O século da canção | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Escrevendo com o inimigo
>>> FLAP! Uma bofetada na indiferença*
>>> Eles – os artistas medíocres
>>> Meu beijo gay
>>> A história de Rogério Xavier e da SPX (2023)
>>> Waldstein por Andsnes
>>> Festival de Inverno Ouro Preto
>>> Para gostar de ler
>>> Dos livros que li
>>> O legado de Graciliano Ramos
Mais Recentes
>>> Administração do tempo: melhoria da qualidade do serviço de Labegalini Paulo pela Editora Ideias & Letras - EDITORA SANTUARIO (2006)
>>> Poemas completos de Alberto Caeiro de Fernando pessoa pela Editora Hedra (2006)
>>> Qi gong para a mulher: exercícios de baixo impacto para aumentar a energia, estimular a sexualidade e fortalecer o corpo de Dominique, ferraro pela Editora ground - oka (2002)
>>> Parto ativo: Guia prático para o parto natural - A história e a filosofia de uma revolução... de Balaskas Janet pela Editora ground - oka (2017)
>>> 125 brincadeiras para estimular o cérebro do seu bebê de Silberg Jackie pela Editora ground - oka (2014)
>>> Guia de massagem para quem ama cachorros de Linda, jackson pela Editora ground - oka (2017)
>>> Agnus dei - a idade do sangue de Costa, Julianna pela Editora grimorio (2012)
>>> Tecnologia e justiça multiportas - 1ª ed - 2021 de Viviane Siqueira Valter Shuenquener de; Rodrigues pela Editora foco (2021)
>>> Suspensão de segurança - 5ª ed - 2022: suspensão da execução de decisão judicial contra o poder público de Marcelo Abelha Rodrigues pela Editora foco (2022)
>>> Registro civil das pessoas naturais - 4ª ed - 2022 de Mario de Carvalho Camargo Marcelo Salaroli de; Neto pela Editora foco (2022)
>>> Exame da OAB mapamentalizado - 2ª edição - 2019 de Wander Tony; Garcia pela Editora foco (2018)
>>> Direito civil - sucessões - 2ª ed - 2022 de Leonardo Estevam de Assis Zanini pela Editora foco (2022)
>>> Como passar em concursos dapolícia federal - 800 questões comentadas - 1ª ed - 2021 de Vivian Vanessa Tonolli; Calderoni pela Editora foco (2021)
>>> Análise sociológica das políticas de saúde de Patrice Pinell pela Editora fiocruz
>>> Responsabilidade civil - o que os medicos precisam minimamente saber de Souza, Henrique pela Editora espaco juridico (2017)
>>> Constituicao da republica federativa do brasil de Espaco juridico pela Editora espaco juridico (2017)
>>> 7 Aulas de L. S. Vigotski: Sobre os Fundamentos da Pedologia de Zoia prestes pela Editora e-papers (2018)
>>> Genética e DNA em quadrinhos de Schultz Mark pela Editora edgard blucher ltda. (2011)
>>> Revisao de beneficios e calculos previdenciarios de Claudini pela Editora e distr.de livros mundo juridico ltda (2015)
>>> Reforma trabalhista comentada mais quadr de Correia, sandra pela Editora e distr.de livros mundo juridico ltda (2018)
>>> Diario do Jurista: Agenda Jurídica 2024 de Editora Mundo Jurídico pela Editora e distr.de livros mundo juridico ltda (2023)
>>> Como Advogar na Previdência de Claudio Tadeu Muniz pela Editora e distr.de livros mundo juridico ltda (2023)
>>> Na linha de frente: enfrentando o desconhecido de Simone Miriam; Azevedo pela Editora dos editores (2022)
>>> Uma lha a mil milhas daqui de Jonas Ribeiro pela Editora do brasil - paradidatico (2014)
>>> Tarsila e o papagaio Juvenal de Neide Mércia Maria; Duarte pela Editora do brasil - paradidatico (2011)
COLUNAS

Terça-feira, 5/4/2005
O século da canção
Fabio Silvestre Cardoso
+ de 9100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"Por mais que se afirme o contrário, o brasileiro não leva jeito para música (...) A propalada musicalidade brasileira é um engodo (...) A música popular brasileira se resume a meia dúzia de sexagenários que continua a se arrastar pelos palcos, repetindo uma batida de quarenta anos atrás". As polêmicas afirmações acima são de Diogo Mainardi, o articulista da Veja a quem todos adoram odiar. Curiosamente, na mesma semana em que li o artigo citado, terminava a leitura de O século da canção (Ateliê Editorial, 251 págs.), escrito pelo professor do Departamento de Linguística da USP, Luiz Tatit. São dois pontos de vista muito opostos, mas que possuem um elo: a música. E é interessante notar como o tema pode gerar opiniões tão distintas, uma prova de como música está presente no imaginário nacional. No livro, Tatit traça um amplo panorama da canção, gênero que, independentemente do intérprete, sempre criou vínculos fortíssimos junto ao público.

O estudo possui oito capítulos, sendo estes divididos em duas partes. Na primeira, "Leitura Geral", Tatit produz uma análise histórica da canção no Brasil, partindo dos primeiros vestígios da sonoridade brasileira. E, com efeito, os leitores descobrem como foram instituídas algumas as bases da música por aqui. Um exemplo é a mistura de estilos já acontecia nos momentos seguintes ao descobrimento do Brasil. Segundo o autor, a reconstrução, ainda que indireta, dessa sonoridade remonta a uma fusão entre os "ritmos" nativos com os hinos católicos dos jesuítas, que se assemelhavam a uma espécie de canto gregoriano. Em seguida, com a chegada dos escravos, mais um elemento seria adicionado a esse caldeirão cultural, uma vez que, aos poucos, não só os negros integrariam essas sessões de música: "A idolatria contida nesses rituais, suas manifestações pagãs, foram se tornando insuportáveis no momento em que setores da sociedade branca começaram a integrar as rodas de batuque e a participar das cerimônias". É desse "sincretismo" (ou síntese?) musical que aparecem os indícios daquilo que, mais tarde, seria considerado como canção. Vale a pena ressaltar, ainda, que nessa primeira parte o nome mais citado não é de nenhum músico, mas do crítico José Ramos Tinhorão. A rigor, Luiz Tatit condensa com cuidado os trabalhos de Tinhorão, dando-lhes coerência e sentido para os leitores que desconhecem os meandros da história da música.

Dessa forma, o autor entrelaça bem os períodos e chega rapidamente ao que ele considera o século da canção, o século XX. Passa, então, a outro tipo de análise, (o "Detalhamento"), mais conteudística, avaliando a relação entre melodia e letra, que, para muitos, é um eterno enigma. Em suas palavras, muito mais graças à intuição do que à técnica, os sambistas construíam verdadeiros veículos de comunicação, por meio dos quais mandavam recados, faziam provocações, cantavam amores e choravam amarguras. De outra parte, a propósito, nota-se como o perfil dessas canções mudou. Se na época dos sambistas, tratava-se de um culto à malandragem, como mostra o duelo entre Wilson Batista e Noel Rosa, não muito tempo depois, o ideal cantado seria o do progresso, conforme provaria o surgimento da bossa nova no fim da década de 50. Conforme análise do autor, isso ocorreu após uma absorção dos ideais de progresso oriundos da industrialização e desenvolvimento nacionais que empurraram a classe média para outro patamar no que se refere ao consumo e ao padrão de vida, fatos que conseqüentemente afetaram, para o bem e para o mal, os interesses culturais das pessoas.

Entretanto, ao contrário do já citado José Ramos Tinhorão, Luiz Tatit não faz uma análise sociológica da canção. É claro que não deixa completamente de lado essa abordagem, mas fica claro que seu campo é outro. E isso fica evidente quando vemos ele se debruçar, mais uma vez, no que ele chama de "casamento entre melodia e letra". Aqui, o autor utiliza um amplo repertório de referências, falando tanto dos compositores, como Lamartine Babo e Ary Barroso, quanto dos intérpretes Vicente Celestino e Francisco Alves. Se hoje em dia eles podem soar desconhecidos, são nomes fundamentais para o entendimento de como a canção forjou uma unidade nacional. Na análise em si, Tatit faz paralelos entre a letra e a melodia, desconstruindo alguns trechos escolhidos. É bom que se diga que, nessa parte, o esmero do autor é digno de um estudioso, uma vez que ele não permanece na superfície, indo na raiz para elucidar suas teorias.

Um bom exemplo é sua apreciação de "Garota de Ipanema", na parte em que dedica à Bossa Nova e ao Tropicalismo. Nela, o autor disseca a canção em seqüências, fragmentos, aproveitando cada aspecto, seja do ponto melódico, seja do ponto de vista da letra. E, ao final, postula uma síntese de modo a explicar a gênese de seu estilo. Para Tatit, Tom Jobim conseguiu elaborar o máximo de sentido com o mínimo de variação, utilizando, de outra parte, forças de criação de ordem temática (no que se refere à melodia), passional (a letra) e figurativa (a personagem da garota, que parece tomar vida própria para além da canção). A cada fragmento, surge um novo ponto a ser observado, de maneira que o leitor consegue apreender, e entender, a canção com outros ouvidos, desta vez mais atentos às variações e aos detalhes que, eventualmente, poderiam passar despercebidos.

De uma maneira geral, os livros que tratam de música ou história da música tendem a se destinar somente aos iniciados, tanto pelo tema, que muitas vezes é específico demais, como pela abordagem, que pode ser pedante e prolixa. Felizmente, não é o caso deste O século da canção. Talvez pelo fato de Luiz Tatit também ser músico, além de professor. Sua observação sobre a canção, ao mesmo tempo apaixonada e dedicada, mostra porque o gênero merece o louvor e orgulho dos músicos, intérpretes e ouvintes no Brasil. Aliás, a respeito das afirmações polêmicas de Diogo Mainardi, a resposta (indireta, que fique claro) está na apresentação do livro: "Se o século XX tivesse proporcionado ao Brasil apenas a configuração de sua canção popular poderia talvez ser criticado por sovinice, mas nunca por mediocridade".

Para ir além






Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 5/4/2005

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O livro digital Toy Story para iPad: revolução? de Marcelo Spalding


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2005
01. Brasil e Argentina: uma História Comparada - 3/5/2005
02. O século da canção - 5/4/2005
03. Os Clássicos e a Educação Sentimental - 8/2/2005
04. Estudo das Teclas Pretas, de Luiz Faccioli - 22/2/2005
05. O Afeto Autoritário de Renato Janine Ribeiro - 22/11/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/4/2005
16h48min
Ontem à noite assistindo ao ótimo "Roda Viva" da Cultura, fiquei "embasbacado" com as declarações do cantor, de Irará, Tom Zé. Com uma auto-crítica fora do comum, Tom se diz um enganador que não sabe fazer música. Disse ainda que o estilo musical que produz é o de música-reportagem. Quisera eu que no Brasil existissem muitos Toms Zés com essa sabedoria para produzir um som que mexe com a alma. Só assim sairíamos dessa mesmice que apodreceu a música brasileira que tem como "campeão" de canções executadas nas rádios o "excepcional" Latino com a sua "Festa no Apê". Que Deus tenha piedade de Nós.
[Leia outros Comentários de Marco Garcia]
21/6/2005
12h01min
Considero que a música brasileira se encontrou com o universo sonoro mundial, em especial, com o refinamento da negritude musical americana, através da bossa nova. Depois disso, nada mais se acrescentou, inclusive no mundo, em música popular, no século XX...
[Leia outros Comentários de Elizabeth de Castro ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Gabaritado e Aprovado enem vestibulares e concursos
Gabaritado e Aprovado enem vestibulares e concursos
Rideel
(2015)



Eisenhower- Líderes 14
Martin Blumenson
Renes



Você Globalizando - Dez Estratégias para Atuar Como um Executivo Global
Susan Bloch e Philip Whiteley
Rai
(2011)



Reconstituição da Memoria Estatistica da Grande Sao Paulo
Governo do Estado de São Paulo
Emplasa
(1983)



Livro de Bolso Michaelis Pequeno Dicionário Inglês-português Português-inglês
Michaelis
Melhoramentos
(1989)



Por Que Acreditamos No Que Acreditamos
David Mcraney
Harper Collins
(2019)



O Grande Massacre de Gatos
Robert Darnton
Graal
(2011)



Controladoria - Estratégia e Operacional - Conceitos Estrutura e Aplicação
Clovis Luis
Cengage
(2009)



Addresses Paris
Angela Gouvea Vieira
Addresses
(2009)



O Suave Milagre E Outros Contos
Eça De Queiroz
Cultor de Livros
(2008)





busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês