Dheepan, uma busca por uma nova vida | Guilherme Carvalhal | Digestivo Cultural

busca | avançada
60317 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Alfredenses são receptivos, afirma turista
>>> Por um trânsito mais humano, artistas pintam os muros de escolas públicas em Embu das Artes
>>> PAULUS Editora lança a obra clássica 'A Revolução dos Bichos', de George Orwell
>>> Tik lança EP autoral que transita entre rock, jazz e indie
>>> CASA MUSEU EVA KLABIN RELEMBRA A SEMANA DE ARTE MODERNA DE 1922 EM FESTIVAL NO MÊS DE MAIO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Poesia e papo furado
>>> Saints and Sinners
>>> Memorial de Berlim
>>> Caçar em campo alheio ou como escrever crônicas
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma relação orgânica com a rede
>>> BBB e Narciso
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Apesar de vocês
>>> Bloom sobre Shakespeare
Mais Recentes
>>> Moderna Plus Biologia 2 Parte I de Amabis Martho pela Moderna (2009)
>>> Bio - Volume único + Testes de Vestibulares e Enem de Sonia Lopes pela Saraiva (2013)
>>> A Conquista da Matemática - 7º Ano - Sebo Tradição de Giovanni; Giovanni Jr.; Castrucci pela Ftd (2012)
>>> Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei de Paulo Coelho pela Rocco (1994)
>>> Estratégia de Empresas de David Menezes Lobato pela Fgv (2009)
>>> Dead Lagoon de Michael Dibdin pela Faber and Faber (1994)
>>> Tristão e Isolda de Cecília Casas pela Ediouro (2003)
>>> Toda Sua de Sylvia Day pela Best Seller (2012)
>>> O Exame Final de Julio Cartázar pela Civilização Brasileira (1996)
>>> Suicídio Político / Eleanor & Abel / Vínculos de Sangue / Jornada... de Michael Palmer e Outros pela Readers Digest (2015)
>>> A Educação Física e Recreação para o Pré - Escolar de Nilce V Machado pela Do Autor (1985)
>>> Abz do Rock Brasileiro de Marcelo Dolabela pela Estrela do Sul (1987)
>>> Duzinha 3 Edição de Clotilde Chaparro Rocha pela Coleção Itiquira (2010)
>>> Às Portas da Noite de Dalva Agne Lynch pela Blocos (2003)
>>> Às Portas da Noite de Dalva Agne Lynch pela Blocos (2003)
>>> O Poder da Amizade de Tom Rath pela Sextante (2007)
>>> The Glam Decor de Formaplas pela Dnp (2010)
>>> Sentimeento do Mundo de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1996)
>>> Visão do Paraíso de Sergio Buarque de Holanda pela Publifolha
>>> The Razors Edge de W. Somerset Maugham pela Penguin Books (1963)
>>> O Corpo Tem Suas Razões de Thérèse Bertherat Carol Bernstein pela Martins Fontes (2001)
>>> O que é Racismo de Joel Rufino dos Santos pela Brasiliense (1980)
>>> Garotas da rua Beacon - Cidade Fantasma de Annie Bryant pela Fundamento (2011)
>>> World Class Combo Split 2A with CD-ROM de Nancy Douglas, James R. Morgan pela National Geographic (2012)
>>> Sol da Liberdade de íris Paula Rocha pela Boa Nova (2000)
COLUNAS

Quinta-feira, 28/7/2016
Dheepan, uma busca por uma nova vida
Guilherme Carvalhal

+ de 3600 Acessos



A complexidade de um mundo atingido pelo amplo e trágico processo de migração tem pego de surpresa políticos e a população de vários países. Evidenciado no atual momento pela presença de refugiados sírios em massa na Europa, é um símbolo de uma fase nova da globalização, onde conflitos levam à movimentação territorial de milhões de pessoas e grupos em massa deslocam-se a novos países.

Utilizando dessa premissa, o filme Dheepan (ou O Refúgio, como saiu no Brasil) traz como personagens principais um grupo de pessoas fugindo de conflitos e em busca de um porto seguro na Europa. Porém, o filme vai além de meramente retratar a migração e mostrar a tentativa dos refugiados de se encaixarem na sociedade que os acolhe (nem sempre de forma calorosa).

Aqui, o eixo central da obra está na questão do ser e o processo de mudança de país é utilizado como o ponto de rompimento. Isso é altamente explorado no começo do filme, quando os personagens principais partem de seu país, o Sri Lanka, rumo à França. O conflito em questão foi a guerra civil no Sri Lanka, onde os Tigres de Tamil desejavam criar uma nação independente no norte da ilha. Dessa guerra civil resultaram milhares de mortos e refugiados, e nesse contexto a trama se inicia.

Nos momentos iniciais do filme, vemos um militar queimando corpos de soldados para, em seguida, trocar sua farda por roupas civis e então queimá-las. Esse já é um rompimento simbólico: ele queimava seus aliados e também sua vida enquanto soldado separatista, escolhendo uma vida civil. Em seguida, vemos uma mulher em um campo de refugiados procurando uma criança órfã. Ela encontra uma e vai para um posto de migração, onde afirma ser ela a sua filha.

Nesse posto está o militar aposentado, e juntos se disfarçam de família para assim conseguir escapar da guerra. Recebem os documentos de uma família morta nos conflitos e assim ele passa a se chamar Dheepan, a mulher Yalini e a criança Illayaal. Sob essas novas identidades eles conseguem o passaporte para a França.

Chama destaque ao longo do filme o fato das vidas passadas dos personagens principais serem pouco abordadam, com escassa informação sobre cada um deles. Yalini apenas conta ter uma prima residente na Inglaterra, para onde pretende ir. Illayaal é mais destituída ainda de vida pregressa. Apenas Dheepan tem um pouco mais de seu passado exposto, por causa de seu envolvimento com a guerra. O nome real de nenhum deles é mostrado.

A migração desse grupo de pessoas então atravessa a questão de seguir a outro país e a outra cultura. Sua sobrevivência passa a depender de como conseguem conviver sob o disfarce de família, sendo que nunca haviam se visto antes. O baque da inserção social se dá na apresentação de ambos enquanto um casal, tomando decisões juntas e cuidando da criança, como nos casos em que precisa ir à escola.

Sua instalação na França faz alusão à zona de guerra, pois foram levados a um conjunto residencial controlado pelo tráfico de drogas. Essa alusão é nítida: há normas a serem seguidas, horários e locais, tudo isso definido pelo poder de quem controla a área. O choque cultural é evidente, da ida de Illayaal à escola (a cena da diretora perguntando se ela estudava dá impressão de rejeição e preconceito) ou as dificuldades de enquadramento encontradas por todos.

A sensibilidade do desajuste é significativamente trabalhada pelo diretor Jacques Audiard. Dheepan reclama de não entender as piadas dos franceses, a menina passa por problemas na escola, Yalini usa um véu em público, como se essa fosse uma designação para todos os emigrados de países do leste. E esse desencaixe acaba forçando ao convívio entre os três estranhos, pela mútua dependência de viveram sob identidades falsas e pela proximidade gerada pelas suas origens comuns.

Essa mútua necessidade forma na cabeça de Dheepan uma espécie de ilusão. Ele acaba acreditando que de fato é marido e pai, e sua ações são encadeadas por essa crença, querendo proteger as duas, principalmente quando a questão da violência local se torna mais evidente. É o choque de realidades que o leva a se apegar de tal forma, pretendendo construir uma nova condição de vida, ter família, amigos e emprego de fato, ao invés de viver enquanto um diferente entre os demais.

Essa construção da nova vida, mais do que agruras da migração, são o ponto principal da obra de Audiard. A busca por uma vida nova e uma construção de identidade em outro local dão a tônica da narrativa, mais do que se prender em questões políticas, econômicas ou sociais de um problema crescente. Apresentar esse viés sobre um assunto tão significativo foi a grande sacada do filme, que foi premiado ano passado com a Palma de Ouro em Cannes.


Guilherme Carvalhal
Itaperuna, 28/7/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quem sou eu? de Paulo Polzonoff Jr


Mais Guilherme Carvalhal
Mais Acessadas de Guilherme Carvalhal em 2016
01. Três filmes sobre juventude no novo século - 3/11/2016
02. Submissão, oportuno, mas não perene - 5/5/2016
03. Brasil em Cannes - 30/6/2016
04. Os novos filmes de Iñárritu - 17/3/2016
05. A pérola do cinema sul-americano - 6/10/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Bouddha I - Le Rêve de Lumiere
Patricia Chendi
Roberto Laffont
(1999)



Matematica Financeira Fcc (2008)
Wagner Carvalho
Ferreira
(2008)



Do Crepúsculo a Aurora - uma Lágrima
Albert Zbiti Kolonda; Sylvestre Sangala Mulangwa
Curitiba
(2008)



Nao Faca Tudo Sozinho
Daven Michaels; Leonardo Abramowicz
Saraiva
(2000)



Latifúndio Midiota Crimes, Crises e Trapaças
Leonardo Wexell Severo
Papiro
(2012)



Box Conecte Química 3
João Usberco; Edgard Salvador
Saraiva
(2014)



Damien
Jacquelyn Frank
Nova Cultural
(2009)



Da Razão à Emoção - Ensaios Rosianos e Outros
Fábio Freixieiro
Nacional
(1968)



Andanças
Rubem Ivo
Hsb
(2001)



Shakespeare - Macbeth (Teatro Inglês)
William Shakespeare
L&pm
(2000)





busca | avançada
60317 visitas/dia
1,8 milhão/mês