Meus melhores livros de 2008 | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
59843 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Pousada e Recanto dos Pássaros – Sítio Vô Elias Maffei
>>> Coreógrafa carioca Esther Weitzman ministra oficina gratuita de dança no Sesc Santana
>>> Caleidos apresenta “Entrevista” para gestores e professores da rede pública de São Paulo
>>> É HOJE (30/9): Mostra Imaginários no Cine Bijou
>>> Etapa apresenta concerto gratuito da Camerata Fukuda com o violinista Ricardo Herz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> 50 anos de Bossa Nova
>>> O humor da Belle Époque
>>> 24 de Março #digestivo10anos
>>> Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Kindle DX salvando os jornais?
>>> A Casa de Ramos
>>> Reconhecimento
>>> A hora exata em que me faltaram as palavras
Mais Recentes
>>> Santo Antonio das Grimpas de Marietta Telles Machado pela Atual (1987)
>>> Allan Kardec: o Grande Codificador de Martin Claret pela Martin Claret (1995)
>>> Letras 2 Lingüistica Aplicada de Ufsm pela Ufsm (1991)
>>> Dicionário do Inexplicado - Edições Planeta Nº 131 de Eduardo Araia Ed. pela Três
>>> Luz, Câmera, Gestão - a Arte do Cinema na Arte de Gerir Pessoas de Myrna Silveira Brandão pela Qualitymark (2006)
>>> Habeas Data de José Eduardo Nobre Matta pela Lumens Juris (2005)
>>> Fale Tudo Em Inglês nos Negócios - Com Cd de José Roberto A. Igreja pela Disal (2011)
>>> Como Llegar a Ser un Maestro de La Negociacion de Pierre Louis Criqui, Eric Matarasso pela Granica (1991)
>>> Biologia 6 - Ecologia, Origem da Vida e Evolução de Cqc - Sistema de Ensino pela Do Autor
>>> Curriculum Vitae e Memorial - Normas para Apresentação de Documentos de Universidade Federal do Paraná pela Ufpr (2001)
>>> Net Force Hidden Agendas de Tom Clancys pela Berkley Books (1999)
>>> Apostila de Direito Administrativo para Técnico do Mpu de Diversos Autores pela Do Autor
>>> Cândido Portinari a Vida dos Grandes Brasileiros de Marcos Moreira Afonso Arinos de Mello Franco pela Três (2003)
>>> A Fúria dos Reis - Livro 2 de George R. R. Martin pela Leya (2019)
>>> Memórias de Vida de D Tinoca Emerentina Amorim da Silva pela Lunardelli (2001)
>>> Mercador de Versos de Lêda Mirowinski pela Da Autora (1995)
>>> Enquanto Estamos Crescendo de Valéria Piassa Polizzi pela Ática (2006)
>>> Quando Tudo Falha de Rodolpho Belz pela Casa Publicadora Brasileira (1987)
>>> Topografia Usual de E Liger pela Gg Barcelona
>>> Stupid White Men uma Nação de Idiotas de Michael Moore pela Francis (2003)
>>> Minha Vida Daria um Filme de Simona Toma pela Fundamento (2014)
>>> Entre Parênteses de Tonho França pela Komedi (2002)
>>> Amor Conjugal de Seicho Taniguchi pela Seicho-no-ie (1991)
>>> Presença Nº 1 de Vários pela Caetés (1983)
>>> Como Vencer na Vida Sendo Professor de Hamilton Werneck pela Vozes (1998)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2008

Terça-feira, 6/1/2009
Meus melhores livros de 2008
Rafael Rodrigues

+ de 17300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Modéstia à parte, sou um bom leitor. Peço perdão por iniciar o texto assim, à la Ecce Homo, mas o que fazer, se é verdade? Procuro ler bons livros e, quando me deparo com um livro ruim, geralmente não termino sua leitura. Dou-lhe um destino e vou à procura de outro que valha a pena. Avançar na leitura de um livro ruim é perda de tempo. Mantê-lo na estante é perder espaço e chance de ganhar algum trocado, com a venda da malfadada obra em algum sebo. Lembre-se: há sempre alguém querendo comprar um livro ruim.

Mas deixemos de conversa fiada. O assunto deste texto são os melhores livros que este Colunista leu no ano de 2008. Sim, porque, ao que parece, listas de melhores do ano dão um ibope danado, e parece que com o passar dos anos consegui amealhar cerca de dez leitores que elogiam meus textos, agradecem minhas indicações de livros etc. E eles ficam cobrando, me enviando e-mails, ligando para o telefone aqui de casa, gritando quando me veem do outro lado da rua "Rafael, cadê a sua lista dos melhores livros de 2008?". Eu faço aquela cara de cachorro com fome, solto um muxoxo no telefone ou ignoro o e-mail, só para não ter que dizer "É, eu sei, já devia tê-la escrito, mas em breve sai", meio que envergonhado de todo mundo já ter feito a sua e eu ainda estar pensando na minha.

Eis que, num lampejo de genialidade, resolvo digitar estas brilhantes linhas e, finalmente, listar os melhores livros que li em 2008. Vamos a eles.

O grande vazio, de Norman Mailer e John Buffalo Mailer (Companhia das Letras, 2008, 184 págs.) ― Se, dentre todos os livros que li em 2008, eu tivesse de escolher apenas um para manter em minha estante, todos os outros que me perdoem, mas escolheria O grande vazio. Numa época em que diálogos sensatos são cada vez mais raros, é uma maravilha ler as conversas entre Norman Mailer e seu filho, John Buffalo Mailer. Os assuntos são os mais variados: sexo, drogas, religião, boxe e, claro, política. Quando o livro foi publicado nos EUA, em 2006, Mailer pai tinha 83 anos e Mailer filho 28. Uma diferença de 55 anos os separava. Mais que isso: Norman Mailer viveu ― não só literalmente ― muito mais que John Buffalo. Se os tempos hoje são difíceis, o foram mais ainda quando ele era jovem. Norman era um garoto quando da Grande Depressão de 1929, viveu a Segunda Grande Guerra e cobriu, como jornalista, alguns dos maiores escândalos da política norte-americana. John Buffalo nasceu em 1978 e, por mais que de lá para cá o mundo pareça ter entrado em colapso, sua experiência de vida não pode ser comparada com a do seu genitor. Portanto, é óbvio que ele não pode argumentar muito com o pai, que é a "estrela", digamos assim, do livro. Mas John Buffalo consegue se sair com boas tiradas em algumas conversas e, mais que isso, consegue arrancar de Norman declarações geniais e comentários sobre assuntos que talvez ele não fizesse para mais ninguém. Norman Mailer se foi em 2007 e O grande vazio parece ser uma espécie de testamento intelectual não só para o filho, mas para todo o mundo. Um livro, por assim dizer, obrigatório.

Naufrágio, de Louis Begley (Companhia das Letras, 2007, 240 págs.) ― Eis um livro proibido para homens adúlteros. Ao menos para aqueles que ficam com a consciência pesada após cometer o "crime". Em Naufrágio, John North, um bem-sucedido escritor norte-americano, vai a Paris participar do lançamento de seu mais novo livro. Lá, conhece a improvável jornalista Léa Morini, que é uma mistura de Anita, Lolita, Engraçadinha e a velhinha de A casa dos budas ditosos. Léa tem trocentos parceiros sexuais e apenas um, diz ela, amor. Isso até envolver-se com John North, que passa a ser seu "outro amor" e "talvez novo único amor". Como o leitor deve ter deduzido, North é casado (muito bem casado, aliás), e, como ocorre com a maioria dos homens, não consegue resistir a uma aventura. Mas o que deveria ser apenas um affair se transforma em um caso duradouro e quase doentio, que culmina numa tragédia. A história em si não tem nada de original; tem, sim, alguns clichês, às vezes temos a impressão de que Paris é a personagem principal ― colocar a capital francesa quase como protagonista de romances é algo que Ernest Hemingway, Enrique Vila-Matas, Henry Miller e uma série de outros escritores já fez ―, mas a forma como Begley conduz a narrativa é excepcional e você faz de conta que não sabe de nada. Naufrágio é o tipo de livro que você começa a ler e, em pouco tempo, quase sem perceber, já leu metade. Além disso, as passagens do romance sobre a vida dos escritores, sobre o mundinho literário ― como são escolhidos livros a serem premiados em alguns concursos, por exemplo ― e, principalmente, sobre a infidelidade são verdadeiras e, às vezes, chocantes de tão sinceras.

O ideal do crítico, de Machado de Assis (organizado por Miguel Sanches Neto) (José Olympio, 2008, 168 págs.) ― Não posso, ainda, me dar o luxo de adquirir a Obra Completa de Machado de Assis e, por isso, não posso ler todos os textos críticos que o Bruxo do Cosme Velho escreveu. Então, é de se comemorar esta edição muito bonitinha de "O ideal do crítico", reunião de ensaios de Machado, via selo Sabor Literário, da editora José Olympio. É sabido que Machado de Assis é o maior escritor brasileiro de todos os tempos. O que muitos não sabiam é que ele poderia ter sido um dos nossos maiores críticos literários, vide a qualidade e a coragem de alguns de seus textos sobre literatura e literatos. Pena que até mesmo Machado sentiu-se incomodado com a recepção que alguns de seus textos críticos tiveram por parte de seus contemporâneos e desistiu de escrever sobre literatura. É por isso que seus ensaios literários são tão importantes. Não somente pela qualidade, mas pelo que representam: nem todo crítico consegue seguir adiante no exercício de sua atividade. Autores criticados geralmente partem para o ataque e ultimamente quase criaram o hábito de pegar o resenhista na saída. Na época de Machado os ataques vinham por meio de palavras, mas elas podem ser tão violentas quanto um direto de direita. Por via das dúvidas, o Bruxo resolveu se dedicar apenas à ficção. Se perdemos um grande crítico para ganhar o nosso maior escritor, tudo bem.

O Reacionário, de Nelson Rodrigues (Agir, 2008, 720 págs.) ― Cá entre nós, Nelson Rodrigues é o maior escritor brasileiro do século XX. Bem, na verdade, não sei mesmo se é, e talvez não seja, mas gostaria muito que fosse ― e, para mim, é. Como já disse uma vez, Nelson foi genial em todos os gêneros literários que praticou: conto, romance, teatro e crônica. Não há, na história deste País, escritor que tenha atuado nessas áreas com tamanha qualidade. Ainda não li por inteiro O Reacionário, terceiro e último volume das Confissões de Nelson (os outros dois são O óbvio ululante e A cabra vadia), mas os textos que li até o momento são excepcionais. A sociedade brasileira e o próprio brasileiro são retratados de maneira fiel por Nelson Rodrigues. Os textos abordam uma série de temas: jornalismo, literatura, política, sociedade, costumes, que fazem parte do mosaico de lembranças e vivências do nosso maior dramaturgo.

O santo sujo, de Humberto Werneck (Cosac Naify, 2008, 400 págs.) ― "Conheci" Jayme Ovalle através da obra de Fernando Sabino. Em diversas crônicas o escritor mineiro citava esta personalidade no mínimo curiosa, oriunda do Pará e radicada no Rio de Janeiro. Além disso, um dos personagens mais cativantes de O encontro marcado, o velho Germano, foi claramente inspirado em Ovalle. E desde então sempre tive uma grande vontade de saber mais sobre o músico e escritor que, infelizmente, pouca gente conhece ou ouviu falar sobre. Quem foi, onde viveu, o que fez, quais e quantas músicas compôs, que livros escreveu? Todas essas perguntas ― e muitas outras ― são respondidas por Humberto Werneck, que, não bastasse ser um gentleman, é dono de um dos melhores textos jornalístico-literários da atualidade.


Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 6/1/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os encontros dos estranhos de Elisa Andrade Buzzo
02. Blogs, livros e blooks de Vicente Escudero
03. Tabus do Orkut de Marcelo Miranda


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2009
01. Meus melhores livros de 2008 - 6/1/2009
02. Sociedade dos Poetas Mortos - 10/11/2009
03. Indignação, de Philip Roth - 27/10/2009
04. A resistência, de Ernesto Sabato - 15/9/2009
05. No line on the horizon, do U2 - 24/2/2009


Mais Especial Melhores de 2008
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/9/2009
23h25min
Achei o texto muito bom. Simplesmente completo.
[Leia outros Comentários de vander ovidio borges]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mensagens para a Vida Diária
Norman Vincent Peale
cultrix
(1955)



Rainhas da Antiguidade
Dirce Lorimier Fernandes
Letraselvagem
(2014)



Livro - While My Eyes Were Closed - Dare You Close Your Eyes For Even a Few
Linda Green
Quercus
(2016)



Intercambio. Coisas Que Todo Jovem Precisa Saber
Joao Marcelo de Melo Teles
Melhoramentos
(2001)



O Rato da Sacristia
Cláudio Martins; Lêdo Ivo
Global
(2000)



Amor é Prosa Sexo é Poesia - Crônicas Afetivas
Arnaldo Jabor
objetiva
(2004)



O Livro dos Espíritos
Allan Kardec
Ide
(2009)



Don Quijote de La Mancha - Clasicos a Medida
Miguel de Cervantes Saavedra
Anaya
(2008)



Representação e Complexidade
Org Cândido Mendes
garamond
(2003)



Um Caldeirão Chamado 1964 - Depoimento de um Revolucionário
Aristóteles Drummond
Resistência Cultural
(2012)





busca | avançada
59843 visitas/dia
2,0 milhão/mês