A pata da gazela transviada | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
71230 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 4/4/2006
A pata da gazela transviada
Marcelo Spalding

+ de 7000 Acessos

Já diria o teórico, vivemos numa logosfera onde cada texto é elo de uma cadeia, e não uma entidade isolada. Parece pomposo mas é apenas uma definição do que se chama intertextualidade, ou seja, o diálogo que os textos fazem um com o outro ao longo do tempo. Normalmente o autor não deixa claro com que obras ele está "dialogando", mas não é difícil perceber influências, por exemplo, de Simões Lopes Neto em Erico Verissimo, em Luiz Antonio de Assis Brasil de ambos e em Cíntia Moscovich de Assis Brasil (para ficar nos meus conterrâneos gaúchos). Não que escrevam os quatro sobre o mesmo tema, mas a intertextualidade pode ser temática e/ou técnica. Um leu o outro.

A forma mais direta e polêmica de intertextualidade é o pastiche, onde uma obra literária é imitada servilmente de outra. Direta porque a referência deve ser explícita, pois o leitor precisa conhecer a versão antiga para que a nova se justifique. E polêmica porque a linha divisória entre o pastiche e o plágio, ou o pastiche e a paródia, é tênue.

Mas polêmica nunca foi problema para Glauco Mattoso, poeta, ficcionista, ensaísta, tradutor e letrista que nos anos 70 participou, entre os chamados "poetas marginais", da resistência cultural à ditadura militar. E se polêmica não é problema, não esperem que A planta da donzela (2005, Lamparina, 224 págs.), seja apenas uma versão moderna ou atualizada da célebre A pata da gazela, de José de Alencar. Não é. Longe disso. Se tivermos de adjetivar a nova versão, ela seria uma versão transviada.

Comecemos pelo romance de Alencar. Escrito em 1870, época em que no Rio de Janeiro não existia automóvel, futebol, Cristo Redentor, república nem Garotinho (graças a Deus), narra um triângulo amoroso entre três jovens, a bela e virgem e rica Amélia, o introspectivo e sério e humilde Leopoldo e o vaidoso e popular e belo Horácio. Este último apaixona-se por Amélia a partir de uma botina que esta deixara cair no chão, e de tal forma fica fascinado pela forma minúscula do pé da moça que resolve namorá-la. Descrito como um "leão da moda", não é difícil para Horácio conquistar os suspiros da romântica donzela, mas por algum motivo que escapa à moça, esta importuna-se com a presença de Leopoldo. Leopoldo, por sua vez, ama Amélia desde a primeira vez que a vê, mas confunde seu pé com o de sua prima Laura e acredita ter ela um horrendo aleijão. Sem entender como pode tão bela moça ter anomalia tão terrível, questiona seu amor e chega a ficar doente nesta dúvida, até que descobre amar em Amélia não a beleza, o pé, mas sua alma.

Temos, aí, uma oposição muito cara aos românticos da época de Alencar entre o amor materialista e o amor espiritualista, em que o segundo triunfará sobre o primeiro. Ainda que Amélia se encante com a beleza de Horácio, pregará uma peça no homem para ver se ele realmente a ama ou ama apenas sua figura (leia-se seu pé), e no final da história casará com Leopoldo. Enfim, uma história simples, de personagens simples, individualistas mas apaixonados. Uma espécie de cinderela brasileira.

Pois aí vem Glauco Mattoso, autor, só para se ter uma idéia, do romance autobiográfico Manual do podólatra amador (1986), e debruça-se sobre a obra de Alencar para criar seu mais novo romance, A planta da donzela. Nas primeiras páginas o pastiche é total, o narrador volta a mesma cena na Rua do Ouvidor de 1870 e começa cenas inteiras com "segundo o romancista da época", e abre aspas. Para reforçar o contexto histórico e social da época, no começo de cada capítulo Glauco recorre ainda a um historiador, e com a deixa "refere o historiador que", abre aspas e descreve o Rio de Janeiro de então. É um narrador dentro do narrador, como em Dom Quixote, técnica aliás brilhantemente usada por Glauco. Mas de repente, na cena em que Leopoldo deveria ver o aleijão de Amélia e começar todas as suas crises românticas, uma surpresa: em Glauco é o próprio Leopoldo quem tem os pés deformados, e por isso mesmo ele apaixona-se por Amélia. E ainda que isso fosse o suficiente para desvirtuar toda a história original, em Glauco Amélia jamais apaixona-se por Leopoldo, em Glauco Horácio não está interessado em sentimentalismo, mas em sensualidade, e em Glauco Dona Clementina é Madame Fragonard e a ingênua prima de Amélia, Laura, é a sadomasoquista Laura Lawrence.

A partir daí surgem novos personagens e o argumento da trama muda completamente (entra em cena o autor do Manual do Podólatra Amador): Horácio, tarado pelo pé de Amélia, depois de ter encontrado a botina, depara-se com um desafio feito pela moça: participar de sessões didascálicas, qual seja ser amarrado em um pelourinho inglês e açoitado, pisado. Não contaremos o final, é claro, e se já fomos longe é para mostrar o quão longe vai Glauco na alteração do original.

Como exercício cômico e enquanto acabamento formal a história funciona, o problema é que ao transportar o mundo do século XXI, o mundo sensualizado, egoísta, em crise existencial e freudiano do século XXI, para o mundo romântico de 1870, Glauco exagera tanto quanto Alencar em seu romantismo. Entre a obra de Alencar e esta versão de 130 anos depois não há meio termo: uma é um simples suspiro; a outra, violenta masturbação.

Não faltarão estudantes ou professores ou simples amantes das letras para traçar, futuramente, comparativos entre as duas obras, entre a escola romântica e a escola contemporânea, entre o Rio de Janeiro de meio milhão de pessoas, se tanto, de Alencar e o Rio de seis milhões de almas de Glauco. E nesse sentido a comparação entre A pata da gazela e A planta da donzela é primorosa. Mas a obra isolada, se lida por alguém que não conheça a da gazela, corre o risco de mostrar-se frágil, inverossímil. Ou, para um bom fetichista, inspiradora.


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 4/4/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos
02. A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel de Renato Alessandro dos Santos
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky de Heloisa Pait
04. E por falar em aposentadoria de Fabio Gomes
05. Notas confessionais de um angustiado (II) de Cassionei Niches Petry


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2006
01. O centenário de Mario Quintana, o poeta passarinho - 8/8/2006
02. Romanceiro da Inconfidência - 10/1/2006
03. Um defeito de cor, um acerto de contas - 31/10/2006
04. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto - 5/12/2006
05. A literatura feminina de Adélia Prado - 25/7/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O RETORNO DO CONDE KRINKODEMO
GARY MORECAMBE
COMPANHIA DAS LETRAS
(2007)
R$ 26,82



POLOS, PARQUES E INCUBADORAS: A BUSCA DA MODERNIZAÇÃO E COMPETITI
JOSÉ ADELINO MEDEIROS, SÉRGIO PERILO E OUTROS
CNPQ IBICT E SENAI (DF)
(1992)
R$ 9,82



ECONOMIA BRASILEIRA ATUAL AO ALCANCE DE TODOS
ELIANA A.CARDOSO
BRASILIENSE
(1987)
R$ 8,00



A HISTÓRIA ILUSTRADA DA GRÉCIA ANTIGA - 9256
DIVERSOS
ESCALA
R$ 15,00



APENAS UM CURUMIM
WERNER ZOTZ
NORDICA
(1989)
R$ 5,00



MINISTERIO DO ABSURDO
CLOTILDE CHAPARRO ROCHA
THESAURUS
(2006)
R$ 12,00



REGULAMENTOS DE TRÁFEGO AÉREO - VÔO VISUAL
PLÍNIO JR.
ASA
(1998)
R$ 7,90



LA CIENCIA DE LA AUTO REALIZACION
SU DIVINA GRACIA A. C. BHAKTIVEDANTA SWAMI
THE BHAKTIVEDANTA BOOK
(1997)
R$ 30,00



ANNE DE CABELOS RUIVOS
LUCY MAUD MONTGOMERY
CIRANDA
(2019)
R$ 27,00



THE STAINED GLASS WINDOWS MILAN CATHEDRAL
ERNESTO BRIVIO
N/D
(1998)
R$ 60,00





busca | avançada
71230 visitas/dia
1,4 milhão/mês