Capitu, a melhor do ano | Marcelo Maroldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> A Web 2.0 Critique
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O do contra
>>> American Dream
>>> Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
>>> De Kooning em retrospectiva
Mais Recentes
>>> Medida Provisória 1 6 1 de Ademir Antonio Bacca pela Toazza
>>> Eu amo Hollywood de Lindsey Kelk pela Fundamento (2013)
>>> A Torre Invisível de Nils Johnson-Shelton pela Intrinseca (2013)
>>> De Volta ao Paraíso de Gwen Davis pela Nova Epoca
>>> Karma =A Justiça Infalível de A.C.Bhaktivedanta pela Associação BBT Brasil (2011)
>>> Como a Starbucks salvou minha vida. de Michael Gates Gill pela Sextante (2008)
>>> Conspiração Telefone de Walter Wager pela Circulo do livro
>>> Perdida - Um Amor Que Ultrapassa as Barreiras do Tempo de Carina Rissi pela Verus (2013)
>>> Bosque da Solidão de Nilson Luiz May pela Seriptum (2017)
>>> Respostas para o Jovem Phn de Dunga pela Canção Nova (2013)
>>> Administração Pública de Augustinho Paludo pela Gen (2019)
>>> 130 anos - Em Busca da República de 9788551004968 pela Intrínseca (2019)
>>> Encontro Marcado de Raul Moreau pela Portal Mix (2010)
>>> No Ritmo em Que o Vento Assovia de Raul Moreau pela Portal Mix (2011)
>>> Quase Memória de Carlos Heitor Cony pela Alfaguara (2020)
>>> Estudos = Design & Tecnologia de Abimóvel - Promóvel pela Alternativa (2002)
>>> Battle Royale - the Novel de Koushun Takami pela Haika Soru (2009)
>>> Querência em Prosa de Manoel Lopes Haygert pela Do autor. (1991)
>>> Aspectos jurídicos do atendimento às vítimas de violência sexual. de Delano de Aquino Silva pela Ms (2011)
>>> Antes de dizer Sim de Jaime Kemp pela Mundo Cristão (1999)
>>> Fallen de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> Nu entre os lobos de Bruno Apitz pela Nosso Tempo (1971)
>>> Coisas que toda garota deve saber. de Samantha Rugen pela Melhoramentos (1997)
>>> A Queda para o Alto de Herzer pela Vozes (1983)
>>> As Vantagens de Ser Invisível de Stephen Chbosky pela Rocco (2007)
>>> Doces Venenos de Lidia Rosenberg Aratangy pela Olho Dágua (2008)
>>> A máquina extraviada de José J. Veiga pela Civilização brasileira (1974)
>>> Cara ou coroa ? de Fernando Sabino pela Ática (2000)
>>> Conte Sua História de São Paulo de Milton Jung pela Globo (2006)
>>> Letras Perdidas de Luís Dill pela Oceano Indústria Gráfica (2006)
>>> Minhas vidas passadas de Mario Prata pela Planeta (2012)
>>> A Cadeira do Dentista & Outras Crônicas de Carlos Eduardo Novaes pela Ática (2002)
>>> Os Recicláveis de Toni Brandão pela A Caixa verde (2010)
>>> Sete desafios para ser rei de Jan Terlouw pela Atica (2003)
>>> Quem Diria Que Viver ia Dar Nisso de Martha Medeiros pela L&PM (2018)
>>> Entre os Monges do Tibete de Lobsang Rampa pela Record (1960)
>>> O menino do dedo verde de Maurice Druon pela José Olympio (2013)
>>> Ruínas do Tempo de Jess Walter pela Verus (2013)
>>> Os nossos pés de todos os dias de Apollo Taborda França pela Do autor (1984)
>>> Por Um Fio de Drauzio Varella pela Cia das Letras (2004)
>>> Gay Plays de William M. Hoffman pela Avon Books (1979)
>>> Existe Sempre uma Razão de Elisa Masselli pela Mensagem de Luz (2007)
>>> A Segunda Vida: um guia para a mulher madura de Marisa Sanabria pela Êxito (2015)
>>> Outra Vez a Esperança de Antonio Carlos Neves pela Mercado Aberto (1987)
>>> Os Bons e os Justos de Lourenço Cazarré pela Mercado Aberto (1993)
>>> Clebynho - O Babalorixá Aprendiz de Leandro Müller pela Pallas (2010)
>>> As Maluquices do Imperador de Paulo Setúbal pela Nacional (1983)
>>> A Felicidade é Fácil de Edney Silvestre pela Record (2011)
>>> Contos. Porque Conto - autografado de Públio José pela Do autor (2009)
>>> Paratii: entre dois pólos de Amyr Klink pela Companhia da Letras (1992)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2008

Segunda-feira, 29/12/2008
Capitu, a melhor do ano
Marcelo Maroldi

+ de 5100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Em 2005 escrevi neste Digestivo sobre a série Hoje é dia de Maria, do diretor Luis Fernando Carvalho. Curiosamente, meses antes havia comentado superficialmente a consagrada peça Regurgitofagia, de Michel Melamed. Ora, sempre fui um admirador confesso de ambos, e, portanto, se surge um novo projeto unindo-os eu não poderia ignorar. Por isso, desde o princípio acreditei que a microssérie Capitu seria um sucesso, digna dos melhores do ano.

Antes de assistir ao primeiro capítulo, li que o argumento defenderia um ponto de vista específico, o da traição da Capitu. Fiquei ligeiramente preocupado; pensei: "vai arrepiar os acadêmicos e os conservadores"; mas depois concluí que não havia problema, é exatamente isso que todos nós leitores fazemos: escolhemos uma interpretação. Mesmo os mais preparados têm suas leituras particulares da obra ― concebem a traição ou não. A única diferença é que estes sabem que a questão não deve verdadeiramente ser colocada. Se nós fazemos a nossa interpretação e optamos por um lado, o Luis Fernando também pode. Capitu é a interpretação dele, quer você concorde, quer não. Quem quiser ser fiel à obra, sem dar um passo adiante ao que escreveu Machado, que fique com o livro e esqueça a série. É uma livre adaptação, ou seja, é de fato livre para uma releitura (podendo, eventualmente, até modificar partes centrais da trama), por isso pode basear-se pontualmente em um capítulo, em frases isoladas etc., de modo a configurar o ponto de vista dele, o que ele quis; houve traição! Por que é preciso seguir estritamente a obra? É como criticar Moulin Rouge como remontagem de A dama das camélias e tantos exemplos em que o original é alterado. Se muitos torcem o nariz, acham um absurdo e um desrespeito, respondo: fiquem no original e nos deixem gostar e gozar nossa liberdade em livres adaptações! Ou fiquem com ambos, original e adaptação, é sempre melhor outra análise (não seria interessante assistirmos a uma nova versão da obra com um diretor que admite não ter ocorrido traição?).

Seja como for, esta é uma questão que simplesmente não importa. É tolice levantá-la, e se o fiz foi para extirpá-la em definitivo. Não faz diferença com quem deitou Capitu. Li repercussões da microssérie que diziam estar de volta uma grande questão: teve ou não adultério? Ora, a questão não é essa, não pode ser essa! Quem se preocupa com ela não compreende o objetivo machadiano, não entende a discussão e os problemas que se colocam. A traição é quase, ouso dizer, secundária. Calma, leitor, não a minimizo, mas, veja, Bentinho também nunca soube se havia sido traído! Todos aqueles sentimentos profundos e marcantes que dele emergiram talvez nem motivação tivessem! Por isso não nos importa se ele foi traído; ele agiu como agiu, e é isso que sabemos. Ponto final. O que importa é o que está lá escrito, não o que nós leitores compreendemos. Por isso não me interessa se a Maria Fernanda Cândido traiu o coitado do Melamed!

Contudo, não podemos inocentemente crer que um romance é livre para toda e qualquer interpretação. Ele não é! Quase toda obra literária tem uma intenção ― a maioria, pelo menos. Seu autor sabe o que quer escrever, sabe precisamente onde colocar a dúvida, aquela frase que muda o rumo das coisas, uma cena a confundir todos nós. Geralmente o autor possui, sim, uma intenção, é natural. Mas se Machado de Assis não escreveu o que ocorreu e usou um narrador tendencioso não significa que nem ele soubesse; pelo contrário, apenas reforça a tese de que quis deixar suspenso tal acontecimento, o leitor que decida (ou não, também é lícito ficar em cima do muro). Cada um decida por si, mas se ele quisesse ter contado o que houve, teria contado e pronto. Não sejamos tolos a ponto de crer que não há uma verdade, é claro que há! Mas jamais a saberemos, e esta especulação, então, só serve para as mesas de bar; assim, criticar o diretor por tomar partido é uma grande besteira. É um livro que não morre, este Dom Casmurro. Sempre haverá leitores decidindo por ele o que houve! Quem disse que a arte é apenas contemplativa? Não, nem sempre, é preciso ser ativo (como Sócrates e Protágoras discutindo uma interpretação do poema de Simônides). Não importa se Bentinho foi traído, nos importa o que conseguiu Machado: criou uma trama que resistiu por 200 anos sem uma resposta concreta; tanto que é possível defender ambos os lados...

Agora vamos à Capitu sem a sombra maldita do Machado. A série seguiu o mesmíssimo formato da citada Hoje é dia de Maria e de A Pedra do Reino, o que é bom e ruim. Bom porque funciona, é lindo. Ruim porque já começa a enjoar: será que o Luis Fernando fará sempre esta mistura de circo e teatro? É verdade que Dom Casmurro já está de tal forma incrustado em nós leitores que seria difícil contá-lo sem que se tentasse uma nova forma. Imagine sua chatice em formato de uma novela televisiva!? Por isso, a forma circense e teatral deu ânimo a uma obra para muitos apenas literária e sem graça. Ora, ver Bentinho travestido de Capitu ou seu ator se desmontando embasbacou o leitor mais fiel, sem dúvida. E o que falar da mistura do novo e do velho? Do conservadorismo original posto à prova por inovações e modernismos que colocaram fones no ouvido de Capitu e um celular para o desesperado Bentinho? Caros, é preciso se permitir essa mistura, adentrar a série sem as amarras do livro, sem caretice, não se importar se a Capitu jovem da série tinha uma tatuagem verde no braço. Ali, mais que tudo, é um mundo de faz-de-conta que permitiu desenhar um muro imaginário no chão impedindo os namoradinhos de se verem, ou fazer Bentinho tocar seu próprio coração angustiado. Se o Machado se mexeu no túmulo, problema dele, esta é a série, não seu livro. Sem dúvida, uma nova maneira de contar uma história velha. É preciso se despir do gasto, do usado e tentar o novo. O que há de errado em ter sido um Bentinho circense, Mainardi? Por fim, uma nota sobre os atores, dos quais apenas um me decepcionou: a formosa Maria Fernanda Cândido, cenicamente pobre demais para uma Capitu. Sua beleza não foi suficiente para ofuscar o talento dos outros atores, como o Bentinho (jovem e adulto).

Por isso tudo, a série merece estar entre os melhores de 2008. Os conservadores e os chatos de plantão que me desculpem, mas Capitu salvou o final do meu ano na televisão. E isso não me impede de ficar também com o livro: fico com os dois, amigo leitor.

Nota do Editor
Leia também "Uma impressão sobre Capitu".


Marcelo Maroldi
São Paulo, 29/12/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Marcelo Maroldi
Mais Acessadas de Marcelo Maroldi
01. Receita para se esquecer um grande amor - 3/8/2006
02. Como escrever bem — parte 1 - 13/6/2005
03. Como escrever bem — parte 2 - 27/6/2005
04. Como escrever bem – parte 3 - 11/7/2005
05. A ousadia de mudar de profissão - 28/11/2005


Mais Especial Melhores de 2008
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/1/2009
18h22min
Há muito sou leitora do Marcelo Maroldi, porque percebo nele o talento de dizer, em palavras, pensamentos improváveis à maioria de nós, leitores, transformando-os em idéias tão claras que quase nos envergonhamos de não sermos nós os autores daquele pensamento, já óbvio. E desse vez não foi diferente: com a ressalva de que, após Barthes, não nos importa (caso haja!) o que o "autor quis dizer", afinal a leitura é terreno entre leitor e texto, e mais ninguém, há muita propriedade (além do delicioso humor ranzinza) em "Se o Machado se mexeu no túmulo, problema dele, esta é a série, não seu livro." Ler, pensar, duvidar, mexer: são prazeres e direitos do leitor. Ser lido, pensado, mexido: é inerente ao texto. Ao autor, cabe a dor da autoria e alguns cascalhos por direitos autorais. Nada mais. Os pensamentos que saem de si serão outros até que se tornem palavras; se lidos, serão tantos e tantos. E são nossos. Concordo com MM: leituras são sempre bem-vindas! Belas, como Capitu, desejadas!
[Leia outros Comentários de Kátia Chiaradia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ATITUDE: UM JOVEM VENCEDOR
ÁRVORE DA VIDA
ÁRVORE DA VIDA
(2012)
R$ 5,00



ONDE NÃO HÁ DENTISTA
MURRAY DICKSON
PAULINAS
(1985)
R$ 39,00



MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO
VÁRIOS AUTORES
MASSP
(1970)
R$ 8,38



DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNI...
MEC
BRASILIA MEC
(2004)
R$ 5,00



UM BRASILEIRO EM TERRAS PORTUGUÊSAS - 780
GILBERTO FREYRE
JOSÉ OLYMPIO
(1953)
R$ 20,00



A ARCA DE NOÉ
REGINA CHAMLIAN
PAULINAS
(1999)
R$ 6,00



COMMENT RÉAMÉNAGER NOTRE RUSSIE? REFLEXIONS DANS LA MESURE DE ME
ALEXANDRE SOLJENITSYNE
FAYARD
(1990)
R$ 37,82



GIRL A REVISTA DA LUMA
INÊS STANISIERE
LEITURA
(2006)
R$ 6,00



SONHOS DOURO - 1º VOLUME
JOSÉ DE ALENCAR
SARAIVA
(1960)
R$ 12,00



OS 12 TRABALHOS
CLÁUDIO YOSIDA E RICARDO ELIAS
IMPRENSA OF. ESTADO SP
(2008)
R$ 10,00





busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês