Curso superior de auto-ajuda empresarial | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
84924 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo teatral Odila chega ao interior de Caxias do Sul
>>> Empresário caxiense que instalou complexo de energia em aldeia indígena no Acre lança documentário
>>> Fernanda Porto lança música e videoclipe em homenagem a Gal Costa
>>> 75% dos líderes de marketing veem a IA generativa como ferramenta criativa essencial
>>> Printed Editions Online Print Fair
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
>>> Poesia sem oficina, O Guru, de André Luiz Pinto
>>> Ultratumba
>>> The Player at Paramount Pictures
>>> Do chão não passa
>>> Nasce uma grande pintora: Glória Nogueira
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> Charges e bastidores do Roda Viva
Colunistas
Últimos Posts
>>> Como enriquecer, segundo @naval (2019)
>>> Walter Isaacson sobre Elon Musk (2023)
>>> Uma história da Salon, da Slate e da Wired (2014)
>>> Uma história do Stratechery (2022)
>>> Uma história da Nvidia (2023)
>>> Daniel Mazini, country manager da Amazon no Brasil
>>> Paulo Guedes fala pela primeira vez (2023)
>>> Eric Santos sobre Lean Startup (2011)
>>> Ira! no Perdidos na Noite (1988)
>>> Legião Urbana no Perdidos na Noite (1988)
Últimos Posts
>>> CHUVA
>>> DECISÃO
>>> AMULETO
>>> Oppenheimer: política, dever e culpa
>>> Geraldo Boi
>>> Dê tempo ao tempo
>>> Olá, professor Lúcio Flávio Pinto
>>> Jazz: 10 músicas para começar II
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cézanne: o mito do artista incompreendido
>>> Dostoiévski era um observador da alma humana
>>> Leitura, curadoria e imbecilização
>>> Frank Miller vem aí, o bicho vai pegar
>>> A propósito de Chapolin e Chaves
>>> Bob Fosse, o gênio
>>> 70 anos de Caetano Veloso
>>> Eu sou a favor do impeachment, mas eu acho triste
>>> A Crítica de Teatro
>>> Se a literatura subisse o morro...
Mais Recentes
>>> Birthday Surprise 2 de Pep High Five pela Não Identificado (2015)
>>> Remedios Constitucionais - Vol. 13 - Colecao Elementos do Direito de Flavio Martins Alves Nunes Junior pela Revista dos Tribunais (2009)
>>> No Tempo de Picasso de Desconhecido pela Callis (2004)
>>> O Impacto da Globalização na Economia Brasileira de Antonio Côrrea de Lacerda pela Contexto (2002)
>>> A Formação da Professora Primária de Isabel Alice Lelis pela Cortez (1996)
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma de Lima Barreto pela Atelie (2016)
>>> Der 911 Die Modelle- Porsche de Desconhecido pela Desconhecido
>>> Argumentaçao Juridica - Teoria e Pratica de Neli Luiza Cavalieri Fetzner pela Freitas Bastos Não (2008)
>>> Alterações do Equilíbrio Hídrico, Eletrolítico e ácido - Base de Goldberger pela Guanabara Koogan (1973)
>>> Focus on Proficiency de Sue Oconnell pela Longman do Brasil (1995)
>>> O Meu Velho Itamarati de Luís Gurgel do Amaral pela Fundação Alexandre Gusmão (2008)
>>> Manual de Macroeconomia para Concursos de Marcelo Curado pela Saraiva (2011)
>>> Teatro de Coelho Neto Tomo 1 de Claudia Braga pela Funarte (1998)
>>> As Vertentes do Direito Constitucional Contemporâneo de Ives Ganddra da Silva Martins pela América Jurídica (2002)
>>> Grammar in Use de Raymond Murphy pela Cambridge University Press (1989)
>>> O Praça Quinze de Paula Saldanha pela Jose Olympio (1999)
>>> Um Estudo Dialógico Sobre Institucionalização e Subjetivação de Tatiana Yokoy de Souza pela Ibccrim (2008)
>>> Luciernaga de Mario Vale pela Rhj (2003)
>>> A Alma Encantadora das Ruas de João do Rio pela Companhia de Bolso (2008)
>>> Blog Love de Chris Moore pela Richmond (2013)
>>> A Nudez da Verdade de Fernando Sabino pela Atica (2007)
>>> Coleção Dsop de Educação Financeira 7º Ano de Reinado Domingos pela Dsop (2013)
>>> Ilha de Calor Nas Metropoles de Magda Adelaide Lombardo pela Hucitec (1985)
>>> Ética Profissional e Resoluções do Cfp de Desconhecido pela Concursos Psi
>>> Aplicações da Matemática de Angela Leite pela Cengage (2008)
COLUNAS >>> Especial Ensino superior

Segunda-feira, 10/9/2007
Curso superior de auto-ajuda empresarial
Pilar Fazito
+ de 7000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Que o ensino universitário nunca esteve tão ao alcance de todos desde o governo FHC, todo mundo já sabe. As faculdades particulares pipocaram de tal jeito que basta ter disposição (e coragem) para financiar, em inúmeras prestações, o tão sonhado diploma. E em termos de pagamento de prestações, ninguém é mais fiel do que as classes baixas, como já descobriu o dono das casas Bahia e de outras grandes redes de eletrodomésticos voltadas para o povão e que estão espalhadas pelo país.

A comparação entre as lojas de eletrodomésticos e as faculdades particulares voltadas para o povão, entretanto, termina aí. E termina de forma sórdida: no geral, faculdades particulares são empresas quando querem e formadoras de pensamento quando convém. Já as lojas de eletrodomésticos não têm essa segunda opção.

Como empresa, o funcionamento de uma faculdade particular é simples: abrem-se vagas para um vestibular qualquer; se o número de candidatos não é o suficiente para lotar três turmas logo no primeiro semestre letivo, milagrosamente abrem-se novas vagas e realiza-se outro vestibular. Cada turma deve ter ao menos 65 alunos. Isso dá um lucro bom, já que, dependendo do curso, a mensalidade de cinco alunos já paga o salário de um professor.

Como formadora de pensamento e escondendo-se sob o manto sacerdotal da cultura e da educação, a coisa é bem menos simples: a reclamação de alunos, professores ou qualquer outro ente dessa cadeia capitalista-educacional só tem fundamento para a instituição se ameaçar os lucros da empresa. Se não pesar na conta da pessoa jurídica, que o sujeito se vire.

O ensino superior particular brasileiro se rende, cada dia mais, às exigências econômicas sem nenhum pudor ético. E assim vai sendo ampliada a oferta de cursos que estão na crista da onda. Medicina, Jornalismo e Fisioterapia já eram. E o Direito só "não foi" porque ainda é preciso entender as leis para fugir de impostos e de cobranças, de indenizações e outras coisas que possam atrapalhar o crescimento de uma empresa. A bola da vez está com a Administração, a Economia e todas as variações do mesmo tema: Marketing, Gestão disso e daquilo, Processos gerenciais, RH, Logística e toda uma pataquada de fundamentos teóricos voltados para a velha forma de vida em sociedade: a venda e o comércio.

Há alguns anos, tive o desprazer de ter nas mãos um manual do CDL - Clube dos Diretores Logistas de BH. Era uma espécie de cartilha fornecida aos pobres-coitados que faziam aqueles cursos de vendas. Numa linguagem irritante e artificialmente alegre, o manual listava princípios de uma venda bem sucedida. Segundo a cartilha, um bom vendedor é aquele que não deixa o cliente sair da loja com as mãos abanando. Se o cara entra numa loja de artigos de pesca, por exemplo, em busca de um abridor de latas e a loja não tem isso, deve-se dizer ao cliente que produtos enlatados contêm conservantes que fazem mal à saúde. Daí para convencê-lo a mudar os hábitos alimentares e começar a caçar e pescar o próprio alimento como os ancestrais faziam, é um pulo. O exemplo é exagerado, claro, mas é por aí que a coisa funciona, na base da manipulação escancarada, acreditem. Mas o pior é não admitir essa manipulação e tentar engambelar a todos com eufemismos.

O que me deixa estarrecida é ver que essa lavagem cerebral está saindo das cartilhas e indo parar em salas de aula. Não com essa simplicidade, logicamente. No ensino superior, ela adquire um tom sóbrio e complicado. Na academia, manipulação tem virado "conquista de cliente" ou "oratória". Mesmo revestido de novidade, o óbvio ainda mostra sua face: o que interessa é vender. E os cursos de Administração, Economia, Marketing e todo o resto da família que anda pululando em todas as esquinas ensinam a otimizar o funcionamento da empresa, reduzir custos, fidelizar o cliente etc. E fazem isso tudo com uma tal de "sinergia" absurda. É sinergia pra cá e pra lá, como se empregados, patrões e clientes vivessem em êxtase.

O fato é que há cursos e cursos, faculdades e faculdades. Mas há quem não perceba essa diferença e, quando dá por si, já está dentro de uma sala de aula, lendo livros de auto-ajuda empresarial para aprender a ser um bom líder ou para lidar com pessoas difíceis no trabalho.

Certa vez, observei uma professora de Psicologia Organizacional preparar suas aulas. Ela se desdobrava com os alunos em dinâmicas de grupo, brincadeiras, jogos e mais um punhado de atividades, digamos, lúdicas, para fazê-los aprender que uma boa interação entre os colegas reflete no andamento da empresa. Por que não assumir de uma vez que há colegas de serviço que têm vontade de se matar? E qual é o problema nisso? Não é mais sensato dizer "você não precisa gostar do seu colega, mas resolva suas diferenças fora da empresa. Aqui dentro, é o rendimento que importa"?

Há cursos que iludem alunos dizendo que devem amar seus colegas de trabalho, que os patrões são pessoas ótimas e que a tal Responsabilidade Social não é só mais um engodo. Iludem ainda dizendo que é preciso (e possível) se tornar um líder. Se isso fosse verdade, as faculdades formariam tantos caciques-líderes que seria difícil achar índio dando sopa por aí e aceitando o posto de empregado de uma empresa.

Muito provavelmente, essa legião de estudantes de baixa renda, aspirantes a executivos, continuará pobre e iludida. E nem é preciso muito para acordar desse devaneio: há muitos donos de faculdades particulares que sequer conhecem a área da educação. E é aí que mora o perigo: a educação como comércio.

O mais triste é saber que a maior parte dos alunos/clientes dessas faculdades é formada por gente que ganha uma mixaria num emprego de oito horas por dia, quando não fazem hora extra. Se somarmos duas horas para o deslocamento entre a casa e o trabalho e outras duas para o almoço, é possível perceber que essa gente passa metade do dia engordando o lucro do patrão. E a hora para estudar? Geralmente, de 18h às 7h da manhã. Dormir para quê?

Alguns estudos dizem que 85% dos executivos são infelizes. Isso é uma generalização, claro, mas chega a ser engraçada se pensarmos na quantidade de gente que entra nesses cursos.

Que seja. Se nada der certo, ao menos o aluno aprenderá a publicar e vender um livro de auto-ajuda ou um manual de sucesso empresarial. Mas veja bem: eu disse publicar. Sim, porque aprender a escrever são outros quinhentos. E faculdades a que me refiro não se importam em formar semi-analfabetos.


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 10/9/2007

Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2007
01. Ferreira Gullar em dose única - 29/10/2007
02. Auto-ajuda e auto-engano - 30/7/2007
03. Literatura, cinema e adaptações - 23/5/2007
04. Curso superior de auto-ajuda empresarial - 10/9/2007
05. Revisitar-se ou não, eis a questão - 9/7/2007


Mais Especial Ensino superior
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/9/2007
20h14min
Muito bom seu texto e suas colocações. Incluo em tua lista de fatores ilusórios o multi mega empresário bem sucedido Roberto Justus, responsável pelo programa de auto-ajuda empresarial "O Aprendiz", que é assistido, em sua maioria, pelas mesmas pessoas de baixa renda que enchem as salas de administração das faculdades citadas. Como resultado disso, é comum as pessoas acharem que todos podem ser executivos de sucesso, sem que para isso seja preciso saber escrever ou desenvolver uma vivência e cultura geral. Basta ser empreendedor e pró-ativo.
[Leia outros Comentários de Carlos]
30/9/2007
12h27min
Olá, Pilar. Parabéns pelo texto! Escrever deveria ser o requisito mínimo necessário para o ingresso em qualquer universidade, mas já não é. Estudo em uma universidade que está entre as 37 piores divulgadas na última semana e afirmo que a posição é mais que merecida. O aluno que quiser estudar lá precisa apenas ter o ânimo de se tornar devedor adimplente. Se um aluno faz uma prova de vestibular hoje e não passa, pode voltar lá no dia seguinte e tentar novamente e assim sucessivamente. É muito simples. E não precisa iniciar o curso em fevereiro ou agosto. Pode iniciar em abril ou outubro, por exemplo. E são esses que tiveram a infelicidade de estudar em uma época que não se reprova, não se cobra presença e é possível se formar sem saber escrever. Na minha sala, pessoas escrevem serto, umano... Ah, e se reprovar em Direito Civil I esse semestre, pode continuar o módulo II no semestre seguinte e pagar para acessar a DP pela internet. Se não puder pagar no semestre seguinte, continua e faz quando puder.
[Leia outros Comentários de liz]
30/9/2007
23h45min
Vivemos os dois extremos. De um lado as faculdades particulares, oferecendo algo de qualidade duvidosa. Do outro, as universidades "públicas", que vivem num mundinho à parte, distantes da realidade. Infelizmente, é muito cômodo para todos que tudo fique como está.
[Leia outros Comentários de Paulo Sérgio Vieira]
1/10/2007
02h16min
Se não me engano (li em algum lugar, há algum tempo) essa "onda" já começou com o criador do Universo, um cara chamado Milton Friedman, da Escola de Chicago (o pai desse tal de Neoliberalismo). Dizem que lá, quando a História já tinha acabado (Fukuyama), nos idos de 1990, já se distribuía fitas cassetes (tipo Shoptime, essas coisas) com programas completos para executivos e governos "enxugarem" suas máquinas coisa garantida. Tem um outro termo para essa turminha também, os Yuppies. São eles os responsáveis pela "revolução" que estamos vivendo, segundo os próprios. É um mundinho de face sorridente e boboca, mas cheio de caninos raivosos por trás... O pior é que esse linguajar de "executivo" tem contaminado diversas áreas e a minha área (o jornalismo) é uma das que caiu nessa, com esse mundinho assessoria de imprensa. Tem um autor, o Baumann (O Amor Líquido), que mostra como usamos isso até nos relacionamentos. Dizemos: estou "investindo" nessa pessoa. Dia desses, em vez de namorar, compramos...
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Consultations Médicales
Grasset & Vedel
Montpellier
(1910)



Coleção Obras Completas
Machado de Assis
Globo



Pasión por La Cocina de Oriente Medio
Chef Abdala
Atlantida
(2005)



Melhores dias virão
Giselda Laporta Nicolelis
Saraiva
(2019)



Malasartes 483
Augusto Pessôa
Rocco Jovens Leitores
(2007)



/Boa Companhia
Vários Autores
Companhia das Letras
(2009)



Livro Literatura Brasileira O Grande Mentecapto
Fernando Sabino
Record



Onde está Teresa?
Zibia Gasparetto
Vida & Consciência
(2007)



Explicaçao e Reconstruçao do Capital
Jacques Bidet, Lara Christina de Malimpensa
Unicamp
(2010)



Memórias. Compartilhadas
Cristina H Rocha
Book Express
(2013)





busca | avançada
84924 visitas/dia
1,7 milhão/mês