Cabeça de papel | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
59122 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 14ª Visões Urbanas tem Urbaninhas com quatro espetáculos para crianças
>>> Visões Urbanas permanece online em sua 14ª edição
>>> Ensaios Perversos traz papo cabeça com drag, performances e festa pra dançar
>>> Chega a São Paulo projeto cultural que vai levar teatro a crianças de seis estados
>>> Clube do Disco - Os Saltimbancos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Kindle, da Amazon
>>> God save the newspapers!
>>> O Prêmio Nobel para Mario Vargas Llosa
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> Ser intelectual dói
>>> A invenção da imprensa
>>> Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 3
>>> Coetzee, um escritor inventivo
>>> O vampiro de almas
>>> 7º Cordas na Mantiqueira, em São Francisco Xavier
Mais Recentes
>>> O Livro Perigoso para Garotos de Conn Iggulden e Hal Igguden pela Record (2007)
>>> Morro dos Ventos Uivantes de Emily Brontë pela Principis (2020)
>>> História Universal Em 9 Volumes de H. G. Wells pela Companhia Ed Nacional (1968)
>>> Primeiros Socorros de Dráuzio Varella pela Claro Enigma (2011)
>>> 10% Mais Feliz de Dan Harris pela Sextante (2015)
>>> Comédias Brasileiras de Verão de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2009)
>>> Redação Descomplicada de Carlos Pimentel pela Saraiva (2008)
>>> Cavalo de Tróia 1 - Jerusalém de J. J. Benitez pela Planeta (2008)
>>> História Moderna e Contemporânea de Leonel Itaussu A. Mello - Luis Cesar A. Costa pela Scipione (2001)
>>> The Strange Case of Dr Jekyll and Mr Hyde and Other Tales of Terror de Robert Louis Stevenson pela Penguin Books (2003)
>>> Geografia Geral e do Brasil - Espaço Geográfico e Globalização de Eustáquio de Sene - João Carlos Moreira pela Scipione (2001)
>>> RT Mini Códigos Comercial Tributário Nacional Constituição Federal de Vera Helena de Mello Roque Antonio Carrazza pela Revista Dos Tribunais (2002)
>>> Como dizer tudo em francês em viagens de Ron Martinez e Angela F. Perricone Pastura pela Elsevier (2011)
>>> Araca - Arquiduquesa do Encantado de Herminio Bello de Carvalho pela Folha Seca (2014)
>>> Nunca Deixe de Tentar de Michael Jordan pela Sextante (2009)
>>> O mercado de trabalho feminino na região metropolitana de são paulo de Fundação seade pela Fundação seade (2001)
>>> Como dizer tudo em inglês em viagens de Ron Martinez pela Elsevier (2006)
>>> Dicionário de Idéias Semelhantes - 4 Volumes de Everton Florenzano pela Tecnoprint (1961)
>>> 1822 de Laurentino Gomes pela Nova Fronteira (2010)
>>> Jornalista pra Quê? os Profissionais Diante da ética de Chico nelson, nilton santos e outros pela Sjpmrj (1989)
>>> Preparatório para Residência Médica SUS/SP de Juliano Silveira de Araújo pela Sanar (2017)
>>> RT Mini Códigos Coletânea de Legislação Administrativa Constituição Federal de Odete Medauar pela Revista Dos Tribunais (2005)
>>> Belezas imaginárias: antropologia do corpo e do parentesco de Pierre-Joseph Laurent pela Ideias & Letras (2013)
>>> Como escolher a sua Residência Médica de Caio Nunes e Marco Antônio Santana pela Sanar (2014)
>>> Legend de David Gemmell pela Orbit Books (2012)
COLUNAS >>> Especial Biblioteca Básica

Terça-feira, 23/9/2003
Cabeça de papel
Julio Daio Borges

+ de 12200 Acessos

Como sou da geração televisão (cresci nos anos 80), minha "formação literária", digamos assim, se deu basicamente através dos jornais. Como não havia internet na época, eles foram minha "janela para o mundo".

Também o meu trabalho no Digestivo Cultural me aproximou dos jornalistas. Eram eles o meu modelo. Fizeram não só a minha cabeça, mas também a de todos aqueles que hoje escrevem na Web brasileira.

Assim, é natural que eu comece por eles (pelos jornalistas), ao indicar quais foram (e ainda são), para mim, os livros fundamentais.

A primeira influência que me ocorre é o Paulo Francis. Acontece, porém, que nenhum livro dele capta o que ele "foi" nos jornais. Então indico Waaal (1996), que é da época em que eu respirava Paulo Francis. Na minha opinião, ele foi o sujeito que tirou do jornalismo brasileiro (principalmente do cultural) o "complexo de vira-lata". Ele era pretensioso (no bom e no mau sentido) e discutia as grandes questões. Não fazia média e tinha horizontes largos. Civilizou muita gente com seu trabalho, embora poucos admitam.

Depois, quase junto, ou "quase antes", o Nélson Rodrigues (que eu insisto em grafar com acento, respeitando o original). Este me foi apresentado pelo Ruy Castro (de quem eu falo mais adiante), quando editava, para a Companhia das Letras, toda a obra jornalística do Anjo Pornográfico. Nélson tem um dos melhores textos do "português brasileiro" e nunca encontrei nada dele que fosse "ruim". Além de gênio do teatro, ele foi gênio da palavra, e eu não hesitaria em colocá-lo como o maior escritor brasileiro do século XX (considerando Machado de Assis como do século XIX). Uma boa introdução ao Nélson é O óbvio ululante (1993); foi por onde comecei, e não parei mais.

Logo em seguida, na minha "trinca" de influências, vem um "escritor de verdade" (não-jornalista). É o Rubem Fonseca. Hoje, no meu conceito, ele passa por uma reavaliação, mas, em termos de ficção, foi quem me mostrou "que era possível". Rubem Fonseca indubitavelmente abriu um caminho que não existia: retomou a temática urbana, quando a literatura brasileira parecia "perdida para sempre" no reino do regionalismo. Sem ele, não haveria nada do que estamos vendo (no cinema) e lendo (nos livros). Nesse meio tempo, vá de O buraco na parede (1995).

O Ruy Castro eu não lembro de ter "descoberto"; acho que ele sempre foi uma presença constante. Junto com o Fernando Morais (a seguir), praticamente inventou a biografia no Brasil. Você pode ler "de olhos fechados": O anjo pornográfico (1992), Estrela solitária (1995) e Chega de saudade (1990), o meu favorito. Além disso, Ruy Castro criou toda uma mitologia em torno do Rio dos anos 50 e 60. Se hoje o Tom Jobim, o Vinicius de Moraes e a turma da Bossa Nova são o que são neste País, foi por causa do Ruy. Do alto de sua cobertura no Leblon, ele preserva a alma encantadora das ruas do Rio de Janeiro.

Já o Fernando Morais, escreveu um dos livros que mais me marcou: Chatô: o rei do Brasil (1994). O Assis Chateaubriand, para além das questões "éticas", sempre me fascinou por ser um homem de ação. Recomendo veementemente a leitura de Chatô; pelo menos para entender como um menino do interior do Nordeste, que demorou a falar, teve poderes de imperador no Brasil e nos legou uma das melhores galerias de arte do mundo: o Masp.

Saindo do rol dos brasileiros, eu citaria Kafka, que foi uma descoberta relativamente recente (o que não me impediu de ter lido quase tudo dele). Certamente eu devo esse "admirável mundo novo" kafkiano ao Modesto Carone. (Se você quiser saber a importância que tem um bom tradutor, compare as edições "antes" e "depois" de Modesto Carone.) Kafka - para além do viés interpretativo de querer relacioná-lo aos horrores da Segunda Guerra Mundial - é um autor universal. Ainda que de sua pena tenham saído muitos clássicos, para mim, Carta ao pai (1919) é insuperável.

E eu tenho uma teoria particular sobre Kafka: acho que ele saiu todo de dentro de Dostoiévski. Impossível não relacionar as descrições da São Petersburgo de Raskolnikov com as da Praga de Josef K. Assim, não é difícil adivinhar que, no meu ponto de vista, Fiódor Dostoiévski é o maior de todos. E Os irmãos Karamásov (1881), o maior entre todos (os livros). Perfeitamente construído, retrata a ascensão e a queda da espiritualidade no Ocidente, do século XIX em diante; ombreando-se com Nietzsche.

Agora vamos a outros três que eu considero "leituras básicas", embora não sejam necessariamente as minhas preferidas.

Começando por Oscar Wilde. Se você quiser compreender o "culto à personalidade" de hoje, tem de ler Wilde. Ele conseguiu a façanha de ser maior que a própria obra. O Retrato de Dorian Gray (1891) foi, para mim, um divisor de águas; e eu ficava decorando as falas de Lord Henry. Também recomendo De Profundis, uma das cartas confessionais mais bem escritas de todos os tempos. E as frases dele, que são ótimas.

Outra "leitura básica" é George Orwell, que resumiu o ocaso da individualidade (do homem comum) em 1984. Foi publicado em 1949 e é lamentável que continue tão atual. Não para Orwell, que merece muito mais; mas para nós, que continuamos vivendo sob o jugo dos "Big Brothers" da vida.

E a terceira "leitura básica", e minha última dica, é O Estrangeiro (1942), de Albert Camus. Li em francês e fiquei bestificado. Também fala da nossa existência como "autômatos": sem sentimentos, sempre "ao sabor do vento", com a eterna impressão de que "tudo foi em vão". Tem a abertura clássica do sujeito que não se lembra se a mãe morreu naquele dia ou no dia anterior. Por aí, já dá para imaginar o que virá.

Fico nesses dez. Lembrando sempre que, para nós mortais, livros e leituras são felizmente intermináveis.

Nota do Editor
Texto especialmente composto para integrar a seção "Biblioteca Ideal" da Livraria Cultura.


Julio Daio Borges
São Paulo, 23/9/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pobre rua do Vale Formoso de Elisa Andrade Buzzo
02. Doutor Eugênio (1949-2020) de Julio Daio Borges
03. 'Noé' e 'Êxodo': Bíblia, Especismo e Terrorismo de Duanne Ribeiro
04. Sobre o caso Idelber Avelar de Julio Daio Borges
05. Cavaleiros e o Inexplicável de Duanne Ribeiro


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2003
01. Freud e a mente humana - 21/11/2003
02. Frida Kahlo e Diego Rivera nas telas - 25/4/2003
03. A internet e as comunidades virtuais - 24/1/2003
04. Rubem Fonseca e a inocência literária perdida - 16/5/2003
05. Cabeça de papel - 23/9/2003


Mais Especial Biblioteca Básica
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Mundo Que nos Espera 1
Robert A. Heinlein
Livros do Brasil



Jean Claude Bernardet - uma Homenagem
Maria Dora Mourão; Maria do Rosário Caetano
Imesp
(2007)



Nexus & Sexus - Perspectivas Instituintes
Maria Amelia G. Souza Reis, Hilda Alevato
Depetrus
(2012)



Em Cima Daquela Serra
Eucanaã Ferraz / Iara Kono
Companhia das Letrinhas
(2017)



O Vampiro Não esta tão a Fim de Você
Vlad Mezrich
Galera Record
(2010)



The Devil To Pay
Jayne Ann Krentz
Silhouette Books
(1985)



Justiça Divina
Francisco Cândido Xavier
Feb



Poesia Catalã - das Origens à Guerra Civil
Vários Autores - Fabio Aristimunho Vargas Org
Hedra
(2009)



O Mestre dos Mestres Análise da Inteligência de Cristo Vol 1
Augusto Cury
Sextante
(2006)



Brasil Sons e Instrumentos Populares (Música Brasileira)
Alberto Ikeda
Instituto Cultural Itaú
(1997)





busca | avançada
59122 visitas/dia
1,8 milhão/mês