Eu não sou jornalista! | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
42220 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 23/6/2009
Eu não sou jornalista!
Rafael Rodrigues

+ de 4800 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Primeiro, foi um amigo. Depois, minha irmã. Ambos disseram que, com o fim da obrigatoriedade do diploma de Jornalismo, eu sou jornalista. Dei a mesma resposta aos dois: não, eu não sou jornalista. Eles, são, mas enfim.

Escrevo para sites diversos há pelo menos seis anos. No princípio, ficção. Depois, resenhas de livros. Nos últimos tempos tenho me arriscado de vez em quando em um ou outro texto mais jornalístico, mas que não posso chamar de "matéria". Talvez, muito talvez, de artigo.

Tive meu primeiro texto impresso num jornal há já não sei quanto tempo, republicação de uma coluna publicada no Digestivo. Antes disso, apenas uma crônica num jornal aqui da cidade. Mas a renego, porque enviei o texto digitado corretamente, devidamente revisado, e conseguiram publicá-lo com erros gramaticais (do revisor do jornal!).

Mas divago. O assunto aqui é o fim da obrigatoriedade do diploma de Jornalismo.

A decisão do STF já vinha sendo cantada faz tempo. Ridículo seria a manutenção da obrigatoriedade. Isso para quem não é jornalista ― e, é bom que se diga, para um bom número deles; inclusive nomes como Zuenir Ventura e Caio Túlio Costa (ambos a favor dos cursos de jornalismo, mas não da obrigatoriedade do diploma para a profissão ser exercida). Muitos jornalistas continuam reclamando bastante da decisão ― e não tiro a razão deles. Mas é preciso relembrar algumas coisas e apontar outras que, no calor do momento, são "esquecidas".

Mas, antes, uma pequena recapitulação.

Eu já vinha pensando na ideia, mas foi em setembro de 2001, 11 de setembro de 2001, ainda chocado com o atentado que a al-Qaeda fez ao World Trade Center, que eu decidi que faria jornalismo. Custasse o que custasse, eu faria jornalismo e iria atrás da verdade, das informações difíceis, faria reportagens importantíssimas e de utilidade pública. Desmascararia políticos corruptos, descobriria esquemas de policiais desonestos e empresários sem escrúpulos. Revelaria, também, claro, o lado sujo da profissão, as barbaridades que colegas de trabalho fazem para conseguir uma notícia, os absurdos que fazem para emplacar uma reportagem de capa, ou de primeira página ― muitas vezes escrevendo/publicando mentiras. Isso tudo por conta de um único objetivo: alcançar o prestígio necessário para ser "promovido" a jornalista de guerra.

Foi apenas um sonho.

No fim daquele ano prestei vestibular para Jornalismo (ou Comunicação Social, fica a critério do leitor) na Universidade Federal da Paraíba ― zerei uma das provas de Física (a do segundo dia, se não me engano; foram três dias de provas) e fui eliminado. Na mesma época, me inscrevi para o vestibular da Universidade Federal de Sergipe ― cuja prova não cheguei a fazer, por questões financeiras e porque já havia passado em Letras na Estadual da minha cidade (na verdade, não me deixaram fazer o vestibular em Aracaju).

Paciência. A vida toma rumos que, apesar de no início não acharmos bons, no fim sabemos que não seria melhor de outro jeito. Fosse eu para a Paraíba ou para Aracaju, não estaria hoje com minha noiva e talvez não estivesse hoje no Digestivo, fazendo o que eu gosto, e escrevendo para revistas e jornais, outra coisa de que gosto bastante.

Mas, enfim, divago novamente.

Longe do curso de jornalismo e das reportagens mirabolantes que pretendia escrever, me vi com apenas uma saída: investir na escrita e tentar, com o aprimoramento dela, conseguir espaço em algum veículo (ou veículos). Havia a possibilidade de poder trabalhar em algum jornal da cidade ou mesmo na rede de TV afiliada da Globo. O curso de Jornalismo só veio chegar por aqui recentemente e, até então, a maioria dos profissionais de mídia da cidade era do curso de Letras.

Logo no início do curso, em maio de 2002, tentei conseguir uma vaga de trabalho na imprensa, sem sucesso. Ainda passei algum tempo tentando, mas, em 2003, ressentido e magoado, direcionei todas as minhas forças para a internet ― eu já blogava, mas passei a levar a escrita mais a sério. Minha intenção era conseguir um espaço na rede para, depois, com alguma experiência, finalmente conquistar uma vaga em algum jornal local.

E assim, de poema em poema, de conto em conto, de crônica em crônica, de resenha em resenha, de site em site, fui parar no Paralelos, donde cheguei a ser "nomeado" como "Gerente de Conteúdo" no expediente, por ter ajudado na edição (e seleção de textos) de duas ou três edições do site, e por meio que editar o Blog Paralelos durante cerca de 1 ano, entre 2005 e 2006. Depois dessa quase epopeia, cheguei a este Digestivo Cultural, que comecei revisando, depois passei a assistente editorial e, finalmente, em 2007, fui promovido a editor-assistente.

A função de editor é um cargo jornalístico, e o Digestivo Cultural é um site-referência de jornalismo cultural na internet. Porque há a cobertura de eventos culturais, há o resenhismo de livros, discos e filmes, há o articulismo ― que, em alguns casos, muito se aproxima das matérias, tamanhas são as pesquisas que alguns colunistas e colaboradores fazem para escrever seus textos e tamanhas são as referências que utilizam.

Além disso, tenho esta coluna. E "colunista" é outra palavra imediatamente associada ao jornalismo. Depois de me consolidar como colunista, voltei a colaborar com outros veículos, tendo textos publicados em alguns jornais e revistas. (Poucos textos, é verdade, mas acredito que seja apenas o começo.)

Por tudo isso, alguns dizem que sou jornalista. Mas não sou. Já me chamaram até de repórter ― o pessoal do Portugal Telecom me definiu assim, nos últimos dois anos em que integrei o seu júri inicial. No meio literário, já fiz um arremedo de trabalho de repórter. Na cobertura que fiz da Bienal do Livro Bahia de 2005 ― a mais ambiciosa e completa que fiz até hoje, mas a mais pobre em termos de qualidade de texto ― eu entrevistei livreiros, solicitei ― e fiz uso ― de número de público à assessoria de imprensa do evento, conferi a movimentação nos espaços destinados a poesia, prosa e cordel, enfim, fiz realmente um trabalho que pode ser chamado de jornalístico. Mas não sou jornalista.

(Acho que estou perdendo o fio da meada. E um jornalista não pode perdê-lo. Portanto, não sou mesmo um jornalista.)

Além de cobrir outras duas Bienais (2007 e 2009) e uma FLIP, entrevistei diversos escritores, resenhei vários livros, escrevi muitas colunas e quase-artigos. Mas nada disso faz de mim um jornalista, "rótulo" que, apesar da insistência de alguns em me dar, sempre refutei. Não por (falsa) modéstia. E sim por saber que o trabalho de jornalista exige uma responsabilidade que, apesar de eu almejar e também ter, não me cai como peso nos ombros. Como resenhista, faço o que posso ― o melhor que posso. Tento sempre fazer o melhor dentro das minhas possibilidades. Quando parei para escrever a resenha de Leite derramado, de Chico Buarque, eu não queria apenas escrever um texto sobre o livro. Queria escrever o melhor texto que eu poderia ter escrito sobre ele ― creio que consegui. Quando entrevistei Alberto Mussa, não queria apenas entrevistá-lo, queria arrancar dele alguma declaração diferente das que ele deu em outras entrevistas ― e consegui. Quando vou escrever um texto, quero dizer algo que alguém não disse ainda, mostrar ao leitor algo que ninguém ainda destacou. Não se trata apenas de apresentar uma informação inédita por simples vaidade, mas por vontade de fazer algo bem feito. De deixar uma marca, dizer algo relevante. Mesmo não sendo jornalista. Mesmo sendo apenas um resenhista (ou colunista ou "quase-articulista").

Voltando à queda do diploma. Vejo muita gente reclamando no Twitter e nos blogs afora. Mas é curioso como algumas das pessoas que reclamam são as mesmas que, não muito tempo atrás, me desestimulavam quando eu comentava que queria fazer Jornalismo. Diziam que o curso é uma droga, que não serve pra nada, que eu estava melhor fazendo Letras porque eu poderia atuar em mais áreas (inclusive fazendo jornalismo cultural) etc. Eu achava engraçado, pensava que a pessoa estava passando por uma daquelas crises que todos nós passamos e seguia com minha ideia de, no mínimo, fazer uma especialização na área.

Hoje, essa vontade está mudando um pouco, e estou começando pensar em fazer uma nova graduação ― em Jornalismo, claro. Dura mais tempo que uma especialização, mas acredito que eu sairia no lucro. Às vezes parece que tento desparafusar uma fechadura com uma faca, em vez de usar a chave de fenda apropriada. Ou seja: às vezes sinto que não tenho a ferramenta correta, ou, pior, não a conheço. Se alguns (jornalistas!) dizem que o diploma de Jornalismo não serve para nada, digo que minha formação em Letras ― que está custando a sair, mas sai ― também não servirá pra nada. Mas tanto eles quanto eu estamos mentindo. É óbvio que ambos diplomas servem e servirão. Tudo na vida serve para alguma coisa. Vejam, por exemplo, o bem que faz o esterco.

Uma das maiores preocupações da classe com essa decisão do STF é em relação ao piso salarial. Os jornalistas temem que, com a possibilidade de as empresas contratarem não-formados para exercerem a profissão, os salários caiam bastante, tendo em vista que esses não-jornalistas topam tudo por dinheiro. Se é fato que eu aceitaria qualquer merreca pra trabalhar no Estadão, é fato também que muito provavelmente eu entraria em curto circuito na véspera de um fechamanto de edição, com algum editor gritando "RAFAEL, DROGA, CADÊ A MATÉRIA?". Ok, estou me subestimando, eu daria conta do trabalho. Mas porque, além de ter alguma experiência na área, eu sou muito cabeça dura e só acabo uma coisa quando termino. Mas não é qualquer um que consegue dar conta de trabalhar num jornal, revista ou site. Então, isso de jornalistas serem substituídos da noite para o dia por não-jornalistas é algo que simplesmente não entra em minha cabeça. Até porque as empresas de mídia, esperamos todos, têm ainda alguma preocupação com o conteúdo que publica, e não iria contratar um cara como eu para escrever sobre, por exemplo, as eleições no Irã.

Só os jornalistas sabem pelo que eles passam. E eu, pelo trabalho que venho desenvolvendo há alguns anos, sei alguma coisa sobre isso. É entrevistado que dá uma de estrela (ou de chato; ou de ambos!), é matéria que é complicada de ser executada, é entrevista que não dá certo ou pauta que é cancelada, é perna que dói de tanto andar, cabeça que quase explode de tanto pensar, teclado arriscando ser esmurrado etc.

Então, jornalistas, fiquem tranquilos. Ninguém vai tomar o emprego de vocês. Ninguém quer entrar numa redação às 08:00 e sair às 20:00, 21:00 ou 22:00. Ninguém quer ir naquela boca de fumo conversar com um informante (ou fonte?). Ninguém quer subir o morro para tentar falar com o chefe do tráfico. (Ah, mas eu quero, ein? Sabendo de uma vaga, me avisa!)

Sabe o que todo mundo quer? Tudinho já mastigado, prontinho e revisado, pra republicar nos blogs por aí...


Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 23/6/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os gastos da família brasileira com cultura de Marcelo Maroldi
02. Uma nova tendência estética de Marcos Silva
03. Marçal Aquino: o Rei do Clima de Rennata Airoldi
04. Todos querem ser cool de Adriana Baggio
05. Darwinismo Miserável de Carlos Benites


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2009
01. Meus melhores livros de 2008 - 6/1/2009
02. Sociedade dos Poetas Mortos - 10/11/2009
03. Indignação, de Philip Roth - 27/10/2009
04. No line on the horizon, do U2 - 24/2/2009
05. A resistência, de Ernesto Sabato - 15/9/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/6/2009
00h05min
Ótimo ponto de vista! Sortudo o grupo Digestivo, que tem um comunicólogo comprometido com o "fazer bem feito". A este, os jornalistas mornos (e assustados com a história do diploma) devem ficar atentos: sem pieguice, tudo é aprendizado.
[Leia outros Comentários de Marcia Silva]
23/6/2009
09h40min
Rafael, sabe o que é mais irônico do teu texto? É que você já fez um pouco de tudo na área de jornalismo e ainda assim não se considera um profissional por pura modéstia. Desculpas, mas acredito que seu conceito de jornalista está um pouco desatualizado, já que as redações e os perrengues típicos da profissão estão sendo substituídos pela comodidade da internet. Ótimo texto (para variar)!
[Leia outros Comentários de Amábile Grillo]
23/6/2009
09h44min
Parabéns pelo excelente texto! Além de expor o que de fato é a profissão de jornalista, você conseguiu deixar o texto bastante motivacional!
[Leia outros Comentários de Leonardo Araújo]
29/6/2009
13h24min
Desculpa, Rafael, mas não posso dizer que gostei do seu texto. Você exerce liberdade de expressão desde que começou a escrever. Não é isso que os jornalistas estão questionando. Quem disse que o Drauzio Varella não pode fazer um quadro no Fantástico só porque não é jornalista? A capacidade intelectual varia de pessoa pra pessoa. Sugiro que acesse o site da Fenaj e leia algumas matérias. Outra coisa, Comunicação Social e Jornalismo não são a mesma coisa. Numa faculdade de Comunicação Social você estuda TAMBÉM o jornalismo, e possui licença para atuar na área. Porém, o conteúdo é diferente. Enfim, está aí o direito de expressão como uma prova de que todas as pessoas podem se expressar... Porém, as rotinas produtivas de uma redação, o formato de um texto jornalístico e a ética da profissão, só quem fez uma faculdade pode saber.
[Leia outros Comentários de giovana]
29/6/2009
22h53min
Rafael, quem é você para contrariar a opinião de 7 juízes formados em direito? Afinal, não é o diploma que capacita para uma profissão? Se você não é advogado, não pode palpitar - cada macaco no seu galho. Mas só que o diploma deles lhes permite tomar decisões desse tipo - sobre as demais profissões. Punk, não é verdade? Essa é mais uma prova de que diploma, por si só, não é sinônimo de capacitação profissional. E chega de modéstia exagerada. Pode soar como arrogância, né? Se o STF disse que sim, quem somos nós para ir contra a lei? Não é tudo uma questão de diploma? Se não concordar com isso - então o argumento só serve para eles e não serve para nós? Seria incoerência, não? Sucesso. Você escreve bem. Quem dera todos os jornalistas (diplomados ou não), dominassem assim o próprio idioma.
[Leia outros Comentários de Débora Carvalho]
25/9/2009
07h49min
Amei seu texto, tenho uma CIA de imprensa em São Paulo. Estaremos completando 8 anos em 2010! Nunca li um texto tão bem elaborado em toda minha vida! Amei o final, rsrs! Sou "jornalista" assim como você, até porta-voz do Michael Jackson no Brasil eu fui e publiquei a primeira biografia brasileira do Rei do Pop, pela editora Planeta! Desejo sucesso no jornalismo! Jonathan Crociatti
[Leia outros Comentários de Jonathan Crociatti]
20/2/2010
12h07min
Olá, Rafael! Gostei do seu texto e penso o seguinte: você pode não ter o diploma (ainda), mas tem algo muito mais importante: o SANGUE de um jornalista! O Diploma é questão de tempo, e eu sugiro que, para que você não se sinta mais como se estivesse "Às vezes tentando desparafusar uma fechadura com uma faca, em vez de usar a chave de fenda apropriada", você se realize nesse outro lado também. Me identifiquei contigo por também ter cursado Letras; e com a tua experiência na UFPB: tentei Jornalismo lá, ano passado, zerei em FÍSICA na segunda prova e fui eliminada por isso... Foi difícil, mas olha só: ontem fiz a minha matrícula para Jornalismo na Federal do Ceará!!! Quer dizer, EU QUIS, corri atrás e vou cursar, finalmente, o que sempre me atraiu: JORNAL! Agora, lendo esse texto, estou certa de que não é uma questão de diploma e sim de DOM!!! Parabéns, e cursa, sim, se isso te faz melhor! Viu? Abraços!
[Leia outros Comentários de Zilma Duarte]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O DEGRAU
EVELYN MELLO
TODAS AS MUSAS
(2019)
R$ 35,00
+ frete grátis



DEUS - ELE EXIS TE? ONDE SE ENCONTRA? QUAIS SÃO E ONDE ESTÃO SUAS LEIS?
ORSON PETER CARRARA
MYTHOS
(2013)
R$ 12,90



DESCOBRINDO O BRASIL
JUCA BRASILEIRO
MELHORAMENTOS
(2008)
R$ 12,90



MODERNA PLUS FÍSICA 2 - 10ª ED ALUNO COMPLETO
RAMALHO
MODERNA
(2014)
R$ 19,90



A DERRAMA CONTEMPORÂNEA - E A QUESTÃO DO IMPOSTO ÚNICO
FLÁVIO ROCHA
TOPBOOKS
(1992)
R$ 36,65
+ frete grátis



VIVIR, AMAR Y APRENDER
LEO BUSCAGLIA
EMECÉ
(1984)
R$ 5,00



O MAIOR VENDEDOR DO MUNDO
OG MANDINO
RECORD
(1968)
R$ 22,50



CLEFS POUR LE STRUCTURALISME
JEAN MARIE AUZIAS
SEGHERS
(1971)
R$ 9,82



CAMINHOS DO BOI
CANDIDA GANCHO/VERA TOLEDO
MODERNA
R$ 10,00



NOVO TESTAMENTO
METODISTA
VIDA NOVA
(2006)
R$ 25,00
+ frete grátis





busca | avançada
42220 visitas/dia
1,3 milhão/mês