Livrarias | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
59843 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Pousada e Recanto dos Pássaros – Sítio Vô Elias Maffei
>>> Coreógrafa carioca Esther Weitzman ministra oficina gratuita de dança no Sesc Santana
>>> Caleidos apresenta “Entrevista” para gestores e professores da rede pública de São Paulo
>>> É HOJE (30/9): Mostra Imaginários no Cine Bijou
>>> Etapa apresenta concerto gratuito da Camerata Fukuda com o violinista Ricardo Herz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 50 anos de Bossa Nova
>>> O humor da Belle Époque
>>> 24 de Março #digestivo10anos
>>> Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Kindle DX salvando os jornais?
>>> A Casa de Ramos
>>> Reconhecimento
>>> A hora exata em que me faltaram as palavras
>>> Salão do Livro para crianças
Mais Recentes
>>> Fator de Enriquecimento de Paulo Vieira pela Gente (2016)
>>> Treinamento de Líderes Voluntários de Silvino J Fritzen pela Vozes (1982)
>>> A Sentence of Life de Julian Gloag pela World Books (1967)
>>> Amanhã é Natal de Liene Collaço Paulo pela Do Autor (1997)
>>> Pequenas Quinquilharias para Colecionadores Precoces de Liluah pela Saint Germain (2002)
>>> Dogsong de Gary Paulsen pela Aladdin (1985)
>>> A Vantagem Competitiva das Nações de Michael E. Porter pela Campus (1990)
>>> Sexo e Obsessão de Divaldo Pereira Franco pela Leal (2004)
>>> Sinfonia dos Animais Noturnos de Lourenço Cazarré pela Artes Ofícios (1994)
>>> Seja Feliz, Meu Filho! de Içami Tiba pela Gente (1995)
>>> Pai sem Computador de Amilcar Neves pela Atual (1993)
>>> Vinhedo das Vontades de Eduardo Dall Alba pela Iel (2000)
>>> Adoro Problemas de Michael Moore pela Leya Casa da Palavra (2011)
>>> O Mecanismo da Vida Consciente de Carlos Bernardo Gonzáles pela Logosófica (2002)
>>> S. Rita de Cássia de L. de Marchi pela Paulinas (1979)
>>> E o Nilo Continua... de Carmen Annes Dias Prudente pela Melhoramentos
>>> Nova Lei de Falências de Emilio Sabatovski Iara P Fontoura pela Juruá (2005)
>>> A Vida e o Amor Meninas 3 a 8 Anos Meninos e Jovens de Bernardette Delarge Doutor Emin pela Rideel
>>> Contos e Cânticos de Felicidade de A Bogaz e M Couto pela Escala
>>> Simbologia Braille de Geisa Leticia Kempfer Bock pela Dioesc (2013)
>>> Nem Sempre Verdade Nem Tanto Folclore de Pedro Sampaio pela Do Autor (2007)
>>> Rumo ao Sucesso - a Jornada de Us1 Bilhão da Phison... de Ks Pua pela Age (2012)
>>> A Hora - uma Revolução na Imprensa de Lauro Schirmer pela L&pm (2000)
>>> Feng Shui - o Livro das Soluções de Nancilee Wydra pela Pensamento (2000)
>>> Fragmentos Revista Vol 1 Nº 1 de Universidade Federal de Santa Catarina pela Ufsc (1986)
COLUNAS

Segunda-feira, 30/5/2016
Livrarias
Ricardo de Mattos

+ de 4300 Acessos

O papel e a tinta estão sob vosso controle, não as ideias” (Rabi Shallamo Ben Yeoshua).

Ouvimos dizer que na cidade de Aparecida do Norte, Estado de São Paulo, os visitantes e romeiros, principalmente os romeiros, não adquirem imagens que representam os sujeitos de suas devoções. Não compram nem adquirem, mas trocam. Aproximam-se da imagem que lhes agradou e perguntam ao vendedor – no caso, trocador? – por quanto ele “troca”. Parecerá à maioria mera questão vernácula sem conseqüência prática. Percebemos, porém, o escrúpulo do fiel ao evitar usar os termos “santo”, “santa” e “custo” na mesma frase, mercantilizando o sagrado.

Diante do sentimento de sacralidade que mantemos por alguns de nossos livros, somos tentados a equiparar nossos escrúpulos ao do romeiro. Certas obras atraem-nos com tal vigor que só nos falta bater um joelho no chão enquanto persignamo-nos. De nossa coleção, não há valor econômico que tire algum volume de nós, mesmo que seja uma brochura rabiscada a lápis. Ora, ninguém ofereceria fortuna alguma pela brochura encardida de um desconhecido, o que garante o sossego de nossa biblioteca.

Quem reside na cidade de São Paulo, ou para lá dirige-se com freqüência, poderá compreender nosso pasmo ao visitar a Livraria Cultura da Avenida Paulista. Certamente a variedade de livrarias nesta cidade surpreende qualquer apreciador do livro e da leitura. Todavia, para quem tem pouco tempo para deambular pela cidade, visitar a Cultura é o mesmo que adentrar uma catedral em detrimento daquela capelinha acolhedora e especializada. Das últimas vezes que lá estivemos, suspeitamos ter ouvido música de órgão.

Não perdemos o foco comercial das livrarias nem o respeito com os demais leitores, compartilhem eles, ou não, nosso amor pelos livros. Por mais que o autor o título instiguem, por mais que a edição seja caprichada e melhor o odor do livro aberto diante de nós, há um código de barras ou uma etiqueta de preço a devolver-nos à realidade. É difícil, também, que manuseemos demais um exemplar, para não o deixar amassado ou com marcas. Somos do tipo de leitor que procura o volume mais limpo e cuidado. Com pesar deparamo-nos com aqueles que ficaram sujos, sabendo que poderão ser recolhidos e descartados.

Em Taubaté, conhecemos a versão privilegiada da relação que, si comercial, pode tratar este aspecto com descrição. Houve época em que recebíamos o telefonema da funcionária de certa livraria anunciando a chegada de uma encomenda e de outros “que, talvez, interessem”. Noutro estabelecimento, as vendedoras sabem que preferimos olhar com vagar as prateleiras e deixam-nos em paz. Com esta tranqüilidade, pudemos encontrar o livro sobre a biblioteca de C. G. Jung. O filé da história é que nosso centro Espírita é proprietário de pequena livraria especializada no meio da cidade, livraria esta que se tornou a base de uma de nossas atividades atuais. No tempo das vacas gordas, acompanhávamos “em tempo real” os lançamentos. Sem contar a facilidade da caderneta...

Como leitor, e ocasionalmente como vendedor, acompanhamos os dois lados do comércio livreiro. Tratamos o leitor agora como gostamos de ser tratados nas outras casas, embora esta recíproca nem sempre se apresente.

A começar pela recepção. Quando estamos a sós e entra alguém, cumprimentamos com “bom dia” ou “boa tarde”, com voz alta e clara, e com a seguinte mensagem subliminar: “fique a vontade e, se precisar, chama”. Algumas pessoas sequer olham. Outras agradecem. Algumas pedem ajuda e arriscam rápida conversa sobre livros. Outras aproveitam a deixa e desfiam seus rosários, o que mantém certa especificidade de nosso atendimento. Por outro lado, ao entrarmos numa livraria, agradecemos e demo-nos por satisfeitos com um “bom dia”. Já sabemos que a pessoa de uniforme poderá consultar livros e preços caso o peçamos. Das poucas coisas que aprendemos nesta encarnação, uma delas é que o assunto da sessão está indicado na prateleira ou na estante. Procuremos um livro de Monteiro Lobato, sabemos que nossas chances serão maiores ao nos dirigirmos à estantes onde lemos as palavras “Literatura Nacional” ou “Literatura Brasileira”. Na livraria gerenciada pela companheira de nossos dias – a mesma que pertence ao nosso núcleo espírita -, os livros foram organizados segundo critérios de confrade anterior, de forma que sabemos onde localizar o pedido do cliente.

O lado patológico da recepção observa-se na grande livraria do shopping velho de nossa cidade. Do corredor somos obrigados a verificar onde estão os vendedores e estabelecer uma rota de fuga. Não é misantropia ou esnobismo, conforme poderemos comprovar em Juízo. Em dezembro passado, fomos seguidos dentro da livraria por diversos vendedores, até que a maioria deu-nos sossego. O último, contudo, ficou em nosso encalço como si fôssemos furtar algo. Nenhum livro possuía preço – e ainda não possui – de forma a forçar o contato com o funcionário. Ao menos três deles ofereceram-nos cestinhos idênticos ao dos supermercados. Pelo canto dos olhos, percebemos o quarto vendedor vindo em nossa direção para fazer o mesmo oferecimento. E por trás ouvimos uma moça falar-lhe: “Ele não quer!”. Atribuímos o desconforto ao proprietário da livraria e à crise financeira que nos assola. O proprietário deveria treinar seus vendedores para as especificidades do público. A comissão por venda pode ser ansiogênica diante da crise econômica. Nem por isso é agradável perceber-se seguido pelos corredores. Pela postura física e pelo gestuário do vendedor, captamos mensagens como: “escolhe logo”; “como enrola”; “quanto tempo vai ficar nisso”; “ele deve estar fazendo de propósito”. Respondemos com “sinto muito”, pois nossa busca era por livros, não por meias ou pão de forma.

Mencionamos “especificidades do público”, mas estamos prontos a rever estas palavras diante do crescimento de pessoas que procuram pelo “livro de capa azul”. Já lemos sobre este tipo de cliente, inclusive em colunas do Digestivo Cultural. Talvez a cor da capa varie, mas ficou-nos a impressão de ser o mesmo indivíduo que se propôs a ir de livraria em livraria, país a fora, perguntando aos vendedores sobre o livro com determinada cor de capa. Não existem as loiras do banheiro? Deve existir uma assombração para cada livraria, que desapareça após o vendedor virar-se para consultar o colega sobre o “livro de capa azul”. Um ser penado, que num livro com a capa desta cor encontrou o bilhete de despedida da pessoa amada e agora vaga tentando reverter o acontecido e readquirir o gosto pela vida. Ocorre que eles proliferaram...

Um senhor, com muita pressa, queria saber a respeito de livro lido por ele há muitos anos. Título, autor ou enredo foram esquecidos. Sabia somente dizer que se lembrava de um personagem médico... Restou-nos refletir sobre o que de fato ligou a pessoa à obra. Outras pessoas ficam inseguras diante de livros editados por mais de uma editora. Mesmo título, mesmo autor, mesmo começo de texto, mas um inocultável receio de adquirir o livro errado.

Não sabemos tudo a respeito do livro que procuramos – muitas vezes, sequer dos que possuímos – mas nosso interesse pode ser despertado por uma resenha, ela orelha ou pela quarta capa, pela situação do autor ou da obra num quadro maior. Nada saber a respeito do exemplar que temos em mão e mesmo assim adquiri-lo não foi muito freqüente em nossa trajetória.

Intuição, sim. Não expectativa de grandes revelações a respeito do ser, do destino ou da dor, mas de boa leitura. Já mencionamos em outras colunas que certos livros seguem-nos ou jogam-se diante de nós... Alguns garantem-nos ótimos momentos, outros são valiosos em nossas investigações. Entre os fiadores de bons momentos entre páginas, indicamos Linha M, de Patti Smith. Nada sabemos a respeito do movimento Punk, nem sabíamos a respeito da autora. Todavia, o anúncio da editora começou a aparecer diariamente em nossa página do Facebook e as resenhas sucediam-se. Adquirimos nosso exemplar e lemo-lo com gosto, aproximando-o, com as devidas ressalvas, d’A louca da casa, da espanhola Rosa Montero. Usufruída a obra de Smith, nada mais ouvimos falar dela. Outra experiência que rendeu um bom retorno, mas desta vez sob influência do preço, foi A décima - terceira história, de Diane Setterfield.

O ser ignora sua vulnerabilidade ao não conseguir identificar o que deseja. Esta é uma questão existencial, inclusive. Pior, a nosso ver, é a situação de quem outorga a outra o controle de sua leitura. Soubemos que isto existe. Ainda no Facebook, há quem poste a foto de um livro e pergunte “se ele é bom, se alguém gostou”. Já testemunhamos caos mais graves de pessoas perguntando, livro em punho: “eu já li este livro?”; ou “eu tenho este livro?”. Se você não sabe... Reconhecemos que nos tornamos exigentes e caturras com o passar do tempo e acalmamos nossa empáfia ao recordarmos quanto ainda falta aprendermos e de quanto ficaremos sem saber ao concluirmos esta encarnação. Todavia, tomar um livro e contar com o vendedor para saber si já o leu... Provável que fará a mesma pergunta dentro de alguns meses, diante do mesmo exemplar, após introduzir sua fala afirmando – em contradição – que “ama ler” ou que “lê demais”.

Entretanto, entendemos aqui a falta de respeito consigo. Não se grava de imediato tudo o que se lê, e cada releitura revela uma camada nova. A leitura preenche parte significativa de nosso tempo, de forma que aventar este esquecimento esnobe acaba depondo contra a pessoa.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 30/5/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Abel Sánchez, de Miguel de Unamuno de Ricardo de Mattos
02. Guerra é entretenimento de Adriana Baggio
03. E.T. de Clarissa Kuschnir


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2016
01. A biblioteca de C. G. Jung - 15/2/2016
02. Omissão - 28/11/2016
03. Livrarias - 30/5/2016
04. Ação Social - 25/4/2016
05. Srta Peregrine e suas crianças peculiares - 5/9/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Família Criativa
Daisaku Ikeda
Brasil Seikyo
(1998)



A Fábrica e a Cidade Ate 1930
Nicolina Luiza de Petta
Atual
(2004)



Paul Gauguin -mestres das Artes (1997)
Mike Venezia
Moderna
(1997)



A Metamorfose - Clássicos da Literatura Universal 2
Franz Kafka - Tradução Torrieri Guimarães
Ediouro
(1998)



Bloomberg By Bloomberg - Confira!
Michael Bloomberg
John Wiley Trade
(2001)



David - uma Liçao de Vida e de Marketing
Portes David de Mendonça
Futura
(2003)



A Tarde da Sua Ausência
Carlos Heitor Cony
Companhia das Letras
(2003)



Um Barril de Risadas
Jules Feiffer (autor), Carlos Sussekind
Cia das Letras
(2003)



Encontro na Montanha Vermelha - J. J. Benitez
J. J. Benitez
Planeta



Ecos Ecológicos: uma Jornada Em Defesa do Meio Ambiente
Luizinho Bastos - Livro Autografádo
Paulinas
(2007)





busca | avançada
59843 visitas/dia
2,0 milhão/mês