Cinzas e sombras | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Péricles Cavalcanti - lançamento de SALTANDO COMPASSOS
>>> Espetáculo “Canções Para Pequenos Ouvidos” chega ao Teatro Clara Nunes, em Diadema
>>> (Abre 11/10) Mostra BAÚ DA DGT_curadores Francisco Gaspar,Tuna Dwek, Donny Correia e Diego da Costa
>>> Escrever outros Corpos - Criar outras Margens || BELIZARIO Galeria
>>> SESC 24 DE MAIO RECEBE EVENTO DE LANÇAMENTO DA COLEÇÃO ARQUITETOS DA CIDADE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Universos paralelos
>>> Deseduquei
>>> Cuidado com a mentira!
>>> E agora? Vai ter pesquisa novamente?
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> perversão sexual
>>> Trailer do Fim do Mundo
>>> Uísque ruim, degustador incompetente
>>> O bom e velho jornalismo de sempre
>>> Apresentação
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Felicidade
>>> Ano novo, vida nova.
Mais Recentes
>>> A Jornada Para Casa Uma Parabola De Kryon - A Historia De Michael Thomas E Os Sete Anjos de Lee Carroll pela Madras (2011)
>>> No Vale Dos Suicidas - Madras de Evaristo Humbertto De Araujo pela Madras (2009)
>>> Os Segredos Do Karate Shotokan de Robin L Rielly pela Madras (2011)
>>> História social da criança e da família de Philippe Ariés pela Guanabara (1981)
>>> A revolução da palavra - Uma visão do homo loquens de Pedro Paulo Filho pela Siciliano (1987)
>>> A Sombra de uma Paixão de Tanya Oliveira pela Lúmen (2007)
>>> A evolução da consciência de Robert Ornstein pela Best Seller (1991)
>>> Iracema de José de Alencar pela L&Pm Pocket (2009)
>>> Ciência e fé: O reencontro pela- Física quântica de Bispo Rodovalho pela Lua de mel (2013)
>>> A ponte clandestina - Teorias de cinema na América Latina de José Carlos Avelar pela 34 (1995)
>>> As Fortunas do Cortesão de Peter Burke pela Unesp (1997)
>>> O barão das árvores de Italo Calvino pela Companhia Das Letras (1991)
>>> Cultura Brasileira - Temas e Situações de Alfredo Bosi pela Atica (1992)
>>> Poemas de Rainer Maria Rilke pela Companhia Das Letras (1993)
>>> A Feira das Vaidades - I e II Volume de William Makepeace Thackeray pela Civilização Brasileira (1963)
>>> Cinema marginal (1968/1973) - A representação em seu limite de Fernão Ramos pela Brasiliense (1987)
>>> O Circo da Noite de Erin Morgenstern pela Intrínseca (2012)
>>> A vida viaja na luz de Carlos A. Baccelli Inácio Ferreira pela Leepp (2011)
>>> Por que perdeu ?: Dez desfiles derrotados que fizeram história de Marcelo de Mello pela Record (2018)
>>> Cultura de Massa e Cultura Popular de Ecléa Bosi pela Vozes (1973)
>>> Antes de dormir de S. J. Watson pela Record (2012)
>>> História da Civilização - Idade Média, Moderna e Contemporânea de António G. Mattoso pela Lisboa - Livraria Sá da Costa (1956)
>>> Uma história da república de Lincoln de Abreu Penna pela Nova Fronteira (1989)
>>> Adestramento de Cães para Leigos de Jack Volhard / Wendy Volhard pela Alta Books (2005)
>>> Capitalismo, trabalho e educação de José Claudinei Lombardi pela Autores Associados (2004)
COLUNAS >>> Especial 11/9: Dez Anos Depois

Quinta-feira, 6/10/2011
Cinzas e sombras
Vicente Escudero

+ de 3000 Acessos

Passei a manhã ensolarada sentado na sala da Faculdade, acompanhando e anotando aulas de Direito Penal e Civil. Pela janela, enquanto algum professor definia conceitos sobre a aquisição da personalidade pela pessoa humana ou da teoria do crime, eu observava a movimentação de outros estudantes conversando nos corredores que ligavam os edifícios da Universidade ou compenetrados em salas de prédios vizinhos, com outros professores e conceitos, atrás de vidraças que castigavam meus olhos, refletindo o sol.

A primeira aula teve início no horário comum, às 8:10 da manhã, e foi seguida por outras três, separadas por intervalos de poucos minutos. Naquele dia, excepcionalmente, não haveria quinta aula. Por motivos que não consigo recordar, minha sala foi liberada às 11:30. Arrumei cadernos e livros dentro da mochila e caminhei até o prédio do Diretório Acadêmico para tirar cópias da carteira de habilitação enquanto via meus amigos se dispersarem na oportunidade de descanso antes das atividades vespertinas. Eu precisava dos xerox para me associar à loja da Blockbuster recém-inaugurada na rua onde morava. Durante o percurso, percebi duas estudantes conversando sobre um ataque terrorista contra os Estados Unidos. Não imaginei que o assunto tratava do presente.

Deixei o campus e caminhei até o ponto de ônibus na Rua da Consolação, onde a discussão sobre atentados e Estados Unidos continuava e se misturava à impaciência das pessoas com os atrasos do transporte público. No barulho dos motores a diesel desregulados acelerando na subida, entre as vozes dissonantes, identifiquei suspeitos: Bin Laden e Al Qaeda, além de locais: Washington e Nova Iorque. Até o momento da minha saída, não consegui montar uma história, impedido por uma timidez específica de estudantes universitários que não se interessam cegamente por um dos lados de causas políticas distantes do próprio cotidiano. Eu jamais questionaria o sujeito que aparentava estar mais informado sobre o assunto naquele local, falando sobre as consequências do ocorrido e da culpa e arrogância americanas; alguém vestindo uma bermuda tie dye, camiseta de Che Guevara suja de tinta e calçando havaianas. Temia tocar em um nervo muito sensível do articulista de calçada. Tinha certeza de que a última informação que conseguiria seria uma objetiva relação de causa e efeito, com autores e vítimas, locais e horários. Imaginava que a resposta poderia ser uma diatribe tão grande que acabaria perdendo o ônibus do meu itinerário e, pior ainda, o almoço.

Precisava de um informante neutro, mas fui surpreendido ao entrar num ônibus quase vazio, ocupado apenas por algumas cabeças balançando no ritmo da percussão urbana, a suspensão e suas molas tamborilando nos buracos do asfalto. Paguei a passagem e me sentei no banco atrás de um velho de cabelos brancos, com mais de sessenta anos.

Todos pareciam desinteressados com o presente. Perguntei ao homem à minha frente, discretamente, se ele sabia o que havia acontecido nos EUA, o assunto que todos estavam comentando. "Não." Ele então repetiu a pergunta ao cobrador que deu de ombros e continuou arrumando as notas no caixa. Minha curiosidade aumentava a cada semáforo cruzado.

O ônibus chegou à minha parada. Desci e caminhei dois quarteirões até chegar em casa, tentando reconstruir os acontecimentos do dia. Havia pouco movimento na Faculdade naquela manhã. Localizada nos limites do bairro de Higienópolis, escolhido como residência pela maioria dos imigrantes judeus que vieram para São Paulo desde meados do século XX, a Faculdade de Direito e os demais centros do Instituto Presbiteriano Mackenzie sempre foram locais onde quipás e judeus ortodoxos podiam ser vistos passando pelos arredores o dia todo. Naquele dia, não me recordava de grandes barbas, apenas de rostos lisos e cabeças descobertas.

Lembrei-me da internet da Universidade, disponível numa sala distante do prédio da Faculdade de Direito. Arrependi-me de não tê-la usado. A pressa é inimiga da curiosidade.

Enfim, casa. Abri o portão, subi a escada, fui até a cozinha e aqueci o almoço dentro do microondas. Sozinho, liguei a televisão e assisti em todas as emissoras imagens da CNN se repetindo exaustivamente, estáticas, com o notebook no colo, ligado à internet, a comida esfriando no prato sobre o sofá. Passei as três horas seguintes assistindo de todos os pontos cardeais de Nova Iorque a fumaça preta sendo soprada pelos prédios, o suicídio de pessoas presas nos andares isolados pela colisão dos aviões, até o momento que cada uma das torres foi sugada pelo solo. As explicações, duvidosas, só começaram a surgir no final da tarde. Um amigo me ligou dizendo que não compareceria a um aniversário à noite porque sua mãe estava assustada com o ataque da Al Qaeda ao World Trade Center. Mais tarde, antes de cantar parabéns, quase todos os presentes na festa concordaram que um ataque nuclear era iminente.

Existe um pronunciamento da Suprema Corte dos EUA, bastante conhecido, sobre o entendimento do que constituiria pornografia. Quando você a vê, acaba identificando-a. É uma definição imprecisa, equívoca e exclusivamente sensorial, mas na ausência de outra melhor, é suficiente para ser usada dentro de limites estabelecidos em um caso concreto. Quando as torres do World Trade Center foram atingidas pelos aviões pilotados pelos terroristas da Al Qaeda, imaginei que assistia o ato mais covarde e diabólico, a maior concretização do mal que veria em toda minha vida. Também não consegui definir precisamente, nos meses seguintes, a dimensão do mal praticado por Bin Laden e seus cúmplices. Eu era capaz de identificá-lo na indiferença de cada pronunciamento do líder da Al Qaeda, ameaçando os EUA, mas não conseguia defini-lo. Anos depois, Christopher Hitchens traduziu esse vazio contido na causa e seu efeito, a necessidade de aniquilar a rede terrorista e seu líder, Bin Laden, com uma analogia simples: seria como encontrar uma cobra próxima à cama de seu filho e não fazer nada.

Relativizar os atentados de 11 de setembro de 2001 comparando-os ao resultado negativo do imperialismo dos EUA, que teria causado muito mais mortes pelo mundo é, no mínimo, perverso. O principal alvo da Al Qaeda foi um conjunto de edifícios ocupado por empresas onde trabalhavam funcionários do mundo todo, localizado na cidade mais cosmopolita dos EUA. O que todas essas vítimas tinham em comum além de estarem no lugar errado, na hora errada? O inimigo da Al Qaeda sempre foi o conjunto de idéias das vítimas do atentado e não a arrogância representada pela arquitetura das torres, nem mesmo pela política externa dos EUA.

Hoje, as sombras do memorial construído para homenagear as vítimas do atentado escondem as dúvidas sobre a origem do mal causado há dez anos. O consolo contido no fluxo das águas correndo através das fundações dos antigos edifícios existe, mas desconhece as cinzas que carrega: restos de um mundo que se tornou muito pior desde 11 de setembro de 2001.


Vicente Escudero
Campinas, 6/10/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s) de Julio Daio Borges
02. Os encontros dos estranhos de Elisa Andrade Buzzo
03. Tirem as Viseiras! de Heloisa Pait
04. A literatura em transe de Marta Barcellos
05. Por uma arquitetura melhor de Eduardo Carvalho


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2011
01. Kindle, iPad ou Android? - 14/4/2011
02. O incompreensível mercado dos e-books - 3/3/2011
03. O ponto final da escrita cursiva - 15/9/2011
04. Lynch, David - 8/12/2011
05. Diário da Guerra do Corpo - 9/6/2011


Mais Especial 11/9: Dez Anos Depois
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Encontro com o Mestre
DeRose
matrix
(2002)



Iluminação Interior
John White. Org
Cultrix
(1998)



O Sonhador a Fábrica de Sonhos
João Berbel
Farol das Três Colinas
(2014)



O Melhor da Cronica
Lindolfo Paoliello
Del Rey
(2003)



A Teia do Homem Aranha - Vol. 5
Marvel
Panini Comics
(2011)



Simpatias e Segredos Populares - 4ª Edição
Nivio Ramos Sales
Pallas
(2008)



Histórias "Animais" que as Pessoas Contam
Marcel Benedeti
mundo maior
(2006)



Brincando Com Colagens, Recortes e Dobraduras
Rosangela P. Nascimento
Global
(2002)



Livro - Série Bom Livro - o Alienista
Machado de Assis
Ática
(2002)



Sangue e Esplendor
Daniel Myerson
ediouro
(2003)





busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês