A boa e a média em 2005 | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2005

Quarta-feira, 14/12/2005
A boa e a média em 2005
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3000 Acessos

Todo final de ano dá aquela crise de retrospectiva. O parâmetro é meio artificial, mas é bom escanear o ano inteiro, com os holofotes virados para trás, e verificar se alguma coisa mudou. De preferência, para melhor. Se não houver jeito, mudou só para ficar diferente do que era. Em caso de se detectar que ficou diferente para pior, então o jeito é acionar a esperança de que o próximo ano seja... menos ruim.

Mesmo pensando desse jeito, não sei bem como equilibrar o que foi bom, o que foi ruim e o que só mudou de roupa. A música continuou sem me atingir, o cinema não me fez nem cócegas e a literatura contemporânea... bem, parece que mudou de roupa. Talvez este seja o caso daquilo que ficou só diferente, nem melhor, nem pior. Será que isso é bom?

Mirando a música, fico pensando que meu aparelho de som já sabe de cor as músicas de Norah Jones. Embora a moça tenha sofrido o demérito de virar trilha de novela global, o vozeirão não mudou. Especialmente, não piorou. Depois dela, meu som toca sozinho a Cassandra Wilson, que embora seja dada a interpretações de Tom Jobim, continua esquecida pelos produtores de massa. Será que ela acha isso bonito? Eu acho.

E são apenas elas que me vêem à mente. Não consigo, nem que me esforce, pensar em outra opção de músico, nacional ou estrangeiro, que tenha arrebatado meus pêlos do braço quando cantou qualquer belíssima canção. Ninguém. Dos brasileiros, não fiquei nem sabendo. Mas aí já é um problema meu, que ando meio desligada.

Telona
O cinema me fez sair de casa algumas vezes. E é difícil me rebocar para uma sala para assistir a um filme! Que o digam meus amigos e até meu marido. Não saio. Prefiro gastar aquelas duas horas com qualquer serviço que me renda alguma coisa menos efêmera. Os pneus novos do carro, por exemplo.

De qualquer maneira, saí algumas vezes para assistir a alguns longas (que talvez pudessem ser lengas): O Coronel e o Lobisomem me pareceu a série que poderia substituir a Malhação. Tudo bem, tudo bem, o Sítio do Pica-pau Amarelo. Consegui dar duas risadas em duas horas, média baixíssima para mim. Quem me conhece sabe que meu patamar é mais alto. O filme, para puro entretenimento (e não há nada de mal nisso, claro), me fez descrer em atores que eu tinha em alta conta. Veja-se Selton Melo em Lavoura Arcaica e, depois, travestido de Lobisomem. Nem Walt Disney faria uma fera tão boazinha.

Saí também para ver Nove Canções. Meu Deus, e como me arrependi. Uma sequência alternada entre clipes amadores e filme pornô. Mas não é qualquer pornô. É daqueles em que o ângulo não favorece o espectador. (Entenda isso como quiser.)

Também vi, em DVD alugado, o polêmico Irreversível. Esse, sim, me arrebatou e me deixou encucada por dias e dias. Parei, pensei e me deu muito calafrio. Valeu a pena por todos os outros, que eu lembro e de que me esqueci.

Literatura, que é o que interessa
E os livros? A impressão que dá é que o mercado editorial foi bem menos prolífico. Nada de feiras ou festas interessantes. Não compareci a quase nada. Foi divertido ir ao Salão do Livro de Belo Horizonte e aparecer no Fórum das Letras. A Flip continua uma célebre desconhecida, especialmente depois que ela virou festa de iniciados.

Recebi muitos livros. Participei de alguns. Anda cansativa a lengalenga das antologias, que continuam pipocando. No entanto, algo que me deixou com este gosto de cabo de guardachuva na boca: em todos os lugares aparecem os mesmos escritores. Para variar, a tchurma de São Paulo, a mesma listinha de nomes, os livros em série. Então não achei que devesse me mexer muito para ler o que me dava sensação de déjà-vu.

Algo que tem me deixado perturbada, e sobre o que ainda vou escrever com mais vagar, é a experiência maravilhosa da leitura pública de textos literários. Em 2005, li em público poemas e minicontos, meus e de outros, para platéias em Belo Horizonte e Ouro Preto. E tive muita vontade de explicar aos editores que se a literatura não vende, a culpa não parece ser dos poemas nem dos contos. Ao menos não é o que se pode ver, explicitamente, na reação das platéias.

O Fórum das Letras pôs um palco na rua e três poetas empunhando textos. Durante mais de uma hora as pessoas ouviram atentas os poemas dardejados lá de cima. E quando descemos do palco, vieram multidões dando abraços, pedindo autógrafos e perguntando onde comprar o livro.

No Palácio das Artes, também, para um público bem menor, embora não menos importante, aconteceu de as pessoas irem ali para assistir à leitura de poemas e perguntar se o livro poderia ser encontrado na livraria mais próxima. Explico: não, não pode. É que os editores ainda não decidiram fazer um livro.

O melhor do ano parece ter sido perceber que a leitura pública continua contemporânea de todas as outras tecnologias de publicação. A despeito da existência do livro, da internet, do outdoor, do busdoor, o corpo do poeta continua sendo um suporte possível para os textos que não se publicam por outras vias.

Na Grécia, a leitura pública tinha uma função. Na Idade Média, outra. Nas fábricas de charutos cubanos, os funcionários enrolavam os cigarros sob o torpor da leitura de um funcionário leitor. Era como um rádio. E estão aí os poetas da era digital lendo em público, ainda. Publicando pela voz, ainda. Fazendo parte, então, deste "regime de escrita", segundo o conceito de Babo e Burke.

O melhor de tudo foi não dar a mínima para o mais do mesmo que se desenrolava nas editoras, tanto nas grandes quanto na pequenas. Aqueles nomes repetidos, que também repetem as fórmulas de escrever, ficaram parecendo ecos deles mesmos. Se antes todo mundo publicava poesia, migraram para o conto. De repente, quando o conto ficou muito "farofa", migraram para o romance. E agora, quando se pergunta, respondem: estou a escrever um romance.

Enquanto isso, fui a Recife falar de hipertexto, publiquei em revista, escrevi para outros públicos e tenho a sensação de que ainda estou em 2002, quando o boom da nova literatura aconteceu.

Parece que o melhor de 2005 é esperar que 2006 seja mais interessante ou ajuntar mais público em largos, ao ar livre, para jogar poemas ao ar.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 14/12/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Anos Incríveis de Juliano Maesano


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2005
01. Mapa da sala de aula - 6/4/2005
02. Para gostar de ler? - 24/8/2005
03. Publicar um livro pode ser uma encrenca - 28/12/2005
04. Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005
05. Escrever bem e os 10 Mandamentos - 20/7/2005


Mais Especial Melhores de 2005
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PROGRESSO, POBREZA E EXCLUSÃO
ROSEMARY THORP
BID
(1998)
R$ 35,00



A NOVA TRAJETÓRIA PROFISSIONAL
NEWTON JOSÉ DE OLIVEIRA NEVES E MILTON FAGUNDES
MISSION
(1999)
R$ 10,00



COMO E POR QUE LER OS CLÁSSICOS UNIVERSAIS DESDE CEDO
ANA MARIA MACHADO - NOVO
OBJETIVA
(2002)
R$ 54,00



UM AMOR DE GATO
GLENN DROMGOOLE
PUBLIFOLHA
(2002)
R$ 5,00



UM TURISTA NA TERRA
LEO P KELLEY
GALERIA PANORAMA
(1973)
R$ 10,00



CID-10 VOL. 1: CLASSIFICAÇÃO ESTATÍSTICA INTERNACIONAL DE DOENÇAS E PROBLEMAS RELACIONADOS À SAÚDE
OMS - ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE
EDUSP
R$ 102,00



OITENTA ANOS DE FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
HUBERT ALQUERES
JATOBÁ
(2011)
R$ 120,00



A GAROTA DO CALENDÁRIO - SETEMBRO
AUDREY CARLAN
VERUS
(2016)
R$ 7,00



A CURVA DA ESTRADA
FERREIRA DE CASTRO
GUIMARÃES EDITORES
(2002)
R$ 29,70



TEXTOS FILOSÓFICOS
KARL MARX
MANDACARU
(1990)
R$ 13,41





busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês