Houston, we have a problem | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
96056 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
>>> A Quebrada É Boa: Monarckas realiza evento que fomenta arte e lazer a partir da cultura hip-hop
>>> III Mostra de Artes do Ensino Médio Técnico do Senac Nações Unidas - “VEREDAS DE NÓS: Crendices, Val
>>> Filmado nos Lençóis Maranhenses, 'Betânia' terá sua primeira sessão no Brasil no Guarnicê
>>> Inscrições abertas para o Noronha2B
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A moral da dúvida em Mirandola e Nietzsche
>>> De Cuba, com carinho
>>> Bar ruim é lindo, bicho
>>> Entre o copo, a vitrola, a fumaça e o boicote
>>> Minhas 10 melhores digestões
>>> Sobre o hábito de cutucar o nariz
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Simonal e O Pasquim: nem vem que não tem
>>> A contradição de João Gilberto
>>> Entrando pelo cânone
Mais Recentes
>>> Oração De Criança de Flavio Cavalca De Castro pela Santuário (2006)
>>> Que os Anjos Digam Amém (Mini) de Artur Rodrigues pela Litteris (2006)
>>> Análise matemática - Introdução de Duílio Nogueira; Pedro Paulo Marques pela Fae (1984)
>>> Vetores e Matrizes de Nathan Moreira dos Santos pela Impa (1975)
>>> Algebra Linear e Geometria Analitica de Antonio dos Santos Machado pela Atual (1980)
>>> Mecânica dos Fluídos e Hidráulica - Col. Schaum de Ranald V. Giles pela McGraw Hill
>>> Geometria Analítica de David C, Murdoch pela Livros técnicos e científicos (1975)
>>> Álgebra I - Sequencias progressões logaritmos de Cid A. Guelli pela Moderna
>>> Equações Diferenciais de Sérgio A. Abunahman pela Livros técnicos e científicos (1982)
>>> Como Melhorar a Sua Memória de Michael Fidlow pela Record (1961)
>>> O Homem Demolido de Alfred Bester pela Nova Fronteira (1978)
>>> Vive-se uma só vez? A reencarnação documentada... de Jeffrey Iverson pela Expressão e Cultura (1979)
>>> Um Herói do Holocausto (A lista de Schindler) de Thomas Keneally pela Record
>>> Casos Clínicos Em Medicina De Emergência de Eugene C Toy pela Mcgraw-hill Brasil (2014)
>>> ABC do ECG de Carlos Alberto Pastore pela Medcel (2013)
>>> Primeiros Passos Com A Bíblia de Paulo Bazaglia pela Paulus (2001)
>>> Dicionário Da Biblia De Almeida de Bible Society Of Brazil pela Sociedade Bíblica do Brasil (2016)
>>> Emergências clínicas: abordagem prática de Herlon Saraiva Martins pela Manole (2009)
>>> Acuarela de Michael Clarke pela Blume (1994)
>>> The New Self-Sufficient Gardener de John Seymour pela Dk (2008)
>>> Antoni Gaudí - Une Vie en Architecture de Rainer Zerbst pela Taschen (1993)
>>> Dicionário de Artes Decorativas e Decoração de Interiores de Stella Rodrigo Octavio Moutinho, Rubia Braz Bueno do Prado, Ruth Rodrigo Octavio Londres pela Nova Fronteira (1999)
>>> Brasil Globalizado - O Brasil Em Um Mundo Surpreendente de Octavio de Barros; Fabio Giambiagi (org) pela Campus (2008)
>>> H. Dantas, 90 Anos - Uma História na Navegação Brasileira de Luiz Antonio Aguiar, Lucia Brandão pela Andrea Jakobsson (2006)
>>> 101 Plantas Para Sombra de Coord. Valerio Romahn pela Europa (2008)
COLUNAS

Terça-feira, 19/11/2019
Houston, we have a problem
Renato Alessandro dos Santos
+ de 2500 Acessos

Parecia um conto de fadas. A menina pobre que foi morar num castelo com um príncipe. O dragão morto. As armas. Os barões assinalados. Para viver feliz para sempre? Bem, esse tipo de coisa realmente não existe, existe? Mas, enquanto dura, é OK, tipo felicidade feito chama e tal. O problema era que o dragão não estava morto, o príncipe não era lá grande coisa e >>> Whitney Houston <<<, dando um piparote temporário na tristeza, tratou de cuidar do vozeirão que Deus, naqueles cinco minutos a mais que dispensou a ela, lhe deu.

A coisa pegou e começou a dar certo. A voz, instrumento divino, ocupava não uma sala, ou um estúdio com madeira de lei, mas um pavilhão, um estádio todo. Tudo parecia fluir como previsto. A mãe, Ciccy, já trazia outra voz que subia nas alturas também, enquanto o pai, bem, o pai era um embuste aguardando apenas a hora de amadurecer e cair do pé, para se espatifar no chão, apodrecido. Os irmãos tinham lá aquele afeto que se espera, e até mesmo a prima, Dione Warwick, tornou-se famosa primeiro, algo que fazia daquela família um acontecimento. Pena que o pai não era mesmo Duke Ellington, porque aí tudo teria sido diferente. Teria?



Chega a fama, e Nippy, que deixara de ser uma garotinha há tão pouco tempo, começa sua trajetória rumo à estratosfera da música pop, mas, no meio do caminho, faltando pouco para a coroa de abelha-rainha, alguma coisa ia saindo dos trilhos. Nada que aquela produção não pudesse maquiar, estancando as feridas. Enquanto isso, filmada, Whitney sorria. Por fora, porque por dentro vinha despedaçando-se. Drogas? As drogas são sempre um bom bode expiatório. Aos artistas, um bodoque a arremessar a imaginação acolá. Fosse o Velho Oeste, elas teriam aqueles cartazes lambe-lambe: Drogas, procuram-se! Recompensa: + Drogas. Hê, hê. As drogas, então: dos anos dourados da cannabis sativa, consumida com os irmãos, à ditadura junkiedom do crack e da cocaína.

E todo o resto? Todo o resto? Todo o resto: comprimidos, remédios, ansiolíticos iam contornando a aura da moça que, dia a dia, perdia-se mais e mais. Até que a queda parou. Alice, naquele buraco que leva ao país das maravilhas, foi caindo, mas, enquanto despencava, sonhando, ainda aguardava a luzinha ao fim; Whitney, não. Whitney jogou tudo fora e, com a mesma rapidez com que ganhara, foi perdendo tudo. Se ficasse só no terreno da melancolia, nada que Prozac e pó de pirlimpimpim aspirado em notas de uma centena de dólares não resolvessem, mas Whitney alcançou algo que nem todo mundo consegue, que foi chegar mais fundo que qualquer outro artista ao fundo do poço, e lá, cavando um punhado de terra, desceu ainda mais um pouquinho, agonizando em praça pública.

Os rumores não passavam disso; era ela gay? E daí? O problema era aquele regime colombiano; aquele que a fazia desbotar em carne e osso, mais esse do que aquele, deixando um pálido corpo com a aparência de um saco de ossos, um saco de ossos de 43 quilos e meio. Como parar em pé? Tudo desmoronando: o pai, sempre um herói a qualquer filha, ao menos é o que se espera, trabalhando para ela, rouba a garota. R.O.U.B.A. Oi? Quer dizer que a filha dá ao pai a chance de ele ser mais do que jamais havia sido e ele, simplesmente, assalta a garota? Não há Freud que resista. A moça corta todas as relações com o patriarca, que, um poço de vaidade, prefere processar judicialmente a filha. A pechincha? 100 milhões de dólares. 100 milhões de dólares numa época em que o mundo, boquiaberto, mal entendia o que estava acontecendo com aquela família. Não era o primeiro prego. O primeiro prego foi a pedofilia da tia, Dee Dee, que trocara os pés pelas mãos e, feito o monstro embaixo da cama, caiu em cima da sobrinha, devorando-a.



Tudo que vai aí está no documentário >>>Whitney<<<, disponível na Netflix. Não é preciso fazer parte do fã clube da cantora para se interessar por ela. Basta gostar de música. Naquele momento de abertura que a internet possibilitou nos anos 1990, ninguém se importava muito com Whitney Houston; ao menos até o blockbuster O guarda-costas (1992), que ela fez debutando como atriz ao lado de Kevin Costner - aliás, nunca entendi por que Madonna enfia o dedo na boca, como quem vai vomitar, logo que o ator aparece em Na cama com Madonna (1991). Por isso que sempre pensei que Kevin fosse um pé no saco. Seria? É? Nunca foi?



Bem, até aquele filme, havia uma Whitney; dali em diante, foi outra coisa. Dali em diante foi o showbiz amargo, em escala global, quando o artista começa a descobrir que a vida ordinária não teria sido um negócio tão mau assim... São nessas horas que se vê quem suporta a histeria e, com isso, consegue envelhecer sem despirocar, como um vinho inacredincrivelmente caro que, numa adega de restaurante, em meio à muvuca ladeira abaixo, vai sobrevivendo ao olhar flamejante do sommelier. Não entendi bem o que quis dizer com isso, mas entendi muito bem a colossal tristeza de Whitney, quando sem tocar os pés no chão ela vai descendo, descendo, descendo, até chegar à periferia do inferno, onde um diabo fã-farrão a aguardava com aquela mão vil que afaga.

Lá, no inferno, vemos Whitney Houston após perder tudo: fortuna, afeto, família, o amor, o respeito da filha e, pior, para nós, que nada temos que ver com isso, aquela voz de veludo cotelê que, no frio, a gente abotoava até o pescoço. Uma blusa que aquece. É nessa hora que, no documentário, a gente vê - uma vez só, sem necessidade de voltar e ver de novo; por favor, não, não faça isso - Whitney Houston rasgando o que restou do retalho de sua voz... Puxa, que triste. Refrão: nunca uma criatura desceu tanto para se autodestruir. São poucos segundos de uma fantasmagórica artista cantando a música que vai fazer o nome dela atravessar todos os séculos, como já vem acontecendo, ao menos até o dia em que algum desses presidentes tiranos resolva apertar o botão de autodestruição da humanidade. Pois Nippy, no que diz respeito a ela, e apenas a ela, apertou esse mesmo botão. No documentário, a vemos em cima de um palco cantando o que restou de "I will always loving you". Por que a deixaram fazer isso? Os artistas não têm aquelas babás que limpam suas boquinhas quando eles começam a surtar? Cadê essa pessoa?!

É triste, triste. Ninguém conseguiria - mesmo que quisesse - viver sem dinheiro e tal. Mas precisava chegar a esse ponto, Whitney? A voz, ou o fiapo que sobrou, impotente, não se levanta; não consegue, e cai, feito a maçã das aulas de física. É uma cena que, terminado o documentário, regressa à cabeça da gente sem parar. Van Gogh, ouvindo aquilo, teria arrancado a outra orelha. Beethoven? Provavelmente, viraria motorista da Ultragaz. Já gente como eu, mortal de segunda mão, só pode ficar triste por causa de Whitney Houston. Porque, cá entre nós, percebemos que ela só queria mesmo era nadar mais longe, mais fundo, como todo mundo. Pena que, na banheira, quando chegou o momento derradeiro, o salva-vidas não estava lá.

Nota do Autor
Renato Alessandro dos Santos, 47, é autor de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia e de O espaço que sobra, seu primeiro livro de poesia (ambos publicados pela Engenho e arte).


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 19/11/2019

Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2019
01. A forca de cascavel — Angústia (Fuvest) - 24/9/2019
02. Meu Telefunken - 16/7/2019
03. Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1 - 20/8/2019
04. Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva - 19/2/2019
05. De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho - 21/5/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pombas e Gaviões
Percival Puggina
Age



A Abadia de Northanger
Jane Austen
Lafonte
(2021)



28 Mentes que mudaram o mundo
Rhymer Rigby
Campus
(2012)



Grey - Cinquenta Tons de Cinza Pelos Olhos de Christian
E L James
Intrinseca
(2015)



Triste Fim de Policarpo Quaresma
Lima Barreto
Ática
(2011)



Warrior Police - Rolling With Americas Military Police
Gordon Cucullu, Chris Fontana
St Martins Press
(2011)



As Patricinhas
Zoey Dean
Bertrand Brasil
(2010)



Sustentabilidade a Economia Mais Humana
Elizabeth Oliveira
Salesiana
(2009)



Gru - Anjo Ou Demônio
Joaquim Cavalcanti de Oliveira Lima Neto
Edicon
(2004)



Hamlet
William Shakespeare
The Perfect Library





busca | avançada
96056 visitas/dia
2,3 milhões/mês