Televisão versus Internet: a disputa desnecessária | Marcelo Maroldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
Mais Recentes
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
>>> O Espião que saiu do Frio de John Le Carré pela Abril cultural (1980)
>>> A Primeira Reportagem de Sylvio Pereira pela Ática (1988)
>>> Distúrbios Psicossomáticos da Criança de Haim Grunspun pela Atheneu
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
>>> Rômulo e Júlia - Os Caras-Pintadas de Rogério Andrade Barbosa pela Ftd (1993)
>>> O Nariz do Vladimir de José Arrabal pela Ftd (1989)
>>> Perigosa e Fascinante de Merline Lovelace pela Nova Cultural (2002)
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Nova Cultural (2001)
>>> O Grande Conquistador de Rita Sofia Mohler pela Escala (1978)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança de John C. Maxwell pela Agir (2007)
>>> Dungeon master guide de Jonathan Tweet / Skip Williams pela Core Rulebook II (2000)
>>> Disfunção Cerebral Mínima de Antonio Branco Lefévre - Beatriz Helena Lefevre pela Sarvier (1983)
>>> Viagem Fantástica II - Rumo ao Cérebro de Isaac Asimov pela Best Seller (1987)
>>> Tpm Número 57 Maio 2009 de Caetano Veloso pela Trip (2009)
>>> Incorporações Imobiliárias de J. Nascimento Franco/ Nisske Gondo pela Revista dos Tribunais (1984)
>>> Cavalo-Marinho no Céu de Edmund Cooper pela Hemus
COLUNAS

Segunda-feira, 25/7/2005
Televisão versus Internet: a disputa desnecessária
Marcelo Maroldi

+ de 12100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Recentemente divulgou-se uma pesquisa que dizia que o brasileiro tem passado mais tempo na Internet do que assistindo televisão. Embora duvide que esses números estejam corretos e que, portanto, isso seja verdade, é um fato importante e inédito. Quando - e se - isso realmente ocorrer, teremos dado um passo rumo a um caminho novo e abandonaremos (será?) um objeto que tem monopolizado a atenção de milhões de pessoas diariamente em todo o mundo.

Antes de iniciar, vamos analisar brevemente a realidade brasileira frente TV versus Internet. Televisão, sabemos, é um item obrigatório em nosso país (e em muitos outros países, a propósito). O sujeito não tem geladeira, fogão ou o que seja que possa lhe melhorar a vida cotidiana, mas tem televisão (às vezes mais que uma, ainda que não tenha dinheiro para pagar a conta de energia). É o principal divertimento apontado pelas camadas de menor poder aquisitivo. Para essas pessoas, é apenas isso que a TV é: um instrumento de lazer, não de informação. Ela "foi" um instrumento de informação para a classe média e alta. Digo foi, pois, hoje, essas classes migraram para a Internet. Informar-se pela web é mais eficiente e mais rápido, e pode ser no intervalo entre um bate-papo no MSN ou outra atividade de lazer (ou não) que se deseja realizar. Exclusão social... Enquanto o usuário da TV precisa assistir ao Jornal Nacional para se informar, eu posso acessar o site da BBC, do MIT ou da NASA. É um passo adiante na aquisição da informação. Isso é segregação, certo? Sim, isso é segregação...

Enquanto devem existir no país, vejamos, 170 milhões de "usuários" de TV, temos pouco mais de 10 milhões de usuários de Internet. Aliás, esse número é superestimado. Eles contabilizam aquele menino da quarta série da escola pública que acessa o chat na aula de informática (monitorada por alguma ONG, a propósito, que chama isso de "inclusão digital", expressão do momento) uma vez por mês (e que nós sabemos, portanto, não usa a internet!). Mas, tudo bem, voltemos ao tema: por que essas pessoas passam mais tempo navegando do que vendo TV? Porque esse é o divertimento e o canal de informação da classe média atual. Televisão, para estes, está fora de moda. Enquanto na televisão você é um usuário totalmente passivo, na web isso não ocorre. Você pode ter um blog só seu, pode encontrar os amigos virtuais, ver quantos corações te deram no Orkut, etc. E pode, ainda, baixar o mp3 do Elvis cantando "My Way", pode ler o livro novo do Harry Potter (em russo, se quiser), pode mandar um e-mail para o presidente da república (embora ele não vá ler), pode estudar para sua tese de mestrado em neurociência. Você pode fazer tudo isso, mas poucos o fazem. Desses 10 milhões, 9 devem passar o seu tempo na Net batendo papo e repassando correntes sem sentido e veracidade. Pois é, trocaram a TV por isso...

E o que a TV tem feito em resposta? A TV tem investido (e muito) em novos formatos de programas, geralmente que envolvem a participação de quem assiste. Mas, logo verão (se já não viram) que isso é insuficiente. Quanto mais gente ganha a possibilidade de acesso à internet mais a TV fica de lado. Por que? Bom, porque, além de sermos ativos defronte o computador temos, na web, (quase) absolutamente tudo o que temos na televisão. Pela internet é possível saber precisamente o que ocorre na novela, no BBB ou no campeonato espanhol de futebol. E isso a hora em que eu quiser. Eu posso, inclusive, assistir esses programas pela internet, interrompendo quando quiser e continuando, se desejar, outra hora... A televisão só irá reconquistar seu público quando for possível ao telespectador montar sua própria grade de programação. Isto é, permitir que eu assista o capítulo da novela quando eu quiser, quantas vezes quiser e permitir que eu assista no domingo, por exemplo, todos os episódios da semana, sem gravação, apenas selecionando do controle remoto. Isso sim é revolucionário para a TV! E não irá demorar muito, aliás, já está acontecendo. Como tudo, entretanto, o que ocorre de novidade no mundo, alguns privilegiados terão acesso antes e outros, muito, muito depois, quando já tiverem inventando outra coisa mais incrível. Talvez, para usarmos a TV personalizada, precisaremos de um novo aparelho, mais moderno, ou adquirir algum aparelhinho que permita a seleção dos programas, ou, mais provável, pagar uma taxa a uma espécie de provedor de TV. E isso, o usuário atual de TV não poderá fazer... Mas não importa! A TV, ainda que avance outros concorrentes, continuará a existir por bastante tempo, ainda que altere seu formato atual.

Um outro aspecto nessa disputa entre TV e Internet parece ser o status adquirido pelos usuários do segundo. Muita gente diz, arrogantemente às vezes, que não assiste televisão. Isso parece dar um poder de superioridade a essa pessoa, uma superioridade intelectual principalmente, como se TV fosse lugar de gente burra (quem faz e quem assiste). Ok, leitores, eu preciso admitir que há muito mais inteligência fora da televisão do que nela, mas, a televisão é interessante. Ela pode estar péssima (TV aberta, principalmente), mas é uma invenção fantástica, nem tudo está perdido! Ontem mesmo revi um programa ótimo sobre livros (sim, sobre livros!) na TV Cultura. Ora, não é possível que quem não assiste TV não encontre nenhum programa de seu interesse, em especial se essa pessoa tem TV a cabo (opa, apartheid de informação/diversão de novo aqui, infelizmente). A televisão pode ser legal, sim... e esse texto seria totalmente dedicado a isso. Ia dizer, em principio, porque a televisão é legal pra mim e o que é legal, mas isso vai ficar para um outro dia. Mas eu não me acho ruim por assisti-la. Jamais conheci pessoalmente alguém que lesse mais do que eu, e eu assisto televisão! E conheço semi-analfabetos que não assistem televisão, pois dizem que a TV os deixa estúpidos (não é piada, creiam-me). Por que não posso combinar tudo? Televisão, internet, livros, cinema e o que mais eu quiser? (Falsos) Intelectuais rotulam certas coisas como inferiores e um grupo de desavisados abraça a causa, parece. Ir ao museu é bom, assistir Manhattan Connection é bom e cinema brasileiro também é bom. Se você não faz essas atividades, meu amigo, você não faz parte da elite cultural do país... ah, e não ouse dizer que assiste televisão, hein!

Marcelo Maroldi
São Carlos, 25/7/2005



Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os olhos de Ingrid Bergman de Renato Alessandro dos Santos
02. Fake news, passado e futuro de Luís Fernando Amâncio
03. Viena expõe obra radical de Egon Schiele de Jardel Dias Cavalcanti
04. Essas moças de mil bocas de Elisa Andrade Buzzo
05. Imprimam - e repensem - suas fotografias de Ana Elisa Ribeiro


Mais Marcelo Maroldi
Mais Acessadas de Marcelo Maroldi em 2005
01. Como escrever bem — parte 1 - 13/6/2005
02. Como escrever bem — parte 2 - 27/6/2005
03. Como escrever bem – parte 3 - 11/7/2005
04. A ousadia de mudar de profissão - 28/11/2005
05. O que é ser jornalista? - 22/8/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/7/2005
06h56min
Adorei a ironia (inclusive a final). Sempre me incomodou que além de haver pouco empenho pela cultura e a educação, houvesse também uma "patrulha ideológica" querendo me dizer do que eu devo gostar ou julgar relevante. Gente chata!
[Leia outros Comentários de Carla]
26/7/2005
14h43min
Marcelo, para mim são fases, às vezes fico grudada na tevê, às vezes na internet, às vezes nos livros. Tudo é bom, de tudo se aprende algo. Mas, ah, a internet é imbatível. Ela é tudo: ela é livro, é cinema, é televisão, é tudo!
[Leia outros Comentários de andréa trompczynski]
27/7/2005
12h10min
Eu praticamente parei de assistir TV porque os programas, em sua imensa maioria, estao ruins e/ou repetitivos. Tem um ou outro seriado legal, mas que satura se voce ja viu um monte de seriados. No que tange a noticias, e' dificil encontrar um noticiario bem feito e interessante, tirando aqui o BBC News. Acho que a televisao esta' com o rabo preso, no sentido de que tem que agradar a um grande publico, enquanto que na Net voce pode encontrar coisas mais customizadas, mais particulares a cada um. Um blogue raramente tem que ser direcionado a mais do que milhares de leitores. Compare isso a um programa de televisao, que atinge por baixo milhoes. Quando passamos a ter acesso a informacoes mais ao nosso gosto, temos menos tolerancia com coisas feitas para uma grande "media". De qualquer maneira, televisao e internet sao sobrevalorizados. Ainda acho que tem muita gente que esquece do bom programa que e' ir dar uma volta e encontrar o mundo...
[Leia outros Comentários de Ram]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PROSPECÇÃO DE JAZIDAS LÍTICAS EM ARQUEOLOGIA: PROPOSTA METODOLÓGICA
ULISSES CYRINO PENHA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 321,00



ASSISTENTES VIRTUAIS INTELIGENTES E CHATBOTS
LEÔNCIO TEIXEIRA CRUZ, ANTONIO JUAREZ ALENCAR, EBER ASSIS SCHMITZ
BRASPORT
R$ 80,00



O EVANGELHO SEGUNDO O FILHO
NORMAN MAILER
RECORD
(1998)
R$ 13,39



ATUALIDADES VESTIBULAR GUIA DO ESTUDANTE
GUIA DO ESTUDANTE - VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2009)
R$ 5,00



A QUESTÃO AMBIENTAL E AS CIÊNCIAS SOCIAIS
IDÉIAS ANO 8 (2) DE 2001
UNICAMP (CAMPINAS SP)
(2001)
R$ 26,82



MÁRIO DE ANDRADE - LITERATURA COMENTADA
JOÃO LUIZ LAFETA
NOVA CULTURAL
(1990)
R$ 5,00



CADERNO DE APOIO ESTATÍSTICA APLICADA À GESTÃO
CRISTINA VILHENA DE MENDONÇA J. CALDEIRA
UNIVERSIDADE ABERTA
(1997)
R$ 73,64



GUIA COMPLETO DO FUNCION DE UMA EMPRESA : MICRO MÉDIA E GRANDE 7239
ROGR BARKI JOSY ALZOGARAY
VOZES
(1985)
R$ 11,00



SEM TEMPO PARA CHORAR
MARILUSA MOREIRA VASCONCELLOS
RADHU
R$ 28,00



RAIO X DO LIVRO ESPIRITA
EURÍPEDES KUHL
ALIANÇA
(2003)
R$ 5,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês