A pata da gazela transviada | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Péricles Cavalcanti - lançamento de SALTANDO COMPASSOS
>>> Espetáculo “Canções Para Pequenos Ouvidos” chega ao Teatro Clara Nunes, em Diadema
>>> (Abre 11/10) Mostra BAÚ DA DGT_curadores Francisco Gaspar,Tuna Dwek, Donny Correia e Diego da Costa
>>> Escrever outros Corpos - Criar outras Margens || BELIZARIO Galeria
>>> SESC 24 DE MAIO RECEBE EVENTO DE LANÇAMENTO DA COLEÇÃO ARQUITETOS DA CIDADE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Universos paralelos
>>> Deseduquei
>>> Cuidado com a mentira!
>>> E agora? Vai ter pesquisa novamente?
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> perversão sexual
>>> Trailer do Fim do Mundo
>>> Uísque ruim, degustador incompetente
>>> O bom e velho jornalismo de sempre
>>> Apresentação
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Felicidade
>>> Ano novo, vida nova.
Mais Recentes
>>> Marketing Médico - Criando Valor ao Paciente de Renato Gregório pela Doc (2009)
>>> Bango, o Vendedor de Maçãs de Woo-Joo Hong (Autor), Jin-Joo Chae (Autor) pela Ftd (2012)
>>> Falando Com as Estrelas de Juan Arias; Mari Ines Piekas pela Paulinas (2011)
>>> O Livro Completo de Etiqueta de Amy Vanderbilt de Nancy Tuckerman & Namcy Dunnan pela Nova Fronteira (2000)
>>> As Pessoas da Idade Média de Robert Fossier pela Vozes (2018)
>>> Os escorpiões contra o círculo de fogo de Ignácio de Loyola Brandão pela Global (2009)
>>> Revelação Em Preto E Branco. A Imagem Com Qualidade de Millar W. L . Schisler pela Marins Fontes (1995)
>>> O Corpo Fala de Pierre Weil evRoland Tompakow pela Vozes (2000)
>>> Vícios privados , Benefícios Públicos de Eduardo Giannetti da Fonseca pela Companhia das Letras (1993)
>>> Sete Cavalos na Berlinda de Sidónio Muralha (Autor) pela Global (1997)
>>> Outra Vez de Ernesto Che Guevara pela Ediouro (2004)
>>> O mque Esperar do Segundo Ano - de 12va 24 meses de Heidi Murkoff ; Sharon Mazel pela Record (2022)
>>> A revolta dos guarda-chuvas de Eva Furnari; Sidónio Muralha pela Global (1998)
>>> Os Caminhos de Mandela : Lições de vida, amor e coragem de Richard Stengel pela Globo (2010)
>>> Do outro lado do espelho de Lewis Carroll; Tony Ross; Ricardo Gouveia pela Martins Fontes (1997)
>>> Puro de Andrew Miller pela Bertrand Brasil (2013)
>>> Educar sem Violência - criando filhos sem palmadas de Ligia Moreiras Sena / Andréiac C. K. Mortensen pela 7 Mares (2014)
>>> Azul Alentejo de Monica Ali pela Rocco (2007)
>>> Legend: A Verdade se Tornará Lenda de Marie Lu pela Prumo (2012)
>>> Os Desafios da Terapia de Irvin D. Yalon pela Ediouro (2006)
>>> Meu primeiro Maluquinho em quadrinhos de Ziraldo (Autor) pela Globo (2011)
>>> Al - Gharb 1146 de Alberto Xavier pela Bertrand (2006)
>>> Histórias Da Velha Totonia de José Lins do Rego pela Jose Olympio (2010)
>>> O Livro das Princesas de Meg Calbot; Paula Pimenta; Lauren kate pela Galera Record (2015)
>>> Como os médicos pemsam de Jeromev Groopman pela Agir (2008)
COLUNAS

Terça-feira, 4/4/2006
A pata da gazela transviada
Marcelo Spalding

+ de 8000 Acessos

Já diria o teórico, vivemos numa logosfera onde cada texto é elo de uma cadeia, e não uma entidade isolada. Parece pomposo mas é apenas uma definição do que se chama intertextualidade, ou seja, o diálogo que os textos fazem um com o outro ao longo do tempo. Normalmente o autor não deixa claro com que obras ele está "dialogando", mas não é difícil perceber influências, por exemplo, de Simões Lopes Neto em Erico Verissimo, em Luiz Antonio de Assis Brasil de ambos e em Cíntia Moscovich de Assis Brasil (para ficar nos meus conterrâneos gaúchos). Não que escrevam os quatro sobre o mesmo tema, mas a intertextualidade pode ser temática e/ou técnica. Um leu o outro.

A forma mais direta e polêmica de intertextualidade é o pastiche, onde uma obra literária é imitada servilmente de outra. Direta porque a referência deve ser explícita, pois o leitor precisa conhecer a versão antiga para que a nova se justifique. E polêmica porque a linha divisória entre o pastiche e o plágio, ou o pastiche e a paródia, é tênue.

Mas polêmica nunca foi problema para Glauco Mattoso, poeta, ficcionista, ensaísta, tradutor e letrista que nos anos 70 participou, entre os chamados "poetas marginais", da resistência cultural à ditadura militar. E se polêmica não é problema, não esperem que A planta da donzela (2005, Lamparina, 224 págs.), seja apenas uma versão moderna ou atualizada da célebre A pata da gazela, de José de Alencar. Não é. Longe disso. Se tivermos de adjetivar a nova versão, ela seria uma versão transviada.

Comecemos pelo romance de Alencar. Escrito em 1870, época em que no Rio de Janeiro não existia automóvel, futebol, Cristo Redentor, república nem Garotinho (graças a Deus), narra um triângulo amoroso entre três jovens, a bela e virgem e rica Amélia, o introspectivo e sério e humilde Leopoldo e o vaidoso e popular e belo Horácio. Este último apaixona-se por Amélia a partir de uma botina que esta deixara cair no chão, e de tal forma fica fascinado pela forma minúscula do pé da moça que resolve namorá-la. Descrito como um "leão da moda", não é difícil para Horácio conquistar os suspiros da romântica donzela, mas por algum motivo que escapa à moça, esta importuna-se com a presença de Leopoldo. Leopoldo, por sua vez, ama Amélia desde a primeira vez que a vê, mas confunde seu pé com o de sua prima Laura e acredita ter ela um horrendo aleijão. Sem entender como pode tão bela moça ter anomalia tão terrível, questiona seu amor e chega a ficar doente nesta dúvida, até que descobre amar em Amélia não a beleza, o pé, mas sua alma.

Temos, aí, uma oposição muito cara aos românticos da época de Alencar entre o amor materialista e o amor espiritualista, em que o segundo triunfará sobre o primeiro. Ainda que Amélia se encante com a beleza de Horácio, pregará uma peça no homem para ver se ele realmente a ama ou ama apenas sua figura (leia-se seu pé), e no final da história casará com Leopoldo. Enfim, uma história simples, de personagens simples, individualistas mas apaixonados. Uma espécie de cinderela brasileira.

Pois aí vem Glauco Mattoso, autor, só para se ter uma idéia, do romance autobiográfico Manual do podólatra amador (1986), e debruça-se sobre a obra de Alencar para criar seu mais novo romance, A planta da donzela. Nas primeiras páginas o pastiche é total, o narrador volta a mesma cena na Rua do Ouvidor de 1870 e começa cenas inteiras com "segundo o romancista da época", e abre aspas. Para reforçar o contexto histórico e social da época, no começo de cada capítulo Glauco recorre ainda a um historiador, e com a deixa "refere o historiador que", abre aspas e descreve o Rio de Janeiro de então. É um narrador dentro do narrador, como em Dom Quixote, técnica aliás brilhantemente usada por Glauco. Mas de repente, na cena em que Leopoldo deveria ver o aleijão de Amélia e começar todas as suas crises românticas, uma surpresa: em Glauco é o próprio Leopoldo quem tem os pés deformados, e por isso mesmo ele apaixona-se por Amélia. E ainda que isso fosse o suficiente para desvirtuar toda a história original, em Glauco Amélia jamais apaixona-se por Leopoldo, em Glauco Horácio não está interessado em sentimentalismo, mas em sensualidade, e em Glauco Dona Clementina é Madame Fragonard e a ingênua prima de Amélia, Laura, é a sadomasoquista Laura Lawrence.

A partir daí surgem novos personagens e o argumento da trama muda completamente (entra em cena o autor do Manual do Podólatra Amador): Horácio, tarado pelo pé de Amélia, depois de ter encontrado a botina, depara-se com um desafio feito pela moça: participar de sessões didascálicas, qual seja ser amarrado em um pelourinho inglês e açoitado, pisado. Não contaremos o final, é claro, e se já fomos longe é para mostrar o quão longe vai Glauco na alteração do original.

Como exercício cômico e enquanto acabamento formal a história funciona, o problema é que ao transportar o mundo do século XXI, o mundo sensualizado, egoísta, em crise existencial e freudiano do século XXI, para o mundo romântico de 1870, Glauco exagera tanto quanto Alencar em seu romantismo. Entre a obra de Alencar e esta versão de 130 anos depois não há meio termo: uma é um simples suspiro; a outra, violenta masturbação.

Não faltarão estudantes ou professores ou simples amantes das letras para traçar, futuramente, comparativos entre as duas obras, entre a escola romântica e a escola contemporânea, entre o Rio de Janeiro de meio milhão de pessoas, se tanto, de Alencar e o Rio de seis milhões de almas de Glauco. E nesse sentido a comparação entre A pata da gazela e A planta da donzela é primorosa. Mas a obra isolada, se lida por alguém que não conheça a da gazela, corre o risco de mostrar-se frágil, inverossímil. Ou, para um bom fetichista, inspiradora.


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 4/4/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dançando com Shiva de Guga Schultze


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2006
01. O centenário de Mario Quintana, o poeta passarinho - 8/8/2006
02. Romanceiro da Inconfidência - 10/1/2006
03. Um defeito de cor, um acerto de contas - 31/10/2006
04. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto - 5/12/2006
05. A literatura feminina de Adélia Prado - 25/7/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um Deus Passeando pela Brisa da Tarde
Mário de Carvalho
Companhia das Letras
(2006)



Gestos de Equilíbrio
Tarthang Tulku
pensamento
(1997)



Enciclopédia Olímpica Brasileira
Varios Autores
Mp
(2015)



Goosebumps - Acampamento Fantasma
R. L. Stine
Fundamento
(2006)



The Third Man and the Fallen Idol
Graham Greene
Penguin Books
(1977)



Os Sujeitos no Universo da Escola -
Verónica Edwards
Ática
(1997)



O Anel de Policrates e Outras Historias (favor Ler a Descrição)
Vários Autores
Cered Objetivo
(2014)



O Efeito Vinculante na Jurisdição Constitucional - Confira!
Roger Stiefelmann Leal
Saraiva
(2006)



Real Talk Series
Wise Up
Wise Up
(2015)



Bertolt Brecht - Teatro Hoje
Paolo Chiarini
Civilização Brasileira
(1967)





busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês