Impressões do jovem Engels | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
72040 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Meu tio
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Tarde, de Paulo Henriques Britto
>>> Curitiba
>>> O Leitor Apaixonado, livro de Ruy Castro
>>> Carta de um jovem contestador
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Breve História do Cinismo Ingênuo
>>> Minha cartomante não curte o Facebook
>>> Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo
Mais Recentes
>>> Acaiaca de Marilusa Moreira Vasconcellos / Tomás Antônio Gonzaga pela Radhu (1998)
>>> Astrologia - Prática e Profissão de Stephen Arroyo pela Pensamento (1984)
>>> La Independência Del Paraguay Y El Império Del Brasil de R. Antonio Ramos pela Fundação Alexandre Gusmão (2016)
>>> A Anti-história das Mensagens Co-piadas de Luciano dos Anjos pela Laymarie (2009)
>>> Cidades da Noite Escarlate de William Burroughs pela Siciliano (1995)
>>> A Fé Explicada aos Jovens Volune 1 de Rey-Mermet pela Paulinas (1979)
>>> O Caminho de Jesus Exercícios Espirituais de Pe Pius T Sidegum pela Fonte (2012)
>>> A Vida Mística de Jesus de H Spencer Lewis pela Rosacruz (1991)
>>> O Mistério da Trindade de Alexandre Palma pela Paulinas (2018)
>>> A Fé na Periferia do Mundo de Leonardo Boff pela Vozes (1978)
>>> Diálogos com a Geração Z Fronteiras Educação – Nº 01 - Ano 1 – Cultura, Religião e Liberdade de Sônia Montaño pela Associadas (2010)
>>> A Fé Explicada de Leo J Trese pela Quadrante
>>> O Grande Conflito de Ellen G White pela Casa Publicadora Brasileira (2005)
>>> Diálogos com a Geração Z Fronteiras Educação – Nº 03 - Ano 1 – Inteligência Artificial e o Cérebro no Futuro de Sônia Montaño e Juliana Szabluk pela Associadas (2010)
>>> Instrução Geral Sobre o Missal Romano de J Aldazábal pela Paulinas (2012)
>>> Parábolas e Ensinos de Jesus de Cairbar Schutel pela O Clarim (1993)
>>> Dicionário das Religiões de John R. Hinnells pela Cultrix (1984)
>>> Catecismo da Igreja Católica de Daniel Sant'anna / Rosane Guedes pela Vozes / Loyola / Paulinas (1993)
>>> Curso Básico de Espiritismo 2 Ano de Federação Espírita do Estado de São Paulo pela Feesp (2006)
>>> Flamengo - o Vermelho e o Negro de Ruy Castro pela Ediouro (2005)
>>> The Importance of Being Earnest + 2 Cds de Oscar Wilde pela Macmillan Readers (2020)
>>> A Roupa e a Moda - Uma História Concisa de James Laver pela Companhia das Letras (1996)
>>> Photoshop para Fotografia Digital - Guia sem Mistério de Scott Kelby pela Ciência Moderna (2005)
>>> Supernatural: o Livro dos Monstros, Espíritos, Demônios e Ghouls de Alexander H. Irvine pela Gryphus (2010)
>>> Maria da Glória - A Princesa Brasileira Que Se Tornou Rainha de Portugal de Isabel Stilwell pela Octávio (2012)
>>> Nunca é Tarde para Mudar de Mônica de Castro pela Academia (2018)
>>> A Senhora - Gracia Nasi e a Saga dos Judeus no Século XVI de Catharine Clément pela 34 (2001)
>>> 1968 o Ano Que Não Terminou de Zuenir Ventura pela Objetiva (2013)
>>> Superação da Lógica Classificatória e Excludente da Avaliação 2ªed. de Celso Dos S. Vasconcellos pela Libertad (1998)
>>> A Prática Educativa Como Ensinar de Antoni Zabala pela Artmed (1998)
>>> Masculino e Feminino no Imaginário Católico de Zaíra Ary pela Annablume (2000)
>>> A Bíblia A História de Deus e de Todos Nós de Roma Downey / Mark Burnett pela Sextante (2014)
>>> O sujeito da educação - Estudos Foucaultianos de Tomaz Tadeu Da Silva pela Vozes (2002)
>>> A Reencarnação Segundo a Bíblia e a Ciência de José Reis Chaves pela Martin Claret (1998)
>>> Fundamentos de Filosofia de Manuel Garcia Morente pela Mestre Jou
>>> Fundamentos de Matemática Elementar Volume 2 Logaritmos de Gelson Iezzi / Osvaldo Dolce / Carlos Murakami pela Atual (2004)
>>> As Estruturas da História de Christopher Lloyd pela Jorge Zahar (1995)
>>> Introdução à Filosofia História e Sistemas de Roberto Rossi pela Loyola (1996)
>>> A Felicidade Paradoxal de Gilles Lipovetsky pela Companhia das Letras (2007)
>>> Consiência e Cosmos de Menas Kafatos / Thalia Kafatou pela Teosófica (1994)
>>> Matemática Temas e Metas Volume 3 Sistemas Lineares e Combinatória de Antonio dos Santos Machado pela Atual (1986)
>>> Matemática Temas e Metas Volume 2 Trigonometria e Progressões de Antonio dos Santos Machado pela Atual (1986)
>>> Aventuras no marxismo de Marshall Berman pela Companhia Das Letras (2001)
>>> Cartas do Cárcere 4ªed. de Antonio Gramsci pela Civilização Brasileira (1991)
>>> Resumo dos cursos do collège de france 1970-1982 de Michel Foucault pela Jorge Zahar (1997)
>>> Socialismo - Impasses e Perspectivas de César Benjamin e outros pela Scrita (1992)
>>> Revolting Rymes N1 - de Roald Dahl pela Puffin Books (2015)
>>> O Avesso do Trabalho de Ricardo Antunes/ Maria A. Moraes Silva (Orgs.) pela Expressão Popular (2004)
>>> Odisseia de Homero de Ana Maria Machado pela Atica (2015)
>>> Iracema -Lenda do Ceara de Jose de Alencar pela Sol-no final do livro traz questionario e respostas - coleção vestibular (2010)
COLUNAS

Sexta-feira, 28/9/2012
Impressões do jovem Engels
Celso A. Uequed Pitol

+ de 3400 Acessos

O jovem alemão Friedrich Engels estava com a vida feita. Rico, bem-nascido numa das mais prósperas famílias de Bremen, cultíssimo - já na adolescência havia escrito vários poemas e aprendido idiomas estrangeiros - e de boa aparência, foi designado pelo pai para cuidar dos negócios da família em Manchester, na Inglaterra. Não era pouco: Manchester era o maior centro industrial do mundo, a cidade das chaminés e das máquinas que abastecia os quatro cantos do planeta de tecidos, produtos químicos, trilhos de trem e muito mais. Abrir um escritório naquela cidade representava, na época, mais ou menos o mesmo que, hoje, abrir um em Nova York, Los Angeles ou Chicago. Era, enfim, o tipo de emprego que qualquer pai zeloso gostaria de dar para o filhão. E para lá se foi o jovem Engels, armado com algumas garrafas de vinho do Porto, várias cartas das namoradas, seus melhores ternos e, é claro, livros - muitos livros. Obras de Hegel, Feuerbach, Bruno Bauer, Max Stirner e de muitos outros grandes nomes da maior glória que sua pátria fragmentada e instável podia ostentar naqueles tempos: a filosofia alemã.

E não qualquer filosofia. Uma filosofia crítica, crente no poder da razão humana, pronta para sair das modorrentas páginas dos compêndios, agarrar o leitor pelo pescoço e convencê-lo, às sacudidas, de que ficar ali parado não ajudava nada a mudar um mundo cuja principal característica era a contínua transformação, o contínuo devir, a contínua e incessante luta de opostos. Era preciso participar. E o século XIX, época da Revolução Industrial, do progresso técnico sem limites, do aumento desmedido de riquezas, oferecia uma oportunidade ímpar para um jovem como ele tomar parte do comboio da História. Engels e seus amigos - entre os quais contava um judeu irritadiço chamado Karl Marx - logo perceberam que o progresso gerava uma imensa massa de despossuídos como nunca a humanidade havia visto . Descobrir qual o papel dessa massa dentro da História tornou-se logo uma de suas principais preocupações. Assim sendo, ir a Manchester, o coração do capitalismo do século XIX, tinha um sentido todo especial para ele, tanto quanto para seu pai. Só que o velho não desconfiava que o garotão Friedrich, por trás dos belos ternos, do sorriso fácil e encantador, dos bons modos de gentleman e do ar um tanto dândi, escondia dentro de si um socialista revolucionário.

Foi assim que Engels chegou a Manchester em 1842. Estava interessado tanto nas condições que levaram a Inglaterra à dianteira do mundo capitalista quanto no destino que este mundo deixava para a classe trabalhadora, assunto de primeira ordem no seu círculo intelectual. Mas falar do povo pobre era uma coisa. Outra bem diferente era vê-los ao vivo. E não deve ter sido agradável a experiência do menino bem alimentado ao ver in loco aquela gente maltrapilha, homens, mulheres e crianças sujos de graxa e pó, magros, de olhos afundados e pele ressecada pelo frio e pela desnutrição perambulando pelas ruas dos distritos mais pobres das cidades. Na sua Alemanha natal, bem menos industrializada, o pobre vivia no campo, frequentemente em casinhas estilo enxaimel, cercada por agradáveis jardins e uma pequena horta de onde a família tirava a sua alimentação básica. O lavrador alemão - assim como o artesão, o carpinteiro e o tecelão - trabalhava e via o resultado do seu trabalho em suas mãos, ou, no máximo, nas mãos do patrão. Lá viviam, sim, alguns operários pobres, que Engels havia visto de longe em uma ou outra visita à fábrica do pai. Mas nada comparável àquele povo extenuado, abrutalhado pelas 14 horas diárias de trabalho ininterrupto que ele via na avançadíssima Inglaterra. E o pior é que não podia fazer muito por eles, já que estas pessoas eram nada menos do que os seus empregados - ou seja, por mais pesada que fosse a sua consciência, era necessário tocar a firma e, para tocar a firma, precisava deles. O fraco estômago do bem-nascido jovem da Renânia tinha de aguentar aquelas barbaridades durante o dia de trabalho. Mas só durante o dia. Quando o expediente acabava, Engels tomava uma charrete para sua casa num bairro rico de Manchester, sentava à escrivaninha, molhava a pena na tinta e começava a escrever, indignado, aquilo que viria a ser o seu primeiro livro: A situação da classe trabalhadora na Inglaterra, publicado no Brasil pela editora Boitempo.

Não foi uma tarefa fácil. Apesar do ardor de jovem rico e sensível que via a pobreza extrema pela primeira vez - algo facilmente perceptível pelo tom indignado que Engels emprega na maior parte do texto -, a confecção do livro exigiu dele um pouco mais do que o senso de justiça, a arguta observação empírica e a retórica de grande escritor. Em sua escrivaninha, ao lado do tinteiro e da pena, pousavam dezenas de relatórios de inspetores de fábricas, denúncias de instituições de caridade, recortes de reportagens de jornais ingleses, anuários estatísticos e trabalhos de pesquisa social então incipientes, porém muito úteis como fonte de pesquisa. É bem provável que Engels fosse, naquela altura, o dono da mais rica documentação sobre a exploração dos trabalhadores ingleses de toda a Grã-Bretanha, complementada pelas suas próprias observações pessoais sobre o estado dos bairros proletários das principais cidades do país. E dessas observações A situação da classes trabalhadoras na Inglaterra está cheio. Em nenhum outro momento as qualidades de Engels como escritor e jornalista aparecem tão claramente como quando ele fala das cidades e das paisagens rurais inglesas:

"A área lanígera do West Riding, no Yorkshire, é encantadora: uma sucessão de verdes colinas, cujas elevações se tornam mais e mais abruptas na direção oeste até culminarem na crista escarpada de Blackstone Edge, divisória entre o mar da Irlanda e o mar do Norte. O vale do Aire, onde se situa Leeds, e o do Calder, percorrido pela ferrovia Manchester-Leeds, contam-se entre os mais sugestivos da Inglaterra, semeados por fábricas, vilas e cidades; as casas cinzentas de pedra, limpas e atraentes, comparadas às construções de tijolos cobertos de fuligem do Lancashire, são graciosas à vista. "

Este é um momento especialmente agradável do livro. Engels gentilmente convida o leitor para viajar pela Merry Old England de céu cinzento e terra verdejante, conhecer suas metrópoles e suas cidadezinhas, passear pelas suas ruas principais. Quando quase nos sentimos capazes de respirar o agradável ar dos parques e das praças, ele nos devolve à terra com duros apontamentos sobre a miséria dos bairros pobres, a desnutrição, as mortes pela fome e as vidas gastas diante das máquinas. Nesses momentos, Engels dá, na maior parte das vezes, voz aos jornais, revistas e relatórios. Quando fala do que viu nas fábricas em suas andanças pela Inglaterra, não consegue conter a revolta interior e proclama, em altos brados, "que deverá explodir uma revolução diante da qual a primeira Revolução Francesa e 1794 serão uma brincadeira de crianças".

Não deixa de ser curioso. Engels viveu o suficiente para ver aquele país então francamente revolucionário de 1842 transformar-se no povo mais pequeno-burguês do planeta, preferindo os confortos do capitalismo moderado às refulgentes palavras dos socialistas revolucionários. Na introdução da obra ele aponta que, antes da Revolução Industrial, os trabalhadores ingleses "ganhavam para suprir suas necessidades e dispunham de tempo para um trabalho sadio no seu jardim ou em seu campo, trabalho que para eles era uma forma de descanso; e podiam, ainda, com seus vizinhos, participar de passatempos e distrações". O progresso roubou-lhes tudo isso. Ora, o que eles queriam era, apenas, voltar a ter essa vida - com alguns reparos, alguns ganhos advindos do desenvolvimento tecnológico, algumas facilidades urbanas, mas, essencialmente, essa vida - que é a que têm hoje, passado século e meio de discursos, palanques, reuniões canceladas pela polícia, prisões de seus líderes e a conclusão, com a chegada do líder operário James Keir Hardie ao parlamento, no fim do século XIX, de que era melhor deixar essa coisa de revolução de lado e garantir o dinheiro do pint de cerveja e dos ingressos para os jogos do Liverpool e do Manchester United. Os operários ingleses, que Engels e depois seu amigo Marx tanto louvariam e enxergariam como células das revoluções do porvir, seriam os primeiros a renegarem definitivamente o marxismo.

Não podemos culpá-los. O marxismo - que é o que Engels defende, mesmo sem, à época, ter tido maiores encontros com Karl Marx - tem pressupostos pelo menos duvidosos e promete um resultado nada animador. Afirma que todas as criações do espírito humano são decorrência direta ou indireta da estrutura econômica da sociedade em que vivem e que a consciência humana é, direta ou indiretamente, produto dessa mesma estrutura, dando pouco espaço para bobagens pequeno-burguesas como gênio individual ou livre-iniciativa. Por outro lado, promete um futuro de ditadura , em que os soi-disant proletários tomarão as rédeas dos destinos da Humanidade. Não faltam bons motivos para os trabalhadores preferirem o jogo do seu time preferido à ditadura do proletariado, assim como não faltam bons motivos para os intelectuais não levarem as palavras de Marx e Engels a sério. Pouco adiantaram os avisos de um Lúkacs, que, preocupado com as generalizações que via os críticos do marxismo fazerem, diferenciava esta forma de marxismo, que ele chamava de "vulgar", do verdadeiro marxismo ortodoxo, que nada tinha de determinista e mecânico como seus críticos queriam fazer crer: já em 1940, Edmund Wilson mandava essa diferenciação às favas ao dizer, secamente, que todo marxismo é vulgar. E não é difícil concordar com ele. Por mais que Lukács diga que a estrutura econômica não é o que determina diretamente as criações do espírito, o fato é que os seus próprios ensaios sobre literatura dão verdadeiras aulas de economia e vinculam tanto a obra quanto a biografia do escritor às circunstâncias de época. Por mais que um Nelson Werneck Sodré concorde com Lúkacs, ele escreveu uma História da Literatura Brasileira onde o leitor aprende, com detalhes, os números da importação de escravos para a Bahia e não lemos um só poema de Gregório de Matos Guerra. Por mais que todos eles pensem que o marxismo é muito mais aberto e refinado do que o mau entendedor pensa, que não é bem assim essa história de determinismo econômico, que isso não passa de manobra dos pensadores burgueses (como se o termo "pensadores burgueses" já não fosse interpretação mecânica a partir da economia...), a grande verdade é que a base econômica, em última instância, acaba sempre por preponderar no desenvolvimento político, jurídico, filosófico, religioso e literário, mesmo que estes reajam sobre aquela e vice-versa. E isto foi dito por ninguém menos do que o próprio Engels, numa carta escrita - vejam só - para refutar a idéia de que o materialismo histórico era determinista.

A situação das classes trabalhadoras na Inglaterra traz em germe esta ideia central do marxismo. Para Engels, tudo o que os operários - e os burgueses - pensam e a maneira como agem decorre única e exclusivamente da situação social em que se encontram. Isto é discutível? Provavelmente. Mas discutamos, então: qual a melhor maneira para analisar corretamente aquela época? Não parece claro que, quando se trata da classe dos totalmente despossuídos, dos semi-escravizados, dos que têm de contar os últimos pence para comprar pão preto para a família esfomeada, as condições econômicas são a causa prepoderante do seu comportamento? E que tudo o que eles falem, pensem e façam deriva, direta ou indiretamente, de uma situação-limite onde o lado econômico prepondera? E mais: não parece claro que, quando uma sociedade, como a da Inglaterra de 1842, é claramente constituída de duas classes com interesses diametralmente diferentes, estamos falando de uma verdadeira luta de classes? Difícil contradizer. Pois, por tudo de mau que temos para dizer do marxismo, é certo que não podemos nunca mais esquecer da importância dos meios de produção e as condições materiais da existência para o estudo de uma época, lição que grandes como Max Weber, Karl Mannhein, Benedetto Croce e tantos outros não-marxistas souberam receber. Da mesma forma procederam muitos marxistas declarados, capazes de ler e reler os trabalhos de Marx, rejeitando sem medo aquilo que já não serve ou nunca serviu e acolhendo o que deve e pode ser acolhido: é o caso de um Benjamin, de um Labriola, de um E.P. Thompson ou de um Hobsbawm, para quem A situação das classes trabalhadoras na Inglaterra era nada menos que "um marco na história do capitalismo" e "uma obra-prima". E não é de outra maneira que devemos saudá-lo hoje: como um grande livro de historiador, um relato pulsante de um momento decisivo e uma denúncia que, passado século e meio, permanece atual e interessante. Temos, assim, o privilégio de ler um documento escrito por alguém que não só viveu aquela época como trabalhou para mudá-la radicalmente. E, no fim das contas, foi o que este jovem rico, culto e de boa aparência conseguiu: mudar radicalmente o mundo. Mesmo que não da maneira como chegou a imaginar.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 28/9/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait
02. De Middangeard à Terra Média de Celso A. Uequed Pitol
03. On the Road, 60 anos de Luís Fernando Amâncio
04. Eleições nos Estados Unidos de Marilia Mota Silva
05. Dando nome aos progres de Celso A. Uequed Pitol


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol
01. Dom Quixote, matriz de releituras - 8/3/2005
02. Um olhar sobre Múcio Teixeira - 12/2/2019
03. O Orkut é coisa nossa - 16/2/2006
04. A profecia de Os Demônios - 6/1/2005
05. Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração - 29/5/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PENGUIN ENGLISH READER
ALBERT LEVINE
PENGUIN BOOKS
(1971)
R$ 7,90



O VIOLINO MÁGICO
FTD
FTD
R$ 6,90



VIDA E POESIA DE OLAVO BILAC
FERNANDO JORGE
EXPOSIÇÃO DO LIVRO
R$ 5,00



DECORAÇÃO DE JANELAS -
LUXAFLEX
LUXAFLEX
(2007)
R$ 19,90



O PRÊMIO
IRVING WALLACE
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 7,00



O FOTÓGRAFO
DOUGLAS KENNEDY
RECORD
(1999)
R$ 17,00



O DESAFIO BRASILEIRO
MURILO MELO FILHO
BLOCH
(1971)
R$ 5,00



APRENDA DO GRANDE INSTRUTOR
ASSOCIAÇÃO TORRE DE VIGIA DE BIBLIAS E TRATADOS
WATCHTOWER BIBLIE AND TRACT
(2006)
R$ 5,00



HISTÓRIA DA AMÉRICA
RAYMUNDO CAMPOS
ATUAL
R$ 5,00



A MULHER É AMAR
ARTHUR DA TÁVOLA
FIVESAR
(2005)
R$ 9,99





busca | avançada
72040 visitas/dia
2,1 milhões/mês