A boa e a média em 2005 | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
53121 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
>>> Projeto que une cultura e conscientização ambiental traz teatro gratuito a Minas Gerais
>>> Show da Percha com Circo do Asfalto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
>>> Conselheiros não se aconselham
>>> Sartre e a idade da razão
>>> O filósofo da contracultura
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
Mais Recentes
>>> A guerra doa botões de Louis Pergaud pela Ediouro (1994)
>>> A árvore que dava dinheiro de Domingos Pellegrini pela Moderna (1982)
>>> A árvore que dava dinheiro de Domingos Pellegrini pela Moderna (1983)
>>> A árvore que dava dinheiro vol. 3 novela de Domingos Pellegrini pela Ática (2002)
>>> Artemis fowl de Eoin Colfer pela Record (2008)
>>> A estranha Madame Mizu de Thierry Lenaín pela Companhia das Letrinhas (2003)
>>> Sherlock Holmes em: Os seis bustos de napoleão e outras histórias de Arthur Conan Doyle pela L&PM Pocket (1999)
>>> Universidade das crianças/Cientistas explicam os enigmas do mundo de Ulrich Janben e Ulla Steuernagel pela Planeta (2008)
>>> A formulação de objetivos de ensino de Robert F. Mager pela Globo (1980)
>>> Avaliação institucional da universidade de Antônio Amorim pela Cortez (1992)
>>> O estudante de Adelaide Carraro pela Global (2003)
>>> Símbolos Antigos e Sagrados - Biblioteca Rosacruz XXIII de Ralph M Lewis F.R.C. pela Renes (1979)
>>> Ab-reação Análise dos Sonhos, Transferência de C. G. Jung pela Vozes (1999)
>>> Leitura de Estudo: ler para aprender a estudar e estudar para aprender a ler de Leda Tessari Catello Pereira pela Alínea (2003)
>>> Pfuenprinzessin de Indu Sundaresan pela Fischer (2005)
>>> Espiritualidade e Transcendência de C. G. Jung pela Vozes (2007)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Intrínseca (2016)
>>> Amaldiçoado de Joe Hill pela Arqueiro (2015)
>>> As Paixões da Ciência Estudo de História das Ciências de Nilton Japiassu pela Letras & Letras (1991)
>>> Corra, Alex Cross de James Patterson pela Arqueiro (2014)
>>> Manual da Felicidade de José Hermógenes pela Universo paralelo
>>> Amaldiçoadas de Jessica Spotswood pela Arqueiro (2014)
>>> Despertada - Série House Of Night 8 de P. C. Cast + kristin Cast pela Novo Século (2017)
>>> Doutrinados de Trisha Leaver; Lindsay Currie pela Gutenberg (2016)
>>> Mestre das Chamas de Joe Hill pela Arqueiro (2017)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2005

Quarta-feira, 14/12/2005
A boa e a média em 2005
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4000 Acessos

Todo final de ano dá aquela crise de retrospectiva. O parâmetro é meio artificial, mas é bom escanear o ano inteiro, com os holofotes virados para trás, e verificar se alguma coisa mudou. De preferência, para melhor. Se não houver jeito, mudou só para ficar diferente do que era. Em caso de se detectar que ficou diferente para pior, então o jeito é acionar a esperança de que o próximo ano seja... menos ruim.

Mesmo pensando desse jeito, não sei bem como equilibrar o que foi bom, o que foi ruim e o que só mudou de roupa. A música continuou sem me atingir, o cinema não me fez nem cócegas e a literatura contemporânea... bem, parece que mudou de roupa. Talvez este seja o caso daquilo que ficou só diferente, nem melhor, nem pior. Será que isso é bom?

Mirando a música, fico pensando que meu aparelho de som já sabe de cor as músicas de Norah Jones. Embora a moça tenha sofrido o demérito de virar trilha de novela global, o vozeirão não mudou. Especialmente, não piorou. Depois dela, meu som toca sozinho a Cassandra Wilson, que embora seja dada a interpretações de Tom Jobim, continua esquecida pelos produtores de massa. Será que ela acha isso bonito? Eu acho.

E são apenas elas que me vêem à mente. Não consigo, nem que me esforce, pensar em outra opção de músico, nacional ou estrangeiro, que tenha arrebatado meus pêlos do braço quando cantou qualquer belíssima canção. Ninguém. Dos brasileiros, não fiquei nem sabendo. Mas aí já é um problema meu, que ando meio desligada.

Telona
O cinema me fez sair de casa algumas vezes. E é difícil me rebocar para uma sala para assistir a um filme! Que o digam meus amigos e até meu marido. Não saio. Prefiro gastar aquelas duas horas com qualquer serviço que me renda alguma coisa menos efêmera. Os pneus novos do carro, por exemplo.

De qualquer maneira, saí algumas vezes para assistir a alguns longas (que talvez pudessem ser lengas): O Coronel e o Lobisomem me pareceu a série que poderia substituir a Malhação. Tudo bem, tudo bem, o Sítio do Pica-pau Amarelo. Consegui dar duas risadas em duas horas, média baixíssima para mim. Quem me conhece sabe que meu patamar é mais alto. O filme, para puro entretenimento (e não há nada de mal nisso, claro), me fez descrer em atores que eu tinha em alta conta. Veja-se Selton Melo em Lavoura Arcaica e, depois, travestido de Lobisomem. Nem Walt Disney faria uma fera tão boazinha.

Saí também para ver Nove Canções. Meu Deus, e como me arrependi. Uma sequência alternada entre clipes amadores e filme pornô. Mas não é qualquer pornô. É daqueles em que o ângulo não favorece o espectador. (Entenda isso como quiser.)

Também vi, em DVD alugado, o polêmico Irreversível. Esse, sim, me arrebatou e me deixou encucada por dias e dias. Parei, pensei e me deu muito calafrio. Valeu a pena por todos os outros, que eu lembro e de que me esqueci.

Literatura, que é o que interessa
E os livros? A impressão que dá é que o mercado editorial foi bem menos prolífico. Nada de feiras ou festas interessantes. Não compareci a quase nada. Foi divertido ir ao Salão do Livro de Belo Horizonte e aparecer no Fórum das Letras. A Flip continua uma célebre desconhecida, especialmente depois que ela virou festa de iniciados.

Recebi muitos livros. Participei de alguns. Anda cansativa a lengalenga das antologias, que continuam pipocando. No entanto, algo que me deixou com este gosto de cabo de guardachuva na boca: em todos os lugares aparecem os mesmos escritores. Para variar, a tchurma de São Paulo, a mesma listinha de nomes, os livros em série. Então não achei que devesse me mexer muito para ler o que me dava sensação de déjà-vu.

Algo que tem me deixado perturbada, e sobre o que ainda vou escrever com mais vagar, é a experiência maravilhosa da leitura pública de textos literários. Em 2005, li em público poemas e minicontos, meus e de outros, para platéias em Belo Horizonte e Ouro Preto. E tive muita vontade de explicar aos editores que se a literatura não vende, a culpa não parece ser dos poemas nem dos contos. Ao menos não é o que se pode ver, explicitamente, na reação das platéias.

O Fórum das Letras pôs um palco na rua e três poetas empunhando textos. Durante mais de uma hora as pessoas ouviram atentas os poemas dardejados lá de cima. E quando descemos do palco, vieram multidões dando abraços, pedindo autógrafos e perguntando onde comprar o livro.

No Palácio das Artes, também, para um público bem menor, embora não menos importante, aconteceu de as pessoas irem ali para assistir à leitura de poemas e perguntar se o livro poderia ser encontrado na livraria mais próxima. Explico: não, não pode. É que os editores ainda não decidiram fazer um livro.

O melhor do ano parece ter sido perceber que a leitura pública continua contemporânea de todas as outras tecnologias de publicação. A despeito da existência do livro, da internet, do outdoor, do busdoor, o corpo do poeta continua sendo um suporte possível para os textos que não se publicam por outras vias.

Na Grécia, a leitura pública tinha uma função. Na Idade Média, outra. Nas fábricas de charutos cubanos, os funcionários enrolavam os cigarros sob o torpor da leitura de um funcionário leitor. Era como um rádio. E estão aí os poetas da era digital lendo em público, ainda. Publicando pela voz, ainda. Fazendo parte, então, deste "regime de escrita", segundo o conceito de Babo e Burke.

O melhor de tudo foi não dar a mínima para o mais do mesmo que se desenrolava nas editoras, tanto nas grandes quanto na pequenas. Aqueles nomes repetidos, que também repetem as fórmulas de escrever, ficaram parecendo ecos deles mesmos. Se antes todo mundo publicava poesia, migraram para o conto. De repente, quando o conto ficou muito "farofa", migraram para o romance. E agora, quando se pergunta, respondem: estou a escrever um romance.

Enquanto isso, fui a Recife falar de hipertexto, publiquei em revista, escrevi para outros públicos e tenho a sensação de que ainda estou em 2002, quando o boom da nova literatura aconteceu.

Parece que o melhor de 2005 é esperar que 2006 seja mais interessante ou ajuntar mais público em largos, ao ar livre, para jogar poemas ao ar.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 14/12/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entrevista com o tradutor Oleg Andréev Almeida de Jardel Dias Cavalcanti
02. Em busca de cristãos e especiarias de Carla Ceres
03. Do que se deseja de Carina Destempero
04. Os burocratas e a literatura de Celso A. Uequed Pitol
05. Veja e Cachoeira: relações perigosas de Gian Danton


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2005
01. Mapa da sala de aula - 6/4/2005
02. Para gostar de ler? - 24/8/2005
03. Publicar um livro pode ser uma encrenca - 28/12/2005
04. Escrever bem e os 10 Mandamentos - 20/7/2005
05. Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005


Mais Especial Melhores de 2005
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Primeiro Amor e Outros Perigos
Marçal Aquino
Ática
(1999)



Ecologia
Regina Yolanda
Studio Nobel
(1996)



Princípios de Administração Financeira
Lawrence J. Gitman
Harbra
(1978)



O Tempo Saquarema
Ilmar Rohloff de Mattos
Hucitec
(2004)



Infância Coleção Folha - Grandes Escritores Brasileiros 16
Graciliano Ramos
Folha de S Paulo
(2008)



X-Men Nº 128
Marvel
Panini Comics
(2012)



Escolha o Caminho Mais Fácil (lacrado)
Julia Rogers Hamrick
Best Seller
(2017)



Muito Obrigada! Coletânea de Cartas
Osório Martins Fagundes
Não Informado
(1978)



As Portas da Percepção Céu e Inferno
Aldous Huxley
Globo Antigo
(2002)



Vida, universo e sabe lá o que mais
Douglas Adams
Brasiliense
(1988)





busca | avançada
53121 visitas/dia
2,0 milhão/mês