Capitu, a melhor do ano | Marcelo Maroldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Férias de Julho: Museu Catavento e Teatro Sérgio Cardoso recebem a Cia. BuZum!
>>> Neos firma parceria com Unicamp e oferece bolsas de estudo na área de inteligência artificial
>>> EcoPonte apresenta exposição Conexões a partir de 16 de julho em Niterói
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os enciclopedistas franceses rolam nos túmulos
>>> Entrevista com Chico Pinheiro
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Vamos sentir saudades
>>> Sexo virtual
>>> The more you ignore me, the closer I get
>>> Padre chicoteia coquetes e dândies
Mais Recentes
>>> Simplesmente Irresistível de Rachel Gibson; Leila Kommers pela Jardim dos Livros (2013)
>>> Anotações Sobre um Escândalo - Romance - Autografado de Zoë Heller pela Record (2007)
>>> A Região do Maduro de Jaime Leitão Rodrigues pela Amrc (1986)
>>> Mundo sem Hemisférios de Octavio Costa pela Record
>>> Revelada - uma Odisséia Feminina de Eliana de Freitas pela Conecta Brasil (2012)
>>> Crítica Teatral - Obras Completas de Machado de Assis de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc.
>>> Marcas da Iatrogenia no Discurso de Profissionais Em Hospital-dia de Luís Gustavo Vechi pela Casa do Psicólogo (2003)
>>> As Duas Vidas de Adonis de Mustafa Yazbek pela Ftd (1991)
>>> Gail 200 Anos de Sucesso Industrial - 200 Years of Industrial Success de Hilde Herbold - Texto pela Dba (2012)
>>> O Olhar de Lanceta - Ensaios Críticos Sobre Literatura e Sociedade de Elói Alves pela Apmc (2015)
>>> Reima de Dau Bastos pela Record (2009)
>>> Revista Arte e Cultura da América Latina - Vol. VII - Nº 1 de Adonay Ariza/rosane Borges e Outros pela Terceira Margem (2000)
>>> O Projeto Lottie de Jacqueline Wilson pela Sm (2005)
>>> São Jorge dos Ilhéus de Jorge Amado pela Martins (1968)
>>> Não Há Silêncio Que Não Termine de Ingrid Betancourt; Rosa Freire Daguiar pela Companhia das Letras (2010)
>>> Fluxus de Cristiane Grando pela Gato de Papel (2005)
>>> O Vau da Vida de Ariosto Augusto de Oliveira pela Nankin (2004)
>>> Uma Questão de Vida e Sexo de Oscar Moore pela José Olympio (2006)
>>> Subtexto - Revista de Teatro do Galpão Cine Horto - Nº 3 de Chico Pelúcio/beto Franco/kil Abreu/e Outros pela Não Identificada (2006)
>>> Une Vie Maupassant - Analyse Critique de Jean et Veronique Ehrsam pela Hatier (1986)
>>> The Last of the Giants de George Otis pela Chosen Books (1991)
>>> Dados - Revista de Ciências Sociais - Volume 51 -1 de Charles Pessanha - Edit. pela Iuperj (2008)
>>> Madame Casanova de Gaby Von Schonthan pela Nova Fronteira (1974)
>>> Um Reizinho Entre Nós de Yasmin Garrido Bruno pela Best Seller (2003)
>>> A Sintese Organica do Itinerarium Aetheriae de Enio Aloisio Fonda pela Ffcla (1966)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2008

Segunda-feira, 29/12/2008
Capitu, a melhor do ano
Marcelo Maroldi

+ de 6100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Em 2005 escrevi neste Digestivo sobre a série Hoje é dia de Maria, do diretor Luis Fernando Carvalho. Curiosamente, meses antes havia comentado superficialmente a consagrada peça Regurgitofagia, de Michel Melamed. Ora, sempre fui um admirador confesso de ambos, e, portanto, se surge um novo projeto unindo-os eu não poderia ignorar. Por isso, desde o princípio acreditei que a microssérie Capitu seria um sucesso, digna dos melhores do ano.

Antes de assistir ao primeiro capítulo, li que o argumento defenderia um ponto de vista específico, o da traição da Capitu. Fiquei ligeiramente preocupado; pensei: "vai arrepiar os acadêmicos e os conservadores"; mas depois concluí que não havia problema, é exatamente isso que todos nós leitores fazemos: escolhemos uma interpretação. Mesmo os mais preparados têm suas leituras particulares da obra ― concebem a traição ou não. A única diferença é que estes sabem que a questão não deve verdadeiramente ser colocada. Se nós fazemos a nossa interpretação e optamos por um lado, o Luis Fernando também pode. Capitu é a interpretação dele, quer você concorde, quer não. Quem quiser ser fiel à obra, sem dar um passo adiante ao que escreveu Machado, que fique com o livro e esqueça a série. É uma livre adaptação, ou seja, é de fato livre para uma releitura (podendo, eventualmente, até modificar partes centrais da trama), por isso pode basear-se pontualmente em um capítulo, em frases isoladas etc., de modo a configurar o ponto de vista dele, o que ele quis; houve traição! Por que é preciso seguir estritamente a obra? É como criticar Moulin Rouge como remontagem de A dama das camélias e tantos exemplos em que o original é alterado. Se muitos torcem o nariz, acham um absurdo e um desrespeito, respondo: fiquem no original e nos deixem gostar e gozar nossa liberdade em livres adaptações! Ou fiquem com ambos, original e adaptação, é sempre melhor outra análise (não seria interessante assistirmos a uma nova versão da obra com um diretor que admite não ter ocorrido traição?).

Seja como for, esta é uma questão que simplesmente não importa. É tolice levantá-la, e se o fiz foi para extirpá-la em definitivo. Não faz diferença com quem deitou Capitu. Li repercussões da microssérie que diziam estar de volta uma grande questão: teve ou não adultério? Ora, a questão não é essa, não pode ser essa! Quem se preocupa com ela não compreende o objetivo machadiano, não entende a discussão e os problemas que se colocam. A traição é quase, ouso dizer, secundária. Calma, leitor, não a minimizo, mas, veja, Bentinho também nunca soube se havia sido traído! Todos aqueles sentimentos profundos e marcantes que dele emergiram talvez nem motivação tivessem! Por isso não nos importa se ele foi traído; ele agiu como agiu, e é isso que sabemos. Ponto final. O que importa é o que está lá escrito, não o que nós leitores compreendemos. Por isso não me interessa se a Maria Fernanda Cândido traiu o coitado do Melamed!

Contudo, não podemos inocentemente crer que um romance é livre para toda e qualquer interpretação. Ele não é! Quase toda obra literária tem uma intenção ― a maioria, pelo menos. Seu autor sabe o que quer escrever, sabe precisamente onde colocar a dúvida, aquela frase que muda o rumo das coisas, uma cena a confundir todos nós. Geralmente o autor possui, sim, uma intenção, é natural. Mas se Machado de Assis não escreveu o que ocorreu e usou um narrador tendencioso não significa que nem ele soubesse; pelo contrário, apenas reforça a tese de que quis deixar suspenso tal acontecimento, o leitor que decida (ou não, também é lícito ficar em cima do muro). Cada um decida por si, mas se ele quisesse ter contado o que houve, teria contado e pronto. Não sejamos tolos a ponto de crer que não há uma verdade, é claro que há! Mas jamais a saberemos, e esta especulação, então, só serve para as mesas de bar; assim, criticar o diretor por tomar partido é uma grande besteira. É um livro que não morre, este Dom Casmurro. Sempre haverá leitores decidindo por ele o que houve! Quem disse que a arte é apenas contemplativa? Não, nem sempre, é preciso ser ativo (como Sócrates e Protágoras discutindo uma interpretação do poema de Simônides). Não importa se Bentinho foi traído, nos importa o que conseguiu Machado: criou uma trama que resistiu por 200 anos sem uma resposta concreta; tanto que é possível defender ambos os lados...

Agora vamos à Capitu sem a sombra maldita do Machado. A série seguiu o mesmíssimo formato da citada Hoje é dia de Maria e de A Pedra do Reino, o que é bom e ruim. Bom porque funciona, é lindo. Ruim porque já começa a enjoar: será que o Luis Fernando fará sempre esta mistura de circo e teatro? É verdade que Dom Casmurro já está de tal forma incrustado em nós leitores que seria difícil contá-lo sem que se tentasse uma nova forma. Imagine sua chatice em formato de uma novela televisiva!? Por isso, a forma circense e teatral deu ânimo a uma obra para muitos apenas literária e sem graça. Ora, ver Bentinho travestido de Capitu ou seu ator se desmontando embasbacou o leitor mais fiel, sem dúvida. E o que falar da mistura do novo e do velho? Do conservadorismo original posto à prova por inovações e modernismos que colocaram fones no ouvido de Capitu e um celular para o desesperado Bentinho? Caros, é preciso se permitir essa mistura, adentrar a série sem as amarras do livro, sem caretice, não se importar se a Capitu jovem da série tinha uma tatuagem verde no braço. Ali, mais que tudo, é um mundo de faz-de-conta que permitiu desenhar um muro imaginário no chão impedindo os namoradinhos de se verem, ou fazer Bentinho tocar seu próprio coração angustiado. Se o Machado se mexeu no túmulo, problema dele, esta é a série, não seu livro. Sem dúvida, uma nova maneira de contar uma história velha. É preciso se despir do gasto, do usado e tentar o novo. O que há de errado em ter sido um Bentinho circense, Mainardi? Por fim, uma nota sobre os atores, dos quais apenas um me decepcionou: a formosa Maria Fernanda Cândido, cenicamente pobre demais para uma Capitu. Sua beleza não foi suficiente para ofuscar o talento dos outros atores, como o Bentinho (jovem e adulto).

Por isso tudo, a série merece estar entre os melhores de 2008. Os conservadores e os chatos de plantão que me desculpem, mas Capitu salvou o final do meu ano na televisão. E isso não me impede de ficar também com o livro: fico com os dois, amigo leitor.

Nota do Editor
Leia também "Uma impressão sobre Capitu".


Marcelo Maroldi
São Paulo, 29/12/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cinquenta tons de cinza no mundo real de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Marcelo Maroldi
Mais Acessadas de Marcelo Maroldi
01. Receita para se esquecer um grande amor - 3/8/2006
02. Como escrever bem — parte 1 - 13/6/2005
03. Como escrever bem — parte 2 - 27/6/2005
04. Como escrever bem – parte 3 - 11/7/2005
05. A ousadia de mudar de profissão - 28/11/2005


Mais Especial Melhores de 2008
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/1/2009
18h22min
Há muito sou leitora do Marcelo Maroldi, porque percebo nele o talento de dizer, em palavras, pensamentos improváveis à maioria de nós, leitores, transformando-os em idéias tão claras que quase nos envergonhamos de não sermos nós os autores daquele pensamento, já óbvio. E desse vez não foi diferente: com a ressalva de que, após Barthes, não nos importa (caso haja!) o que o "autor quis dizer", afinal a leitura é terreno entre leitor e texto, e mais ninguém, há muita propriedade (além do delicioso humor ranzinza) em "Se o Machado se mexeu no túmulo, problema dele, esta é a série, não seu livro." Ler, pensar, duvidar, mexer: são prazeres e direitos do leitor. Ser lido, pensado, mexido: é inerente ao texto. Ao autor, cabe a dor da autoria e alguns cascalhos por direitos autorais. Nada mais. Os pensamentos que saem de si serão outros até que se tornem palavras; se lidos, serão tantos e tantos. E são nossos. Concordo com MM: leituras são sempre bem-vindas! Belas, como Capitu, desejadas!
[Leia outros Comentários de Kátia Chiaradia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Olhos do Mundo: Lendas Escolhidas e Recontadas
Edson G. Garcia Jorge M. Marinho Lidia I. Carvalho
Ciranda de Letras
(2012)



Engenharia Genética
Fátima Oliveira
Moderna
(1995)



Por Que as Mulheres São tão Especiais
Gary Haynes
Atos
(2009)



Keraban
Júlio Verne
Matos Peixoto
(1966)



Jardim de Inverno
Zélia Gattai
Record
(1988)



Por que os Homens Mentem e as Mulheres Choram?
Allan Pease / Barbara Pease
Sextante
(2005)



A Segunda Vez Que Te Conheci
Marcelo Rubens Paiva
Objetiva
(2008)



A Festa Acabou
Gilberto Caldas
Pillares
(2005)



O Guarani
José de Alencar
Paulus
(2005)



Os Homens Que Não Amavam as Mulheres
Stieg Larsson
Companhia das Letras
(2010)





busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês