Era uma casa nada engraçada | Cassionei Niches Petry | Digestivo Cultural

busca | avançada
51690 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Prefeitura de SP institui gratificação de até R$ 1.500 reais para diminuir rotatividade de docentes
>>> Queen Immortal faz show em homenagem ao aniversário de Freddie Mercury
>>> Projeto cultural gratuito traz cinema e teatro para cidades goianas
>>> Festival da Linguiça de Bragança retorna com expectativa de 70 mil visitantes
>>> O Buraco d’Oráculo leva dois espetáculos de seu repertório a praça em São Miguel Paulista
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
>>> Leite, Coalhada e Queijo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Graciliano Ramos, o gigante
>>> Entrevista com Gerald Thomas
>>> O fim do (meu) automóvel
>>> Sobre o som e a fúria
>>> 27 de Fevereiro #digestivo10anos
>>> Minhas caixas de bombons
>>> Direto do show do Chickenfoot
>>> Suicídio da grande imprensa
>>> Como ser uma webcelebridade
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
Mais Recentes
>>> O Defunto Adão e Eva no Paraiso e Outros de Eça de Queiros pela Edição de Ouro
>>> Encontro À Meia-noite de Liliana Iacocca pela Ftd (1988)
>>> Ó (de) Itabira de Marcus Accioly pela José Olympio (1980)
>>> O Moleque Ricardo de Jose Lins do Rego pela Jose Olympio (1981)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Jose Olympio (1995)
>>> O Velho Feiticeiro de Assis Brasil pela Melhoramentos
>>> A Filosofia Contemporanea de Wolfgand Stegmuller pela Edusp
>>> O Negócio do Século XXI - o Guia do Pai Rico de Robert Kiyosaki pela Campus (2011)
>>> Alimentos Saudáveis, Alimentos Perigosos - Guia Prático de Readers Digest pela Do Autor
>>> Antes Que o Sol Apareça de Lucília Junqueira de Almeida Prado pela Brasiliense (1984)
>>> O Velho da Horta Auto da Barca do Inferno Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente, Segismundo Spina pela Brasiliense (1996)
>>> A Herança de Beni - uma Aventura Histórica e Virtual de Enio Rechtman / Silvio Fisberg pela Hebraica
>>> Feliz Ano Velho de Marcelo Rubens Paiva pela Brasiliense (1995)
>>> O Muiraquitã - Coleção Jovens do Mundo Todo de Odette de Barros Mott pela Brasiliense
>>> Contos de Andersen de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1958)
>>> Aprender Economia de Paul Singer pela Brasiliense (1994)
>>> Jesus de Paulo Leminski pela Brasiliense (1984)
>>> O Romance de Tristão e Isolda de Joseph Bédier pela Wmf Martins Fontes (2012)
>>> Fogo Morto de José Lins do Rego pela José Olimpio (1991)
>>> Qué Camino Tomar? de Edwin Becerra pela Santillana (2005)
>>> O Poder do Super Bicho de Edy Lima pela Melhoramentos (1979)
>>> Regras Oficiais de Beisebol de Não Consta pela Brasil (2008)
>>> Enigma na Televisão - Série Vaga-lume de Marcos Rey pela Atica (1991)
>>> Ímpar de Marcelo Carneiro da Cunha pela Projeto (2002)
>>> O Caso dos Modelos de Pernas Longas de Etle Stanley Garcher pela Circulo do Livro
COLUNAS

Quarta-feira, 3/4/2019
Era uma casa nada engraçada
Cassionei Niches Petry

+ de 5100 Acessos

Crônica da casa assassinada, de 1959, foi o derradeiro romance de Lúcio Cardoso, se não contarmos o inacabado e póstumo O viajante. Alguns anos depois de publicar o que seria sua obra-prima, teve um derrame cerebral. Com metade do corpo paralisado, passou apenas a pintar quadros, com a mesma atmosfera sombria de seus escritos.

Crônica é complexa, dolorosa, perturbadora, e talvez por isso não seja tão lida. Temas como o incesto e a homossexualidade perpassam o romance que traz a história de uma família decadente do interior de Minas Gerais, os Meneses, contada por diferentes pontos de vista, através de diários, cartas, depoimentos, em um vai e vem temporal que precisa de muita atenção do leitor para acompanhar. Não há propriamente um protagonista, em que pese Nina, a esposa de um dos donos da casa, ser a provocadora de todos os conflitos e objeto de desejo ou de repulsa por parte dos demais personagens. A casa, pode-se dizer, é a protagonista (assim como o cortiço da obra homônima de Aluísio Azevedo, pois tudo gira em seu entorno. Ela mostra ou esconde os problemas, ela vê e julga as atitudes de seus moradores, ela os protege e os expõe, ela vive, ou sobrevive, e, por fim, é assassinada.

Para Gaston Bachelard, em A poética do espaço, “a casa é nosso canto do mundo”, “nosso primeiro universo”, “um verdadeiro cosmo”. É nesse mundo peculiar criado por Lúcio Cardoso (com direito a uma ilustração do próprio autor no começo do livro, mostrando a planta baixa da casa e do pátio) que acontecerão amores proibidos, ciúmes, rancores, mortes. A data dos acontecimentos é imprecisa, provavelmente no começo do século XX, num espaço de tempo de mais ou menos 16 anos. Começamos a entrar no enredo a partir do diário de André, em que relata o velório de Nina, sua mãe, que sofreu muito naquela casa (“quantas vezes não fora julgada e dissecada sobre aquelas tábuas?”) e ao mesmo relembra a relação de amantes entre os dois.

Tudo no entanto é nebuloso para o leitor. Somente os outros capítulos, narrados por diferentes vozes (de Valdo, de Ana, de Demétrio, da governanta Betty, do farmacêutico, do médico, etc.) vão elucidar, ainda que com muitas sombras, o que aconteceu naquela casa. Uma das vozes desse coro de desgraças é a de Timóteo, o pederasta que vive como que trancafiado e isolado do resto da casa em um dos quartos, com as cortinas sempre cerradas. Vestindo-se com as roupas de mulher, a figura gorda e maquiada causa vergonha para o irmão mais velho, Demétrio. No entanto, é Timóteo o único inocente em toda a trama. Não se pode colocá-lo como um dos culpados pela morte da casa.

A propósito da polifonia do romance, um ponto negativo é que todas as vozes têm a mesma linguagem. Não há diferença do uso de palavras de André e a tia Ana, por exemplo. Isso não tira, no entanto, o brilho da estrutura elaborada por Lúcio Cardoso para nos apresentar a trama. Se a casa está se desestruturando, a edificação do enredo é bem sólida.

É também Bachelard quem diz que a casa simbolicamente nos remete à proteção, refúgio. Ironicamente, a casa da família Meneses não protege seus membros, desamparados que ficam pelas circunstâncias. E ela mesmo fica à mercê da destruição, ainda mais quando se deixa ser “invadida” pelas pessoas mexeriqueiras da cidade para assistir ao velório.

Em uma entrada no seu Diário, Lúcio Cardoso comenta a publicação de Crônica da casa assinada, reconhecendo alguns defeitos e prevendo que a obra “encontraria a mesma repulsa e a mesma prevenção” que tiveram os outros livros. Se há esse desdém até hoje, por outro lado é um romance que volta e meia vem sendo reeditado (atualmente pela Civilização brasileira) e mereceu até uma adaptação para o cinema, nas mãos de Paulo César Saraceni, em 1971, com a atriz Norma Bengell encarnando a personagem Nina. Entretanto, carece de um reconhecimento maior.

Cassionei Niches Petry é professor de literatura e escritor, cometendo três livros publicados e outros inéditos. Mantém um blog: Pedra e vidraça.


Cassionei Niches Petry
Santa Cruz do Sul, 3/4/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bailes & Festas de Guilherme Pontes Coelho
02. Gênio: apontamentos ensaísticos de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Cassionei Niches Petry
Mais Acessadas de Cassionei Niches Petry
01. Notas confessionais de um angustiado (VII) - 4/9/2019
02. Do canto ao silêncio das sereias - 14/11/2018
03. O abalo sísmico de Luiz Vilela - 1/9/2021
04. Um conto-resenha anacrônico - 9/2/2022
05. O suicídio na literatura - 13/4/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Jacqueline Kennedy: Entre a Glória e o Infortúnio
Domingo Alzugaray
Três
(1999)



Cultura Escolar Em Movimento - Diálogos Possíveis (lacrado)
Andréa Serpa
Rovelle
(2011)



O Capital para crianças
Joan R. Riera (adap.)
Boitatá
(2018)



Bianca, Clara, Karina - a História de uma Mesma Mulher
Elly Costa Capalbo / Marcelo Luís Occhiutto
Instituto de Difusão Espírita
(1998)



Química - Volume único
Usberco
Saraiva
(2010)



Para Gostar de Ler Vol. 7- Crônicas (1988)
Carlos Eduardo Novaes
Atica
(1988)



Princípios de Física - Volume 3 - Eletromagnetismo
John W. Jewett Jr., Raymond A. Serway
Cengage Learning
(2011)



O Tarot Alquímico
Molinero
Mandala



As Civilizações do Mar Vermelho
Gui Annequin
Ferni
(1978)



Receitas Dukan - Minha Dieta Em 300 Receitas
Dr. Pierre Dukan
Best Seller
(2015)





busca | avançada
51690 visitas/dia
2,0 milhão/mês