Gilberto Gil, revisitado | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
48473 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> Para meditar
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fantasmas do antigo Recife
>>> Luther King sobre os fracos
>>> O centenário do Castor
>>> O comercial do Obama
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> Mininas no Canto Madalena
>>> Quase cinquenta
>>> Bate-papo com Odir Cunha
>>> Entrevista com Sérgio Rodrigues
>>> Leblon
Mais Recentes
>>> O Brasil e Seu Duplo de Luiz Eduardo Soares pela Todavia (2019)
>>> Este Não é Mais Um Livro de Dieta de Rodrigo Polesso pela Gente (2018)
>>> Seu Cachorro é o Seu Espelho de Kevin Behan pela Magnitudde (2012)
>>> Mini Becky Bloom - Tal Mãe, Tal Filha de Sophie Kinsella pela Record (2011)
>>> O Presidente Que Sabia Javanês de Carlos Heitor Cony; Angeli pela Boitempo (2000)
>>> Introdução ao Pensamento Sociológico de Anna Maria de Castro; Edmundo F. Dias pela Eldorado (1977)
>>> Como Falar em Público Corretamente e Sem Inibições de Reinaldo Polito pela Saraiva (1999)
>>> As Mais Belas Orações de Todos os Tempos de Rose Marie Muraro: Raimundo Cintra pela Rosa dos Tempos (1993)
>>> Empreenda Sem Fronteiras de Bruno Pinheiro pela Gente (2016)
>>> Eu Fico Loko -As Desventuras de Um Adolescente Nada Convencional de Christian Figueiredo de Caldas pela Novas Páginas (2015)
>>> Teoria Geral do Direito e Marxismo de Evguiéni B. Pachukanis pela Boitempo (2017)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Abril Cultural (1981)
>>> A Revolução Russa de 1917 de Marc Ferro pela Perspectiva (1974)
>>> A Questão Urbana de Manuel Castells pela Paz e Terra (1983)
>>> Esquerdismo Doença Infantil do Comunismo de V. I. Lenin pela Expressão Popular (2014)
>>> Crônicas de Nuestra América de Augusto Boal pela Codecri (1977)
>>> A Desumanização da Arte de José Ortega y Gasset pela Cortez (1991)
>>> Homens Em Tempos Sombrios de Hannah Arendt pela Companhia De Bolso (2013)
>>> A Música do Tempo Infinito de Tales A. M .Ab'Sáber pela Cosac & Naify (2012)
>>> Poesia e Filosofia de Antonio Cicero pela Civilização Brasileira (2012)
>>> A Estrada da Noite de Joe Hill pela Sextante (2007)
>>> O ornamento da massa de Siegfried Kracauer pela Cosac & Naify (2009)
>>> O Horror Econômico de Viviane Forrester pela Unesp (1997)
>>> Merleau-ponty e a Educação de Marina Marcondes Machado pela Autentica (2010)
>>> Revoluções de Michael Lowy pela Boitempo (2009)
COLUNAS

Terça-feira, 17/5/2005
Gilberto Gil, revisitado
Fabio Silvestre Cardoso
+ de 6000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Ministro, o senhor está muito político", disse um participante do I Forum Nacional de Cultura e Cidadania Corporativa, realizado no dia 3 de maio. No Fórum, o tema em questão eram as políticas de incentivo fiscal, mais especificamente as mudanças que estão por vir no cenário de investimento em cultura. Em que pese os erros e os acertos das políticas culturais do atual governo, a frase do participante do evento pode ser tomada, sim, como verdade. Mais do que nunca, Gilberto Gil tem se destacado, nos últimos dois anos e meio, como importante personalidade política, tanto nas viagens internacionais como em suas apresentações musicais, como a que ocorreu em Belo Horizonte há pouco mais de uma semana. Segundo relato da coluna "Painel", do jornal Folha de S.Paulo, Gil tentou falar do presidente Lula antes de executar uma música. A tentativa não deu lá muito certo porque cada menção ao presidente era seguida de uma vaia uníssona. O ministro, então, decidiu tocar sem fazer menção à política. Nesse texto, imito Gil. Deixo sua atuação política de lado e volto o foco para o álbum Gil Revisitado, recém lançado pela Dubas.

O disco é uma seleção de um período em que Gilberto Gil era politizado, no máximo, nas letras de suas canções. E aqui o ouvinte verá um apanhado da produção do cantor e compositor num período muito profícuo, mais precisamente entre 1967 e 1977. Ao todo, são 14 faixas. Por ser uma coletânea, seria ingenuidade dizer que as músicas escolhidas não foram os hits. A vantagem, no entanto, em relação às demais coletâneas é que dessa vez parece ter havido uma preocupação maior no que se refere às músicas que entrariam na seleção. O disco abre com "Roda". E não é por acaso que ela soa como uma apresentação, um chamamento: "Meu povo, preste atenção/ Na roda que eu te fiz/ Quero mostrar a quem vem/ Aquilo que o povo diz". Nessa crônica-canção, ele é o autor e intérprete de sua própria obra. Situação um pouco diferente da faixa "Procissão", que conta com a participação de Rita Lee e dos Mutantes, sem contar com o arranjo do teórico tropicalista Rogério Duprat. Nota-se, aqui, um estilo mais "importado" (sempre tendo por base os parâmetros da época). Os instrumentos, em específico a guitarra, remetem aos Beatles. Reparem no riff inicial, uma pérola quase rockabilly.

Na canção anterior, porém, "A rua", Gil permanece num estilo que, quase quarenta anos depois, todos fazem por oportunismo: o forró. Mas engana-se quem imagina que a faixa é apenas o arrasta-pé, desses que fazem a cabeça dos forrós universitários. Em verdade, o que se ouve é uma peça genuinamente regional, fazendo menção a São João e ao Maranhão, porém marcada por um ritmo melódico. Gil canta, de início, acompanhado por flautas e por cordas. Aos poucos, surge o violão e, à medida que o refrão aparece, o forró surge, com triângulo e a percussão que é característica ao gênero. A pontuação é claramente perceptível: na parte da festa, Gil entoa: "É, São João, ê, Pacatuba/ Ê, rua do barrocão". No trecho lento, cabe até um romantismo: "De longe pensando nela/ Meu coração de menino". Há uma combinação e uma coerência notáveis entre letra e música.

Já em "Mamma", tem-se a faixa mais intimista. Gil canta em inglês sem aquele estridente brasileirismo que alguns insistem em manter. Desse modo, a versão fica mais verossímil. "I wanna put my chest against the Wind, mamma/ Give me your blessing right now". Uma balada. Então, como não há espaço para muitos instrumentos, o cantor investe em seu violão, mas conta com o precioso acompanhamento do baixista Chris Bonett, que também faz vocalises.

Talvez o único problema das coletâneas seja a variação drástica de uma canção para outra. Nesse caso, até que há uma certa seqüência temática. A versão de "Chiclete com Banana", embora a letra seja absolutamente brasileira ("Vou misturar chiclete com banana/ Miami com Copacabana"), o ritmo conta uma bateria jazzística, com Tutty Moreno, e o piano de Antonio Perna fazendo intervenções pontuais. Secas, mas que casam muito bem com a "baquetas de vassourinha". No "Canto da Ema", o álbum volta ao forró. No entanto, já é perceptível um acordo entre as influências diversas, unindo o piano e a guitarra à percussão, sem que isso fique fora de tom. Em contrapartida, há um evidente desnível no que se refere à letra. Rimas simples tomam lugar: "A ema gemeu no tronco do juremá/ Me beijar, me beijar/ Dá um beijo, dá um beijo/ Pra esse medo se acabar". E as estrofes se repetem por longos 6 minutos.

Por falar em repetição, "Batmakumba" é o exemplo claro de como, em alguns momentos, o excesso pode ser nocivo. Pertencente ao celebrado disco Tropicália ou Panis et Circenses, a letra se resume ao título da canção. E só. Sem dúvida, é o grande equívoco dessa coletânea. Quando a letra atrapalha, os instrumentos, às vezes, salvam. Assim, a guitarra elétrica é a estrela de "Cérebro Eletrônico", a faixa seguinte. Mais do que acompanhamento, Lanny interpreta a letra não só com os solos, mas principalmente com os pedais, dando um tom psicodélico, de tabela, ao canto de Gil. Ao final, Wilson das Neves, na bateria, entra na "viagem" e completa o som experimental.

Outra canção-crônica, "Vitrines" é marcada pelo violão e, novamente, pelos arranjos de Rogério Duprat. Nota-se o auge do tropicalismo em trechos como o que segue: "Dentro e fora da cabine/ Éter-cosmo-nave-nauta". Letra por letra, é quase impossível a ascensão qualitativa em relação à música seguinte, Refazenda. E não só nos versos. O acordeão de Dominguinhos é reconhecível logo nas primeiras notas. Sai o nonsense, entra a história com metáfora: "Abacateiro/ Serás meu parceiro solitário/ Nesse itinerário/ Da leveza pelo ar". A qualidade é mantida, mais lírica do que nunca, em "Aqui e Agora". Mesmo sendo uma faixa longa, o ouvinte é conduzido ora pelo canto suave, ora pelo toque sutil dos instrumentos - piano, baixo e bateria.

Quase no final do disco, que ao todo tem 14 faixas, cabe destacar "Eu só quero um xodó", de Dominguinhos e Anastácia. Forró autêntico, a música chama a atenção pela ótima harmonia entre os instrumentos. Pois o triângulo só aparece na hora certa, assim como o baixo sabe manter a discrição que lhe é peculiar, sem deixar de marcar posição. Desse modo, há o espaço necessário para Dominguinhos e seu acordeão brilharem. Prestem atenção no solo, que é singular.

A compilação de Leonel Pereda e Bastos é, no geral, muito bem feita. Gil Revisitado apresenta um interessante panorama para os ouvintes que só conhecem o cantor e o compositor dos especiais da televisão, como o acústico da MTV, ou do autor das trilhas de cinema, como Eu, Tu, Eles. Além disso, faz com que esqueçamos - por pouco tempo, é verdade - do homem político que, para o bem e para o mal, o artista se transformou.

Para ir além





Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 17/5/2005

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lá onde brotam grandes autores da literatura de Renato Alessandro dos Santos
02. Notas confessionais de um angustiado (II) de Cassionei Niches Petry
03. Os 60 de Eugenia Zerbini
04. Hilda Hilst, o IPTU e a Chave da Cidade de Yuri Vieira
05. Cuentos da Espanha de Marcelo Barbão


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2005
01. Brasil e Argentina: uma História Comparada - 3/5/2005
02. Os Clássicos e a Educação Sentimental - 8/2/2005
03. O século da canção - 5/4/2005
04. Estudo das Teclas Pretas, de Luiz Faccioli - 22/2/2005
05. O Afeto Autoritário de Renato Janine Ribeiro - 22/11/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/5/2005
05h15min
Fabio, sou uma apaixonada pela tropicália desde os 5 anos de idade! Agora já nao mais tanto quanto antes, até por algumas decepçoes que tive com alguns membros do tropicalismo, mas isto é um capítulo à parte... Olha, do que voce escreveu, só gostaria de acrescentar uma coisa. Na música "A Rua", as referencias se fazem muito mais à Teresina, no Piauí, do que propriamente ao Maranhao.... A rua, tal como o rio Parnaíba, separa o estado do Piauí do estado do Maranhao... Pacatuba, rua do Barrocao, etc., sao típicas ruas teresinenses, onde viveu Torquato Neto sua infância (para mim, injustiçado quando o tema é tropicalismo; muito pouco lembrado)...
[Leia outros Comentários de Elaine Carvalho]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Conversas Com Gestores de Ações Brasileiros - a Fórmula dos Grandes...
Luciana Seabra
Portfolio Penguin
(2018)



Modern Business® - Corporation Finance
Jules I. Bogen
Alexander Hamilton Institute
(1954)



Sao Bernardo e Caetés (2 Livros Pocket Em 1)
Graciliano Ramos
Record
(1996)



Livro - Despindo a Morte
Gabrielle Biondi
Letra Espírita
(2019)



Névoa
Kathryn James
Farol Literario
(2013)



Maquina do Tempo
H. G. Wells
Alfaguara
(2010)



Drácula
Bram Stoker
L&pm
(1998)



Batman 80 Anos Detective Comics
Chris Conroy Jamie S Rich Dave Wielgosz
Panini Comics Dc
(2019)



Livro - o Drama Sagrado de Elêusis
Edouard Schuré / de Bolso
Antroposófica
(2011)



A Promessa
Pearl S. Buck
Melhoramentos
(1964)





busca | avançada
48473 visitas/dia
1,4 milhão/mês