Cinzas e sombras | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial 11/9: Dez Anos Depois

Quinta-feira, 6/10/2011
Cinzas e sombras
Vicente Escudero

+ de 2500 Acessos

Passei a manhã ensolarada sentado na sala da Faculdade, acompanhando e anotando aulas de Direito Penal e Civil. Pela janela, enquanto algum professor definia conceitos sobre a aquisição da personalidade pela pessoa humana ou da teoria do crime, eu observava a movimentação de outros estudantes conversando nos corredores que ligavam os edifícios da Universidade ou compenetrados em salas de prédios vizinhos, com outros professores e conceitos, atrás de vidraças que castigavam meus olhos, refletindo o sol.

A primeira aula teve início no horário comum, às 8:10 da manhã, e foi seguida por outras três, separadas por intervalos de poucos minutos. Naquele dia, excepcionalmente, não haveria quinta aula. Por motivos que não consigo recordar, minha sala foi liberada às 11:30. Arrumei cadernos e livros dentro da mochila e caminhei até o prédio do Diretório Acadêmico para tirar cópias da carteira de habilitação enquanto via meus amigos se dispersarem na oportunidade de descanso antes das atividades vespertinas. Eu precisava dos xerox para me associar à loja da Blockbuster recém-inaugurada na rua onde morava. Durante o percurso, percebi duas estudantes conversando sobre um ataque terrorista contra os Estados Unidos. Não imaginei que o assunto tratava do presente.

Deixei o campus e caminhei até o ponto de ônibus na Rua da Consolação, onde a discussão sobre atentados e Estados Unidos continuava e se misturava à impaciência das pessoas com os atrasos do transporte público. No barulho dos motores a diesel desregulados acelerando na subida, entre as vozes dissonantes, identifiquei suspeitos: Bin Laden e Al Qaeda, além de locais: Washington e Nova Iorque. Até o momento da minha saída, não consegui montar uma história, impedido por uma timidez específica de estudantes universitários que não se interessam cegamente por um dos lados de causas políticas distantes do próprio cotidiano. Eu jamais questionaria o sujeito que aparentava estar mais informado sobre o assunto naquele local, falando sobre as consequências do ocorrido e da culpa e arrogância americanas; alguém vestindo uma bermuda tie dye, camiseta de Che Guevara suja de tinta e calçando havaianas. Temia tocar em um nervo muito sensível do articulista de calçada. Tinha certeza de que a última informação que conseguiria seria uma objetiva relação de causa e efeito, com autores e vítimas, locais e horários. Imaginava que a resposta poderia ser uma diatribe tão grande que acabaria perdendo o ônibus do meu itinerário e, pior ainda, o almoço.

Precisava de um informante neutro, mas fui surpreendido ao entrar num ônibus quase vazio, ocupado apenas por algumas cabeças balançando no ritmo da percussão urbana, a suspensão e suas molas tamborilando nos buracos do asfalto. Paguei a passagem e me sentei no banco atrás de um velho de cabelos brancos, com mais de sessenta anos.

Todos pareciam desinteressados com o presente. Perguntei ao homem à minha frente, discretamente, se ele sabia o que havia acontecido nos EUA, o assunto que todos estavam comentando. "Não." Ele então repetiu a pergunta ao cobrador que deu de ombros e continuou arrumando as notas no caixa. Minha curiosidade aumentava a cada semáforo cruzado.

O ônibus chegou à minha parada. Desci e caminhei dois quarteirões até chegar em casa, tentando reconstruir os acontecimentos do dia. Havia pouco movimento na Faculdade naquela manhã. Localizada nos limites do bairro de Higienópolis, escolhido como residência pela maioria dos imigrantes judeus que vieram para São Paulo desde meados do século XX, a Faculdade de Direito e os demais centros do Instituto Presbiteriano Mackenzie sempre foram locais onde quipás e judeus ortodoxos podiam ser vistos passando pelos arredores o dia todo. Naquele dia, não me recordava de grandes barbas, apenas de rostos lisos e cabeças descobertas.

Lembrei-me da internet da Universidade, disponível numa sala distante do prédio da Faculdade de Direito. Arrependi-me de não tê-la usado. A pressa é inimiga da curiosidade.

Enfim, casa. Abri o portão, subi a escada, fui até a cozinha e aqueci o almoço dentro do microondas. Sozinho, liguei a televisão e assisti em todas as emissoras imagens da CNN se repetindo exaustivamente, estáticas, com o notebook no colo, ligado à internet, a comida esfriando no prato sobre o sofá. Passei as três horas seguintes assistindo de todos os pontos cardeais de Nova Iorque a fumaça preta sendo soprada pelos prédios, o suicídio de pessoas presas nos andares isolados pela colisão dos aviões, até o momento que cada uma das torres foi sugada pelo solo. As explicações, duvidosas, só começaram a surgir no final da tarde. Um amigo me ligou dizendo que não compareceria a um aniversário à noite porque sua mãe estava assustada com o ataque da Al Qaeda ao World Trade Center. Mais tarde, antes de cantar parabéns, quase todos os presentes na festa concordaram que um ataque nuclear era iminente.

Existe um pronunciamento da Suprema Corte dos EUA, bastante conhecido, sobre o entendimento do que constituiria pornografia. Quando você a vê, acaba identificando-a. É uma definição imprecisa, equívoca e exclusivamente sensorial, mas na ausência de outra melhor, é suficiente para ser usada dentro de limites estabelecidos em um caso concreto. Quando as torres do World Trade Center foram atingidas pelos aviões pilotados pelos terroristas da Al Qaeda, imaginei que assistia o ato mais covarde e diabólico, a maior concretização do mal que veria em toda minha vida. Também não consegui definir precisamente, nos meses seguintes, a dimensão do mal praticado por Bin Laden e seus cúmplices. Eu era capaz de identificá-lo na indiferença de cada pronunciamento do líder da Al Qaeda, ameaçando os EUA, mas não conseguia defini-lo. Anos depois, Christopher Hitchens traduziu esse vazio contido na causa e seu efeito, a necessidade de aniquilar a rede terrorista e seu líder, Bin Laden, com uma analogia simples: seria como encontrar uma cobra próxima à cama de seu filho e não fazer nada.

Relativizar os atentados de 11 de setembro de 2001 comparando-os ao resultado negativo do imperialismo dos EUA, que teria causado muito mais mortes pelo mundo é, no mínimo, perverso. O principal alvo da Al Qaeda foi um conjunto de edifícios ocupado por empresas onde trabalhavam funcionários do mundo todo, localizado na cidade mais cosmopolita dos EUA. O que todas essas vítimas tinham em comum além de estarem no lugar errado, na hora errada? O inimigo da Al Qaeda sempre foi o conjunto de idéias das vítimas do atentado e não a arrogância representada pela arquitetura das torres, nem mesmo pela política externa dos EUA.

Hoje, as sombras do memorial construído para homenagear as vítimas do atentado escondem as dúvidas sobre a origem do mal causado há dez anos. O consolo contido no fluxo das águas correndo através das fundações dos antigos edifícios existe, mas desconhece as cinzas que carrega: restos de um mundo que se tornou muito pior desde 11 de setembro de 2001.


Vicente Escudero
Campinas, 6/10/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel de Renato Alessandro dos Santos
02. Uma suposta I.C. de Elisa Andrade Buzzo
03. O Digestivo e o texto do Francisco Escorsim de Julio Daio Borges
04. 'Hysteria' Revisitada de Duanne Ribeiro
05. Submissão, oportuno, mas não perene de Guilherme Carvalhal


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2011
01. Kindle, iPad ou Android? - 14/4/2011
02. O incompreensível mercado dos e-books - 3/3/2011
03. O ponto final da escrita cursiva - 15/9/2011
04. Lynch, David - 8/12/2011
05. Diário da Guerra do Corpo - 9/6/2011


Mais Especial 11/9: Dez Anos Depois
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO DOMAR UM ELEFANTE
JAN CHOZEN BAYS
ALAÚDE
(2013)
R$ 24,90



COOPERATIVO - VIVÊNCIAS LÚDICAS DE JOGOS NÃO COMPETITIVOS
MARCOS TEODORICO PINHEIRO DE ALMEIDA
VOZES
(2010)
R$ 20,00



HÁBITOS E ATITUDES SEXUAIS DOS BRASILEIROS
ALYRIO CAVALLIERI E OUTROS
CULTRIX
(1983)
R$ 15,00



PHILIPPE STARCK
CRISTINA MOROZZI (ORG.)
FOLHA DE SÃO PAULO
(2012)
R$ 18,00



POESIA DE TELHADO
JOÃO AUGUSTO
ESCRITURAS
(2012)
R$ 15,00



DEUS NO LIMITE
NILE
EDIOURO
(2004)
R$ 9,90



O MILAGRE
NICHOLAS SPARKS
AGIR
(2010)
R$ 20,00



DILÚVIO - TEARDROP 2
LAUREN KATE
GALERA
(2015)
R$ 14,00



BIBLIOTECA PLANETA - PARACELSO - VOL.2
DIVERSOS
TRÊS
(1973)
R$ 22,00
+ frete grátis



GIUDA
AMOS OZ
NARRATORI
(2014)
R$ 68,78





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês