Ação Social | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Christian Barbosa no MitA
>>> Obama e o oba-oba
>>> E se Amélia fosse feminista?
>>> O que é ser jornalista?
>>> Toda forma de amor
>>> O filósofo da contracultura
>>> Oderint Dum Metuant
>>> Beleza e barbárie, ou: Flores do Oriente
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> A fragilidade dos laços humanos
Mais Recentes
>>> Império do Café: a Grande Lavoura do Brasil (1850 a 1890) de Ana Luiza Martins pela Atual/ Sp. (1994)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Código da Vida - Fantástico Litígio Judicial de Uma Família de Saulo Ramos pela Planeta (2008)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1991)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1993)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1993)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Contabilidade introdutória de Sergio Iudicibus, Stephen e outros pela Atlas (1977)
>>> Language Its Nature - Development and Origini de Otto Jespersen, (Prof. Univ. Coppenhagen)./ pela George Allen & UnwinnLtd/London (1949)
>>> El Espejo y La Lámpara: Teoría Romántica y Tradición Clásica de M. H. Abrams pela Eitorial Nova/ Argentina (1962)
>>> Clause Sauf Encaissement de Casimir Pajot pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1891)
>>> Catolicismo para Leigos de John Trigilio e Kenneth Brighenti pela Altabooks (2008)
>>> Estudos Sobre Sucessões Testamentária de Orosimbo Nonato pela Forense (1957)
>>> Los Caminos Actuales de La Critica (Encadernado) de René Girard/ G. W. Ireland/ Jacques Leenhardt... pela Planeta/ Barcelona (1969)
>>> Instituições de Direito Civil Portuguez de M.A. Coelho da Rocha pela Garnier Livreiro (1907)
>>> Régimen Argentino de la Propiedad Horizontal de José A. Negri pela Arayú (1953)
>>> Enciclopédia de Cultura de Joaquim Pimenta pela Freitas Bastos (1963)
>>> Direitos de Família de Lafayette Rodrigues Pereira pela Freitas Bastos (1945)
>>> Demarcação Divisão Tapumes de Alfredo de Araujo Lopes da Costa pela Bernardo Alves S.A. (1963)
>>> Consultor Civil de Carlos Antonio Gordeiro pela Garnier (1913)
>>> El Derecho de Familia en La Legislacion Comparada de Luis Fernandez Clerico pela Hispano Americana (1947)
>>> Estudos de Direito Civil de Manoel Martins Pacheco Prates pela São Paulo (1926)
>>> Direitos Reaes de Garantia de J.L. Ribeiro de SouSa pela C. Teixeira
>>> Obrigações de Pagamento em Dinheiro (Três Estudos) de Paulo Barbosa de Campos Filho pela Jurídica e Universitária (1971)
>>> Teoria e Pratica dos Testamentos de Manoel Ubaldino de Azevedo pela Saraiva (1965)
>>> Les Groupements D' Obligataires de Albert Buisson pela Librairie Générale de Droit et de Jurisprudence (1930)
>>> Novo Código Civil Anotado Volume II ( Direito das Obrigações) de J.M.Leoni Lopes de Oliveira pela Lumen Juris (2002)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 6 ) Direito das Sucessões de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1964)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 5 ) (Direto das Obrigações 2ª parte) de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1991)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 4 ) Direito das Obrigações de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (2019)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 3 ) Direito das Coisas de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1991)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 2 ) Direito Família de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1992)
>>> Curso de Direito Civil ( Parte Geral) Volume 1 de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1964)
>>> Usucapião de Imóveis de Lourenço Mario Prunes pela Sugestões Literárias S/A
>>> Instituições de processo Civil (Volume VI) de Caio Mário da Silva Pereira pela Forense (2007)
>>> Direito Civil Volume 6 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (2004)
>>> O Pensamento Vivo de Einstein (Edição Ilustrada) de José Geraldo Simões Jr.: (Pesquisa e Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Direito Civil Volume 2 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (2002)
>>> Posse o Direito e o Processo de Guido Arzua pela Revista dos Tribunais (1957)
>>> Estudo da Posse e das Acções Possessorias de Leopoldino Amaral Meira pela Livraria Academica (1928)
>>> Acção Possessória de J.M. de Azevedo Marques pela São Paulo (1923)
>>> O Direito de Ação e o Modo de Execê-lo de Ataliba Vianna pela Forense (1969)
>>> O Pensamento Vivo de Darwin (Edição Ilustrada) de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Contratos de Seguro de Vários pela Juruã (1990)
>>> O Pensamento Vivo de Darwin (Edição Ilustrada) de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Do Seguro Contra Fogo de J. Stoll Gonçalves pela Empreza Graphica (1926)
>>> O Pensamento Vivo de Darwin (Edição Ilustrada) de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> O Pensamento Vivo de Darwin (Edição Ilustrada) de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Seguros Legislação de Nilton Alberto Ribeiro pela Francisco Alves (1974)
COLUNAS

Segunda-feira, 25/4/2016
Ação Social
Ricardo de Mattos

+ de 2800 Acessos

"Transformai vossa esmola em salário" (Allan Kardec).

Temos preferido nomear "ação social", em vez de "assistência social", ao trabalho desenvolvido no âmbito do Centro Espírita por nós coadministrado. A cada semana percebemos a importância de fazer com que as pessoas atendidas sintam-se envolvidas, atuantes e participantes do trabalho que trará benefícios diretos a cada uma delas. Pessoalmente, as novidades são grandes. Por índole, respeitamos o que foi feito pelos antecessores, mas procuramos descobrir o que cabe a nós melhorar ou ampliar. Si reconhecemos que fizeram muito e foram até onde puderam, ao mesmo tempo causam-nos engulho as desculpas do "sempre foi assim" ou do "já estava assim quando cheguei".

Iniciamos pela questão terminológica. Ouvimos falar das "assistidas das quartas-feiras" desde que começamos a frequentar o Centro. A partir de agosto do ano passado assumimos a coordenação do trabalho e hesitamos quanto ao melhor modo de referirmo-nos a elas. "Pacientes" seria um pernosticismo imperdoável. Pensamos importar o termo "clientes" da Psicologia humanista-existencial, mas pensamos no "clientelismo" e na confusão entre os voluntários da casa. Além do que, o viés financeiro perceptível neste termo poderia perverter nossas intenções. Ora, queremos que as pessoas compreendam que o trabalho feito por elas reverte em benefício delas mesmas, e de nada adiantaria toda a estrutura da casa não fosse elas participarem. Almejamos fazê-las compreender que não ocupam posição passiva na pura e simples assistência material, mas que participam da edificação de uma estrutura de trabalho. Então preferimos o simples e funcional "colaboradoras".

São mulheres de idade variada que comparecem ao Centro uma vez por semana e lá passam a tarde. Alimentam-se, ouvem a preleção evangélica, realizam trabalhos manuais, alimentam-se novamente, recebem uma cesta básica conforme o dia e partem. Os trabalhos manuais são pintura em tecido, bordado, costura, tricô, crochet e, eventualmente, algum artesanato ou bijuteria. Duas frequentam a sala de alfabetização com uma professora aposentada. Nossa primeira preocupação foi demonstrar que o trabalho realizado por elas, que o pano de prato que elas pintaram ou decoraram é vendido e o dinheiro utilizado na compra dos ítens que compõem as cestas de mantimentos levadas para casa. Que o artesanato ou bijuteria trazidos por elas, si vendido, comprará o remédio ou o par de óculos que elas mesmas solicitam. Evidente que não podemos prescindir de doações externas, tanto que até ao Facebook recorremos semanalmente neste sentido. Já recorremos à imprensa local e conciliamos a arrecadação com outros eventos do Centro Espírita. O posto de tesoureiro do Centro resguarda-nos contra alguma emergência.

Tudo seria mais fácil caso a questão fosse limitada ao pagamento dos mantimentos e dos remédios. Infelizmente, trazemos em nós o gene da chatice e optamos por fazê-las compreender que todo o trabalho justifica-se porque elas estão ali, colaborando, trabalhando em conjunto entre elas e com a casa. Um passo além, e experimentamos fazê-las perceber, ao menos as mais jovens, que si elas podem estar conosco, também podem buscar trabalho regular e assalariado. Semanalmente informamo-las das vaga de emprego que levantamos nos jornais locais e na Internet. Graças aos nossos gentis próceres a economia brasileira assume feição titânica, ou seja, afunda tal como o navio Titanic. Apesar disso, foi satisfatório almoçar num shopping local e descobrir que uma delas trabalhava empenhada no balcão de outro estabelecimento da praça de alimentação. Isso arrisca-lhe a vaga? De forma alguma, pois não poderíamos punir quem busca melhorar sua vida. Sem citar nomes, informamos que uma coisa não ameaça a outra, mas que pode chegar o momento de escolher entre trabalho profissional e colaborar no Centro. E entre as alternativas, explicamos o motivo pelo qual nossa escolha pessoal recairia sobre o trabalho assalariado regular: "porque, pelo Centro, ninguém vai se aposentar".

Já encontramos uma mentalidade uniformizada? Longe disso. Funcionamos qual radar tentando captar a psicosfera do grupo. Precisamos tomar medidas disciplinares e deixar a elas a condução do problema. O papel higiênico estava sendo levado embora aos rolos, bem como o papel-toalha para enxugar as mãos. O sabonete líquido dos recipientes estava sendo levado dentro de pequenos frascos. Papel usado e fraldas deixadas de qualquer maneira. O botão da descarga, mero item decorativo. Diante dos fatos, improvisamos um fraldário e colocamos placas em cada cabine e sobre cada pia. O papel higiênico e o papel toalha passaram a ser retirados na portaria, em quantidade fixa. Fosse local de trabalho, talvez a oportunidade alcançada se perdesse. Período de experiência, concorrência desenfreada e desesperada... Melhor chamá-las à solução conjunta do problema e deixá-las decidir quanto tempo ficarão neste regime. "Eu, Fulano e Sicrano temos o banheiro masculino só para nós; vocês todas precisarão usar o banheiro feminino", alertamos.

Precisamos aprender a lidar com duas alternativas: dar o peixe e ensinara pescar. Regra: ensinar a pescar. Semanalmente precisamos entregar alguns peixes, mas os casos são sempre distintos. A mais antiga universidade local encaminhou-nos um senhor com um pedido de cesta básica, o que atiçou nossa curiosidade. Como eles sabem de nosso trabalho? O boletim que preparamos no começo do ano chegou até eles? Ou a assistente social veio a uma de nossas reuniões públicas e recebeu o panfleto com o pedido de mantimentos? Lá esteve, de qualquer forma, um senhor constrangido que recebeu o auxílio. Explicamos que, caso necessário, poderia retornar no mês seguinte. Por outro lado, um guardador de carros vez ou outra aparece pedindo mantimentos. Ele faz sua arrecadação pessoal pela região, de modo que não é muito o que lhe damos. Diante de nossa parcimônia, foi reclamar para uma das trabalhadoras mais respeitadas de nossa casa que "é pouco o que o Centro dá". Acabou ouvindo dela que "o pouco está sendo dividido entre muitos, e aqueles que doavam alimentos para o Centro perderam seus empregos e logo eles que arriscam entrar na divisão deste pouco".

Triste realidade. Observamos, também, que cada colaboradora compõe uma família de cinco pessoas, em média. Na última semana registramos quarenta colaboradoras, significando cerca de duzentas pessoas envolvidas direta ou indiretamente pela atividade no Centro.

No último trimestre de 2015 ficamos todos entusiasmados com a arrecadação geral: dinheiro, alimentos, roupas e demais itens. No primeiro trimestre de 2016, consideradas as contas e tributos da estação, percebemos um declínio também geral. Em 2015, nossa despensa ficou de tal forma abarrotada que pudemos dividir o excedente com cinco outras instituições. Agora em 2016, trabalhamos com uma, no máximo duas semanas de vantagem. O grupo das colaboradoras é dividido em quatro subgrupos. Toda semana, cada integrante de um dos subgrupos recebe sua cesta. Ao final do mês, todas as colaboradoras receberam mantimentos. Olhando o calendário sobre a mesa e lembrando do que há no estoque, verificamos que a distribuição da próxima semana está garantida. A da seguinte...

Não é isto que nos preocupa. A falta de vaga de trabalho para anunciar entristecer-nos-ia mais do que meia dúzia de pacotes de macarrão a adquirir. Preparar o refeitório na noite anterior, antes do trabalho mediúnico, garantindo ambiente limpo, organizado, iluminado e arejado, afigura-se-nos tão relevante quanto organizar nossa fala semanal - recados, informações e, por vezes, o próprio estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo - de maneira compreensível. Porque temos nossa base familiar, afetiva e profissional. Aprendemos que, embora trabalhemos sobre um fundamento doutrinário específico, não devemos impor nossas convicções sob pena de negarmos ajuda a quem, sabe-se lá, vem colecionando "nãos". Porque a ajuda não parte de nós, mas passa por nós. Porque o trabalho não é de um só, mesmo que regras humanas imponham um responsável. Porque quando ocupamos uma posição, duas regras impõem-se. A primeira, não atrapalhar; a segunda, começar a ajudar. Porque há Alguém que tudo vê e que pode estar exercendo sua Misericórdia não em relação ao beneficiário da ação, mas em relação a nós mesmos, conferindo-nos alguma utilidade em Seus planos.

Sobre a atuação do mundo invisível, arquivamos uma ocorrência. Em dezembro passado, adquirimos os itens solicitados para montagem das cestas de Natal das colaboradoras. Voltamos do atacadista, guardamos o carro e começamos a descarregar a mercadoria. Uma voluntária avisa-nos da presença de uma senhora em busca de mantimentos, e antes que ela terminasse de falar, a própria solicitante alcança-nos e conta sua história. Ela é diarista, mas naquela específica semana não pôde trabalhar, e portanto, receber, porque sua patroa contraíra dengue. Tomando seu carrinho de feira, fomos até a despensa onde o abastecemos. Entregamos de volta em suas mãos e tornamos a descarregar as compras do carro. De volta à despensa, fomos surpreendidos por uma doação de mantimentos chegada naquele instante. Ou seja, foi imediatamente reposto aquilo que acabáramos de entregar. Para alguns, mera coincidência. Para nós, foi como se alguém dissesse: "continua, que estamos na retaguarda".


Ricardo de Mattos
Taubaté, 25/4/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Casa Arrumada de Ricardo de Mattos
02. Píramo e Tisbe de Ricardo de Mattos
03. Omissão de Ricardo de Mattos
04. Livrarias de Ricardo de Mattos
05. Carmela morreu. de Ricardo de Mattos


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2016
01. A biblioteca de C. G. Jung - 15/2/2016
02. Livrarias - 30/5/2016
03. Ação Social - 25/4/2016
04. Srta Peregrine e suas crianças peculiares - 5/9/2016
05. Omissão - 28/11/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NOVO CODIGO CIVIL PARA CONTADORES
VALMIR BEZERRA DE BRITO
IOB
(2004)
R$ 35,00



DIALETICA DA VERTIGEM - ADORNO E A FILOSOFIA MORAL
DOUGLAS GARCIA ALVES JÚNIOR
DIALÉTICA DA VERTIGEM: ADORNO E A FILOSOFIA MORAL
(2018)
R$ 34,00



OS SENHORES DO ARCO - VOLUME - 2 - O CONQUISTADOR
CONN IGGULDEN
RECORD
(2009)
R$ 30,00



O ALÇAPÃO
PEDRO CAVALCANTI
GLOBAL
(2011)
R$ 11,90



DIRECTRICES DE SEGURIDAD
J RAUL TEIXEIRA DIVALDO P FRANCO
FRATER
(1995)
R$ 15,00



O LIVRO E A VIAGEM SEM LIMITES - AS LETRAS PORTUGUESAS E O MUNDO
MARIA ALEXANDRE LOUSADA (COORD.)
CDP
(1997)
R$ 48,00
+ frete grátis



PROJETO E CÁLCULO DE ESTRUTURAS DE ACÇO
ZACARIAS CHAMBERLAIN RICARDO FICANHA RICARDO FABEA
MUNDIAL
(2015)
R$ 69,90



DIREITO E MEIO AMBIENTE REFLEXÕES ATUAIS
GRACIELLE CARRIJO VILELA MARINA RIEVERS
FORUM
(2009)
R$ 50,00



PIRATAS DAS ILHAS SANGUE DE DRAGÃO: O DIAMANTE DA MORTE
DAN JERRIS
FUNDAMENTO
(2011)
R$ 5,50



ARCA DE NOÉ III CLASSE ILUSTRAÇÕES LUÍS FILIPE DE ABREU
AQUILINO RIBEIRO
BERTRAND
(1989)
R$ 66,00





busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês