Eu não uso brincos | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
79822 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
>>> Prêmio Sesc de Literatura abre hoje inscrições para edição 2021
>>> Jovens negros e indígenas são público-alvo de laboratório gratuito para curtas-metragens
>>> Peças de teatro serão transformadas em “radionovelas”
>>> Concurso literário vai premiar novos escritores locais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Que espécie de argumento é uma bunda?
>>> Que espécie de argumento é uma bunda?
>>> 7 de Setembro
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> O primeiro mico para o resto de nossas vidas
>>> O feitiço do tempo
>>> Antologia poética, de Carlos Drummond de Andrade
>>> YouTube, lá vou eu
Mais Recentes
>>> Os Filhos Do Amor de Paulinho Santos pela O Artífice (1997)
>>> The 100: os Escolhidos de Kass Morgan pela Galera (2014)
>>> Mônica 82 - Outubro/1993 - Horacic Park de Maurício de Sousa pela Globo (1993)
>>> Mônica 133 - Dezembro/1997 - Férias de Verão de Maurício de Sousa pela Globo (1997)
>>> Mônica 113 - Maio/1996 - Mônica, Não Mande... Peça! de Maurício de Sousa pela Globo (1996)
>>> Mônica 176 - Abril/2001 - Eterna Criança de Maurício de Sousa pela Globo (2001)
>>> A Avaliação Psicopedagogica numa Abordagem Institucional de Carolina Provvidenti pela Qualidade (2010)
>>> Revista Uniclar - Ciências da Religião - ano 8 nº 1 de Vários Autores pela Faculdades Claretianas (2006)
>>> Contagem Regressiva de Ken Follett pela Arqueiro (2018)
>>> Manuel Bandeira - as Cidades e as Musas de Antônio Carlos Secchin Organização pela Desiderata (2008)
>>> Pequeno Segredo - A Lição de Vida de Kat para a Família Schurmann de Heloisa Schurmann pela Agir (2012)
>>> Doidas e Santas de Martha Medeiros pela L&pm (2008)
>>> Pelas Praias do Mundo de Pablo Neruda pela Bertrand Brasil (2005)
>>> Caim de José Saramago pela Companhia das Letras (2009)
>>> Abc de Rachel de Queiroz de Lilian Fontes pela José Olympio (2012)
>>> As Espiãs do Dia D de Ken Follett pela Arqueiro (2015)
>>> Coleção Abc Meus primeiros passos na Leitura e aprendizagem A Estação das Folhas secas o Outono de Malgorzata Strzalkolska pela Salvat (2011)
>>> Arquitetura & construçao--setembro de 2006--dossie cimento de Abril pela Abril (2006)
>>> Arquitetura & construçao--julho de 2008--renove as paredes de Abril pela Abril (2008)
>>> Arquitetura & construçao--março de 2001--pre-fabricada de madeira. de Abril pela Abril (2001)
>>> Arquitetura & construçao--outubro de 2012--como usar e onde comprar madeira sustentavel. de Abril pela Abril (2012)
>>> Os 13 Porquês de Jay Asher pela Ática (2009)
>>> Superando os Desafios Íntimos de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2006)
>>> Sua Alteza Real (Royals 2) de Rachel Hawkins pela Alt (2020)
>>> A República Cantada do Choro ao Funk, a História do Brasil Através da Música de André Diniz e Diogo Cunha pela Zahar (2014)
>>> Uq Holder! - Vol. 5 EAN: 9788545702429 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Peça e Será Atendido de Esther e Jerry Hicks pela Sextante (2007)
>>> Uq Holder! - Vol. 4 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Mata-me de Prazer de Nicci French pela Record (2002)
>>> O Escaravelho do Diabo 2ªd. de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1974)
>>> Cangaceirismo do Nordeste de Antônio Barroso Pontes pela O Cruzeiro (1973)
>>> Uq Holder! - Vol. 2 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Bíblia Sagrada de Não informado pela Presbiteriana (1993)
>>> Gramática Reflexiva de William Cereja e Thereza Cochar pela Atual (2013)
>>> Jornadas.geo: geografia 9º ano de Marcelo Moraes Paula e Ângela Rama pela Saraiva (2016)
>>> Magi: O labirinto da magia - Vol. 25 de Shinobu Ohtaka pela Jbc (2016)
>>> As Aventuras de Tibicuera de Erico Verissimo pela Globo (1997)
>>> I-World 4 de Michael Downie, David Gray e Juan Manuel Jimenez pela Edições SM (2018)
>>> Mulheres do Evangelho de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2009)
>>> To Love Ru - Vol. 16 de Kentaro Yabuki e Saki Hasemi pela Jbc (2018)
>>> Retórica de Aristóteles pela Edipro (2013)
>>> Planejamento na Sala de Aula de Danilo Gandin e Carlos Henrique Carrilho Cruz pela Sem Identificação (1995)
>>> Língua Portuguesa 9 de Everaldo Nogueira, Greta Marchetti e Mirella L. Cleto pela Edições SM (2019)
>>> Quarta-feira de Eric Nepomuceno pela Record (1998)
>>> Araribá Plus - Ciências - 9 de Obra coletiva pela Moderna (2018)
>>> Saúde na Terceira Idade de Hermógenes pela Nova Era (1996)
>>> Estudar História - das origens do homem á era digital - 9º de Patrícia Ramos Braick e Anna Barreto pela Moderna (2018)
>>> Geografia 9º ano de Fernando dos Santos Sampaio e Marlon Clovis Medeiros pela Edições SM (2019)
>>> Logistica e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição de Novaes Antonio Galvão pela Campus (2005)
>>> Cavaleiros do Zodíaco - Saintia Shô - Vol. 8 de Masami Kurumada e Chimake Kuore pela Jbc (2016)
COLUNAS

Quarta-feira, 27/9/2006
Eu não uso brincos
Ana Elisa Ribeiro

+ de 18200 Acessos
+ 9 Comentário(s)


Ilustra by Tartaruga Feliz

A vida inteira passei com as orelhas intactas. Nem reparo nos penduricalhos das moças. Reparo mais quando os homens os usam. Até porque acho feio. Desde criança ouvi dizer que usar brinco fazia mal. Meu pai, como eu, detestava dar manutenção em coisa que não precisava estar estragada. E orelha inflamada era uma delas.

Todas as meninas da minha sala usavam brinco. As argolas me deixavam cabreira porque eram parecidas com os adornos dos piratas de filme. Interessantes. Outras coisas não me chamavam a atenção. Brincos muito discretos me pareciam invisíveis. Brincos muito grandes me deixavam intrigada. Pensava eu que um brinco que relasse nos ombros e ali pelo pescoço deveria fazer cócegas. Curiosidade que jamais sanei. Alguém me responde, por favor?

Mas na minha meninice, usar brinco era sinal de ser feminina, embora minha mãe fosse muito vaidosa, mas também não os usasse. Todas as garotas da rua compravam brincos na feira livre da Afonso Pena. E eu ali, sem noção alguma do que seria um brinco caro ou um brinco barato. Brincos de ouro não davam alergia, era a informação que eu guardava. Quem sabe um dia ela fosse útil? Quando eu fiz 10 anos, ficou insustentável não usar brinco. Todas as minhas primas estavam na moda. Todas as minhas vizinhas compravam brincos na feira. Todas as minhas colegas de classe conversavam sobre os brincos de prata. E eu não podia falar nada. As orelhas virgens, lisas, perfeitas. O lobo aderente me deixava ainda mais sem graça. Nem aquela pelanquinha na beirada da orelha eu tinha. Pelanca que sustentava os brincos da professora e da única tia da família paterna que tinha uma orelha furada.

Aos poucos, descobri que a tradição das mulheres sem brinco era antiga e sobrevivia nas implicâncias do meu avô. Nenhuma tia podia furar orelha. Coisa de índio, diziam isso em tom pejorativo. Mas uma delas, uma heroína, furou as orelhas e passou a usar enormes brincos depois que se casou. Mas, segundo dizia a família, aquela tia não era bom exemplo. Fez tudo errado, casou com homem separado, foi morar longe, furou a orelha. Um horror. Um mito.

Aos 11 anos, pedi à empregada para me levar à farmácia. Nem me lembro com que dinheiro, furei a orelha. Pus logo um brinco bem discreto, uma pedrinha de brilho verde, banhado a ouro, para não infeccionar. Antes mesmo de chegar no hall de casa, meu irmão me delatou. Meu pai veio como se eu fosse criminosa. Arrancou-me os dois brincos das orelhas, jogou-os na privada, deu descarga e mandou que eu ficasse olhando eles escorrerem em direção ao esgoto. Atrevida. Menina sem limites. Depois, me bateu muito e ameaçou minha mãe, que tentava me socorrer. Para arrematar, um castigo de meses, até que os furos se fechassem para sempre.

Nem prestei mais atenção nas conversas das meninas. Nem quis mais saber de brincos. Aos 15 anos, já havia me esquecido da ousadia e nem queria mais pensar em como eu seria de brincos, mesmo os de argola grande.

Pior mesmo foram as vezes em que ganhei brincos de presente. As tias-avós os dão com boa intenção, embrulham para presente, com papéis dourados e vêm com olhos sutis. Quando eu abria os pacotinhos, esmerilhava meus talentos de atriz e adorava meus cabelos longuíssimos, negros, que tampavam as orelhas. Nem percebiam a gafe. Muito chato confessar as orelhas íntegras. O jeito era sorrir fino, agradecer, fingir que guardaria os brincos, que às vezes foram de ouro 18. Uma pena. E eu nem os podia dar a outra menina, com medo de que as tias-avós perguntassem. Se o fizessem, era só dizer que, por descuido, a orelha havia fechado. Mas isso não chegou a acontecer.

Mais tarde, o brinco virou piada. Se brinco em mulher merecia palmadas, imagine-se em homens. A última prova pela qual meu pai passaria seria ter um genro de brincos. Nem pensar. O namorado, se me amasse, deveria deixar as bijuterias de lado. E mesmo antes, minha escolha já era um tanto condicionada pela categoria dos apetrechos. Homem tatuado e homem de brinco eram sumariamente excluídos. Mas isso não duraria para sempre. Naquela época, não se falava em piercing. Graças a Deus.

Anéis, colares, pulseiras e relógios, tudo era permitido, mas os brincos, não. Brinco agride, brinco é arriscado. No terrorismo de sempre, meu pai narrava os casos de hospital que envolviam adolescentes, brincos, orelhas rasgadas e cirurgiões plásticos. E o terror nos deixava longe dos furos na orelha. Cruz-credo se alguém me rasgar uma orelha. E então passamos a reparar nas mulheres com orelhas levemente deformadas. E tocávamos nossas orelhas com prazer. Virgens. No meu caso, reconstituídas a tempo.

Os namoros pareciam mais seguros sem brincos. Certa vez, achei muito engraçado quando uma amiga disse ter rido até engolir os brincos. De outra feita, um amigo contava o infortúnio de engolir os brincos da ávida namorada. Seguro era usar brinco grande. De minha parte, estranhíssimo beijar as orelhas de um homem de brincos. No lugar do gosto de carne macia, eventualmente, suada, um barulho de metal e um gosto de ferrugem. Nada agradável. O aparelho ortodôntico agarrava nas argolinhas hippies. Ficção.

Mais velha, descobri que brinco era um ótimo presente para dar às amigas aniversariantes. Passei a comprá-los e a fazer estoque de lembrancinhas simpáticas. Prata, cerâmica, design raro, cor. Lindos penduricalhos de orelha. As amigas eram sofisticadas. O presente agradava e era barato. Além disso, facilitava um tipo de compra que sempre me havia irritado. Vez ou outra eu desejava um colar, mas ele vinha com os brincos, sem chance de venda separada. Uma tristeza saber que o preço era para ambos e eu não teria como usar o par. Pois bem, descobri que poderia comprar os pares. O colar, para mim, os brincos, para minha reserva de presentes oportunos.

De vez em quando alguém se irritava muito com minha condição de mulher sem brinco de pérolas. Especialmente os homens gostavam de me dizer como eu ficaria bem com este ou aquele modelo. As moças ficavam pasmas com a falta do adereço. E eu, nem aí.

Quando minha irmã mais nova passou pelo conflito de furar as orelhas, meu pai foi conciso: pergunte à sua irmã mais velha o que ela acha. Aproveite e pergunte o que eu farei com você. E a irmã desistia para sempre da empreitada.

O resultado disso foram duas mulheres de orelhas íntegras. Sem brilho, sem cor, sem adornos, ao menos nas orelhas. Se de fato os cabelos tampam, não haverão de fazer falta. As amigas dão depoimentos que nos soam intrigantes: quando saio sem brincos me sinto nua. A nós resta atentar para os relógios, que me parecem tão acessório de estilo quanto os brincos são para as outras.

E mesmo que, em geral, as pessoas não percebam a falta dos brincos, de vez em quando passo por momentos constrangedores. Na semana passada, no shopping, fui comprar uns anéis. Olhei, experimentei e reparei na vitrine dos brincos. Como adoro espirais e tenho várias, costumo transformar brincos em outras coisas (pingentes e até anéis). E mirei uma espiral enorme, de aço cirúrgico, que muito me interessou. Mas era um par de brincos que a atendente se apressou em me mostrar de perto. E disse que eu os experimentasse. E veio com eles na direção das minhas orelhas. E me apressei em recusar, dizendo a verdade: não tenho orelhas furadas. Imediatamente, a senhora passou a me contar de uma neta que também não usava brincos. Contou da menina e, mais adiante, afirmou: "Ela é muito largada! Não usa brincos". Me senti largada também. Não respondi e nem deixei que o impulso de um esporro tomasse conta da minha ação. Deixei que a velha tivesse raiva da neta e me pus logo a pagar pelos anéis. Tremenda falta de tato da vendedora. Tremendo preconceito, já que até o momento da experimentação, ela sequer havia notado a falta dos adornos. Então, até ali, eu era até arrumadinha. Não importaram minha calça bonita, meu sapato fechado, minha blusa de linha elegante, meu cabelo bem-aparado. Nada. O que deixa uma mulher "largada" é a falta do brinco. Meu filho, coitado, terá que aprender desde cedo. Para desespero do avô, meu marido não só usa dois brincos na mesma orelha como tem 3 tatuagens, das grandes, espalhadas pelo corpo. Escondemos ambos por vários meses e deixamos que meu pai fosse descobrindo tudo aos poucos. Mas é engraçado ver o bebê observar que os pais transgridem a cultura da família, um para mais, outro, para menos.



Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 27/9/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As pedras de Estevão Azevedo de Wellington Machado
02. Alice in Chains, Rainier Fog (2018) de Luís Fernando Amâncio
03. Neste Natal etc. e tal de Elisa Andrade Buzzo
04. Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida de Heloisa Pait
05. Os dilemas de uma sociedade em Escudo de Palha de Guilherme Carvalhal


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/9/2006
16h03min
Anita, sua crônica, além de me ter feito dar boas risadas, só reforçou minha tendência indígena: meu amor colorido e natural pelos brincos - principalmente as argolas!
[Leia outros Comentários de Flávia Caetano]
28/9/2006
17h52min
Ana, meu pai também era contra brincos. Não deixou minha mãe furar minha orelha quando eu era bebê, pois também dizia que era coisa de índio. Mas aos treze anos furei e passei a usar todos os tipos de brincos, até os que relam no pescoço e fazem cócegas, sim! Então veio a alergia a níquel. Lutei contra ela durante toda a adolescência. Até que um dia desisti. Adeus brincos. Nem os de ouro “funcionavam” mais. Hoje não sinto falta nenhuma. E se ganho um par de presente, ou alguém pergunta, digo que um lado já fechou e o outro de vez em quando incha.
[Leia outros Comentários de Aline Ponce]
29/9/2006
15h32min
Ana, também passei por dramas assim. Não tinha as orelhas furadas. A pressão era por parte das minhas 3 irmãs mais velhas e de mim mesmo, a diferente. Minha mãe teve a infeliz idéia de não furar as minhas orelhas quando eu era ainda recém-nascida, no hospital mesmo. Não sei o porquê, talvez tenha sido porque fui eu a última tentativa de um filho homem, não fui, e não sou, com orelhas furadas ou não. Tive uma vizinha que tinha vindo da roça, fez a indecente proposta de furar minhas orelhas com agulha e linha, aquelas de costura mesmo. Eu aceitei. Aceitamos, minha mãe foi comigo. Fiz esforço pra não chorar, mas doeu à beça, e sangrou também, muito. Saí com linhas dependuradas nas orelhas. Inflamou. Nenhuma novidade, claro que inflamaria, um alcoozinho à toa não seria suficiente. Antes tivesse ido à farmácia... Uma das orelhas continuou inflamando por anos e anos, eram sempre os brincos de ouro que melhoravam. Tenho uma cicatriz na parte de trás da orelha direita...
[Leia outros Comentários de Dayse Vilas Boas]
30/9/2006
13h45min
Meu pai não é tão trágico, mas sempre me diz que, ao furar as orelhas, pode estar atingindo um nervo ou coisa parecida... É muito raro encontrar uma pessoa que nem você num mundo como hoje! Passei até minha terceira série sem brincos, até que consegui furar o primeiro e, dois anos depois, o segundo. Sinto-me bem com eles, mesmo tendo os mesmos cabelos que os escondem! Odeio os grandes ou que fazem cócegas, prefiro os discretos ou argolas pequenas, daquelas que apenas contornar as orelhas. Ainda não descobri, portanto, a qual elemento tenho alergia, meus dois furos têm, e sempre se infeccionam... E se algum dia tiver de abandonar os brincos, não me importarei tanto...
[Leia outros Comentários de Claudia H C]
30/9/2006
14h58min
Ai, Ana, morri de dó. Achei a história um massacre, uma ditadura. Eu uso 3 brincos, a minha irmã usa 7, meu irmão usa 2. Meu próximo alvo é justamente a tatuagem, eu quero fazer pelo menos 3.
[Leia outros Comentários de Daniela Castilho]
14/4/2008
09h22min
Ana, a relação do meu pai com brincos era muito parecida com a do seu pai, ainda mais que eu sou homem. Era eu falar que queria furar a orelha e pimba, lá vinha ele reclamando nervoso comigo. Pois bem, esperei até os 18 e furei no dia do meu aniversário na farmácia perto de casa. Pro meu infortúnio, inflamou... pra alegria de meu pai, eu era alérgico. Tentei mais uma vez com outro tipo e cheguei a tomar bezetassil por causa da inflamação dessa vez. Larguei de lado os brincos. Ouvi então de um amigo, em uma voz baixa, na orelha antes inflamada (afinal de contas, meu pai tava perto): "Ouro não inflama" Ahhh, voltei com meus furos no mesmo dia... não gosto de dourado, por isso uso duas argolas de ouro branco na orelha esquerda. Meu pai..., hunf..., diferente de mim com os brincos, desistiu, haha
[Leia outros Comentários de Júnior]
30/8/2008
13h13min
Tenho 14 anos e tenho desde bebê um furo em cada orelha. Usei brincos até os 6 ou 7 anos, depois perdi o único par de brincos que tinha. Como minha mãe não morava mais com a gente, meu pai me proibiu de colocar outros. Até hoje esses mesmos furos estão abertos e agora moro com minha mãe, que me deixa furar quantos quiser. Hoje, tenho muita vontade de fazer outros três furos, mas morro de medo! E todos aqueles mitos de que furar na parte lateral da orelha fura o nervo?! Gostaria que alguém que tenha esse tipo de furo me desse um conselho! Eu agradecerei comentários!
[Leia outros Comentários de Raquel]
3/6/2009
11h45min
Oi, Ana! Meu pai também não deixou eu furar a orelha com o mesmo argumento pejorativo "coisa de índio". Até se antecipou à moda e falava pra mim e para minha irmã "quando vocês crescerem, podem até furar o nariz". Dizia isso pra chocar, pois era algo inexistente - eis que surge o piercing... Enfim, diferente de você, não tive interesse em furar a orelha, até o momento. Agora, beirando meus 28 anos e com uma filha de 7 meses à tiracolo, o interesse apareceu. Como quero furar a orelhinha dela, e normalmente sou solidária às suas dores (faço assim com as vacinas, também tomo uma picadinha para lembrar de como dói), procurei um acupunturista e vou furar antes. Dependendo do "grau de dor", furo a dela também. Se mais pra frente ela decidir por não usar brincos, é só esperar o buraquinho fechar. Simples assim.
[Leia outros Comentários de Aline]
14/2/2012
23h27min
Adoreii, dei muitas risadas, mas carambaa tenho três furos na orelha e vc ta certa, inflamam muito e que desconforto desnecessário..
[Leia outros Comentários de marilia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sempre um Colegial
John Le Carré
Circulo do Livro
R$ 25,90



Geração Subzero
Felipe Pena, Thalita Rebouças, André Vianco
Record
(2012)
R$ 17,00



Maya - Romance
Jostein Gaarder
Companhia das Letras
(2000)
R$ 33,00



Viva Com Mais Saúde
Jose Antonio Franchini Ramires
Phorte
(2009)
R$ 7,00



Civilização e Outros Contos
Eça de Queiroz
Ediouro
(1991)
R$ 5,00



Ler Viver e Amar Em los Angeles
Jennifer Kaufman e Karen Mack
Casa da Palavra
(2008)
R$ 6,00



O Guia do Mochileiro das Galáxias
Douglas A13:D28Adams
Sextante
(2009)
R$ 24,90



Depois da Montanha Azul
Christiane Gribel; Bebel Callage
Salamandra
(2013)
R$ 18,00



O Avesso das Coisas
Carlos Drummond de Andrade
Record
(1987)
R$ 20,00



Frei Francisco e o Movimento Franciscano
David Flood
Vozes
(1983)
R$ 60,00





busca | avançada
79822 visitas/dia
2,4 milhões/mês