Imagina se fosse o contrário | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A internet e a arte marginal
>>> As redes sociais como filtros
>>> Aberta a temporada de caça
>>> As várias faces de Al Pacino
>>> Quando o autor é protagonista do próprio romance
>>> Minha finada TV analógica
>>> Ser intelectual dói
>>> Entrevista com Ron Bumblefoot Thal
>>> Francis e o jornalismo
>>> Um Daumier no MASP
Mais Recentes
>>> História da marinha de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> História do armamento de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> Classicos Inesqueciveis - O Rei Leão de Disney pela Pixel (2021)
>>> Las Aventuras de Tom Sawyer de Mark Twain pela Never Land (2016)
>>> O Gene Egoísta de Richard Dawkins pela Itatiaia (2001)
>>> Branca de neve e os setes anões de Disney pela Pixel (2021)
>>> Cuentos de Pio Baroja pela Alianza (1978)
>>> 3 Palavrinhas: Brincando, aprendendo e cantando de Pixel pela Pixel (2021)
>>> Uma aventura na era dos dinossauros de Picolé pela Picolé (2021)
>>> 100 Viagens Que Toda Mulher Precisa Fazer de Stephanie Elizondo Griest pela Novo Conceito (2011)
>>> Aqueles que me desejam a morte de Michael Koryta pela Trama (2021)
>>> A cor da pele de John Vercher pela Trama (2021)
>>> Tempo: o de dentro e o de fora de Luiz Arraes pela Cepe (2007)
>>> Contos africanos dos países de língua portuguesa de Vários autores pela Ática (2009)
>>> Into the Wild (Na Natureza Selvagem) de Jon Krakauer pela Anchor Books (1996)
>>> A Cidade do Sol de Khaled Hosseini pela Agir (2012)
>>> Contos Brasileiros I de Vários autores pela Ática (2008)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1997)
>>> Enciclopédie pratique du batiment et des travaux publics vol. 1, 2 e 3 de Vários Autores pela Quillet (1970)
>>> Dicionário Internacional de Biografias vol. 1, 2, 3 e 4 de George Thompson Antunes pela Nobel (1998)
>>> Nariz de Angelo Machado, Lor & Thalma pela Nova Fronteira (2021)
>>> Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa vol. 1, 2 e 3 de Caldas Aulete pela Delta (1964)
>>> Design para Crescer Aprenda Com a Coca-cola Sobre Escala e Agilidade de David Butler e Linda Tischler pela Campus (2015)
>>> Delito por Dançar o Chá-chá-chá de Guillermo Cabrera Infante pela Ediouro (1998)
>>> Histórias da Noite de Rafk Schami pela Novo Século (2013)
COLUNAS

Segunda-feira, 1/12/2014
Imagina se fosse o contrário
Julio Daio Borges

+ de 2000 Acessos

* Depois de um vitória apertada sobre a petista Dilma Rousseff, o tucano Aécio Neves concedeu uma coletiva, num hotel em Belo Horizonte, vestindo branco e convocando o atual governo para o "diálogo". Ao lado de FHC e Walter Feldman, ex-candidato a vice pela chapa de Marina Silva, proclamou que era hora de "superar a polarização". E, para enterrar de vez a "velha política", sugeriu uma ampla "reforma". "Uma constituinte exclusiva?", alguém da platéia logo bradou, arrancando gargalhadas do "tucanato" em festa. (Alckmin, o único ausente, alegou "crise hídrica".) A militância do PSDB, renascida das cinzas, ainda entoou: "Fora, PT" e "Abaixo a *Falha* de São Paulo". Aécio, entre beijos da esposa e abraços da irmã, fingiu que não escutou...

* Alegando compromissos antecipados do G-20, a candidata derrotada do PT preferiu enviar seus representantes para a coletiva em Brasília: o candidato derrotado a vice, Michel Temer, o já ex-ministro da Fazenda Guido Mantega e o futuro ex-ministro-chefe da Casa Civil Aloizio Mercadante. Mantega, arquidefensor do governo, assumiu prontamente o microfone e, parafraseando Marina Silva, proclamou: "Assim como a nossa política econômica, a presidenta, mesmo perdendo, saiu vitoriosa. Enquanto que o candidato de Armínio Fraga ganhou, mas não apenas uma eleição - ganhou um saco de maldades, para usar e abusar, um pacote de medidas bastante impopulares, para vigorar já em 2015 — fora a seca, a crise mundial e fantasmas como nós", concluiu em tom ameaçador. Mercadante se esquivou de responder sobre "o sonho adiado de ser ministro da Fazenda". E Temer fugiu de jornalistas que perguntavam "para onde ia o PMDB"...

* O PT, tendo suas fileiras engrossadas pelos recém-soltos Dirceu e Delúbio, encampou logo a teoria do "golpe", originalmente divulgada no blog de Luís Nassif, que sempre desconfiou das urnas eletrônicas e que, dessa vez, sugeriu que Dias Toffoli, na verdade, era agente duplo, infiltrado no TSE pelos norte-americanos (que nunca se emendaram desde 1964). Num "hangout" promovido pelo coletivo Mídia Ninja, Emir Sader, em apoio a Nassif, acusava a apuração "quase secreta" de "Toffóli" (sic) e não se conformava que Dilma houvesse perdido, justamente, no Pernambuco de Lula, na Minas de Pimentel e no Rio de Cabral (o Mídia Ninja protestou nessa hora). Marilena Chauí, numa breve participação via iPhone 6 Plus, acusou a classe média de ir votar mais cedo, "no lugar dos eleitores de Dilma", fora as máquinas que "votavam sozinhas" (para o PSDB; segundo vídeos) e outras que começavam com "400 votos a mais" (para Aécio). Direto da Itália, Pizzolato lembrou que a empresa fabricante das urnas - Smartmatic - não era confiável e fora responsável pela "quase derrota" de Maduro na Venezuela...

* A militância petista - renascida como oposição - marcou logo uma manifestação para dia 1º de Novembro (um sábado, ainda que muitos preferissem "um dia útil qualquer"). Claro que a mídia golpista não deu a devida cobertura. Falou em "cerca de mil" manifestantes, e fez questão de destacar um "coletivo" - provavelmente infiltrado pela "direita fascista" - que pedia "intervenção das FARC" (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia). Não adiantou tentar desmentir que eram poucos cartazes "pró-FARC" - Nassif bem que tentou... No dia seguinte, o iFHC, em sua página no Facebook, destacou: "Eu fiz tanta campanha pela regulamentação da maconha, agora estão pedindo 'intervenção do narcotráfico', será que alguém sabe o que isso significa?".

* Após dias de recordes sucessivos, com a bolsa à beira dos 100 mil pontos, e o dólar em queda vertiginosa, beirando os R$ 2, Aécio surpreendeu o mercado (e a Economist) ao demitir Armínio Fraga sem sequer tê-lo diplomado. Por sugestão de Xico Graziano, que achava que Aécio deveria fazer um "afago" na esquerda derrotada, o anúncio da nova equipe econômica ficava adiado "indefinidamente". A fim de diminuir as incertezas, quanto aos rumos do novo governo, Aécio, no entanto, decidiu antecipar, para a pasta da Agricultura, João Pedro Stédile, líder do MST. Walter Feldman, da Rede de Sustentabilidade, cogitado para ministro-chefe da Casa Civil, pediu seu desligamento "imediato", tão logo Aécio partiu em viagem para a fazenda de sua família, em Cláudio (MG). Nas colunas de bastidores sobre Brasília, deixou escapar que "Aécio não ouvia nem o marqueteiro dele". Também que "não esquecesse seu compromisso com a economia" - que era "isso que os brasileiros esperavam dele". E terminava com a ameaça velada de Marina Silva de "voltar ao PT", caso o "registro" do Rede não saísse até 2016...

* E o falecido ex-presidente do PSDB não teve como se desvencilhar do escândalo da Petrobras. Mas Aécio se apressou em dizer que o PSDB era o único partido "vitorioso" que se deixava investigar pela Polícia Federal e pelo Ministério Público de um partido "derrotado", o PT. Um ex-ministro aposentado do Supremo, acusado de "tucano" quando em exercício, foi aos jornais lembrar que "quem dava esmola", no farol, "corrompia [igualmente] os pedintes". E um empresário, ex-autor de best-sellers, veio a público revelar que escândalo mesmo fora a construção de Brasília; ou, ainda, a chegada da Corte em 1808, que fundou um banco só para si (o Banco do Brasil); concluindo que "nunca a vida fora tão boa", afinal "descendíamos de índios antropófagos" e, hoje, se podia andar tranquilamente pelas ruas de Alckmin...

* Depois das manifestações antidemocráticas pedindo intervenção das FARC no dia 1º de Novembro, a militância da "esquerda democrática" voltou à carga no dia 15 de Novembro (um feriado, embora muitos preferissem "um dia útil qualquer"). Líderes do PT, do PSOL, do Fora do Eixo e até dos Black Blocks, dessa vez, tentaram combinar que estava *proibido* se manifestar pela "intervenção das FARC". Mas não teve jeito: um carro de som - infiltrado pela TFP (dizem) - distribuía fotos de Pablo Escobar e terminou seguido pelos Black Blocks, que não se conformavam em, mais uma vez, depredar agências de banco... Músicos como Chico César e Zeca Baleiro, que eram anunciados desde o dia 1º, preferiram não se misturar com a confusão instalada na Paulista e rumaram, diretamente, para a Praça da Sé, onde Frei Betto e Leonardo Boff realizavam um "culto ecumênico". Numa entrevista a um jornal de grande circulação, Lula - já candidato da oposição em 2018 - declarava para quem quisesse ouvir: "Querem me empurrar para a extrema esquerda, mas eu não vou! Eu vou pra Maracangalha, eu vou! Eu vou de uniforme branco, eu vou! Se a Dilma, não quiser ir, eu vou só! Eu vou só..."

* Embora Aécio houvesse sugerido o "diálogo", no agora longínquo discurso da vitória, a nova oposição do PT não dava trégua. E embora houvesse sugerido o "fim da polarização" - todo vestido de branco -, o vermelho da "Pátria Grande" era uma realidade, incontrastável, nas manifestações (merecendo extensas coberturas da Al Jazeera English). Aécio, então, num gesto ousado, girando 180 graus, resolveu mandar uma banana para o "grau de investimento", reconheceu que a inflação era "do bem" e que o crescimento "dava pra levar". Decidiu manter Guido Mantega no ministério da Fazenda - "nunca antes na História deste País" etc. -, e foi imediatamente acusado de "estelionato eleitoral" por ninguém menos que João Santana. Economistas ligados ao PSDB, e ao Rede, de Marina, também não deixaram barato e soltaram um "manifesto" (escrito a lápis), acusando Aécio de "rasgar seu programa" - "e, se continuar nesse passo, a própria Constituição". Já o PT ficava sem argumento: como iria combater Guido Mantega, seu mais árduo defensor? Lula declarou que Guido - um desenvolvimentista convicto - não iria sobreviver ao "fogo amigo" de gente como Armínio Fraga, Henrique Meirelles e "aquele outro do Bradesco" (Joaquim Levy). E economistas petistas como Luiz Gonzaga Belluzzo já faziam "contagem regressiva" para a saída de Mantega ("ele não aguenta desaforo"). A Carta Capital vinha com a enigmática capa: "Será que Mantega, o pai do emprego e da renda, vai conseguir trabalhar?".

* Em sua primeira coletiva após ser "re-nomeado", Mantega prometeu um 2015 "melhor do que 2014". E disse que "quem apostar na subida do dólar, vai se lascar". O prefeito Haddad, tão confuso quanto a Economist, resolveu pedir ajuda a Aécio, para aumentar o IPTU em São Paulo. Procurando neutralizar Paulo Skaf - que já ameaçava processar Haddad -, Aécio convidou o eterno presidente da Fiesp para o ministério das Cidades ("que a Dilma ia passar para o Kassab..."). Skaf, ambicionando disputar a prefeitura de São Paulo contra Walter Feldman em 2016, ficou de pensar. E o PMDB, que até então ficara na dúvida cruel entre governo e oposição, recebeu a presidência da Câmara "de bandeja", com o apoio inaudito do PSDB. Sarney tentou se aproximar do "neto de Tancredo", lembrando ao distinto público que, inclusive, votara nele... E até Paulo Maluf disse que sempre foi Tancredo "de coração" (e que aquele vídeo, de seu voto em Dilma, devia ser desconsiderado - assim como sua foto com Alexandre Padilha...). Collor tentou, igualmente, uma aproximação, através do presidente do Senado, Renan Calheiros, mas ambos foram rechaçados... Lula, mesmo candidato em 2018, evocou, com nostalgia, os bons tempos do "Lulécio"... E até Dilma, quem diria, sonhou com uma nova foto, como aquela - dos ex-presidentes - na volta dos funerais de Mandela... "Será que um dia ele há de me perdoar?", suspirou, em sua solidão de fim de mandato.


Julio Daio Borges
São Paulo, 1/12/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Contentamento descontente: Niketche e poligamia de Renato Alessandro dos Santos
02. Um olhar sobre Múcio Teixeira de Celso A. Uequed Pitol
03. Notas confessionais de um angustiado (VI) de Cassionei Niches Petry
04. Estudo de uma tensão de Celso A. Uequed Pitol
05. Do inconveniente de ter escrito de Cassionei Niches Petry


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2014
01. Como detectar MAVs (e bloquear) - 22/10/2014
02. Sobre o caso Idelber Avelar - 8/12/2014
03. 40 - 29/1/2014
04. Meu Primeiro Livro - 18/6/2014
05. Mamãe - 19/1/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Colunáveis
Dominick Dunne
Record
(1994)



José e Maria - as Mais Famosas Histórias da Bíblia
Cedic
Cedic
(2013)



O Fluminense Me Domina!
Heitor Dalincourt
Leitura
(2009)



Administração: Oportunidades, Desafios e Ameaças
Wagner Siqueira
Reichmann & Affonso
(2002)



The Uses of Science in the Age of Newton
John G. Burke (edited)
University of California Press
(1983)



Dialogue Avec Mon Psychanalyste
Simone Korff Sausse
Hachette
(2001)



Tiradentes o Herói Que Inventou a Pátria
Vários Autores
Lições de Minas



As Religiões na História: Judaísmo Dispersão e Unidade
Moacyr Scliar
Atica
(1994)



Brussels, Bruges, Ghent& Antwerp Eyewitness Top 10
Antony Mason
Dk Travel Guides
(2010)



Controle do Uso do Solo Urbano
Serfhau
Min Interior; Serfhau
(1974)





busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês