Poesia para os ouvidos e futebol de perebas | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila
>>> A LPB e o thriller verde-amarelo
>>> O Google em crise de meia-idade
>>> Meu cinema em 2010 ― 1/2
>>> Paulo Francis não morreu
>>> Levy Fidelix sobre o LGBT
>>> Adaptação: direito ou dever da criança?
>>> Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
Mais Recentes
>>> Fênix Renascendo das Cinzas de Daniel C. Luz pela Dvs (2005)
>>> Casa Limpa e Arrumada de Donna Smallin pela Fisicalbook (2006)
>>> Diversidade na Aprendizagem de Necessidades Especiais de Vários Autores pela Iesde (2010)
>>> Família,Liberdade e Participação de Vários Autores pela Escola de Pais do Brasil (1987)
>>> Desenvolvimento e Personalidade da Criança de Mussen/Conger/Kagan pela Harbra (1977)
>>> Vista Da Janela de Rosali Michelsohn pela Reflexão
>>> Sem Medo De Ser Feliz de Isabel Losada pela Alaúde (2013)
>>> Socorro, Meu Filho Nao Quer Comer! - Um Guia Pratico Para As Maes de Branca Sister pela Alegro (2004)
>>> Dona Beija Feiticeira do Araxá de Thomas leonardos pela Record (1986)
>>> Cura Pelas Mãos, Ou, A Prática Da Polaridade de Richard Gordon pela Pensamento (1978)
>>> Onde Esta Tereza ? de Zíbia Gasparetto / Lucius pela Vida E Consciencia (2007)
>>> Assombrassustos de Stella Carr pela Pioneia (1973)
>>> Uma Viagem ao Mundo Maravilhoso do Vinho de José Wilson Ciotti / Regina Lúcia Ciotti pela Barbacena (2003)
>>> A. Criança em Desenvolvimento de Helen Bee pela Harbra (1977)
>>> A Vida é Sonho de Pedro Calderón De Lá Barca pela Scritta (1992)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Brasiliense (2009)
>>> Mercadão Municipal - O Mundo e seus Sabores de Vários Autores pela Map (2004)
>>> Revista da Biblioteca Mário de Andrade de Boris Schnaiderman pela Imprensa Oficial (2012)
>>> Minidicionário Saraiva Informatica de Maria Cristina Gennari pela Saraiva (2001)
>>> Baia Da Esperanca de Jojo Moyes pela Bertrand (2015)
>>> Manual de Organização do Lactário de Maria Antônia Ribeiro Gobbo / Janete Maculevicius pela Atheneu (1985)
>>> Brinquedos da Noite: manual do primeiro livro 12ª edição. de Ieda Dias da Silva pela Vigília (1990)
>>> Pró-Posições de Vários Autores Unicamp pela Unicamp (2008)
>>> De Crianças e Juvenis Ensinando a Verdade de Modo Criativi de Márcia Silva pela Videira (2012)
>>> O Cinema Vai Mesa de Rubens Ewald Filho / Nilu Lebert pela Melhoramentos (2007)
COLUNAS >>> Especial Copa 2006

Quarta-feira, 7/6/2006
Poesia para os ouvidos e futebol de perebas
Ana Elisa Ribeiro
+ de 10300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Os grandes poetas brasileiros nem sempre foram reconhecidos em vida. Embora alguns casos sejam memoráveis, na maioria das vezes autor e obra ficam para a garimpagem de gerações futuras. Talvez esse panorama tenha sido modificado pela difusão da informação por meio de várias mídias. Certamente, a invenção do rádio e da televisão acelerou a chegada de acontecimentos que demorariam a ser noticiados em épocas anteriores e, assim, também possa ter ajudado a divulgar a obra de escritores em vida, numa espécie de transmissão on-line. E ainda bem que é assim.

A internet também faz parte dessas possibilidades. Na atualidade, é razoavelmente fácil encontrar um escritor vagando pelas listas de discussão virtuais. E foi pela Internet que tive contato com Mônica de Aquino, ou melhor, com alguns de seus textos. Depois, pude conhecê-la pessoalmente em uma das edições do Salão do Livro, em Belo Horizonte. Agora, tenho em mãos o primeiro livro da autora.

Não sei exatamente como, mas quando se encontra poesia há um clique diferente. Não são apenas palavras amontoadas ou imagens empilhadas por metáforas. Não são sentidos distraídos de suas formas e nem as formas fazendo contas entre si. Quando é poesia, há preocupação com a linguagem. Ao mesmo tempo que há domínio, há a língua pregando peças num autor que se finge de desligado. Assim é com Mônica de Aquino.

A poeta nasceu em Belo Horizonte no último ano da década de 1970. A geração dos vinte e poucos anos acontece em forma de livros, e não apenas Mônica. O livro de estréia, Sístole, pela editora Bem-te-vi, do Rio de Janeiro, traz 35 poemas divididos nas partes "Ponto-cego", "Extra-sístole", "Fibrilação" e "Refluxo". Em cada uma delas, a poeta mostra a que veio com versos sensíveis e, principalmente, domados pela música. Neste caso, não a música do ritmo ou, necessariamente, da rima, mas a preocupação bastante evidente com o som, a combinação de palavras, a repetição de sílabas, como neste trecho quase Cruz e Sousa: "vagas no plágio/ do teu gosto/ plagas de areia/ búzio surdo -/ sumo -/ fresta (ferida)/ fundida/ em teu fogo-fátuo".

Mônica de Aquino não deixa de passear pela concisão, mas parece preferir toadas mais longas e vagas, assim como se deixasse o leitor com a sensação de navegar um mar calmo. Em alguns casos, soa leve, mas sem deixar de fazer sua incursão pela descrição poética de uma imagem. Em outros momentos, aparece com uma espécie de auto-retrato: "O que alcanço/ agarro./ E o excesso é cansaço/ mas sigo cega e não paro". Mais adiante, Mônica sugere uma brincadeira distraída com fonemas e planeja florações e amores distraídos. Basicamente, a poesia da autora é feita de silêncios e sensibilidade. Não se pode dizer que seja completamente madura. Também não se pode omitir que alguns textos precisassem de umas aparas em determinados trechos excessivamente assonantes ou em aliterações alongadíssimas. No entanto, neste primeiro livro, a poeta nasce forte e apaixonada. Resta preocupar-se mais com a linguagem exata, daquela que deixa no leitor a sensação de que não poderia ter sido de outro jeito.

Pelada Poética

Uma semana antes da Copa do Mundo, os poetas da capital mineira foram convocados para uma pelada no meio da rua. E olha que a rua era movimentada. O jogão aconteceu no meio da Savassi, nosso coração comercial mais bonito. Estávamos lá 22 escritores e seus textos sobre futebol. Parece piada? Parece, porque eu não sei nada sobre o riscado. Mas até que entendo de outros jogos, então dei a minha contribuição. Estão aqui a foto em que eu e Reinaldo batíamos uma bola e o texto que li lá. E é gol!

Tática para o seu time fazer gol no meu

meu quarto-zagueiro
mineiro
maneiro

deixa a defesa
e vem pro ataque

não dá moleza
banca o craque

faz um charme
toca a bola pelo meio

centro-avante
atirado, sem floreio

tá na minha área
com a canhota
nem me importa

bate firme
não me solta
nem relaxa

toca forte
e entra rasteiro

mira a rede
gol de placa
sem goleiro

Para ir além






Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 7/6/2006

Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


Mais Especial Copa 2006
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/4/2010
00h22min
Gostei muito desse texto. Não escrevo muito bem, mas consigo admirar algo bem escrito. Sobre a trajetória de grandes escritores, o texto relata uma verdade. Muitos obtiveram a glória após a morte, e isso me soa um tanto triste. Pois, lutaram muito pelo que buscavam, até morreram com esse empenho, sem ao menos ver ou obter a tão sonhada glória. Parabéns...
[Leia outros Comentários de Ronaldo Bernardes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Biografias Muito Longe de Casa Memórias de um Menino Soldado
Ishmael Heah
Ediouro
(2007)



Diários do Vampiro A Fúria
L. J. Smith
Galera Record
(2013)



Livro Literatura Estrangeira O Museu da Inocência
Orhan Pamuk
Companhia das Letras
(2011)



Alinhando as Estrelas
Jay W. Lorsch; Thomas J. Tierney
Campus
(2003)



A Ciência Médica de House
Andrew Holtz
Best Seller
(2024)



O Coelho Branco
Bruce Marshall
Mérito
(1954)



Ídolos ou ideal?
Humberto Rohden
Martin Claret
(2000)



A Chave da Alquimia
Paracelso
Três
(1983)



Livro Esoterismo O Caminho da Energia domine a arte chinesa da força interior com exercícios de Chi Kung
Mestre Lam Kam Chuen
Manole
(1991)



Livro Literatura Estrangeira Quatro Historias da Serie Divergente
Veronica Roth; Lucas Peterson
Rocco
(2014)





busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês