A boa e a média em 2005 | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
65675 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Trajetória para um novo cinema queer em debate no Diálogos da WEB-FAAP
>>> ÚLTIMAS APRESENTAÇÕES ONLINE DO ESPETÁCULO O DESMONTE
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A PROPÓSITO DE UM POEMA
>>> Como E Por Que Ler O Romance Brasileiro
>>> Jornalista, um bicho de 7 cabeças e 10 chifres
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> O amigo do escritor
>>> O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece
>>> SemiÓtica
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Cinema e os Direitos Humanos
>>> Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes
Mais Recentes
>>> O Uraguai de Basílio Gama pela Leitura XXI (2009)
>>> Dexter Design de Um Assassino de Jeff Lindsay pela Planeta (2011)
>>> Dexter no Escuro de Jeff Lindsay pela Planeta (2010)
>>> Querido e Devotado Dexter de Jeff Lindsay pela Planeta (2009)
>>> O Guardião de Memórias de Kim Edwards pela Sextante (2007)
>>> Querida Filha de Elizabeth Little pela Rocco (2017)
>>> Cinquenta Tons Mais Escuros de E. L. James pela Intrísica (2012)
>>> Cinquenta Tons de Cinza de E. L. James pela Intrísica (2012)
>>> Viver é coisa Perigosa - Orientações para soluções de conflitos de Guilherme Schelb pela Do autor (2008)
>>> Contos (Literatura Francesa) de Voltaire pela Nova Cultural (2003)
>>> Mulherzinhas (Literatura Norteamericana) de Louisa May Alcott pela Nova Cultural (2003)
>>> O morro dos ventos uivantes (Literatura Inglesa/Britânica) de Emily Brontë pela Nova Cultural (2003)
>>> Naná (Literatura Francesa) de Emile Zola pela Nova Cultural (2003)
>>> Babbitt (Literatura norteamericana) de Siclair Lewis pela Nova Cultural (2003)
>>> Ivanhoé (Literatura Escocesa/Britânica) de Walter Scott pela Nova Cultural (2003)
>>> A mulher de Trinta Anos (Literatura Francesa) de Honorè de Balzac pela Nova Cultural (2003)
>>> Razão e Sensibilidade (Literatura Inglesa) de Jane Austen pela Nova Cultural (2003)
>>> Tom Jones (Literatura Inglesa) de Henry Fielding pela Nova Cultural (2003)
>>> Ninguém escreve ao coronel de Gabriel Garcia Marques pela Record (2014)
>>> Tragédias - Romeu e Julieta/Macbeth/Otelo, o mouro de Veneza de William Shakespeare pela Nova Cultural (2003)
>>> Mazzaropi - Uma antologia do riso (Humorismo/Cinema brasileiro) de Paulo Duarte pela Imprensa oficial (2009)
>>> Cordel - Poeta Severino José (Literatura de Cordel) de Luiz de Assis Monteiro (Introdução e antologia) pela Hedra (2001)
>>> STP- Socialismo Teoria Y Prática 2 Febrero -1987 de Ekaterina Shalaieva pela Agência Prensa Nóvosti (1987)
>>> Moll Flanders de Daniel Defoe pela Nova Cultural (2003)
>>> Preceitos Áureos do Esoterismo de G. de Purucker pela Lorenz (1991)
>>> A Metamorfose de Franz Kafka pela Nova Cultural (2002)
>>> Macroeconomia de Olivier Blanchard pela Campus (1999)
>>> Energias Além das Formas de Marly Del Corona pela Casa Editorial Schimidt (1994)
>>> Madame Bovary de Gustave Flaubert pela Nova Cultural (2002)
>>> Noites do Sertão de João Guimarães Rosa pela José Olympio (1976)
>>> A Arte da Ilusão de Nora Roberts pela Harper Collins (2015)
>>> Farmacologia Clínica para Dentistas 2ªed. de Lenita Wannmacher - Maria Beatriz Cardoso Ferreira pela Guanabara Koogan (1999)
>>> Signos em Rotação de Octavio Paz pela Perspectiva (1990)
>>> Mulheres Empilhadas de Patrícia Melo pela Leya (2019)
>>> Extraordinário de R,J Palacio pela Intríseca (2014)
>>> O Homem Revoltado de Albert Camus pela Record (1996)
>>> Antologia Meus Contos Preferidos de Lygia Fagundes Telles pela Rocco (2004)
>>> Educar Professores? de Beatriz Alexandrina de Moura Fétizon pela Universidade de São Paulo (1984)
>>> A Geração das Palavras: Skinner e Chomsky Vol 25 de Maria da Penha Villalobos pela Universidade de São Paulo (1986)
>>> A Televisão e os Adolescentes A Sedução dos Inocentes Vol 22 de Heloisa Dupas Penteado pela Universidade de São Paulo (1983)
>>> Revista do Instituto de Estudos Brasileiros n. 41 de Prof. Dra. Marta Rossetti Batista (Diretora) pela Universidade de São Paulo (1996)
>>> Os Ministérios na Igreja dos Pobres de Alberto Parra S. J. pela Vozes (1991)
>>> Direitos Humanos Direitos dos Pobres de Leonardo Boff e Outros pela Vozes (1991)
>>> A Cristandade Colonial Mito e Ideologia de Riolando Azzi pela Vozes (1987)
>>> A Militarização da Questão Agrária no Brasil de José de Souza Martins pela Vozes (1984)
>>> Holocausto Desafio à Teologia Cristã de S. Shapiro e Outros pela Vozes (1984)
>>> Odontopediatria 7ªed. de Ralph E. Mcdonald- David R. Avery pela Guanabara Koogan (2001)
>>> O Poder dos Donos de Marcel Bursztyn pela Vozes (1984)
>>> Homenagem a Ugo Foscolo Omaggio de Elvira Rina M. Ricci Professora Responsável pela Universidade de São Paulo (1979)
>>> No País das Fadas e Outras Histórias Fantásticas de H. G. Wells pela Paulicéia (1993)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2005

Quarta-feira, 14/12/2005
A boa e a média em 2005
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3300 Acessos

Todo final de ano dá aquela crise de retrospectiva. O parâmetro é meio artificial, mas é bom escanear o ano inteiro, com os holofotes virados para trás, e verificar se alguma coisa mudou. De preferência, para melhor. Se não houver jeito, mudou só para ficar diferente do que era. Em caso de se detectar que ficou diferente para pior, então o jeito é acionar a esperança de que o próximo ano seja... menos ruim.

Mesmo pensando desse jeito, não sei bem como equilibrar o que foi bom, o que foi ruim e o que só mudou de roupa. A música continuou sem me atingir, o cinema não me fez nem cócegas e a literatura contemporânea... bem, parece que mudou de roupa. Talvez este seja o caso daquilo que ficou só diferente, nem melhor, nem pior. Será que isso é bom?

Mirando a música, fico pensando que meu aparelho de som já sabe de cor as músicas de Norah Jones. Embora a moça tenha sofrido o demérito de virar trilha de novela global, o vozeirão não mudou. Especialmente, não piorou. Depois dela, meu som toca sozinho a Cassandra Wilson, que embora seja dada a interpretações de Tom Jobim, continua esquecida pelos produtores de massa. Será que ela acha isso bonito? Eu acho.

E são apenas elas que me vêem à mente. Não consigo, nem que me esforce, pensar em outra opção de músico, nacional ou estrangeiro, que tenha arrebatado meus pêlos do braço quando cantou qualquer belíssima canção. Ninguém. Dos brasileiros, não fiquei nem sabendo. Mas aí já é um problema meu, que ando meio desligada.

Telona
O cinema me fez sair de casa algumas vezes. E é difícil me rebocar para uma sala para assistir a um filme! Que o digam meus amigos e até meu marido. Não saio. Prefiro gastar aquelas duas horas com qualquer serviço que me renda alguma coisa menos efêmera. Os pneus novos do carro, por exemplo.

De qualquer maneira, saí algumas vezes para assistir a alguns longas (que talvez pudessem ser lengas): O Coronel e o Lobisomem me pareceu a série que poderia substituir a Malhação. Tudo bem, tudo bem, o Sítio do Pica-pau Amarelo. Consegui dar duas risadas em duas horas, média baixíssima para mim. Quem me conhece sabe que meu patamar é mais alto. O filme, para puro entretenimento (e não há nada de mal nisso, claro), me fez descrer em atores que eu tinha em alta conta. Veja-se Selton Melo em Lavoura Arcaica e, depois, travestido de Lobisomem. Nem Walt Disney faria uma fera tão boazinha.

Saí também para ver Nove Canções. Meu Deus, e como me arrependi. Uma sequência alternada entre clipes amadores e filme pornô. Mas não é qualquer pornô. É daqueles em que o ângulo não favorece o espectador. (Entenda isso como quiser.)

Também vi, em DVD alugado, o polêmico Irreversível. Esse, sim, me arrebatou e me deixou encucada por dias e dias. Parei, pensei e me deu muito calafrio. Valeu a pena por todos os outros, que eu lembro e de que me esqueci.

Literatura, que é o que interessa
E os livros? A impressão que dá é que o mercado editorial foi bem menos prolífico. Nada de feiras ou festas interessantes. Não compareci a quase nada. Foi divertido ir ao Salão do Livro de Belo Horizonte e aparecer no Fórum das Letras. A Flip continua uma célebre desconhecida, especialmente depois que ela virou festa de iniciados.

Recebi muitos livros. Participei de alguns. Anda cansativa a lengalenga das antologias, que continuam pipocando. No entanto, algo que me deixou com este gosto de cabo de guardachuva na boca: em todos os lugares aparecem os mesmos escritores. Para variar, a tchurma de São Paulo, a mesma listinha de nomes, os livros em série. Então não achei que devesse me mexer muito para ler o que me dava sensação de déjà-vu.

Algo que tem me deixado perturbada, e sobre o que ainda vou escrever com mais vagar, é a experiência maravilhosa da leitura pública de textos literários. Em 2005, li em público poemas e minicontos, meus e de outros, para platéias em Belo Horizonte e Ouro Preto. E tive muita vontade de explicar aos editores que se a literatura não vende, a culpa não parece ser dos poemas nem dos contos. Ao menos não é o que se pode ver, explicitamente, na reação das platéias.

O Fórum das Letras pôs um palco na rua e três poetas empunhando textos. Durante mais de uma hora as pessoas ouviram atentas os poemas dardejados lá de cima. E quando descemos do palco, vieram multidões dando abraços, pedindo autógrafos e perguntando onde comprar o livro.

No Palácio das Artes, também, para um público bem menor, embora não menos importante, aconteceu de as pessoas irem ali para assistir à leitura de poemas e perguntar se o livro poderia ser encontrado na livraria mais próxima. Explico: não, não pode. É que os editores ainda não decidiram fazer um livro.

O melhor do ano parece ter sido perceber que a leitura pública continua contemporânea de todas as outras tecnologias de publicação. A despeito da existência do livro, da internet, do outdoor, do busdoor, o corpo do poeta continua sendo um suporte possível para os textos que não se publicam por outras vias.

Na Grécia, a leitura pública tinha uma função. Na Idade Média, outra. Nas fábricas de charutos cubanos, os funcionários enrolavam os cigarros sob o torpor da leitura de um funcionário leitor. Era como um rádio. E estão aí os poetas da era digital lendo em público, ainda. Publicando pela voz, ainda. Fazendo parte, então, deste "regime de escrita", segundo o conceito de Babo e Burke.

O melhor de tudo foi não dar a mínima para o mais do mesmo que se desenrolava nas editoras, tanto nas grandes quanto na pequenas. Aqueles nomes repetidos, que também repetem as fórmulas de escrever, ficaram parecendo ecos deles mesmos. Se antes todo mundo publicava poesia, migraram para o conto. De repente, quando o conto ficou muito "farofa", migraram para o romance. E agora, quando se pergunta, respondem: estou a escrever um romance.

Enquanto isso, fui a Recife falar de hipertexto, publiquei em revista, escrevi para outros públicos e tenho a sensação de que ainda estou em 2002, quando o boom da nova literatura aconteceu.

Parece que o melhor de 2005 é esperar que 2006 seja mais interessante ou ajuntar mais público em largos, ao ar livre, para jogar poemas ao ar.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 14/12/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Jagunço degolado de Wellington Machado
02. Um mês depois de Julio Daio Borges
03. Memorial do deserto e das ruínas de Elisa Andrade Buzzo
04. Quando as rodas param de Elisa Andrade Buzzo
05. Família e Maldade de Daniel Bushatsky


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2005
01. Mapa da sala de aula - 6/4/2005
02. Para gostar de ler? - 24/8/2005
03. Publicar um livro pode ser uma encrenca - 28/12/2005
04. Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005
05. Escrever bem e os 10 Mandamentos - 20/7/2005


Mais Especial Melhores de 2005
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O PRÍNCIPE
NICOLAU MAQUIAVEL
PRINCIPIS
(2019)
R$ 14,00



SEDES DA COPA
STEPHAN CAMPINEIRO E DANIEL GONÇALVES
ARTE ENSAIO
(2012)
R$ 14,00



GUIA DO EMPREENDEDOR ESTRANGEIRO NA CHINA
JUAN ANTONIO FERNANDEZ- SHENGJUN
LEAP
(2010)
R$ 29,00



BELEZA SUSTENTÁVEL: COMO PENSAR, AGIR E PERMANECER JOVEM
CARLA GÓES SOUZA PÉREZ
INTEGRARE
(2010)
R$ 6,00



DICIONÁRIO DE DECISÕES TRABALHISTAS - 19ª EDIÇÃO
B. CALHEIROS BOMFIM E OUTROS
TRABALHISTAS
(1997)
R$ 5,00



OBESIDADE, NUTRIÇÃO E DIETA
DR. EMÍLIO PERES
CAMINHO
(1982)
R$ 12,00



LIÇÕES DE VIDA
ANNE TYLER
ED. IMAGO
(1989)
R$ 5,00



A BREVE SEGUNDA VIDA DE BREE TANNER
STEPHENIE MEYER
INTRÍNSECA
(2010)
R$ 5,00



DIREITO DO TRABALHO
PEDRO PAULO TEIXEIRA MANUS
ATLAS
(1999)
R$ 5,90



OS DEZ MANDAMENTOS
LORON WADE
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(2007)
R$ 15,00





busca | avançada
65675 visitas/dia
2,1 milhões/mês