A internet e as comunidades virtuais | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FÁBRICA DE CALCINHA, PARTE DA MOSTRA CENA SUL, EM TRÊS APRESENTAÇÕES NO SESC BELENZINHO
>>> PROJETO MÚSICA EXTREMA, DO SESC BELENZINHO, TRAZ EM MARÇO A BANDA REFFUGO, DE DEATH METAL
>>> ESPETÁCULO DE DANÇA ENCHENTE, COM DIREÇÃO DE FLAVIA PINHEIRO (PE), EM TRÊS DATAS NO SESC BELENZINHO
>>> EU e MÁRIO DE ANDRADE Livro de Anotações para Viagens Reais e Imagin
>>> Atom Pink Floyd Tribute retorna ao Rio Grande do Sul
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Prefácio
>>> Descendências
>>> Nem mais nem menos
>>> Profissão de fé
>>> Direções da véspera III
>>> Mirante
>>> In Albis
>>> Mulher, ontem hoje e sempre
>>> Amor, entre o céu e o fardo
>>> O Estranho Mundo Atual que Julgamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Festival da Mantiqueira
>>> Eleições
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Por que ler poesia?
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> Os superestimados da música no Brasil
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Influências da década de 1980
Mais Recentes
>>> A Mulher Carioca aos 22 Anos de João de Minas pela Dantes (rj) (1999)
>>> O Poder Constituinte 3ª Edição de Manoel Gonçalves Ferreira Filho pela Saraiva (1999)
>>> Questões Comentadas de Direito Ambiental de Terence Trennepohl e Natascha Trennepohl pela Juspodivm (2008)
>>> Máximo de Mínimos: Poesia Reunida de Elcio Fonseca pela Autor (2004)
>>> Acidente de Trabalho e Moléstias Profissionais de J R Feijó Coimbra pela Edições Trabalhistas (rj)
>>> O Direito e os Advogados nos Eua de Erwin N. Griswold pela Forense (rj) (1967)
>>> Crise e Escritura : uma Leitura de Clarice Lispector e Vergílio de Ivo Lucchesi pela Forense Universitária (1987)
>>> Denunciação da Lide no Direito Processual Civil Brasileiro de Sydney Sanches pela Revista dos Tribunais (sp) (1984)
>>> Estados Unidos - Textos Acadêmicos de Fundação Alexandre de Gusmão pela Fundação Alexandre de Gusmão (2008)
>>> Depositário Judicial de Edilton Meireles pela Lejus (1999)
>>> Crimes Contra a Honra de Marcelo Fortes Barbosa pela Malheiros (1995)
>>> Pragmática da Violência: o Nordeste na Mídia Brasileira de Daniel do Nascimento e Silva pela 7 Letras e Faperj (rj) (2012)
>>> Coisas de Menino (edição 2009) de Eliane Ganem pela José Olympio (2010)
>>> Processo Tributário 2ª Edição de Paulo Cesar Conrado pela Quartier Latin (2007)
>>> Capitalismo e Força de Trabalho de Seminário Ufbahia - 1983 pela Ufba (1983)
>>> Lart Medieval: Histoire de Lart de Elie Faure pela Livre de Poche (1964)
>>> A Cpi Municipal - 4ª Edição de Jose Nilo de Castro pela Del Rey Books (2000)
>>> Educação para o Século XXI de Jorge Cardelli, Miguel Duhalde e Laura Maffei pela Instituto Polis (sp) (2003)
>>> Fundamentos Filosóficos de La Clinica Homeopática de Dra Maria Clara Bandoel pela Albatros Ediciones (1986)
>>> Pensando o Espaço e o Território na Metrópole do Rio de Janeiro de Antonio de Ponte Jardim pela Autor (rj) (2007)
>>> A Politica Positiva e Seus Commentadores de Alfredo Severo pela Jornal do Commercio (rj) (1941)
>>> Portugal no Presente de Joaquim José Freire Lagreca pela Indústria Gráfica (1975)
>>> Time Out Amsterdam de Time Out pela Time Out (1995)
>>> Enciclopédia Estudo: 1500 Palavras Quarta Edição de Américo Areal (edição Portuguesa) pela Asa (1989)
>>> Revista de Filosofia Nº117 Jan Junho de 2008 de Ufmg pela Ufmg (2008)
>>> El Quarto Protocolo de Frederick Forsyth pela Plaza e Janes (1984)
>>> Superdotados & Psicomotricidade de Rosa M. Prista pela Vozes (petrópolis, Rj) (1993)
>>> Ensino a Distância: Módulo 2 - Questões e Exercícios Navegação de Ministério da Marinha, Diretoria de Portos pela Dir de Portos e Costa (mm) (1996)
>>> Del Libro y Su Historia de Gaston Litton pela Bowker (buenos Aires, Argentin (1971)
>>> A Outra Face do Coronel de Antônio José do Couto Soares pela Bagaço (2001)
>>> The New Nineteenth-century European Paintings And de Gary Tinterow, Susan Alyson e Barbara Burn (comp.) pela Metropolitam Museum (n. Y.) (1993)
>>> O Advogado Perante a Previdência e a Assistência Social no Brasil de Francisco Costa Netto (dedicatória) pela Casa do Advogado (1976)
>>> Windsurf: Prancha À Vela de Jean-luc Marty pela Ediouro (tecnoprint - Rj) (1982)
>>> Ii Simpósio Nacional Sobre Aterosclerose Coronária de J. Eduardo M. R. Sousa (editor); Lylian Vasco pela Ayesrst Sp) (1973)
>>> Paraísos Fiscais (capa Dura) de Alexis Cavicchini (editor) pela Tama (sp)
>>> Português sem Segredos de Miriam Margarida Grisolia e Renata C Shorgia pela Madras (2004)
>>> Ministério Público: Provas e Concursos de Glauber Tatagiba (org) pela Del Rey (belo Horizonte) (2004)
>>> O Dicionário do Futuro: as Tendências e Expressões Que Definirão de Faith Popcorn e Adam Hanft pela Campus (2002)
>>> Autos de Devassa da Inconfidência Mineira Volume 1 de Câmara dos Deputados pela Câmara dos Deputados (1976)
>>> Autos de Devassa da Inconfidência Mineira Volume 8 de Câmara dos Deputados (vol 8) pela Câmara dos Deputados (1976)
>>> Eduquer En Seduquant de Louis Evely pela Presto Print (bruxelas)
>>> Londres: Citypack Guia + Plano de Louise Nicholson; El País pela El País (2011)
>>> Abraham Lincoln: the War Years (1864-1865) Vol 3 de Carl Sandburg pela A Laurel (1963)
>>> Pour et Contre Saussure: Vers Une Linguistique Sociale de Louis Jean Calvet pela Petite Bibliotheque (1975)
>>> Court Serpent de Bernard Du Boucheron pela Gallimard Blanche (2004)
>>> Padrão de Balanços de Carlos Sanmartin e Solano Carlos Sanmartin pela Autor (rj) (1974)
>>> La Bourse des Valeurs et les Opérations de Bourse de Gaston Défossé e Yves Flornoy (12 Edition) pela Presses Universitaires (paris) (1984)
>>> La Otan... a Lo Claro 2ª Edicion de Luís Otero (elaboracion) pela Editorial Popular (madri) (1981)
>>> Perfect Phrases For Motivating and Rewarding Employees Second Ed de Harriet Diamond, Linda Eve Diamond pela Mcgraw-hill Education (2010)
>>> Eficácia das Normas Constitucionais Sobre Justiça Social de Celso Antônio Bandeira de Mello (relator) pela Conferência Nacional Oab (1982)
COLUNAS

Sexta-feira, 24/1/2003
A internet e as comunidades virtuais
Julio Daio Borges

+ de 15900 Acessos
+ 4 Comentário(s)

"Soluções são eventos temporários, específicos de um contexto, desenvolvido através de relacionamentos de pessoas e circunstâncias." (M.J. Wheatley)

O e-mail virou lugar-comum. Ninguém mais se lembra de quando começou a usar o e-mail. E de como o e-mail mudou sua vida. Para melhor e para pior, não importa. O fato é que não se discute muito sobre o e-mail. A internet virou, mundialmente, a vergonha nacional. Boca pequena ao falar da internet. Da graaande ilusããão da internet. Às vezes, é como se tivesse morrido. Mas as pessoas continuam usando o e-mail. Ou talvez não seja nada disso. Dizem que quando uma tecnologia é definitivamente assimilada ninguém mais fala nela. Como o telefone, por exemplo. Alguém já parou para pensar nas maravilhas que o telefone proporciona? Não. Porque ele já se instalou. Já faz parte. O que é aquilo? Ah, aquilo é o telefone. Ora, não vai me dizer que você não conhece o telefone? Você não conhece o telefone??? Telefoniii! Ô, telefone!!! Vem cá, telefone! Vem cá que eu quero te apresentar a uma pessoa...

Bom, do e-mail para as comunidades virtuais é um passo. Todo mundo já participou de uma comunidade virtual, pelo menos uma vez na vida. E se apaixonou, e amou, e brigou, e se desiludiu, e se separou - e prometeu nunca mais participar de uma comunidade virtual (na vida). [Pra mim, chega.] Existem várias teorias sobre porque as comunidades virtuais não dão certo - ou porque dão certo apenas durante algum tempo. Uma delas se refere justamente ao e-mail. O e-mail é também uma arma. [Vocês sabiam? Sabiam, lógico que sabiam.] Uma forma de se ser sincero ao extremo. O grande absurdo da franqueza. No limite da ofensa e, muitas vezes, para além da ofensa, direta e aberta. Algumas vezes, nem se falando o que realmente se pensa, mas apenas querendo ofender, pura e simplesmente. E, se Eliot estava certo, o ser humano não consegue suportar, assim, tanta realidade. As verdades (ou inverdades) vão sendo cuspidas na cara do sujeito. Com uma coragem que o remetente (do e-mail) jamais demonstraria pessoalmente. Mesmo que depois se arrependa, o e-mail já foi, já chegou, já ofendeu, já arruinou a comunidade virtual para sempre.

Jayme Teixeira Filho escreveu um livro a respeito. Comunidades virtuais (2002, 184 págs.), pela editora Senac Rio. Embora seu foco seja mais o dos negócios (como as empresas ganham ou perdem com isso), há aspectos psicológicos envolvidos. Por exemplo: Jayme Teixeira Filho tem a sua própria teoria sobre o porquê do fim das comunidades virtuais. Na verdade, ele divide o processo todo em três etapas. Inicialmente, a da "apreciação", que se subdivide em: concepção/catalisação, conexão de pessoas e compartilhamento. Em seguida, a do "ponto crítico", onde ocorre o que chama de "construção da confiança". Por fim, a "co-criação", que resulta em: colaboração, "criação de conhecimento" e renovação/morte. Ou seja: independentemente das divergências internas, da personalidade de cada participante, ou até da troca de ofensas, uma comunidade virtual está fadada a morrer, assim que percorrer o ciclo completo. Exercício findo, alguns membros manifestam sua mudança de prioridade (que não inclui mais a comunidade virtual) e tendem a se desligar. A sobrevivência do grupo depende, então, da aquisição de novos membros ou da formação de novas comunidades virtuais.

Mas por que toda essa conversa sobre comunidades virtuais, de onde vêm essas coisas? Jayme Teixeira Filho tem outra teoria a respeito. Mais amplamente, sobre a internet. Acredita que essa tecnologia e esses mundos paralelos se desenvolveram graças ao "efeito cocoon". Cocoon que, em inglês, significa casulo, no fundo, remete àquele filme de 1985 - em que extraterrestres se energizavam em cápsulas, numa piscina, na Terra, enquanto eram descobertos por velhinhos aloprados. Não é preciso ser pesquisador do assunto para saber que, atualmente, as pessoas vêm se isolando cada vez mais em suas casas - consagrando-se à fatal combinação de pizza, controle remoto e sofá. As atividades outdoor vão sendo substituídas por facilidades indoor. Os centros urbanos são superpovoados; as vias, congestionadas; há filas, e irritação, em toda parte - é preciso substituir o contato direto pelo acesso remoto. Ninguém melhor que a internet para dar conta do recado: as compras do mês vão sendo feitas via site do supermercado; as contas de banco, pagas através do home banking ou do bankline; a paquera, que antes ocorria em bares, vivida em salas de bate-papo. Nesse movimento - de juntar os que estão longe e de separar os que estão perto - a internet foi promovendo também encontros entre aficionados. Aficionados de toda sorte. Aficionados que foram se descobrindo aqui e ali, ao redor, nos recantos mais insuspeitados, nos confins do mundo. Daí nasceram as comunidades virtuais. E foram dispensadas as obsoletas "reuniões presenciais".

[Se você se espantou com a expressão, prepare-se que vem mais.] As comunidades então se estruturaram com base na lista de e-mails dos participantes. Se alguém colecionava selos comemorativos da Bielo-Rússia, poderia se juntar virtualmente com outras pessoas que faziam o mesmo, em qualquer parte do globo. Da mesma forma, quem tinha se especializado no ronco do Homem de Neandertal. Ou então quem, como o Sócrates de Aristófanes, estudava o bater das asas da mosca. De repente, por mais esquisito e solitário que o sujeito fosse, ele estava salvo (!) - e o que era melhor: por outros sujeitos iguaizinhos a ele, separados apenas por uma dessas ninharias geográficas (milhares de quilômetros de distância). E aí, vamos formar uma comunidade virtual? Dos enxadristas de computador, das bordadeiras da mão canhota, dos confeiteiros de bolo de noiva? Definido o tema, bastava escolher uma entre as opções de hospedagem no Brasil ou no exterior e, voilà, estava estabelecida a troca de mensagens, opiniões, informações, elogios e... ofensas. Claro, a débâcle não é a regra numa comunidade virtual. Jayme Teixeira Filho, inclusive, propõe que se implantem regras de etiqueta (netiqueta). Igualmente, que se crie uma "memória eletrônica", uma "enciclopédia viva", uma seção de frequently asked questions (FAQs, com as perguntas e respostas mais comuns) - facilitando o entendimento. A partir disso, está formada a "base de conhecimentos" - e ninguém mais vai segurar essa comunidade virtual.

A culpa toda é de Pierre Lévy. O inventor dessa presepada intelectual no ciberespaço. Segundo o guru francês, o telefone (aquele) é a típica comunicação um-para-um. A televisão, um-para-muitos. E a internet, muitos-para-muitos. Está instalado o caos - em que todos falam e ninguém ouve, ameaçando seriamente a Grande Rede, e a convivência nas comunidades virtuais. Jayme Teixeira Filho evoca inconscientemente Dom Pedro I, a Constituição de 1824 (outorgada), e deposita todas as suas esperanças no Poder Moderador. É uma boa aposta. Compõe o seu elenco de fatores críticos (para o sucesso da empreitada): conteúdo, abrangência, participação, divulgação e mediação. Apesar das previsões apocalípticas, e das implacáveis conclusões, as comunidades virtuais seguem se multiplicando na WWW. Até a publicação do livro, eram mais de duzentas mil no mundo. E se o conceito for estendido para os participantes de um fórum eletrônico, para os leitores de uma publicação on-line, e até para as lamentáveis correntes (e piadinhas) por e-mail, ninguém mais escapa. Quem sabe a internet não seja uma grande comunidade virtual? (Se for, onde andará o bendito moderador?) E se for mesmo, que consiga então se renovar, antes de sucumbir à mesquinhez humana.

In memorian
Este texto é dedicado a Jayme Teixeira Filho, falecido em 2002.

Para ir além






Julio Daio Borges
São Paulo, 24/1/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Piada pronta de Luís Fernando Amâncio
02. Thoreau, Mariátegui e a experiência americana de Celso A. Uequed Pitol
03. O Velho e Bom Complexo de Inferioridade de Marilia Mota Silva
04. De Siegfried a São Jorge de Celso A. Uequed Pitol
05. Como amar as pessoas como se não houvesse amanhã de Ana Elisa Ribeiro


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2003
01. Freud e a mente humana - 21/11/2003
02. Frida Kahlo e Diego Rivera nas telas - 25/4/2003
03. A internet e as comunidades virtuais - 24/1/2003
04. Rubem Fonseca e a inocência literária perdida - 16/5/2003
05. Cabeça de papel - 23/9/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/1/2003
18h57min
eu mesma me apaixonei por um amor virtual fiquei dois anos sonhando recebendo e-mails lindos sentia que aquilo me fazia bem, pois estava amando a um homem que nunca vi, mesmo assim sonhava com ele como fosse um principe encatado vivia aflita para clicar aqui e sentir todas emoções das mqnsagens fiquei triste desiludida quando um dia tudo ficou mudo não chegaram mais e-mails e me senti infeliz era como ficasse sozinha com a minha paixão dolorida sem poder falar dela para ninguem afinal era uma paixão virtual
[Leia outros Comentários de lecy]
25/1/2003
08h19min
O desafio é organizar toda essa bagunça (excesso de informação) para que a internet continue sua revolução de aproximar, quase instantaneamente, pessoas com interesses comuns, não importa em que lugar do globo estejam. É o que tentam fazer as aplicações mais bem sucedidas da internet (ICQ, o finado Napster, o bem sucedido Kazaa, o Google, etc.).
[Leia outros Comentários de Héber Sales]
5/2/2003
10h57min
amei ver a minha modesta narração ao lado do seu nome, me senti importante obrigada. ´precisamos mesmo de ter uma coluna em um cantinho qualquer no seu jornal. afinal, somos seus leitores. assim sentimos que não estamos tão abandonadas. é muito bom saber que alguem nos ouve.... mais uma vez obrigada ja tenho você uma estima especial lecy
[Leia outros Comentários de lecy maria]
18/11/2003
13h20min
A internet me escandaliza, me assusta, me diverte e me ajuda. É o lugar aonde consigo ser mais verdadeiro comigo mesmo. Sim, porque se quero mentir, tripudiar ou enganar alguém encontro ali um espaço sagrado aonde ninguém ousa pisar. A garantia? O anonimato [o doce e covarde]. [Mas aí eu não seria verdadeiro, dirão vocês.] Claro que serei verdadeiro, mas comigo mesmo. Meu "compromisso" é comigo somente. O outro, o do "lado de lá da linha", ele que se vire. Ah, que remorso me dá ... sinto que essa gaveta está mal fechada, atravessada. Mas daqui não saio. Quero ver a cor do bicho, olho no olho. Não vou correr, não [Como "ensinou" recentemente G. W. Bush]. Tenho esperança na internet. A lâmina que tira a vida não a pode salvar? A energia nuclear também não é dicotômica em suas finalidade? A internet vai ser sempre a internet. Aliás, ela só quer ser isso. Nós é que temos que ser maiores do que ela para vivermos sem medo da felicidade. Vindo para ficar, a internet é solução. Podemos aderir sem medo, ela só "mata" se puxarmos o gatilho [porque gatilho ela tem de sobra].
[Leia outros Comentários de Fernando Sorensen ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO SE ESCREVE? MORFOLOGIA SINÔNIMOS E ANTÔNIMOS VOL 6
EDUARDO PERÁCIO (COLABORADOR)
ABRIL RECREIO
R$ 5,00



DESMUNDO
ANA MIRANDA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2017)
R$ 26,90



SITUAÇÃO VACINAL DOS TRABALHADORES DA SAÚDE NUM MUNICÍPIO DO INTERIOR
JOSÉ MILTON DE SENA FILHO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



ETNOGRAFIA VIRTUAL DOS ÍNDIOS PANKARARU NO SERTÃO PERNAMBUCANO
RICARDO BITENCOURT UND JURACY MARQUES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



LUXAÇÃO CONGÊNITA DO QUADRIL EM CAMPO GRANDE/MS
AURELIO FERREIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 153,00



RECENT PAINTINGS
STEVEN CAMPBELL
RIVA YARES GALLERY
(1989)
R$ 30,00



DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DE COMPRESSIBILIDADE DO SOLO
JERFSON LIMA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



CONTROLE ATIVO DE ESTRUTURAS COMPOSTAS INTELIGENTES COM INCERTEZAS
THALES RENATO BERTOLAZZO TREVILATO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



FELIZ ANO VELHO
MARCELO RUBENS PAIVA
BRASILIENSE
(1985)
R$ 10,00



LES PIERRES PRECIEUSES
HENRI JEAN SCHUBNEL
PUF
(1968)
R$ 22,82





busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês