O fundamentalismo headbanger | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Dia de confissão de Allan Folsom pela Rocco (2004)
>>> Evolução uma Introdução de Stephen C. Stearns e Rolf F. Hoekstra pela Atheneu (2003)
>>> O x da questão de Eike Batista pela Primeira pessoa (2011)
>>> Ruth Cardoso - Fragmentos de uma vida de Ignácio de Loyola Brandão pela Globo (2010)
>>> O trem partiu de Maria Luiza Pereira Ervilha pela Thessaurus (2013)
>>> O pomar de laranjeiras de Kathryn Harrisson pela Objetiva (1995)
>>> Como Trabalhar para um Idiota de John Hoover pela Futura (2005)
>>> O Segredo de Luísa de Fernando Dolabela pela Cultura (2002)
>>> As sete irmãs de Lucinda Riley pela Novo conceito (2014)
>>> Manual ilustrado dos remédios florais do Dr. Bach de Philip M. Chancellor pela Pensamento (1995)
>>> Star Wars : Sombras do império (como novo) de Steve Perry pela Aleph (2015)
>>> Princesa de Jean P. Sasson pela Best Seller (2002)
>>> O desafio japonês de Hakan Hedberg pela Lia (1970)
>>> História do Automóvel - Fascículo 4 de Expressão e Cultura pela Expressão e Cultura
>>> Pais Brilhantes - Professores Fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> Entardecer de Menotti Del Picchia pela MPM (1978)
>>> Viagem ao centro da Terra de Júlio Verne pela Pé da letra (2019)
>>> Introduccion a la economia (Espanhol) de Maurice Dobb pela Popular (1959)
>>> Under the duvet de Marian Keyes pela Penguin books (2001)
>>> Bala na agulha de Marcelo Rubens Paiva pela Siciliano (1992)
>>> Número zero de Umberto Eco pela Record (2015)
>>> Perspectivas do novo sindicalismo de José Ibrahim pela Loyola
>>> A Direção do Olhar do Adolescente de Ana Luiza O. Buratto / Maria Rita C. Dantas pela Artmed (1998)
>>> A vida da igreja de Dong Yu Lan pela Alimento diário (2012)
>>> A mídia e a modernidade de John B. Thompson pela Vozes (1998)
COLUNAS

Terça-feira, 10/3/2009
O fundamentalismo headbanger
Diogo Salles

+ de 12000 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Muito bem, devo começar esta coluna me desculpando com o leitor. Sim, pois há um ano atrás, escrevi este post no blog do Digestivo, sobre o show que o Iron Maiden faria em São Paulo. Mas calma, calma. Minhas desculpas não se referem à crítica que fiz à banda, e, sim, ao meu erro de previsão. Disse, lá em fevereiro do ano passado, que a banda voltaria ao país dentro de "dois ou três anos". Voltaram depois de um. Um ano e treze dias, para ser mais exato. E para apresentar o meeesmo show da meeesma turnê que passou por aqui em 2008. É isso aí. Além da turma dos necrófilos, o rock também tem a turma "arroz-de-festa". Disputando riff a riff o troféu "Ray Conniff do rock'n'roll" com o Deep Purple (que, acreditem, também esteve aqui há poucos dias), o Iron Maiden chega mais uma vez ao Brasil, com os mesmos trejeitos, sotaques, timbres e mantras dos anos 80 (a década que não acaba nunca).

E minhas previsões estavam mesmo furadas. Só de sacanagem, disse que não tinha certeza se Roberto Carlos, o David Beckham da MPB (todo mundo aplaude, todo mundo acha lindo ― mas é só marketing) faria o especial na Globo. Como sabemos, o "rei" (rei de quê? Da cafonice?) fez seu especial de fim de ano na Globo... Aliás, aproveito para prever que, no final de 2009, ele fará outro especial. Espero acertar dessa vez...

Esse texto causou celeuma por aqui. Do editor reclamando de eu ter transformado o site numa Faixa de Gaza virtual, à ira dos fundamentalistas do Hamas metaleiro querendo me trucidar. Todo esse bombardeio me fez pensar até aonde um xiita pode ir para manter a aura de seu "Alá" imaculada. Se você olhar os comentários aprovados pelo moderador do site, não verá os xingamentos, os palavrões e os desejos de me esquartejar que chegaram por e-mail. E essa questão do fanatismo é muito maior, pois não envolve apenas fãs do Iron Maiden ou de bandas heavy metal, não. Se você acha que os fãs da Madonna ou do Michael Jackson são menos truculentos, está enganado. Qualquer analogia com as torcidas de futebol não estará muito distante. Para os fanáticos, não pode haver opiniões dissonantes. Críticas? Nunca. Nem pensar. Renunciarão a tudo e a todos em nome da preservação e da glória a seu "deus". Sinceramente, não sei dizer o quão tênue é a linha entre atitudes assim e a de Mark Chapman.

Mas os estratagemas variam. Dentre os bárbaros, tem também os que optam pela intimidação, usando o velho truque de desqualificar o autor. Com tacape à mão, apontam "críticas infundadas", "falta de informação" e "desconhecimento do assunto", deixando uma mensagem subliminar do tipo "não volte mais aqui". É como se apenas as pessoas que veneram a banda cegamente tivessem o direito de falar dela. Outros me classificaram como "tendencioso". Ora, por que eu não seria? Escrevo aqui uma opinião, não? Qualquer resenha (seja de discos, shows ou mesmo livros) é, de alguma forma, tendenciosa, pois trata-se da visão de quem escreve sobre a obra. A paixão fala tão mais alto a um fã que perde-se até a referência entre um texto noticioso e um texto de opinião. Mas há também aqueles que rebatem as argumentações. No caso, usou-se muito o exemplo do último disco de estúdio da banda (A matter of life and death), que teria uma sonoridade "muito distante" dos clássicos dos anos 80... É uma opinião, claro, mas quem tiver a curiosidade, ouça o tal disco e veja como a mesma fórmula de sempre está lá, intacta. Aos ouvidos de um fã, qualquer detalhe diferente na música, por mais ínfimo que seja, soará "novo", mesmo que a estrutura permaneça a mesma.

De volta ao fatídico post, mostrei-o, na época, ao meu amigo e crítico de rock Marco Bezzi, do Jornal da Tarde. Ele, que, por sinal, é fã de Iron Maiden, e também vive às turras com fãs dos mais variados matizes, disse o seguinte: "Achei legal e entendo o seu ponto de vista, apesar de não concordar. Mas não adianta: fã não entende ironia". Apesar de eu ter dado razão a ele, ainda não consegui compreender muito bem a questão, pois mesmo eu sendo fã incondicional de Jimi Hendrix, não vou querer assassinar a machadadas o cara que escrever uma crítica negativa a ele. Tampouco irei proibi-lo de continuar escrevendo sobre Hendrix. Apenas discordarei, como o Bezzi discordou de mim. Isso faz de mim (ou dele) menos fã?

Mas, para ir fundo nessa questão, volto ao ponto fundamental do meu texto, que ficou ofuscado pela polêmica: muitas bandas, quando encontram a fórmula do sucesso, se acomodam nela até o final de suas carreiras. Assim, a legião de fãs que se formou nos anos dourados se perpetua, já que fãs de metal são, em geral, conservadores. É aí que entra o Iron Maiden. Mas há bandas que preferem se arriscar em outras praias ― e, consequentemente, levar pedradas ―, como aconteceu tantas vezes com o Metallica.

Pode-se gostar de um ou de outro. Não há discussão de "quem é melhor" aqui (roqueiros têm essa mania). São apenas duas maneiras diferentes de se construir uma carreira musical. Há bandas que simplesmente não sobreviveriam sem experimentar diferentes sonoridades, pois as composições são feitas de dentro para fora do estúdio, com objetivos musicais. É o que o artista está sentindo naquele momento. É a necessidade de tentar algo diferente. Se os fãs gostarem, ótimo. Se não gostarem, paciência. É sempre nessa direção que se moveu o Rush, por exemplo. Do rock básico e despretensioso do início, eles partiram para viagens espaciais e discos conceituais. Mais tarde, migraram para uma abordagem mais acessível, onde os teclados dominavam as composições. Aos poucos, os teclados foram saindo de cena, até que a tríade guitarra-baixo-bateria voltasse ao front. Há quem goste só da fase mais pesada do início (Fly by night), há quem goste da fase mais progressiva (Hemispheres), há quem prefira os teclados (Hold your fire), há quem prefira a fase atual. E há quem goste de todas.

Situação semelhante viveu o Yes. Das viagens intergalácticas de Jon Anderson e Cia. nos idos dos anos 1970, o guitarrista Trevor Rabin chegou, no início dos 80, para trazer a banda de volta à terra. Mesmo o U2, uma banda essencialmente pop-rock, mudou muito. Começou com um rock colegial cru. Mais tarde, mergulhou no seio da América profunda, descobrindo o blues e o gospel. Nos anos 90 caiu na megalomania e na catarse tecnológica, até retornar ao básico com All that you can't leave behind. É comum no rock construir um caminho incorporando novos ritmos, para depois refazê-lo de volta até o ponto onde tudo começou. Gostando de uma fase ou de outra, sendo fã ou não, é visível quando há honestidade naquilo que o artista está lançando. É o músico entrar no estúdio querendo ousar, sem medo de procurar o desconhecido e, por consequência, ficar exposto a melodias de gosto duvidoso. É como se dissesse, em tom de desafio: "ei, tenho novas músicas para você, quer ouvir?".

No outro lado, mais reacionário, está a grande maioria das bandas de metal, que se recusam a sair da mesmice e seguem a cartilha à risca. Todo o conceito do disco já está pronto antes mesmo de ser composto. Os riffs soarão familiares, as letras falarão das mesmas coisas (mas de outra forma) e os solos encontrarão as mesmas escalas pentatônicas. Tudo é programado para soar óbvio, exatamente como o disco anterior já havia sido. Percebe-se quando já começam um trabalho pensando nas vendas, se os fãs vão gostar ou não, se a crítica vai descer o pau. É o disco sendo feito de fora para dentro do estúdio. É o artista jogando para a sua torcida e se tornando uma marionete de seu próprio público. E o convite à audição é um pouco diferente: "ei, tenho mais um disco de tudo aquilo que você já conhece e gosta".

Antes que gritem "generalista!", digo: há exceções. Nos dois casos. Nem todas as bandas de metal são necessariamente monocórdias. O Black Sabbath não foi. Tentaram coisas diferentes. Decepcionaram algumas vezes, é verdade, mas, a despeito dos eternos crucifixos e do tom sombrio, passaram por diversas encarnações. E nem todas as bandas que seguem fielmente um protocolo pré-estabelecido, são necessariamente repetitivas. Um bom exemplo é o AC/DC. Passaram a vida toda amparados na dinâmica de vocais gritados e guitarras demolidoras. Mas como eles conseguem, ainda nos dias de hoje, se reinventar e voltar ao topo como uma das mais importantes bandas de rock do mundo? Pergunte ao Angus Young...

Aos que me acusarem de oportunismo ou de perseguição ao Iron Maiden, sinto decepcioná-los, pois gosto da banda. Não de tudo, mas gosto. Sim, se você ainda não tinha percebido isso, volte ao post no blog (olha o link aqui de novo) e tire a prova. Não fiz nenhuma crítica no aspecto musical, de que eles não saibam tocar ou que são incompetentes no ofício (como são os indies e emos, por exemplo). Pelo contrário. Foram os melhores naquilo que se propuseram a fazer. Mas pararam no tempo. Ficaram datados. Esses são os fatos que um fã, cego que é, jamais poderá enxergar. Não há muito como negar que tanto o Iron Maiden quanto o Deep Purple (que eu adoro) têm vindo demais para cá para fazer (e ser) mais do mesmo. Acho ótimo que eles façam mais shows por aqui do que o Asa de Águia ou qualquer porcaria axé. E se eles gostam de caçar níqueis, e quiserem lançar um DVD "live in Carnalfenas", fiquem à vontade. Agora, não querer que alguém diga algo a respeito ou emita uma opinião... Aí já é demais. Se tenho a desfaçatez de blasfemar desse jeito, é apenas porque não sou um fundamentalista, que nega a realidade (e forja uma nova) em nome de uma doutrina.

Nota do autor
"O pessoal que curte heavy metal não tem a cabeça mais aberta desse mundo" ― Bruce Dickinson (sim, ele mesmo!), corroborando a tese exposta acima


Diogo Salles
São Paulo, 10/3/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pílulas Poéticas para uma quarentena de Luís Fernando Amâncio
02. Tecnologias e borboletas de Ana Elisa Ribeiro
03. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
04. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis de Ana Elisa Ribeiro
05. A Coreia do Norte contra o sarcasmo de Celso A. Uequed Pitol


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2009
01. Millôr Fernandes, o gênio do caos - 17/2/2009
02. 10 palavrões 1 livro didático e ninguém no governo - 2/6/2009
03. Michael Jackson e a Geração Thriller - 21/7/2009
04. O fundamentalismo headbanger - 10/3/2009
05. PMDB: o retrato de um Brasil atrasado - 17/11/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/3/2009
08h48min
Realmente, Diogo, compor algo de dentro para fora do estúdio é desafiador e muito mais honesto. Você sabe da minha opinião, de que as chances da crítica descer a lenha num álbum feito assim são muito maiores que o contrário, mas eu penso que a banda existe para os fãs, não para a crítica. Se os fãs do Iron ficam felizes com a fórmula utilizada pela banda para compor os últimos álbuns, paciência! É duro analizar citações fora de contexto, mas analisando a do Bruce, podemos até entender que pela banda rolaria algo diferente, mas há aquele receio de que os fãs não curtissem a idéia, aí já podemos descambar para vários lados, e comentar inclusive a possibilidade da banda fazer um "chá com pão" por puro medo da reprovação. Abraços.
[Leia outros Comentários de Érico Salutti]
10/3/2009
09h24min
Entendo e respeito seu ponto de vista, apenas não concordo. Com exceção do U2, gosto de todas as bandas citadas no artigo, umas mais, outras menos, e já assisti ao mesmo show, da mesma turnê, em dias seguidos, mesmo sabendo que seria tudo igual, até as falas do artista. Ninguém compra um cd ou dvd para ouvi-lo/ assisti-lo apenas uma vez, da mesma forma não me incomodo de assistir ao mesmo show novamente...
[Leia outros Comentários de Janaina]
10/3/2009
22h11min
O rock, como outras formas de cultura, é uma forma de manifestar a identidade, daí o radicalismo. Em especial quando ele é mais baseado em imagem. Mas a música pop é mais diversa e rica que uma meia dúzia de tribos. E muitas delas refletem e ironizam este fundamentalismo: The Kinks, The Residents, The Fall, Half Man Half Biscuit e, mais recentemente, LCD Soundsystem. Sem falar em qualidade, que é questão de gosto, o grande valor da música pop é poder ser questionadora e ao mesmo tempo acessível fora de uma elite.
[Leia outros Comentários de Renato]
11/3/2009
10h48min
O fundamentalismo, por definição, está assentado sobre uma fé e/ou uma razão inconsistente, e é justamente a inconsistência que gera o ataque pessoal e a ameaça da violência. A consciência, do contrário, gera debate. Muito correta a observação do autor, principalmente ao vermos em comunidades orkutianas bizarrices como a discussão se o metal é melhor e/ou mais criativo que o jazz (isso pra não apelar ao universo dito erudito). Gostaria somente de acrescentar que nem só de bandas "replay" falamos ao citar o fundamentalismo na música, afinal, como fã do Dream Theater eu afirmo com todas as letras: NÃO HÁ FÃ MAIS CHATO QUE O FÃ DO DREAM THEATER, por mais que seja uma banda relativamente mutante.
[Leia outros Comentários de Lukas]
18/3/2009
16h30min
É curioso como esta nova turnê do Iron Maiden, embora absolutamente carente de novidades, atraiu atenção da mídia. Despreparo de editores e pauteiros? Ou há algo que eu não captei...? Em linhas gerais, concordo com o autor. Só lamento a crítica ao bom e velho "indie", que nunca foi sinônimo de incompetência. Como várias vezes já discuti com o autor, no rock-pop importa mais os corações que você alcança do que a velocidade com que dedilha a guitarra. Abraços!
[Leia outros Comentários de Luiz Augusto Lima]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ao Deus Desconhecido: Um Ensaio Ontológico
Wilson Silva
Kúrios
(2015)



Curso de Direito Comercial - Falência e Recuperação de Empresa
Sérgio Campinho
Saraiva Jur
(2018)



Reiki Universal (Sistema Usui, Tibetano, Osho, Kahuna)
Johnny De' Carli
Madras
(1999)



O Estado Babá
David Harsanyi
Litteris
(2011)



Sampaio Bruno Prosa
Joel Serrão
Agir
(1960)



Saude - Série Bem-estar (2007)
Lilian Rossetti; Heloisa Noronha
Publifolha
(2007)



Tex Nº 104
G. L. Bonelli
Vecchi
(1979)



Administração de Hotelaria Hospitalar
Fadi Antoine Taraboulsi
Atlas
(2003)



Batismo de Fogo
Mario Vargas Llosa
Record/Altaya
(1995)



De La Grâce et de Lhumanité de Jésus
Jacques Maritain
Desclee de Brouwer
(1967)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês