O século da canção | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
59665 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> A EDITORA estreia online dia 29 de outubro, de graça
>>> 'O Engenheiro', ópera de Tim Rescala, estreia em Porto Alegre
>>> Projeto Latitude apoia galerias brasileiras na Frieze London, FIAC Paris 2021 e SP-Arte 2021
>>> Instituto Vox abre inscrições para a A Semana da Estupidez
>>> Marcela Brandão lança single Batedeira que reafirma sua pegada pop brasileira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Web-based Finance Application
>>> Fernanda Young (1970-2019)
>>> 20 de Novembro #digestivo10anos
>>> O boom e a bolha reloaded
>>> WorkFlowy, de Mike Turitzin e Jesse Patel
>>> A proposta libertária
>>> Noel — Poeta da Vila
>>> Uma Viagem à Índia, de Gonçalo M. Tavares
>>> Hermann Broch
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Mais Recentes
>>> As Listas de Casamento de Becky Bloom de Sophie Kinsella pela Record (2010)
>>> Ecoturismo - Uma Introdução de David A. Fennell pela Contexto (2002)
>>> Seus Pontos Fracos de Dr. Wayne W. Dyer pela Record (1976)
>>> Confia e Segue de Francisco Cândido Xavier pela Geem (2014)
>>> Os Segredos da Mente Milionária de T. Harv Eker pela Sextante (2006)
>>> Longo Caminho de Volta de Ricardo Lucena Junior pela Ftd (1992)
>>> Mothers and Sons de Colm Toibin pela Scribner (2007)
>>> Minha Vida de Menina de Helena Morley pela Companhia de Bolso (2017)
>>> Ed Mort e Outras Historias de Luis Fernando Verissimo pela Circulo do Livro (1985)
>>> The Moth Diaries de Rachel Klein pela Bantam Books (2003)
>>> It's Not the How or The What But The Who de Claudio Fernández-Aráoz pela Harvard Business Review (2014)
>>> Como Fazer o Amor Dar Certo de Steven Carter pela Sextante (2011)
>>> Leio Teatro: Dramaturgia Brasileira Contemporânea, Leitura e Publicação de André Luís Gomes pela Horizonte (2010)
>>> Bacall Fenomenal de Lauren Bacall pela Nordica (1981)
>>> O Sol Tambem Se Levanta de Ernest Hemingway pela Abril Cultural (1980)
>>> Renascer da Esperança de Sandra Carneiro; Lucius pela Vivaluz (2004)
>>> Homens São de Marte Mulheres São de Vênus de John Gray pela Rocco (2017)
>>> Saúde e Prosperidade de Masaharu Taniguchi pela Seicho-no-ie (2004)
>>> Comportamento Político de D E Butler pela Laudes (1958)
>>> Sob a Luz da Verdade de Oneida Terra pela Boa Nova (2000)
>>> Até que o Dinheiro nos Separe de Cleide M. Bartholi Guimarães pela Saraiva (2012)
>>> As Cinco Pessoas Que Você Encontra no Céu de Mitch Albom pela Sextante (2004)
>>> 10 Passos para Se Libertar da Obesidade de Padre Cleberson pela Mona (2018)
>>> As Cinco Fases da Comunicação na Gestão de Mudanças de Nancy Alberto Assad pela Saraiva (2012)
>>> Garimpos da Vila Formosa - Col. Garimpos Volume 1 de Roberto Ferreira pela Ler é Crescer
COLUNAS

Terça-feira, 5/4/2005
O século da canção
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 7800 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"Por mais que se afirme o contrário, o brasileiro não leva jeito para música (...) A propalada musicalidade brasileira é um engodo (...) A música popular brasileira se resume a meia dúzia de sexagenários que continua a se arrastar pelos palcos, repetindo uma batida de quarenta anos atrás". As polêmicas afirmações acima são de Diogo Mainardi, o articulista da Veja a quem todos adoram odiar. Curiosamente, na mesma semana em que li o artigo citado, terminava a leitura de O século da canção (Ateliê Editorial, 251 págs.), escrito pelo professor do Departamento de Linguística da USP, Luiz Tatit. São dois pontos de vista muito opostos, mas que possuem um elo: a música. E é interessante notar como o tema pode gerar opiniões tão distintas, uma prova de como música está presente no imaginário nacional. No livro, Tatit traça um amplo panorama da canção, gênero que, independentemente do intérprete, sempre criou vínculos fortíssimos junto ao público.

O estudo possui oito capítulos, sendo estes divididos em duas partes. Na primeira, "Leitura Geral", Tatit produz uma análise histórica da canção no Brasil, partindo dos primeiros vestígios da sonoridade brasileira. E, com efeito, os leitores descobrem como foram instituídas algumas as bases da música por aqui. Um exemplo é a mistura de estilos já acontecia nos momentos seguintes ao descobrimento do Brasil. Segundo o autor, a reconstrução, ainda que indireta, dessa sonoridade remonta a uma fusão entre os "ritmos" nativos com os hinos católicos dos jesuítas, que se assemelhavam a uma espécie de canto gregoriano. Em seguida, com a chegada dos escravos, mais um elemento seria adicionado a esse caldeirão cultural, uma vez que, aos poucos, não só os negros integrariam essas sessões de música: "A idolatria contida nesses rituais, suas manifestações pagãs, foram se tornando insuportáveis no momento em que setores da sociedade branca começaram a integrar as rodas de batuque e a participar das cerimônias". É desse "sincretismo" (ou síntese?) musical que aparecem os indícios daquilo que, mais tarde, seria considerado como canção. Vale a pena ressaltar, ainda, que nessa primeira parte o nome mais citado não é de nenhum músico, mas do crítico José Ramos Tinhorão. A rigor, Luiz Tatit condensa com cuidado os trabalhos de Tinhorão, dando-lhes coerência e sentido para os leitores que desconhecem os meandros da história da música.

Dessa forma, o autor entrelaça bem os períodos e chega rapidamente ao que ele considera o século da canção, o século XX. Passa, então, a outro tipo de análise, (o "Detalhamento"), mais conteudística, avaliando a relação entre melodia e letra, que, para muitos, é um eterno enigma. Em suas palavras, muito mais graças à intuição do que à técnica, os sambistas construíam verdadeiros veículos de comunicação, por meio dos quais mandavam recados, faziam provocações, cantavam amores e choravam amarguras. De outra parte, a propósito, nota-se como o perfil dessas canções mudou. Se na época dos sambistas, tratava-se de um culto à malandragem, como mostra o duelo entre Wilson Batista e Noel Rosa, não muito tempo depois, o ideal cantado seria o do progresso, conforme provaria o surgimento da bossa nova no fim da década de 50. Conforme análise do autor, isso ocorreu após uma absorção dos ideais de progresso oriundos da industrialização e desenvolvimento nacionais que empurraram a classe média para outro patamar no que se refere ao consumo e ao padrão de vida, fatos que conseqüentemente afetaram, para o bem e para o mal, os interesses culturais das pessoas.

Entretanto, ao contrário do já citado José Ramos Tinhorão, Luiz Tatit não faz uma análise sociológica da canção. É claro que não deixa completamente de lado essa abordagem, mas fica claro que seu campo é outro. E isso fica evidente quando vemos ele se debruçar, mais uma vez, no que ele chama de "casamento entre melodia e letra". Aqui, o autor utiliza um amplo repertório de referências, falando tanto dos compositores, como Lamartine Babo e Ary Barroso, quanto dos intérpretes Vicente Celestino e Francisco Alves. Se hoje em dia eles podem soar desconhecidos, são nomes fundamentais para o entendimento de como a canção forjou uma unidade nacional. Na análise em si, Tatit faz paralelos entre a letra e a melodia, desconstruindo alguns trechos escolhidos. É bom que se diga que, nessa parte, o esmero do autor é digno de um estudioso, uma vez que ele não permanece na superfície, indo na raiz para elucidar suas teorias.

Um bom exemplo é sua apreciação de "Garota de Ipanema", na parte em que dedica à Bossa Nova e ao Tropicalismo. Nela, o autor disseca a canção em seqüências, fragmentos, aproveitando cada aspecto, seja do ponto melódico, seja do ponto de vista da letra. E, ao final, postula uma síntese de modo a explicar a gênese de seu estilo. Para Tatit, Tom Jobim conseguiu elaborar o máximo de sentido com o mínimo de variação, utilizando, de outra parte, forças de criação de ordem temática (no que se refere à melodia), passional (a letra) e figurativa (a personagem da garota, que parece tomar vida própria para além da canção). A cada fragmento, surge um novo ponto a ser observado, de maneira que o leitor consegue apreender, e entender, a canção com outros ouvidos, desta vez mais atentos às variações e aos detalhes que, eventualmente, poderiam passar despercebidos.

De uma maneira geral, os livros que tratam de música ou história da música tendem a se destinar somente aos iniciados, tanto pelo tema, que muitas vezes é específico demais, como pela abordagem, que pode ser pedante e prolixa. Felizmente, não é o caso deste O século da canção. Talvez pelo fato de Luiz Tatit também ser músico, além de professor. Sua observação sobre a canção, ao mesmo tempo apaixonada e dedicada, mostra porque o gênero merece o louvor e orgulho dos músicos, intérpretes e ouvintes no Brasil. Aliás, a respeito das afirmações polêmicas de Diogo Mainardi, a resposta (indireta, que fique claro) está na apresentação do livro: "Se o século XX tivesse proporcionado ao Brasil apenas a configuração de sua canção popular poderia talvez ser criticado por sovinice, mas nunca por mediocridade".

Para ir além






Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 5/4/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Caminhos para a esquerda de Celso A. Uequed Pitol
02. A natureza selvagem da terra de Elisa Andrade Buzzo
03. Obscura paisagem em peça de Mirisola e Oliveira de Jardel Dias Cavalcanti
04. O holismo conformado de David Butter
05. Pieguice ou hipocrisia? de Rosângela Vieira Rocha


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2005
01. Brasil e Argentina: uma História Comparada - 3/5/2005
02. O século da canção - 5/4/2005
03. Os Clássicos e a Educação Sentimental - 8/2/2005
04. Estudo das Teclas Pretas, de Luiz Faccioli - 22/2/2005
05. O Afeto Autoritário de Renato Janine Ribeiro - 22/11/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/4/2005
16h48min
Ontem à noite assistindo ao ótimo "Roda Viva" da Cultura, fiquei "embasbacado" com as declarações do cantor, de Irará, Tom Zé. Com uma auto-crítica fora do comum, Tom se diz um enganador que não sabe fazer música. Disse ainda que o estilo musical que produz é o de música-reportagem. Quisera eu que no Brasil existissem muitos Toms Zés com essa sabedoria para produzir um som que mexe com a alma. Só assim sairíamos dessa mesmice que apodreceu a música brasileira que tem como "campeão" de canções executadas nas rádios o "excepcional" Latino com a sua "Festa no Apê". Que Deus tenha piedade de Nós.
[Leia outros Comentários de Marco Garcia]
21/6/2005
12h01min
Considero que a música brasileira se encontrou com o universo sonoro mundial, em especial, com o refinamento da negritude musical americana, através da bossa nova. Depois disso, nada mais se acrescentou, inclusive no mundo, em música popular, no século XX...
[Leia outros Comentários de Elizabeth de Castro ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sapos Em Príncipes Programação Neurolinguística
Richard Bandler
Summus



Expiação
Areolino Gurjão
Feb
(1984)



O Vendedor Pit Bull
Luis Paulo Luppa
Landscape
(2005)



No Calor da Hora: Dossiê Jovens Artistas Paulistas Década de 1980
Tadeu Chiarelli
Ci Arte
(2012)



Regente Plutão
Cleusa Maria
Record
(2012)



Ifá - O Senhor do Destino
Fernandez Portugal Filho
Madras
(2021)



Bairro dos Estranhos
Wilson Frungilo
Ide
(1998)



Eu Fico Loko 1
Christian Figueiredo de Caldas
Novas Paginas
(2015)



Amor Conjugal
Seicho Taniguchi
Seicho - no - Ie
(2015)



Man From the South and Other Stories
Roald Dahl
Penguin Readers
(2008)





busca | avançada
59665 visitas/dia
1,8 milhão/mês