O Jagunço degolado | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Maíra Lour apresenta leitura dramática audiovisual “Insensatez'
>>> Exposição do MAB FAAP conta com novas obras
>>> Projeto Camerata Filarmônica Brasileira apresenta concerto comemorativo no dia 15 de maio em Indaiat
>>> Ação Urgente Contra a Fome - SescSP
>>> 3ª Mostra de Teatro de Heliópolis recebe inscrições até 31 de maio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Irredentismo
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Hitler, de Ian Kershaw, pela Companhia das Letras
>>> Livrarias em tempos modernos
>>> O que é a memética?
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Sobre o Jabá
>>> Você viveria sua vida de novo?
>>> Suicídio, parte 2
Mais Recentes
>>> A Nova Ciência da Política de Eric Voegelin pela Universidade de Brasília (1982)
>>> Gestión del Conocimiento de Agustí Canals pela Gestión (2003)
>>> Brasil:a Arte de Hoje de Jocob Klintoeitz pela Sao Paulo (1983)
>>> A Conquista do Rio Grande Volume 1 de Jose Netto pela Rio Cell (1989)
>>> Rui Barbosa:tentativa de Compreenção e de Síntese de Luiz Delgado pela Jose Olympio (1945)
>>> T. E. C. Tecnologia Estelar Complementável de Marcelo Santana pela Anthology (2010)
>>> O Pensamento de Platão de Antonio Freire pela Livraria Cruz - Braga (1967)
>>> O Circo de Lucca de Zugliani Jorge Otávio pela Devir (2007)
>>> Far Eastern Ceramics - Marks and Decoration de Maria Penkala pela Mouton (1963)
>>> Tesoros del Arte Japones:periodo Edo(1615-1868) de Museo Fuji - Tokio pela Fundacion Juan March (1995)
>>> Ferrari-the Sports and Gran Turismo Cars de Warren W Fitzgerald / Richard F Merrittn e Outros pela Norton Company (1979)
>>> Cómo Evaluar y Mejorar Sus Capacidades Personales de Gareth Lewis pela Gestión (2000)
>>> Noções Básicas de Importação de João dos Santos Bizelli e Ricardo Barbosa pela Aduaneiras (1993)
>>> Dinheiro Dinheiro Dinheiro... Como Ganhar Rapidamente de Mathias Gonzalez pela Ediouro (1987)
>>> Organizacion del Almacen de Michele Calimeri pela Hispano Europea (1961)
>>> Mestres do Marketing de Gene Walden pela Ediouro (1994)
>>> O Poder do Marketing Direto de Ray Jutkins pela Makron (1994)
>>> Dinheiro Dinheiro Dinheiro... Como Ganhar Rapidamente de Mathias Gonzalez pela Ediouro (1987)
>>> Dinheiro Dinheiro Dinheiro... Como Ganhar Rapidamente de Mathias Gonzalez pela Ediouro (1987)
>>> Como Negociar Aumento de Salário de George M. Hartman pela Ediouro (1995)
>>> Karoshi o Jogo da Qualidade - Completo de Paulo Sandroni e Luis Alberto Sandroni pela Best Seller (1995)
>>> O Monstro Embaixo da Cama de Stan Davis pela Futura (1996)
>>> Techno Trends de Daniel Burrus pela Record (1994)
>>> Vendas e Marketing - o Livro que Você Precisa para Ingressar no Mun... de Manole pela Manole (1999)
>>> Marketing 1 - Acompanha Cd de Ltc pela Ltc (2003)
COLUNAS

Quarta-feira, 6/5/2015
O Jagunço degolado
Wellington Machado

+ de 3800 Acessos

O Jagunço ficaria sem cabeça. Ele soube de tudo, viu tudo, mas a lembrança da terra quente e seca, dos pés encrostados, cairia com sua cabeça. Cairiam também as imagens da ossatura das montanhas ao longe, que produziam ecos de silêncio sem fim, sob o sol incolor de tanta luz refletida. O jagunço de tão fino não se destoava dos "arbúsculos quase sem pega sobre a terra escassa". Havia ali uma lagoa que há muito não produzia reflexo de tão ausente. Lagoa de memória. Uma água sedenta, que supriu boi, que virou carne deitada na poeira, boi-pó. O Jagunço passou ali e viu carcaça de chifres, mandacarus pelados e tristes. Era Monte Santo, sem chuva quase toda vida. Canudos atraiu o homem para a fome, a esqualidez. Um arraial labiríntico de pau, barro e pedras indiferentes. O Jagunço que viria a perder cabeça, desmemorizando-se, corria com desenvoltura no labirinto de Canudos. O sol era. Tão que fazia um soldado descansar imóvel no chão — por três meses qual boi seco. O milico era um restolho de uma batalha vencida pela jagunçada de Canudos, a primeira de uma série de muita gente que ia chegando para degolar a inocência. Jagunço travou combate, com raiva de chutar o soldado seco, mumificado e sem verme, espalhando a ossada inofensiva. Sola de pé de Jagunço é ferro com ferrugem; ignora espinho. Umbuzeiro é carne e água do sertão. O fruto umbu faz bem pro bucho, mantém a espera. O sertão empedra o solo, desnuda a flora sem deixar silhueta e vai abrindo fissura. Jagunço esfomeado revida na guerra. O sertão é salitre pra pólvora de bacamarte, que mira nas ventas dos soldados da república. É muita gente que vem. Jagunço não viu Euclides em reportagem, à espreita. Conselheiro aconselha rezar. Isso tudo é aquele lugar; mediações de Canudos. Assim é a TERRA.

Jagunço é mameluco, igual a qualquer outro jagunço do sertão. É tudo tudo igual ao igual. Difícil saber qual é um no igual. Jagunçada parelha em pele. É uma tropa "desgraciosa", gente torta no andar, desengonçados que dão ânsia de rir da miseragem. O Jagunço e a jagunçada sofrem da moléstia diária de "translação de membros desarticulados, postura abatida, humildade deprimente". O ser jagunço é cócoras o tempo todo quando em prosa. Dedão grande do pé dá conta do corpo. De tanto não dormir e pesar a vida de trabalho põe a juventude em rugas logo cedo. Mas o Jagunço que será desmemorizado em futuras degolanças faz fita de cansaço mas esconde forças nas entranhas. Transmuda-se e a cabeça se eleva atenta ao inimigo, "sobre ombros possantes, aclarada pelo olhar desassombrado e forte; e corrigem-se-lhe numa descarga nervosa instantânea" contra as fardas que vêm das rugas da terra. É a guerra! Jagunçada é certeira; não desperdiça músculo. Não erra o gume mesmo na cegueira da luz que esmerila as retinas. Conselheiro aconselha rezar no pé dos oratórios das capelas erguidas por eles, jagunços mesmos, de humor mínguo. Jagunço não viu Euclides ao longe, em reportagem. Isso é aquele ser, o HOMEM.

Jagunço degolado em acontecer viu chegar gente de farda. Era muita gente da segunda vez. Canudos é formigueiro, não perdoa soldado no labirinto. Poeira é parceira. Vem cambada! Deixa a fome ser, pois Jagunço não perde força. Era pedregulho com salitre nas armas soltando fogo sem rumo. Enxofre prenuncia. Jagunço passa a foice. E veio mais gente de farda e as rezas cumpriram promessa com reforço das mulheres. Militar é faminto, não saber rasgar sertão e quedam pros matutos. Jagunço e jagunçada seguem conselho de rezar, de levantar igrejas com torres, de construir Canudos muitas vezes. As poeiras das batalhas não fazem tossir. E veio mais gente de milícia da cidade, pra mais de formigueiro. E veio mais farda com arma boa. E vieram balas dos canos urbanos. Balas de canhões brutos, de derrubar arraial. E veio mais gente sem dar pra contar mais de dor de perda. Tudo tombou em pó. Jagunço seguia conselho de rezar com os poucos jagunços de sobra. Canudos é o chão. O sol arde em tudo que escorre sangue. Euclides em reportagem. Jagunço esqueceu pra sempre no gume. Isso tudo é LUTA.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 6/5/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O pai tá on: um ano de paternidade de Luís Fernando Amâncio
02. Nos porões da ditadura de Luís Fernando Amâncio
03. Arte sem limites de Fabio Gomes
04. O palhaço no poder de Luís Fernando Amâncio
05. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado
01. O poeta, a pedra e o caminho - 5/8/2015
02. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti - 31/8/2010
03. Enquanto agonizo, de William Faulkner - 18/1/2010
04. As pedras de Estevão Azevedo - 10/10/2018
05. Meu cinema em 2010 ― 1/2 - 28/12/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Atlas da Fauna Brasileira
José Cândido de Melo Carvalho (org.)
Fename
(1978)



Sul
Patrick Mcdonnell
Girafinha
(2015)



O Vampiro Não esta tão a Fim de Você
Vlad Mezrich
Galera Record
(2010)



Le Coeur Du Moyen Age
Carl Grimberg
Marabout
(1974)



Os Fora-da-lei - Como Eles Viram Lenda
Revista de História da Biblioteca Nacional
Bn
(2011)



Bolos Artísticos - Confeitaria 1
Vários Autores
Gamma
(1988)



Diga Não À Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes ...
Maria Conceição O. Costa (coord.)
Do Autor
(2012)



Alquimia da Mente 2ªed
Hermínio C. Miranda
Lachatrê
(1994)



I Encontro de Economistas Sul-americanos
Encontro de Economistas Sul-americanos -
Fundação Alexandre de Gusmão
(2008)



Rio Antigo - Confissões de um Assassino na Belle Epoque
Anatole Jelihovschi
Rocco
(2009)





busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês