Philip Roth e a marca humana | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
27782 visitas/dia
955 mil/mês
Mais Recentes
>>> MANU LAFER APRESENTA SHOW NOBODY BUT YOU - TRIBUTO A KIKA SAMPAIO
>>> Sesc Belenzinho recebe a banda E a Terra Nunca me Pareceu Tão Distante
>>> Sesc Belenzinho recebe a atriz e cantora Zezé Motta
>>> Psicólogo lança livro de preparação para concurseiros usando a Terapia Cognitiva-Comportamental
>>> O Sertão na Canção: Guimarães Rosa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
Últimos Posts
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
>>> Nem só de ilusão vive o Cinema
>>> As Expectativas de um Recrutador e um Desempregado
>>> A Independência Angolana além de Pepetela
>>> Porque dizer adeus?
>>> Direções da véspera IV
>>> Direções da véspera IV
>>> A pílula da felicidade
>>> Dispendioso
>>> O mês do Cinemão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Memorial de Berlim
>>> The Good Life
>>> O Natal quase sempre é um problema
>>> O físico que era médico
>>> O historiador das idéias
>>> Maria Antonieta, a última rainha da França
>>> Gentili sobre o 7 a 1
>>> Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana
>>> Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
>>> O petista relutante
Mais Recentes
>>> Margarida La Rocque: a Ilha dos Demônios de Dinah Silveira de Queiroz pela Record (1991)
>>> Três famílias: identidades e trajetórias transgeracionais nas classes populares de Luiz Fernando Dias Duarte e Edlaine de Campos Gomes pela FGV (2008)
>>> Crítica da Divisão do Trabalho de André Gorz pela Martins Fontes (2001)
>>> O Mais Belo País é o Teu Sonho de Flávio Moreira da Costa (autografado) pela Record (1995)
>>> O sociologo e o historiador de Pierre Bourdieu e Roger Chartier pela Autentica (2011)
>>> Em defesa da sociologia de Anthony Giddens pela Unesp (2001)
>>> Irmã Morte de Justo Navarro pela Record (2011)
>>> Caos Total de Jean-claude Izzo pela Record (2002)
>>> Medicina Sexualidade e Natalidade de Henrique Augusto Lima (autografado) pela Byk (1999)
>>> Crônicas inéditas 2 de Manuel Bandeira pela Cosac Naify
>>> Adivinhadores de água de Eduardo Escorel pela Cosac Naify (2005)
>>> Flávio de Carvalho: Espaços da Arte Brasileira de Luiz Camillo Osorio pela Cosac Naify (2009)
>>> Cultura e materialismo de Raymond Williams pela Unesp (2011)
>>> O Eixo do Mal Latino-Americano e a Nova Ordem Mundial de Heitor de Paola pela Observatório Latino (2016)
>>> Marca, Imagem e Reputação: a Trajetória de Sucesso de Pessoas e Empresas de Fernanda de Carvalho e Francisco Britto e Richard House pela Da Boa Prosa (2012)
>>> Clarice, uma Biografia de Benjamin Moser pela Cosac Naify (2015)
>>> Um Barril de Risadas, um Vale de Lágrimas de Jules Feiffer pela Cia das Letras (2008)
>>> Inelegibilidades no Direito Brasileiro de Joel J. Cândido pela Edipro (2003)
>>> Recursos em matéria eleitoral de Tito Costa pela Revista dos Tribunais (2004)
>>> Direito Eleitoral & Questões Controvertidas de Antônio Carlos Martins Soares pela Lumen Juris (2008)
>>> Langage et pouvoir symbolique de Pierre Bourdieu pela Editions Fayard (2001)
>>> Les Règles de l'art de Pierre Bourdieu pela Editions du Seuil (1998)
>>> Princípios Estruturantes das Agências Reguladoras e os Mecanismos de Controle de Alexandra da Silva Amaral pela Lumen Juris (2008)
>>> Homo Academicus de Pierre Bourdieu pela Les Editions de Minuit (2005)
>>> A criança e a mídia: imagem, educação, participação de Cecilia Von Feilitzen; Ulla Carlsson pela Cortez (2002)
>>> Circulação internacional e formação intelectual das elites brasileiras de Ana Maria Almeida; Letícia Canêdo, Afrânio Garcia; Agueda Bittencourt pela Unicamp (2019)
>>> Crimes eleitorais de Suzana de Camargo Gomes pela Revista dos Tribunais (2008)
>>> Delegação e Avocação Administrativas de Regis Fernandes de Oliveira pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> Probidade administrativa. Comentários à Lei 8.429/92 e legislação complementar de Marcelo Figueiredo pela Malheiros (2004)
>>> Inquérito Policial & Competências e Nulidades de Atos de Polícia Judiciária de Anderson Souza Daura pela Juruá (2008)
>>> Agora e Para Sempre Lara Jean de Jenny Han pela Intrínseca (2017)
>>> Michael Kohlhaas de Heinrich Von Kleist pela Grua (2014)
>>> Perícias judiciais de engenharia. Doutrina. Prática. Jurisprudência de Francisco Maia Neto pela Del Rey (1999)
>>> A Lição do Mestre de Henry James pela Grua (2014)
>>> Chega de Plástico de Varios Autores pela Sextante (2019)
>>> Os Doze Mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2011)
>>> O Outro de Bernhard Schlink pela Record (2009)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink pela Novas Páginas (2013)
>>> Abaixo de Zero de Bret Easton Ellis pela Rocco (1987)
>>> Suítes imperiais de Bret Easton Ellis pela Rocco (2011)
>>> Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2013)
>>> Ação de Impugnação de Mandato Eletivo de José Rubens Costa pela Del Rey (2004)
>>> O Milagre de Nicholas Sparks pela Agir (2010)
>>> Zona de Perigo de Shirley Palmer pela Best Seller (2003)
>>> Da anulação ex officio do ato administrativo de João Antunes dos Santos Neto pela Fórum (2004)
>>> O Misterioso Caso de Styles de Agatha Christie pela Abril Cultural (1983)
>>> Conexões de Varios Autores pela Abril (2016)
>>> A Quarta Vítima de Théo Iemma pela Scortecci (2005)
>>> Crianças da Noite de Juliano Sasseron pela Novo Século (2011)
>>> Macunaíma de Mário de Andrade pela Ciranda Cultural (2016)
COLUNAS

Sexta-feira, 14/2/2003
Philip Roth e a marca humana
Julio Daio Borges

+ de 9900 Acessos

"Depois de cinco anos eu já havia me tornado perito em recortar cirurgicamente meus dias de tal modo que cada hora daquela minha existência em que nada acontecia tivesse sua importância para mim. Sua necessidade. Até mesmo sua animação. Eu não me permitia mais o hábito pernicioso de desejar uma coisa, e a última coisa que eu queria voltar a ter, pensava eu, era a companhia constante de uma pessoa. A música que ouço após o jantar não tem o propósito de me aliviar do silêncio, porém representa uma espécie de concretização do próprio silêncio: ouvir música durante uma ou duas horas todas as noites não me priva do silêncio - a música é a própria realização do silêncio. No verão, nado por meia hora na minha lagoa assim que me levanto, e no resto do ano, depois de passar a manhã escrevendo - a menos que a neve inviabilize minha caminhada -, percorro as trilhas da serra durante umas duas horas quase todos os dias. O câncer que levou minha próstata não voltou. Tenho sessenta e cinco anos e estou fisicamente bem, trabalhando bastante - e estou sabendo das coisas. Tenho de estar sabendo."
(Philip Roth, A marca humana, Companhia das Letras, 2002, págs. 62-63)

No livro, o trecho acima é atribuído a Nathan Zuckerman, o alter ego de Philip Roth. Mas poderia muito bem ser associado ao próprio - ou seja: a Roth, um escritor norte-americano de origem judaica, nascido em 1933, que, junto a Saul Bellow, Norman Mailer e John Updike, está entre os maiores dos Estados Unidos hoje. (Entre os maiores do mundo, diga-se de passagem.) Em 2002, Roth publicou The Dying Animal, mas como no Brasil estamos defasados em aproximadamente um livro, a Companhia das Letras soltou, no mesmo ano, A marca humana (ou The Human Stain, sua realização anterior), com tradução de Paulo Henriques Britto. Encerra-se assim, em Terra Brasilis, a trilogia dedicada à América, que teve início com Pastoral americana (1998), passou por Casei com um comunista (2000) e agora se fecha com A marca humana (2002).

E quais seriam os argumentos para se atravessar as mais de 450 páginas de A marca humana, justamente sem ter lido as duas obras predecessoras? Primeiro e mais óbvio de todos: a trilogia não implica numa continuação ("cada volume é independente e pode ser lido em separado"). Segundo e mais espinhoso: Philip Roth é um grande escritor. Agora, o que significa dizer isso hoje - numa época em que a convivência com escritores, em geral, é escassa e a capacidade de avaliar entre o bom, o ruim e o médio normalmente passa ao largo? Traduzindo: alguém atualmente sabe reconhecer o grande e - principalmente - valorizá-lo comme il faut? Muito provavelmente: não. Resta-nos, portanto, a tarefa árdua de tentar demonstrar a grandeza contida em A marca humana. (Ouve-se, subitamente, a voz do espírito de porco: - Mas se o autor é tão enorme assim não deveria ser menos tortuoso afirmá-lo? Ainda mais com palavras? Pois é, espírito de porco: é aí que você se engana, é justo aí que você se engana...)

O centro das atenções de Philip Roth - ou melhor, de Nathan Zuckerman -, desta vez, é Coleman Silk. Aparentemente um professor aposentado de letras clássicas, vítima da onda do politicamente correto que patrulha a produção intelectual contemporânea - quando procura Zuckerman para escrever sua história. A marca humana, portanto, poderia ser entendido como um libelo contra a correção política - mas é muito mais que isso. Os resenhistas tupiniquins não chegaram nem até esse ponto. Ativeram-se a temas menores, e mais picantes, que igualmente rondam o livro. Um deles, por exemplo, remete ao uso do Viagra. Coleman, um decano "fora de combate" aos 71 anos, redescobre o furor sexual, graças ao remédio, e graças a uma faxineira (sim, uma faxineira) de 34 anos e mil e uma utilidades. Conforme foi dito, esse é um dos aspectos menores do livro. É, aliás, por causa também disso que Coleman Silk cai nas garras dos patrulheiros e pede ajuda a Zuckerman.

No fundo, Roth, quando fala do Viagra ou até de Monica Lewinsky, não está preocupado em entrar na moda, como se pode pensar. Acontece que, além de compor os grandes painéis que sempre compôs, pinça exemplos de anos recentes, precisamente para ilustrar, de modo mais presente, a perda de uma certa humanidade fundamental e os estertores de uma sociedade engessada por conceitos, regras e códigos. Assim, ao tratar do despertar sensual de seu protagonista septuagenário, sugere o resgate de uma parcela irredutível do ser humano: a sexualidade. "Sem Viagra eu teria a dignidade de um senhor idoso, livre do desejo, bem-comportado. Eu não estaria fazendo uma coisa sem sentido. Não estaria fazendo uma coisa indigna, imprudente, impensada e potencialmente desastrosa pra todas as partes envolvidas" (págs. 47-48). E sobre o affair Clinton: "Você sabe o que o Kennedy diria a ela [Monica Lewinsky] se ela viesse pedir emprego? Sabe o que o Nixon diria? O Truman, até mesmo o Eisenhower diria a ela. (...) Eles diriam a ela que não só não davam o emprego que ela pedia, mas que também ninguém nunca mais ia dar emprego nenhum a ela, o resto da vida. (...) Que o pai dela ia perder a freguesia, que ele também ia ficar sem trabalho. A mãe dela nunca mais ia conseguir trabalho, o irmão dela nunca mais ia conseguir trabalho, ninguém na família dela nunca mais ia conseguir ganhar um tostão, se ela pensasse em contar a história" (págs. 192-193).

(Repetindo: as referências às ditas atualidades são apenas um aperitivo para o que está por vir; pisamos então agora no terreno que os nossos críticos literários deixaram para trás.) Além das evidentes acusações de assédio sexual e abuso de poder, que assombram o voluptuoso Coleman Silk, já afastado da vida acadêmica, o ex-professor ainda carrega a pecha de racista. Antes de exonerar-se, uma vez ao se referir a alunos ausentes, usando o termo spooks (desconhecidos, espectrais, fantasmagóricos), acabou crucificado quando se revelou que os mesmos estudantes eram negros. (Em inglês: spook também designa alguém que seja da raça negra, só que pejorativamente.) Silk ignorava essa informação e viu, contra si, ser movida toda uma campanha - que culminou com o seu voluntário afastamento. Ou seja: os guardiões das palavras, os mesmos que instituíram obrigatoriedades como o tal "afro-americano", jamais perdoaram o descuidado Coleman - e decidiram arruiná-lo. A grande ironia, porém, imposta por Philip Roth, e que faz toda a diferença, é a seguinte: Coleman Silk, em sua origem, era negro também.

Mas não um negro qualquer: um negro sem traços negróides muito visíveis, inclusive com uma tonalidade de pele que o permitia - em algumas ocasiões - passar-se por branco. Foi aplicado o golpe de mestre. A idéia é fenomenal - e só Roth mesmo para implementá-la. Coleman Silk, nascido de uma família negra, com pais e irmãos efetivamente negros, descobre muito cedo as vantagens de ser branco aos olhos da sociedade - e decide sê-lo desde então. Entra para a Marinha (como branco) e, por causa disso, vai estudar na NYU. Lá, começa namorar uma louraça de ascendência nórdica. Apaixona-se, apresenta-a à família, mas, ao descobrir a verdadeira verdade sobre o seu negro passado, a namorada some de vez e não retorna suas ligações nunca mais. Coleman então rompe com sua família e vai casar-se com uma judia. Têm filhos, mas nega à sua mãe (a avó) e aos seus irmãos (os tios) o direito de conhecê-los. E vice-versa: torce para que nenhum deles nasça negro, mentindo-lhes sempre, desde a infância, sobre suas origens espúrias. ("'Você nunca vai deixar que eles me vejam', prosseguiu sua mãe. 'Nunca vai deixar eles saberem quem eu sou'. 'Mamãe', você vai me dizer, 'vá à estação rodoviária de Nova York, fique sentada na sala de espera, que às onze e vinte e cinco eu passo com os meus filhos, todos eles endomingados.' Vai ser esse o meu presente de aniversário daqui a cinco anos. (...) E você sabe muito bem que eu vou estar lá. (...) O que você disser, é claro que eu vou fazer. Você me diz que a única maneira de eu pegar os meus netos é você me contratar pra tomar conta deles, dizendo que meu nome é sra. Brown, e eu aceito. (...) É claro que eu faço o que você me mandar. Eu não tenho opção" [pág. 179].)

Assim, a tragédia de Coleman Silk, um especialista em Sófocles, um sujeito que havia se virado do avesso para encontrar um lugar ao sol, é ser mortalmente ferido por uma acusação de racismo - movida por dois alunos negros, alimentada fartamente por seus inimigos, e abraçada pela diretora do seu departamento, uma antagonista empedernida, a francesa Delphine Roux. A ela, Roth dedica uma boa quantidade de páginas. Parece ser o seu alvo preferido: a típica doutorazinha emancipada, forjada nos "lycées das elites". Derretendo-se pelo tcheco Milan Kundera, deleitando-se na leitura de Julia Kristeva, freqüentando as exposições de Jackson Pollock - a caricatura mais perfeita do câncer que, em décadas, conseguiu sucatear o ensino superior nos Estados Unidos. ("Muitíssimo bem preparados, com excelentes contatos no meio intelectual, muito inteligentes, imaturos, tendo recebido a forma mais esnobe de formação que a França tem a oferecer, preparando-se com afinco para serem invejados a vida inteira, podem ser encontrados nas noites de sábado (...) falando sobre temas grandiosos, jamais mencionando nenhuma trivialidade ou amenidade - só idéias, política, filosofia. (...) Intelectual não pode ser frívolo. Vive para pensar. A lavagem mental que sofreram pode tê-los tornado agressivamente marxistas ou agressivamente antimarxistas, mas, qualquer que seja o caso, têm horror congênito a tudo o que é americano" [pág. 241].)

É Delphine Roux quem atormenta Coleman Silk, através de cartinhas anônimas, quando este se envolve sexualmente com a faxineira analfabeta, Faunia, cuja idade equivale a menos da metade da sua. Mas não é a discípula de Simone de Beauvoir quem vai desferir-lhe o golpe de misericórdia; nem mesmo os partidários da political correction. Seu carrasco honorário será Lester Farley, um ex-combatente do Vietnã: o antigo marido de Faunia, que ainda não havia entrado na história. Les, para os íntimos, é o último grande mergulho de Philip Roth na caracterização de uma personagem complexa e exemplarmente simbólica do caráter norte-americano atual. Entre os pesadelos de uma guerra que para ele não acabou, Farley alterna sua existência entre surtos de violência (termina responsável pelo incêndio que mata seus dois filhos com Faunia) e atividades de um bucolismo inacreditável (como quando, nas derradeiras páginas de A marca humana, explica sua técnica de pescar num lago congelado). Perseguidor incansável das paixões e dos casos da ex-mulher, segundo suposição de Nathan Zuckerman (o nosso narrador), atira seu caminhão contra o carro de Coleman e este, sem alternativa, acidenta-se fatalmente, arrastando consigo sua companheira final: Faunia.

É de se imaginar o tipo de esgotamento físico pelo qual passou o autor, depois de compor esse ciclo monumental, em que A marca humana é apenas a terceira (e última) parte. Passado o terremoto, ainda teve fôlego para mais um livro (quem diria...). Recentemente, Philip Roth foi aos jornais declarar que estava encantado com o 11 de setembro - e que Nova York, a seu ver, voltara a ser uma cidade interessante (naqueles instantes decisivos em que o mundo, desarvorado, esperava apenas pela próxima explosão). Não se sabe se ele terá tempo, nem paciência, para retratar os acontecimentos dos Estados Unidos da América pós-World Trade Center. Também não importa. Sua literatura, que parece inesgotável em abarcar toda a sorte de banalidades e, ainda assim, permanecer essencial, paira, além de outros clássicos (seus), já publicados em português - o que não o converte, exatamente, numa novidade no mercado editorial. Mas, como suas panorâmicas são sempre revigorantes, convém tratá-lo com a reverência de um realizador de porte e a avidez de quem devora incessantemente o novo.

"Nós deixamos uma marca, uma trilha, um vestígio. Impureza, crueldade, maus-tratos, erros, excrementos, esperma - não tem jeito de não deixar. Não é uma questão de desobediência. Não tem nada a ver com graça nem salvação nem redenção. Está em todo mundo. Por dentro. Inerente. Definidora. A marca que está lá antes do seu sinal. Mesmo sem nenhum sinal ela está lá. A marca é tão intrínseca que não precisa de sinal. A marca que precede a desobediência, que abrange a desobediência e confunde qualquer explicação e qualquer entendimento. Por isso toda essa purificação é uma piada. E uma piada grotesca ainda por cima. A fantasia da pureza é um horror. É uma loucura. Porque essa busca da purificação não passa de mais impureza."
(Philip Roth, A marca humana, Companhia das Letras, 2002, pág. 308)

Para ir além


Julio Daio Borges
São Paulo, 14/2/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel de Renato Alessandro dos Santos
02. O jornalismo cultural na era das mídias sociais de Fabio Gomes
03. Retratos da ruína de Elisa Andrade Buzzo
04. Aquarius, quebrando as expectativas de Guilherme Carvalhal
05. Quando (não) li Ana Cristina César de Ana Elisa Ribeiro


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2003
01. Freud e a mente humana - 21/11/2003
02. Frida Kahlo e Diego Rivera nas telas - 25/4/2003
03. A internet e as comunidades virtuais - 24/1/2003
04. Rubem Fonseca e a inocência literária perdida - 16/5/2003
05. Cabeça de papel - 23/9/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A BORBOLETA DE GRAVATA
BEBETE ALVIM
PAULUS
(1996)
R$ 11,00



A CONSTRUÇÃO DA JUSTIÇA: CRÔNICA DE UMA TRAIÇÃO ANUNCIADA
VALDIR PIETRE
SERMOGRAF
R$ 18,28



A BOLSA OU A VIDA - A DÍVIDA EXTERNA DO TERCEIRO MUNDO: AS FINANÇAS CONTRA OS POVOS
ERIC TOUSSAINT
FUNDAÇÃO PERSEU ABRAMO
(2002)
R$ 12,50



CRIATIVIDADE E GRUPOS CRIATIVOS - VOLUME I - DESCOBERTA E INVENÇÃO
DOMENICO DE MASI
SEXTANTE RIO DE JANEIRO
(2005)
R$ 19,00



THE POWER AND THE GLORY
GRAHAM GREENE (CAPA DURA)
WILLIAM HEINEMANN (LONDON)
(1952)
R$ 23,00



O ISLÃ NO BRASIL: OS MUÇULMANOS IMIGRANTES E O ISLAMISMO EM SÃO PAULO
LEANDRO MOREIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING
PHILIP KOTLER
PEARSON
(2000)
R$ 7,00



CRÔNICAS DO REINO DA FANTASIA 02 - A PORTA ENCANTADA
ARTHUR TELLMAN
FUNDAMENTO
(2013)
R$ 30,00



LITERATURA PORTUGUESA DA IDADE MÉDIA A FERNANDO PESSOA
JOSÉ DE NICOLA
SCIPIONE
(1997)
R$ 12,00



PRINCIPIOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA
LAWRENCE J. GITMAN
HARBA
(1997)
R$ 25,00





busca | avançada
27782 visitas/dia
955 mil/mês