Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Anjos e Demônios, o filme, com Tom Hanks
>>> Quem tem boca vai a Roma
>>> Pergunte ao Polvo #worldcup
>>> O escandaloso blog de poesia de Maria Bethânia
>>> PosBIZZ com Ricardo Alexandre
>>> A era e o poder do Twitter
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Bernardo Pereira de Vasconcelos (Português) Capa comum de José Murilo de Carvalho pela 34
>>> Balmaceda - Coleção Prosa do Observatório (Português) Capa comum de Joaquim Nabuco pela Cosacnaify (2020)
>>> Autobiografia de Visconde de Mauá (Irineu Evangelista de Sousa) pela Senado (2020)
>>> Revista Tempo Brasileiro 25 - A Crise do Pensamento Moderno 3 de Vários pela Tempo Brasileiro (1970)
>>> Teatro Moderno = A Moratória de Jorge Andrade pela Agir (1996)
>>> Teatro na Igreja com criatividade de Maria José Resende pela Exodus (1997)
>>> O Furo . . .Que é um Furo que não é um Furo de Everton Capri Freire pela Parma (1981)
>>> A Retornada de Donatella Di Pietrantonio pela Faro Editorial (2019)
>>> O Teatro de Nelson Rodrigues: Uma Realidade em Agonia de Ronaldo Lima Lins pela Francisco Alves (1979)
>>> 525 Linhas de Marcelo Paiva pela Brasiliense (1989)
>>> Sonho interrompido por guilhotina de Joca Reiners Terron pela Casa da Palavra (2006)
>>> Mortos - Vivos = Vivos - Mortos de Walter José Faé pela Burity (1983)
>>> Ana do Maranhão de Lenita de Sá pela Folha Carioca (1982)
>>> Teatro e Paixão de Maria Lombros Comninos/Marta Morais da Costa pela Secretaria de Estado da Cultura e do Esporte (1982)
>>> Teatro de Marionetes de Heinrich Von Kleist pela Ministério da Educação e Saúde (1952)
>>> Teatro - Realidade Mágica de Santa Rosa pela Departamento de Imp. Nacional (1953)
>>> Sonetos em Curitiba de Nylzamira Cunha Bejes pela Planeta (2002)
>>> A Represa / Suburbana de Maria Helena Khuner/Celso Antonio da Fonseca pela Funarte (1933)
>>> Teatro da Vida 2 = Projeto Andarilhus de Eduardo Bolina pela Pallotti (2009)
>>> O Palácio dos Urubus de Ricardo Meireles Vieira pela Funarte (1975)
>>> Helicópteros e Lepidópteros de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1979)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Macacos me Mordam ! de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1987)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Os Infortúnios da Virtude de Marquês de Sade pela Iluminuras (2013)
>>> Joaquim - Minicontos - livrote n. 15 de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1990)
>>> Administração Aplicada à enfermagem de Sérgio Ribeiro dos Santos pela Ideia (2002)
>>> Antologia de Jeorling J.Cordeiro Cleve pela Artes & Textos (2009)
>>> The Golden Bough: Volume 12 de James Frazer pela Cambridge University Press (2012)
>>> Teatrinho Infantil de Figueiredo Pimentel pela Livraria Quaresma (1958)
>>> Reiki Harmonia Universal de Joel Cardoso pela Tipo (2001)
>>> Saúde de Cães de A a Z de Pedro Zarur Almeida pela Madras (2005)
>>> Pré-Natal de Marcelo Zugaib e Rosa Ruocco pela Atheneu (2005)
>>> Gasparetto Responde! de Luiz Gasparetto pela Vida e Consciência (2015)
>>> O Quarto em Chamas de Michael Connelly pela Suma (2018)
>>> Southernmost - Rumo ao Sul de Silas House pela Faro Editorial (2018)
>>> Vigilância e Controle das Doenças Transmissíveis de Zenaide Neto Aguiar pela Martinari (2009)
>>> 21 dias de jejum pela edificação da casa de Deus de Aluízio A. Silva pela Vinha (2012)
>>> Aspectos do Design - Volume II de Vários Autores pela Senai-SP (2012)
>>> Escrevendo no escuro de Patrícia Melo pela Rocco (2011)
>>> Deus e Israel construindo a história de Equipe de produção Itebra pela Itebra (2001)
>>> Virtuosismo e Revolução de Paolo Virno pela Civilização Brasileira (2008)
>>> Simão Pedro de Georges Chevrot pela Quadrante (1990)
>>> Enfermagem em Obstetrícia de Geraldo Mota de Carvalho pela Epu (2002)
>>> Enfermagem e Nutrição de Geraldo Mota de Carvalho e Adriana Ramos pela Epu (2005)
>>> As Ideias de Popper de Bryan Magee pela Cultrix-Usp (1974)
>>> Les damnés de la terre de Frantz Fanon pela La Découverte (2016)
>>> História de Portugal de Rui Ramos (Coordenador), Bernardo Vasconcelos e Sousa, Nuno Gonçalo Monteiro pela A esfera dos livros (2019)
>>> A Corte na Aldeia de Francisco Rodrigues Lobo pela Biblioteca Ulisseia (2005)
>>> Veja 45 anos. Edição Especial. Ano 46 - 2013 de Vários pela Abril (2013)
COLUNAS

Quinta-feira, 29/10/2009
Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
Marcelo Miranda

+ de 6200 Acessos

Numa determinada cena de Rio Grande, um dos filmes menos incensados da vasta carreira de John Ford (não sem alguma razão), dois militares brigam porque um deles disse algo insultuoso a respeito do pai do outro. Chega um superior para apaziguar a confusão e pergunta o motivo da contenda. Todos se recusam a falar. Quando o comandante sai, os briguentos se cumprimentam e parecem se tornar os melhores amigos.

Instantes como este permeiam dezenas de filmes de Ford: conflitos encerrados de forma abrupta e quase sempre amigável. Muito mais do que seres com ódio ao outro, os personagens que permeiam a obra de Ford são, acima de tudo, humanos passíveis de rever as próprias visões da vida e do mundo. Homens brutalizados, marginalizados ou isolados abrem-se para a possibilidade de enxergar no próximo alguma coisa que eles até então desconheciam. Ford, com todo o peso que o seu cinema carrega, foi sempre um diretor preocupado com a reconciliação, em qualquer instância onde ela é possível.

Clint Eastwood, de uma geração posterior e espécie de herdeiro não declarado de Ford, também tem a sua faceta reconciliatória. O que é Gran Torino, mais recente filme do diretor, senão um tratado intimista e pessoal sobre o reencontrar-se e enxergar-se no outro e, com isso, seguir a vida (ou terminá-la) em paz? Porém, a ideia positiva por trás desse raciocínio não torna os filmes de Eastwood ― e nem os de Ford ― destituídos de visões sombrias desses mesmos personagens.

Rastros de ódio, de Ford, é talvez o exemplo máximo: Ethan Edwards (encarnado por John Wayne) é racista, presunçoso e preconceituoso, além de ardoroso e assumido inimigo dos índios, num Oeste americano ainda marcado pelas guerras territoriais. Tamanha é a raiva de Edwards com os nativos que, tão logo descobre estar sua sobrinha sob os cuidados dos comanches, ele não reluta em definir o que pretende fazer: matar a moça. Só que, no momento decisivo, naquele clímax angustiante orquestrado por Ford, o embrutecido Edwards pega a sobrinha nos braços, olha para ela por alguns segundos e decreta: "vamos para casa, Debbie". Nenhuma palavra além é dita, mas as imagens confirmam: algo muito grande e singelo aconteceu ao personagem.

O Walt Kowalski interpretado por Eastwood em Gran Torino é assim: há um conflito bélico em seu passado (a Guerra da Coreia) que o endureceu na relação com as pessoas, em especial se forem de qualquer outra raça ou etnia que não a sua ― logo, não é com agrado que ele recebe os vizinhos asiáticos, novatos no bairro. Porém, no decorrer de uma delicada e discreta teia de acontecimentos desenvolvida com exatidão por Eastwood, o velho rabugento e desprezível abrirá os olhos para além dos próprios sentimentos. Vai encontrar no sentimento do outro a chave para a resolução de seus conflitos e, numa decisão final realizada sem palavras (como a de Ethan Edwards), demonstra até qual ponto ele se dispôs a colocar em prática as novas formas de olhar.

A sobriedade da direção de Eastwood e Ford é representativa dessa visão somatória de mundo. Cineastas da narração mais limpa possível, não compete a eles ― segundo suas concepções ― afirmar categoricamente para onde o espectador deve atentar. O carinho que nutrem a seus protagonistas é o carinho que eles pretendem incutir nesses mesmos protagonistas: é como se o filme, enquanto objeto artístico, fosse o único meio de não apenas dar cria àqueles personagens, mas fazer deles figuras preponderantemente humanas (e daí serem tão cheios de defeitos) e, no limite, torná-los generosos sem lhes tirar a essência.

No caso de Ford, é esta a trajetória de Ethan Edwards, Will Danaher (o troglodita vivido por Victor McLaglen em Depois do vendaval), Perley Sweet (o xerife encarnado por Ward Bond, na caça ao assaltante John Wayne em O céu mandou alguém), o tenente-coronel Yorke (Wayne em Rio Grande) e tantos mais; ou, no caso do cinema de Eastwood, especialmente Kowalski, o pugilista Frankie Dunn (Menina de Ouro) e o errante Red Stovall (Honkytonk Man). Em todos estes casos (e obviamente outros além), não é de estranhar que, após conflitos aparentemente insolúveis, tudo se defina num corte de montagem, num olhar, num convite à bebida, num aperto de mãos: mais do que guerrear, essas figuras aprendem (ou simplesmente descobrem estar buscando) uma resolução conciliatória.

Nem sempre isso é tão aparente e "otimista" como pode parecer. Para ficarmos em apenas dois exemplos de um mesmo gênero, os faroestes O homem que matou o facínora, de Ford, e Os Imperdoáveis, de Eastwood, são filmes que se pode chamar de selvagens e impiedosos, e de uma tristeza crepuscular. Mas, na medida em que parecem não dar trégua ao sentimento de vazio e impotência dos personagens, é justamente aí que eles próprios encontram a redenção. Em O homem que matou o facínora, o advogado Red Stoddard (James Stewart) volta à antiga cidade para o velório de um homem misterioso a todos, mas fundamental para a trajetória de sucesso que acompanha Stoddard desde sempre. Quando ele relata aos jornalistas toda a verdade sobre o falecido (John Wayne), ali está não apenas o reconhecimento de um passado nebuloso, mas também a tentativa de expiação. No rápido diálogo com o garçom do trem, na cena final, Stoddard volta a ter o lampejo do que representou o tal homem, mas aquele segredo já não é mais apenas dele. Se a paz não vem, ao menos ela foi buscada e compartilhada. Existe, portanto, o desejo de reconciliação consigo mesmo.

O mesmo em Os Imperdoáveis: o velho pistoleiro (Eastwood) não quer mais matar, mas não tem escolha quando o amigo (Morgan Freeman) é assassinado. "Matar um homem é algo infernal: você tira tudo que ele tem e tudo que poderia ter um dia", diz, com a convicção de quem já matou "tudo que rasteja nessa terra". Matar é sua essência e, por mais que se negue a tal, sabe que não pode abrir mão de fazer o que acredita necessário ser feito. Mas, tão logo resolve a situação, o pistoleiro desaparece. É visto apenas em silhueta, no túmulo da esposa. Está destruído pelas próprias escolhas. E quem garante não estar também redimido consigo mesmo? É um dilema tipicamente "eastwoodiano", que retornará em todos os seus principais filmes: se a lei não dá conta de nutrir a alma com paz interior, que se burle a lei. As consequências beiram o nefasto (não é incomum, portanto, que vejamos sombras nas cenas finais de um filme de Eastwood, ou então corpos na luz transformados em autênticos fantasmas, como o final de Sobre meninos e lobos), mas a conciliação com alguma instância ― não necessariamente legitimada ou legitimadora ― foi atingida.

John Ford e Clint Eastwood ainda possuem uma terceira via de reconciliação: a deles com eles mesmos enquanto artistas. Ford declarou, certa vez, ter matado, em 60 anos de cinema, mais índios do que o general Custer. A anedota serviu a Ford, no mínimo, para realizar Crepúsculo de uma raça. Os protagonistas são nativos da tribo Cheyenne que precisam percorrer vasto território para chegar às suas terras originárias ― e contam, para isso, com o inesperado apoio de um capitão da cavalaria americana. Quem diria que algo assim ocorresse vindo de um cineasta que ajudou a criar todo o imaginário da conquista do Oeste à base do extermínio (ficcional) de dezenas de indígenas?

Por sua vez, Eastwood realizou Cartas de Iwo Jima, dando visão japonesa a uma das principais batalhas dos EUA na Segunda Guerra Mundial. Ele fez um filme inteiro para desmitificar uma imagem relativa à bandeira americana (A conquista da honra) e, ao mesmo tempo, outro filme inteiro para radiografar a angústia da derrota anunciada dos soldados nipônicos no conflito. Republicano, politicamente conservador, intérprete nas telas dos mais controversos justiceiros (em especial o policial Harry Callahan), patriota: nada faria supor que Clint Eastwood fosse realizar alguma coisa do tipo ― nada, com exceção de seu cinema, dos filmes que já vinha fazendo desde os anos 70 e que impunham uma visão diferenciada e múltipla dos dramas mais singelamente verdadeiros.

Ainda que possivelmente não seja seu último filme (outro já está em andamento), Gran Torino é um autêntico testamento cinematográfico, a provável reconciliação entre a persona selvagem de Eastwood encarnada em diversos trabalhos no passado e o olhar humilde, aberto e agregador de sua concepção artística e humana. E John Ford, lá longe nas pradarias, deve estar orgulhoso.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no site Filmes Polvo.


Marcelo Miranda
Belo Horizonte, 29/10/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Vosso Reino de Luís Fernando Amâncio
02. Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin de Jardel Dias Cavalcanti
03. De Siegfried a São Jorge de Celso A. Uequed Pitol
04. Os clássicos e o leitor de hoje de Lolita Beretta
05. Um homem: Klaus Klump, de Gonçalo Tavares de Ricardo de Mattos


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda
01. O enigma de Michael Jackson - 26/9/2005
02. Tabus do Orkut - 6/2/2006
03. Filmes extremos e filmes extremistas - 6/3/2006
04. Vida ou arte em Zuzu Angel - 14/8/2006
05. Caso Richthofen: uma história de amor - 31/7/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HEIDEGGERS POLEMOS - FROM BEING TO POLITICS
GREGORY FRIED
YALE
(2000)
R$ 53,50



DA GUERRA FRIA À DETENTE
DEMÉTRIO MAGNOLI
PAPIRUS
(1988)
R$ 23,82



TECNICA EN EL QUIROFANO MANUAL PARA PERSONAL DE SALA DE OPERACIONES
MARY ELLEN YEAGER
INTERAMERICANA
(1971)
R$ 118,45



REVISTA BRASILEIRA DE OFTALMOLOGIA VOL 25 N° 4
ADERBAL DE ALBUQUERQUE ALVES
NÃO INFORMADO
(1966)
R$ 16,75



O BRASIL E A HARMONIZAÇÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL
ELIONOR FARAH JREIGE WEFFORT
ATLAS
(2005)
R$ 17,28



REALLY LEARN 100 PHRASAL VERBS
DILYS PARKINSON
OXFOR
(2007)
R$ 7,00



A ROTA SANGRENTA
SVEN HASSEL
RECORD
(1977)
R$ 47,00



MEDIÇÃO E SERVIÇO SOCIAL - 8ª EDIÇÃO - OBRA REVISTA E AMPLIADA
REINALDO NOBRE PONTES
CORTEZ
(2016)
R$ 46,95



O ANEL DE AMETISTE
ANATOLE FRANCE
CIVILIZAÇAO BR
(1978)
R$ 5,00



FLOWER CROSS STITCH DESIGNS FOR TOWELS
SAM HAWKINS
AMERICAN SCHOOL N
(1991)
R$ 46,00





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês