Dar títulos aos textos, dar nome aos bois | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Feliz Natal, Charlie Brown!
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Marketing de cabras
>>> Simplesmente tive sorte
>>> Sete tecnologias que marcaram meu 2006
>>> Maria Helena
>>> Sombras
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Perfil (& Entrevista)
Mais Recentes
>>> Tumular de Thunder Dellú pela Avec (2021)
>>> A Canção de Bêlit - Tomo 1: A Tigresa e o Leão de Rodolfo Martínez & Robert E. Howard pela Avec (2021)
>>> A Liga Extraordinária apresenta: Nemo As Rosas de Berlin de Alan Moore pela Devir (2018)
>>> O Diabo no Corpo de Raymond Radiguet pela Brasiliense (1985)
>>> O Amante de Lady Chatterley de D. H. Lawrence pela Companhia Editora Nacional (1985)
>>> Meu Coração Desnudado de Charles Baudelaire pela Nova Fronteira (1981)
>>> As Crias de Hastur - A Irmandade do Olho do Corvo - Tomo I de A. Z. Cordenonsi pela Avec (2021)
>>> Artemis Fowl O Menino Prodígio do Crime de Eoin Colfer pela Record (2001)
>>> História de Mayta de Mario Vargas Llosa pela Francisco Alves (1984)
>>> Superman & Batman As Duas Faces da Justiça (três edições. completa) de Karl Kesel e Dave Taylor pela Abril (2002)
>>> Multiverso Pulp Vol. 1: Espada e Feitiçaria de Duda Falcão (org.) pela Avec (2020)
>>> O Ciclope de Eurípedes pela Ofícios Terrestres (2021)
>>> Defensores nº 2 de Joe Kelly. Kano e Phil Jimenez pela Abril (2002)
>>> As Rãs de Mo Yan pela Companhia das Letras (2015)
>>> Linguagem Jornalística de Nilson Lage pela Ática (2003)
>>> DC Especial nº 8 - Poderosa de Paul Kupperberg e Mary Wilshire pela Abril Jovem (1991)
>>> The Demon-Haunted World - Science as a candle in the dark de Carl Sagan pela Headline (1997)
>>> Auto da Barca do Inferno de Gil Vicente pela Saraiva (2008)
>>> A Fábrica Automática e a Organização do Trabalho de Angelo Dina pela Vozes (1987)
>>> Cavaleiro das Trevas III A Raça Superior Livro Cinco de Frank Miller, Brian Azzarelo, Andy Kubert pela Panini (2016)
>>> A arte da tese de Michel Beaud pela Best bolso (2018)
>>> Luluzinha Teen e sua turma nº 1 de Renato Fagundes pela Pixel (2009)
>>> Libro tardío del retorno / Le livre lent swa retrouvailles de Julio Heredia pela Bérénice (2004)
>>> Liga da Justiça nº 5 de Mark Waid. Bryan Hitch e Mike S. Miller pela Abril (2002)
>>> Cenas de um Casamento de Ingmar Bergman pela Nórdica (1977)
COLUNAS

Sexta-feira, 27/7/2007
Dar títulos aos textos, dar nome aos bois
Ana Elisa Ribeiro
+ de 28600 Acessos
+ 10 Comentário(s)

Lembro, como se fosse hoje, das aulas da professora Sílvia, no ensino médio. A altiva professora, formada em Letras, tinha o rosto muito parecido com o da atriz Sílvia Pfeifer, mas vivia de coisa bastante diversa do mundo artístico. A Sílvia da Redação tinha a missão de ensinar incontáveis turmas de adolescentes a escrever.

Naquela época, eu já me dedicava a aprender as tramas dos textos. Fazia tempo que mantinha um diário importantíssimo, que se não tinha nada de grande no conteúdo (nem todo diário pertence a uma Anne Frank), tinha o poder de me fazer escrever pelo menos duas linhas por dia, todos os dias, sem final de semana ou feriado. Se não me falha a memória, o diário havia sido presente de minha mãe.

Em 1987, quando eu contava 12 anos de idade, ganhei uma agenda do Garfield e, por gostar tanto daquele gato, transferi meus apontamentos diários para ela. Travei, então, mais ainda meu contato com a escrita como algo trivial, do dia-a-dia, absolutamente ligado à minha vida íntima.

Quando fui aluna da professora Sílvia, a prática de escrever textos variados uma única vez por semana me parecia trivialíssima. Eu pensava, embora não dissesse, que aquela prática escolar não transformaria ninguém em um bom redator, mas a intenção era nobre e a tarefa, ingrata. Àquela altura, eu nem sonhava que me tornaria professora... de Redação.

A professora Sílvia pediu a todos nós que comprássemos uma pasta com temas de redação. Era uma espécie de "livro didático em lâminas", uma revolução no ensino, cochichavam os mestres pelos corredores. Tratava-se de uma pasta com folhas pautadas em cujos cabeçalhos já vinham as propostas de texto. Nos anos 1980, não faltavam narrativas, descrições e dissertações, sem as condições de produção textual exatas ou mesmo sem sair do lugar-comum. À professora cabia escolher uma "seqüência didática", a tarefa de cada dia, e esperar que fizéssemos. Enquanto nos debatíamos tentando navegar pelas propostas de textos insossos (e insossas), a professora andava de um lado para outro, tal qual o pai que aguarda do lado de fora do bloco cirúrgico para saber se o filhinho nasceu perfeito.

Fizemos nem sei quantas daquelas fichas pautadas. Cumprimos a tarefa do ano. Mais nem sei quantas no ensino médio inteiro, sempre uma vez por semana. No cursinho pré-vestibular, mais Redação. Desta vez, um estilo de professor diferente. Na escola pública de excelente qualidade, tínhamos professores mais "cabeças", contidos, que andavam no ritmo das turmas. No cursinho, caricatos mestres, a maioria homens, desfiavam um tonel de piadinhas ao longo de aulas espetaculares (no mau sentido) para que fizéssemos uma redação por semana. Sentados numa espécie de arquibancada de onde enxergávamos pouco mais do que as cores gritantes das roupas deles, ouvíamos os mestres cantar, dançar, subir na mesa para falar da Segunda Grande Guerra, mostrar suas habilidades no desenho e na imitação. 200 ou 250 alunos-clientes fazíamos redações que eram entregues no guichê da secretaria para serem "corrigidas" por professores de plantão, espécie de "laboratoristas" que tinham em mãos critérios rígidos e davam notas nas margens quadriculadas da folha especial para textos.

Certa vez, minha redação não voltou da correção e fui chamada para conversar com a professora de plantão. Ela me mostrou meu texto, disse que não me daria nota e que queria me alertar de uma coisa: "o texto está muito bom, mas não aconselho você a escrever assim no vestibular. Lá eles querem textos mais padronizados, entende?" Hoje sei, por dois motivos, que aquilo era absurdo. Primeiro porque corrijo redações de vestibular e sei que os poucos alunos que conseguem sair do clichê, se o fizerem bem, têm as notas mais altas e se destacam das vaquinhas de presépio no resto do rebanho; segundo porque aquela professora de plantão provavelmente não sabia como é uma universidade pública... Desde que pus os pés lá dentro, desde o primeiro minuto, tive que discutir, refletir, questionar, argumentar e contra-argumentar.

Lembro bem de detestar as aulas de um professor do cursinho que falava mal da literatura brasileira o tempo todo. Fazia isso de modo divertido, para "ir na onda" da maioria dos alunos da arquibancada. Tal qual em um circo, a moçada se divertia detonando Alencar ou Gregório. E eu, que queria tolamente fazer Letras, me contorcia de raiva. Pensava o óbvio: o professor não valoriza seu próprio objeto de estudo? Mais adiante, percebi que o que ele dizia estava escrito na apostila do vestibular, uma espécie de manual uniformizador de candidatos.

Pois bem, quando passei no vestibular, numa universidade federal, numa colocação de dar inveja a muitos, saiu no jornal a lista dos aprovados como se eu fosse aluna do cursinho! Cursinho que não contribuíra em nada para a minha formação e cujas aulas eu havia freqüentado por 4 meses apenas. A escola pública municipal responsável, em imensa medida, pela minha formação de leitora, redatora e até pela minha escolha pela carreira docente não aparecia em lugar algum.

Também não havia crédito para meus pais, para a invenção da biblioteca pública, para os longos minutos lendo dentro do ônibus que me levava ao colégio, nem para os diários e agendas ganhados de presente de parentes, nem para o namorado leitor de quem ganhei vários livros de boa literatura. Engraçado. Nenhum deles sabia fazer marketing.

Do que aprendi na escola, muito foi aplicado pela vida acadêmica afora. Mesmo assim, a aula em que a professora Sílvia ensinava a dar título aos textos foi contestada e solenemente desconsiderada. Dizia ela, assim como muitos mestres dizem, que os títulos devem resumir a idéia principal do texto. Havia colegas que colocavam título antes de escrever e ficavam ali, trancafiados entre o tema imposto e o árduo desenvolvimento de alguma coisa que não acontecia. Outros escreviam primeiro, sempre monitorando o tema, para depois dar o nome ao boi. Boi de rodeio, vaca de leite ou de corte, cow parade, vaquinha de presépio, para qualquer serventia, havia conversa da professora, explicação, ajuste. E todo mundo achando que escrever tinha que ser "de primeira". Mais tarde, aprendi que esse golpe de excelência não existe. Quanto mais o escritor é escritor, mais ajustes ele faz, mais limas ele usa. Mais ele se lê, relê, revê, revisa.

Quando aprendi as possibilidades do título, achei a professora Sílvia maldita. Os títulos serviam para fazer ironia, dizer o contrário do que se queria, não ser óbvios, ajudar a arrematar a idéia global do texto, entender o texto. Aprendi isso na marra, apesar das aulas do cursinho. Coisa mais engraçada arrancar certos títulos de certos textos. Fazer títulos é uma arte. E, mais tarde, li uma dissertação de mestrado sobre títulos "canônicos" ou "enviesados", o máximo para comprovar minha desconfiança de que títulos são mais importantes do que diziam os mestres do colégio.

E o quanto dói ter um título alterado? Alguém sabe disso aí? Vez ou outra, o editor deste site mexe aqui ou ali num título. E como dói. Há quem brigue por conta disso. Jornalistas sabem disso e aprendem a não se sentir castrados. E o quanto é importante saber dar nome a um livro? O nome da obra pode impulsionar as vendas, mesmo que mais tarde alguém acuse o autor de estelionatário. Alguns títulos jamais nos saem da cabeça. Títulos de teses de doutoramento parecem sempre ter sido arrancados do corpo do texto. Títulos de matérias de jornal, estes sim, a depender do jornal, servem, caretamente, para "resumir a idéia principal do texto". Mesmo assim, é só parar na banca no domingo de manhã para observar as manchetes e perceber: há uma guerra de frases que podem ajudar a vender um jornal.

Depois que já havia me tornado professora de Redação, fui dar aulas para uma turma de Comunicação Social em uma universidade pública. Numa das aulas, trabalhávamos o título do texto. E jamais me esqueci da guerra de manchetes que aqueles garotos promoveram um dia, a partir de um conto de Richard Brautigan, traduzido por Joca Reiners Terron.

O conto, de apenas três linhas, publicado no fanzine Zinequanon, editado pelo poeta Reinaldo Damázio, de São Paulo, era a mínima história de uma moça que descarregava o revólver no vizinho aprendiz de violino. O microconto se chamava "O tilt de Scarlatti". A tarefa dos alunos da Oficina de Textos era transformar aquele conto em nota policial de um jornal popular e promover a guerra de manchetes de toda manhã. Expusemos as manchetes pelo corredor e observamos os resultados das "vendas". Os campeões foram dois grupos de alunos criativos e "engraçados". O segundo lugar ficou para o título "Dó ré mi ta ta ta", de um grupo de meninas. O primeiro lugar, com louvor, vendeu o título "Morreu passando a vara", do grupo cujo líder era um bom aluno chamado... Sílvio.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 27/7/2007

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O artista hoje: entre o 'proponente' e o pedinte de Almandrade
02. Teoria dos jogos perdidos de Vicente Escudero
03. Livros, revistas, jornais e displays eletrônicos de Ana Elisa Ribeiro
04. Breve História do Cinismo Ingênuo de Alexandre Soares Silva
05. Ai de ti, 1958 de Bruno Garschagen


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2007
01. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
02. Leituras, leitores e livros – Final - 30/3/2007
03. Leituras, leitores e livros – Parte I - 9/2/2007
04. Chicletes - 14/9/2007
05. Leituras, leitores e livros – Parte III - 16/3/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/7/2007
11h22min
Fascinante o texto e como ele relata a experiência mais gostosa que possa existir: escrever! Ana Elisa, realmente o título é a razão de muitas leituras e de muitas críticas. Mais do que escrever, nomear - eis o dilema... Afinal, quem além do escritor para compreender o quanto é importante a crítica do público?
[Leia outros Comentários de Plínio]
25/7/2007
11h31min
Parece-me que todos que somos ligados à Literatura, que como escritor ou professor de Redação, Língua Portuguesa e Literatura, vivemos, quando estudantes, o mesmo drama com os nossos antigos mestres: as intermináveis e chatas aulas de redação na qual se fazia de tudo, menos fomentar o espírito criativo dos estudantes. Por outro lado, aquelas barreiras criativas que nos eram impostas acabaram funcionando como um desafio. Tanto assim que cá estamos nós, apaixonados pela produção textual e, mais ainda, professores de Redação.
[Leia outros Comentários de Luiz Valério]
25/7/2007
12h50min
olha, vou dizer... eu tenho esse livro, esse e-book, chamado SEXO ANAL. o livro foi rejeitado por 16 editoras e acho que boa parte da culpa é do título. Eu era inflexível, mas agora estou considerando mudá-lo... é um título ruim? de mau gosto? muita gente diz que sim. muita gente diz que é apelativo. mas só quem lê o livro entende pq o nome é tão cabível; ele tem realmente tudo a ver com a obra, não é chamativo no sentido, digamos, lúbrico. eu me ofendo com quem diz: "ah, botou esse nome pra chamar a atenção presse livrinho pornô!". ora, se eu escrevesse um livro pornô chamaria de, hmmm, PLEONASMO, ou algo assim... muitas vezes duvidam do nosso bom senso, vai dizer? eu adoro títulos e acho que eles devem sempre apontar para o quem vem a seguir - independente do viés.
[Leia outros Comentários de Biajoni]
26/7/2007
13h40min
Sempre fui hipnotizada por títulos... E aí quando inventei de escrever, fiquei me questionando o que vem primeiro o título ou ou o texto? Acabei de aprender. Agora, a escrever ainda estou aprendendo. Nem um monte de Diários foram suficientes. Então é melhor ler os textos de Ana Elisa e aprender mais e mais. Tudo que foi dito aí acima, já aconteceu comigo. Então o negócio é esperar a minha hora acontecer.
[Leia outros Comentários de Anna]
28/7/2007
18h21min
Gostei muito desse seu texto, Ana Elisa. Ele me fez lembrar de muitas situações semelhantes que vivenciei. Uma especialmente, mais recente: o editor alterou o título de um livro por não "gostar" de uma palavra-chave usada pelo autor, não só no título como em todo o livro. Isto para mim chama-se prepotência...
[Leia outros Comentários de simone]
29/7/2007
11h44min
Ana, a prática da redação, como tudo nos direciona para um sentido de excelencia insuspeitado. A nossa formação sebastianista ou messianica aponta para uma valorização do talento em detrimento do trabalho arduo de desenvolver um pendor ou uma vocação. Alguns professores que tive primavam por me apresentar os obstáculos para a produção de textos, eram geniais ao demolir qualquer tentativa de expressão, que é o possível naquela idade, e com a frágil relação com a produção de textos. Os canones eram adorados, e aquela época se falava pouco do texto contemporaneo. Tínhamos professores avaros que eram bem sucedidos no intento de constranger a iniciação de futuros redatores. Foi então que abandonei a mão dos professores e busquei o ambiente do leitor obsessivo que consolidou por intuição e por contato com outros como eu, num estudante que poderia experimentar a produção de textos, partindo de uma relação mais aberta e independente com a literatura, então por isso lhes sou grato.
[Leia outros Comentários de Carlos E.F. Oliveira]
31/7/2007
08h54min
Ana, teu texto me fez lembrar de minha participação recente na oficina Processo Criativo do Conto, ministrada pelo escritor, Paulo Scott, em Belém. Entre tantos tópicos interssantes, um deles foi exatamente o do título do texto. Paulo disse o mesmo que dizes, que um bom título pode, inclusive, chamar a atenção de uma editora. Isso me faz lembrar também do título de meu livro de contos, que foi por mim "surrupiado" do livro de João Ubaldo Ribeiro, "Viva o povo brasileiro", e que se chama "Borboletas Invisíveis", quando, no livro, não há nenhum conto com esse nome. Isso, até hoje, ainda causa um certo espanto - e até curiosidade, porque muitas pessoas querem saber "o que são as tais borboletas invisíveis", ao que sempre respondo, dizendo que não sei, que o título foi encontrado por acaso, lá no meio do romance do escritor baiano. E tu, Ana, enorme, em tuas considerações, como essa: "Coisa mais engraçada arrumar certos títulos de certos textos."
[Leia outros Comentários de Américo Leal Viana]
31/7/2007
12h21min
É aliviante saber que alunos que escrevem boas redações, e que não necessariamente seguem a cartilha, conseguem bons resultados. Os processo de avaliação de um bom texto de vestibular sempre pareceram a mim um tanto quanto obscuros. E lembro-me que não podia colocar título nas redações para o vestibular. E os comentários todos resumem a importância de se ter um bom título, com certeza, assim com a Ana, já fui fisgada por títulos, mas muitas vezes não gostei do livro. Porque afinal título é importante, mas não é tudo.
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
6/8/2007
16h47min
Que alívio! Parece que tomei sal de frutas depois de uma pesada refeição. Às vezes, me sinto um Dom Quixote, lutando contra os padrões da dita redação para o vestibular. Eu, como professora e corretora de redação (vestibular e Enem), tento sair desse esquema terrível que impuseram aos pobres candidatos. Se eles já têm uma grande dificuldade em escrever, imagina quando se deparam com um esquema rígido e ineficiente de produzirem um texto dissertativo. Sou professora da rede pública municipal e muitos alunos meus vão fazer o Enem. O que vi na minha experiência de corretora desse concurso é uma mesmice sem fim, chavões, clichês, pobreza de vocabulário e de idéias. Os que sobressaíram foram aqueles que ousaram, que criaram, que saíram do lugar comum. Não sei o que me espera neste ano, mas torço para que muitos tenham tido uma professora como a Sílvia. E como você. Abraço. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
1/11/2007
19h33min
Meus sinceros parabéns, Ana Elisa Ribeiro. Já era hora de alguém levar a bandeira dos títulos. O texto “Dar títulos aos textos, dar nome aos bois”, descreve como se dá à arte de bem escrever, mas principalmente, de intitular. Para os adeptos da teoria de que o título é uma ínfima parte do texto, como se explicaria o sucesso da canção “Cálice” e de “Nunca desista dos seus sonhos”, de Augusto Cury. Além disso, o texto aborda outro ponto importante, que particularmente me chamou atenção. Os formatos dos gêneros textuais e sua padronização de acordo com o veículo ou meio. De fato, o que torna um texto agradável é a criatividade do autor para largar a mesmice e caminhar rumo a um estilo que o diferencie dos demais, sem que esse se torne esdrúxulo. Como futuro jornalista, sei que farei parte do “universo das manchetes”, procurando o tom e a notícia ideal. Pois, geralmente não é a notícia que faz o jornalista, mas sim o jornalista é quem faz a notícia. Daí a necessidade de bem escrever.
[Leia outros Comentários de Lucas Fernandes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Biografia Yves Montand: a Vida Continua
Jorge Semprun
Nova Fronteira
(1983)



A Metamorfose
franz Kafka
Pé da Letra
(2017)



Os Irmãos Inimigos 408
Nikos Kazantzakis
Círculo do Livro



Como Serão as Coisas no Futuro
Richard W. Oliver
Negócio
(1999)



Anna Liza e o Consultório Feliz
Eoin Colfer
Galera Junior
(2017)



Infinito - Série Os Imortais Vol. 6
Alyson Noël
Intrínseca
(2011)



Livro Literatura Brasileira Castelos Tropicais
Clara Baccarin
Chiado
(2015)



Livro Administração Money Boss Você Vai Mandar no Seu Dinheiro!
Marcos Silvestre
Valores Editorial
(2017)



Brasil Nos Arquivos Britânicos E Irlandeses: Guia de Fontes
Oliver Marshall
‎ Centre for Brazilian Studies
(2007)



Gramática Española para Brasileños
Vicente Masip
Parábola
(2010)





busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês