Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
54617 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> À beira do caminho
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> Vale Emprego
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> internet jornalismo revolução
>>> Façam suas apostas
>>> Estômago, com João Miguel
>>> A política brasileira perdeu a agenda
>>> Iniciantes, de Raymond Carver
>>> A Teoria de Tudo
Mais Recentes
>>> Guia de Elegância de uma Reles Mortal de Helena Perim Costa pela Matrix (2006)
>>> O Processo Civil na Prática do Advogado e Tribunais Vol 2 de Iêdo Batista Neves pela Fase (1990)
>>> O Luar na Avenida da Fé de Gina Barkhordar Nahai pela Geração Editorial (2002)
>>> Projeto Emaus - Ensino Religioso - 9º Ano de Dalcides Biscalquin; Ediçoes Sm pela Sm Didáticos (2013)
>>> Moderna Plus. Literatura. Tempos, Leitores e Leituras Parte 1 de Maria Luiza M. Abaurre pela Moderna (2011)
>>> Tóxicos de Celso Delmanto pela Saraiva (1982)
>>> Jscript - Guia de Consulta Rápida de Edgard B. Damiani pela Novatec
>>> Benetton - a Família, a Empresa e a Marca de Jonathna Mantle pela Nobel (1999)
>>> A Grande Cozinha - Cozinha na Frigideira de Roberto Civita pela Abril
>>> A Teoria Social e Ambiente de Instituto Piaget pela Instituto Piaget (1998)
>>> As Noticias + Malucas do Planeta de Alessandro Bender pela Paris (2004)
>>> Jonas - o Contador de Histórias - Contos Selecionados de Jorge Pedreira de Cerqueira pela Lorenz (2013)
>>> Lei de Murphy de Gerenciamento de Projetos de Eduardo Gorges pela Brasport (2007)
>>> Atitudes Vencedoras de Carlos Hilsdorf pela Senac Sp (2003)
>>> Indomada de P. C. Cast; Kristin Cast pela Novo Seculo Sp (2010)
>>> Sagrados Corações de Sarah Dunant pela Record
>>> The Origin of Species By Mean of Natural Selection - the Descent of Ma de Charles Darwin pela Great Books
>>> A História da Felicidade de Marleine Cohen pela Saraiva
>>> Sarcoidosis: Clinical Management de Om P. Sharma pela Butterworth-heinemann (1984)
>>> Análise das Demonstrações de Ricardo J. Ferreira pela Ferreira (2007)
>>> Sic Ginecologia e Obstetrícia - Obstetrícia Vol. 1 de Fábio Roberto pela Medcel (2016)
>>> Moderne Und Postmoderne: Architektur Der Gegenwart de Architektur Der Gegenwart pela Vieweg+teubner Verlag (1988)
>>> Master Curse: o Super Cursão de Inglês de Antonio Lopes pela New York Ed
>>> Correio Braziliense Ou Armazem Literario, V. 24 de Hipólito José da Costa pela Imprensa Oficial do Estado (2002)
>>> Trouble At the Zoo - Level 2 de Rob Waring pela Thomson Heinle (2006)
COLUNAS

Quinta-feira, 6/3/2008
Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha
Marcelo Spalding

+ de 31300 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Quem esteve na praia, quem pulou carnaval ou deixou o rádio sintonizado nas FMs da hora, certamente ouviu neste verão a música 3 do mais recente CD de Seu Jorge, "Burguesinha". Sambinha gostoso, com sonoridade muito semelhante ao seu sucesso anterior, "Carolina", tornou-se em pouco tempo hit do verão.

Hits do verão, aliás, costumam nos deixar de cabelos em pé. Quem não lembra do Netinho, do É o Tchan, do Terra Samba? Ou da terrível "Hoje é festa lá no meu Apê", do glorioso Latino? Músicas cantadas ou dançadas por pseudocelebridades, não por músicos, e com letras rasas e apelativas, apesar do tom infantil de termos como bundalelê (para mim, nada mais, nada menos que orgia, bacanal). Pois é por isso mesmo que ouvi com certa surpresa e até alegria o povo todo cantarolando e se rebolando com "Burguesinha" nas festas mais populares aqui do nosso litoral gaúcho.

A música faz parte do quarto CD solo de Seu Jorge, América Brasil, composto de onze faixas de muito samba rock e que tem recebido algumas críticas dos entendidos de música. O jornalista carioca Mauro Ferreira, por exemplo, acha que o CD "pouco oferece além das levadas, com versos-clichês sobre a falta de dinheiro e o duro cotidiano do povo brasileiro". O próprio Seu Jorge teria dito que se trata de um disco doméstico, para tocar no churrasco, no computador. Mas como não pretendo comparar Seu Jorge com ele mesmo, e sim Seu Jorge com hits de verões passados, me parece que há espaço para certo otimismo.

Em apenas 16 versos, quatro estrofes, sem contar o refrão, a letra da música composta por Seu Jorge, Gabriel Moura e Pretinho da Serrinha esbanja ironia, não a ironia cáustica de um Machado de Assis, mas a ironia acomodada e "boa praça" do samba, da bossa nova. Ao mesmo tempo em que saúda a burguesinha, um filé de moça, critica com certa veemência o capricho das nossas elites, sempre virada de costas para a realidade da população em geral, lembrando que a população não apenas não come croissant como sequer saca dinheiro, sequer faz o cabelo, espremida entre a rotina estafante e a falta de dinheiro.

No refrão, a repetição da palavra burguesinha soa como a repetição de uma condição, a burguesinha sempre será burguesinha, geração a geração terá seus caprichos satisfeitos. O que muda, de tempos em tempos, é o objeto do capricho, sendo hoje croissant ou suquinho de maçã; ontem, passeio de moto; no tempo da minha avó, meias de nylon.

É possível, admito, que as meninas de salto alto que rebolavam ao som da música na beira de uma rica praia aqui do Sul não tenham percebido essa ironia ou, até mais provável, se orgulhem de comer filé, suquinho de maçã, malhar todos os dias e ir pra casa de praia no fim de semana. Ocorre que essa geração, a minha geração, não tem lá muitas ilusões ideológicas e antes de se envergonhar pelo rótulo de "burguesa", envergonhar-se-ia com o rótulo de "trabalhadora", pois é uma geração contaminada pela lógica fácil do individualismo e seduzida pelas promessas de felicidade capitalista.

Nesse sentido, "Burguesinha" celebra o bem viver, o american way of life, sintetizando em alguns ícones o que marca a pequena burguesia, essa necessidade de mostrar-se diferenciada, consumir o que há de melhor, estar na moda, malhada, o que a torna quase um hino debochado daqueles que perseguem exatamente esse modo de vida. Mas o faz ambiguamente, e aí a beleza de qualquer arte, pois narra do ponto de vista da própria classe favorecida, estratégia formal que um crítico, falando sobre Brás Cubas, chama de "delação de classe": é evidente que se a música adota o ponto de vista da burguesinha é para ironizar sua superficialidade, revelar sua pobreza intelectual ― ainda que ironize e revele sem acusar, sem protestar ― e não realmente bajular aquelas que enfeitam os calçadões.

Decerto se comparada a outros hits de abordagem social, como algumas canções do Chico, do Legião Urbana, dos Titãs, a música parecerá própria a um passageiro hit de verão, pois tira de uma problemática profunda meia dúzia de situações, não proporcionando reflexão ou crítica. Não chega perto de um "Marvin" ou de um "Faroeste Caboclo", e nem se fale de "Gente Humilde", "Saudosa Maloca", mas talvez seja o máximo que uma canção que se quer mercadológica consiga fazer nos tempos de hoje, quando política virou motivo de chacota da imprensa e Marx uma personagem restrita aos livros de história. Não por acaso o melhor Chico de hoje está nos romances, o funk desceu os morros só com o lado chulo, o cinema transformou a história de Olga numa história de amor.

Curioso é uma música dessas ser acolhida pela própria "burguesia" como seu hit de verão, tocar em caras festas de carnaval, sofisticados luaus à beira mar, festivais adolescentes, carros importados. Alguns mais otimistas dirão que é fruto de uma gradual tomada de consciência, o que pode ser um pouco verdade, mas pode apostar que verão que vem, ou no outro, volta um hit da Kelly Key, do Leonardo, do Latino. E cantaremos sem culpa tal qual a neta do Gerdau há de estar cantarolando "burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha"...


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 6/3/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cinema Latino na Holanda de Tatiana Mota


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2008
01. Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha - 6/3/2008
02. O melhor de Dalton Trevisan - 27/3/2008
03. Nossa classe média é culturalmente pobre - 21/8/2008
04. Cartas a um jovem escritor - 31/1/2008
05. Literatura é coisa para jovem? - 11/9/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/3/2008
10h16min
Muito boa a análise; percepção fina da realidade. Parabéns.
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
8/3/2008
10h51min
Abordagem bem real a respeito de um fenômeno que ocorre no Brasil, de norte a sul. Lembrei-de de uma época em que "Vai Passar" foi a música do momento. Tocava nos mais diversos ambientes: desde a burguesia mais característica ao habitante da favela. Pena que isso é igual a cometas, só ocorre de tempos em tempos, muito distantes. Bom texto.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
11/3/2008
19h39min
Gostei do texto do senhor Spalding. Essa dissecação desta canção do seu Jorge está repleta de boas referências, não só musicais como também histórico-culturais. A ironia mencionada também passa a ser recurso no derradeiro parágrafo. Com essa estrutura de texto, utilizando-se desses recursos, fica um gosto de quero-mais, de se aprofundar talvez por um assunto como luta de classes, ou qualquer outro grande tema: mas isso caberia melhor num livro.
[Leia outros Comentários de Thiago L. Pierroni]
12/4/2009
11h36min
Concordo com a Adriana. Também lembrei do período ditatorial, pois todos cantam, inclusive as patricinhas (burguesinhas). Seu Jorge apenas expôs o cotidiano das "filhinhas de papai", sem precisar dizer que são fúteis de forma explícita... Cabe ao ouvinte compreender.
[Leia outros Comentários de Joelma Aragão]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Curso Preparatório Enem - Ciências Humanas História II Vol 12
Abril
Abril
(2010)



Reuniões Podem Funcionar - o Novo Método de Interação
Michael Doyle David Straus
Summus
(1976)



Intimas...! Notas Pessoais de Meditação
Lopez Arroniz
Santuário de Aparecida
(1969)



O Poder de Deus e a Força dos Santos
Eli Corrêa
Eli Corrêa
(2007)



Discurso de Primavera e Algumas Sombras
Carlos Drummond de Andrade
Record
(1977)



Five Little Pigs
Agatha Christie
Harper Collins
(2009)



O Controle Ideológico na Usp (1964-1978)
Outros; Heloísa Daruiz Borsari
Adusp
(2004)



The Splintered Kingdom - a Novel
James Aitcheson
Source Books Landmark
(2014)



Diferenças não são defeitos: A riqueza da diversidade nas relações humanas
Wanderley Oliveira pelo espírito Ermance Dufaux
Harmonia interior
(2011)



Contos Surrealistas e Satíricos
Alberto Moravia
Difel
(1986)





busca | avançada
54617 visitas/dia
1,8 milhão/mês