Meus melhores livros de 2008 | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
77164 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
>>> Abertura da 9ª Semana Senac de Leitura reúne rapper Rashid e escritora Esmeralda Ortiz
>>> FILME 'CAMÉLIAS' NO SARAU NA QUEBRADA EM SANTO ANDRÉ
>>> Inscrições | 3ª edição do Festival Vórtice
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Coleção Por que ler, da Editora Globo
>>> Realismo histérico
>>> Olga e a história que não deve ser esquecida
>>> 6 de Novembro #digestivo10anos
>>> Relendo clássicos
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> Era Meu Esse Rosto
>>> Do Comércio Com Os Livros
>>> E-mails a um jovem resenhista
>>> O Conflito do Oriente Médio
Mais Recentes
>>> El Desarrollo Del Capitalismo En America Latina. Ensayo De Interpretacion Historica (spanish Edition) de Agustin Cueva pela Siglo Xxi (2002)
>>> O Fantástico Homem do Metrô 8 edição. - coleção veredas de Stella Carr pela Moderna (1993)
>>> Missão Ninok: se tem medo do futuro não abra o livro de Bernardino Monteiro pela Artenova (1980)
>>> Os Bichos Que eu Faço - coleção girassol 1ª edição. de Telma Guimarães Andrade pela Moderna (1991)
>>> Enfermagem Médico-Cirúrgica em Unidade de Terapia Intensiva de Eliza Kaori Uenishi pela Senac (2008)
>>> Primeiras Linhas de Direito Processual Civil - Volume 1 de Moacyr Amaral Santos pela Saraiva (2002)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Estadão
>>> Um Certo Suicídio de Patricia Highsmith pela Best Seller
>>> Domine Seu Sistema Nervoso Pelo Treinamento Autógeno de Karl Robert Rosa pela Ediouro
>>> Introdução à Literatura no Brasil de Afrânio Coutinho pela Distribuidora de Livros Escolares (1975)
>>> Pedro Vira Porco-Espinho de Janaina Tokitaka pela Jujuba (2017)
>>> O Grande Livro dos Contrários. Das Formas e das Cores de Frederic Kessler pela Cortez (2018)
>>> A Perigosa Idéia de Darwin de Daniel C. Dennett pela Rocco (1998)
>>> Dicionário de Saúde de Carlos Roberto Lyra da Silva pela Difusão (2006)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queiroz pela Folha de S.Paulo (1997)
>>> Fodor's Arizona 2001: Completely Updated Every Year de Fodor's pela Fodor's (2000)
>>> Herobrine - A Lenda (livro 1) de Mikhael Línnyker F Rodrigues pela Geracao Editorial (2020)
>>> Um Ano Inesquecivel de Paula Pimenta; Babi Dewet pela Gutemberg (2015)
>>> Aspectos Polêmicos da Atividade do Entretenimento de Vários Autores pela Apm (2004)
>>> Delta de Vênus de Naïs Nin pela Círculo do Livro (1989)
>>> O Processo de Franz Kafka pela Folha de S.Paulo (2003)
>>> Os Viajores - Agentes dos Guardiões de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2019)
>>> Sonic The Hedgehog Vol. 3 - A Batalha por Angel Island de Sega pela Geektopia (2021)
>>> Os Turistas de Disney Especial pela Abril
>>> Joe Biden - A Vida As Ideias E Os Desafios Do Presidente Da Nacao Mais Poderosa Do Mundo de Evan Osnos pela Agir (2021)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2008

Terça-feira, 6/1/2009
Meus melhores livros de 2008
Rafael Rodrigues
+ de 18000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Modéstia à parte, sou um bom leitor. Peço perdão por iniciar o texto assim, à la Ecce Homo, mas o que fazer, se é verdade? Procuro ler bons livros e, quando me deparo com um livro ruim, geralmente não termino sua leitura. Dou-lhe um destino e vou à procura de outro que valha a pena. Avançar na leitura de um livro ruim é perda de tempo. Mantê-lo na estante é perder espaço e chance de ganhar algum trocado, com a venda da malfadada obra em algum sebo. Lembre-se: há sempre alguém querendo comprar um livro ruim.

Mas deixemos de conversa fiada. O assunto deste texto são os melhores livros que este Colunista leu no ano de 2008. Sim, porque, ao que parece, listas de melhores do ano dão um ibope danado, e parece que com o passar dos anos consegui amealhar cerca de dez leitores que elogiam meus textos, agradecem minhas indicações de livros etc. E eles ficam cobrando, me enviando e-mails, ligando para o telefone aqui de casa, gritando quando me veem do outro lado da rua "Rafael, cadê a sua lista dos melhores livros de 2008?". Eu faço aquela cara de cachorro com fome, solto um muxoxo no telefone ou ignoro o e-mail, só para não ter que dizer "É, eu sei, já devia tê-la escrito, mas em breve sai", meio que envergonhado de todo mundo já ter feito a sua e eu ainda estar pensando na minha.

Eis que, num lampejo de genialidade, resolvo digitar estas brilhantes linhas e, finalmente, listar os melhores livros que li em 2008. Vamos a eles.

O grande vazio, de Norman Mailer e John Buffalo Mailer (Companhia das Letras, 2008, 184 págs.) ― Se, dentre todos os livros que li em 2008, eu tivesse de escolher apenas um para manter em minha estante, todos os outros que me perdoem, mas escolheria O grande vazio. Numa época em que diálogos sensatos são cada vez mais raros, é uma maravilha ler as conversas entre Norman Mailer e seu filho, John Buffalo Mailer. Os assuntos são os mais variados: sexo, drogas, religião, boxe e, claro, política. Quando o livro foi publicado nos EUA, em 2006, Mailer pai tinha 83 anos e Mailer filho 28. Uma diferença de 55 anos os separava. Mais que isso: Norman Mailer viveu ― não só literalmente ― muito mais que John Buffalo. Se os tempos hoje são difíceis, o foram mais ainda quando ele era jovem. Norman era um garoto quando da Grande Depressão de 1929, viveu a Segunda Grande Guerra e cobriu, como jornalista, alguns dos maiores escândalos da política norte-americana. John Buffalo nasceu em 1978 e, por mais que de lá para cá o mundo pareça ter entrado em colapso, sua experiência de vida não pode ser comparada com a do seu genitor. Portanto, é óbvio que ele não pode argumentar muito com o pai, que é a "estrela", digamos assim, do livro. Mas John Buffalo consegue se sair com boas tiradas em algumas conversas e, mais que isso, consegue arrancar de Norman declarações geniais e comentários sobre assuntos que talvez ele não fizesse para mais ninguém. Norman Mailer se foi em 2007 e O grande vazio parece ser uma espécie de testamento intelectual não só para o filho, mas para todo o mundo. Um livro, por assim dizer, obrigatório.

Naufrágio, de Louis Begley (Companhia das Letras, 2007, 240 págs.) ― Eis um livro proibido para homens adúlteros. Ao menos para aqueles que ficam com a consciência pesada após cometer o "crime". Em Naufrágio, John North, um bem-sucedido escritor norte-americano, vai a Paris participar do lançamento de seu mais novo livro. Lá, conhece a improvável jornalista Léa Morini, que é uma mistura de Anita, Lolita, Engraçadinha e a velhinha de A casa dos budas ditosos. Léa tem trocentos parceiros sexuais e apenas um, diz ela, amor. Isso até envolver-se com John North, que passa a ser seu "outro amor" e "talvez novo único amor". Como o leitor deve ter deduzido, North é casado (muito bem casado, aliás), e, como ocorre com a maioria dos homens, não consegue resistir a uma aventura. Mas o que deveria ser apenas um affair se transforma em um caso duradouro e quase doentio, que culmina numa tragédia. A história em si não tem nada de original; tem, sim, alguns clichês, às vezes temos a impressão de que Paris é a personagem principal ― colocar a capital francesa quase como protagonista de romances é algo que Ernest Hemingway, Enrique Vila-Matas, Henry Miller e uma série de outros escritores já fez ―, mas a forma como Begley conduz a narrativa é excepcional e você faz de conta que não sabe de nada. Naufrágio é o tipo de livro que você começa a ler e, em pouco tempo, quase sem perceber, já leu metade. Além disso, as passagens do romance sobre a vida dos escritores, sobre o mundinho literário ― como são escolhidos livros a serem premiados em alguns concursos, por exemplo ― e, principalmente, sobre a infidelidade são verdadeiras e, às vezes, chocantes de tão sinceras.

O ideal do crítico, de Machado de Assis (organizado por Miguel Sanches Neto) (José Olympio, 2008, 168 págs.) ― Não posso, ainda, me dar o luxo de adquirir a Obra Completa de Machado de Assis e, por isso, não posso ler todos os textos críticos que o Bruxo do Cosme Velho escreveu. Então, é de se comemorar esta edição muito bonitinha de "O ideal do crítico", reunião de ensaios de Machado, via selo Sabor Literário, da editora José Olympio. É sabido que Machado de Assis é o maior escritor brasileiro de todos os tempos. O que muitos não sabiam é que ele poderia ter sido um dos nossos maiores críticos literários, vide a qualidade e a coragem de alguns de seus textos sobre literatura e literatos. Pena que até mesmo Machado sentiu-se incomodado com a recepção que alguns de seus textos críticos tiveram por parte de seus contemporâneos e desistiu de escrever sobre literatura. É por isso que seus ensaios literários são tão importantes. Não somente pela qualidade, mas pelo que representam: nem todo crítico consegue seguir adiante no exercício de sua atividade. Autores criticados geralmente partem para o ataque e ultimamente quase criaram o hábito de pegar o resenhista na saída. Na época de Machado os ataques vinham por meio de palavras, mas elas podem ser tão violentas quanto um direto de direita. Por via das dúvidas, o Bruxo resolveu se dedicar apenas à ficção. Se perdemos um grande crítico para ganhar o nosso maior escritor, tudo bem.

O Reacionário, de Nelson Rodrigues (Agir, 2008, 720 págs.) ― Cá entre nós, Nelson Rodrigues é o maior escritor brasileiro do século XX. Bem, na verdade, não sei mesmo se é, e talvez não seja, mas gostaria muito que fosse ― e, para mim, é. Como já disse uma vez, Nelson foi genial em todos os gêneros literários que praticou: conto, romance, teatro e crônica. Não há, na história deste País, escritor que tenha atuado nessas áreas com tamanha qualidade. Ainda não li por inteiro O Reacionário, terceiro e último volume das Confissões de Nelson (os outros dois são O óbvio ululante e A cabra vadia), mas os textos que li até o momento são excepcionais. A sociedade brasileira e o próprio brasileiro são retratados de maneira fiel por Nelson Rodrigues. Os textos abordam uma série de temas: jornalismo, literatura, política, sociedade, costumes, que fazem parte do mosaico de lembranças e vivências do nosso maior dramaturgo.

O santo sujo, de Humberto Werneck (Cosac Naify, 2008, 400 págs.) ― "Conheci" Jayme Ovalle através da obra de Fernando Sabino. Em diversas crônicas o escritor mineiro citava esta personalidade no mínimo curiosa, oriunda do Pará e radicada no Rio de Janeiro. Além disso, um dos personagens mais cativantes de O encontro marcado, o velho Germano, foi claramente inspirado em Ovalle. E desde então sempre tive uma grande vontade de saber mais sobre o músico e escritor que, infelizmente, pouca gente conhece ou ouviu falar sobre. Quem foi, onde viveu, o que fez, quais e quantas músicas compôs, que livros escreveu? Todas essas perguntas ― e muitas outras ― são respondidas por Humberto Werneck, que, não bastasse ser um gentleman, é dono de um dos melhores textos jornalístico-literários da atualidade.


Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 6/1/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O hiperconto e a literatura digital de Marcelo Spalding
02. Tom Jobim, memórias e histórias de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2009
01. Meus melhores livros de 2008 - 6/1/2009
02. Sociedade dos Poetas Mortos - 10/11/2009
03. Indignação, de Philip Roth - 27/10/2009
04. A resistência, de Ernesto Sabato - 15/9/2009
05. No line on the horizon, do U2 - 24/2/2009


Mais Especial Melhores de 2008
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/9/2009
23h25min
Achei o texto muito bom. Simplesmente completo.
[Leia outros Comentários de vander ovidio borges]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




História da Igreja
Pierre Pierrard
Paulus
(2002)



Our Last Best Chance
King Abdullah II
Penguin
(2010)



Chasing the Dime
Michael Connelly
Warner Vision
(2003)



Como Saí Do Buraco
Fly
Inspira
(2023)



Simples Assim
Janise Martins
Scortecci
(2009)



Plt123 Gestão de Projetos: uma Abordagem Global
Ralph Keeling
Saraiva
(2012)



Organização e Métodos. Uma Visão Holística
Antonio Cury
Atlas
(2005)



Volume 2: Proncípios de Auditoria 1ª edição.
R K Mautz
Atlas
(1976)



Metal sem Húmus
Dércio Braúna
7 Letras
(2006)



Livro Virginia and Maryland
Fodor's
Fodor's
(2011)





busca | avançada
77164 visitas/dia
2,0 milhão/mês