Sociedade dos Poetas Mortos | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
48579 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Meu amigo Paulo Francis
>>> Grandes Entrevistas do Milênio
>>> 15 de Novembro #digestivo10anos
>>> Agosto, mês augusto
>>> Silêncio e grito
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
>>> Conheça Carácolis (parte 1)
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> Mob Flash
Mais Recentes
>>> Os Verbos Ingleses de R. H. Edwards pela Edições de Ouro (1979)
>>> Herculanum de Wera Krijanowskaia (espírito J. W. Rochester) pela Feb (1989)
>>> O Discípulo de Juan Carlos Ortiz pela Betânia (1980)
>>> Advanced Composition a Book of Models For Writing de John E. Warriner and Others pela Harcourt Brace Jovanovich (1977)
>>> Como Fazer Trabalhos de Alvenaria de N/d pela Globo (1990)
>>> Creative Wedding Florals You Can Make de Terry L. Rye pela Better Way Books (2000)
>>> Nossa Biblioteca no Plano Cósmico - Santo Aéolo III de Ponte para a Liberdade pela Hércules (1979)
>>> Biblioteca Vida e Missão - Plano Nacional: Ênfases e Diretrizes de N/d pela Imprensa Metodista
>>> Suomi de Paulo de Carvalho-neto pela Guanabara (1986)
>>> Dívida Externa e Igrejas: uma Visão Ecumênica de Tamez/ Boff/ Santa Ana/ Vidales/ Assmann/ Arruda pela Cedi (1989)
>>> Terras do sem Fim - Coleção Obras de Jorge Amado VIII de Jorge Amado pela Livraria Martins (1957)
>>> A Garota do Calendário: Março de Audrey Carlan pela Verus (2016)
>>> Manual de Economia e Negócios Internacionais Plt 728 de Marco Antonio Sandoval de Vasconcellos e Outros pela Saraiva (2011)
>>> Pseudo Discipulado de George Verwer pela Juerp (1980)
>>> Almas Aprisionadas de Renato Modesto pelo Espírito Amadeu pela Lumen Editorial (2009)
>>> A Gang do Beijo de José Louzeiro pela Ediouro Publicações (1996)
>>> Taro Adivinhatório de N/d pela Pensamento
>>> Refúgio Contra o Abuso de Nancy Nason-clark e Catherine Clark Kroeger pela Cpad (2006)
>>> Templo da Paz de Ponte para a Liberdade pela Hércules
>>> Summer Ball de Mike Lupica pela Scholastic
>>> Na Teia do Sol de Menalton Braff pela Planeta (2004)
>>> The Sesame Street Library - Volume 4 de Michael Frith and Others pela Funk & Wagnalls (1978)
>>> Medicina e Poesia de Eugênio de Carvalho Junior pela Imprensa Universitária (1971)
>>> Literatura - Autores e Época de Carlos Emílio Faraco e Outros pela Ática
>>> Websters Dicionário Inglês - Português de Antonio Houaiss pela Record (1982)
COLUNAS

Terça-feira, 10/11/2009
Sociedade dos Poetas Mortos
Rafael Rodrigues

+ de 11600 Acessos
+ 5 Comentário(s)

É impossível lembrar agora quando assisti ao filme Sociedade dos Poetas Mortos pela primeira vez. A única coisa que posso afirmar com certeza é que gostei tanto do que vi que tempos depois estava com VHS em mãos. Muito provavelmente uma daquelas promoções nas quais você comprava a revista e ganhava a fita de algum filme famoso. Lembro que a Caras fazia muito isso, talvez para dar ao menos uma coisa que prestasse ao leitor, já que o conteúdo da revista não vale nada. Mas pode também ter sido a Veja, ou ainda a Istoé. Esse tipo de promoção ainda existe hoje, mas antigamente era mais comum, me parece. Enfim.

É muito provável que tenha assistido ao filme pela primeira vez no colégio. Lembro que uma professora nossa de literatura usou uma de suas aulas para passá-lo em sala. Não descarto a possibilidade de tê-lo assistido antes dos meus colegas, mas, como dito no início, não posso garantir.

Protagonizado por Robin Williams, Sociedade dos Poetas Mortos ― felizmente traduzido fielmente do inglês Dead Poets Society, um título portentoso ― é um dos melhores filmes que vi até hoje. A história, para quem não conhece, é centrada num grupo de estudantes do tradicional e rígido colégio Welton ― que, detalhe, é apenas para garotos.

Mais um ano do Welton está se iniciando e tudo seria como no ano anterior, não fosse por uma razão: um novo professor de inglês, John Keating, que também estudou no Welton e depois foi morar em Londres, onde lecionava até então. Interpretado magistralmente por Robin Williams, Keating se mostra um mestre nada tradicional. Suas aulas são provocantes e seus métodos de ensino deixam os alunos desconcertados, um tanto assustados com aquele professor diferente de todos os que eles tiveram e têm.

Passado o susto, os alunos começam a entender o estilo de Keating, e também a perceber qual é o propósito dele: fazer com que os jovens não se prendam aos dogmas tanto do colégio quanto da sociedade, que não sejam quem seus pais e professores querem, mas que lutem pelo que eles realmente desejam fazer. Uma frase dita por Keating em sala, "Carpe diem" ("aproveite o dia"), se torna o lema dos alunos e passa a ser seguido por todos eles ― "mesmo que isso me mate", chega a dizer um dos personagens.

Citando Shakespeare, Byron, imitando Marlon Brando e John Wayne, dizendo que a linguagem foi inventada não para se comunicar, mas para conquistar mulheres, John Keating cai nas graças da turma e passa a ser um exemplo e uma inspiração para o seleto grupo de jovens interpretado por atores que viriam a se destacar no cinema e em séries de TV futuramente, como Ethan Hawke (Dia de treinamento, entre outros) e Robert Sean Leonard (que hoje é um dos atores da série House). Cito estes dois não apenas por serem quem hoje são, mas principalmente pela importância de seus papéis. O personagem interpretado por Hawke, Todd Anderson, é muito retraído, tímido, faz o que pode para não ser notado. Seu irmão foi um dos melhores alunos da Welton, e tanto seus pais quanto os diretores da escola esperam muito dele. Neil Perry, personagem de Sean Leonard, é um jovem extrovertido e influente perante os colegas, mas impotente diante do pai, que é autoritário e repressor. Talvez por eu me identificar muito com ambos, talvez por suas interpretações terem sido as melhores, sempre tive um apreço maior por esses dois personagens. Digo "sempre" porque, desde quando vi Sociedade dos Poetas Mortos pela primeira vez, assisti ao filme pelo menos mais duas vezes, ainda em VHS. Depois que os aparelhos de DVDs tomaram o lugar dos videocassetes, não pude mais assisti-lo.

Felizmente, várias produções antigas têm sido relançadas em DVD. E quando recentemente vi o SPM numa prateleira de loja por um preço irrisório ― ainda mais se você for comparar o valor com a qualidade do filme ―, não pensei duas vezes antes de comprá-lo.

Recentemente, cerca de 15 dias depois te tê-lo adquirido, pude enfim assisti-lo novamente. E foi como se o estivesse vendo pela primeira vez. O tempo não fez diminuir o impacto, muito pelo contrário: por mais que eu me lembrasse de várias cenas e até mesmo diálogos, tudo era novidade, com o bônus de que, agora, muitas das ações e falas parecem ter ficado mais claras para mim. Principalmente no que se refere às referências literárias, já que vários poetas são citados durante todo o filme ― o mais citado é Walt Whitman, que, decididamente, preciso ler de verdade, não apenas alguns poemas, o mais rápido possível.

No que se refere aos aspectos "técnicos" do filme, digamos assim, é interessante ver como aquele grupo de jovens atores ― foi o terceiro filme de Ethan Hawke, por exemplo, de acordo com o IMDB ― conseguiu realizar uma obra tão forte e madura. Principalmente se formos observar o currículo do roteirista, Tom Schulman. Sociedade dos Poetas Mortos é, com certeza absoluta, o melhor trabalho que ele já fez ― e é muito provável que jamais conseguirá fazer algo parecido (tanto que, com ele, ganhou o Oscar de Melhor Roteiro, em 1989). Parece ter sido um lampejo de genialidade, algo semelhante ao que acontece com grupos musicais que têm seus quinze minutos de fama com uma música que se torna um sucesso retumbante e que em seguida cai no ostracismo.

Em contrapartida, o filme foi dirigido pelo experiente Peter Weir, bastante elogiado pelos atores nos extras do DVD. Outra produção de bastante sucesso dirigida por Weir é O show de Truman, de 1998, protagonizado por Jim Carrey. Para quem assistiu a este filme, percebe-se que ele é do tipo de diretor que consegue tirar o máximo dos atores com quem trabalha. A atuação de Carrey em O show de Truman é magnífica, e, não fosse o preconceito que a Academia tem em relação a ele, certamente seria no mínimo indicado ao Oscar de Melhor Ator daquele ano.

A sensação que fica, depois desta que deve ser a quarta vez que assisto a Sociedade dos Poetas Mortos, é a de que o filme não se esgota. Parece que sempre há algo novo a descobrir, um detalhe que passou despercebido, uma ironia não captada, um verso não compreendido. O filme não é apenas sobre a juventude e suas contradições. Não é apenas uma fábula sobre mestres e alunos. É também um filme sobre a relação entre pais e filhos.

Pelos momentos sublimes ― como a última cena, uma das mais emocionantes da história do cinema ― e por tudo o que representa ― tanto para as carreiras dos envolvidos no filme quanto para quem o assiste ―, Sociedade dos Poetas Mortos é uma obra-prima indiscutível. Geralmente exibido em salas de aula por professores que sonham que seus alunos sejam cidadãos críticos e independentes sem deixar de lado a responsabilidade e o bom senso que todos devemos ter, o filme deveria ser visto por todos os pais deste mundo. Se isso acontecesse, muitas famílias seriam bem mais felizes.


Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 10/11/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Saudade de ser 'professor' de Filosofia de Cassionei Niches Petry
02. 80 anos de Alfredo Zitarrosa de Celso A. Uequed Pitol
03. Um software em crise existencial de Wellington Machado
04. Por falar em outras línguas de Carla Ceres
05. Tiros, Pedras e Ocupação na USP de Duanne Ribeiro


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2009
01. Meus melhores livros de 2008 - 6/1/2009
02. Sociedade dos Poetas Mortos - 10/11/2009
03. Indignação, de Philip Roth - 27/10/2009
04. A resistência, de Ernesto Sabato - 15/9/2009
05. No line on the horizon, do U2 - 24/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/11/2009
11h09min
SPM é um filme que também não canso de assistir. Está na minha prateleira de DVDs para situações de reciclagem de valores. Sim, podemos encontrar princípios e valores que poucos filmes contêm. Só de lembrar da última cena eu me arrepio inteira. E ele nos faz lembrar que os grandes mestres, as pessoas que realmente fazem a diferença, como o professor Keating, são sempre colocadas de lado pela sociedade - que possui valores um tanto questionáveis... Um filme para ver e rever mil vezes, caso seja necessário.
[Leia outros Comentários de Taís Kerche]
10/11/2009
13h02min
Sou professor, estou procurando emprego, e tudo que me dizem é: "procure um político", no caso das públicas; nas privadas, "sem contato, não vá". Como eu posso ser um professor assim, que vou pregar a democracia, a liberdade, a autoestima? Não dá, cara, o sistema é matar ou morrer. E olha que tenho dois cursos, artigos publicados, especialização, vou publicar um livro, e ninguém dá a mínima para o meu currículo. Preciso me prostituir, ou procurar um político ou ter alguém que me indique. Onde fica o mérito? O esforço pessoal? A realidade é bem mais crua que o cinema e as letras...
[Leia outros Comentários de Ronaldo Magella]
16/11/2009
11h47min
A preocupação do leitor Ronaldo Magella é pertinente, mas foge do tema. "Sociedade dos Poetas Mortos" não foi feito para mudar os modelos de contratação, nem os de ensino. A linguagem serve para conquistar mulheres. Vale a metáfora. A realidade é uma coisa e poesia, justamente por isso, é outra. Nossa ambiguidade criou os dois universos - não acho que para uni-los e sim para serem complementares.
[Leia outros Comentários de Rodrigo Brandão]
16/11/2009
13h27min
"Sociedade dos Poetas Mortos", um clássico definitivo! Mas Rafael, meu rei, me diga aí, tu és baiano mesmo? Pois eu me amarrei nessa sua malemolência textual, nesse modo slow-motion de narrar suas impressões... Abração!
[Leia outros Comentários de André Henriques]
16/11/2009
13h56min
Ao contrário do autor, lembro-me exatamente da primeira vez em que assisti a SPM. Foi no antigo Cinema Veneza, no Rio de Janeiro, na companhia de dois bons amigos. O filme foi de tal forma impactante para mim (eu estudara no São Bento, colégio tradicional e só para meninos aqui no Rio, onde fui duramente discriminado por minha sensibilidade mais aflorada), que chorei por 20 minutos ainda depois de sair da sala de cinema. E realmente não sei qual a magia presente na última cena do filme, que, toda vez que lembrava da cena, chorava novamente. E, assim como a Taís Kerche, até hoje a simples menção ao bordão "Oh Captain, My Captain" me dá arrepios. SPM não só encabeça minha lista dos Top 10 até hoje, como acho difícil algum filme superá-lo em conteúdo emocional, no meu caso específico. E, meu caro Ronaldo Magella, eu também fui professor. Como não consegui ser um Keating, desisti e fui ser Funcionário Público.
[Leia outros Comentários de Paulo Mauad]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Poirot Investiga
Agatha Christie
Círculo do Livro
(1986)



O Amor Em Gestos - os Sacramentos
Guy Ruffier
Edições Loyola
(1979)



Armadilha Mortal
Roberto Arlt
LPM Pocket
(1997)



Noções de Direito: Direito Usual
Otto Costa
Do Brasil



Wohin Dein Herz Mich Fuhrt
Christine Dorsey
Lübbe
(2003)



Noites de Tormenta
Nicholas Sparks
Novo Conceito
(2011)



Novos Contornos da Gestão Local:conceitos Em Construção
Francisco de Oliveira
Fgv
(2002)



O Código da Vinci
Dan Brown
Sextante
(2004)



Estado e Economia Em Tempo de Crise
Sebastião C. Velasco e Cruz
Relume Dumara
(1997)



Pareceres e Falências
José Xavier Carvalho de Mendonça
Minelli
(2006)





busca | avançada
48579 visitas/dia
2,2 milhões/mês