A internet e as comunidades virtuais | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
31589 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Leandro Sapucahy comanda Reveillon 2019 no Jockey Club/RJ
>>> Carioquíssima realiza edição de Natal na Fábrica Bhering (RJ)
>>> Vocalista da banda Big Mountain, Quino apresenta-se no Sesc Belenzinho dia 15 de dezembro
>>> Sesc Belenzinho apresenta show que celebra Declaração Universal do Direitos Humanos
>>> Mosteiro de São Bento: 50 anos da morte de Thomas Merton
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Colunistas
Últimos Posts
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
Últimos Posts
>>> A verdade? É isso, meme!
>>> Ser pai, sendo filho - poema
>>> A massa não entende
>>> ARCHITECTURA
>>> Os Efeitos Colaterais do Ano no Mundo
>>> A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I
>>> Casa de couro V
>>> Heróis improváveis telefonam...
>>> Um lance de escadas
>>> No tinir dos metais
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Desafiando o Talento, de Geoff Colvin
>>> O anti-Twitter
>>> Free, o livro, em português
>>> Tropikaos
>>> Because in the musicals nothing dreadful ever happens
>>> Feliz Ano Novo
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Existem vários modos de vencer
>>> O óbvio final de Belíssima
Mais Recentes
>>> Reinações de Narizinho de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1956)
>>> Don Fernando de Fernand Fournier-Aubry pela Robert Laffont (1972)
>>> Allie Finkle´s Rules for Girls- Moving day de Meg Cabot pela Scholastic (2009)
>>> Vie et Mort a Shanghai de nien Cheng pela Albin Michel (1987)
>>> Português- Leitura,produção, gramática ( 7 ano ) de Leila Laur Sarmento pela Moderna (2009)
>>> Um grito de Alerta de Osmar Santos pela Eu Você (1981)
>>> Vencendo a Crise - Com o bom senso empresarial pode superá-la de Thomas J Peters e Robert H Waterman pela Hárbra (1986)
>>> Educação - Criatividade e Lazer de Annita Schterg Gorodicht e Léa Porto de Abreu pela Sec de Educação e Cultura RJ (1980)
>>> O Diário de Bridget Jones de Helen Fielding pela Record (2001)
>>> L'Institut de Volupté - Roman de Fernand Kolney pela Georges-Anquetil (1926)
>>> Oeuvres de Beranger - Tomo 1 e 2 de Pierre-Jean de Beranger pela Perrotin (1857)
>>> Everymans Thesaurus of English Words and Phrases de Peter Roget e D C Browning pela J M Dent e Sons (1955)
>>> Lombre du Passé de Jeanne de Coulomb pela Gaitier e languereau (1921)
>>> La femme Dune Nuit de Alfred Machard pela Flamarion (1929)
>>> L'Amant de Lady Chatterley de D H Lawrence pela Gallimard (1932)
>>> Tom Jones de Henry Fielding pela Abril (1983)
>>> A chave de Rebecca de Ken Foller pela Círculo do Livro
>>> Histoires et Contes de la Grand Mère de Louise SW Belloc pela Garnier freres
>>> A Terceirização e o Direito do Trabalho de Sergio Pinto Martins pela Atlas (2010)
>>> Atuação do Ministério Público do Trabalho Como Árbitro de José Janguiê Bezerra Diniz pela Ltr (2005)
>>> Curso de Falência e Recuperação de Empresa de Amador Paes de Almeida pela Saraiva (2008)
>>> Exercícios de Metodologia da Pesquisa de Edivaldo M. Boaventura pela Quarteto (2017)
>>> Introdução à Teoria do Emprego de Joan Robinson pela Forense Universitária (1990)
>>> A Bruxinha Domitila e o Robô Super-tudo de Edson Gabriel Garcia pela Vozes (1985)
>>> O Hóspede Suspeito de Friedrich Scheck pela Ática (2000)
>>> O Castelo de Âmbar de Mino Carta pela Record (2000)
>>> Quando o Sofrimento Bater à Sua Porta de Padre Fábio de Melo pela Planeta (2016)
>>> Desconhecido de Machado de Assis pela Civilização Brasileira (1955)
>>> Psicopedagogia Clínica de Maria Lúcia L. Weiss pela Dp&a (2004)
>>> Porta do infinito de Carlos Castaneda pela Record (1974)
>>> O quinto compromisso, um guia prático para o autodomínio de Don Miguel Ruiz / Don José Ruiz pela Best Seller (2010)
>>> Manifesto do partido comunista de Karl Marx, Engels pela Expressão Popular (2008)
>>> Sapatos - Cronica de uma Sedução - 1900-2008 de Perla Nahun, Fernando de Barros Constanza Pascolato pela Francal (2008)
>>> A região metropolitana de Campinas: urbanização, economia, finanças e meio ambiente Vol 1 e 2 de Wilson Cano, Carlos A. Brandão pela Unicamp (2002)
>>> Informe: Análisis, adapatación y sistematización de estándares para la planificación del manejo en Iniciativas de Conservación Privada y áreas marinas costaneras protegidas de múltiples usos de Ministerio del medio ambiente, GEF, PNUD, Wildlife pela Ministerio del medio ambiente Chile (2015)
>>> Una década de luchas y propuestas Derecho Educación. La palabra de los movimientos sociales de Foro por el Derecho a la Educación Chile pela Foro por el Derecho a la Educación Chile (2015)
>>> Princípios de Direitos Autorais - Livro I - 1898/1998 de Eduardo Pimenta pela Lumen Juris (2004)
>>> Tráfico de Anjos de Luiz Puntel pela Ática (1992)
>>> Sexo se Aprende na Escola de Marta Suplicy e Antonio Carlos Egypto e outros pela Olho Dágua (2000)
>>> Disney Art Attack - Art Festa nº 1 de Disney Coleção Crie-Brinque pela Cia de Livros (2006)
>>> Tratado da Propriedade Intelectual - Tomo II - Patentes de Denis Borges Barbosa pela Lumen Juris/Direito (2014)
>>> Em Busca da Paz, Como Rezar o Rosário por Meio dos Salmos de Joan Chittister pela Paulinas (2014)
>>> Vida de Santa Teresa de Jesus de Escrita por Ela Própria pela Loyola (1984)
>>> Isla e o Final Feliz de Stephanie Perkins pela Intrínseca (2015)
>>> João Cândido, o Almirante Negro de Alcy Cheuiche pela L&PM (2010)
>>> Bela Distração de Jamie Mcguire pela Verus (2014)
>>> A Promessa do Tigre de Colleen Houck pela Arqueiro (2014)
>>> It: a coisa de Stephen King pela Suma de Letras (2014)
>>> O Amor nos Tempos do Cólera de Gabriel García Márquez pela Record (2016)
>>> Das Ciências na Filosofia: Da Filosofia nas Ciências de Jacques Monod, Louis Althusser, Jean Piaget et alli pela Rés (1975)
COLUNAS

Sexta-feira, 24/1/2003
A internet e as comunidades virtuais
Julio Daio Borges

+ de 15700 Acessos
+ 4 Comentário(s)

"Soluções são eventos temporários, específicos de um contexto, desenvolvido através de relacionamentos de pessoas e circunstâncias." (M.J. Wheatley)

O e-mail virou lugar-comum. Ninguém mais se lembra de quando começou a usar o e-mail. E de como o e-mail mudou sua vida. Para melhor e para pior, não importa. O fato é que não se discute muito sobre o e-mail. A internet virou, mundialmente, a vergonha nacional. Boca pequena ao falar da internet. Da graaande ilusããão da internet. Às vezes, é como se tivesse morrido. Mas as pessoas continuam usando o e-mail. Ou talvez não seja nada disso. Dizem que quando uma tecnologia é definitivamente assimilada ninguém mais fala nela. Como o telefone, por exemplo. Alguém já parou para pensar nas maravilhas que o telefone proporciona? Não. Porque ele já se instalou. Já faz parte. O que é aquilo? Ah, aquilo é o telefone. Ora, não vai me dizer que você não conhece o telefone? Você não conhece o telefone??? Telefoniii! Ô, telefone!!! Vem cá, telefone! Vem cá que eu quero te apresentar a uma pessoa...

Bom, do e-mail para as comunidades virtuais é um passo. Todo mundo já participou de uma comunidade virtual, pelo menos uma vez na vida. E se apaixonou, e amou, e brigou, e se desiludiu, e se separou - e prometeu nunca mais participar de uma comunidade virtual (na vida). [Pra mim, chega.] Existem várias teorias sobre porque as comunidades virtuais não dão certo - ou porque dão certo apenas durante algum tempo. Uma delas se refere justamente ao e-mail. O e-mail é também uma arma. [Vocês sabiam? Sabiam, lógico que sabiam.] Uma forma de se ser sincero ao extremo. O grande absurdo da franqueza. No limite da ofensa e, muitas vezes, para além da ofensa, direta e aberta. Algumas vezes, nem se falando o que realmente se pensa, mas apenas querendo ofender, pura e simplesmente. E, se Eliot estava certo, o ser humano não consegue suportar, assim, tanta realidade. As verdades (ou inverdades) vão sendo cuspidas na cara do sujeito. Com uma coragem que o remetente (do e-mail) jamais demonstraria pessoalmente. Mesmo que depois se arrependa, o e-mail já foi, já chegou, já ofendeu, já arruinou a comunidade virtual para sempre.

Jayme Teixeira Filho escreveu um livro a respeito. Comunidades virtuais (2002, 184 págs.), pela editora Senac Rio. Embora seu foco seja mais o dos negócios (como as empresas ganham ou perdem com isso), há aspectos psicológicos envolvidos. Por exemplo: Jayme Teixeira Filho tem a sua própria teoria sobre o porquê do fim das comunidades virtuais. Na verdade, ele divide o processo todo em três etapas. Inicialmente, a da "apreciação", que se subdivide em: concepção/catalisação, conexão de pessoas e compartilhamento. Em seguida, a do "ponto crítico", onde ocorre o que chama de "construção da confiança". Por fim, a "co-criação", que resulta em: colaboração, "criação de conhecimento" e renovação/morte. Ou seja: independentemente das divergências internas, da personalidade de cada participante, ou até da troca de ofensas, uma comunidade virtual está fadada a morrer, assim que percorrer o ciclo completo. Exercício findo, alguns membros manifestam sua mudança de prioridade (que não inclui mais a comunidade virtual) e tendem a se desligar. A sobrevivência do grupo depende, então, da aquisição de novos membros ou da formação de novas comunidades virtuais.

Mas por que toda essa conversa sobre comunidades virtuais, de onde vêm essas coisas? Jayme Teixeira Filho tem outra teoria a respeito. Mais amplamente, sobre a internet. Acredita que essa tecnologia e esses mundos paralelos se desenvolveram graças ao "efeito cocoon". Cocoon que, em inglês, significa casulo, no fundo, remete àquele filme de 1985 - em que extraterrestres se energizavam em cápsulas, numa piscina, na Terra, enquanto eram descobertos por velhinhos aloprados. Não é preciso ser pesquisador do assunto para saber que, atualmente, as pessoas vêm se isolando cada vez mais em suas casas - consagrando-se à fatal combinação de pizza, controle remoto e sofá. As atividades outdoor vão sendo substituídas por facilidades indoor. Os centros urbanos são superpovoados; as vias, congestionadas; há filas, e irritação, em toda parte - é preciso substituir o contato direto pelo acesso remoto. Ninguém melhor que a internet para dar conta do recado: as compras do mês vão sendo feitas via site do supermercado; as contas de banco, pagas através do home banking ou do bankline; a paquera, que antes ocorria em bares, vivida em salas de bate-papo. Nesse movimento - de juntar os que estão longe e de separar os que estão perto - a internet foi promovendo também encontros entre aficionados. Aficionados de toda sorte. Aficionados que foram se descobrindo aqui e ali, ao redor, nos recantos mais insuspeitados, nos confins do mundo. Daí nasceram as comunidades virtuais. E foram dispensadas as obsoletas "reuniões presenciais".

[Se você se espantou com a expressão, prepare-se que vem mais.] As comunidades então se estruturaram com base na lista de e-mails dos participantes. Se alguém colecionava selos comemorativos da Bielo-Rússia, poderia se juntar virtualmente com outras pessoas que faziam o mesmo, em qualquer parte do globo. Da mesma forma, quem tinha se especializado no ronco do Homem de Neandertal. Ou então quem, como o Sócrates de Aristófanes, estudava o bater das asas da mosca. De repente, por mais esquisito e solitário que o sujeito fosse, ele estava salvo (!) - e o que era melhor: por outros sujeitos iguaizinhos a ele, separados apenas por uma dessas ninharias geográficas (milhares de quilômetros de distância). E aí, vamos formar uma comunidade virtual? Dos enxadristas de computador, das bordadeiras da mão canhota, dos confeiteiros de bolo de noiva? Definido o tema, bastava escolher uma entre as opções de hospedagem no Brasil ou no exterior e, voilà, estava estabelecida a troca de mensagens, opiniões, informações, elogios e... ofensas. Claro, a débâcle não é a regra numa comunidade virtual. Jayme Teixeira Filho, inclusive, propõe que se implantem regras de etiqueta (netiqueta). Igualmente, que se crie uma "memória eletrônica", uma "enciclopédia viva", uma seção de frequently asked questions (FAQs, com as perguntas e respostas mais comuns) - facilitando o entendimento. A partir disso, está formada a "base de conhecimentos" - e ninguém mais vai segurar essa comunidade virtual.

A culpa toda é de Pierre Lévy. O inventor dessa presepada intelectual no ciberespaço. Segundo o guru francês, o telefone (aquele) é a típica comunicação um-para-um. A televisão, um-para-muitos. E a internet, muitos-para-muitos. Está instalado o caos - em que todos falam e ninguém ouve, ameaçando seriamente a Grande Rede, e a convivência nas comunidades virtuais. Jayme Teixeira Filho evoca inconscientemente Dom Pedro I, a Constituição de 1824 (outorgada), e deposita todas as suas esperanças no Poder Moderador. É uma boa aposta. Compõe o seu elenco de fatores críticos (para o sucesso da empreitada): conteúdo, abrangência, participação, divulgação e mediação. Apesar das previsões apocalípticas, e das implacáveis conclusões, as comunidades virtuais seguem se multiplicando na WWW. Até a publicação do livro, eram mais de duzentas mil no mundo. E se o conceito for estendido para os participantes de um fórum eletrônico, para os leitores de uma publicação on-line, e até para as lamentáveis correntes (e piadinhas) por e-mail, ninguém mais escapa. Quem sabe a internet não seja uma grande comunidade virtual? (Se for, onde andará o bendito moderador?) E se for mesmo, que consiga então se renovar, antes de sucumbir à mesquinhez humana.

In memorian
Este texto é dedicado a Jayme Teixeira Filho, falecido em 2002.

Para ir além






Julio Daio Borges
São Paulo, 24/1/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Só Cronista se Explica de Joca Souza Leão
02. Coisas que eu queria saber fazer de Ana Elisa Ribeiro
03. Marcel Proust e o tempo reencontrado de Jardel Dias Cavalcanti
04. Wagner, Tristão e Isolda, Nietzsche de Jardel Dias Cavalcanti
05. O menino mais bonito do mundo de Ana Elisa Ribeiro


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2003
01. Freud e a mente humana - 21/11/2003
02. Frida Kahlo e Diego Rivera nas telas - 25/4/2003
03. A internet e as comunidades virtuais - 24/1/2003
04. Rubem Fonseca e a inocência literária perdida - 16/5/2003
05. Cabeça de papel - 23/9/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/1/2003
18h57min
eu mesma me apaixonei por um amor virtual fiquei dois anos sonhando recebendo e-mails lindos sentia que aquilo me fazia bem, pois estava amando a um homem que nunca vi, mesmo assim sonhava com ele como fosse um principe encatado vivia aflita para clicar aqui e sentir todas emoções das mqnsagens fiquei triste desiludida quando um dia tudo ficou mudo não chegaram mais e-mails e me senti infeliz era como ficasse sozinha com a minha paixão dolorida sem poder falar dela para ninguem afinal era uma paixão virtual
[Leia outros Comentários de lecy]
25/1/2003
08h19min
O desafio é organizar toda essa bagunça (excesso de informação) para que a internet continue sua revolução de aproximar, quase instantaneamente, pessoas com interesses comuns, não importa em que lugar do globo estejam. É o que tentam fazer as aplicações mais bem sucedidas da internet (ICQ, o finado Napster, o bem sucedido Kazaa, o Google, etc.).
[Leia outros Comentários de Héber Sales]
5/2/2003
10h57min
amei ver a minha modesta narração ao lado do seu nome, me senti importante obrigada. ´precisamos mesmo de ter uma coluna em um cantinho qualquer no seu jornal. afinal, somos seus leitores. assim sentimos que não estamos tão abandonadas. é muito bom saber que alguem nos ouve.... mais uma vez obrigada ja tenho você uma estima especial lecy
[Leia outros Comentários de lecy maria]
18/11/2003
13h20min
A internet me escandaliza, me assusta, me diverte e me ajuda. É o lugar aonde consigo ser mais verdadeiro comigo mesmo. Sim, porque se quero mentir, tripudiar ou enganar alguém encontro ali um espaço sagrado aonde ninguém ousa pisar. A garantia? O anonimato [o doce e covarde]. [Mas aí eu não seria verdadeiro, dirão vocês.] Claro que serei verdadeiro, mas comigo mesmo. Meu "compromisso" é comigo somente. O outro, o do "lado de lá da linha", ele que se vire. Ah, que remorso me dá ... sinto que essa gaveta está mal fechada, atravessada. Mas daqui não saio. Quero ver a cor do bicho, olho no olho. Não vou correr, não [Como "ensinou" recentemente G. W. Bush]. Tenho esperança na internet. A lâmina que tira a vida não a pode salvar? A energia nuclear também não é dicotômica em suas finalidade? A internet vai ser sempre a internet. Aliás, ela só quer ser isso. Nós é que temos que ser maiores do que ela para vivermos sem medo da felicidade. Vindo para ficar, a internet é solução. Podemos aderir sem medo, ela só "mata" se puxarmos o gatilho [porque gatilho ela tem de sobra].
[Leia outros Comentários de Fernando Sorensen ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TEMAS BRASILEIROS--A MARGEM DA HISTORIA
EUCLIDES DA CUNHA
MARTINS FONTES
R$ 22,00



VIAGEM PELAS PROVINCIAS DO RIO DE JANEIRO E MINAS GERAIS
AUGUSTE DE SAINT HILARE
ITATIAIA
(2018)
R$ 30,00



ÉTICA E DIREITO
CHAÏM PERELMAN
MARTINS FONTES
(2003)
R$ 50,00
+ frete grátis



A VINGANÇA ESTÁ NA MODA - CAPA DO FILME
ROSALIE HAM
HARPER COLLINS BRASIL
(2016)
R$ 21,51



CORPO HUMANO, O
CAROLINE BIGHAM
GIRASSOL
(2007)
R$ 24,00



COM A PONTA DOS DEDOS E OS OLHOS DO CORAÇÃO
LEILA RENTROIA JANNONE
BRASIL
(2009)
R$ 12,00



MACROECONOMICS
CHARLES I JONES
W.W.NORTON
(2014)
R$ 90,00



20TH CENTURY LITERARY CRITICISM: A READER
DAVID LODGE
LONGMAN
(1998)
R$ 50,00



TRANSPLANTE
FRANK G. SLAUGHTER
CIRCULO DO LIVRO
R$ 6,00



O PONTO DE PARTIDA DA FELICIDADE
RYUHO OKAWA
CULTRIX
(2006)
R$ 14,90





busca | avançada
31589 visitas/dia
1,1 milhão/mês