Licoes que aprendi com o Millor | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
71136 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
>>> Clássicos da Literatura Unesp ganha mais cinco títulos
>>> Bertolt Brecht inspira ÉPICO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Doutor Eugênio (1949-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Itinerário de leituras on-line
>>> Sobre caramujos e Omolu
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Comum como uma tela perfeita
>>> Revista Meio Digital
>>> Do jornalismo como performance
>>> A Nova Revista da Cultura
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> A Teoria Hipodérmica da Mídia
>>> Os prédios mais feios de SP
Mais Recentes
>>> A Igreja de Jesus - Juniores de John D. Barnett pela Cristã Evangélica (2005)
>>> Dicionário Oxford Escolar Para Estudantes Brasileiros de Inglês de Oxford University pela Oxford (2009)
>>> Breve história de sete assassinatos de Marlon James pela Intrínseca (2017)
>>> Carmen Portinho - Coleção Perfis do Rio de Ana Luiz Nobre pela Relume Dumará (1999)
>>> Relações Humanas Interpessoais nas Convivências Grupais e Comunitárias de Silvino José Fritzen pela Vozes (1987)
>>> Perdas Necessárias de Judith Viorst pela Melhoramentos (1988)
>>> Acima de Qualquer Suspeita - Presumed Innocent de Scott Turow pela Record (1987)
>>> Para Gostar de Ler 27 - Histórias Sobre Ética de La Fontaine Machado de Assis e Outros pela Ática (2003)
>>> Dia dos Mortos de Marcelo Ferroni pela Globo (2004)
>>> Kota de Richar Forsithe pela Nova Cultural (1989)
>>> O que é Arte? A polemica visão do Autor de Guerra e Paz de Tolstoi pela Ediouro (2002)
>>> As Cinco Estações do Corpo de João Curvo e Walter Ms. Tuche pela Rocco (2001)
>>> Valsa Negra de Patrícia Melo pela Companhia das Letras (2003)
>>> Um Fio de Esperança de Nancy Guthrie pela Mundo Cristão (2008)
>>> Oblomov de Ivan Alexandrovitch Gotcharov pela Germinal (2001)
>>> O Apanhador no campo de centeio de Jorio Dauster; Antonio Rocha; Alvaro Alencar pela Do Autor (2012)
>>> Auto-sentimento de Norberto R. Keppe pela Proton (1977)
>>> A Nova Dieta Revolucionária do Dr. Atkins de Roberto Atkins pela Círculo do Livro (1972)
>>> Fé e Liberdade - O Pensamento Eco. da Escolástica de Alejandro A. Chafuen pela Lvm (2019)
>>> Serenidade e Paz pela Oração de Rafael Llano Cifuentes pela Do Autor (2002)
>>> Trilogia de Cinquenta tons de cinza. Vol.1 , Vol. 2 e Vol. 3 de E L James; E L James; Maria Carmelita Padua Dias pela Intrinseca (2012)
>>> Quando Tudo Não é o Bastante de Harold S. Kushner pela Nobel (1999)
>>> Febre de Enxofre de Bruno Ribeiro pela Penalux (2016)
>>> Grandes e novas Invenções de Não informado pela Knorr
>>> No Início - Contos de Adriana Griner pela Biblioteca Pública do Paraná (2014)
>>> Parâmetros Curriculares Nacionais - Vol 6 de Não informado pela Arte (1997)
>>> O Alquimista de Paulo Coelho pela Rocco (1988)
>>> Namoro blindado: O Seu Relacionamento à Prova De Coração Parido EAN: 9788578607654 de Renato & Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson (2016)
>>> Navegar é preciso de Anaína Amado; Ledonias Franco Garcia pela Atual Didáticos (1989)
>>> Conte-me seus sonhos de Sidney Sheldon pela Record (2000)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Globo/Klick (1997)
>>> O poder das afirmações positivas - Coleção Autoestima EAN: 9788575421680 de Louise Hay pela Sextante (2005)
>>> As Melhores Histórias de Princesas de Monica Rodrigues da Costa e Lidia Chaib Adaptação pela Publifolha (2000)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 24. Crônicas 3º Volume (1871 - 1878) de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 23. Crônicas 2º Volume (1864 - 1867) de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> A Viola Enluarada De Zequinha Piriri EAN: 9788526231771 de Rosana Rios pela Scipione (1997)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 22. Crônicas 1º Volume (1859 - 1863) de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 21. Contos Fluminenses II de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 20. Contos Fluminenses I de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 19. Teatro de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 18. Poesias de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 17. Relíquias Da Casa Velha 2º Volume de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 16. Relíquias Da Casa Velha 1º Volume de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 15. Páginas Recolhidas de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> O melhor de Hagar o horrível – vol. 3: 441 EAN: 9788525412195 de Dik Browne pela L&PM Pocket (2007)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 14. Várias Histórias de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Dicionário Ilustrado da Língua Portuguesa 7 volumes de Antenor Nascentes pela Bloch (1972)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 13. Histórias sem Datas de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 12. Papeis avulsos de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 11. Histórias Românticas de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
COLUNAS >>> Especial Millôr Fernandes

Terça-feira, 17/4/2012
Lições que aprendi com o Millôr
Diogo Salles

+ de 5800 Acessos

"A morte mata. É sua função e ela a exerce. Ao contrário da vida. Não existe a expressão 'a vida vive'. A morte me apavora. Não só a morte final. Também, e sempre, a morte diária, o resgate, tento a tento, do tempo que me deram de vida. A hora que passa. O instante que flui. Ah, já falei tanto sobre isso. 'Morro mas morre o mundo comigo.' Que compensação!"
Millôr Fernandes (em 1958, prestes a completar 36 anos, idade que seus pais tinham quando morreram)

Por anos, me iludi com a imortalidade de Millôr Fernandes. Se é gênio, só pode ser imortal, pensei. A ilusão ruiu em fevereiro de 2011, quando o Guru do Méier sofreu um AVC isquêmico que o deixou inconsciente e internado por meses a fio. Desde então, fui me conformando com o fato de que seria só uma questão de tempo. Mas, se consegui evitar o choque ao receber a notícia de sua morte, não consegui evitar a tristeza. Até fiz minha homenagem na charge do dia, mas não consegui escrever na hora. Não saiu nada. Uma confusão de sentimentos me impediu. Se meu trabalho de estivador do traço fosse um edifício, é certo que esta pilha de livros da foto acima seria seu alicerce de sustentação. Estranho pensar que uma pessoa com quem jamais tive qualquer contato pessoal pudesse ter tamanho efeito sobre mim. Millôr era para mim o que Paulo Francis era para o Julio Daio Borges, editor deste site. Millôr era para mim o que George Orwell era para Christopher Hitchens. O que Muddy Waters era para Keith Richards. O que Ritchie Blackmore era para Yngwie Malmsteen. Enfim, sua simples presença ― ainda que precária e combalida ― era como um dique de contenção contra o oceano da imbecilidade. Agora o dique se rompeu e teremos de nos virar sem ele...

Naquele dia tão triste, a única coisa que me alegrou ― e me surpreendeu ― foi receber de amigos mensagens de "pêsames". Foi estranho, até. Parecia que eu era parente dele (até meus pais ligaram, para vocês terem uma ideia). Me senti como aqueles fanáticos fazendo vigília pelo Steve Jobs. Dias depois, já com a cabeça no lugar, finalizei e publiquei um material especial sobre o Millôr, que eu vinha trabalhando nos meses anteriores. A caricatura, uma alusão à Bíblia do caos, saiu no Caderno2 do Estadão e foi trabalhada minuciosamente com tinta acrílica. Já o texto saiu no blog e era mais factual, pois nele eu sustentava a minha tese: "Millôr é o cânone do humor". Fiquei muito feliz pelos elogios que recebi pelo trabalho. Todos parecem ter entendido o quanto ele foi importante para mim. Fiquei lisonjeado também com o elogio da Cora Rónai no Twitter: "Uma das melhores coisas, se não a melhor, que se escreveu sobre ele. Você foi dos poucos (pouquíssimos) a entender o Millôr."

Mas, afinal, por que esse fascínio, essa fixação pelo Millôr?, você pode perguntar. Para compreender melhor esse sentimento, voltemos ao ano de 2008. Depois de anos percorrendo toda a sua obra (exceto o teatro), tentei mensurar o quanto essas leituras me mudaram. Acalentei o sonho de ir ao Rio para conhecê-lo pessoalmente. Uma ingenuidade, óbvio. Acreditei que meus amigos cariocas pudessem intermediar o encontro, mas a ideia não foi adiante. De qualquer maneira, senti a necessidade de escrever o que estava sentindo. E precisava homenageá-lo ainda em vida. Não queria pegar carona em homenagens póstumas, porque isso qualquer um faz. Aí, em 2009, surgiu o "Especial Gênio", aqui mesmo no Digestivo Cultural. Era a oportunidade perfeita. Foi quando publiquei este texto, apelidando-o de "Gênio do Caos". Não sabia se ele veria, não pensei nisso na hora. Dias depois, soube que o Julio encaminhou o link por e-mail ao próprio Millôr e ele respondeu. Tergiversando, claro.

Meses depois, quase caí pra trás quando vi meu texto reproduzido no "sáite" oficial do mestre. Para mim, foi a prova de que ele gostou. E isso bastou. Só em saber que, por um pequeno espaço de tempo, ele parou para ler algo que eu tinha escrito, já valeu mais do que tentar bater na porta dele. Melhor assim, né? Se meu único objetivo com o tal encontro era tietá-lo, seria constrangedor demais (para ele, obviamente).

Então, voltando à pergunta inicial, por que Millôr? Ora, se Millôr foi capaz de mudar a vida de tantos leitores, imaginem um leitor cartunista e escrevinhador. Ler sua obra completa foi um privilégio e me valeu muito mais do que todos aqueles anos de "estudo" que desperdicei entre o colegial e a faculdade. Millôr foi decisivo na minha formação, ampliou minha percepção sobre as coisas. Penso muito nele quando vou fazer uma charge ou escrever um texto. Às vezes, não consigo evitar a pergunta "o que o mestre diria sobre isso?" Muitas de suas frases ficaram grudadas na minha cabeça. "Viver é desenhar sem borracha", para começar. Uma frase que engloba tantos sentidos. Se pensarmos metaforicamente, a borracha pode ser qualquer coisa que tira a liberdade do artista. Pode ser um crítico, pode ser um editor, um leitor, a sociedade. Ou, num contexto político, um censor. E desenhar é a liberdade, um tema caro ao mestre. Ele mesmo dizia que nunca lhe poderiam dar liberdade, apenas tirá-la dele. "A liberdade é um cachorro vira-lata" ― aí está. A liberdade absoluta é também marginal, pois não pode ser comprometida com o establishment.

Na crítica política, Millôr dava uma aula. "Democracia é quando eu mando em você; ditadura é quando você manda em mim." Ou "Quem se curva aos opressores mostra a bunda aos oprimidos." É também libertador ler suas frases ironizando ideologias ("Cada ideologia tem a inquisição que merece."), idealismos ("Desconfio de todo idealista que lucra com seu ideal.") e religião ("Deus foi muito bem sucedido no Brasil. Mas fracassou totalmente nos brasileiros.").

Sempre admirei o Millôr pela forma como ele fustigou o poder e enfrentou censuras. Juscelino, Jânio, Jango, os milicos, Collor, Itamar, FHC e Lula. Mas nenhum deles foi tão alvejado quanto José Sarney, "uma pessoa abúlica, um usurpador metafísico, sem nenhum sentido ético". Depois de assumir o poder "por elevação", Millôr sentenciou: "Sir Ney; nunca ninguém governou tão mal tão bem." Millôr atacava-o em todos os seus papéis: o presidente, o oligarca, o senador, o literato imortal. Neste último, duas frases resumem tudo: "Há várias décadas Sarney escreve todos os dias. Espantoso, ainda não conseguiu preencher o espaço entre ele e a literatura."

No noticiário que cobriu a morte do Millôr, descobri que, por trás do gênio-iconoclasta-cético, existia também um homem comum que cometeu seus erros de julgamento. Num dos melhores vídeos resgatados nestas homenagens post-mortem, a entrevista que ele concedeu ao programa Roda Viva em 1989 é reveladora. Entre outras coisas, ele fala de seu apoio a Leonel Brizola nas eleições para governador do Rio de Janeiro em 1982 (depois ele se tornaria um de seus críticos mais ferozes) e tece elogios a Waldir Pires, do PMDB. Foi curioso ver esse Millôr mais jovem, mais combativo, mais indignado ("o humor é fruto da indignação") e, principalmente, exposto a suas próprias falhas. E foi surpreendente ver que, sim, ele se incomodava com críticas ― algo que eu jamais poderia imaginar.

Mas nada disso significa que eu queira emular o Millôr. Ainda estou buscando o meu traço, mas já sei que é completamente diferente do dele. E meu jeito de escrever também. Qualquer tentativa de me comparar ou de imitá-lo seria ridiculamente pretensiosa de minha parte. Minha inspiração no mestre é conceitual, na forma como ele encarou a arte, a política, a sociedade, a vida. A forma como ele viu o mundo mudou a minha forma de vê-lo. Não encontrei respostas para nada. Ele mesmo ensinou que, ao invés de responder perguntas, temos de perguntar respostas. Tento fazer isso diariamente, mas a meu modo, com charges no jornal e textos no blog.

Várias coisas que eu não compreendia, várias coisas que passei minha vida lutando contra, Millôr conseguia colocar tudo em perspectiva. Às vezes com uma crônica, às vezes com um desenho, às vezes até com uma frase. Não encontrei verdades absolutas, pois ― ele advertiu ― estas não existem. Seu poder de sintetizar a vida e, ao mesmo tempo, fazer uma forte crítica social já me serviam como um direcionamento e suscitavam todos os grandes questionamentos que qualquer pessoa sensata deve fazer. As ilusões, as abstrações, os falsos ideais, os modelos de "felicidade" e consumo que a sociedade impõe; sem falar dos títulos e honrarias que o homem dá a si mesmo para que a sociedade o tenha como alguém respeitável e bem sucedido... Todas essas coisas, tão almejadas pelo homem médio, adquirem uma desimportância brutal. Eis a lição quintessencial do mestre: a paz da descrença.

Millôr se foi, mas sua obra fica. E que sorte a nossa ele ter produzido tão intensamente durante seus 88 anos de vida. Por isso, à medida que a tristeza vai embora, fica um enorme sentimento de gratidão. E não são só artistas, jornalistas e humoristas que devem a ele. Todos aqueles que buscam independência, visão crítica e contestação lhes serão eternamente gratos. Obrigado, mestre. Obrigado por nos mostrar o caminho, por nos inspirar. Obrigado por combater com tanto vigor a burrice histórica que impera neste país. Obrigado por nos libertar dessa pasmaceira, dessa letargia mental em que vivemos. Seus livros são volumes que formam a enciclopédia do livre pensamento. Um horizonte de pesquisa e reflexão. Chegou a hora de reler tudo. E quem se recusa a pensar/viver por procuração, recomendo que faça o mesmo. Afinal, dizia o mestre, "livre pensar é só pensar".

Nota do Editor
Leia também "Millôr Fernandes, o gênio do caos".


Diogo Salles
São Paulo, 17/4/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dicas para a criação de personagens na ficção de Marcelo Spalding
02. Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo de Ricardo de Mattos
03. Iniciantes, de Raymond Carver de Alysson Oliveira
04. A cidade e as serras de Ana Elisa Ribeiro
05. A análise da narrativa de Gian Danton


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles
01. Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B - 22/7/2011
02. Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas - 20/9/2007
03. Eric Clapton ― envelhecendo como um bluesman - 9/2/2010
04. Solidariedade é ação social - 2/12/2008
05. Millôr Fernandes, o gênio do caos - 17/2/2009


Mais Especial Millôr Fernandes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ÉROS A GUERRA PELO TRONO
RALPH WILLIANS
NOVO SÉCULO
(2014)
R$ 10,00



QUEM MANDA EM MIM SOU EU
FANNY ABRAMOVICH
ATUAL
(1989)
R$ 10,00



POLÍTICA CIENTÍFICA - 2698
HEITOR G. DE SOUZA/ DARCY F. DE AMEIDA/ CARLOS ...
PERSPECTIVA
(1972)
R$ 10,00



MANUAL COMPACTO DE FÍSICA - TEORIA E PRÁTICA
ALESSANDRA BOSQUILLA E MÁRCIO PELEGRINI
RIDEEL
(2003)
R$ 10,00



LA CHATTE - 8572
COLETTE
LE LIVRE DE POCHE
(2004)
R$ 10,00



FENG SHUI PRÁTICO E RÁPIDO
HELEN SPALTER; ROSANE STREICHER
MADRAS
(1998)
R$ 10,00



O FILÓSOFO + O IMPERADOR - 9535
ANNABEL LYON
LEYA
(2010)
R$ 10,00



EROS E PSIQUE A ALMA APAIXONADA
CARLOS ALBERTO DE CARVALHO
AO LIVRO TÉCNICO
(2002)
R$ 10,00



PRANTO POR IGNACIO SÁNCHES MEJÍAS - EDIÇÃO BILINGUE (POESIA ESPANHOLA)
FEDERICO GARCÍA LORCA
FLUMEN
(2016)
R$ 10,00



A INFORMAÇÃO NO RÁDIO. OS GRUPOS DE PODER E DETERMINAÇÃO DOS CONTEÚDOS
GISELA SWWTLANA ORTRIWANO
SUMMUS EDITORIAL
(1985)
R$ 10,00





busca | avançada
71136 visitas/dia
2,4 milhões/mês