Fake-Fuck-Fotos do Face | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rebelde aristocrático
>>> Cócegas na língua
>>> Animazing
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Anjos e Demônios, o filme, com Tom Hanks
>>> Quem tem boca vai a Roma
>>> Pergunte ao Polvo #worldcup
>>> O escandaloso blog de poesia de Maria Bethânia
>>> PosBIZZ com Ricardo Alexandre
>>> A era e o poder do Twitter
Mais Recentes
>>> D. Pedro II de Carvalho, José Murilo de pela Companhia das Letras (2020)
>>> D. Maria I: As perdas e as glórias da rainha que entrou para a história como "a louca" de Priore, Mary del pela Benvirá (2020)
>>> D. João VI de Pedreira, Jorge and Costa, Fernando Dores pela Abc (2020)
>>> Conversa cortada - a correspondência entre Antônio Candido e Angel Rama de Antonio Rocca, Pablo Candido pela Edusp e Ouro sobre Azul (2020)
>>> Constituinte de 1987-1988 de Adriano Pilatti pela Puc (2019)
>>> "Clamar e Agitar Sempre": Os Radicais na Década de 1860 de José Murilo De Carvalho; José Mario Pereira and Miriam Lerner pela Tusquets (2020)
>>> Como o Ser Humano Pode se Tornar e se Manter Produtivo de Paulo Gaudencio pela Palavras e Gestos (2012)
>>> Cidade febril: Cortiços e epidemias na corte imperial de Chalhoub, Sidney pela Companhia das Letras (2020)
>>> Cidade de Deus de Paulo Lins pela Tusquets (2020)
>>> Casa-Grande & Senzala de Freyre, Gilberto pela Global (2020)
>>> Brigada Ligeira de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul (2020)
>>> Brasil: Formação do estado e na nação de Jancsó, István pela Hucitec (2020)
>>> Brasil, geopolítica e poder mundial: O anti-golbery de Martin, André Roberto pela Hucitec (2020)
>>> Bernardo Pereira de Vasconcelos (Português) Capa comum de José Murilo de Carvalho pela 34
>>> Balmaceda - Coleção Prosa do Observatório (Português) Capa comum de Joaquim Nabuco pela Cosacnaify (2020)
>>> Autobiografia de Visconde de Mauá (Irineu Evangelista de Sousa) pela Senado (2020)
>>> Revista Tempo Brasileiro 25 - A Crise do Pensamento Moderno 3 de Vários pela Tempo Brasileiro (1970)
>>> Teatro Moderno = A Moratória de Jorge Andrade pela Agir (1996)
>>> Teatro na Igreja com criatividade de Maria José Resende pela Exodus (1997)
>>> O Furo . . .Que é um Furo que não é um Furo de Everton Capri Freire pela Parma (1981)
>>> A Retornada de Donatella Di Pietrantonio pela Faro Editorial (2019)
>>> O Teatro de Nelson Rodrigues: Uma Realidade em Agonia de Ronaldo Lima Lins pela Francisco Alves (1979)
>>> 525 Linhas de Marcelo Paiva pela Brasiliense (1989)
>>> Sonho interrompido por guilhotina de Joca Reiners Terron pela Casa da Palavra (2006)
>>> Mortos - Vivos = Vivos - Mortos de Walter José Faé pela Burity (1983)
>>> Ana do Maranhão de Lenita de Sá pela Folha Carioca (1982)
>>> Teatro e Paixão de Maria Lombros Comninos/Marta Morais da Costa pela Secretaria de Estado da Cultura e do Esporte (1982)
>>> Teatro de Marionetes de Heinrich Von Kleist pela Ministério da Educação e Saúde (1952)
>>> Teatro - Realidade Mágica de Santa Rosa pela Departamento de Imp. Nacional (1953)
>>> Sonetos em Curitiba de Nylzamira Cunha Bejes pela Planeta (2002)
>>> A Represa / Suburbana de Maria Helena Khuner/Celso Antonio da Fonseca pela Funarte (1933)
>>> Teatro da Vida 2 = Projeto Andarilhus de Eduardo Bolina pela Pallotti (2009)
>>> O Palácio dos Urubus de Ricardo Meireles Vieira pela Funarte (1975)
>>> Helicópteros e Lepidópteros de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1979)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Macacos me Mordam ! de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1987)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Os Infortúnios da Virtude de Marquês de Sade pela Iluminuras (2013)
>>> Joaquim - Minicontos - livrote n. 15 de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1990)
>>> Administração Aplicada à enfermagem de Sérgio Ribeiro dos Santos pela Ideia (2002)
>>> Antologia de Jeorling J.Cordeiro Cleve pela Artes & Textos (2009)
>>> The Golden Bough: Volume 12 de James Frazer pela Cambridge University Press (2012)
>>> Teatrinho Infantil de Figueiredo Pimentel pela Livraria Quaresma (1958)
>>> Reiki Harmonia Universal de Joel Cardoso pela Tipo (2001)
>>> Saúde de Cães de A a Z de Pedro Zarur Almeida pela Madras (2005)
>>> Pré-Natal de Marcelo Zugaib e Rosa Ruocco pela Atheneu (2005)
>>> Gasparetto Responde! de Luiz Gasparetto pela Vida e Consciência (2015)
>>> O Quarto em Chamas de Michael Connelly pela Suma (2018)
>>> Southernmost - Rumo ao Sul de Silas House pela Faro Editorial (2018)
>>> Vigilância e Controle das Doenças Transmissíveis de Zenaide Neto Aguiar pela Martinari (2009)
COLUNAS

Terça-feira, 18/8/2015
Fake-Fuck-Fotos do Face
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4800 Acessos


Quem nunca postou uma foto ridícula no Face, que atire a primeira pedra. O problema é que o ridículo se generalizou. A grande maioria das fotos postadas no Face ou é de um extremo mal gosto ou é de um narcisismo canhestro. Exemplos não faltam e vamos citar alguns abaixo.

Para entender esse "espírito do tempo", que não passa de um mar doentio de imagens vazias, essa "névoa de nadas" onde "tudo é feito (fake) para acabar em Facebook", só mesmo sociólogos, psicanalistas e filósofos dispostos a colocar o pé na lama.

Que a vida se tornou uma mentirinha para ser postada no facebook todo mundo já sabe. Alguns parecem não saber e transformaram sua vida (?) em nada mais, nada menos, que um conjunto de imagens do próprio rosto, sempre com aquele risinho de plástico. O que importa é entender em que pé anda a comunidade humana a partir dessa perspectiva foto-fake-autofágica.

Pensadores sempre se preocuparam em entender o homem e sua relação com a sociedade e consigo mesmo. Vasculharam a intimidade registrada em cartas, diários, fotos, passando anos em arquivos em busca de algum documento que revelasse a "psicologia" de uma cultura. Agora, o esforço é menor, pois têm à disposição um oceano de imagens (e palavras) criadas e exibidas despudoradamente por usuários do Face, ansiosos por se mostrar em suas prosaicas atividades cotidianas. Esforço menor em parte, pois quando antes o que escondiam (os diários) revelavam o que era a "verdade" de uma pessoa, agora, o que é aparentemente transparente esconde sorrateiramente essa mesma "verdade".

Há vários tipos de fotos em que as pessoas geralmente aparecem no Face: autorretrato na intimidade, em viagens, em grupos diversos, em situações prosaicas diversas (acompanhadas ou sós). Essas fotos variam muito dentro de cada grupo. Vamos citando exemplos e essa "fauna" vai surgindo aos poucos.

Não podemos esquecer que essas fotos representam "modos de aparição", que pretende fazer a pessoa PARECER, de alguma forma, "especial" para os outros, ou, num exercício de autoengano, se iludir acerca de si mesma ao achar que a bobagem que postou é algo "especial" - típico comportamento da sociedade narcisista, vulgar e inútil, como diagnosticou Richard Sennet, em seu livro "Narcisismo e cultura moderna".

Antes, era em função de uma virtude que as pessoas se apresentavam publicamente, agora é na total falta de qualquer virtude que a pessoa quer se exibir como "especial". Ou seja, ela mente para si mesma e para os outros. Do "império das meias verdades" as fake-fotos das redes sociais passaram a se constituir como o império da mentira absoluta - sem pudor algum - graças à inutilidade de cada pessoa se representando para os outros que admiram essa mentira e são admirados por mentirem também.

Vamos aos exemplos. Citarei alguns, ao menos os que me chamam a atenção. Cada crítico deve ter sua coleção de "imagens vazias" que teve que ver no Face.

Uma das coleções de fotos que me surpreendeu por seu narcisismo foi de uma pessoa, uma jovem estudante de arquitetura, de aproximadamente 23 anos, que viajou por toda a Europa, como um presente da família. Por todos os países que passava, ela registrava seu rosto, que tomava todo o centro da foto (80 por cento, ao menos), e, discretamente/minusculamente, ao fundo, se via alguma identificação da cidade ou país em que ela estava, através da aparição de um monumento turístico (a Torre Eiffel, por exemplo).

Sendo uma aluna de arquitetura, querendo exibir para os amigos suas viagens, o mínimo que se esperava é que ela mostrasse a cultura que seus olhos privilegiados estavam vendo, os hábitos das pessoas de outro país, a diversidade da natureza, das ruas, a arquitetura, a cultura desse país. Não! O que suas fotos revelavam era apenas o seu enorme rosto quase escondendo belíssimas cidades, que se perdiam na neblina do nada daquelas fotos. O que se exibia não era "o que eu vi, experimentei, senti, o quanto me transformei diante de uma outra civilização", mas apenas o "como sou bonitinha", tendo atrás de mim, ainda, por micro-cenário desprezível, Paris, Berlim ou Veneza. Ou seja, seus amigos, espectadores invejosos de sua viagem ao redor do mundo, curiosos por ver como são as tão faladas cidades da arte, não puderam ver nada além daquele rostinho, que vêm todo dia, com uma espécie de riso de boneca inflável estampado na quase totalidade das fotos.

Há fotos de outra natureza. As mais irritantes, por sua falsidade gritante, e que chama a atenção, é a eterna felicidade de todos nas fotos. Todos sempre rindo, felizes 356 dias do ano. Meu deus! Ninguém sofre nesse planeta? Nem quando um carro bomba explode com crianças do outro lado do mundo? Nem ao saber que quase tudo nesse país está aos pedaços? Até em situações dramáticas como quando as pessoas são abandonadas pelo seu amor, lá está, a maldita foto risonha vendendo a mentira da felicidade fake. E o risinho treinado, irritante, se exibe... despudoradamente falso.

Uma amiga virtual (nunca a vi pessoalmente) me perguntou se tenho problemas dentários, se me falta um dente ou coisa parecida. - Por que? Perguntei a ela. Sua resposta foi: - "porque nunca vi uma foto sua rindo".


Há fotos que vão se constituindo como uma narrativa do ridículo dessas vidas vazias. Vamos à historieta. Em primeiro lugar, uma festa de "luxo" de um casamento qualquer. Em seguida, o cotidiano do mesmo casal que vai se revelando no seu dia a dia inútil. A contraposição da pose de rainha na foto do dia do casamento à foto de dona de casa que serve a cervejinha barata ao maridão desajeitado, num copo medonho, torna tudo "pequeno". Mas, ah! para eles essa "vidinha" é tão nobre quanto a de Luiz XIV, o Rei Sol. Tão nobre que deve ser exibida para as nossas retinas tão cansadas de bobagens. O que era "álbum de família", agora é matéria do cotidiano de todos. Arghhh!!!

Quem nunca vomitou vendo um álbum de casamento, de formatura ou aniversário que atire a primeira dinamite. Só sendo da família, e olhe lá, para aguentar essas fotos! Esse narcisismo, que atribui sentido em se publicar (tornar público) o nada, é que constitui a farsa social mais demoníaca que estamos vivendo no Face. Como estamos no mundo em que "os idiotas venceram", todos curtem e exigem que suas vidas prosaicas sejam curtidas no círculo infernal e sem fim do espelho narcísico.

Qual a moda? Ter gato, ir à academia? Lá se vão milhares de fotos intragáveis do meu rosto junto ao do gato, do cachorro, do pato, da vaca e do elefante! Isso quando não se exibe também, e a todo momento, o gato comendo, o gato sobre o sofá, o gato sobre a cama, o gato sobre a gata (ah, isso não pode!). Está na academia? Ah! Que momento triunfante! Todos têm que ver essa merda! Uma garota, aliás, postou-se vestida nas 30 peças de roupa de ginástica que comprou, uma para cada dia do mês na academia (afinal, mulher não repete roupa). Cada calça (do tipo levanta cacete até de defunto), em suas cores umas mais berrantes que a outra, exibidas no seu corpinho malhado, como exige a moda dos corpos dóceis (leia Foucault!). Meu Deus! Que valor tem isso para a comunidade humana? Nenhum, apenas prova o narcisismo vazio das vidas que encontramos por aí. Se ao menos você se postasse tocando um concerto de violão de Villa-Lobos! Ah! Isso sim, nos levaria a uma existência sublime! (Quanto à sua calça apertada, renderia no máximo uma masturbação de alguém entediado).

Há retratos fake-face de apelo social. Afinal, até aqui temos que ser narcisistas. Como as pessoas que viajam aos países pobres (mais pobres que o Brasil!) e se fotografam (rosto contra rosto) ao lado de um menino negro, sujo, desconsolado... e o bom samaritano, ele ou ela, com aquela calça limpa, macia, da Fórum e com seu caríssimo tênis Nike brilhante! Mas lá está a foto, mostrando sua humanidade de 15 segundos! Não foi Jesus quem disse que "se fizer uma bondade, que sua mão esquerda não saiba que a mão direita doou"?

E os churrascos? Quanta alegria em representar as cenas fellinianas (você sabe quem foi Fellini?) da felicidade de fim de semana num churrasco para lá de brega! Ah! Pena que as fotos não exibem a música da "alegria". Deve ser pior que a cerveja que bebem e da linguiça que comem. Ninguém leu um poema no evento? Não se falou de nada "pesado"? Esqueci, é hora de esquecer! Mas pode-se ser alegre sem lembrar? E porque todo fim de semana quase as mesmas fotos? Ora, isso entedia! Festas e comemorações ou encontros em lugares públicos? Não falta a famosa foto de todos "juntos e felizes", devidamente publicada imediatamente no Face, com seus risos ensaiados e forçados. Depois da foto, todos voltam à posição normal de entediados, bebendo mais e mais para forçar a alegria que sem o álcool não existiria. E falando alto, alto, alto, sobre NADA, pois precisam gritar para que alguém tenha paciência de ouvir esse NADA. Ou será que é porque acham tão especial o que dizem que precisam berrar ao ouvinte seu NADA tão extraordinário? Será que elas falam da foto que acabaram de publicar no Face, de como ficaram ótimas na foto? Já repararam que não se consegue mais conversar em bar algum por causa da gritaria das pessoas?

Realmente não sei a diferença entre uma pessoa se fotografando num churrascão ou numa exposição de arte, show ou evento, tudo da moda (evidentemente todo mundo quer ver Salvador Dalí, mas o MASP daqui, para que, não é mesmo, se não é da moda/mídia?), já que só aparece seu rosto, fake-feliz, escondendo aquilo que é o que deveria ter feito a pessoa sair de casa.

Não existe problema algum em fotografar um jantar com amigos, um evento especial, um encontro, ou seu animal de estimação (mesmo que seja o marido porco ou a esposa jacaré). Acontece que a coisa degringolou no mais raso narcisismo, na mais doentia autoafirmação insensata, descendo cascata abaixo, num sem fim de representações do NADA. Quando as pessoas equilibram esse nada com alguma coisa que preste, tudo bem. Mas a maior parte transformou essa vida fake-fotos do face em padrão neurótico de repetição. Nem indicar um bom filme, um bom livro, um lugar para se visitar, a pessoa consegue mais.

Se o poeta é um visionário, T. S. Eliot acertou em dizer que vivemos num mundo de homem ocos. Nada por dentro, por isso fake por fora.

Pessoas realmente importantes, que criam coisas relevantes, estas sim, deveriam publicar o que fizeram de grandioso. Democratizar boas ideias, invenções importantes, provocações inteligentes, acontecimentos que engrandecem, dicas culturais etc - ou mesmo fatos pequenos, bobagens sem nobreza, mas à luz da poesia- não a fake-foto do NADA querendo se passar por tudo, em sua eterna repetição - é o que se espera de um espaço global como as redes sociais. Ou morreremos de tédio!


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 18/8/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Agora o mundo perde cotidianamente os seus ídolos de Guilherme Carvalhal
02. Quando amor e terra quase se confundem de Elisa Andrade Buzzo
03. Conselhos Místicos Ao Jovem Escritor de Ricardo de Mattos


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2015
01. Daumier, um caricaturista contra o poder - 24/2/2015
02. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques - 24/11/2015
03. Fake-Fuck-Fotos do Face - 18/8/2015
04. Eu matei Marina Abramovic (Conto) - 17/3/2015
05. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) - 2/6/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS ÚLTIMOS PASSOS DE UM VENCEDOR
JOSÉ ROBERTO BURNIER
GLOBO
(2011)
R$ 28,73



LÉLIA OU LA VIE DE GEORGE SAND
ANDRÉ MAUROIS
MARABOUT
R$ 28,73



DEVELOPPEZ VOTRE CONFIANCE ET VOTRE PUISSANCE AVEC LES GENS
LESLIE GIBLIN
UN MONDE DIFFERENT ITEE
(1980)
R$ 39,82



POLUIÇÃO: A CRISE MUNDIAL
LYNETTE HAMBLIN
COMPANHIA EDITORIAL AMERICANA
(1973)
R$ 6,90



ANGEL SANCTUARY 13
KAORI YUKI
PANINI COMICS
(2006)
R$ 12,00



AS ALMAS REBELDES _ (AUTOGRAFADO)
GIBRAN KHALIL GIBRAN
ACIGI
(1976)
R$ 35,90



RITUAIS DE PROSPERIDADE
JULIANA BUENO
MALTESE
(1994)
R$ 10,00



TEORIA E EXPERIÊNCIA
MARCELO CARVALHO
WMF MARTINS FONTES
(2013)
R$ 19,00



SUPERBOY Nº 3 - FEVEREIRO / 95 - REVISTA DE AÇO
EDITORA ABRIL JOVEM
ABRIL
(1995)
R$ 7,00



ENTRE PALAVRAS 6º ANO 5ª SERIE
MAURO FERREIRA
FTD
(2006)
R$ 15,00





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês