Eu quero pagar imposto sorrindo | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
51198 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Eleições 2006

Quarta-feira, 4/10/2006
Eu quero pagar imposto sorrindo
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Lembro direitinho da rua onde ficava o TRE. Era lá que tínhamos que ir se quiséssemos "tirar o título". Para minha sorte, era bem perto do colégio. À pé, era só descer a Almirante Alexandrino, andar pela Contorno e virar na Prudente de Morais. Pronto. A meninada combinava de ir em grupo para ser mais divertido. Na volta, andávamos ao lado da Assembléia Legislativa, onde passaríamos a ter influência. Entrei lá várias vezes. Minha carteira de identidade foi tirada no subterrâneo. Depois fui conhecer o plenário, os corredores e os banheiros. Muitos anos depois, voltei para ler poemas, junto com dois poetas queridos, nas comemorações dos 30 anos da Revolução dos Cravos, em Portugal. Entrei como uma noiva (que não fui), grávida, vestida de preto, de braços dados com os dois poetas, e li uns poemas, nem me lembro de quem. Mas foi bonito o episódio.

Dia desses fui a Brasília para uma reunião no Palácio do Planalto. Confesso que foi bacana entrar lá, ser barrada por todos aqueles detectores e seguranças. Estava lá para construir um instrumento de avaliação para um programa nacional de educação, o ProJovem. Aí, sim, tive a impressão de poder participar, embora eu faça isso todos os dias, na sala de aula.

Na época do colégio municipal, escola pública de ótima qualidade, era novidade votar aos 16 anos. Meu pai nunca havia votado na vida e estava perplexo com a tarefa. Minha mãe estava confusa. A questão era: posso votar mesmo ou é pro forma? E eu, meu pai e minha mãe teríamos a mesma experiência, pela primeira vez, juntos. Eles, com alguns anos de atraso, talvez.

Votar, naquela época, aos 16 anos, era voluntário. Ainda é, mas a novidade deixava a escola excitada. Não tínhamos a exata noção do que isso significava, mas queríamos participar. Não sabíamos, ainda, tecer críticas aos candidatos ou aos programas eleitorais. Achávamos chato o atraso da novela ou daqueles caras falando mentiras na tevê, mas era necessário. Boa hora para tomar um banho.

Tirei meu título. Lembro vagamente do dia em que fui buscar. A moça sugeriu que eu o plastificasse. Está lá, na carteira, até hoje, intacto. Desde aquela época, votei várias vezes. Coleciono os comprovantes, que ficam dentro de uma caderneta, cada um com o nome do candidato em que votei escrito atrás. De alguns, me envergonho. De outros, nunca mais tive notícia.

Alguns elegíveis marcaram época com suas campanhas engraçadíssimas. Lembro do Afif Domingos e a linguagem dos surdos-mudos. "Juntos chegaremos lá", quem não lembra dos gestos da mão? Até hoje eu brinco com isso em sala de aula. Grande parte dos meus alunos do noturno se lembra. E nada mais modernoso do que incluir os surdos-mudos na campanha.

Enéas foi talvez o candidato mais comentado de todos os tempos, com aqueles segundos de verborréia aceleradíssima. Quem não brincou com o bordão "meu nome é Enéas"? Pois eu brinco com isso até hoje.

As campanhas mudaram, as pessoas também. Os candidatos ficaram mais expostos. Os eleitores parecem mais desconfiados. Um presidente ladrão, outro presidente acadêmico, um presidente que se gaba de mal saber ler. Estamos bem, hein? E que outra opção há? Minas Gerais insiste em certos nomes que parecem cristalizados. Newton Cardoso soa piada a esta altura. E a caravana passa, com todos os mensalões e mensalinhos.

No meu bolso, nada. Na minha vida, alguma coisa muito difusa. O governo Lula abriu, de fato, muitos concursos públicos, especialmente para repor os contingentes das universidades públicas, único lugar do país em que a ciência e a pesquisa andam a passos largos, muito embora isso se justifique pela eficácia dos pesquisadores.

Você já tentou fazer um concurso público para ser professor universitário? Pois tente. É uma bela experiência. Além da maratona física e intelectual, os acontecimentos são impagáveis. Dependendo da área, os aposentados voltam para suas cadeiras de estimação, concorrem com os pirralhos e, claro, ganham o direito de morrer na universidade. Lado a lado ficam um jovem pesquisador, cheio de gás, e um medalhão e suas caixas de publicações. É claro que isso só serve como experiência de treinante. Outra vez, os professores apenas mudam de estado ou de cidade. Um aposentado do Mato Grosso migra para uma Federal da Bahia e assim vai, numa ciranda. No interior, muitas vezes, a famosa "carta marcada" é que ganha o páreo, sem qualquer preocupação em esconder que o jogo já está ganho. Abraços e beijos nos componentes da banca, apelidos e até o cumprimento entre comadres. Experiência de dar nojo.

Mas isso não é culpa do presidente ou do deputado. Isso é o que está ao nosso redor, cultura impregnada nas coisas. Certo? Mas isso não é política? É, também, mas é de outro tipo, de outro calibre.

A gente passa por muitas moedas diferentes e nem se lembra mais do nome da moeda da adolescência. Passa por nomes, escândalos e confiscos. No tempo da memorável Zélia Cardoso, a grana suada do meu pai foi confiscada. Quando devolveram, o dinheiro de um apartamento deu pra comprar uma geladeira, que está lá em casa até hoje. Muito boa, por sinal.

A campanha das eleições 2006 pelo voto é, de fato, muito interessante. "O Brasil é tão bom quanto o seu voto". É isso mesmo. Algumas pessoas ainda insistem em votar sob critérios os mais estranhos. Porque o cara é "boa praça", é educado, é inteligente ou é ignorante. Não sei se é a característica pessoal do cara o que realmente interessa. Fico pensando com meus botões: o que esse cara vai fazer? Aumentar o preço da gasolina? Trocar o nome da moeda? Confiscar minha poupança? Privatizar a universidade pública? Implodir o que sobra das escolas públicas de ensino básico?

O SUS, por exemplo, é uma boa sacada. Embora a mídia faça uma força para dizer que ele não funciona, é interessante procurar saber dos atendimentos, das cirurgias de ponta e dos tratamentos feitos em hospitais públicos brasileiros.

As coisas poderiam funcionar muito bem neste país. Há vida inteligente por aqui. Há também quem tenha alguma noção de que, mesmo falando mal de tudo, é ou deveria ser peça ativa deste quebra-cabeça.

O que me preocupa, de modo geral? Que eu pago um imposto indecente e ainda tenho que pagar tudo em dobro. Pagar em dobro? Sim, porque os impostos que eu pago, e não apenas o Imposto de Renda, deveriam me deixar tranqüila para algumas coisas básicas: 1. Ter a certeza de um bom tratamento gratuito de saúde, quando eu precisar; 2. ter meu filho numa boa escola pública; 3. ter segurança para ir e vir, direito que me é assegurado pela Carta Magna. O que vejo não é isso. Minha planilha de Excel aponta que pago, além dos impostos, plano privado de saúde, seguro de carro contra roubo e furto, escolas particulares que juram que farão do meu garoto um cara melhor.

Eu só vou acreditar que a vida dos brasileiros é boa quando alguém der a nós o que nos é de direito e o que nós pagamos anualmente para ter. Pagamos diariamente para desfrutar. Só assim.

É por isso que eu voto. Algumas vezes anulei. Outras vezes, meti lá um número e apertei o botão verde. Este ano, vou levar meu filho para, aos 2 anos, votar comigo. Ele gosta mesmo é da musiquinha que a urna toca quando o voto é confirmado, mas vai aprender rápido quanta esperança tenho depositado no futuro dele quando pressiono aquela tecla. Dependendo da nossa atitude, quem sabe ele ainda vá pagar os impostos com boa vontade?


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 4/10/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Joana a Contragosto, Mirisola em queda livre de Jardel Dias Cavalcanti
02. Sobre o caso Idelber Avelar de Julio Daio Borges
03. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia de Jardel Dias Cavalcanti
04. Cigarro, apenas um substituto da masturbação? de Jardel Dias Cavalcanti
05. Solidariedade é ação social de Diogo Salles


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


Mais Especial Eleições 2006
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/10/2006
00h27min
Ana, mais uma vez adorei! Mesmo sendo de outra geração, identifico-me muito com você. E acho muito legal isso. Acho que são princípios. Coisa de família, de berço parecido... só pode ser. Abração.
[Leia outros Comentários de Áurea]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GUIA DOS METODOS DE ESTUDO
MICHEL COEFFE
WMF MARTINS FONTES
(1996)
R$ 14,80



GENERAL NÚMERO 1 - DEZEMBRO 93) - 7375
DIVERSOS
ACME
(1993)
R$ 15,00



ESCOLHAS DIFÍCEIS
HILLARY RODHAM CLINTON
GLOBOLIVROS
(2016)
R$ 34,90



DESCOBRIMENTO DO BRASIL - UMA AVENTURA NO NOVO MUNDO - CAPA DURA
COLEÇÃO DE OLHO NO MUNDO VOL. 3 RECREIO
ABRIL
(2000)
R$ 5,00



HUMOR VERMELHO - VOLUME 1
ISABELLA SAES (ORGANIZADORA)
USINA DE LETRAS
(2009)
R$ 22,82



DEXTER NO ESCURO
JEFF LINDSAY
PLANETA
(2010)
R$ 9,90



ESPORTES
DESPORTO E AUTARQUIAS LOCAIS
CAMPO DAS LETRAS
(1994)
R$ 54,78



PEDAGOGIA
CRÓNICAS DO QUOTIDIANO ESCOLAR VOL 22 CADERNOS PEDAGÓGICOS
EDIÇÕES ASA
(1993)
R$ 29,98



POUR UNE THEORIE CRITIQUE DU DROIT
LÉON RAUCENT
DUCULOT
(1975)
R$ 45,00



BULLIES - TIRANOS, VALENTÕES E PSSOAS DIFÍCEIS: COMO CONVIVER COM ELES
RONALD M. SHAPIRO; MARK A. JANKOWSKI; JAMES DALE
BUTTERFLY
(2008)
R$ 12,00





busca | avançada
51198 visitas/dia
1,4 milhão/mês