Dos sentidos secretos de cada coisa | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
46447 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Vera Saad resgata política brasileira dos anos 90 para destrinchar traumas familiares
>>> Festival de Cinema da Fronteira e Sur Frontera WIP LAB abrem inscrições
>>> O Pequeno Príncipe in Concert
>>> Estreia da Orquestra Jovem Musicarium ocorre nesta quarta, dia 21, com apresentação gratuita
>>> Banda Yahoo se apresenta na Blue Note SP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
>>> Quando o AlphaGo venceu a humanidade (2020)
Últimos Posts
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
>>> HORA MARCADA
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
>>> De perto, ninguém é normal
>>> 14 de Outubro #digestivo10anos
>>> Scott Henderson, guitarrista fora-de-série
>>> O primeiro parágrafo
>>> O prazer da literatura em perigo
>>> Aulas de filosofia on-line
>>> Mezzo realidade, mezzo ficção
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
>>> Esquema Dilma opta por Russomano
Mais Recentes
>>> O Poder Do Subconsciente de Dr Joseph Murphy pela Best Seller (2015)
>>> A Viagem de Uma Alma de Peter Richelieu; Nair Lacerda pela Pensamento (2011)
>>> Conversando Sobre Mediunidade: Retratos de Alvorada Nova de Cairbar Schutel; Abel Glaser pela O Clarim (1993)
>>> O Homem em Busca de Deus de Torre de Vigia pela Watch Tower (2015)
>>> Eu Posso e Sou Capaz de Rosalino X. de Souza pela Da Autore
>>> As Provas do Nosso Amor a Deus de Márcio Valadão pela Batista da Lagoinha
>>> Conheça o Deus Verdadeiro de J. E. Lourenço; S. Vilarindo Lima pela Ibcb (1987)
>>> Orixás, Caboclos e Guias: Deuses ou Demônios Evangélico de Edir Macedo pela Unipro (2019)
>>> Palamanda: Quando as Deusas se Vingam de Omar Carvalho pela Comunicação (1983)
>>> Sofrimento e Paz para uma Libertação Pessoal de Inácio Larranaga; José Carlos Corrêa Pedroso (trad.) pela Vozes (1988)
>>> Demian de Herman Hesse; Ivo Barroso (trad.) pela Record
>>> O Poder Oculto de Pe. Reginaldo Manzotti pela Petra (2019)
>>> Os Pilares da Terra: Volume 2 de Ken Follett; Paulo Azevedo (trad.) pela Rocco (1992)
>>> A Missa Parte por Parte de Luiz Cechinato pela Vozes (1993)
>>> Missionário de Amor, Luz e Redenção de Frei Rogério Neuhaus pela Da Autore (1997)
>>> Amor e Mudança de Júlio Cesar Faria Machado pela Fênix (1996)
>>> Terra à Vista: Descobrimento ou Invasão? de Benedito Prezia; Osvaldo Sequetin (ilustr.) pela Moderna (1992)
>>> A Filha do Feiticeiro: Uma Lenda Viking de Chris Conover; Sergio Flaksman (trad.) pela Ática (1996)
>>> Sexo para Adolescentes de Marta Suplicy; Paulo Freire (pref.) pela Ftd
>>> Las Botas de Siete Leguas de Christian Perrault pela Edic
>>> Venecia Guía Fotográfica de Loretta Santini pela Fotorapidacolor Terni (1973)
>>> Guia de Cadastramento de Famílias Indígenas de Cidadania pela Mds Senarc (2010)
>>> Flausino Vale: 1894/1954 de Jerzy Milewski pela Europa (1985)
>>> Ócio: Poesia e Provocações: Capa Dura de Mauro Felippe; Rael Dionisio pela Urussanga (2016)
>>> Caças a Jato: Aviões Supersônicos de Alfredo Guilherme Galliano; José Américo Motta Pessanha pela Abril Cultural (1975)
COLUNAS

Sexta-feira, 6/4/2018
Dos sentidos secretos de cada coisa
Ana Elisa Ribeiro
+ de 7100 Acessos

Nunca mais uma fotografia será apenas uma fotografia. Papel, tinta, borda, textura. Uma fotografia será um universo inteiro. Fechado nele mesmo, enquanto formos nós. Aberto ao infinito, se for qualquer leitor. Nunca mais uma fotografia tirada de uma sacada de um prédio de apartamentos para alugar será só ela. Uma fotografia da vista acima das casas, dos edifícios, da torre da igreja. Rio ao fundo, o rio da Prata. Ou qualquer rio que fosse, estivéssemos nós prestes a nos despedirmos. No céu, na terra, no inferno. Uma fotografia para ser lida vida afora.

Nunca mais uma rua será uma rua e apenas. Será a rua por onde passamos para entrar em livrarias, em lojas de discos, onde procurei pelos CDs de jazz que não estavam mais disponíveis, enquanto o vendedor tentava se comunicar comigo e dizer que ali de tudo havia, do melhor do mundo. Mas não. Eu nem o ouvia direito enquanto mirava aquela capa de um saxofonista em francês. Ou sei lá. Uma rua estreita à qual eu não saberia mais voltar.

Nunca mais uma avenida será uma simples avenida. Assim como me lembro da sensação de atravessar a Corrientes no frio de agosto, também gravei na pele a sensação térmica da 18 de Julio à noite, com vento no rosto, casaco de capuz, suas mãos segurando firmemente as minhas, as pessoas escondidas dentro dos bares e a lanchonete de empanadas logo adiante. "Para, sente o momento, grava isto". Nunca mais a 18 de Julio será apenas uma avenida no mapa de uma cidade, no mapa da América do Sul, no mapa-múndi. A 18 de Julio terá a forma de um dia que nunca mais volta.

Nunca mais uma bebida será uma bebida. Não gravei os nomes daqueles vinhos. Nem a forma das garrafas. Gravei que bebíamos sempre menos do que o previsto. Era muito beijo para intercalar. Não era possível. Duas taças, as rolhas guardadas com data, as uvas de que não me recordo... tempranillo? Tannat? Um amargo de despedida sempre ameaçando vir. E fingíamos que tudo era para sempre. E não é? Para sempre é o tempo da memória.

Não haverá mais simplesmente a blusa de malha preta. Na vitrine, no seu corpo ou no meu, uma blusa de malha preta com gola em V nos transportará para aquela noite, naquele dia, naquele lugar, quando eu disse que me esqueci do pijama. Preferi que você levasse a malha. Eu, não. Eu quero os cheiros que não são guardáveis, as imagens que se apagam, as lembranças que esmaecem, o amor que esmorece com o tempo. Será? Prefiro ver toda malha preta de gola em V e me lembrar de você e de como seu número caía mal em mim.

Nunca um All Star será apenas um tênis. Chute o chão liso e ouvirá um assobio. É nossa cena juvenil. Como eles caem bem nos seus pés. E nos meus. E parecíamos dois adolescentes combinando as roupas. Notaram, lembra? Mas mal sabiam que era sem querer, era assim que éramos. Nunca mais um tênis será apenas um calçado. Era com este, desta cor, deste jeito, que estávamos quando você parou de ouvir a palestra e filmou apenas o movimento dos meus pés, minutos e minutos.

Não haverá mais a mesma igrejinha, nem o mesmo viaduto, nem aquele restaurante onde nenhum de nós havia ido antes, nem nunca mais estaremos lá. Não haverá mais como estar no mundo sem uma lembrança atiçada por um vinho, um nome, uma rua, um edifício, um rio, um tênis, uma estampa, um livro, um disco, um prato, um casaco, aquela rambla fria de até nos irritar.

Uma fotografia. Nela estaremos, para o resto da vida, sentados meio de lado, água atrás, os prédios em curva, sorrindo, com os cabelos esvoaçantes, entrelaçados, fio a fio, como queríamos ser, inteiros. Sorrisos na boca e nos olhos.

Não depende, no entanto, da fotografia. A memória dará nossos significados às coisas, aos objetos, ao corredor da casa, onde você se perdia; à poltrona de leitura, onde você esteve a ler qualquer coisa, sem atenção; à cama vazia. Não depende de mais nada. A memória fará de toda linha um vestígio. Que seja a unha cortada na pia. Que seja a toalha azul, que demorou semanas a ser retirada do lugar. Que seja a ideia de ir, de voltar, de viajar, de viver. Como uma ideia pode incendiar tanto?

Não haverá mais beijo qualquer. Haverá lembrança. Calaremos nossas perguntas: por quê? Por que não? E se? Silenciaremos tudo. Afinal, a vida estava lá, sendo passada, sem legendas, em que idioma? Não haverá mais cena a dois, cena de cinema, cena solar. Estaremos os dois perdidos na lembrança quase irrefletida. Sem trilha sonora, sem The end, sem créditos finais. Não haverá prova. E que bom que tínhamos, a cada take, alguma noção de que a vida era ali, naquele momento, numa coleção de cenas raras, irrepetíveis. O que será dos que vivem sem essa consciência a cada segundo?

Nenhuma palavra em espanhol será apenas vocábulo. Qualquer uma será a manta incompleta que nos cobria enquanto andávamos três ou quatro quadras, em busca de um café sem açúcar e medias lunas doces. As camas de solteiro altas, juntadas sem critério, onde duas pessoas não podiam dormir sem certa noção de abismo. Buenas noches, amor, e durma bem.


LeP



Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 6/4/2018

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
02. Meus melhores discos de 2008 de Rafael Rodrigues
03. Blog precisa ser jornalismo? de Rafael Fernandes
04. Insuportavelmente feliz de Verônica Mambrini
05. O Gmail (e o E-mail) de Julio Daio Borges


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
03. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
04. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
05. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Arte de projetar em arquitetura
Ernst Neufert
Gustavo Gili



Charlotte Street
Danny Wallace
Novo Conceito
(2012)



Método de Guitarra
Fernando Azevedo
Bruno Quaino
(2007)



Férias em Crome
Aldous Huxley
Livros do Brasil Lisboa



Comunicação no Plural Estudos de Comunicação no Brasil e na Itália
Maria Immacolata Vassallo de Lopes
Educ
(2000)



A Dieta Do Abdômen
David Zinczenko
Sextante



Livro Literatura Estrangeira Istambul Memória e Cidade
Orhan Pamuk
Companhia das Letras
(2007)



Maschere Nude
Luigi Pirandello
A. Mondadori
(1938)



Sexo - O Prazer Sem Limites - Livro de Bolso
Graham Masterton
Ediouro
(1999)



Ética Empresarial
Robert Henry Srour
Campus
(2003)





busca | avançada
46447 visitas/dia
1,8 milhão/mês