Televisão versus Internet: a disputa desnecessária | Marcelo Maroldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Oreficeria Moderna Tecnica-pratica de L Vitiello pela Hoepli (1963)
>>> A pretexto do combate e globalizaçao Renasce a luta de classes de Gregorio vivanco lopes pela Cruz de cristo (2002)
>>> Um Mergulho no Inferno das Drogas de Maria Célia Ribeiro Cesar pela Do Autor (2001)
>>> Um copo de cerveja de Affonso heliodoro pela brasilia (2001)
>>> Felicidade Roubada de Augusto Cury pela Benvira (2014)
>>> Actores, redes y desafíos : juventudes e infancias en América Latina de Alberto Hernandez Hernandez Amalia E. Campos Delgado pela Clacso (2015)
>>> Instituições Direito Público e Privado de Nelson Goday pela Nelpa
>>> Tom Jones de Henri Fielding pela Abril Cultural (1971)
>>> Stories of Mystery and Suspense (sem Cd) de Edgar Allan Poe pela Hub (2000)
>>> As Relações Perigosas - Biblioteca Folhas de Choderlos de Lacros pela Ediouro (1998)
>>> Contos do Rio - Filosofia do rio em sete dimensões de Saturnino Braga pela Record (1999)
>>> O Fator Decisivo da Lombalgia Prática e Teoria de Sadakazu Nakata pela Andemo (1982)
>>> Paddy Clarke Ha Ha Ha de Roddy Doyle; Lidia Cavalcante Luther pela Estação Liberdade (2002)
>>> Testa de Ferro de Carlos Bohn pela Livro Que Constroem (2010)
>>> A Imperfeição no Evangelho de Ricardo Peter pela Paulus (2000)
>>> Pcc a Facção de Fatima Souza pela Record (2007)
>>> Tom Jones de Henry Fielding pela Abril Cultural
>>> Diretrizes e Praticas da Gestaão Financeiras de Roberto Bohlen Selene pela Ibpex (2010)
>>> Essencialismo - a Disciplinada Busca por Menos de Greg Mckeown pela Sextante (2014)
>>> Deusa do Mar - Série Goodess de P. C Cast pela Novo Século (2011)
>>> Viver Melhor Em Família de Elizabeth Monteiro pela Mescla (2016)
>>> Discover the World Wide Web With Your Sportster de John December pela Sams Net (1995)
>>> A Vida Secreta Grandes Autores de Robert Schnakenberg pela Ediouro (2008)
>>> Assumindo A sua Personalidade de Leo Buscaglia pela Record (1978)
>>> Educação Superior - Expansão e Reformas Educativas - Sebo Tradicao de Deise Mancebo pela Uen (2012)
COLUNAS

Segunda-feira, 25/7/2005
Televisão versus Internet: a disputa desnecessária
Marcelo Maroldi

+ de 13100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Recentemente divulgou-se uma pesquisa que dizia que o brasileiro tem passado mais tempo na Internet do que assistindo televisão. Embora duvide que esses números estejam corretos e que, portanto, isso seja verdade, é um fato importante e inédito. Quando - e se - isso realmente ocorrer, teremos dado um passo rumo a um caminho novo e abandonaremos (será?) um objeto que tem monopolizado a atenção de milhões de pessoas diariamente em todo o mundo.

Antes de iniciar, vamos analisar brevemente a realidade brasileira frente TV versus Internet. Televisão, sabemos, é um item obrigatório em nosso país (e em muitos outros países, a propósito). O sujeito não tem geladeira, fogão ou o que seja que possa lhe melhorar a vida cotidiana, mas tem televisão (às vezes mais que uma, ainda que não tenha dinheiro para pagar a conta de energia). É o principal divertimento apontado pelas camadas de menor poder aquisitivo. Para essas pessoas, é apenas isso que a TV é: um instrumento de lazer, não de informação. Ela "foi" um instrumento de informação para a classe média e alta. Digo foi, pois, hoje, essas classes migraram para a Internet. Informar-se pela web é mais eficiente e mais rápido, e pode ser no intervalo entre um bate-papo no MSN ou outra atividade de lazer (ou não) que se deseja realizar. Exclusão social... Enquanto o usuário da TV precisa assistir ao Jornal Nacional para se informar, eu posso acessar o site da BBC, do MIT ou da NASA. É um passo adiante na aquisição da informação. Isso é segregação, certo? Sim, isso é segregação...

Enquanto devem existir no país, vejamos, 170 milhões de "usuários" de TV, temos pouco mais de 10 milhões de usuários de Internet. Aliás, esse número é superestimado. Eles contabilizam aquele menino da quarta série da escola pública que acessa o chat na aula de informática (monitorada por alguma ONG, a propósito, que chama isso de "inclusão digital", expressão do momento) uma vez por mês (e que nós sabemos, portanto, não usa a internet!). Mas, tudo bem, voltemos ao tema: por que essas pessoas passam mais tempo navegando do que vendo TV? Porque esse é o divertimento e o canal de informação da classe média atual. Televisão, para estes, está fora de moda. Enquanto na televisão você é um usuário totalmente passivo, na web isso não ocorre. Você pode ter um blog só seu, pode encontrar os amigos virtuais, ver quantos corações te deram no Orkut, etc. E pode, ainda, baixar o mp3 do Elvis cantando "My Way", pode ler o livro novo do Harry Potter (em russo, se quiser), pode mandar um e-mail para o presidente da república (embora ele não vá ler), pode estudar para sua tese de mestrado em neurociência. Você pode fazer tudo isso, mas poucos o fazem. Desses 10 milhões, 9 devem passar o seu tempo na Net batendo papo e repassando correntes sem sentido e veracidade. Pois é, trocaram a TV por isso...

E o que a TV tem feito em resposta? A TV tem investido (e muito) em novos formatos de programas, geralmente que envolvem a participação de quem assiste. Mas, logo verão (se já não viram) que isso é insuficiente. Quanto mais gente ganha a possibilidade de acesso à internet mais a TV fica de lado. Por que? Bom, porque, além de sermos ativos defronte o computador temos, na web, (quase) absolutamente tudo o que temos na televisão. Pela internet é possível saber precisamente o que ocorre na novela, no BBB ou no campeonato espanhol de futebol. E isso a hora em que eu quiser. Eu posso, inclusive, assistir esses programas pela internet, interrompendo quando quiser e continuando, se desejar, outra hora... A televisão só irá reconquistar seu público quando for possível ao telespectador montar sua própria grade de programação. Isto é, permitir que eu assista o capítulo da novela quando eu quiser, quantas vezes quiser e permitir que eu assista no domingo, por exemplo, todos os episódios da semana, sem gravação, apenas selecionando do controle remoto. Isso sim é revolucionário para a TV! E não irá demorar muito, aliás, já está acontecendo. Como tudo, entretanto, o que ocorre de novidade no mundo, alguns privilegiados terão acesso antes e outros, muito, muito depois, quando já tiverem inventando outra coisa mais incrível. Talvez, para usarmos a TV personalizada, precisaremos de um novo aparelho, mais moderno, ou adquirir algum aparelhinho que permita a seleção dos programas, ou, mais provável, pagar uma taxa a uma espécie de provedor de TV. E isso, o usuário atual de TV não poderá fazer... Mas não importa! A TV, ainda que avance outros concorrentes, continuará a existir por bastante tempo, ainda que altere seu formato atual.

Um outro aspecto nessa disputa entre TV e Internet parece ser o status adquirido pelos usuários do segundo. Muita gente diz, arrogantemente às vezes, que não assiste televisão. Isso parece dar um poder de superioridade a essa pessoa, uma superioridade intelectual principalmente, como se TV fosse lugar de gente burra (quem faz e quem assiste). Ok, leitores, eu preciso admitir que há muito mais inteligência fora da televisão do que nela, mas, a televisão é interessante. Ela pode estar péssima (TV aberta, principalmente), mas é uma invenção fantástica, nem tudo está perdido! Ontem mesmo revi um programa ótimo sobre livros (sim, sobre livros!) na TV Cultura. Ora, não é possível que quem não assiste TV não encontre nenhum programa de seu interesse, em especial se essa pessoa tem TV a cabo (opa, apartheid de informação/diversão de novo aqui, infelizmente). A televisão pode ser legal, sim... e esse texto seria totalmente dedicado a isso. Ia dizer, em principio, porque a televisão é legal pra mim e o que é legal, mas isso vai ficar para um outro dia. Mas eu não me acho ruim por assisti-la. Jamais conheci pessoalmente alguém que lesse mais do que eu, e eu assisto televisão! E conheço semi-analfabetos que não assistem televisão, pois dizem que a TV os deixa estúpidos (não é piada, creiam-me). Por que não posso combinar tudo? Televisão, internet, livros, cinema e o que mais eu quiser? (Falsos) Intelectuais rotulam certas coisas como inferiores e um grupo de desavisados abraça a causa, parece. Ir ao museu é bom, assistir Manhattan Connection é bom e cinema brasileiro também é bom. Se você não faz essas atividades, meu amigo, você não faz parte da elite cultural do país... ah, e não ouse dizer que assiste televisão, hein!

Marcelo Maroldi
São Paulo, 25/7/2005



Quem leu este, também leu esse(s):
01. Oswald de Andrade e o homem cordial de Celso A. Uequed Pitol
02. O centenário de Contos Gauchescos de Marcelo Spalding


Mais Marcelo Maroldi
Mais Acessadas de Marcelo Maroldi em 2005
01. Como escrever bem — parte 1 - 13/6/2005
02. Como escrever bem — parte 2 - 27/6/2005
03. Como escrever bem – parte 3 - 11/7/2005
04. A ousadia de mudar de profissão - 28/11/2005
05. O que é ser jornalista? - 22/8/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/7/2005
06h56min
Adorei a ironia (inclusive a final). Sempre me incomodou que além de haver pouco empenho pela cultura e a educação, houvesse também uma "patrulha ideológica" querendo me dizer do que eu devo gostar ou julgar relevante. Gente chata!
[Leia outros Comentários de Carla]
26/7/2005
14h43min
Marcelo, para mim são fases, às vezes fico grudada na tevê, às vezes na internet, às vezes nos livros. Tudo é bom, de tudo se aprende algo. Mas, ah, a internet é imbatível. Ela é tudo: ela é livro, é cinema, é televisão, é tudo!
[Leia outros Comentários de andréa trompczynski]
27/7/2005
12h10min
Eu praticamente parei de assistir TV porque os programas, em sua imensa maioria, estao ruins e/ou repetitivos. Tem um ou outro seriado legal, mas que satura se voce ja viu um monte de seriados. No que tange a noticias, e' dificil encontrar um noticiario bem feito e interessante, tirando aqui o BBC News. Acho que a televisao esta' com o rabo preso, no sentido de que tem que agradar a um grande publico, enquanto que na Net voce pode encontrar coisas mais customizadas, mais particulares a cada um. Um blogue raramente tem que ser direcionado a mais do que milhares de leitores. Compare isso a um programa de televisao, que atinge por baixo milhoes. Quando passamos a ter acesso a informacoes mais ao nosso gosto, temos menos tolerancia com coisas feitas para uma grande "media". De qualquer maneira, televisao e internet sao sobrevalorizados. Ainda acho que tem muita gente que esquece do bom programa que e' ir dar uma volta e encontrar o mundo...
[Leia outros Comentários de Ram]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Conquista Divina
A. W. Tozer
Mundo Cristão
(1987)



Metrópole e Globalização - Conhecendo a Cidade de São Paulo
Maria Adélia Aparecida de Souza e Outros
Cedesp
(1999)



Um Pequeno Segredo
Linda Goodnight
Nova Cultural
(2003)



Shout! the True Story of the Beatles
Philip Norman
Pan
(2004)



O Nascimento da Imprensa Brasileira
Isabel Lustosa
Jorge Zahar
(2003)



Política Fiscal e Desenvolvimento no Brasil
Márcio Percival Alves Pinto e Geraldo Biasoto Jr
Unicamp
(2006)



As Origens da Globalização da Economia
Jacques Adda
Manole
(2004)



Histoire de Lart - L Art Moderne
Élie Faure
Libraire Plon
(1948)



Disciplina: Limite na Medida Certa 34ª Edição.
Içami Tiba
Gente
(1996)



Vida Com Esperança
Mark Finley; Peter Landlees
Do Autor
(2014)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês