Fatal: o livro e o filme | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
34764 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Dragão7 realiza última edição do Circuito de Teatro em Português
>>> Teatro para bebês, A Florestinha da Pati, integra o Circuito de Teatro em Português
>>> Buscapé cria "Vila" para celebrar Black Friday
>>> Vila 567 promove Quintaneja para comemorar feriado prolongado
>>> Musical gratuito "Brincando com a Broadway" chega ao Teatro UMC
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> No tinir dos metais
>>> De(correntes)
>>> Prata matutina
>>> Brazil - An Existing Alien Country on Planet Earth
>>> Casa de couro IV
>>> 232 Celcius, ou Fahrenheit 451
>>> Mãe
>>> Auto contraste
>>> Os intelectuais e a gastronomia
>>> Cabeças Cortadas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Farewell, Pedrinho!
>>> Baratas
>>> Dar de comer ao ódio
>>> Suspeito que estejam sempre conspirando para me fazer feliz
>>> Escrever para não morrer
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> Eu também sou concretista
>>> Geraldo Vandré, 70 anos
>>> Apresentação
Mais Recentes
>>> O outro lado da colina de Liddell hart pela Biblioteca do exercito
>>> O colecionador de John fowles pela Circulo do livro
>>> Colapso de Arthur hailey pela Circulo do livro
>>> Educar sem culpa de Tania zagury pela Circulo do livro
>>> Landschaftsarrchitekten:standorte und perspektiven de Adolf schmitt pela Christians-reim verlag
>>> Para-quedas & beijos de Erica jong pela Circulo do livro
>>> O desafio mundial de Jean-jacques servan-schreiber pela Nova fronteira
>>> A revoluçao dos covardes de David nasser pela Cruzeiro
>>> Do coração de um pastor de Kenneth w Hagin pela Graca editorial (2009)
>>> Oráculo da Grande Mãe - Acomp. 1 Livro e 60 cartas de Claudiney Prieto pela Alfabeto
>>> Tarô das Bruxas - Acompanha 78 cartas de Ellen Dugan pela Isis
>>> Mamãe e o Sentido da Vida de Irvin D. Yalom pela Agir (2010)
>>> Décima Profecia, A de James Redfield pela Fontanar (2009)
>>> Curso Completo de Tarô - Acomp. 1 livro e 78 cartas de Nei Naiff pela Alfabeto
>>> Árabe do Futuro, O de Riad Sattouf pela Intrínseca (2015)
>>> Schraiber - " O reino dos simples" de Vários autores pela Não definido
>>> Selecta homeopathica - Cura e recuperação de Vários autores pela Luz menescal (2002)
>>> Selecta homeopathica - Experimentação patogenética de Vários autores pela Luz menescal (2001)
>>> Cadernos de matéria médica - Vol. 10 Nº 1 de Vários autores pela American journal (2002)
>>> Peter Pan de James Barrie pela Ediouro (2004)
>>> Coors taste of the west de Vários autores pela Better Homes and Gardens (1981)
>>> Party book de Dorothy Marsh e Carol Brock pela Harper & Brothers (1958)
>>> The pocket book of home canning de Elizabeth Beveridge pela Pocket books (1943)
>>> Paisagens Humanas de Antonio Versiani pela Civilização brasileira (1960)
>>> Great Tales of the far west de Alex Austin pela Pyramid books (1956)
>>> The Movie Buff´s book de Ted Sennett pela A pyramid publication (1975)
>>> Hospital de Arthur Hailey pela Nova Fronteira (1959)
>>> Monsenhor Quixote de Graham Greene pela Record (1982)
>>> Salambô de Flaubert pela Max Limonad (1985)
>>> O vale do terror de Arthur Conan Doyle pela Ediouro
>>> A casa morta de Henry Bordeaux pela Figueirinhas (1929)
>>> Ih, esqueceram madame Freud... de Françoise Xenakis pela Rocco (1988)
>>> Platero e eu de Juan Ramón Jiménez pela Rio Gráfica (1987)
>>> The countess de Hans Habe pela A signet book (1964)
>>> Loves of the orient de Giovanni Camisso pela Belmont Book (1954)
>>> Skipping Christmas de John Grisham pela A dell book (2004)
>>> Terra Virgem El Erial de Constâncio C. Vigil pela Melhoramentos
>>> Woodstock - Tomo I de Walter Scott pela H. Garnier
>>> L´Homme qui assassina de Claude Farrère pela Ernest Flammarion
>>> Camille de Alexandre Dumas pela Bantam Books (1949)
>>> Lamentai os honestos de Ed Lacy pela Ibis (1968)
>>> Conspiração nas trevas de Hartley Howard pela Livros do Brasil (1966)
>>> Próxima Viagem - Nº 62, Ano 6 de Vários autores pela Peixes (2004)
>>> Próxima Viagem - Nº 4, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 3, Ano 1 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 6, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 7, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 10, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 12, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 37, Ano 3 de Vários autores pela Peixes (2002)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2008

Quinta-feira, 27/11/2008
Fatal: o livro e o filme
Marcelo Spalding

+ de 7000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Começam as listas e especiais de final de ano, e desde já digo que o filme Fatal precisa estar nessas listas. E pelo nada que entendo do Oscar, estará entre os indicados em 2009.

Fatal consegue ser um bom filme mesmo para quem leu O animal agonizante, antológica novela de Philip Roth em que foi baseado. Publicada em 2001, a obra conta a história de um professor universitário com mais de sessenta anos que costuma sair com suas alunas até apaixonar-se irremediavelmente por uma delas. E é a partir desse mote aparentemente banal que Roth constrói uma ficção de extrema qualidade técnica e densidade psicológica, nos levando a refletir não apenas sobre a idade, mas sobre morte e vida, e não apenas sobre o corpo, mas sobre amor e sexo. E sobre as relações entre corpo, sexo, vida e morte.

"Por mais que você saiba, por mais que você pense, por mais que você planeje, projete e conspire, você não é superior ao sexo. O sexo é um jogo muito arriscado. Um homem não teria dois terços dos problemas que tem se não se metesse em aventuras para conseguir foder. É o sexo que perturba nossas vidas naturalmente ordenadas."

Kepesh, o professor, é também o narrador da novela, e este dado é fundamental: primeiro porque permite que a novela seja repletas de idas e vindas no tempo, intrusões do narrador com definições sobre mulheres, sobre os EUA ou sobre sexo, imprecisões e exageros próprios da subjetividade. Depois porque este narrador em primeira pessoa nos faz lembrar que a história é uma versão do professor, é a sua história, e Consuela é a sua musa, e a beleza de Consuela é a que ele nos narra. Uma beleza, aliás, como das poucas que li:

"A tez é clara, a boca é curva, embora os lábios sejam cheios, e a testa é arredondada, uma testa polida, lisa, com uma elegância de Brancusi. (...) O cabelo é negro, bem negro, lustroso, um pouco grosso. E ela é grande. Um mulherão grande. A blusa de seda está desabotoada até o terceiro botão, de modo que dá para ver que ela tem seios poderosos, lindos. Imediatamente você vê a fenda entre eles. E você vê que ela sabe."

Mas a beleza não está apenas nas palavras de quem conta, pode estar também nos olhos de quem vê. E Isabel Coixet, a diretora do filme, conseguiu captar em suas lentes não apenas a beleza de Consuela e a angústia cínica, egoísta e apaixonada de Kepesh como também a complexidade das relações humanas, tão bem sintetizadas no livro.

Claro que o filme, para ser fiel à essência da novela, não é igual à novela. Primeiro, não pode ser narrado em primeira pessoa, embora com bastante freqüência o espectador ouça os pensamentos e veja em close a expressão do professor. Depois, Consuela não pode ser apenas uma imagem construída pelo leitor em sua imaginação, no filme seria preciso dar a ela olhos, voz, seios. E a escolha recaiu sobre a bela Penélope Cruz. Não tão bela como a Consuela que imaginei na leitura, diga-se de passagem. Nem tão bela nem tão cubana nem tão altiva. Mas Penélope, com uma atuação segura, convence no papel de musa e nas cenas finais mostra por que deixou de ser um rostinho bonito em Hollywood, sem perder a beleza e a graça do rosto e dos olhos.

A maior diferença entre o filme e o livro, porém, é o enfoque. Se perguntarem do que se trata o livro para alguém que o tenha lido recentemente, é possível que ele responda: sobre a libertinagem norte-americana e suas conseqüências, sobre a agonia do homem diante da sedução da mulher, sobre o egoísmo da sociedade contemporânea, sobre a importância de romper preconceitos e gozar cada momento da vida, sobre a nossa submissão ao sexo. E todas essas respostas serão pertinentes, mas irão variar muito de acordo com as preocupações e prioridades do leitor. Agora, se fizerem pergunta para alguém que tenha acabado de assistir ao filme, essa pessoa necessariamente dirá que a adaptação fala sobre a velhice. Poderá acrescentar à velhice outros temas, mas a questão da idade, da proximidade da morte é muito importante, tanto que o filme cria um final para o livro (ainda que a frase final da versão cinematográfica seja enigmática e suficientemente aberta para causar no espectador efeito semelhante àquele sentido pelo leitor).

Quase, quase contei o final do filme, mas não o fiz. Não o fiz porque o desfecho do filme, assim como do livro, é o que torna a história tão interessante, um final absolutamente verossímil, suficiente e necessário. Lembra um pouco, nesse sentido, As horas e Crash (dois oscarizados, aliás). E se não posso ir adiante no debate sobre o filme sob pena de revelar o final, volto ao título para encerrar estes comentários e não dizer que não fiz alguma crítica. Péssimo título, o da versão em português. Fatal poderia ser título de um filme de suspense, de um filme pornô, de um filme policial, não de um filme cujo livro se chama O animal agonizante. Se é para mudar o título do livro, que fosse um título melhor. Mas é claro que a culpa, aí, não é da diretora: em inglês o filme se chama Elegy. Elegia, dicionarizado pelo Michaelis como "poema pequeno, consagrado ao luto ou à tristeza".

O filme é, de fato, uma elegia. Assim como o livro. Assim como a vida.


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 27/11/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Agonia de Daniel Bushatsky
02. Com ventilador, mas sem educação de Marta Barcellos
03. O Casal 2000 da literatura brasileira de Luis Eduardo Matta
04. Demorou de Eduardo Carvalho


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2008
01. Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha - 6/3/2008
02. O melhor de Dalton Trevisan - 27/3/2008
03. Nossa classe média é culturalmente pobre - 21/8/2008
04. Cartas a um jovem escritor - 31/1/2008
05. Literatura é coisa para jovem? - 11/9/2008


Mais Especial Melhores de 2008
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/11/2008
19h35min
Ótima resenha, Marcelo. Não havia lido esse livro do Roth, e seu texto já fez aumentar minha lista de "pendências para comprar". Deveríamos ter um incentivo do governo para comprar livros :) Haja buraco no orçamento! O filme também já entrou na lista, só que dos DVDs (para quando sair). É que me recuso a assistir um filme antes de ler o livro. Acho que me rouba toda a emoção que as palavras transmitem. Não gosto de perder essa surpresa que só um bom livro traz. Aconteceu com "Reparação". Estou com o DVD (que ainda não assisti), mas antes me obriguei a ler o livro. E o texto é fantástico. Recomendo também aos seus leitores (o livro e o filme).
[Leia outros Comentários de Ana Cristina Melo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PONTO FINAL KATMANDU
LUCIO MARTINS RODRIGUES
LR EDITORES
(1983)
R$ 4,00



VINHO NOVO EM ODRES VELHOS. SACRAMENTOS DA LIBERTAÇÃO
FERDINAND KERSTIENS
VOZES
(1999)
R$ 20,00



KASSANDRA IN PROCESS
VALMIR SANTOS
TOMO EDITORIAL
(2005)
R$ 36,00



CONVERSAS NA VARANDA
REGINA NAVARRO LINS
ROCCO
(1999)
R$ 20,00



OBJECTIVE PROFICIENCY WORKBOOK WITH ANSWERS - COM CD
PETER SUNDERLAND / ERICA WHETTEM
CAMBRIGDE
(2015)
R$ 99,90



OPERAÇAO CAVALO DE TROIA--4.
J. J. BENITEZ
MERCURYO
R$ 16,00



A VIDA VERTIGINOSA DE JOÃO DO RIO (BIOGRAFIA/LITERATURA BRASILEIRA)
R. MAGALHÃES JÚNIOR
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1978)
R$ 20,00



DIÁRIO DO GUETO - JANUSZ KORCZACK
JANUSZ KORCZACK
PERSPECTIVA
(1986)
R$ 15,00



A PRÁTICA DO ZEN E O CONHECIMENTO DE SI MESMO
ALBERT LOW
CULTRIX
(1997)
R$ 25,00



CLÁSSICOS DA LITERATURA CRISTA
VARIOS
MUNDO CRISTAO
R$ 47,00
+ frete grátis





busca | avançada
34764 visitas/dia
922 mil/mês