Gilberto Gil, revisitado | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
37024 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 17/5/2005
Gilberto Gil, revisitado
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 5100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Ministro, o senhor está muito político", disse um participante do I Forum Nacional de Cultura e Cidadania Corporativa, realizado no dia 3 de maio. No Fórum, o tema em questão eram as políticas de incentivo fiscal, mais especificamente as mudanças que estão por vir no cenário de investimento em cultura. Em que pese os erros e os acertos das políticas culturais do atual governo, a frase do participante do evento pode ser tomada, sim, como verdade. Mais do que nunca, Gilberto Gil tem se destacado, nos últimos dois anos e meio, como importante personalidade política, tanto nas viagens internacionais como em suas apresentações musicais, como a que ocorreu em Belo Horizonte há pouco mais de uma semana. Segundo relato da coluna "Painel", do jornal Folha de S.Paulo, Gil tentou falar do presidente Lula antes de executar uma música. A tentativa não deu lá muito certo porque cada menção ao presidente era seguida de uma vaia uníssona. O ministro, então, decidiu tocar sem fazer menção à política. Nesse texto, imito Gil. Deixo sua atuação política de lado e volto o foco para o álbum Gil Revisitado, recém lançado pela Dubas.

O disco é uma seleção de um período em que Gilberto Gil era politizado, no máximo, nas letras de suas canções. E aqui o ouvinte verá um apanhado da produção do cantor e compositor num período muito profícuo, mais precisamente entre 1967 e 1977. Ao todo, são 14 faixas. Por ser uma coletânea, seria ingenuidade dizer que as músicas escolhidas não foram os hits. A vantagem, no entanto, em relação às demais coletâneas é que dessa vez parece ter havido uma preocupação maior no que se refere às músicas que entrariam na seleção. O disco abre com "Roda". E não é por acaso que ela soa como uma apresentação, um chamamento: "Meu povo, preste atenção/ Na roda que eu te fiz/ Quero mostrar a quem vem/ Aquilo que o povo diz". Nessa crônica-canção, ele é o autor e intérprete de sua própria obra. Situação um pouco diferente da faixa "Procissão", que conta com a participação de Rita Lee e dos Mutantes, sem contar com o arranjo do teórico tropicalista Rogério Duprat. Nota-se, aqui, um estilo mais "importado" (sempre tendo por base os parâmetros da época). Os instrumentos, em específico a guitarra, remetem aos Beatles. Reparem no riff inicial, uma pérola quase rockabilly.

Na canção anterior, porém, "A rua", Gil permanece num estilo que, quase quarenta anos depois, todos fazem por oportunismo: o forró. Mas engana-se quem imagina que a faixa é apenas o arrasta-pé, desses que fazem a cabeça dos forrós universitários. Em verdade, o que se ouve é uma peça genuinamente regional, fazendo menção a São João e ao Maranhão, porém marcada por um ritmo melódico. Gil canta, de início, acompanhado por flautas e por cordas. Aos poucos, surge o violão e, à medida que o refrão aparece, o forró surge, com triângulo e a percussão que é característica ao gênero. A pontuação é claramente perceptível: na parte da festa, Gil entoa: "É, São João, ê, Pacatuba/ Ê, rua do barrocão". No trecho lento, cabe até um romantismo: "De longe pensando nela/ Meu coração de menino". Há uma combinação e uma coerência notáveis entre letra e música.

Já em "Mamma", tem-se a faixa mais intimista. Gil canta em inglês sem aquele estridente brasileirismo que alguns insistem em manter. Desse modo, a versão fica mais verossímil. "I wanna put my chest against the Wind, mamma/ Give me your blessing right now". Uma balada. Então, como não há espaço para muitos instrumentos, o cantor investe em seu violão, mas conta com o precioso acompanhamento do baixista Chris Bonett, que também faz vocalises.

Talvez o único problema das coletâneas seja a variação drástica de uma canção para outra. Nesse caso, até que há uma certa seqüência temática. A versão de "Chiclete com Banana", embora a letra seja absolutamente brasileira ("Vou misturar chiclete com banana/ Miami com Copacabana"), o ritmo conta uma bateria jazzística, com Tutty Moreno, e o piano de Antonio Perna fazendo intervenções pontuais. Secas, mas que casam muito bem com a "baquetas de vassourinha". No "Canto da Ema", o álbum volta ao forró. No entanto, já é perceptível um acordo entre as influências diversas, unindo o piano e a guitarra à percussão, sem que isso fique fora de tom. Em contrapartida, há um evidente desnível no que se refere à letra. Rimas simples tomam lugar: "A ema gemeu no tronco do juremá/ Me beijar, me beijar/ Dá um beijo, dá um beijo/ Pra esse medo se acabar". E as estrofes se repetem por longos 6 minutos.

Por falar em repetição, "Batmakumba" é o exemplo claro de como, em alguns momentos, o excesso pode ser nocivo. Pertencente ao celebrado disco Tropicália ou Panis et Circenses, a letra se resume ao título da canção. E só. Sem dúvida, é o grande equívoco dessa coletânea. Quando a letra atrapalha, os instrumentos, às vezes, salvam. Assim, a guitarra elétrica é a estrela de "Cérebro Eletrônico", a faixa seguinte. Mais do que acompanhamento, Lanny interpreta a letra não só com os solos, mas principalmente com os pedais, dando um tom psicodélico, de tabela, ao canto de Gil. Ao final, Wilson das Neves, na bateria, entra na "viagem" e completa o som experimental.

Outra canção-crônica, "Vitrines" é marcada pelo violão e, novamente, pelos arranjos de Rogério Duprat. Nota-se o auge do tropicalismo em trechos como o que segue: "Dentro e fora da cabine/ Éter-cosmo-nave-nauta". Letra por letra, é quase impossível a ascensão qualitativa em relação à música seguinte, Refazenda. E não só nos versos. O acordeão de Dominguinhos é reconhecível logo nas primeiras notas. Sai o nonsense, entra a história com metáfora: "Abacateiro/ Serás meu parceiro solitário/ Nesse itinerário/ Da leveza pelo ar". A qualidade é mantida, mais lírica do que nunca, em "Aqui e Agora". Mesmo sendo uma faixa longa, o ouvinte é conduzido ora pelo canto suave, ora pelo toque sutil dos instrumentos - piano, baixo e bateria.

Quase no final do disco, que ao todo tem 14 faixas, cabe destacar "Eu só quero um xodó", de Dominguinhos e Anastácia. Forró autêntico, a música chama a atenção pela ótima harmonia entre os instrumentos. Pois o triângulo só aparece na hora certa, assim como o baixo sabe manter a discrição que lhe é peculiar, sem deixar de marcar posição. Desse modo, há o espaço necessário para Dominguinhos e seu acordeão brilharem. Prestem atenção no solo, que é singular.

A compilação de Leonel Pereda e Bastos é, no geral, muito bem feita. Gil Revisitado apresenta um interessante panorama para os ouvintes que só conhecem o cantor e o compositor dos especiais da televisão, como o acústico da MTV, ou do autor das trilhas de cinema, como Eu, Tu, Eles. Além disso, faz com que esqueçamos - por pouco tempo, é verdade - do homem político que, para o bem e para o mal, o artista se transformou.

Para ir além





Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 17/5/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1 de Renato Alessandro dos Santos
02. Origens: minha mãe de Jardel Dias Cavalcanti
03. Do que se deseja de Carina Destempero
04. Por que os livros paradidáticos hoje são assim? de Gian Danton
05. O turista motorista de Adriana Baggio


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2005
01. Brasil e Argentina: uma História Comparada - 3/5/2005
02. O século da canção - 5/4/2005
03. Os Clássicos e a Educação Sentimental - 8/2/2005
04. Estudo das Teclas Pretas, de Luiz Faccioli - 22/2/2005
05. O Afeto Autoritário de Renato Janine Ribeiro - 22/11/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/5/2005
05h15min
Fabio, sou uma apaixonada pela tropicália desde os 5 anos de idade! Agora já nao mais tanto quanto antes, até por algumas decepçoes que tive com alguns membros do tropicalismo, mas isto é um capítulo à parte... Olha, do que voce escreveu, só gostaria de acrescentar uma coisa. Na música "A Rua", as referencias se fazem muito mais à Teresina, no Piauí, do que propriamente ao Maranhao.... A rua, tal como o rio Parnaíba, separa o estado do Piauí do estado do Maranhao... Pacatuba, rua do Barrocao, etc., sao típicas ruas teresinenses, onde viveu Torquato Neto sua infância (para mim, injustiçado quando o tema é tropicalismo; muito pouco lembrado)...
[Leia outros Comentários de Elaine Carvalho]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ONZE MINUTOS
PAULO COELHO
ROCCO
(2003)
R$ 7,19



DRINK UP! - LEVEL A1
KAREN HOLMES
CAMBRIDGE DISCOVERY EDUCATION
(2014)
R$ 11,00



OTO - RINO-LARINGOLOGIA PRÁTICA 2ª EDIÇÃO
CAPISTRANO PEREIRA
GUANABARA
(1948)
R$ 87,54



79 PARK AVENUE
HAROLD ROBBINS
RECORD
(1955)
R$ 7,00



AS JOIAS DE MANHATTAN
CARMEN REID; MAURA PAOLETTI
BERTRAND BRASIL
(2012)
R$ 10,00



OS IMPRESSIONISTAS - GAUGUIN (ARTES PLÁSTICAS)
DANIEL WILDENSTEIN/RAYMOND GOGNIAT
TRÊS
(1973)
R$ 18,00



ENSAIOS DE SOCIOLOGIA
MAX WEBER
GUANABARA
(1982)
R$ 25,00



A GAIOLA DAS ÁGUIAS
JAMES FOLLETT
RECORD
(1994)
R$ 19,90
+ frete grátis



OURO DE INCONFIDÊNCIA
GLADSTON MAMEDE
LONGARINA
(2018)
R$ 17,00



GENTE COMO A GENTE
JUDITH GUEST
RECORD
(1980)
R$ 7,90





busca | avançada
37024 visitas/dia
1,4 milhão/mês