Ferreira Gullar em dose única | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> OBA HORTIFRUTI INAUGURA 25ª LOJA EM SÃO PAULO
>>> Bienal On-line promove studio visit com artista argentina Inés Raiteri
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
Últimos Posts
>>> Fiel escudeiro
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Imperial March por Darth Vader
>>> Habemus Blog
>>> 3 de Fevereiro #digestivo10anos
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR II
>>> Um Furto
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> Raduan Nassar
>>> Cacá Diegues e os jornalistas
>>> A Casa é de Daniela Escobar
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
Mais Recentes
>>> História da II Guerra Mundial (1939-1945) de Edgar Mc Innis pela Globo (1956)
>>> Serie Literária I Conto Frederico Paciência de Mário de Andrade pela Companhia editoria nacional (1978)
>>> Viagem ao Rio Grande do Sul de Auguste de Saint-Hilaire pela Ariel (1935)
>>> Español sin fronteras: curso de lengua española, volume 1 de Maria de Los Ángeles J. García, Josephine Sánchez Hernández pela Scipione (2002)
>>> Do Parapeito Vital de Vania Clares pela Autor (1996)
>>> Ensaios Céticos - Prêmios Nobel de Literatura de Bertrand Russell pela Opera (1970)
>>> Enciclopédia do Homem - No tempo dos primeiros automóveis (1900) de Pierre Miquel pela Lutécia (1977)
>>> Teatro - Coleção dos Prêmios Nobel de Literatura de William Butler Yeats pela Delta (1963)
>>> A História da Filosofia de James Garvey, Jeremy Stangroom pela Octavio (2013)
>>> La Argentina y Europa (1950 - 1970) de Vários autores pela Universidad Nacional del Sur (1999)
>>> A Luz Que Se Apagou de Rudyard Kipling pela Delta (1962)
>>> La Batalla en el frente social de Israel en los años 1970 de Vários autores pela Oficina para investigaciones economicas y sociales (1970)
>>> Prêmio Nobel de Literatura - Adeus ás Armas de Ernest Hemingway pela Delta (1969)
>>> Quenco, o Pato de Ana Maria Machado e Alcy pela Ática (2016)
>>> O Sapo que Virou Príncipe: Continuação de Jon Scieszka ( pela Companhia das Letrinhas (2010)
>>> Português : linguagens, 6ª. Série : língua portuguesa de William Roberto Cereja, Thereza Cochar Magalhães pela Atual (2006)
>>> Em busca do eu interior. Histórias e parábolas para aquecer seu coração de Osho pela Cultrix (2019)
>>> Quero um Gato de Tony Ross pela Martins Fontes (1998)
>>> Gente da França de Alcantara Silveira pela Grd (1991)
>>> Amanhã É Outro Dia de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1978)
>>> O Máscara de Ferro de Alexandre Dumas / Francisco Messejana (Adaptação ) pela Abril Cultural (1973)
>>> A Cura Através da Terapia de Vidas Passadas de Brian L. Weiss pela Sextante (2001)
>>> Obazine de Pierre Bergounioux pela Le Lieu de l (2021)
>>> A Estratégia do Olho de Tigre de Renato Grinberg pela Gente (2011)
>>> A Casa Sonolenta - 16ª Edição - 29ª reimpressão de Audrey Wood e Don Wood pela Ática (2012)
COLUNAS

Segunda-feira, 29/10/2007
Ferreira Gullar em dose única
Pilar Fazito

+ de 21100 Acessos
+ 1 Comentário(s)



No mês passado, a Ana E. relatou no Digestivo como foi o "ofício" do autor Domingos Pellegrini em Belo Horizonte. Lembram-se?

Só para refrescar a memória: o Ofício da Palavra é uma iniciativa do Museu de Artes e Ofícios da capital mineira em que um autor conhecido é entrevistado por um mediador e pelo coordenador do projeto, o jornalista e também escritor José Eduardo Gonçalves.

Em rodinhas informais, alguns escritores mineiros adotaram a piadinha infame do colega Francisco de Morais Mendes quanto a chamar o evento de Santo Ofício da Palavra. Mas isso é só mesmo para o deleite da turma, porque o tom das palestras geralmente é informal e o autor "sabatinado" acaba se sentindo tão à vontade quanto o público.

A prova disso foi o último encontro, realizado na terça-feira, 23 de outubro, e cuja atração foi o escritor Ferreira Gullar. E põe atração nisso: o público formado pelos mais diversos tipos de pessoas encheu o saguão do museu. Eram trabalhadores, estudantes, educadores, gente de passagem que resolveu entrar para ver o que "tava pegando" etc., todos se esgueirando entre as colunas e sentando no chão, ou onde desse, para assistir a um pedacinho da palestra.

O poeta maranhense tem 77 anos, já escreveu diversos livros, traduziu outros tantos, ganhou inúmeros prêmios e foi indicado ao Nobel de Literatura em 2002. Além da poesia, Ferreira Gullar realizou trabalhos como crítico, teatrólogo e jornalista e participou da revista O Cruzeiro, d'O Pasquim e do jornal Opinião.

Filiado ao Partido Comunista, o autor foi preso durante a ditadura e, em seguida, exilou-se em Moscou, Santiago, Lima e Buenos Aires. Foi obrigado a viver por muito tempo na clandestinidade e só voltou ao Brasil no final da década de 70.

Uma das maiores características da obra de Ferreira Gullar é a preocupação com a realidade social aliada a uma constante busca pela renovação estética da linguagem. É justamente essa busca que faz com que ele se aproxime dos poetas concretos em 1954. Já o rompimento com o movimento concretista de São Paulo ocorreu três anos mais tarde. Na palestra, Gullar justifica essa divergência de ideais, dando a impressão de que o grupo paulista havia perdido o propósito inicial. O maior exemplo disso seria o desejo de publicarem um manifesto em favor de um tal "poema de base", sendo que ninguém havia conseguido ainda desenvolver um poema de base.

O autor falou ainda da diferença entre o artista e o não-artista. Para ele, nem todo mundo é artista ou poderia se tornar um porque não basta talento. Se bastasse, qualquer pessoa tocaria a Quinta Sinfonia de Beethoven ao piano. O exemplo do autor é extremo, mas também pode ser aplicado à escrita literária e a outras artes. Para Gullar, é preciso haver uma motivação interior inescapável, um sofrimento causado pela necessidade de expressar em linguagem o encantamento captado na realidade. A necessidade diferenciaria, por exemplo, o artista Picasso e o homem de talento Marcel Duchamps. Para o primeiro, a produção frenética retrata essa necessidade visceral; já o segundo teria pintado os próprios quadros entre um jogo de xadrez ou outro.

Ferreira Gullar é o tipo de poeta que busca a inovação da linguagem, mas reconhece que há um limite para o sentido. Para ele, "significado não existe no ar, não é mosca. Só existe nas linguagens". A total aniquilação sintática e a falta de intencionalidade do autor comprometeriam, assim, o conceito de "arte". Resumo da ópera: nem tudo pode ser chamado de arte.

Como se vê, o autor não tem receio de temas polêmicos. O que encanta o público que o ouve assim, tão de perto, é a forma humilde com que ele expõe seus argumentos consistentes e defende suas idéias.

Ao contrário do autor paranaense Domingos Pellegrini, que participou do Ofício da Palavra no mês passado, Ferreira Gullar demonstrou muita humildade ao falar dos clássicos. O primeiro espinafrou Machado de Assis, não apenas dizendo que não gostava dos textos, mas acabando com qualquer hipótese de reconhecimento do valor artístico desse cânone da literatura brasileira. Gullar, por sua vez, pediu licença para confessar que não gosta da obra do escritor e dramaturgo irlandês Samuel Beckett, embora reconheça o seu valor. E o poeta justifica com um argumento ainda mais cativante: a obra de Beckett retrata as relações humanas sob um prisma altamente pessimista e "diz que a vida não tem sentido". Ferreira Gullar sabe disso, mas é sensível e escreve "para tentar dar um sentido à vida". Ele acredita que a arte e a literatura deveriam oferecer às pessoas a possibilidade de sonharem com algo melhor, imaginarem uma saída otimista. "Não sou o bom samaritano, não estou aqui para dizer verdades, mas com a minha própria fragilidade sei que as pessoas estão fartas". Sua intenção ao escrever é ajudar os leitores de alguma forma, seja com uma possível identificação ou chamando a atenção para um novo olhar. Em outros termos, para um mundo feio, cruel e asfixiante, as artes poderiam representar uma rajada de oxigênio e é isso que ele propõe.

Quando o coordenador do evento passou a palavra às manifestações e às perguntas do público, algo inusitado aconteceu (e cadê a Ana E. nessas horas para eu ter com quem comentar isso, meu Zeus!): não apenas uma, mas muitas pessoas faziam elogios e perguntas de forma empolgada ou visivelmente emocionadas. Uma mocinha quase chorou ao destacar a importância da obra do poeta para ela. Outra senhora se levantou e começou a cantar "O Trenzinho", composição de Villa-Lobos cuja letra foi escrita por Ferreira Gullar. A sorte é que a voz dela era boa, ou então teria recebido vaias. Em seguida, a dita senhora declamou o "Poema da Noite", escrito pelo autor em homenagem a Che Guevara.

Gullar parecia satisfeito. A platéia, idem. Em seguida, ele atendeu ao pedido do público e leu dois poemas; um deles em homenagem ao pai, que havia sido jogador de futebol.

Após os aplausos e o encerramento oficial, a mesa ficou rodeada de pessoas que buscavam autógrafos, dedicatórias, respostas a perguntas ou simplesmente ouvidos atentos como os delas.

Foi uma noite bonita.


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 29/10/2007


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2007
01. Ferreira Gullar em dose única - 29/10/2007
02. Auto-ajuda e auto-engano - 30/7/2007
03. Literatura, cinema e adaptações - 23/5/2007
04. Curso superior de auto-ajuda empresarial - 10/9/2007
05. Youtube, o mega-saldão de verão - 19/4/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/10/2007
16h12min
Pilar, fia, eu não pude estar lá, mas eu estava sim, sentiste? E não apenas você notou minha "presença". O Zé também recortou o ambiente com o olhar, esquadrinhou tudo e não me achou. Mas eu não pude mesmo. Teria chegado tarde e não veria tanta beleza na noite. Há eventos que precisam ser degustados de uma talagada, e não aos pedacinhos. Era o caso. No próximo mês será a vez da top hit Adélia Prado, mais um dia de emoção para muita gente. beijo
[Leia outros Comentários de Ana E]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Diccionario Ideológico Político de La Transición 60 Años En las P
Emilio Attard (tomos 1, 2 e 3)
Federico Domenech (valência)
(1995)



Dictionnaire des Religions
E. Royston Pike (capa Dura)
Pressesuniversitaires
(1954)



Pobreza, Desigualdad Social y Ciudadanía: los Límites
Alicia Ziccardi (compiladora)
Clacso
(2002)



Era uma Vez no Instituto de Educação
Zilá Simas Enéas
Autora (rj)
(1998)



Salário Mínimo / Instrumento de Combate à Desigualdade
Dieese
Ford Foundation
(2010)



Bandolim
Leny Werneck
Melhoramentos
(1986)



Estatica de las Estructuras - 4 Tomos
Schreyer/ramm/wagner
Editorial Blume
(1969)



Os Jovens Deixam Sangrar Com Caetano Veloso
Manchete Nº 983 de 20 de Fevereiro 1971
Bloch
(1971)



Questions Sur La Chine Après La Mort de Mao Tsé-toung
Charles Bettelheim (capa Dura)
François Maspero (paris)
(1979)



Nássara Desenhista
Cássio Loredano (dedicatória)
Mec/secretaria da Cultura
(1985)





busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês