Cabeça de papel | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
56138 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A esquerda nunca foi popular no Brasil
>>> Na minha opinião...
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
>>> VOCÊS
>>> As sombras e os muros de José J. Veiga
>>> Entrevista com o poeta Júlio Castañon Guimarães
>>> 30 de Junho #digestivo10anos
>>> Quem Resenha as Resenhas de Som?
>>> Um Lobo nada bobo
>>> MUQUIFU
Mais Recentes
>>> A Lei de Murph e os Médicos de Arthur Bloch pela Record
>>> Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos de Rubem Fonseca pela Circulo do Livro
>>> Uma Criatura Dócil de Fiodor Dostoiésvki pela Via Lettera (2017)
>>> Confissoes de uma Banda, V. 2 de Nina Malkin; Rodrigo Abreu pela Galera Record (2008)
>>> Decamerão (capa Dura) de Giovanni Boccaccio pela Abril (1970)
>>> A Freira Sangrenta do Mosteiro de Santa Catarina de T. I. Horsley Curties (publicado Anonimamente) pela Sebo Clepsidra (2021)
>>> A Interpretação dos Sonhos - Volume 1 de Sigmund Freud pela L&pm Pocket (2020)
>>> Leniza & Elis de Ariovaldo José Vidal e Joaquim Alves de Aguiar pela Ateliê (2002)
>>> Expressionismo Alemão: Coleção Von Der Heydt Museum Wuppertal de Rejane Cintrão; Outros pela Mam / Inst. Goethe (2000)
>>> Os Presidentes - Afonso Pena de Hélio Silva pela Grupo de Comunicação Três (1983)
>>> Paisagens e Problemas do Brasil de Manuel Correia de Andrade pela Brasiliense (1973)
>>> Letture Di Religione de Giuseppe Fanciulli pela Nd Ed. (1935)
>>> Viva Como Você Quer Viver de Eduardo Shinyashiki pela Gente (2004)
>>> O Exército de um Homem Só de Moacyr Scliar pela L&pm Pocket (2019)
>>> Ética e Marketing Social de Alan R. Andreasen pela Futura (2002)
>>> Amar, Verbo Intransitivo de Mário de Andrade pela Circulo do Livro
>>> Across the Universe de Beth Revis pela Razor Bill (2012)
>>> Plastic Jesus de Poppy Z. Brite pela Conrad (2002)
>>> O Grande Gatsby de F. Scott Fitzgerald; Alice Klesck pela Folha (2003)
>>> Processo Administrativo no Ambito da Administraçao de Arnaldo Esteves Lima pela Forense Universitari (2005)
>>> Guia Passo a Passo - Vinhedos e Vinhos da França de Gallimard pela Publifolha (2005)
>>> Mitologia Lovecraftiana: a Totalidade pelo Horror de Caio Bezarias pela Sebo Clepsidra (2021)
>>> Quando foi a Última Vez Que Seu Filho Disse: Eu Te Amo de Adalgisa Giannella pela Qualitymark (2012)
>>> O Mundo de Rosinha de Myrian Apparecida B. de Carvalho pela Nativa (1999)
>>> Violência e Segurança Pública de Fabio de Sá e Silva pela Perseu Abramo (2014)
COLUNAS >>> Especial Biblioteca Básica

Terça-feira, 23/9/2003
Cabeça de papel
Julio Daio Borges

+ de 12600 Acessos

Como sou da geração televisão (cresci nos anos 80), minha "formação literária", digamos assim, se deu basicamente através dos jornais. Como não havia internet na época, eles foram minha "janela para o mundo".

Também o meu trabalho no Digestivo Cultural me aproximou dos jornalistas. Eram eles o meu modelo. Fizeram não só a minha cabeça, mas também a de todos aqueles que hoje escrevem na Web brasileira.

Assim, é natural que eu comece por eles (pelos jornalistas), ao indicar quais foram (e ainda são), para mim, os livros fundamentais.

A primeira influência que me ocorre é o Paulo Francis. Acontece, porém, que nenhum livro dele capta o que ele "foi" nos jornais. Então indico Waaal (1996), que é da época em que eu respirava Paulo Francis. Na minha opinião, ele foi o sujeito que tirou do jornalismo brasileiro (principalmente do cultural) o "complexo de vira-lata". Ele era pretensioso (no bom e no mau sentido) e discutia as grandes questões. Não fazia média e tinha horizontes largos. Civilizou muita gente com seu trabalho, embora poucos admitam.

Depois, quase junto, ou "quase antes", o Nélson Rodrigues (que eu insisto em grafar com acento, respeitando o original). Este me foi apresentado pelo Ruy Castro (de quem eu falo mais adiante), quando editava, para a Companhia das Letras, toda a obra jornalística do Anjo Pornográfico. Nélson tem um dos melhores textos do "português brasileiro" e nunca encontrei nada dele que fosse "ruim". Além de gênio do teatro, ele foi gênio da palavra, e eu não hesitaria em colocá-lo como o maior escritor brasileiro do século XX (considerando Machado de Assis como do século XIX). Uma boa introdução ao Nélson é O óbvio ululante (1993); foi por onde comecei, e não parei mais.

Logo em seguida, na minha "trinca" de influências, vem um "escritor de verdade" (não-jornalista). É o Rubem Fonseca. Hoje, no meu conceito, ele passa por uma reavaliação, mas, em termos de ficção, foi quem me mostrou "que era possível". Rubem Fonseca indubitavelmente abriu um caminho que não existia: retomou a temática urbana, quando a literatura brasileira parecia "perdida para sempre" no reino do regionalismo. Sem ele, não haveria nada do que estamos vendo (no cinema) e lendo (nos livros). Nesse meio tempo, vá de O buraco na parede (1995).

O Ruy Castro eu não lembro de ter "descoberto"; acho que ele sempre foi uma presença constante. Junto com o Fernando Morais (a seguir), praticamente inventou a biografia no Brasil. Você pode ler "de olhos fechados": O anjo pornográfico (1992), Estrela solitária (1995) e Chega de saudade (1990), o meu favorito. Além disso, Ruy Castro criou toda uma mitologia em torno do Rio dos anos 50 e 60. Se hoje o Tom Jobim, o Vinicius de Moraes e a turma da Bossa Nova são o que são neste País, foi por causa do Ruy. Do alto de sua cobertura no Leblon, ele preserva a alma encantadora das ruas do Rio de Janeiro.

Já o Fernando Morais, escreveu um dos livros que mais me marcou: Chatô: o rei do Brasil (1994). O Assis Chateaubriand, para além das questões "éticas", sempre me fascinou por ser um homem de ação. Recomendo veementemente a leitura de Chatô; pelo menos para entender como um menino do interior do Nordeste, que demorou a falar, teve poderes de imperador no Brasil e nos legou uma das melhores galerias de arte do mundo: o Masp.

Saindo do rol dos brasileiros, eu citaria Kafka, que foi uma descoberta relativamente recente (o que não me impediu de ter lido quase tudo dele). Certamente eu devo esse "admirável mundo novo" kafkiano ao Modesto Carone. (Se você quiser saber a importância que tem um bom tradutor, compare as edições "antes" e "depois" de Modesto Carone.) Kafka - para além do viés interpretativo de querer relacioná-lo aos horrores da Segunda Guerra Mundial - é um autor universal. Ainda que de sua pena tenham saído muitos clássicos, para mim, Carta ao pai (1919) é insuperável.

E eu tenho uma teoria particular sobre Kafka: acho que ele saiu todo de dentro de Dostoiévski. Impossível não relacionar as descrições da São Petersburgo de Raskolnikov com as da Praga de Josef K. Assim, não é difícil adivinhar que, no meu ponto de vista, Fiódor Dostoiévski é o maior de todos. E Os irmãos Karamásov (1881), o maior entre todos (os livros). Perfeitamente construído, retrata a ascensão e a queda da espiritualidade no Ocidente, do século XIX em diante; ombreando-se com Nietzsche.

Agora vamos a outros três que eu considero "leituras básicas", embora não sejam necessariamente as minhas preferidas.

Começando por Oscar Wilde. Se você quiser compreender o "culto à personalidade" de hoje, tem de ler Wilde. Ele conseguiu a façanha de ser maior que a própria obra. O Retrato de Dorian Gray (1891) foi, para mim, um divisor de águas; e eu ficava decorando as falas de Lord Henry. Também recomendo De Profundis, uma das cartas confessionais mais bem escritas de todos os tempos. E as frases dele, que são ótimas.

Outra "leitura básica" é George Orwell, que resumiu o ocaso da individualidade (do homem comum) em 1984. Foi publicado em 1949 e é lamentável que continue tão atual. Não para Orwell, que merece muito mais; mas para nós, que continuamos vivendo sob o jugo dos "Big Brothers" da vida.

E a terceira "leitura básica", e minha última dica, é O Estrangeiro (1942), de Albert Camus. Li em francês e fiquei bestificado. Também fala da nossa existência como "autômatos": sem sentimentos, sempre "ao sabor do vento", com a eterna impressão de que "tudo foi em vão". Tem a abertura clássica do sujeito que não se lembra se a mãe morreu naquele dia ou no dia anterior. Por aí, já dá para imaginar o que virá.

Fico nesses dez. Lembrando sempre que, para nós mortais, livros e leituras são felizmente intermináveis.

Nota do Editor
Texto especialmente composto para integrar a seção "Biblioteca Ideal" da Livraria Cultura.


Julio Daio Borges
São Paulo, 23/9/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sobre a literatura de Evando Nascimento de Jardel Dias Cavalcanti
02. Uma alucinação chamada dezembro de Luís Fernando Amâncio
03. G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
04. Silêncio e grito de Ana Elisa Ribeiro
05. Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2003
01. Freud e a mente humana - 21/11/2003
02. Frida Kahlo e Diego Rivera nas telas - 25/4/2003
03. Rubem Fonseca e a inocência literária perdida - 16/5/2003
04. A internet e as comunidades virtuais - 24/1/2003
05. Cabeça de papel - 23/9/2003


Mais Especial Biblioteca Básica
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Robin Hood - Bookworms Starters
John Escott
Oxford University Press
(2001)



Livro - Macunaíma, o Herói sem Nenhum Caráter
Mário de Andrade
Itatiaia
(1997)



O Círculo
Dave Eggers
Companhia Das Letras
(2017)



O Primeiro Quadrante
Bartyra Soares; Everaldo M. Veras; Jose N.
Assessoria Editorial do Nordes



The Lost Gate
Orson Scott Card
Tor Books
(2010)



Um Visitante do Futuro
Odete de Godoy
Scor Tecci
(2012)



Look
Thassia Naves
Arte Ensaio
(2014)



Conecte Matemática 2 - 1ª Ed.
Gelson Iezzi
Saraiva
(2011)



Guia Prático da Saúde Familiar
Dr. James F. Fries / Dr. Donald M. Vickery
Alegro
(2005)



Cabul no Inverno
Ann Jones
Novo Conceito
(2011)





busca | avançada
56138 visitas/dia
1,8 milhão/mês