Meus melhores livros de 2008 | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Barril
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Quatro Mitos sobre Internet - parte 1
>>> Da capo
>>> Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado
>>> 5ª MUMIA em BH
>>> Celebrity killer
>>> Em nome do caos
>>> Chiaroscuro
>>> Chico Buarque falou por nós
Mais Recentes
>>> Amamentação Um Hibrido Natureza -Cultura de João Aprigio Guerra de Almeida pela Fiocruz (1999)
>>> Mikhail Gorbachev de Anna Sproule pela Globo (1990)
>>> Heroides de Walter Vergna pela Edições Granet Lawer (1975)
>>> Mutações de Liv Ullman pela Circulo do Livro (1986)
>>> Ligação Direta Com Deus de Bobtrask pela Nova Era (1994)
>>> Betsabé de Tofgny Lindgren pela Record (1984)
>>> O livro dos sinais de Trigueirinho pela Pensamento (1997)
>>> De Carta Em Carta de Ana Maria Machado pela Salamandra (2002)
>>> Cura entre Gerações de Pe.Robert DeGrantis pela Louva Deus (1994)
>>> Letras de exortação e reflexão para homens que se atrevem a ser cristãos de Dom Antonio Duarte S.R. pela Scortecci (2019)
>>> A Ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das Letras (2002)
>>> Como investigar crimes com a ajuda Divina de Daniel Gomes pela Cpad (1999)
>>> O Diário de Um Mago de Paulo Coelho pela Klick (1990)
>>> Compendio de botânica de Paulo Benzzoni pela Itatiaia (1973)
>>> A Ditadura Derrotada de Elio Gaspari pela Companhia das Letras (2003)
>>> O despertar do Buda de Vicente Blasco Ibanez pela Landy (2000)
>>> Católicos Perguntam de Estevão Tavarez Bettencourt ,Osb pela Mensageiros de Santo Antonio (1998)
>>> God Is Dead de Ron Currie Jr pela Penguin Paperbacks (2008)
>>> Frankenstein de Mary Shelley pela Cia das Letras (1994)
>>> Novo Testamento de Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil pela Sbb-Rao (1969)
>>> Fogo Morto de José Lins do Rego pela Circulo do Livro (1987)
>>> Filho de ninguém: dualismo e bastardia no romance "Dois imãos", de Milton Hatoum de Vera Ceccarello pela Luminária Academia (2016)
>>> Quando se pretende falar da vida de Francisco Candido Xavier ,Roberto Muskat,David Muszkat pela Grupo Espírita Emmanuel -Sociedade Civil (1984)
>>> Eu sou o Mensageiro de Markus Zusak pela Intrínseca (2007)
>>> Almas Gemeas de Monica Buonfiglio pela Oficina Culturl Esotérica (1996)
>>> Meditações de Frei Sandro Grimani,OCD pela Letra Capital (2006)
>>> Esta Noite a Liberdade de Larry Collins e Dominique Lapierre pela Circulo do Livro (1976)
>>> Era uma vez em São Bernardo: o Discurso Sindical dos Metalúrgicos (1971-1982) de Kátia Rodrigues Paranhos pela Unicamp (2011)
>>> Ensaios Mínimos de Eustáquio Gomes pela Pontes (1987)
>>> Educação, Cultura e Ideologia em Moçambique: 1975-1985 de Brazão Mazula pela Edições Afrontamento (1995)
>>> O Brasil Tatuado e outros mundos de Tono Marques pela Rocco (1997)
>>> O dOM DOS MILAGRES de Pe.Robert DeGrantis pela Loyola (1996)
>>> Édipo Africano de Marie- Cecíle Ortigues e Edmond Ortigues pela Escuta (1989)
>>> Goya 2 todas Sua Pinturas de Pierre Cassier pela Biblioteca grafica Nogler (1981)
>>> Dom Quixote de la Mancha - Volume I de Miguel de Cervantes pela Martin Claret (2012)
>>> O Zahir coleção de Paulo Coelho pela Gold
>>> Fazendo Ecumenismo de Enrique Cambón pela Cidade Nova (1994)
>>> Il Cavaliere Inesistente de Italo Calvino pela Mondadori (1993)
>>> O Espião que Sabia de Demais de John Le Carré pela Abril Cultural (1987)
>>> A Sociedade do Espetáculo de Guy Debord pela Contraponto (2007)
>>> As Crianças Aprendem o que Vivenciam de Doroty Law Nolte pela Sextante (2003)
>>> Cidade Eerna de Hall Caine pela Clássica (1939)
>>> Aventuras da Maleta Negra - Tradução Rachel de Queiroz de A. J. Cronin pela José Olympio (1948)
>>> O Centauro no jardim de Moacyr Scliar pela Companhia de bolso (2011)
>>> As Armas secretas de Júlio Cortázar pela Best bolso (2012)
>>> Todos os fogos de Júlio Cortázar pela Best bolso (2015)
>>> O Mapa do Amor de Ahdaf Soueif pela Ediouro (2006)
>>> As Melhores histórias de Sherlock Holmes de Sir Arthur Conan Doyle pela L&pm Pocket (2013)
>>> Memória da Casa dos Mortos de Dostoiévski pela L&pm Pocket (2009)
>>> O Velho Jazz - suas raízes e seu desenvolvimento musical de Gunther Schuller pela Cultrix (1970)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2008

Terça-feira, 6/1/2009
Meus melhores livros de 2008
Rafael Rodrigues

+ de 15700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Modéstia à parte, sou um bom leitor. Peço perdão por iniciar o texto assim, à la Ecce Homo, mas o que fazer, se é verdade? Procuro ler bons livros e, quando me deparo com um livro ruim, geralmente não termino sua leitura. Dou-lhe um destino e vou à procura de outro que valha a pena. Avançar na leitura de um livro ruim é perda de tempo. Mantê-lo na estante é perder espaço e chance de ganhar algum trocado, com a venda da malfadada obra em algum sebo. Lembre-se: há sempre alguém querendo comprar um livro ruim.

Mas deixemos de conversa fiada. O assunto deste texto são os melhores livros que este Colunista leu no ano de 2008. Sim, porque, ao que parece, listas de melhores do ano dão um ibope danado, e parece que com o passar dos anos consegui amealhar cerca de dez leitores que elogiam meus textos, agradecem minhas indicações de livros etc. E eles ficam cobrando, me enviando e-mails, ligando para o telefone aqui de casa, gritando quando me veem do outro lado da rua "Rafael, cadê a sua lista dos melhores livros de 2008?". Eu faço aquela cara de cachorro com fome, solto um muxoxo no telefone ou ignoro o e-mail, só para não ter que dizer "É, eu sei, já devia tê-la escrito, mas em breve sai", meio que envergonhado de todo mundo já ter feito a sua e eu ainda estar pensando na minha.

Eis que, num lampejo de genialidade, resolvo digitar estas brilhantes linhas e, finalmente, listar os melhores livros que li em 2008. Vamos a eles.

O grande vazio, de Norman Mailer e John Buffalo Mailer (Companhia das Letras, 2008, 184 págs.) ― Se, dentre todos os livros que li em 2008, eu tivesse de escolher apenas um para manter em minha estante, todos os outros que me perdoem, mas escolheria O grande vazio. Numa época em que diálogos sensatos são cada vez mais raros, é uma maravilha ler as conversas entre Norman Mailer e seu filho, John Buffalo Mailer. Os assuntos são os mais variados: sexo, drogas, religião, boxe e, claro, política. Quando o livro foi publicado nos EUA, em 2006, Mailer pai tinha 83 anos e Mailer filho 28. Uma diferença de 55 anos os separava. Mais que isso: Norman Mailer viveu ― não só literalmente ― muito mais que John Buffalo. Se os tempos hoje são difíceis, o foram mais ainda quando ele era jovem. Norman era um garoto quando da Grande Depressão de 1929, viveu a Segunda Grande Guerra e cobriu, como jornalista, alguns dos maiores escândalos da política norte-americana. John Buffalo nasceu em 1978 e, por mais que de lá para cá o mundo pareça ter entrado em colapso, sua experiência de vida não pode ser comparada com a do seu genitor. Portanto, é óbvio que ele não pode argumentar muito com o pai, que é a "estrela", digamos assim, do livro. Mas John Buffalo consegue se sair com boas tiradas em algumas conversas e, mais que isso, consegue arrancar de Norman declarações geniais e comentários sobre assuntos que talvez ele não fizesse para mais ninguém. Norman Mailer se foi em 2007 e O grande vazio parece ser uma espécie de testamento intelectual não só para o filho, mas para todo o mundo. Um livro, por assim dizer, obrigatório.

Naufrágio, de Louis Begley (Companhia das Letras, 2007, 240 págs.) ― Eis um livro proibido para homens adúlteros. Ao menos para aqueles que ficam com a consciência pesada após cometer o "crime". Em Naufrágio, John North, um bem-sucedido escritor norte-americano, vai a Paris participar do lançamento de seu mais novo livro. Lá, conhece a improvável jornalista Léa Morini, que é uma mistura de Anita, Lolita, Engraçadinha e a velhinha de A casa dos budas ditosos. Léa tem trocentos parceiros sexuais e apenas um, diz ela, amor. Isso até envolver-se com John North, que passa a ser seu "outro amor" e "talvez novo único amor". Como o leitor deve ter deduzido, North é casado (muito bem casado, aliás), e, como ocorre com a maioria dos homens, não consegue resistir a uma aventura. Mas o que deveria ser apenas um affair se transforma em um caso duradouro e quase doentio, que culmina numa tragédia. A história em si não tem nada de original; tem, sim, alguns clichês, às vezes temos a impressão de que Paris é a personagem principal ― colocar a capital francesa quase como protagonista de romances é algo que Ernest Hemingway, Enrique Vila-Matas, Henry Miller e uma série de outros escritores já fez ―, mas a forma como Begley conduz a narrativa é excepcional e você faz de conta que não sabe de nada. Naufrágio é o tipo de livro que você começa a ler e, em pouco tempo, quase sem perceber, já leu metade. Além disso, as passagens do romance sobre a vida dos escritores, sobre o mundinho literário ― como são escolhidos livros a serem premiados em alguns concursos, por exemplo ― e, principalmente, sobre a infidelidade são verdadeiras e, às vezes, chocantes de tão sinceras.

O ideal do crítico, de Machado de Assis (organizado por Miguel Sanches Neto) (José Olympio, 2008, 168 págs.) ― Não posso, ainda, me dar o luxo de adquirir a Obra Completa de Machado de Assis e, por isso, não posso ler todos os textos críticos que o Bruxo do Cosme Velho escreveu. Então, é de se comemorar esta edição muito bonitinha de "O ideal do crítico", reunião de ensaios de Machado, via selo Sabor Literário, da editora José Olympio. É sabido que Machado de Assis é o maior escritor brasileiro de todos os tempos. O que muitos não sabiam é que ele poderia ter sido um dos nossos maiores críticos literários, vide a qualidade e a coragem de alguns de seus textos sobre literatura e literatos. Pena que até mesmo Machado sentiu-se incomodado com a recepção que alguns de seus textos críticos tiveram por parte de seus contemporâneos e desistiu de escrever sobre literatura. É por isso que seus ensaios literários são tão importantes. Não somente pela qualidade, mas pelo que representam: nem todo crítico consegue seguir adiante no exercício de sua atividade. Autores criticados geralmente partem para o ataque e ultimamente quase criaram o hábito de pegar o resenhista na saída. Na época de Machado os ataques vinham por meio de palavras, mas elas podem ser tão violentas quanto um direto de direita. Por via das dúvidas, o Bruxo resolveu se dedicar apenas à ficção. Se perdemos um grande crítico para ganhar o nosso maior escritor, tudo bem.

O Reacionário, de Nelson Rodrigues (Agir, 2008, 720 págs.) ― Cá entre nós, Nelson Rodrigues é o maior escritor brasileiro do século XX. Bem, na verdade, não sei mesmo se é, e talvez não seja, mas gostaria muito que fosse ― e, para mim, é. Como já disse uma vez, Nelson foi genial em todos os gêneros literários que praticou: conto, romance, teatro e crônica. Não há, na história deste País, escritor que tenha atuado nessas áreas com tamanha qualidade. Ainda não li por inteiro O Reacionário, terceiro e último volume das Confissões de Nelson (os outros dois são O óbvio ululante e A cabra vadia), mas os textos que li até o momento são excepcionais. A sociedade brasileira e o próprio brasileiro são retratados de maneira fiel por Nelson Rodrigues. Os textos abordam uma série de temas: jornalismo, literatura, política, sociedade, costumes, que fazem parte do mosaico de lembranças e vivências do nosso maior dramaturgo.

O santo sujo, de Humberto Werneck (Cosac Naify, 2008, 400 págs.) ― "Conheci" Jayme Ovalle através da obra de Fernando Sabino. Em diversas crônicas o escritor mineiro citava esta personalidade no mínimo curiosa, oriunda do Pará e radicada no Rio de Janeiro. Além disso, um dos personagens mais cativantes de O encontro marcado, o velho Germano, foi claramente inspirado em Ovalle. E desde então sempre tive uma grande vontade de saber mais sobre o músico e escritor que, infelizmente, pouca gente conhece ou ouviu falar sobre. Quem foi, onde viveu, o que fez, quais e quantas músicas compôs, que livros escreveu? Todas essas perguntas ― e muitas outras ― são respondidas por Humberto Werneck, que, não bastasse ser um gentleman, é dono de um dos melhores textos jornalístico-literários da atualidade.


Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 6/1/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
02. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio
03. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
04. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
05. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2009
01. Meus melhores livros de 2008 - 6/1/2009
02. Sociedade dos Poetas Mortos - 10/11/2009
03. Indignação, de Philip Roth - 27/10/2009
04. No line on the horizon, do U2 - 24/2/2009
05. Gênios e loucos - 10/2/2009


Mais Especial Melhores de 2008
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/9/2009
23h25min
Achei o texto muito bom. Simplesmente completo.
[Leia outros Comentários de vander ovidio borges]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MAIS COM MAIS DÁ MENOS
BARTOLOMEU CAMPOS DE QUEIRÓS
RHJ
(2001)
R$ 6,90



A COMPANHEIRA DE VIAGEM
FERNANDO SABINO (CAPA DURA) 8ª EDIÇÃO
RECORD
(1984)
R$ 10,00



CAT
B. KLIBAN
WORKMAN PUBLISHING CO
(1975)
R$ 14,00



AS ORIGENS DA ALMA - OS GREGOS E O CONCEITO ALMA HOMERO A ARISTÓTELES
THOMAS M. ROBINSON
ANNABLUME
(2010)
R$ 119,90



VIAGEM PELO TERRITÓRIO DAS LETRAS
MARISA VIEIRA FERRAZ CUNHA NUBILE
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 524,00



A SELVA ESCURA
WALMIR AYALA
ATHENEU CULTURA
(1990)
R$ 15,00



SEGREDOS DO MERCADO DE AÇÕES
MARCUS PADLEY
FUNDAMENTO
(2010)
R$ 75,00



DESORDEM DOS FATORES, A
ARON KREMER
ORNITORRINCO
(2016)
R$ 31,84



BRASIL 110 COLORFOTOS
ALPINA
ALPINA
R$ 12,00



SEREIAS SENSUAIS DO CINEMA
DAVE WORRALL, LEE PFEIFFER
MADRAS
(2012)
R$ 70,00





busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês