Eu não uso brincos | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 100 homens que mudaram a História do Mundo
>>> Entrevista com Ruy Castro
>>> Um conto-resenha anacrônico
>>> Um parque de diversões na cabeça
>>> Rindo de nossa própria miséria
>>> História da leitura (V): o livro na Era Digital
>>> Duas crises: a nossa e a deles
>>> As pessoas estão revoltadas
>>> Eu sou fiscal do Sarney
>>> Vamos sentir saudades
Mais Recentes
>>> Curso de Direito Natural de Luís Taparelli D'Azeglio, Sj;Nicolau Rosseti pela Anchieta (1945)
>>> Tiro no coração de Mikal Gilmore pela Companhia das Letras (1996)
>>> A Crise Do CapitalismoA de A Crise Do Capitalismo pela A Crise Do Capitalismo (1999)
>>> Histórias de Fadas de Oscar Wilde pela Saraiva (2015)
>>> Eu, Robô de Isaac Asimov pela Ediouro (2004)
>>> Gramatica de la lengua espantola de Emilio Alarcos Llorach pela Espasa (2015)
>>> A costureira de Dachau de Mary Chamberlain pela HarperCollins (2014)
>>> Grande Sertão. Veredas de Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (2010)
>>> The India-Rubber Men de Edgar Wallace pela London hodder & stoughton limited (1940)
>>> Flash Mx Com Actionscript - Orientado A Objetos de Francisco Tarcizo B. Junior pela Érica (2002)
>>> Destros e canhotos de José Quadros Franca pela Melhoramentos (1969)
>>> História da riqueza do homem de Leo Huberman pela Zahar (1971)
>>> Sentimentos Modernos de Maria Angela D'incao pela Brasiliense (1996)
>>> A Criança Saudável de Wilhelm Zur Linden pela Brasiliense (1977)
>>> A Mae Do Freud de Luis Fernando Veríssimo pela L&pm (1987)
>>> Irritacao - O Fogo Destruidor de Torkom Saraydarian pela Aquariana (1991)
>>> Boa Noite Punpun de Inio Asano pela JBc (2019)
>>> Biblioteca Desafios Matemáticos - 7 volumes de Vários Autores pela RBA / Editec (2023)
>>> Mude a sua Mente e Transforme a sua Vida de Gerald G. Jampolsky e Diane V. Cirincione pela Cultrix (1999)
>>> Uns e Outros: Contos Espelhados - Tag de Helena Terra e Luiz Ruffato pela Tag / Dublinense (2017)
>>> A Metafísica do Cinema de Robert Bresson de Carlos Frederico Gurgel Calvet da Silveira pela Batel (2011)
>>> Violencia Política en el Siglo XXI de Adalberto C. Agozino pela Dosyuna (2011)
>>> Religiões e Homossexualidades de Maria das Dores Campos Machado; Fernanda Delvalhas Piccolo (Orgs.) pela Fgv (2010)
>>> Jerusalém de Gonçalo M. Tavares pela Companhia das Letras (2006)
>>> Cinema, Pipoca e Piruá de Sérgio Klein pela Fundamento (2009)
COLUNAS

Quarta-feira, 27/9/2006
Eu não uso brincos
Ana Elisa Ribeiro
+ de 20700 Acessos
+ 9 Comentário(s)


Ilustra by Tartaruga Feliz

A vida inteira passei com as orelhas intactas. Nem reparo nos penduricalhos das moças. Reparo mais quando os homens os usam. Até porque acho feio. Desde criança ouvi dizer que usar brinco fazia mal. Meu pai, como eu, detestava dar manutenção em coisa que não precisava estar estragada. E orelha inflamada era uma delas.

Todas as meninas da minha sala usavam brinco. As argolas me deixavam cabreira porque eram parecidas com os adornos dos piratas de filme. Interessantes. Outras coisas não me chamavam a atenção. Brincos muito discretos me pareciam invisíveis. Brincos muito grandes me deixavam intrigada. Pensava eu que um brinco que relasse nos ombros e ali pelo pescoço deveria fazer cócegas. Curiosidade que jamais sanei. Alguém me responde, por favor?

Mas na minha meninice, usar brinco era sinal de ser feminina, embora minha mãe fosse muito vaidosa, mas também não os usasse. Todas as garotas da rua compravam brincos na feira livre da Afonso Pena. E eu ali, sem noção alguma do que seria um brinco caro ou um brinco barato. Brincos de ouro não davam alergia, era a informação que eu guardava. Quem sabe um dia ela fosse útil? Quando eu fiz 10 anos, ficou insustentável não usar brinco. Todas as minhas primas estavam na moda. Todas as minhas vizinhas compravam brincos na feira. Todas as minhas colegas de classe conversavam sobre os brincos de prata. E eu não podia falar nada. As orelhas virgens, lisas, perfeitas. O lobo aderente me deixava ainda mais sem graça. Nem aquela pelanquinha na beirada da orelha eu tinha. Pelanca que sustentava os brincos da professora e da única tia da família paterna que tinha uma orelha furada.

Aos poucos, descobri que a tradição das mulheres sem brinco era antiga e sobrevivia nas implicâncias do meu avô. Nenhuma tia podia furar orelha. Coisa de índio, diziam isso em tom pejorativo. Mas uma delas, uma heroína, furou as orelhas e passou a usar enormes brincos depois que se casou. Mas, segundo dizia a família, aquela tia não era bom exemplo. Fez tudo errado, casou com homem separado, foi morar longe, furou a orelha. Um horror. Um mito.

Aos 11 anos, pedi à empregada para me levar à farmácia. Nem me lembro com que dinheiro, furei a orelha. Pus logo um brinco bem discreto, uma pedrinha de brilho verde, banhado a ouro, para não infeccionar. Antes mesmo de chegar no hall de casa, meu irmão me delatou. Meu pai veio como se eu fosse criminosa. Arrancou-me os dois brincos das orelhas, jogou-os na privada, deu descarga e mandou que eu ficasse olhando eles escorrerem em direção ao esgoto. Atrevida. Menina sem limites. Depois, me bateu muito e ameaçou minha mãe, que tentava me socorrer. Para arrematar, um castigo de meses, até que os furos se fechassem para sempre.

Nem prestei mais atenção nas conversas das meninas. Nem quis mais saber de brincos. Aos 15 anos, já havia me esquecido da ousadia e nem queria mais pensar em como eu seria de brincos, mesmo os de argola grande.

Pior mesmo foram as vezes em que ganhei brincos de presente. As tias-avós os dão com boa intenção, embrulham para presente, com papéis dourados e vêm com olhos sutis. Quando eu abria os pacotinhos, esmerilhava meus talentos de atriz e adorava meus cabelos longuíssimos, negros, que tampavam as orelhas. Nem percebiam a gafe. Muito chato confessar as orelhas íntegras. O jeito era sorrir fino, agradecer, fingir que guardaria os brincos, que às vezes foram de ouro 18. Uma pena. E eu nem os podia dar a outra menina, com medo de que as tias-avós perguntassem. Se o fizessem, era só dizer que, por descuido, a orelha havia fechado. Mas isso não chegou a acontecer.

Mais tarde, o brinco virou piada. Se brinco em mulher merecia palmadas, imagine-se em homens. A última prova pela qual meu pai passaria seria ter um genro de brincos. Nem pensar. O namorado, se me amasse, deveria deixar as bijuterias de lado. E mesmo antes, minha escolha já era um tanto condicionada pela categoria dos apetrechos. Homem tatuado e homem de brinco eram sumariamente excluídos. Mas isso não duraria para sempre. Naquela época, não se falava em piercing. Graças a Deus.

Anéis, colares, pulseiras e relógios, tudo era permitido, mas os brincos, não. Brinco agride, brinco é arriscado. No terrorismo de sempre, meu pai narrava os casos de hospital que envolviam adolescentes, brincos, orelhas rasgadas e cirurgiões plásticos. E o terror nos deixava longe dos furos na orelha. Cruz-credo se alguém me rasgar uma orelha. E então passamos a reparar nas mulheres com orelhas levemente deformadas. E tocávamos nossas orelhas com prazer. Virgens. No meu caso, reconstituídas a tempo.

Os namoros pareciam mais seguros sem brincos. Certa vez, achei muito engraçado quando uma amiga disse ter rido até engolir os brincos. De outra feita, um amigo contava o infortúnio de engolir os brincos da ávida namorada. Seguro era usar brinco grande. De minha parte, estranhíssimo beijar as orelhas de um homem de brincos. No lugar do gosto de carne macia, eventualmente, suada, um barulho de metal e um gosto de ferrugem. Nada agradável. O aparelho ortodôntico agarrava nas argolinhas hippies. Ficção.

Mais velha, descobri que brinco era um ótimo presente para dar às amigas aniversariantes. Passei a comprá-los e a fazer estoque de lembrancinhas simpáticas. Prata, cerâmica, design raro, cor. Lindos penduricalhos de orelha. As amigas eram sofisticadas. O presente agradava e era barato. Além disso, facilitava um tipo de compra que sempre me havia irritado. Vez ou outra eu desejava um colar, mas ele vinha com os brincos, sem chance de venda separada. Uma tristeza saber que o preço era para ambos e eu não teria como usar o par. Pois bem, descobri que poderia comprar os pares. O colar, para mim, os brincos, para minha reserva de presentes oportunos.

De vez em quando alguém se irritava muito com minha condição de mulher sem brinco de pérolas. Especialmente os homens gostavam de me dizer como eu ficaria bem com este ou aquele modelo. As moças ficavam pasmas com a falta do adereço. E eu, nem aí.

Quando minha irmã mais nova passou pelo conflito de furar as orelhas, meu pai foi conciso: pergunte à sua irmã mais velha o que ela acha. Aproveite e pergunte o que eu farei com você. E a irmã desistia para sempre da empreitada.

O resultado disso foram duas mulheres de orelhas íntegras. Sem brilho, sem cor, sem adornos, ao menos nas orelhas. Se de fato os cabelos tampam, não haverão de fazer falta. As amigas dão depoimentos que nos soam intrigantes: quando saio sem brincos me sinto nua. A nós resta atentar para os relógios, que me parecem tão acessório de estilo quanto os brincos são para as outras.

E mesmo que, em geral, as pessoas não percebam a falta dos brincos, de vez em quando passo por momentos constrangedores. Na semana passada, no shopping, fui comprar uns anéis. Olhei, experimentei e reparei na vitrine dos brincos. Como adoro espirais e tenho várias, costumo transformar brincos em outras coisas (pingentes e até anéis). E mirei uma espiral enorme, de aço cirúrgico, que muito me interessou. Mas era um par de brincos que a atendente se apressou em me mostrar de perto. E disse que eu os experimentasse. E veio com eles na direção das minhas orelhas. E me apressei em recusar, dizendo a verdade: não tenho orelhas furadas. Imediatamente, a senhora passou a me contar de uma neta que também não usava brincos. Contou da menina e, mais adiante, afirmou: "Ela é muito largada! Não usa brincos". Me senti largada também. Não respondi e nem deixei que o impulso de um esporro tomasse conta da minha ação. Deixei que a velha tivesse raiva da neta e me pus logo a pagar pelos anéis. Tremenda falta de tato da vendedora. Tremendo preconceito, já que até o momento da experimentação, ela sequer havia notado a falta dos adornos. Então, até ali, eu era até arrumadinha. Não importaram minha calça bonita, meu sapato fechado, minha blusa de linha elegante, meu cabelo bem-aparado. Nada. O que deixa uma mulher "largada" é a falta do brinco. Meu filho, coitado, terá que aprender desde cedo. Para desespero do avô, meu marido não só usa dois brincos na mesma orelha como tem 3 tatuagens, das grandes, espalhadas pelo corpo. Escondemos ambos por vários meses e deixamos que meu pai fosse descobrindo tudo aos poucos. Mas é engraçado ver o bebê observar que os pais transgridem a cultura da família, um para mais, outro, para menos.



Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 27/9/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa de Elisa Andrade Buzzo
02. Ficção e previsões para um futuro qualquer de Ana Elisa Ribeiro
03. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos de Jardel Dias Cavalcanti
04. Ruy Proença: poesia em zona de confronto de Jardel Dias Cavalcanti
05. E Foram Felizes Para Sempre de Marilia Mota Silva


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/9/2006
16h03min
Anita, sua crônica, além de me ter feito dar boas risadas, só reforçou minha tendência indígena: meu amor colorido e natural pelos brincos - principalmente as argolas!
[Leia outros Comentários de Flávia Caetano]
28/9/2006
17h52min
Ana, meu pai também era contra brincos. Não deixou minha mãe furar minha orelha quando eu era bebê, pois também dizia que era coisa de índio. Mas aos treze anos furei e passei a usar todos os tipos de brincos, até os que relam no pescoço e fazem cócegas, sim! Então veio a alergia a níquel. Lutei contra ela durante toda a adolescência. Até que um dia desisti. Adeus brincos. Nem os de ouro “funcionavam” mais. Hoje não sinto falta nenhuma. E se ganho um par de presente, ou alguém pergunta, digo que um lado já fechou e o outro de vez em quando incha.
[Leia outros Comentários de Aline Ponce]
29/9/2006
15h32min
Ana, também passei por dramas assim. Não tinha as orelhas furadas. A pressão era por parte das minhas 3 irmãs mais velhas e de mim mesmo, a diferente. Minha mãe teve a infeliz idéia de não furar as minhas orelhas quando eu era ainda recém-nascida, no hospital mesmo. Não sei o porquê, talvez tenha sido porque fui eu a última tentativa de um filho homem, não fui, e não sou, com orelhas furadas ou não. Tive uma vizinha que tinha vindo da roça, fez a indecente proposta de furar minhas orelhas com agulha e linha, aquelas de costura mesmo. Eu aceitei. Aceitamos, minha mãe foi comigo. Fiz esforço pra não chorar, mas doeu à beça, e sangrou também, muito. Saí com linhas dependuradas nas orelhas. Inflamou. Nenhuma novidade, claro que inflamaria, um alcoozinho à toa não seria suficiente. Antes tivesse ido à farmácia... Uma das orelhas continuou inflamando por anos e anos, eram sempre os brincos de ouro que melhoravam. Tenho uma cicatriz na parte de trás da orelha direita...
[Leia outros Comentários de Dayse Vilas Boas]
30/9/2006
13h45min
Meu pai não é tão trágico, mas sempre me diz que, ao furar as orelhas, pode estar atingindo um nervo ou coisa parecida... É muito raro encontrar uma pessoa que nem você num mundo como hoje! Passei até minha terceira série sem brincos, até que consegui furar o primeiro e, dois anos depois, o segundo. Sinto-me bem com eles, mesmo tendo os mesmos cabelos que os escondem! Odeio os grandes ou que fazem cócegas, prefiro os discretos ou argolas pequenas, daquelas que apenas contornar as orelhas. Ainda não descobri, portanto, a qual elemento tenho alergia, meus dois furos têm, e sempre se infeccionam... E se algum dia tiver de abandonar os brincos, não me importarei tanto...
[Leia outros Comentários de Claudia H C]
30/9/2006
14h58min
Ai, Ana, morri de dó. Achei a história um massacre, uma ditadura. Eu uso 3 brincos, a minha irmã usa 7, meu irmão usa 2. Meu próximo alvo é justamente a tatuagem, eu quero fazer pelo menos 3.
[Leia outros Comentários de Daniela Castilho]
14/4/2008
09h22min
Ana, a relação do meu pai com brincos era muito parecida com a do seu pai, ainda mais que eu sou homem. Era eu falar que queria furar a orelha e pimba, lá vinha ele reclamando nervoso comigo. Pois bem, esperei até os 18 e furei no dia do meu aniversário na farmácia perto de casa. Pro meu infortúnio, inflamou... pra alegria de meu pai, eu era alérgico. Tentei mais uma vez com outro tipo e cheguei a tomar bezetassil por causa da inflamação dessa vez. Larguei de lado os brincos. Ouvi então de um amigo, em uma voz baixa, na orelha antes inflamada (afinal de contas, meu pai tava perto): "Ouro não inflama" Ahhh, voltei com meus furos no mesmo dia... não gosto de dourado, por isso uso duas argolas de ouro branco na orelha esquerda. Meu pai..., hunf..., diferente de mim com os brincos, desistiu, haha
[Leia outros Comentários de Júnior]
30/8/2008
13h13min
Tenho 14 anos e tenho desde bebê um furo em cada orelha. Usei brincos até os 6 ou 7 anos, depois perdi o único par de brincos que tinha. Como minha mãe não morava mais com a gente, meu pai me proibiu de colocar outros. Até hoje esses mesmos furos estão abertos e agora moro com minha mãe, que me deixa furar quantos quiser. Hoje, tenho muita vontade de fazer outros três furos, mas morro de medo! E todos aqueles mitos de que furar na parte lateral da orelha fura o nervo?! Gostaria que alguém que tenha esse tipo de furo me desse um conselho! Eu agradecerei comentários!
[Leia outros Comentários de Raquel]
3/6/2009
11h45min
Oi, Ana! Meu pai também não deixou eu furar a orelha com o mesmo argumento pejorativo "coisa de índio". Até se antecipou à moda e falava pra mim e para minha irmã "quando vocês crescerem, podem até furar o nariz". Dizia isso pra chocar, pois era algo inexistente - eis que surge o piercing... Enfim, diferente de você, não tive interesse em furar a orelha, até o momento. Agora, beirando meus 28 anos e com uma filha de 7 meses à tiracolo, o interesse apareceu. Como quero furar a orelhinha dela, e normalmente sou solidária às suas dores (faço assim com as vacinas, também tomo uma picadinha para lembrar de como dói), procurei um acupunturista e vou furar antes. Dependendo do "grau de dor", furo a dela também. Se mais pra frente ela decidir por não usar brincos, é só esperar o buraquinho fechar. Simples assim.
[Leia outros Comentários de Aline]
14/2/2012
23h27min
Adoreii, dei muitas risadas, mas carambaa tenho três furos na orelha e vc ta certa, inflamam muito e que desconforto desnecessário..
[Leia outros Comentários de marilia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro - Réquiem Caribenho
Brigitte Aubert
Companhia das Letras
(2001)



Macaco
Jeff Stone
Pavio
(2009)



Col Truques & Maquiagem Maquiagem para Festas
Editora Gold
Gold
(2012)



Da "bela Velhice" às "velhinhas de Bengala"
Aline Ribeiro
Letramento



Para Comer Com os Olhos
Renata Santanna
Panda Books
(2011)



Evolução para o Terceirp Milênio
Carlos Toledo Rizzini
Edicel
(1978)



O Sonho das Pedras
Vanderlei Timoteo, Ferruccio
Rhj
(1993)



Catecumenato Crismal - Gente Em Busca de Algo Mais 6ªed(1990)
Lúcio Zorzi
Paulinas
(1990)



Seu Emprego no Futuro - Voce e Esperto, Ágil, Flexível?
Carmen Nascimento
Terceiro Nome
(2006)



Livro - Primeiro de Maio / Livro de Bolso
Carlos Vogt e Outros
Imprensa Oficial
(2009)





busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês