O século da canção | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Red Bull Station estreia exposições de letrista e de coletivo feminino em julho
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
>>> O Julgamento Secreto de Joana D'Arc com Silmara Deon estreia no Teatro Oficina
>>> Novo app conecta, de graça, clientes a profissionais e prestadores de serviço
>>> Inauguração da Spazeo com show do Circuladô de Fulô - 28/07
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
>>> Sob o mesmo teto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Raio-X do imperialismo
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> O Brasil que eu quero
>>> Pensar sem memória
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> O Digestivo e o texto do Francisco Escorsim
>>> Restos, por Mário Araújo
>>> A maçã de Isaac Newton
>>> O que é um livro?
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
Mais Recentes
>>> Almanaque do Cruzeiro
>>> Voragem
>>> O livro das grandes reportagens
>>> Deixe os homens aos seus pés
>>> Quem mexeu no meu queijo?
>>> O príncipe
>>> A mulher de trinta anos
>>> O texto Argumentativo
>>> Fernão Capelo Gaivota
>>> Tudo valeu a pena
>>> Tudo tem seu preço
>>> O poder dos quietos
>>> Despedindo-se da Terra
>>> Despertar para a vida
>>> É preciso Algo Mais
>>> Marcas da Vida
>>> Novamente Juntos
>>> Reviver por Amor
>>> Vivendo no Mundo dos Espíritos
>>> Estatística Indutiva: Teoria e Aplicação
>>> Macro e Micro Cosmos: Visão Filosófica do Taoísmo e Conceitos de Medicina Tradicional Chinesa
>>> Inside Out - Student's Book - Intermediate
>>> Inside Out - Workbook - Intermediate
>>> Le Français Est À La Mode
>>> A Cabana
>>> O vendedor de Sonhos e a Revolução dos Anônimos
>>> Marketing de Ação
>>> Na Moda
>>> Comunicação Organizacional - Gestão de Relações Públicas
>>> As mentiras que os homens contam
>>> Seja líder de si mesmo
>>> Superdicas para Falar bem em conversas e apresentações
>>> Manual de Umbanda para Chefes de Terreiros
>>> As Cartas do Caminho Sagrado - Sem as Cartas
>>> Saravá Seu Tranca Ruas
>>> Saravá Oxóce
>>> A Face Oculta da Mente - 25ª Edição
>>> As Fôrças Físicas da Mente - Tomo 2
>>> A Identidade Bourne
>>> A Missão 60 - Memórias de Um Pilôto de Guerra Brasileiro
>>> Problemas de Aprendizagem
>>> Eu Nas Entrelinhas - Extratos e Retratos de Minha Vida
>>> Os Mais Extraordinários Contos de Suspense
>>> Subsidios Para Uma Reformulação Política
>>> Pequenas Histórias, Grandes Lições - Volume 2
>>> Pequenas Histórias, Grandes Lições - Volume 1
>>> A Canção do Arrozal em Flor - Romance
>>> Tancredo Neves A Realidade e o Mito - Estudo de Sociologia Política
>>> Os Donos do Poder - Formação do Patronato Político Brasileiro - Vol. 1
>>> O Espelho Mágico - Um Fenômeno Social Chamado Corpo e Alma
COLUNAS

Terça-feira, 5/4/2005
O século da canção
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 6200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"Por mais que se afirme o contrário, o brasileiro não leva jeito para música (...) A propalada musicalidade brasileira é um engodo (...) A música popular brasileira se resume a meia dúzia de sexagenários que continua a se arrastar pelos palcos, repetindo uma batida de quarenta anos atrás". As polêmicas afirmações acima são de Diogo Mainardi, o articulista da Veja a quem todos adoram odiar. Curiosamente, na mesma semana em que li o artigo citado, terminava a leitura de O século da canção (Ateliê Editorial, 251 págs.), escrito pelo professor do Departamento de Linguística da USP, Luiz Tatit. São dois pontos de vista muito opostos, mas que possuem um elo: a música. E é interessante notar como o tema pode gerar opiniões tão distintas, uma prova de como música está presente no imaginário nacional. No livro, Tatit traça um amplo panorama da canção, gênero que, independentemente do intérprete, sempre criou vínculos fortíssimos junto ao público.

O estudo possui oito capítulos, sendo estes divididos em duas partes. Na primeira, "Leitura Geral", Tatit produz uma análise histórica da canção no Brasil, partindo dos primeiros vestígios da sonoridade brasileira. E, com efeito, os leitores descobrem como foram instituídas algumas as bases da música por aqui. Um exemplo é a mistura de estilos já acontecia nos momentos seguintes ao descobrimento do Brasil. Segundo o autor, a reconstrução, ainda que indireta, dessa sonoridade remonta a uma fusão entre os "ritmos" nativos com os hinos católicos dos jesuítas, que se assemelhavam a uma espécie de canto gregoriano. Em seguida, com a chegada dos escravos, mais um elemento seria adicionado a esse caldeirão cultural, uma vez que, aos poucos, não só os negros integrariam essas sessões de música: "A idolatria contida nesses rituais, suas manifestações pagãs, foram se tornando insuportáveis no momento em que setores da sociedade branca começaram a integrar as rodas de batuque e a participar das cerimônias". É desse "sincretismo" (ou síntese?) musical que aparecem os indícios daquilo que, mais tarde, seria considerado como canção. Vale a pena ressaltar, ainda, que nessa primeira parte o nome mais citado não é de nenhum músico, mas do crítico José Ramos Tinhorão. A rigor, Luiz Tatit condensa com cuidado os trabalhos de Tinhorão, dando-lhes coerência e sentido para os leitores que desconhecem os meandros da história da música.

Dessa forma, o autor entrelaça bem os períodos e chega rapidamente ao que ele considera o século da canção, o século XX. Passa, então, a outro tipo de análise, (o "Detalhamento"), mais conteudística, avaliando a relação entre melodia e letra, que, para muitos, é um eterno enigma. Em suas palavras, muito mais graças à intuição do que à técnica, os sambistas construíam verdadeiros veículos de comunicação, por meio dos quais mandavam recados, faziam provocações, cantavam amores e choravam amarguras. De outra parte, a propósito, nota-se como o perfil dessas canções mudou. Se na época dos sambistas, tratava-se de um culto à malandragem, como mostra o duelo entre Wilson Batista e Noel Rosa, não muito tempo depois, o ideal cantado seria o do progresso, conforme provaria o surgimento da bossa nova no fim da década de 50. Conforme análise do autor, isso ocorreu após uma absorção dos ideais de progresso oriundos da industrialização e desenvolvimento nacionais que empurraram a classe média para outro patamar no que se refere ao consumo e ao padrão de vida, fatos que conseqüentemente afetaram, para o bem e para o mal, os interesses culturais das pessoas.

Entretanto, ao contrário do já citado José Ramos Tinhorão, Luiz Tatit não faz uma análise sociológica da canção. É claro que não deixa completamente de lado essa abordagem, mas fica claro que seu campo é outro. E isso fica evidente quando vemos ele se debruçar, mais uma vez, no que ele chama de "casamento entre melodia e letra". Aqui, o autor utiliza um amplo repertório de referências, falando tanto dos compositores, como Lamartine Babo e Ary Barroso, quanto dos intérpretes Vicente Celestino e Francisco Alves. Se hoje em dia eles podem soar desconhecidos, são nomes fundamentais para o entendimento de como a canção forjou uma unidade nacional. Na análise em si, Tatit faz paralelos entre a letra e a melodia, desconstruindo alguns trechos escolhidos. É bom que se diga que, nessa parte, o esmero do autor é digno de um estudioso, uma vez que ele não permanece na superfície, indo na raiz para elucidar suas teorias.

Um bom exemplo é sua apreciação de "Garota de Ipanema", na parte em que dedica à Bossa Nova e ao Tropicalismo. Nela, o autor disseca a canção em seqüências, fragmentos, aproveitando cada aspecto, seja do ponto melódico, seja do ponto de vista da letra. E, ao final, postula uma síntese de modo a explicar a gênese de seu estilo. Para Tatit, Tom Jobim conseguiu elaborar o máximo de sentido com o mínimo de variação, utilizando, de outra parte, forças de criação de ordem temática (no que se refere à melodia), passional (a letra) e figurativa (a personagem da garota, que parece tomar vida própria para além da canção). A cada fragmento, surge um novo ponto a ser observado, de maneira que o leitor consegue apreender, e entender, a canção com outros ouvidos, desta vez mais atentos às variações e aos detalhes que, eventualmente, poderiam passar despercebidos.

De uma maneira geral, os livros que tratam de música ou história da música tendem a se destinar somente aos iniciados, tanto pelo tema, que muitas vezes é específico demais, como pela abordagem, que pode ser pedante e prolixa. Felizmente, não é o caso deste O século da canção. Talvez pelo fato de Luiz Tatit também ser músico, além de professor. Sua observação sobre a canção, ao mesmo tempo apaixonada e dedicada, mostra porque o gênero merece o louvor e orgulho dos músicos, intérpretes e ouvintes no Brasil. Aliás, a respeito das afirmações polêmicas de Diogo Mainardi, a resposta (indireta, que fique claro) está na apresentação do livro: "Se o século XX tivesse proporcionado ao Brasil apenas a configuração de sua canção popular poderia talvez ser criticado por sovinice, mas nunca por mediocridade".

Para ir além






Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 5/4/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
02. Primavera para iniciantes de Elisa Andrade Buzzo
03. Joan Brossa, inéditos em tradução de Jardel Dias Cavalcanti
04. Uma suposta I.C. de Elisa Andrade Buzzo
05. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2005
01. Brasil e Argentina: uma História Comparada - 3/5/2005
02. Os Clássicos e a Educação Sentimental - 8/2/2005
03. O século da canção - 5/4/2005
04. O Afeto Autoritário de Renato Janine Ribeiro - 22/11/2005
05. Estudo das Teclas Pretas, de Luiz Faccioli - 22/2/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/4/2005
16h48min
Ontem à noite assistindo ao ótimo "Roda Viva" da Cultura, fiquei "embasbacado" com as declarações do cantor, de Irará, Tom Zé. Com uma auto-crítica fora do comum, Tom se diz um enganador que não sabe fazer música. Disse ainda que o estilo musical que produz é o de música-reportagem. Quisera eu que no Brasil existissem muitos Toms Zés com essa sabedoria para produzir um som que mexe com a alma. Só assim sairíamos dessa mesmice que apodreceu a música brasileira que tem como "campeão" de canções executadas nas rádios o "excepcional" Latino com a sua "Festa no Apê". Que Deus tenha piedade de Nós.
[Leia outros Comentários de Marco Garcia]
21/6/2005
12h01min
Considero que a música brasileira se encontrou com o universo sonoro mundial, em especial, com o refinamento da negritude musical americana, através da bossa nova. Depois disso, nada mais se acrescentou, inclusive no mundo, em música popular, no século XX...
[Leia outros Comentários de Elizabeth de Castro ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




STUPID WHITE MEN. UMA NAÇÃO DE IDIOTAS
MICHAEL MOORE
FRANCIS
(2016)
R$ 12,00



FREUD: PENSAMENTO POLÍTICO E SOCIAL
PAUL ROAZEN
BRASILIENSE
(1973)
R$ 15,00



NOITES VIVAS
HÉLIO PÓLVORA
CASARÃO DO VERBO
(2013)
R$ 25,00



MUTAÇÕES
LIV ULLMANN
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 8,99



OS MELHORES CONTOS DE DOSTOIÉVSKI
F. DOSTOIÉVSKI
CÍRCULO DO LIVRO
(1991)
R$ 15,00



NIETZSCHE, UMA BIOGRAFIA
DANIEL HALÉVY
CAMPUS
(1989)
R$ 32,00



ME BASTA UMA JANELA
CONCEIÇÃO NUNES BROOK
RECORD
(1984)
R$ 8,00



CIDADÃOS DO MUNDO - COLEÇÃO DE OLHO NO MUNDO RECREIO Nº 20
EDITORA KLICK
KLICK
(2000)
R$ 8,00



PLANETA CORPO
SILVIA ZATZ
COMPANHIA DAS LETRINHAS
(2009)
R$ 19,90



A CASA VAZIA E OUTRAS AVENTURAS DE SHERLOCK HOLMES
CONAN DOYLE
EDIOURO
R$ 8,09





busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês