Fazendo a coisa certa de Fabio Gomes
05. Meu pé quebrado de Luís Fernando Amâncio


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2008
01. Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha - 6/3/2008
02. O melhor de Dalton Trevisan - 27/3/2008
03. Nossa classe média é culturalmente pobre - 21/8/2008
04. Cartas a um jovem escritor - 31/1/2008
05. Literatura é coisa para jovem? - 11/9/2008


Mais Especial Melhores de 2008
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/11/2008
19h35min
Ótima resenha, Marcelo. Não havia lido esse livro do Roth, e seu texto já fez aumentar minha lista de "pendências para comprar". Deveríamos ter um incentivo do governo para comprar livros :) Haja buraco no orçamento! O filme também já entrou na lista, só que dos DVDs (para quando sair). É que me recuso a assistir um filme antes de ler o livro. Acho que me rouba toda a emoção que as palavras transmitem. Não gosto de perder essa surpresa que só um bom livro traz. Aconteceu com "Reparação". Estou com o DVD (que ainda não assisti), mas antes me obriguei a ler o livro. E o texto é fantástico. Recomendo também aos seus leitores (o livro e o filme).
[Leia outros Comentários de Ana Cristina Melo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Colunáveis
Dominick Dunne
Record
(1994)



José e Maria - as Mais Famosas Histórias da Bíblia
Cedic
Cedic
(2013)



O Fluminense Me Domina!
Heitor Dalincourt
Leitura
(2009)



Administração: Oportunidades, Desafios e Ameaças
Wagner Siqueira
Reichmann & Affonso
(2002)



The Uses of Science in the Age of Newton
John G. Burke (edited)
University of California Press
(1983)



Dialogue Avec Mon Psychanalyste
Simone Korff Sausse
Hachette
(2001)



Tiradentes o Herói Que Inventou a Pátria
Vários Autores
Lições de Minas



As Religiões na História: Judaísmo Dispersão e Unidade
Moacyr Scliar
Atica
(1994)



Brussels, Bruges, Ghent& Antwerp Eyewitness Top 10
Antony Mason
Dk Travel Guides
(2010)



Controle do Uso do Solo Urbano
Serfhau
Min Interior; Serfhau
(1974)





busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês