O experimento de J. K. Rowling | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
56501 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Spanish Town All Stars: de SP a Spanish Town
>>> Céu lança discografia em vinil no Sesc Belenzinho
>>> Sesc Belenzinho traz Cesar Camargo Mariano Trio no projeto Estação Brasileira
>>> Sesc Belenzinho realiza apresentações do espetáculo de dança Mulheres do Àse - Performance Ritual
>>> Zé Guilherme lança novo videoclipe com faixa do álbum ALUMIA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
Últimos Posts
>>> A Nova Era do Rádio
>>> Assim eu quero a vida
>>> Um sujeito chamado Benício
>>> A imaginação educada, de Northrop Frye
>>> Direções da véspera (Introdução)
>>> O tempo nos ensina - frase
>>> O Cinema onde os fracos não tem vez
>>> Senhor do Corpo e da alma - poema
>>> Fotogenia
>>> É Natal
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Infinitely Fascinating People
>>> Em defesa de Nuno Ramos e da arte
>>> O blog no espelho
>>> Head to head
>>> Uma seleção de fracassados
>>> Se minha gramática falasse
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Um conselho: não leia Germinal
>>> O que mata o prazer de ler?
>>> Doce presença
Mais Recentes
>>> Além do rio de Ziraldo pela Melhoramentos (1996)
>>> Tratado de Fisiologia Médica de Guyton & Hall pela Elsevier Saunders (2011)
>>> Morreu tio eurico! Rubião ficou rico! de Lilian Sypriano pela Formato (2007)
>>> Aprendiz de inventor de João anzanello carrascoza pela Atica (2012)
>>> Lembrançinhas pintadas lá do fundo de Pedro bandeira pela Objetiva (2006)
>>> Histologia Essencial de Leslie P. Gartner e James L. Hiatt pela Elsevier Saunders (2012)
>>> O princípio da Capacidade Contributiva no Estado democrático de Direito de Marcelo Saldanha Rohenkohl pela Quartier Latin (2007)
>>> Um fio de prosa de Diversos autores pela Global (2004)
>>> The top floor de David Evans pela Summertown Publishing (2011)
>>> O santinho de Luis fernando verissimo pela Alfaguara (2002)
>>> Fundamentos da Bioquímica de Fernanda Galante e Marcus Vinicius Ferreira de Araújo pela Rideel (2014)
>>> As aventuras do capitão cueca de Dav pilkey pela Cosacnaif (2019)
>>> Dicionário Compacto Ilustrado de Saúde de Carlos Roberto Lyra da Silva, Roberto Carlos Lyra da Silva, Dirce Laplaca Viana pela Yendis (2011)
>>> Capitao cueca e a revoltante revanche da robocueca radiotiva de Dav pilkey pela Cosacnaif (2013)
>>> Diario de um banana Rodrick é o cara de Jeff kinney pela VeR (2012)
>>> 1000 Curiosidades insólitas que um garoto deveria saber para descobrir que no mundo so tem louco de Anibal litvin pela VeR (2010)
>>> Vencer o Cancer de Mama de Antonio Carlos Buzaid e Fernando Maluf pela Dendrix (2015)
>>> Martini seco- coleçao rosa dos ventos de Fernando sabino pela Atica (1987)
>>> Quase 1.000 Absurdos de Todos Os Tempos de Anibal litvin pela VeR (2011)
>>> Diario de um banana segurando vela de Jeff kinney pela VeR (2012)
>>> A lógica do consumo de Martin Lindstrom pela Nova Fronteira S.A. (2009)
>>> Essais sur l'Histoire des Idées Socialistes de l'Antiquité à la Fin du XVIII Siècle de V. Volguine pela Editions du Progrès (1981)
>>> As aventuras de ook e gluk de Jorge beard pela Cosacnaify (2011)
>>> Mentes e manias TOC: Transtorno Obsessivo-Compulsivo de Ana Beatriz Barbosa Silva pela Fontanar (2011)
>>> O meu pé de laranja lima de José mauro de vasconcelos pela Melhoramentos (2014)
>>> O Jovem Torless de Robert Musil pela Record (1986)
>>> Scott pilgrim contra o mundo de Bryan lee o´malley pela Quadrinos na cia (2010)
>>> A droga do amor de Pedro bandeira pela Moderna (2014)
>>> Novo Código Tributário Alemão de Vários pela Forense (1978)
>>> Diario de um banana, maré de azar de Jeff kinney pela VeR (2013)
>>> Todos contra dante de Luis dill pela Seguinte (2014)
>>> O princípio da Boa-Fé e o Planejamento Tributário de Elcio Fonseca Reis pela Quartier Latin (2008)
>>> The walking dead, a ascensão do governador de Robert kirkman pela Galera (2014)
>>> Viagem ao centro da terra de Julio verne pela Melhoramentos (2010)
>>> O menino no espelho de Fernanda sabino pela Record (2014)
>>> Asa da palavra de Adriano bitarães netto pela Maza (2005)
>>> A odisséia de Homero pela Dlc (2013)
>>> Percy jackson e os olimpianos de Rick riordan pela Intrínsica (2014)
>>> Eu sou malala de Malala yousafzai pela Companhia das letras (2013)
>>> Histórias Para ler no Cemitério de Alfred Hitchcock Apresenta pela Record (1973)
>>> Os Irmãos Leme de Paulo Setúbal pela Saraiva (1959)
>>> Medeia de Eurípedes pela Martin claret (2013)
>>> Diario inventado de Flavia Saravy pela FTD (2010)
>>> A Colmeia de Camilo José Cela pela Bertrand Brasil (1992)
>>> Planejamento Fiscal - Aspectos Teóricos e Práticos de Pedro Anan Jr (Coordenação) pela Quartier Latin (2005)
>>> Cegueira Moral de Zygmunt Bauman & Leonidas Donskis pela Zahar (2014)
>>> Luna clara e apolo onze de Adriana Falcão pela Salamandra (2013)
>>> Ludi e os fantasmas da Biblioteca Nacional (Nova Ortografia) de Luciana Sandroni pela Manati (2011)
>>> Memórias de Uma Guerra Suja de Cláudio Guerra pela TopBooks (2012)
>>> Imposto de Renda Pessoa Jurídica - Teoria e Prática de Pedro Anan Jr. (Coordenador) pela Quartier Latin (2006)
COLUNAS

Sexta-feira, 23/8/2013
O experimento de J. K. Rowling
Marta Barcellos

+ de 3100 Acessos

Em 2007, o violinista americano Joshua Bell foi ignorado por horas numa estação de metrô em Washington, apesar de todo o seu virtuosismo interpretando as mais belas composições clássicas. O experimento, que havia sido proposto pelo jornal Washington Post, foi de certa forma repetido este ano para promover uma coleção da Folha de S.Paulo sobre grandes pintores. Um quadro de Di Cavalcanti - Três mulatas, de 1953 - passou o dia exposto numa das mais movimentadas feiras de antiguidades em São Paulo, na praça Benedito Calixto, sem receber a menor atenção dos caçadores de quinquilharias.

Como brincadeira, esse tipo de experimento parece apenas revelar a insensibilidade ou a ignorância do público médio; passantes apressados do metrô, visitantes distraídos de feirinhas de artesanato. De fato, podemos imaginar que se um especialista em música erudita ou em pintura brasileira por coincidência estivessem atentos no momento dos testes, talvez a "pegadinha" fracassasse, porque os artistas ou suas técnicas seriam reconhecidos.

Mas e se, em vez de rirmos da ignorância alheia, tomarmos as duas situações para pensar na distância entre a obra e o artista já reconhecido? Ou melhor: é realmente possível analisar, do ponto de vista de qualidade ou genialidade, uma obra de arte "às cegas", sem considerar a trajetória e a obra do artista como um todo? Será que um pintor excepcionalmente bom não pode estar sendo ignorado neste momento, numa exposição coletiva sem muito destaque? Não é possível que, longe dos experimentos ou das páginas do Washington Post e da Folha de S.Paulo, esse artista jamais tenha reconhecimento, nem depois de morto?

Bem, a tentação de continuar este texto com perguntas é grande (já que não tenho respostas), mas pararei por aqui. Muitas colunas atrás, no tempo dos comentários, alguém criticou o meu texto por ter muitas perguntas. Pois imagine que este seja um estilo meu, ou um maneirismo detestável, e desta vez eu assinasse esta coluna com um pseudônimo, para testar a "independência" do meu texto em relação à imagem que o tal leitor tem de mim. Será que ele ou outros me identificariam? (ops, uma pergunta)

É aí que chegamos à suposta liberdade do pseudônimo, argumento primeiro utilizado pela escritora J.K. Rowling para ter lançado em segredo um livro policial, The cuckoo's calling, sem avisar à legião de fãs da série Harry Potter (pela experiência que tenho em casa, eles se jogariam embaixo de um trem para Hogwarts se ela mandasse, então certamente teriam encomendado o livro de olhos fechados antes do lançamento).

Bem, a escritora britânica não chegou a colocar o seu quadro numa feirinha de artes nem se postou com o violino numa estação de metrô. O equivalente a isso teria sido a autopublicação do livro numa dessas plataformas eletrônicas acessíveis a autores iniciantes, que mesmo assim precisam batalhar por sua divulgação nas redes sociais. Rowling contou de cara com um bom empresário e uma boa editora (os seus), que aparentemente guardaram bem o segredo (pelo menos por algum tempo), e conseguiram com seu cacife uma ampla divulgação na mídia especializada. Então foi como se tivessem levado o especialista em música na estação do metrô, embora ele não pudesse reconhecer o rosto do violinista.

O resultado do "experimento" de Rowling é interessante: a crítica se mostrou favorável (e surpresa em relação à sofisticação do autor estreante, supostamente um investigador policial militar aposentado) e, apesar dela, apenas 1500 exemplares foram vendidos.

Oficialmente, a autora foi desmascarada pelo jornal Sunday Times, cujo repórter, desconfiado, teria submetido a obra a um linguista, que identificou semelhanças no texto com passagens do último Harry Potter e de Morte súbita, oficialmente o primeiro livro de Rowling depois do fim da saga do bruxinho. Tudo indica, porém, que a própria autora ou seus agentes se cansaram da brincadeira de vender pouco e vazaram o boato nas redes sociais. O jornalista só correu atrás da isca.

Outra curiosidade deste caso é justamente a performance de Morte súbita. O lançamento foi cercado de preparativos e expectativas, mas era evidente que a crítica receberia de má vontade a primeira incursão de uma autora juvenil terrivelmente bem sucedida na séria literatura adulta. Não deu outra: as críticas foram frias e as vendas, um sucesso. Já sobre The cuckoo's, a escritora, em seu comunicado, disse ter vivido, na pele do pseudônimo de Robert Galbraith, uma "experiência muito libertadora": "Foi maravilhoso publicar um livro sem badalação ou expectativa."

Experimento libertador ou um dos maiores golpes editoriais dos últimos anos, o livro de J.K. Rowling (que imediatamente pulou para o primeiro lugar na lista de mais vendidos) tem tudo para se tornar a exceção que confirma a regra: não existe espaço hoje, no mercado editorial ou no mundo artístico, para o pseudônimo. O anonimato, que romanticamente permitiria a apreciação da marca de genialidade do artista sem interferências mundanas como a de uma biografia (que poderá incluir um primeiro livro simplório ou mostrar um talento lapidado à custa de determinação e oficinas literárias), não se sustenta no mercado cultural ou artístico.

Numa época em que o sucesso em qualquer profissão depende de uma biografia bem construída e com foto no Facebook; numa época em que os especialistas perderam a autoridade para uma imprevisível massa de internautas com opinião e influência própria, numa época em que até a arte "pura" se rendeu às regras do mercado; nenhuma editora vai aceitar um autor novo que prefere se manter anônimo, apostando que a sua qualidade se "venderá" sozinha. A brincadeira pode até virar modinha em mercados maduros, de muitos livros, e assim mesmo entre autores consagrados.

No Brasil, acredito que tenha pouco futuro. De qualquer forma, sempre estará longe da ideia romântica de anonimato libertador, como já foi o pseudônimo em outras épocas. Além disso, se o autor for misterioso, quem fará a palestra na feira literária?



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 23/8/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os olhos brancos de Deus de Elisa Andrade Buzzo
02. Eleanor Catton e seus luminares de Eugenia Zerbini
03. O Enriquecer é Glorioso! de Marilia Mota Silva
04. Como Passar Um Ano Sem Facebook de Dani Arrais
05. O Palácio de Highclere de Ricardo de Mattos


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2013
01. Para viver de literatura - 7/2/2013
02. Mamãe cata-piolho - 31/5/2013
03. Suicídio - 15/2/2013
04. Suicídio, parte 2 - 15/3/2013
05. Até eu caí nessa - 8/11/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AÍDA
GIUSEPPE VERDI
FTD
(2012)
R$ 35,50



A FÊMEA DA ESPÉCIE
JOYCE CAROL OATES
RECORD
(2008)
R$ 19,00



ALEGRIA, ALEGRIA - CAETANO VELOSO (LITERATURA-MÚSICA BRASILEIRA)
CAETANO VELOSO
PEDRA Q RONCA
(1977)
R$ 120,00



DIETA NOTA 10 - COMER E EMAGRECER É MAIS SIMPLES DO QUE VOCÊ IMAGINA
DR. GUILHERME DE AZEVEDO RIBEIRO
BERTRAND BRASIL
(2006)
R$ 14,42



CADEIRAS PROIBIDAS - 5ª EDIÇÃO
IGNÁCIO DE LOYOLA BRANDÃO
GLOBAL
(1988)
R$ 4,90



TODOS OS FOGOS, O FOGO
JULIO CORTÁZAR
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1984)
R$ 15,00



DISCOVERING WINE HARDCOVER
JOANNA SIMON
MITCHELL BEAZLEY
(2018)
R$ 50,00



5º CAVALEIRO
JAMES PATTERSON
ARQUEIRO
(2011)
R$ 6,00



ROUSSEAU - COLEÇÃO OS PENSADORES
ABRIL CULTURAL
ABRIL CULTURAL
(1978)
R$ 20,94



A PORTEIRA DO MUNDO
HERMILO BORBA FILHO
MERCADO ABERTO
(1994)
R$ 10,00





busca | avançada
56501 visitas/dia
1,0 milhão/mês