Armando Freitas Filho, dossiê na Palavra | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Christian Barbosa no MitA
>>> Obama e o oba-oba
>>> E se Amélia fosse feminista?
>>> O que é ser jornalista?
>>> Toda forma de amor
>>> O filósofo da contracultura
>>> Oderint Dum Metuant
>>> Beleza e barbárie, ou: Flores do Oriente
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> A fragilidade dos laços humanos
Mais Recentes
>>> Império do Café: a Grande Lavoura do Brasil (1850 a 1890) de Ana Luiza Martins pela Atual/ Sp. (1994)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Código da Vida - Fantástico Litígio Judicial de Uma Família de Saulo Ramos pela Planeta (2008)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1991)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1993)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1993)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Contabilidade introdutória de Sergio Iudicibus, Stephen e outros pela Atlas (1977)
>>> Language Its Nature - Development and Origini de Otto Jespersen, (Prof. Univ. Coppenhagen)./ pela George Allen & UnwinnLtd/London (1949)
>>> El Espejo y La Lámpara: Teoría Romántica y Tradición Clásica de M. H. Abrams pela Eitorial Nova/ Argentina (1962)
>>> Clause Sauf Encaissement de Casimir Pajot pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1891)
>>> Catolicismo para Leigos de John Trigilio e Kenneth Brighenti pela Altabooks (2008)
>>> Estudos Sobre Sucessões Testamentária de Orosimbo Nonato pela Forense (1957)
>>> Los Caminos Actuales de La Critica (Encadernado) de René Girard/ G. W. Ireland/ Jacques Leenhardt... pela Planeta/ Barcelona (1969)
>>> Instituições de Direito Civil Portuguez de M.A. Coelho da Rocha pela Garnier Livreiro (1907)
>>> Régimen Argentino de la Propiedad Horizontal de José A. Negri pela Arayú (1953)
>>> Enciclopédia de Cultura de Joaquim Pimenta pela Freitas Bastos (1963)
>>> Direitos de Família de Lafayette Rodrigues Pereira pela Freitas Bastos (1945)
>>> Demarcação Divisão Tapumes de Alfredo de Araujo Lopes da Costa pela Bernardo Alves S.A. (1963)
>>> Consultor Civil de Carlos Antonio Gordeiro pela Garnier (1913)
>>> El Derecho de Familia en La Legislacion Comparada de Luis Fernandez Clerico pela Hispano Americana (1947)
>>> Estudos de Direito Civil de Manoel Martins Pacheco Prates pela São Paulo (1926)
>>> Direitos Reaes de Garantia de J.L. Ribeiro de SouSa pela C. Teixeira
>>> Obrigações de Pagamento em Dinheiro (Três Estudos) de Paulo Barbosa de Campos Filho pela Jurídica e Universitária (1971)
>>> Teoria e Pratica dos Testamentos de Manoel Ubaldino de Azevedo pela Saraiva (1965)
>>> Les Groupements D' Obligataires de Albert Buisson pela Librairie Générale de Droit et de Jurisprudence (1930)
>>> Novo Código Civil Anotado Volume II ( Direito das Obrigações) de J.M.Leoni Lopes de Oliveira pela Lumen Juris (2002)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 6 ) Direito das Sucessões de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1964)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 5 ) (Direto das Obrigações 2ª parte) de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1991)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 4 ) Direito das Obrigações de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (2019)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 3 ) Direito das Coisas de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1991)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 2 ) Direito Família de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1992)
>>> Curso de Direito Civil ( Parte Geral) Volume 1 de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1964)
>>> Usucapião de Imóveis de Lourenço Mario Prunes pela Sugestões Literárias S/A
>>> Instituições de processo Civil (Volume VI) de Caio Mário da Silva Pereira pela Forense (2007)
>>> Direito Civil Volume 6 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (2004)
>>> O Pensamento Vivo de Einstein (Edição Ilustrada) de José Geraldo Simões Jr.: (Pesquisa e Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Direito Civil Volume 2 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (2002)
>>> Posse o Direito e o Processo de Guido Arzua pela Revista dos Tribunais (1957)
>>> Estudo da Posse e das Acções Possessorias de Leopoldino Amaral Meira pela Livraria Academica (1928)
>>> Acção Possessória de J.M. de Azevedo Marques pela São Paulo (1923)
>>> O Direito de Ação e o Modo de Execê-lo de Ataliba Vianna pela Forense (1969)
>>> O Pensamento Vivo de Darwin (Edição Ilustrada) de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Contratos de Seguro de Vários pela Juruã (1990)
>>> O Pensamento Vivo de Darwin (Edição Ilustrada) de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Do Seguro Contra Fogo de J. Stoll Gonçalves pela Empreza Graphica (1926)
>>> O Pensamento Vivo de Darwin (Edição Ilustrada) de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> O Pensamento Vivo de Darwin (Edição Ilustrada) de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Seguros Legislação de Nilton Alberto Ribeiro pela Francisco Alves (1974)
COLUNAS

Terça-feira, 3/11/2015
Armando Freitas Filho, dossiê na Palavra
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2800 Acessos


Palavra é uma revista editada pelo SESC Literatura em Revista. A revista tem publicado dossiês, ensaios, resenhas, contos, poemas e trabalhos de artes visuais. Além da qualidade de seus textos, a revista é notável em seu trabalho gráfico, apresentando vários formatos para seus ensaios, imagens e poemas, fazendo de cada publicação uma aventura visual.

Nesse sentido, quando a atenção sobre o projeto gráfico é tão importante quanto o conteúdo dos escritos, vale reproduzir trecho do texto "O corpo da linguagem", de Maurício Ianês, publicado no primeiro ensaio da revista desta edição:

"Pensar o corpo, ao se pensar em uma revista, é também pensar o corpo do leitor, em suas ações, nas mãos que folheiam as páginas, no seu toque, nos olhos que percorrem o texto, na performatividade da leitura, na voz que dá vida à matéria impressa. Pensar o corpo, ao se pensar em uma revista, é também pensar no corpo da linguagem, em seus corpos invisíveis, em sua matéria mais crua, em seus silêncios, em seus buracos e seus vazios, suas potências e suas meias palavras, seus pontos finais e espaços, sua matéria gravada em preto e branco."


Na edição de número 6 (2015), a revista traz um dossiê sobre o poeta Armando Freitas Filho, que é o que nos interessa aqui. Seguindo a ordem das páginas, a revista apresenta um artigo de Antonio Cícero, denominado "A poesia de Armando Freitas Filho e a apreensão trágica do mundo"; de Mariana Quadros, um artigo denominado "De corpo presente"; em seguida, a revista apresenta uma biografia sucinta de Armando Freitas Filho, dos idos anos de 1940 até 2015; também aparece uma entrevista que o poeta concedeu a Flavia Tebaldi e Frederico Girauta; após a entrevista, as páginas da revista publicam o longo poema "Suíte para o Rio", de Armando Freitas Filho; na seção "Depoimento" há textos sobre Armando Freitas Filho escritos por Laura Liuzzi, Eduardo Coelho, Eucanaã Ferraz e Mário Alex Rosa.


Como presente para seus leitores a revista ainda publica um encarte com o poema "A flor da pele" (do qual reproduziremos trechos no final do nosso texto), com fotos de Roberto Maia.

No texto de Antonio Cícero, o ensaísta aposta na ideia de que a poesia de Armando tende a uma profunda "apreensão trágica do mundo", consequência de uma poética em que é importante a relação entre vida e poesia. Assim, o ensaísta procura o embate entre Armando Freitas e João Cabral, tema que desenvolverá ao longo do seu texto.

Nesses termos, diz Antonio Cicero, para Armando "o inaceitável é o beletrismo, l´art pour l´art, o poema que não passa de repetição dos antigos artifícios, a negação da sujeira vital e da liberdade da poesia. Paradoxalmente, para salvar a vida do poema, vale até "abrir os pulsos/ as gavetas/ e cortar as veias": figurativamente abrir os pulsos e as veias, isto é, ir até o limite da vida, para que o sangue jorre e corra no próprio poema; abrir as gavetas para o que não passa de rascunho, de experimentação, de risco, passe para o poema."

No ensaio de Mariana Quadros, é a importância do corpo na poesia de Armando Feitas que é o problema a ser discutido. Desde os títulos de suas obras, a nomes de poemas, o corpo sempre foi uma temática clara na obra do poeta. Segundo a ensaísta, na poesia de Armando Freitas "o corpo individual nasce complexo, espécie de inimigo cúmplice a quem o eu é submetido". Para dar continuidade à sua análise, aprofunda a leitura de alguns poemas e os contextos nos quais foram criados. Como na leitura interessante que empreende do poema "A flor da pele", escrito durante a ditadura militar: "o evento que se noticia e, portanto, também o da linguagem em busca de tornar-se permeável para o momento histórico".

No ensaio de Mário Alex Rosa, "A máquina do poema", é a questão da palavra e sua importância ao ser transformada em concretude por Armando Freitas que é o tópico de sua análise. Buscando colar palavra e corpo, corpo da linguagem e corpo da vida, Rosa fala que "palavra e corpo são batalhas enfrentadas" por esse poeta.


Na pequena biografia de Armando Freitas, publicada entre as páginas 48 e 56, há o relato de seu encontro com Manuel Bandeira, que o aconselhou a procurar jovens poetas para comentarem seu primeiro livro "Palavra", conselho que o levou a José Guilherme Merquior que o incentiva a publicar o livro (1963), com capa do artista plástico Rubens Gerchman. Sob impacto do golpe militar, Armando participa junto com Mario Chamie da "Instauração Práxis" até 1975, movimento que estimula o poema engajado, com forte participação política sem abrir mão da dicção renovadora." Após estes anos, busca uma linguagem pessoal, publicando livros como "De corpo presente", "À mão livre", "Longa vida", "3X4", "De cor", "Duplo cego" e outros. Edita ainda, em 1985, o primeiro livro póstumo de sua antiga namorada, a poeta Ana Cristina Cesar, "Inéditos e dispersos". Recebe o prêmio Fundação Biblioteca Nacional por seu livro "Dever", em 2014.

A poesia de Armando Freitas torna-se tema de várias dissertações de mestrado e teses de doutorado, defendidos nas mais importantes universidades do Rio de Janeiro e São Paulo, por pesquisadores como Cristiane Lemos Rodrigues, Marcelo Diniz, Mariana Quadros Pinheiro, Mario Alex Rosa, José Felipe Mendonça da Conceição, André Barbugiani Goldfeder.

Na entrevista que "Palavra" publica, Armando fala da influência que poetas como Drummond e Bandeira tiveram na sua vida. Também fala da sua situação de poeta espremido entre a geração de 45 e os concretos. Sobre a poeta Ana Cristina Cesar e sua obra diz: "cuido da minha morta-viva há mais de 30 anos. Cuido porque ela quis assim. Cuido com raiva por ela ter feito o que fez. Cuido com o amor possível. No contexto brasileiro ela é um dos poetas mais vivos. Ela não parou de viver um minuto sequer".


Sobre seu processo de criação diz: "Sou um escritor trifásico e rápido e um reescritor lento: não é por acaso que gosto da fábula da lebre e da tartaruga". Sobre seus "eixos temáticos", ou temas, como o fazer poético, o tempo, a memória e o corpo, ele os considera "problemas e não temas, questões sempre presentes para quem escreve".

Os outros textos mereceriam um resumo aqui, mas o espaço é pequeno. No entanto, acho imperdível a oportunidade que a revista Palavra nos dá de entrar em contato com um dos mais importantes poetas brasileiros, autor de no mínimo 15 excelentes livros de poesia, o poeta Armando Freitas Filho.

Resumo do poema "Pele", de Armando Freitas Filho.

PELE. [Do lat. Pelle.] 1. Membrana mais ou menos espessa que veste exteriormente o corpo humano na hora da tortura do amor (e de outras torturas), bem como a dos animais vertebrados e de muitos outros seres sem nome ou feitio. 2. Fam. A camada mais externa da pele foi alcançada pela mão do carrasco. 3. Cútis em carne viva, tez: não é bonita, mas tem uma linda pele que eu, aos poucos arranco com carinhos, unhas e fúrias. 4. Pelanca que como e cuspo. 5. Couro que estendo no chão, debaixo dos passos das botas. (...) cair na pele de, com o cassetete em punho e espancar até a morte. Bras. Pop. Zombar ou escarnecer de você algemado no pau-de-arara; gozar! Cortar a pele de. Fazer mal (a alguém); torturar até morrer; tosar a pele de um suposto inimigo. (...).


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 3/11/2015


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2015
01. Daumier, um caricaturista contra o poder - 24/2/2015
02. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques - 24/11/2015
03. Eu matei Marina Abramovic (Conto) - 17/3/2015
04. Fake-Fuck-Fotos do Face - 18/8/2015
05. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) - 2/6/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HOTEL GARNI - A HISTÓRIA DA SENSIBILIDADE
HUBERT FICHTE
BRASILIENSE
(1989)
R$ 11,12



PLANTAS PARA CASA
JOAN COMPTON
MELHORAMENTOS
(1970)
R$ 5,00



ESTACAO CARANDIRU
DRAUZIO VARELLA
CIA DAS LETRAS
(2002)
R$ 15,00



EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA - 9859
JOSÉ PRADO MARTINS / ELISABETH CASTELLANO (ORG.)
EDUNICEP
(2003)
R$ 14,00



O PATINHO FEIO VAI TRABALHAR
METTE NORGAARD
DVS
(2007)
R$ 32,00



A FILOSOFIA NA ÉPOCA TRÁGICA DOS GREGOS
FRIEDRICH WILHELM NIETZSCHE
ESCALA
(2008)
R$ 29,90
+ frete grátis



SKYLINE 3 STUDENTS BOOK A
SIMON BREWSTER E OUTROS
MACMILLAN
(2005)
R$ 7,90



O CÔNSUL HONORÁRIO
GRAHAM GREENE
ARTENOVA
(1973)
R$ 25,90
+ frete grátis



INCLUSIVE EDUCATION: A GLOBAL AGENDA
SEAMUS HEGARTY, COR AND MEIJER, SIP JAN PIJL
ROUTLEDGE
(1996)
R$ 129,00



SAFARI EMCANTOS DE ÁFRICA ENCHANTED CORNERS OF AFRICA
LUÍS LOURO
BOOK TREE
(2013)
R$ 100,48





busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês