Memória insuficiente | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
84878 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Daniel Piza (1970-2011)

Quinta-feira, 9/2/2012
Memória insuficiente
Vicente Escudero

+ de 3600 Acessos

Estava checando e-mails quando recebi a notícia da morte do Piza através do grupo de discussão do Digestivo. Eram mais ou menos onze da manhã, eu havia acabado de acordar, não me recordo se era um final de semana ou feriado, e o Estadão do dia estava jogado na mesa atrás da minha poltrona. Minha primeira reação não foi visitar os links nem terminar de ler o e-mail, mas pegar o jornal e procurar alguma notícia, algo que eu não fazia há mais de um ano, depois que acostumei a usar a internet como repositório diário da minha necessidade de informação, cultura e algum humor. Fui tomar café pensando que aquilo fosse alguma piada zombando da seriedade do Daniel, algo no estilo do perfil falso dele no Twitter, e logo perdi o interesse. Só depois de algumas horas fui descobrir que era verdade. O Piza havia sofrido um AVC e falecido alguns dias antes da passagem do ano. Triste.

Eu não era mais seu leitor constante desde meados de 2010. Comecei a acompanhá-lo um pouco antes do crescimento da coluna Sinopse no Estadão e acabei me interessando pelo seu estilo direto e limpo. Não concordava com metade do que ele dizia, acreditava que ele tratava de assuntos demais numa coluna muito pequena (talvez um defeito do jornal e não dele), mas sempre tive a opinião de que ele era o colunista de cultura mais moderno de todos os nossos jornais. Não tinha um texto melhor que Sérgio Augusto, nem a disposição para a polêmica do Paulo Francis e passava longe do humor do Ivan Lessa. Mas, à altura da tríade, também tinha a sua característica marcante: extremamente culto, era capaz de escrever bem sobre qualquer assunto.

O maior acerto do Piza foi ter criado um blog dentro do Estadão para escapar das limitações editoriais do colunismo. Acompanhei sua carreira de blogueiro desde o início e diversas vezes participei das discussões em seus posts. Ele era patrulhado de maneira incansável. Sempre se preocupava em responder aos melhores comentários e não pensava duas vezes antes de se defender dos trolls, essa espécie disseminada nas caixas de comentários da internet. Por algum tempo, acompanhei seu blog diariamente, até perceber que ele havia chegado um pouco atrasado ao jogo. Eu já havia conhecido os atalhos do conteúdo on-line, a maioria produzido em inglês, e quase não visitava mais as páginas dos jornais daqui. Esse distanciamento, de certa forma, foi semelhante ao processo da época em que deixei de assistir televisão. Diante de tanto conteúdo interessante espalhado pela internet, os jornais daqui insistiam em tentar manter a mesma estrutura de produção de conteúdo das edições impressas, que deixam o leitor em segundo plano e até subestimam sua capacidade intelectual. Essa atitude, acredito, acabou servindo apenas para fundamentar a polarização com líderes ideológicos de grupos radicais, que se aproveitaram da exposição repentina dos jornalões na internet para esculhambá-los e arregimentar grandes tropas de linchadores on-line. Sim, a internet no Brasil se assemelha ao que aconteceu recentemente na praça Tahrir, em Cairo, no Egito, mas sem a vitória do grupo mais evoluído.

Seria injusto se eu não dissesse que apesar de não concordar com muito do que o Piza escrevia, sempre o estimei naquilo que nossos gostos combinavam. Ele tinha a opinião fácil de defensor da literatura clássica, uma postura semelhante à de Harold Bloom e seu cânone, mas com autores brasileiros que prezava no topo, como Guimarães Rosa, Graciliano Ramos e seu biografado, Machado de Assis. Lembro-me de um post em que ele apresentou seus livros preferidos e, depois de muita discussão nos comentários, alguém criticou Victor Hugo. Comentei que gostava bastante de Trabalhadores do Mar, traduzido por Machado de Assis, e disse no final que aqueles que não o leram, não sabiam o que estavam perdendo. Para a minha surpresa, no domingo seguinte, na parte da Sinopse tratando sobre literatura, lá estava meu comentário transformado na própria opinião do Piza: "Baita alegria!"

Dos livros que publicou, li a pequena biografia sobre Ayrton Senna (O Eleito), o último livro de contos (Noites Urbanas) e parte da biografia sobre Machado de Assis (Um Gênio Brasileiro). O melhor, sem dúvida, é a pequena biografia de Senna, narrada no mesmo estilo conciso e denso da Sinopse. A biografia de Machado foi ficando de lado até ser abandonada na estante. Não gostei dos contos de Noites Urbanas. A maioria deles é artificial, emana um sentimento cosmopolita ingênuo e tem o defeito que o próprio autor identificou, quando foi questionado certa vez sobre a possibilidade de críticos se tornarem bons escritores: o conhecimento excessivo das regras mais atrapalha do que ajuda. Entre os 17 livros que publicou, acredito que o melhor do Piza ficou na Sinopse e no blog, uma grande ironia machadiana para um escritor que relutou em fazer parte da internet.

No período em que parei de acompanhar de perto seus escritos, quando lia a Sinopse e acessava seu blog, os textos que acabavam me interessando eram sobre comportamento e o dia a dia de São Paulo. Daniel capturava facilmente as transformações do contemporâneo; nunca entendi por que não investiu no formato das crônicas, em vez de partir para os contos de Noites Urbanas.

E não foi só essa dúvida que ficou. Diante de uma morte tão prematura e abrupta, acabei ficando sem a resposta de como seria o seu trabalho no futuro exclusivamente digital. O que pensaria o homem que escrevia sobre qualquer assunto, sobre o futuro que poderá permitir o acesso de qualquer pessoa a todo tipo de conhecimento? Mudaria de opinião? No Egito Antigo, era costume deixar um morto no local onde se realizavam os banquetes para lembrar os participantes sobre a brevidade da vida e da necessidade de aproveitá-la em sua plenitude. Agora que possuímos o banquete do conteúdo, lembremos do Piza escritor, um grande homem que se dedicou ao conhecimento e a compartilhá-lo. Adaptando da Odisseia, de Homero: "O leitor sempre vai se lembrar, durante toda a vida, da pessoa hospitaleira que dá mostras de amizade". E não existe hospitalidade maior do que dividir o conhecimento. No caso do Piza, uma amizade entre escritor e leitor desconhecidos.


Vicente Escudero
Campinas, 9/2/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A biblioteca de C. G. Jung de Ricardo de Mattos
02. crônica - ou ensaio - à la hatoum de Ítalo Puccini
03. Um mergulho pelas águas de uma Cabocla de Kleber de Oliveira Silva
04. Abrir os portões de Auschwitz sessenta anos depois de Daniela Sandler
05. Jack Nickolson arrasa em As Confissões de Schmidt de Clarissa Kuschnir


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2012
01. A mitologia original de Prometheus - 2/8/2012
02. Ao Sul da Liberdade - 14/6/2012
03. Uma nova corrida espacial? - 17/5/2012
04. Deixa se manifestar - 20/12/2012
05. Tolos Vorazes - 19/4/2012


Mais Especial Daniel Piza (1970-2011)
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONTROLE POR COMPUTADOR E SISTEMAS DINÂMICOS
ELDER M. HEMERLY
EDGARD BLÜCHER LTDA
(2000)
R$ 45,00



METRÓPOLES CIDADANIA E QUALIDADE DE VIDA
JÚLIA FALIVENE ALVES
MODERNA
(1992)
R$ 19,90
+ frete grátis



POR INSTINTO
RITA FERRO
NOTÍCIAS
(2001)
R$ 18,98



SINAIS DE ESPERANÇA
ALEJANDRO BULLÓN
CASA PUBLICADORA
(2008)
R$ 9,95



OS FIDALGOS DA CASA MOURISCA
JÚLIO DINIS
LIVRARIA FIGUEIRINHAS
(1984)
R$ 8,93



ENCICLOPÉDIA DA MULHER E DA FAMÍLIA VOLUME XV
DELTA
DELTA
(1971)
R$ 14,90



RENASCIMENTO DA SUASTICA NO BRASIL
ERICH ERDSTEIN E BARBARA BEAN
CIRCULO DO LIVRO
(1977)
R$ 15,00



PORTUGUÊS INSTRUMENTAL
DILETA SILVEIRA E LÚBIA SCLIAR
ÁTICA
(1995)
R$ 59,90



VIVA BEM - COM A DOR E A DOENÇA
VIDYMALA BURCH
SUMMUS EDITORIAL
(2011)
R$ 35,00



CASAMENTO, DIVÓRCIO E NOVO CASAMENTO
GORDON LINDSAY
GRAÇAS A DEUS
R$ 10,00





busca | avançada
84878 visitas/dia
1,4 milhão/mês