Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
29794 visitas/dia
891 mil/mês
Mais Recentes
>>> CRIANÇAS DE HELIÓPOLIS REALIZAM CONCERTO DE GENTE GRANDE
>>> Winter Fest agita Jurerê Internacional a partir deste final de semana
>>> Coletivo Roda Gigante inicia temporada no Jazz B a partir de 14 de julho
>>> Plataforma Shop Sui dança dois trabalhos no Centro de Referência da Dança
>>> Seminário 'Dança contemporânea, olhares plurais'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> É cena que segue...
>>> Imagens & Efeitos
>>> Segredos da alma
>>> O Mundo Nunca Foi Tão Intenso Nem Tão Frágil
>>> João Gilberto
>>> Retalhos ao pôr do sol
>>> Pelagem de flor III: AMARELO
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Meu galinho Josué
>>> O conservadorismo e a refrega de símbolos
>>> Pilar Fazito
>>> A imaginação do escritor
>>> Matisse e Picasso, lado a lado
>>> Macunaíma, de Mário de Andrade
>>> Copacabana-Paulista-Largo das Forras
>>> Palavras, muitas palavras
>>> Lula: sem condições nenhuma*
>>> Novos Melhores Blogs
Mais Recentes
>>> A Rosa do Inverno de Patricia Cabot pela Essência, Planeta (2008)
>>> Lolita de Vladimir Nabokov pela Folha (2003)
>>> História Política da Assembléia Legislativa do Paraná. de Samuel Guimarães da Costa pela Assembléia Legislativa do Paraná (1995)
>>> História Política da Assembléia Legislativa do Paraná. de Samuel Guimarães da Costa pela Assembléia Legislativa do Paraná (1995)
>>> Memórias de Pavilhão. de Dimas Bueno e Tatiane Iovanovitchi pela Traio Produções Artísticas (2009)
>>> Amor em São Petersburgo - Coleção Supertítulos de Heinz G. Konsalik pela Estadão (1998)
>>> Urbanização e Industrialização no Paraná. de Dennison de Oliveira pela Seed (2001)
>>> Paraná: de Sérgio Odilon Nadalin pela Seed (2001)
>>> Cultura e Educação no Paraná de Etelvina Trindade & Maria Luiza Andreazza pela Seed (2001)
>>> Paraná: Política e Governo de Marion Brephol de Magalhães pela Seed (2001)
>>> Páginas Escolhidas - Literatura vol. 2 de Eduardo Frade, Luiz Alberto Júnior e Sirlei Bassan pela Posigraf (2003)
>>> OMistério do Esqueleto-Veredas de Renata Pallotini pela Moderna/ SP. (1992)
>>> OMistério do Esqueleto-Veredas de Renata Pallotini pela Moderna/ SP. (1993)
>>> OMistério do Esqueleto-Veredas de Renata Pallotini pela Moderna/ SP. (1993)
>>> Páginas Escolhidas de Wilson Sabóia, Edilberto Trevisan e Ruy Cavallin Pinto pela Posigraf (2003)
>>> Insolvência Bancária: Liquidação Extrajudicial e Falência de Frederico Viana Rodrigues pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2004)
>>> Yvonne Pereira: entre cartas e recordações de Pedro Camilo pela Mente Aberta (2016)
>>> O Contrato de Seguro de Acordo com o Novo Código Civil Brasileiro de Ernesto Tzirulnik- Flávio de Queiroz B. Cavalcanti- Ayrton Pimentel pela Revista dos Tribunais/ SP. (2003)
>>> Páginas Escolhidas de Elisabeth Seraphim Proser pela Academia Paranaense de Letras (2004)
>>> O Rei das Fraudes de John Grisham pela Rocco (2003)
>>> Curso Aprendizes do Evangelho 1º Ano de Equipe de Educadores do Curso de Aprendizes do Evangelho da Feesp pela FEESP (2014)
>>> Estados da Plebe no Capitalismo Contemporâneo de Cleusa Santos e Marildo Menegat e Ricardo Rezende Figueira (orgs.) pela Outras Expressões (2013)
>>> A Hora Obscura: Testemunhos da Repressão Política de Julius Fucik e Henri Alleg e Victor Serge pela Expressão Popular (2006)
>>> MST, Universidade e Pesquisa de Roseli Salete Caldart e Paulo Alentejano (orgs.) pela Expressão Popular (2014)
>>> Kalmo Sutra - para aqueles que ainda ... de Frank Dickens pela Melhoramentos (2002)
>>> Takukarai - Idéias Crônicas e Contos de Yumbad Baguun Parral pela Independente (2004)
>>> Quando um propósito nos leva além de Renata Melo pela Buqui (2019)
>>> Confissões de uma banda de Nina Malkin pela Galera Record (2007)
>>> Entrega de J. C. Reed pela Única (2013)
>>> A nova era da participação - O desafio de emocionar e envolver pessoas de Patricia McLagan, Christo Nel pela Campus (2000)
>>> Memórias e Reflexões de João Cid de Macedo Portugal pela Lud (1916)
>>> Jesus - O Profeta Divino - Volume 2 de Paiva Netto pela Elevação (2014)
>>> Império de Prata de Conn Iggulden pela Record (2015)
>>> 20 Mil Léguas Submarinas - Edição Definitiva, Comentada e Ilustrada de Verne,Jules pela Zahar (2011)
>>> Anotações para a História de Pedro Franco pela Artes & Textos (2002)
>>> Start - Dê um soco na cara do medo, fuja da média, trabalhe no que interessa de Jon Acuff pela Novo Século (2013)
>>> A última carta de amor de Jojo Moyes pela Intrínseca (2016)
>>> Um lugar para a esperança - Rainhas do romance Edição 94 de Sherryl Woods pela Harlequin (2014)
>>> Parque Nacional do Iguaçu de Teresa Urban pela Tempo Integral (2002)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Edições Câmara (2017)
>>> Maldito Seja Dostoiévski de Atiq Rahimi pela Estação Liberdade (2012)
>>> Biografia de Vila Velha de Lourival Santos Lima pela Gráfica Planeta (1975)
>>> Se houver amanhã de Sidney Sheldon pela Record (2016)
>>> Inocência de Visconde de Taunay pela Difusão Cultural do Livro (2005)
>>> Surpresas do Desejo, Tentação do Prazer de Sharon Kendrick pela Harlequin (2013)
>>> Silêncio de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2011)
>>> Finale de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2013)
>>> Curitiba 3-D de José Paulo Fagnani pela Natugraf (2002)
>>> Toda poesia de Augusto dos Anjos pela Record (2011)
>>> Sussurro de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2010)
COLUNAS

Quinta-feira, 6/3/2008
Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha
Marcelo Spalding

+ de 24700 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Quem esteve na praia, quem pulou carnaval ou deixou o rádio sintonizado nas FMs da hora, certamente ouviu neste verão a música 3 do mais recente CD de Seu Jorge, "Burguesinha". Sambinha gostoso, com sonoridade muito semelhante ao seu sucesso anterior, "Carolina", tornou-se em pouco tempo hit do verão.

Hits do verão, aliás, costumam nos deixar de cabelos em pé. Quem não lembra do Netinho, do É o Tchan, do Terra Samba? Ou da terrível "Hoje é festa lá no meu Apê", do glorioso Latino? Músicas cantadas ou dançadas por pseudocelebridades, não por músicos, e com letras rasas e apelativas, apesar do tom infantil de termos como bundalelê (para mim, nada mais, nada menos que orgia, bacanal). Pois é por isso mesmo que ouvi com certa surpresa e até alegria o povo todo cantarolando e se rebolando com "Burguesinha" nas festas mais populares aqui do nosso litoral gaúcho.

A música faz parte do quarto CD solo de Seu Jorge, América Brasil, composto de onze faixas de muito samba rock e que tem recebido algumas críticas dos entendidos de música. O jornalista carioca Mauro Ferreira, por exemplo, acha que o CD "pouco oferece além das levadas, com versos-clichês sobre a falta de dinheiro e o duro cotidiano do povo brasileiro". O próprio Seu Jorge teria dito que se trata de um disco doméstico, para tocar no churrasco, no computador. Mas como não pretendo comparar Seu Jorge com ele mesmo, e sim Seu Jorge com hits de verões passados, me parece que há espaço para certo otimismo.

Em apenas 16 versos, quatro estrofes, sem contar o refrão, a letra da música composta por Seu Jorge, Gabriel Moura e Pretinho da Serrinha esbanja ironia, não a ironia cáustica de um Machado de Assis, mas a ironia acomodada e "boa praça" do samba, da bossa nova. Ao mesmo tempo em que saúda a burguesinha, um filé de moça, critica com certa veemência o capricho das nossas elites, sempre virada de costas para a realidade da população em geral, lembrando que a população não apenas não come croissant como sequer saca dinheiro, sequer faz o cabelo, espremida entre a rotina estafante e a falta de dinheiro.

No refrão, a repetição da palavra burguesinha soa como a repetição de uma condição, a burguesinha sempre será burguesinha, geração a geração terá seus caprichos satisfeitos. O que muda, de tempos em tempos, é o objeto do capricho, sendo hoje croissant ou suquinho de maçã; ontem, passeio de moto; no tempo da minha avó, meias de nylon.

É possível, admito, que as meninas de salto alto que rebolavam ao som da música na beira de uma rica praia aqui do Sul não tenham percebido essa ironia ou, até mais provável, se orgulhem de comer filé, suquinho de maçã, malhar todos os dias e ir pra casa de praia no fim de semana. Ocorre que essa geração, a minha geração, não tem lá muitas ilusões ideológicas e antes de se envergonhar pelo rótulo de "burguesa", envergonhar-se-ia com o rótulo de "trabalhadora", pois é uma geração contaminada pela lógica fácil do individualismo e seduzida pelas promessas de felicidade capitalista.

Nesse sentido, "Burguesinha" celebra o bem viver, o american way of life, sintetizando em alguns ícones o que marca a pequena burguesia, essa necessidade de mostrar-se diferenciada, consumir o que há de melhor, estar na moda, malhada, o que a torna quase um hino debochado daqueles que perseguem exatamente esse modo de vida. Mas o faz ambiguamente, e aí a beleza de qualquer arte, pois narra do ponto de vista da própria classe favorecida, estratégia formal que um crítico, falando sobre Brás Cubas, chama de "delação de classe": é evidente que se a música adota o ponto de vista da burguesinha é para ironizar sua superficialidade, revelar sua pobreza intelectual ― ainda que ironize e revele sem acusar, sem protestar ― e não realmente bajular aquelas que enfeitam os calçadões.

Decerto se comparada a outros hits de abordagem social, como algumas canções do Chico, do Legião Urbana, dos Titãs, a música parecerá própria a um passageiro hit de verão, pois tira de uma problemática profunda meia dúzia de situações, não proporcionando reflexão ou crítica. Não chega perto de um "Marvin" ou de um "Faroeste Caboclo", e nem se fale de "Gente Humilde", "Saudosa Maloca", mas talvez seja o máximo que uma canção que se quer mercadológica consiga fazer nos tempos de hoje, quando política virou motivo de chacota da imprensa e Marx uma personagem restrita aos livros de história. Não por acaso o melhor Chico de hoje está nos romances, o funk desceu os morros só com o lado chulo, o cinema transformou a história de Olga numa história de amor.

Curioso é uma música dessas ser acolhida pela própria "burguesia" como seu hit de verão, tocar em caras festas de carnaval, sofisticados luaus à beira mar, festivais adolescentes, carros importados. Alguns mais otimistas dirão que é fruto de uma gradual tomada de consciência, o que pode ser um pouco verdade, mas pode apostar que verão que vem, ou no outro, volta um hit da Kelly Key, do Leonardo, do Latino. E cantaremos sem culpa tal qual a neta do Gerdau há de estar cantarolando "burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha"...


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 6/3/2008


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2008
01. Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha - 6/3/2008
02. O melhor de Dalton Trevisan - 27/3/2008
03. Nossa classe média é culturalmente pobre - 21/8/2008
04. Cartas a um jovem escritor - 31/1/2008
05. Literatura é coisa para jovem? - 11/9/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/3/2008
10h16min
Muito boa a análise; percepção fina da realidade. Parabéns.
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
8/3/2008
10h51min
Abordagem bem real a respeito de um fenômeno que ocorre no Brasil, de norte a sul. Lembrei-de de uma época em que "Vai Passar" foi a música do momento. Tocava nos mais diversos ambientes: desde a burguesia mais característica ao habitante da favela. Pena que isso é igual a cometas, só ocorre de tempos em tempos, muito distantes. Bom texto.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
11/3/2008
19h39min
Gostei do texto do senhor Spalding. Essa dissecação desta canção do seu Jorge está repleta de boas referências, não só musicais como também histórico-culturais. A ironia mencionada também passa a ser recurso no derradeiro parágrafo. Com essa estrutura de texto, utilizando-se desses recursos, fica um gosto de quero-mais, de se aprofundar talvez por um assunto como luta de classes, ou qualquer outro grande tema: mas isso caberia melhor num livro.
[Leia outros Comentários de Thiago L. Pierroni]
12/4/2009
11h36min
Concordo com a Adriana. Também lembrei do período ditatorial, pois todos cantam, inclusive as patricinhas (burguesinhas). Seu Jorge apenas expôs o cotidiano das "filhinhas de papai", sem precisar dizer que são fúteis de forma explícita... Cabe ao ouvinte compreender.
[Leia outros Comentários de Joelma Aragão]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LAS NIETAS DE MAYO
VÁRIOS AUTORES
MACMILLAN EDUCATION
(2014)
R$ 40,00



TÓXICOS. PREVENÇÃO. REPRESSÃO
VICENTE GRECCO FILHO
SARAIVA
(2006)
R$ 25,00



EM NOME DA PAZ
HOWARD KAPLAN
NOVA CULTURAL
(1987)
R$ 4,29



WOLVERINE Nº 80 - OUTUBRO / 98 - MASSACRE FASE 12
MARVEL COMICS
ABRIL
(1998)
R$ 7,00



INFLUÊNCIA DA DESINFECÇÃO POR MICROONDAS NAS PROPRIEDADES DA RAAT
MANOELA CAPLA VASCONCELLOS DOS SANTOS DA SILVA UND RAFAEL L. X. CONSANI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



LEGER
RENÉ DEROUDILLE
CLUB DART BORDAS
(1968)
R$ 28,28



IRONIA FRASES SOLTA QUE DEVERIAM SER PRESAS
JOSÉ FRANCISCO DE LARA
CÓCEGAS
(2005)
R$ 17,00



A CONQUISTA DO MAR OCEANO - 5ª EDIÇÃO
VIRGÍNIA LEFÉVRE
ED. DO BRASIL
R$ 8,00



PELA AMÉRICA DO NORTE 1º VOLUME
TRISTÃO DE ATHAYDE
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CU
(1955)
R$ 9,00



INFORMAÇÃO A UM DESCONHECIDO
REJANE MACHADO
LITTERIS (RJ)
(2000)
R$ 25,00





busca | avançada
29794 visitas/dia
891 mil/mês