Livrarias | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
Mais Recentes
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
>>> O Espião que saiu do Frio de John Le Carré pela Abril cultural (1980)
>>> A Primeira Reportagem de Sylvio Pereira pela Ática (1988)
>>> Distúrbios Psicossomáticos da Criança de Haim Grunspun pela Atheneu
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
>>> Rômulo e Júlia - Os Caras-Pintadas de Rogério Andrade Barbosa pela Ftd (1993)
>>> O Nariz do Vladimir de José Arrabal pela Ftd (1989)
>>> Perigosa e Fascinante de Merline Lovelace pela Nova Cultural (2002)
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Nova Cultural (2001)
>>> O Grande Conquistador de Rita Sofia Mohler pela Escala (1978)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança de John C. Maxwell pela Agir (2007)
>>> Dungeon master guide de Jonathan Tweet / Skip Williams pela Core Rulebook II (2000)
>>> Disfunção Cerebral Mínima de Antonio Branco Lefévre - Beatriz Helena Lefevre pela Sarvier (1983)
>>> Viagem Fantástica II - Rumo ao Cérebro de Isaac Asimov pela Best Seller (1987)
>>> Tpm Número 57 Maio 2009 de Caetano Veloso pela Trip (2009)
>>> Incorporações Imobiliárias de J. Nascimento Franco/ Nisske Gondo pela Revista dos Tribunais (1984)
>>> Cavalo-Marinho no Céu de Edmund Cooper pela Hemus
COLUNAS

Segunda-feira, 30/5/2016
Livrarias
Ricardo de Mattos

+ de 3200 Acessos

O papel e a tinta estão sob vosso controle, não as ideias” (Rabi Shallamo Ben Yeoshua).

Ouvimos dizer que na cidade de Aparecida do Norte, Estado de São Paulo, os visitantes e romeiros, principalmente os romeiros, não adquirem imagens que representam os sujeitos de suas devoções. Não compram nem adquirem, mas trocam. Aproximam-se da imagem que lhes agradou e perguntam ao vendedor – no caso, trocador? – por quanto ele “troca”. Parecerá à maioria mera questão vernácula sem conseqüência prática. Percebemos, porém, o escrúpulo do fiel ao evitar usar os termos “santo”, “santa” e “custo” na mesma frase, mercantilizando o sagrado.

Diante do sentimento de sacralidade que mantemos por alguns de nossos livros, somos tentados a equiparar nossos escrúpulos ao do romeiro. Certas obras atraem-nos com tal vigor que só nos falta bater um joelho no chão enquanto persignamo-nos. De nossa coleção, não há valor econômico que tire algum volume de nós, mesmo que seja uma brochura rabiscada a lápis. Ora, ninguém ofereceria fortuna alguma pela brochura encardida de um desconhecido, o que garante o sossego de nossa biblioteca.

Quem reside na cidade de São Paulo, ou para lá dirige-se com freqüência, poderá compreender nosso pasmo ao visitar a Livraria Cultura da Avenida Paulista. Certamente a variedade de livrarias nesta cidade surpreende qualquer apreciador do livro e da leitura. Todavia, para quem tem pouco tempo para deambular pela cidade, visitar a Cultura é o mesmo que adentrar uma catedral em detrimento daquela capelinha acolhedora e especializada. Das últimas vezes que lá estivemos, suspeitamos ter ouvido música de órgão.

Não perdemos o foco comercial das livrarias nem o respeito com os demais leitores, compartilhem eles, ou não, nosso amor pelos livros. Por mais que o autor o título instiguem, por mais que a edição seja caprichada e melhor o odor do livro aberto diante de nós, há um código de barras ou uma etiqueta de preço a devolver-nos à realidade. É difícil, também, que manuseemos demais um exemplar, para não o deixar amassado ou com marcas. Somos do tipo de leitor que procura o volume mais limpo e cuidado. Com pesar deparamo-nos com aqueles que ficaram sujos, sabendo que poderão ser recolhidos e descartados.

Em Taubaté, conhecemos a versão privilegiada da relação que, si comercial, pode tratar este aspecto com descrição. Houve época em que recebíamos o telefonema da funcionária de certa livraria anunciando a chegada de uma encomenda e de outros “que, talvez, interessem”. Noutro estabelecimento, as vendedoras sabem que preferimos olhar com vagar as prateleiras e deixam-nos em paz. Com esta tranqüilidade, pudemos encontrar o livro sobre a biblioteca de C. G. Jung. O filé da história é que nosso centro Espírita é proprietário de pequena livraria especializada no meio da cidade, livraria esta que se tornou a base de uma de nossas atividades atuais. No tempo das vacas gordas, acompanhávamos “em tempo real” os lançamentos. Sem contar a facilidade da caderneta...

Como leitor, e ocasionalmente como vendedor, acompanhamos os dois lados do comércio livreiro. Tratamos o leitor agora como gostamos de ser tratados nas outras casas, embora esta recíproca nem sempre se apresente.

A começar pela recepção. Quando estamos a sós e entra alguém, cumprimentamos com “bom dia” ou “boa tarde”, com voz alta e clara, e com a seguinte mensagem subliminar: “fique a vontade e, se precisar, chama”. Algumas pessoas sequer olham. Outras agradecem. Algumas pedem ajuda e arriscam rápida conversa sobre livros. Outras aproveitam a deixa e desfiam seus rosários, o que mantém certa especificidade de nosso atendimento. Por outro lado, ao entrarmos numa livraria, agradecemos e demo-nos por satisfeitos com um “bom dia”. Já sabemos que a pessoa de uniforme poderá consultar livros e preços caso o peçamos. Das poucas coisas que aprendemos nesta encarnação, uma delas é que o assunto da sessão está indicado na prateleira ou na estante. Procuremos um livro de Monteiro Lobato, sabemos que nossas chances serão maiores ao nos dirigirmos à estantes onde lemos as palavras “Literatura Nacional” ou “Literatura Brasileira”. Na livraria gerenciada pela companheira de nossos dias – a mesma que pertence ao nosso núcleo espírita -, os livros foram organizados segundo critérios de confrade anterior, de forma que sabemos onde localizar o pedido do cliente.

O lado patológico da recepção observa-se na grande livraria do shopping velho de nossa cidade. Do corredor somos obrigados a verificar onde estão os vendedores e estabelecer uma rota de fuga. Não é misantropia ou esnobismo, conforme poderemos comprovar em Juízo. Em dezembro passado, fomos seguidos dentro da livraria por diversos vendedores, até que a maioria deu-nos sossego. O último, contudo, ficou em nosso encalço como si fôssemos furtar algo. Nenhum livro possuía preço – e ainda não possui – de forma a forçar o contato com o funcionário. Ao menos três deles ofereceram-nos cestinhos idênticos ao dos supermercados. Pelo canto dos olhos, percebemos o quarto vendedor vindo em nossa direção para fazer o mesmo oferecimento. E por trás ouvimos uma moça falar-lhe: “Ele não quer!”. Atribuímos o desconforto ao proprietário da livraria e à crise financeira que nos assola. O proprietário deveria treinar seus vendedores para as especificidades do público. A comissão por venda pode ser ansiogênica diante da crise econômica. Nem por isso é agradável perceber-se seguido pelos corredores. Pela postura física e pelo gestuário do vendedor, captamos mensagens como: “escolhe logo”; “como enrola”; “quanto tempo vai ficar nisso”; “ele deve estar fazendo de propósito”. Respondemos com “sinto muito”, pois nossa busca era por livros, não por meias ou pão de forma.

Mencionamos “especificidades do público”, mas estamos prontos a rever estas palavras diante do crescimento de pessoas que procuram pelo “livro de capa azul”. Já lemos sobre este tipo de cliente, inclusive em colunas do Digestivo Cultural. Talvez a cor da capa varie, mas ficou-nos a impressão de ser o mesmo indivíduo que se propôs a ir de livraria em livraria, país a fora, perguntando aos vendedores sobre o livro com determinada cor de capa. Não existem as loiras do banheiro? Deve existir uma assombração para cada livraria, que desapareça após o vendedor virar-se para consultar o colega sobre o “livro de capa azul”. Um ser penado, que num livro com a capa desta cor encontrou o bilhete de despedida da pessoa amada e agora vaga tentando reverter o acontecido e readquirir o gosto pela vida. Ocorre que eles proliferaram...

Um senhor, com muita pressa, queria saber a respeito de livro lido por ele há muitos anos. Título, autor ou enredo foram esquecidos. Sabia somente dizer que se lembrava de um personagem médico... Restou-nos refletir sobre o que de fato ligou a pessoa à obra. Outras pessoas ficam inseguras diante de livros editados por mais de uma editora. Mesmo título, mesmo autor, mesmo começo de texto, mas um inocultável receio de adquirir o livro errado.

Não sabemos tudo a respeito do livro que procuramos – muitas vezes, sequer dos que possuímos – mas nosso interesse pode ser despertado por uma resenha, ela orelha ou pela quarta capa, pela situação do autor ou da obra num quadro maior. Nada saber a respeito do exemplar que temos em mão e mesmo assim adquiri-lo não foi muito freqüente em nossa trajetória.

Intuição, sim. Não expectativa de grandes revelações a respeito do ser, do destino ou da dor, mas de boa leitura. Já mencionamos em outras colunas que certos livros seguem-nos ou jogam-se diante de nós... Alguns garantem-nos ótimos momentos, outros são valiosos em nossas investigações. Entre os fiadores de bons momentos entre páginas, indicamos Linha M, de Patti Smith. Nada sabemos a respeito do movimento Punk, nem sabíamos a respeito da autora. Todavia, o anúncio da editora começou a aparecer diariamente em nossa página do Facebook e as resenhas sucediam-se. Adquirimos nosso exemplar e lemo-lo com gosto, aproximando-o, com as devidas ressalvas, d’A louca da casa, da espanhola Rosa Montero. Usufruída a obra de Smith, nada mais ouvimos falar dela. Outra experiência que rendeu um bom retorno, mas desta vez sob influência do preço, foi A décima - terceira história, de Diane Setterfield.

O ser ignora sua vulnerabilidade ao não conseguir identificar o que deseja. Esta é uma questão existencial, inclusive. Pior, a nosso ver, é a situação de quem outorga a outra o controle de sua leitura. Soubemos que isto existe. Ainda no Facebook, há quem poste a foto de um livro e pergunte “se ele é bom, se alguém gostou”. Já testemunhamos caos mais graves de pessoas perguntando, livro em punho: “eu já li este livro?”; ou “eu tenho este livro?”. Se você não sabe... Reconhecemos que nos tornamos exigentes e caturras com o passar do tempo e acalmamos nossa empáfia ao recordarmos quanto ainda falta aprendermos e de quanto ficaremos sem saber ao concluirmos esta encarnação. Todavia, tomar um livro e contar com o vendedor para saber si já o leu... Provável que fará a mesma pergunta dentro de alguns meses, diante do mesmo exemplar, após introduzir sua fala afirmando – em contradição – que “ama ler” ou que “lê demais”.

Entretanto, entendemos aqui a falta de respeito consigo. Não se grava de imediato tudo o que se lê, e cada releitura revela uma camada nova. A leitura preenche parte significativa de nosso tempo, de forma que aventar este esquecimento esnobe acaba depondo contra a pessoa.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 30/5/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Wunderteam de Celso A. Uequed Pitol
02. Casa Arrumada de Ricardo de Mattos
03. Píramo e Tisbe de Ricardo de Mattos
04. Omissão de Ricardo de Mattos
05. Ação Social de Ricardo de Mattos


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2016
01. A biblioteca de C. G. Jung - 15/2/2016
02. Livrarias - 30/5/2016
03. Ação Social - 25/4/2016
04. Omissão - 28/11/2016
05. Srta Peregrine e suas crianças peculiares - 5/9/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PROSPECÇÃO DE JAZIDAS LÍTICAS EM ARQUEOLOGIA: PROPOSTA METODOLÓGICA
ULISSES CYRINO PENHA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 321,00



ASSISTENTES VIRTUAIS INTELIGENTES E CHATBOTS
LEÔNCIO TEIXEIRA CRUZ, ANTONIO JUAREZ ALENCAR, EBER ASSIS SCHMITZ
BRASPORT
R$ 80,00



O EVANGELHO SEGUNDO O FILHO
NORMAN MAILER
RECORD
(1998)
R$ 13,39



ATUALIDADES VESTIBULAR GUIA DO ESTUDANTE
GUIA DO ESTUDANTE - VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2009)
R$ 5,00



A QUESTÃO AMBIENTAL E AS CIÊNCIAS SOCIAIS
IDÉIAS ANO 8 (2) DE 2001
UNICAMP (CAMPINAS SP)
(2001)
R$ 26,82



MÁRIO DE ANDRADE - LITERATURA COMENTADA
JOÃO LUIZ LAFETA
NOVA CULTURAL
(1990)
R$ 5,00



CADERNO DE APOIO ESTATÍSTICA APLICADA À GESTÃO
CRISTINA VILHENA DE MENDONÇA J. CALDEIRA
UNIVERSIDADE ABERTA
(1997)
R$ 73,64



GUIA COMPLETO DO FUNCION DE UMA EMPRESA : MICRO MÉDIA E GRANDE 7239
ROGR BARKI JOSY ALZOGARAY
VOZES
(1985)
R$ 11,00



SEM TEMPO PARA CHORAR
MARILUSA MOREIRA VASCONCELLOS
RADHU
R$ 28,00



RAIO X DO LIVRO ESPIRITA
EURÍPEDES KUHL
ALIANÇA
(2003)
R$ 5,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês