Houston, we have a problem | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
36970 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 19/11/2019
Houston, we have a problem
Renato Alessandro dos Santos

+ de 900 Acessos

Parecia um conto de fadas. A menina pobre que foi morar num castelo com um príncipe. O dragão morto. As armas. Os barões assinalados. Para viver feliz para sempre? Bem, esse tipo de coisa realmente não existe, existe? Mas, enquanto dura, é OK, tipo felicidade feito chama e tal. O problema era que o dragão não estava morto, o príncipe não era lá grande coisa e >>> Whitney Houston <<<, dando um piparote temporário na tristeza, tratou de cuidar do vozeirão que Deus, naqueles cinco minutos a mais que dispensou a ela, lhe deu.

A coisa pegou e começou a dar certo. A voz, instrumento divino, ocupava não uma sala, ou um estúdio com madeira de lei, mas um pavilhão, um estádio todo. Tudo parecia fluir como previsto. A mãe, Ciccy, já trazia outra voz que subia nas alturas também, enquanto o pai, bem, o pai era um embuste aguardando apenas a hora de amadurecer e cair do pé, para se espatifar no chão, apodrecido. Os irmãos tinham lá aquele afeto que se espera, e até mesmo a prima, Dione Warwick, tornou-se famosa primeiro, algo que fazia daquela família um acontecimento. Pena que o pai não era mesmo Duke Ellington, porque aí tudo teria sido diferente. Teria?



Chega a fama, e Nippy, que deixara de ser uma garotinha há tão pouco tempo, começa sua trajetória rumo à estratosfera da música pop, mas, no meio do caminho, faltando pouco para a coroa de abelha-rainha, alguma coisa ia saindo dos trilhos. Nada que aquela produção não pudesse maquiar, estancando as feridas. Enquanto isso, filmada, Whitney sorria. Por fora, porque por dentro vinha despedaçando-se. Drogas? As drogas são sempre um bom bode expiatório. Aos artistas, um bodoque a arremessar a imaginação acolá. Fosse o Velho Oeste, elas teriam aqueles cartazes lambe-lambe: Drogas, procuram-se! Recompensa: + Drogas. Hê, hê. As drogas, então: dos anos dourados da cannabis sativa, consumida com os irmãos, à ditadura junkiedom do crack e da cocaína.

E todo o resto? Todo o resto? Todo o resto: comprimidos, remédios, ansiolíticos iam contornando a aura da moça que, dia a dia, perdia-se mais e mais. Até que a queda parou. Alice, naquele buraco que leva ao país das maravilhas, foi caindo, mas, enquanto despencava, sonhando, ainda aguardava a luzinha ao fim; Whitney, não. Whitney jogou tudo fora e, com a mesma rapidez com que ganhara, foi perdendo tudo. Se ficasse só no terreno da melancolia, nada que Prozac e pó de pirlimpimpim aspirado em notas de uma centena de dólares não resolvessem, mas Whitney alcançou algo que nem todo mundo consegue, que foi chegar mais fundo que qualquer outro artista ao fundo do poço, e lá, cavando um punhado de terra, desceu ainda mais um pouquinho, agonizando em praça pública.

Os rumores não passavam disso; era ela gay? E daí? O problema era aquele regime colombiano; aquele que a fazia desbotar em carne e osso, mais esse do que aquele, deixando um pálido corpo com a aparência de um saco de ossos, um saco de ossos de 43 quilos e meio. Como parar em pé? Tudo desmoronando: o pai, sempre um herói a qualquer filha, ao menos é o que se espera, trabalhando para ela, rouba a garota. R.O.U.B.A. Oi? Quer dizer que a filha dá ao pai a chance de ele ser mais do que jamais havia sido e ele, simplesmente, assalta a garota? Não há Freud que resista. A moça corta todas as relações com o patriarca, que, um poço de vaidade, prefere processar judicialmente a filha. A pechincha? 100 milhões de dólares. 100 milhões de dólares numa época em que o mundo, boquiaberto, mal entendia o que estava acontecendo com aquela família. Não era o primeiro prego. O primeiro prego foi a pedofilia da tia, Dee Dee, que trocara os pés pelas mãos e, feito o monstro embaixo da cama, caiu em cima da sobrinha, devorando-a.



Tudo que vai aí está no documentário >>>Whitney<<<, disponível na Netflix. Não é preciso fazer parte do fã clube da cantora para se interessar por ela. Basta gostar de música. Naquele momento de abertura que a internet possibilitou nos anos 1990, ninguém se importava muito com Whitney Houston; ao menos até o blockbuster O guarda-costas (1992), que ela fez debutando como atriz ao lado de Kevin Costner - aliás, nunca entendi por que Madonna enfia o dedo na boca, como quem vai vomitar, logo que o ator aparece em Na cama com Madonna (1991). Por isso que sempre pensei que Kevin fosse um pé no saco. Seria? É? Nunca foi?



Bem, até aquele filme, havia uma Whitney; dali em diante, foi outra coisa. Dali em diante foi o showbiz amargo, em escala global, quando o artista começa a descobrir que a vida ordinária não teria sido um negócio tão mau assim... São nessas horas que se vê quem suporta a histeria e, com isso, consegue envelhecer sem despirocar, como um vinho inacredincrivelmente caro que, numa adega de restaurante, em meio à muvuca ladeira abaixo, vai sobrevivendo ao olhar flamejante do sommelier. Não entendi bem o que quis dizer com isso, mas entendi muito bem a colossal tristeza de Whitney, quando sem tocar os pés no chão ela vai descendo, descendo, descendo, até chegar à periferia do inferno, onde um diabo fã-farrão a aguardava com aquela mão vil que afaga.

Lá, no inferno, vemos Whitney Houston após perder tudo: fortuna, afeto, família, o amor, o respeito da filha e, pior, para nós, que nada temos que ver com isso, aquela voz de veludo cotelê que, no frio, a gente abotoava até o pescoço. Uma blusa que aquece. É nessa hora que, no documentário, a gente vê - uma vez só, sem necessidade de voltar e ver de novo; por favor, não, não faça isso - Whitney Houston rasgando o que restou do retalho de sua voz... Puxa, que triste. Refrão: nunca uma criatura desceu tanto para se autodestruir. São poucos segundos de uma fantasmagórica artista cantando a música que vai fazer o nome dela atravessar todos os séculos, como já vem acontecendo, ao menos até o dia em que algum desses presidentes tiranos resolva apertar o botão de autodestruição da humanidade. Pois Nippy, no que diz respeito a ela, e apenas a ela, apertou esse mesmo botão. No documentário, a vemos em cima de um palco cantando o que restou de "I will always loving you". Por que a deixaram fazer isso? Os artistas não têm aquelas babás que limpam suas boquinhas quando eles começam a surtar? Cadê essa pessoa?!

É triste, triste. Ninguém conseguiria - mesmo que quisesse - viver sem dinheiro e tal. Mas precisava chegar a esse ponto, Whitney? A voz, ou o fiapo que sobrou, impotente, não se levanta; não consegue, e cai, feito a maçã das aulas de física. É uma cena que, terminado o documentário, regressa à cabeça da gente sem parar. Van Gogh, ouvindo aquilo, teria arrancado a outra orelha. Beethoven? Provavelmente, viraria motorista da Ultragaz. Já gente como eu, mortal de segunda mão, só pode ficar triste por causa de Whitney Houston. Porque, cá entre nós, percebemos que ela só queria mesmo era nadar mais longe, mais fundo, como todo mundo. Pena que, na banheira, quando chegou o momento derradeiro, o salva-vidas não estava lá.

Nota do Autor
Renato Alessandro dos Santos, 47, é autor de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia e de O espaço que sobra, seu primeiro livro de poesia (ambos publicados pela Engenho e arte).


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 19/11/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crônica em sustenido de Ana Elisa Ribeiro
02. Manual para revisores novatos de Ana Elisa Ribeiro
03. K 466 de Renato Alessandro dos Santos
04. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis de Ana Elisa Ribeiro
05. Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva de Renato Alessandro dos Santos


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2019
01. Meu Telefunken - 16/7/2019
02. Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1 - 20/8/2019
03. A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020) - 24/9/2019
04. Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva - 19/2/2019
05. K 466 - 26/3/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O ENFORCADO
TAMI HOAG
BERTRAND BRASIL
(2005)
R$ 17,85



SESSÃO DE TERAPIA
JAQUELINE VARGAS
ARQUEIRO
(2013)
R$ 10,00



CAMPANHAS ESTRATÉGICAS DE COMUNICAÇÃO DE MARCA
DON E. SCHULTZ & BETH E. BARNES
QUALITYMARK
(2001)
R$ 20,00



O INCÊNDIO DE TRÓIA
MARION ZIMMER BRADLEY
IMAGO
(1988)
R$ 10,00



E NÃO É QUE DEU CERTO?
VÁRIOS AUTORES
UNIVERSO DOS LIVROS
(2018)
R$ 25,00



O ROMANCE DESASTROSO DE JOSIANO E MARIANA OU A GESTA DO BOI MENINO
FERNADO LONA
MCGRAW HILL
(1977)
R$ 35,69
+ frete grátis



O REI ARTHUR E OS CAVALEIROS DA TÁVOLA REDONDA - SÉRIE REENCONTRO
THOMAS MALORY / ANA MARIA MACHADO - ADAPT.
SCIPIONE
(1996)
R$ 7,90



A AMANTE DE BRECHT
JACQUES PIERRE AMETTE
RECORD
(2005)
R$ 10,00



DINOSSAUROS - TRICERATOPS ( INCLUI DINOSSAURO ARTICULADO )
SACHIN GUPTA
CEDIC BOM BOM BOOKS
(2018)
R$ 40,00



MOMENTOS DO PENSAMENTO LUSO - BRASILEIRO
AQUILES CÔRTEZ GUIMARÃES
TEMPO BRASILEIRO
(1981)
R$ 26,28





busca | avançada
36970 visitas/dia
1,4 milhão/mês