Fake-Fuck-Fotos do Face | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
36804 visitas/dia
957 mil/mês
Mais Recentes
>>> Drago, o novo álbum de Marcos Sacramento
>>> 'Festivalzinho', para pais e filhos, acontece neste domingo no CCBB/RJ
>>> O escritor Klaus K.S. faz tarde de autógrafos irreverente para sua obra Crônicas da Insônia
>>> Ensaios fora de circulação de Jacques Rancière ganham edição em português
>>> Terça Aberta no Kasulo reúne trabalhos com temática LGBTQ
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O tigre de papel que ruge
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Os olhos de Ingrid Bergman
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Casa de couro I
>>> Millôr no IMS Paulista
>>> A dignidade da culpa, em Graciliano Ramos
>>> O conservadorismo e a refrega de símbolos
>>> Ingmar Bergman, cada um tem o seu
>>> Em defesa do preconceito, de Theodore Dalrymple
>>> BRASIL, UM CORPO SEM ALMA E ACÉFALO
>>> Meus encontros com Luiz Melodia
>>> Evasivas admiráveis, de Theodore Dalrymple
>>> O testemunho nos caminhos de Israel
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As noites insanas de Zizi Possi
>>> Mariana sob as brumas: a arte de Elias Layon
>>> No meio do caminho: 80 anos
>>> Piratas do Tietê no teatro
>>> Xilogravura na Graphias
>>> Caderno de caligrafia
>>> Ligações e contas perigosas
>>> Your mother should know
>>> 10 palavrões 1 livro didático e ninguém no governo
>>> Man in the Arena testa o iPad
Mais Recentes
>>> O Xangô de Baker Street de Jô Soares pela Companhia das Letras (1995)
>>> O errante de Kahlil Gibran pela Claridade (2003)
>>> Histórias extraordinárias de Fernando Bonassi pela Conrad (2005)
>>> Histórias curtas de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Histórias de amor de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2012)
>>> Contos como eu conto de Jurema Waack pela Ônix (2008)
>>> Lucky Luke, volume 4: 1956-1957 de Morris & Goscinny pela Zarabatana Books (2014)
>>> O jogo das contas de vidro de Hermann Hesse pela Record (2003)
>>> Las mejores fábulas de Esopo, La Fontaine et al. pela Biblioteca Popular (1994)
>>> Paixões de Rosa Montero pela Ediouro (2005)
>>> Por um teatro do povo e da terra de Luiz Maurício Britto Carvalheira pela Fundarpe (1986)
>>> História da música no Brasil de Vasco Mariz pela Civilização Brasileira (1994)
>>> As aventuras sexuais de Luís Ensinada de Vinicius Vianna pela Record (2000)
>>> Uivo - Kaddish e outros poemas de Allen Ginsberg pela L&PM (1999)
>>> História concisa do teatro brasileiro de Décio de Almeida Prado pela Edusp (1999)
>>> História da música no Brasil de Vasco Mariz pela Nova Fronteira (2000)
>>> Burguesia e cinema: o caso Vera Cruz de Maria Rita Galvão pela Civilização Brasileira (1981)
>>> Amor Vale a Pena - Reflexões, Contos e Poemas de Fábio Salgueiro pela Bb (2016)
>>> Histórias de Atréfora de Ismael Artur/Layane Ventura pela Chiado (2014)
>>> O Mestre da Vida - Análise da Inteligência de Cristo de Augusto Cury pela Academia de Inteligencia (2002)
>>> Rua da alegria de Frances Parkinson Keyes pela Itatiaia (1969)
>>> A Fonte da Juventude - Os Segredos Seculares dos Monges Tibetanos para o Rejuvenescimento Perene de Peter Kelder pela Best Seller (1998)
>>> Da cova para o trono - a graça de Deus na vida de Jose de Jamê nobre pela Naos (2003)
>>> Travesía Español 1 de Amendola, Roberta pela Moderna (2017)
>>> O Ser Emocional de Valéria de Castro pela Ediouro (1998)
>>> Psicologia Geral e Infantil de Fernanda Barcellos pela Ediouro (1982)
>>> Ancestrais, Vida Intrauterina e Libertação do Homem de Maria Luiza Zanchetta pela Berthier (1982)
>>> Os Relaxamentos de Suzanne Masson pela Manole (1986)
>>> Elementos de Psicologia de Iva Waisberg Bonow pela Melhoramentos (1972)
>>> Feito Homem de Norah Vincent pela Planeta do Brasil (2006)
>>> Hospital Santa Catarina 1906 - 2006 de Textos e fotos; Claudio Pastro pela Grafa (2006)
>>> O Segredo das Crianças Felizes de Steve Biddulph pela Fundamento Educacional (2003)
>>> Criando Meninos de Steve Biddulph pela Fundamento Educacional (2002)
>>> Isto Não É Amor de Patrick J. Carnes pela Best Seller/ Círculo do Livro (1991)
>>> Vidas em Arco-Íris de Edith Modesto pela Record (2006)
>>> Guia de Orientação Sexual de Marta Suplicy et alii pela Casa do Psicólogo (1994)
>>> Sexualidade: A Difícil Arte do Encontro de Lidia Rosenberg Aratangy pela Ática (1996)
>>> Psicomotricidade: Da Educação Infantil à Gerontologia de Carlos Alberto Mattos Ferreira pela Lovise (2000)
>>> João do Rio - O dandi e a especulação de Raul Antelo pela Taurus (1989)
>>> O Português do Brasil - perspectivas da pesquisa atual de Wolf Dietrich e Volker Noll (orgs.) pela Vevuert /Iberoamericana (2004)
>>> Moderna Dramaturgia Brasileira de Sábato Magaldi pela Perspectiva (1998)
>>> Desafio aos Deuses de Peter L.Bernstein pela Campus/Elsevier (1997)
>>> Maus samaritanos- O mito do livre comércio e a história secreta do capitalismo de Chang,Ha-Joon pela Campus/Elsevier (2008)
>>> Os piores textos de washington olivetto de Editora planeta pela Planeta
>>> Tendencias contemporaneas de gestao de Jose meireles de sousa pela Pc editorial
>>> Transtornos bipolares,avances clinicos e terapeuticos. de E.vieta pela Novartis
>>> Estudos de politecnia e saude--4. de Mauricio monken pela Fio cruz
>>> Manual de gestao e programaçao financeira de pagamentos. de Carlos donato reis e jose vittorano neto. pela Edicta
>>> A cura e a saude pela natureza de Ernst schneider pela Casa
>>> Lexplication dans les sciences de la vie de Michel daune pela Centre national de la reicherche scientifique
COLUNAS

Terça-feira, 18/8/2015
Fake-Fuck-Fotos do Face
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3400 Acessos


Quem nunca postou uma foto ridícula no Face, que atire a primeira pedra. O problema é que o ridículo se generalizou. A grande maioria das fotos postadas no Face ou é de um extremo mal gosto ou é de um narcisismo canhestro. Exemplos não faltam e vamos citar alguns abaixo.

Para entender esse "espírito do tempo", que não passa de um mar doentio de imagens vazias, essa "névoa de nadas" onde "tudo é feito (fake) para acabar em Facebook", só mesmo sociólogos, psicanalistas e filósofos dispostos a colocar o pé na lama.

Que a vida se tornou uma mentirinha para ser postada no facebook todo mundo já sabe. Alguns parecem não saber e transformaram sua vida (?) em nada mais, nada menos, que um conjunto de imagens do próprio rosto, sempre com aquele risinho de plástico. O que importa é entender em que pé anda a comunidade humana a partir dessa perspectiva foto-fake-autofágica.

Pensadores sempre se preocuparam em entender o homem e sua relação com a sociedade e consigo mesmo. Vasculharam a intimidade registrada em cartas, diários, fotos, passando anos em arquivos em busca de algum documento que revelasse a "psicologia" de uma cultura. Agora, o esforço é menor, pois têm à disposição um oceano de imagens (e palavras) criadas e exibidas despudoradamente por usuários do Face, ansiosos por se mostrar em suas prosaicas atividades cotidianas. Esforço menor em parte, pois quando antes o que escondiam (os diários) revelavam o que era a "verdade" de uma pessoa, agora, o que é aparentemente transparente esconde sorrateiramente essa mesma "verdade".

Há vários tipos de fotos em que as pessoas geralmente aparecem no Face: autorretrato na intimidade, em viagens, em grupos diversos, em situações prosaicas diversas (acompanhadas ou sós). Essas fotos variam muito dentro de cada grupo. Vamos citando exemplos e essa "fauna" vai surgindo aos poucos.

Não podemos esquecer que essas fotos representam "modos de aparição", que pretende fazer a pessoa PARECER, de alguma forma, "especial" para os outros, ou, num exercício de autoengano, se iludir acerca de si mesma ao achar que a bobagem que postou é algo "especial" - típico comportamento da sociedade narcisista, vulgar e inútil, como diagnosticou Richard Sennet, em seu livro "Narcisismo e cultura moderna".

Antes, era em função de uma virtude que as pessoas se apresentavam publicamente, agora é na total falta de qualquer virtude que a pessoa quer se exibir como "especial". Ou seja, ela mente para si mesma e para os outros. Do "império das meias verdades" as fake-fotos das redes sociais passaram a se constituir como o império da mentira absoluta - sem pudor algum - graças à inutilidade de cada pessoa se representando para os outros que admiram essa mentira e são admirados por mentirem também.

Vamos aos exemplos. Citarei alguns, ao menos os que me chamam a atenção. Cada crítico deve ter sua coleção de "imagens vazias" que teve que ver no Face.

Uma das coleções de fotos que me surpreendeu por seu narcisismo foi de uma pessoa, uma jovem estudante de arquitetura, de aproximadamente 23 anos, que viajou por toda a Europa, como um presente da família. Por todos os países que passava, ela registrava seu rosto, que tomava todo o centro da foto (80 por cento, ao menos), e, discretamente/minusculamente, ao fundo, se via alguma identificação da cidade ou país em que ela estava, através da aparição de um monumento turístico (a Torre Eiffel, por exemplo).

Sendo uma aluna de arquitetura, querendo exibir para os amigos suas viagens, o mínimo que se esperava é que ela mostrasse a cultura que seus olhos privilegiados estavam vendo, os hábitos das pessoas de outro país, a diversidade da natureza, das ruas, a arquitetura, a cultura desse país. Não! O que suas fotos revelavam era apenas o seu enorme rosto quase escondendo belíssimas cidades, que se perdiam na neblina do nada daquelas fotos. O que se exibia não era "o que eu vi, experimentei, senti, o quanto me transformei diante de uma outra civilização", mas apenas o "como sou bonitinha", tendo atrás de mim, ainda, por micro-cenário desprezível, Paris, Berlim ou Veneza. Ou seja, seus amigos, espectadores invejosos de sua viagem ao redor do mundo, curiosos por ver como são as tão faladas cidades da arte, não puderam ver nada além daquele rostinho, que vêm todo dia, com uma espécie de riso de boneca inflável estampado na quase totalidade das fotos.

Há fotos de outra natureza. As mais irritantes, por sua falsidade gritante, e que chama a atenção, é a eterna felicidade de todos nas fotos. Todos sempre rindo, felizes 356 dias do ano. Meu deus! Ninguém sofre nesse planeta? Nem quando um carro bomba explode com crianças do outro lado do mundo? Nem ao saber que quase tudo nesse país está aos pedaços? Até em situações dramáticas como quando as pessoas são abandonadas pelo seu amor, lá está, a maldita foto risonha vendendo a mentira da felicidade fake. E o risinho treinado, irritante, se exibe... despudoradamente falso.

Uma amiga virtual (nunca a vi pessoalmente) me perguntou se tenho problemas dentários, se me falta um dente ou coisa parecida. - Por que? Perguntei a ela. Sua resposta foi: - "porque nunca vi uma foto sua rindo".


Há fotos que vão se constituindo como uma narrativa do ridículo dessas vidas vazias. Vamos à historieta. Em primeiro lugar, uma festa de "luxo" de um casamento qualquer. Em seguida, o cotidiano do mesmo casal que vai se revelando no seu dia a dia inútil. A contraposição da pose de rainha na foto do dia do casamento à foto de dona de casa que serve a cervejinha barata ao maridão desajeitado, num copo medonho, torna tudo "pequeno". Mas, ah! para eles essa "vidinha" é tão nobre quanto a de Luiz XIV, o Rei Sol. Tão nobre que deve ser exibida para as nossas retinas tão cansadas de bobagens. O que era "álbum de família", agora é matéria do cotidiano de todos. Arghhh!!!

Quem nunca vomitou vendo um álbum de casamento, de formatura ou aniversário que atire a primeira dinamite. Só sendo da família, e olhe lá, para aguentar essas fotos! Esse narcisismo, que atribui sentido em se publicar (tornar público) o nada, é que constitui a farsa social mais demoníaca que estamos vivendo no Face. Como estamos no mundo em que "os idiotas venceram", todos curtem e exigem que suas vidas prosaicas sejam curtidas no círculo infernal e sem fim do espelho narcísico.

Qual a moda? Ter gato, ir à academia? Lá se vão milhares de fotos intragáveis do meu rosto junto ao do gato, do cachorro, do pato, da vaca e do elefante! Isso quando não se exibe também, e a todo momento, o gato comendo, o gato sobre o sofá, o gato sobre a cama, o gato sobre a gata (ah, isso não pode!). Está na academia? Ah! Que momento triunfante! Todos têm que ver essa merda! Uma garota, aliás, postou-se vestida nas 30 peças de roupa de ginástica que comprou, uma para cada dia do mês na academia (afinal, mulher não repete roupa). Cada calça (do tipo levanta cacete até de defunto), em suas cores umas mais berrantes que a outra, exibidas no seu corpinho malhado, como exige a moda dos corpos dóceis (leia Foucault!). Meu Deus! Que valor tem isso para a comunidade humana? Nenhum, apenas prova o narcisismo vazio das vidas que encontramos por aí. Se ao menos você se postasse tocando um concerto de violão de Villa-Lobos! Ah! Isso sim, nos levaria a uma existência sublime! (Quanto à sua calça apertada, renderia no máximo uma masturbação de alguém entediado).

Há retratos fake-face de apelo social. Afinal, até aqui temos que ser narcisistas. Como as pessoas que viajam aos países pobres (mais pobres que o Brasil!) e se fotografam (rosto contra rosto) ao lado de um menino negro, sujo, desconsolado... e o bom samaritano, ele ou ela, com aquela calça limpa, macia, da Fórum e com seu caríssimo tênis Nike brilhante! Mas lá está a foto, mostrando sua humanidade de 15 segundos! Não foi Jesus quem disse que "se fizer uma bondade, que sua mão esquerda não saiba que a mão direita doou"?

E os churrascos? Quanta alegria em representar as cenas fellinianas (você sabe quem foi Fellini?) da felicidade de fim de semana num churrasco para lá de brega! Ah! Pena que as fotos não exibem a música da "alegria". Deve ser pior que a cerveja que bebem e da linguiça que comem. Ninguém leu um poema no evento? Não se falou de nada "pesado"? Esqueci, é hora de esquecer! Mas pode-se ser alegre sem lembrar? E porque todo fim de semana quase as mesmas fotos? Ora, isso entedia! Festas e comemorações ou encontros em lugares públicos? Não falta a famosa foto de todos "juntos e felizes", devidamente publicada imediatamente no Face, com seus risos ensaiados e forçados. Depois da foto, todos voltam à posição normal de entediados, bebendo mais e mais para forçar a alegria que sem o álcool não existiria. E falando alto, alto, alto, sobre NADA, pois precisam gritar para que alguém tenha paciência de ouvir esse NADA. Ou será que é porque acham tão especial o que dizem que precisam berrar ao ouvinte seu NADA tão extraordinário? Será que elas falam da foto que acabaram de publicar no Face, de como ficaram ótimas na foto? Já repararam que não se consegue mais conversar em bar algum por causa da gritaria das pessoas?

Realmente não sei a diferença entre uma pessoa se fotografando num churrascão ou numa exposição de arte, show ou evento, tudo da moda (evidentemente todo mundo quer ver Salvador Dalí, mas o MASP daqui, para que, não é mesmo, se não é da moda/mídia?), já que só aparece seu rosto, fake-feliz, escondendo aquilo que é o que deveria ter feito a pessoa sair de casa.

Não existe problema algum em fotografar um jantar com amigos, um evento especial, um encontro, ou seu animal de estimação (mesmo que seja o marido porco ou a esposa jacaré). Acontece que a coisa degringolou no mais raso narcisismo, na mais doentia autoafirmação insensata, descendo cascata abaixo, num sem fim de representações do NADA. Quando as pessoas equilibram esse nada com alguma coisa que preste, tudo bem. Mas a maior parte transformou essa vida fake-fotos do face em padrão neurótico de repetição. Nem indicar um bom filme, um bom livro, um lugar para se visitar, a pessoa consegue mais.

Se o poeta é um visionário, T. S. Eliot acertou em dizer que vivemos num mundo de homem ocos. Nada por dentro, por isso fake por fora.

Pessoas realmente importantes, que criam coisas relevantes, estas sim, deveriam publicar o que fizeram de grandioso. Democratizar boas ideias, invenções importantes, provocações inteligentes, acontecimentos que engrandecem, dicas culturais etc - ou mesmo fatos pequenos, bobagens sem nobreza, mas à luz da poesia- não a fake-foto do NADA querendo se passar por tudo, em sua eterna repetição - é o que se espera de um espaço global como as redes sociais. Ou morreremos de tédio!


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 18/8/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cidades do Algarve de Elisa Andrade Buzzo
02. Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda? de Renato Alessandro dos Santos
03. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol
04. Um Furto de Ricardo de Mattos
05. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2015
01. Daumier, um caricaturista contra o poder - 24/2/2015
02. Eu matei Marina Abramovic (Conto) - 17/3/2015
03. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques - 24/11/2015
04. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) - 2/6/2015
05. Fake-Fuck-Fotos do Face - 18/8/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REFRÃO DA FOME
J.M.G.CLÉZIO
COSACNAIFY
(2018)
R$ 40,00



ANTES QUE OS PÁSSAROS ACORDEM
JOSUÉ MONTELLO
NOVA FRONTEIRA
(1987)
R$ 15,90
+ frete grátis



ENQUANTO ESCORRE O TEMPO
PATRICIA GEBRIM
PENSAMENTO
(2010)
R$ 14,90



AS AVENTURAS DE TOM SAWYER
MARK TWAIN AVENTURAS TOM SAWYER
MARTIN CLARET
(2016)
R$ 7,90



OS ENSAIOS - LIVRO III
MICHEL EYQUEM DE MONTAIGNE
MARTINS FONTES
(2001)
R$ 55,00



104 ERROS QUE OS CASAIS NÃO PODEM COMETER
JOSUE GONÇALVES
MENSAGEM PARA TODOS
(2009)
R$ 10,00



SAÚDE: EXERCÍCIO DA VIDA
FRANCISCO BICUDO
SALESIANA
(2013)
R$ 3,00



JOGO DO DINHEIRO - 2ª EDIÇÃO
ADAM SMITH
EXPRESSÃO / CULTURA
(1969)
R$ 8,49



COMO SE ESCREVE? VERBOS VOL 1
EDUARDO PERÁCIO (COLABORADOR)
ABRIL RECREIO
R$ 5,00



A CELESTINA
FERNANDO DE ROJAS
FRANCISCO ALVES
(1988)
R$ 20,00





busca | avançada
36804 visitas/dia
957 mil/mês